Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Museus e Património Intangível" em debate no Museu do Oriente

Entrada livre

 

Vista%20da%20Praia%20Grande%20(Macau)_Autor%20desc

 

                                                            

Casos de estudo ligados ao património imaterial de Macau são discutidos por especialistas de diversas áreas, numa mesa-redonda que se realiza a 27 de Fevereiro, no Museu do Oriente.

 

Cada orador convidado apresenta uma comunicação que depois será discutida pela mesa, com intervenções por parte do público. “Identidade e memória. Os fundamentos do Património” é o tema abordado por Jorge Crespo, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, seguindo-se “Patrimonializar o lúdico em Macau”, por Rui Simões, da Escola Superior de Comunicação Social do Instituto Politécnico de Lisboa, que foca a articulação entre um território em trocas constantes com o exterior e o significado da sua diversidade lúdica, em particular, como um dos agentes de construção da memória entre as várias comunidades residentes em Macau.

 

“A toponímia de Macau pode ser musealizada?” é a questão levantada por Jorge Santos Alves, da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica de Lisboa, que apresenta três casos de estudo (Rua/Travessa do Patane, Rua/Travessa/Beco/Calçada do Gamboa e Rua da Palanchica) para procurar responder afirmativamente a esta pergunta.

 

Elisabetta Colla, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, aborda “A (in)tangibilidade do culto de A-Ma”, a deusa que protege dos perigos que surgem no mar e cujo culto foi considerado, recentemente, pela República Popular da China como Património Cultural Intangível reconhecendo, assim, publica e formalmente, algo que fazia parte da vivência colectiva desde a antiguidade.

 

Esta mesa redonda realiza-se no âmbito da exposição “Pescadores de Macau e o culto de Chu Tai Sin”, centrada na religiosidade desta comunidade e seus rituais ancestrais, hoje ameaçados de extinção pelas profundas transformações socioeconómicas e culturais do território. Com inauguração a 26 de Fevereiro, a exposição está patente no Museu do Oriente até 19 de Abril.

 

 

Mesa-redonda

“Museus e Património Intangível – casos de estudo de Macau”

27 de Fevereiro

Horário: 10.00-13.00 e 14.30-17.00

Entrada livre

 

Intervenientes:

Ana Brito e Sousa (Museu Marítimo de Macau); Vong Kit Han (Museu Marítimo de Macau); Jorge Crespo (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa); Jorge Santos Alves (Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica de Lisboa); Rui Simões (Escola Superior de Comunicação Social do Instituto Politécnico de Lisboa); Elisabetta Colla (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa).

 

 

Museu do Oriente, Avenida Brasília | Doca de Alcântara (Norte) | 1350-362 Lisboa

Tel.: 213 585 200 | E-mail: info@foriente.pt

www.museudooriente.pt

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.