Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Mário Cláudio vence XXII Grande Prémio de Literatura dst com "Astronomia"

Prémio no valor pecuniário de 15 mil euros

“ASTRONOMIA” DE MÁRIO CLÁUDIO VENCE

XXII GRANDE PRÉMIO DE LITERTURA DST

*Prémio será entregue no dia 30 de junho, no Theatro Circo, no âmbito da Feira do Livro de Braga

 

MC por Leonel de Castro.jpg

 

Mário Cláudio é o grande vencedor do XXII Grande Prémio de Literatura dst, que todos os anos premeia o melhor da literatura em Portugal. “Astronomia”, um romance de 2015, conquistou o júri por unanimidade pela “invulgar qualidade da narrativa”, onde impera a harmonia “num tecido em que os tempos se estabelecem, dialogam e reconstituem”. São tempos que retratam as diferentes fases da vida do autor - infância, maturidade e velhice -, através de uma autobiografia, que espelha uma visão fantasiosa de Mário Cláudio sobre o seu percurso.

O artista, que também se dedica à poesia, ao ensaio, à dramaturgia e aos livros infantis, trilhou um percurso ímpar na literatura portuguesa, onde se distinguem obras como “Amadeo”, “Guilhermina” e “Tiago Veiga”. Mário Cláudio é o pseudónimo de Rui Manuel Pinto Bardot Costa, que nasceu em novembro de 1941, no Porto, e se licenciou em Direito na Universidade de Coimbra. Soma também o diploma como Bibliotecário-Arquivista pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e o título de “Master of Arts” em Biblioteconomia e Ciências Documentais, pela Universidade de Londres.

O Grande Prémio de Literatura dst, instituído em 1995 pelo grupo dst, afirma-se ano após ano como um dos mais importantes no panorama cultural português. José Teixeira, presidente do Conselho de Administração do grupo dst, sublinha que “a existência do Grande Prémio de Literatura dst cumpre uma estratégia empresarial onde a leitura é entendida como um fator crítico de sucesso no desempenho económico do grupo e o pensamento dos poetas representa uma oportunidade para sermos capazes de ver o que de outra forma nunca o conseguiríamos sentir”.

Com um prémio pecuniário de 15 mil euros, apresenta um funcionamento rotativo, premiando num ano uma obra de prosa e, no seguinte, uma obra de poesia. Depois de ter distinguido nos últimos cinco anos nomes como Luísa Costa Gomes, Armando Silva Carvalho, Jacinto Lucas Pires e Maria Velho Costa, o galardão é agora entregue a Mário Cláudio, que sucede a Manuel Alegre, vencedor da edição do ano passado, com “Bairro Ocidental”. O autor de “Astronomia” receberá o prémio por ocasião da Feira do Livro de Braga, um evento que também conta com o apoio do grupo dst.