Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

O Mistério do Caso de Campolide é o primeiro policial de Francisco Moita Flores

O_misterio_do_caso_de_campolide.jpg

 

O primeiro policial escrito pelo antigo inspector da Polícia Judiciária e conhecido criminologista, Francisco Moita Flores, O Mistério do Caso de Campolide, é editado hoje pela Casa das Letras.

Moita Flores, que até agora se tem dedicado ao romance histórico, situa a acção da história em 1937, no auge do Estado Novo, tendo como protagonista dois agentes da PIC, a Polícia de Investigação Criminal – a primeira corporação que existiu em Portugal e que deu origem à Polícia Judiciária.

Na casa do industrial Álvaro Penaguião celebra-se o convite para integrar as listas da União Nacional para as eleições de 1938: um jantar no seu palacete em Campolide com um grupo de amigos, destacadas figuras do Regime. A dada altura, o anfitrião sente-se indisposto e, instantes depois, está morto. Um dos presentes é médico e informa que o industrial foi fulminado por um enfarte. Mas na residência de Álvaro Penaguião houve quem achasse estranha aquela morte súbita, tendo chamado discretamente a Polícia de Investigação Criminal.

O Agente Simão Rosmaninho olha o cadáver e não tem dúvidas de que está perante um homicídio. O Coronel Carolino, um dos directores da Polícia Política é um dos convivas e proíbe-o de fazer qualquer diligência que ponha em causa o veredicto clínico. No dia seguinte, Simão percebe que o seu Chefe já está industriado para obedecer aos desígnios da Polícia de Vigilância e Defesa do Estado. Entalado entre ordens superiores e a convicção de que está perante um homicídio, o jovem detective começa a investigar. Os primeiros resultados do Laboratório de Polícia Científica confirmam as suas suspeitas. E tudo se complica ainda mais quando, na mesma residência, passados alguns dias, ocorre um segundo homicídio. O Mistério do Caso de Campolide torna-se numa luta de poderes, e só os conhecimentos do colega de Simão, o Arengas, lhe permitem resolver os dois crimes.

Francisco Moita Flores é dos autores de língua portuguesa mais conhecido quer pela sua obra literária: A Fúria das Vinhas, Segredos de Amor e Sangue, a Opereta dos Vadios e Mataram o Sidónio!, e O Mensageiro do Rei entre muitos outros títulos, quer pelos trabalhos para cinema e televisão, onde se recordam A Ferreirinha, Ballet Rose, Alves dos Reis, O Processo dos Távoas, O Bairro.