Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Museu do Oriente apresenta ciclo de cinema documental | 2-23 fevereiro | Gratuito

O Museu do Oriente apresenta um ciclo de cinema documental dedicado ao tema do exílio, no âmbito do DocLisboa 2020, todos os domingos de Fevereiro, às 17.00, com entrada gratuita. A estreia em Portugal de “Memory Is Our Homeland”, de Jonathan Kolodziej Durand, é um dos destaques.

 

O programa foca-se no exílio e na deslocação, enquanto condições permanentes de uma parte da humanidade, segundo cada momento histórico. Partindo de histórias de vida concretas, retratos relacionados com a primeira metade do século que ressoam no presente, de forma surpreendente e muitas vezes irónica. Irmãs polacas refugiadas na Tanzânia durante a II Grande Guerra, em “Memory Is Our Homeland” (Canadá, 2016), no dia 2 de Fevereiro. Ou a história familiar do suíço Markus Imhoof, em “Eldorado” (Suíça, Alemanha, 2018), no dia 9, e o modo como a empatia e a solidariedade necessários ao acto de acolher são, precisamente, as características humanas desafiadas pelas políticas actuais.


A segunda metade do programa, nos dias 16 e 23 de Fevereiro, acompanha o movimento em relação com os territórios. Em “Ta’ang” (Hong Kong, França, 2016), Wang Bing acompanha com a sua câmara a dura fuga, pelas montanhas da fronteira da China com a Birmânia, de famílias que escapam à guerra civil. Em “Babylon” (Tunísia, 2012) habitamos um campo de refugiados na Tunísia, desde a criação até à sua desmontagem, sem qualquer legenda ou tradução: os corpos, as relações, as tentativas de criar sentido num território que, depois de tudo desaparecer, voltará ao estado inicial, sem poder nunca voltar a ser o mesmo.

 

O ciclo é co-organizado pelo DocLisboa e tem entrada gratuita, mediante levantamento de bilhete no dia da sessão.

 

DocLisboa 2020 no Museu do Oriente

2, 9, 16 e 23 de Fevereiro, domingos

17.00

Entrada gratuita (mediante levantamento do bilhete no dia da sessão)

 

Programa:

 

2 Fevereiro
MEMORY IS OUR HOMELAND
Jonathan Kolodziej Durand
Canadá, 2016
(Estreia em Portugal)
‘Prix du public’ no Montreal RIDM Film Festival 2018

Duração: 90', sem intervalo


O destino dramático de quase um milhão de polacos que, durante a Segunda Guerra Mundial, foram deportados para os campos de trabalho siberianos, antes que milhares deles desaparecessem, ao caminho de um exílio na África, passando pelo Irão e pela Índia. Suportado pelo testemunho da avó, Durand revela uma aspecto voluntariamente apagado da História e interroga-se sobre a natureza de uma identidade baseada no exílio.

 

9 Fevereiro

ELDORADO
Markus Imhoof
Suíça, Alemanha, 2018
(Selecção oficial Doclisboa 2018)
Duração: 91', sem intervalo

eldorado_DOC.png

 

A actual crise dos refugiados constitui a maior deslocação em massa de pessoas desde a Segunda Guerra Mundial. Imhoof leva-nos numa viagem por navios de guerra italianos da Operação Mare Nostrum, por campos de refugiados no sul de Itália e por audiências de asilo com autoridades suíças. Uma crise causada por desigualdades económicas que transformam os países ricos do Norte no ‘eldorado’ que tantos desfavorecidos tentam alcançar a todo o custo.

 

16 Fevereiro

TA’ANG
Wang Bing
Hong Kong, França, 2016
(Seleccão oficial Doclisboa 2016)
International Nuremberg Human Rights Award 2017
Duração: 147’, sem intervalo

taang_DOC.png

 

Os ta’ang, uma minoria étnica birmanesa, encontram-se entre uma guerra civil e a fronteira com a China. Desde 2015, violentos combates obrigaram milhares de crianças, mulheres e idosos a um êxodo além-fronteiras, para a China. Ta’ang acompanha o quotidiano desses refugiados, forçados a deixar as suas casas, mas esperando regressar a breve prazo.

 

23 Fevereiro

BABYLON
Youssef Chebbi, Ismaël, Ala Eddine
Slim
Tunísia, 2012
(Selecção oficial Doclisboa 2012)
Duração: 119', sem intervalo

babylon_DOC.png

 

Pessoas chegam a um território virgem, numa zona selvagem. Rapidamente, constrói-se uma cidade do nada. Habitada por várias nacionalidades, as pessoas que aí vivem falam línguas diferentes. Esta nova Babilónia, rodeada de árvores e animais, ganha rapidamente a forma de uma cidade, ao mesmo tempo banal e extraordinária.