Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"O que é o Arquivo?" - a Cidade e o Arquivo em debate entre 15 e 17 de maio

image_viewer.php.jpg

 

O QUE É O ARQUIVO?
 A cidade e o arquivo em debate nos dias 15, 16 e 17 de Maio


 O terceiro laboratório do ciclo O que é o Arquivo? propõe uma reflexão sobre o encontro entre a cidade e o arquivo e tem lugar de 15 a 17 de Maio, na Biblioteca de Marvila, em Lisboa, sob o mote do Espaço Expectante.

No decorrer do laboratório investigadores e artistas debruçam-se sobre o tema, em três mesas de trabalho, organizadas sob três linhas de investigação: “Território” (desenho e planeamento), “Extratos” (tempo) e “Terreno” (ocupação). 
 E
ntre outras problematizações, procura-se dar resposta a questões como as potencialidades do espaço vazio no meio de uma cidade.

 

15 MAIO, 4ª feira

15h00 | MESA DE TRABALHO 1. TERRITÓRIO: Desenho e planeamento

Desenho e planeamento territorial e o modo como este influencia ou se relaciona com os trajetos e a habitação.

 A primeira mesa de trabalho conta com a participação da artista ALEXANDRA DO CARMO, do antropólogo e investigador do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, EDUARDO ASCENÇÃO; da investigadora e arquiteta JOANA BRAGA, cujo trabalho se desenvolve em torno da dimensão política e social do espaço urbano e de PAULO CATRICA, fotógrafo que se tem focado nas diversas vertentes da fotografia urbana e de paisagem. 

 

 

 

 

16 MAIO, 5ª feira

10h00 | MESA DE TRABALHO 2. ESTRATOS: Tempo

A sedimentação visível de camadas temporais numa mesma paisagem, acumulação de tempos de que a ruína é uma sinédoque.

 

Participam na segunda mesa de trabalho: ANA ALCÂNTARA, historiadora especialista em História Urbana, da Indústria e dos Transportes portugueses entre o século XIX e o século XX; FERNANDA FRAGEIRO, artista; LUÍS SANTIAGO BAPTISTA, arquiteto e crítico de arquitectura e MARIA FILOMENA MOLDER, professora catedrática, pensadora, autora do programa atualmente no ar “Ruas de Sentido Único” (Antena 2) que faz uma reflexão prática sobre a experiência estética da cidade contemporânea.

 

15h00 | MESA DE TRABALHO 3. TERRENO: Ocupação
 
Questões relacionadas com a Terra, potencialidades da ocupação e da tomada do espaço urbano e das possibilidades de um espaço afirmado como improdutivo ou vago.

 
Com as participações da artista CARLA FILIPE, da realizadora e antropóloga CATARINA ALVES COSTA, do investigador e professor JOSÉ AUGUSTO BRAGANÇA DE MIRANDA e de SUSANA VENTURA, investigadora no 
Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo (CEAU-FAUP).

 

17 MAIO, 6ª feira

21h30 | SESSÃO DE CINEMA AO AR LIVRE

A Primeira Árvore no Parque de Chelas (reportagem da RTP, de 24 Janeiro de 1974)
 Brasília: contradições de uma cidade nova, de Joaquim Pedro de Andrade
 Pé na Terra, de João Vladimiro
 Fire Child, de Gordon Matta – Clark.

 

Todas as atividades são de entrada livre e abertas ao público.

 

Esta é uma iniciativa organizada pelo Arquivo Municipal de Lisboa – Videoteca, em parceria com o projeto OBRA – Fragmentação e Reconfiguração : A experiência da cidade entre arte e filosofia, com curadoria de Inês Sapeta Dias, Joana Ascenção, Maria do Mar Fazenda, Nélio Conceição e Susana Nascimento Duarte.

 

Arquivo / Cidade
 A proposta deste laboratório surge do confronto e da observação direta de uma zona da cidade de Lisboa em intensa transformação, Marvila, onde parece ser particularmente premente levantar questões sobre o arquivo, com enfoque na sua importância para a construção de um lugar. O laboratório foi precedido de sessões de trabalho com investigadores e artistas cujo trabalho está de alguma forma ligado a este território em particular: António Miranda, Fátima Tomé Ribeiro, Frédéric Vidal, Guya Accornero, Joana Braga, Mariana Viegas, Paulo Catrica, Susana Ventura, Tiago Castela e representantes das associações locais.

 

Espaço Expectante é o terceiro, e será o último, laboratório do ciclo O que é o Arquivo? que surgiu em 2017 com o objetivo de refletir em torno da definição contemporânea de arquivo, questionando o seu papel, definições e amplitude na era digital. O primeiro laboratório teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian, em torno da temática Arte/Arquivo, dando origem à publicação O que é o arquivo? Arte / Arquivo, numa edição bilingue publicada pela Sistema Solar (Documenta); e o segundo, decorreu no ano passado, na Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema, sob o mote Cinema / Arquivo