Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Museu do Fado inaugura Oficina da Guitarra em Alfama (3ªf, 23 Abril, 17h)

aa87807d-c176-4350-9c0b-993f08aa3c13.jpg

 

 

A Câmara Municipal de Lisboa e a EGEAC inauguram no próximo dia 23 de abril a Oficina de Construção de Guitarra do Museu do Fado, que presta homenagem às duas grandes Escolas Tradicionais na Arte da Construção da Guitarra Portuguesa: a de Gilberto Grácio e a de Óscar Cardoso. 

Espaços de construção, projeção de filmes, postos de consulta sobre guitarreiros e guitarristas e ainda, uma área de venda de instrumentos e acessórios para a guitarra portuguesa integram a oferta desta Oficina. O Curso de Construção de Guitarra inicia-se no ano lectivo de 2019/2020. Entre Maio e Setembro, apresentar-se-á uma programação regular de ateliers e workshops em torno das diferentes etapas de construção de uma guitarra portuguesa. É também possível ao público visitar a Oficina da Guitarra, mediante marcação prévia, através dos contactos do Museu do Fado.

A inauguração, a 23 de abril, contará com actuações
de duas Orquestras de Guitarras:
. às 17h, na Rua de S. Pedro, a Orquestra dirigida por Pedro de Castro;
. às 19h, no Largo do Chafariz de Dentro, a Orquestra dirigida por Paulo Soares.



SALVAGUARDA DO PATRIMÓNIO - PLANO APROVADO PELA UNESCO

Integrando o programa estratégico da Candidatura do Fado à Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade aprovada pela UNESCO, a Oficina da Guitarra assume-se como polo de revitalização e salvaguarda desta herança patrimonial, promovendo a arte dos guitarreiros, a transmissão dos seus saberes às novas gerações, a sua interpretação, estudo e fruição pelo público em geral e pelo círculo de investigadores em particular.
 
A oferta educativa da Oficina privilegiará também a aprendizagem da História do Instrumento, assim como a formação especializada em torno dos elementos integrantes da guitarra portuguesa, com ateliers de construção de leques, entalhamento de volutas, conservação e restauro, entre muitos outros temas. O corpo docente será integrado por guitarreiros, violeiros, entalhadores, técnicos de conservação e restauro, músicos e investigadores.

Gilberto Grácio, Óscar Cardoso, Pedro Caldeira Cabral e Rita Marcelino (única mulher construtora de leques para guitarra portuguesa, filha de Fernando Silva, mestre Fanã) serão alguns dos formadores dos ateliers e workshops que a Oficina apresentará até setembro.

 

af13c725-d50b-48dc-82f5-b6f57be31206.jpg

REGRESSA AO CENTRO HISTÓRICO DE LISBOA UM DOS OFÍCIOS MAIS TRADICIONAIS DA CULTURA PORTUGUESA

Na história da construção da guitarra portuguesa, inteiramente artesanal, distinguem-se duas famílias de guitarreiros que aperfeiçoaram e transmitiram a sua arte ao longo de sucessivas gerações.

Uma inicia-se com João Pedro Grácio, avô de Gilberto Grácio e patriarca de uma grande família de guitarreiros (cinco dos seus 12 filhos foram construtores), que fundou a sua oficina no Largo de São Martinho, ao Limoeiro, em Alfama. O diálogo permanente entre esta oficina e os guitarristas que a preferiram, como Armando Freire, Artur Paredes, Carlos Paredes ou José Nunes, foi fundamental à evolução técnica e acústica do instrumento.
Outra  grande família de guitarreiros inicia-se com Álvaro da Silveira e é continuada por Manuel Cardoso, pai de Óscar Cardoso. Natural do Funchal, Álvaro da Silveira mudou-se para Lisboa aos 20 anos, especializou-se no fabrico da guitarra e assumiu as funções de encarregado na Oficina da Rua da Boavista. Mais tarde, estabeleceu-se por conta própria na Travessa dos Inglesinhos, no Bairro Alto, até se mudar, já nos anos 60 para a sua casa-oficina no Beco de São Lázaro.

 
A Oficina da Guitarra do Museu do Fado consubstancia também o regresso deste ofício -  um dos mais tradicionais da cultura portuguesa - ao centro histórico da capital. Se os antecessores de Gilberto Grácio e Óscar Cardoso abriram oficinas no centro de Lisboa na primeira metade do século XX, agora, em pleno século XXI, o ensino desta arte regressa ao centro histórico da capital, para aqui residir em permanência.
 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.