Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Obra mais ambiciosa de Friedman chega a Portugal || Obrigado pelo atraso: um guia otimista para vencer na era da velocidade"

ObrigadopeloAtraso.jpg

 

Obra mais ambiciosa de Friedman chega a Portugal

 

Obrigado pelo atraso: um guia otimista para vencer na era da velocidade

 

“Obrigado pelo atraso” é o nome da obra mais recente de Thomas Friedman, um dos mais aclamados colunistas do New York Times, três vezes vencedor do Prémio Pulitzer, que chega às livrarias portuguesas já na próxima semana. Nesta obra, um guia otimista para vencer na era da velocidade, o autor mostra, entre outras coisas, que podemos vencer as múltiplas tensões de uma época de acelerações se abrandarmos, se nos atrevermos a atrasar-nos e usarmos o tempo para repensar o trabalho, a política e a comunidade. 

 

O mundo está a mudar a uma velocidade estonteante, e as nossas vidas estão a ser transformadas por todos os lados ao mesmo tempo. Em “Obrigado pelo atraso”, o mais recente e ambicioso livro de Thomas Friedman, e um trabalho diferente de todos os anteriores, o autor expõe estes movimentos tectónicos que estão a redefinir o mundo de hoje, e explica ainda como tirar o máximo proveito deles e como amortecer os piores impactos.

 

Escrito de uma forma clara e profunda, esta obra de Friedman pretende trazer-nos uma nova abordagem sobre os paradigmas atuais e a forma como vemos o mundo.

O modo como entendemos as notícias, o trabalho que fazemos, a educação de que os nossos filhos precisam, os investimentos que o nosso empregador tem de fazer, e as escolhas morais e geopolíticas em que o nosso país tem de navegar – tudo isto será remodelado pela análise original de Friedman, três vezes vencedor do Prémio Pulitzer.

 

Em “Obrigado pelo atraso” o autor, que iniciou a sua carreira no jornal The New York Times em 1981 como jornalista da área financeira, começa por nos levar à sua própria maneira de ver o mundo. E, depois de um rápido editorial, passa a escrever aquilo que se poderia chamar “uma coluna gigante sobre o século XXI”. A sua tese é a seguinte: para entender o século XXI, precisamos de compreender que as três maiores forças do planeta – A Lei de Moore (tecnologia), o Mercado (globalização) e a Mãe Natureza (alterações climáticas e perda de biodiversidade) estão em aceleramento simultâneo, e que estas acelerações estão a transformar cinco pontos-chave: o local de trabalho, a política, a geopolítica, a ética e a comunidade.

 

Porque é que isto está a acontecer? Como mostra Friedman, o aumento exponencial do poder de computação definido pela lei de Moore tem muito a ver com isso, assim como o ano de 2007, que foi um importante ponto de viragem devido ao lançamento do iPhone, juntamente com os avanços em chips de silício, software, armazenamento, sensores e redes, que criou uma nova plataforma tecnológica. Friedman chama esta plataforma de “a supernova” – pois é uma libertação extraordinária de energia que está a remodelar tudo, desde o modo de chamar um táxi, ao destino das nações e aos nossos relacionamentos mais íntimos. É, para o autor, a criação de novas e vastas oportunidades para indivíduos e pequenos grupos poderem salvar o mundo ou destruí-lo.

 

Através desta obra, e com a sua reconhecida vitalidade, sagacidade e otimismo, Friedman mostra que podemos vencer as múltiplas tensões de uma época de acelerações e pessimismo se abrandarmos, se nos atrevermos a atrasar-nos e usarmos o tempo para repensar o trabalho, a política e a comunidade. Foi isso que fez em “Obrigado pelo atraso”, cujo título explica o propósito do livro.

 

De realçar que, tal como a maioria de nós, também o autor nunca tem tempo para nada porque existem sempre, e cada vez mais, coisas para fazer. E que, devido à sua profissão, grande parte dos seus dias são ocupados com encontros junto de empresários, políticos e, entre outros, fontes de informação. A propósito destes encontros, e tendo em conta que estamos num mundo cada vez mais veloz, o autor acabou por constatar que os atrasos frequentes das pessoas com quem se ia encontrar o faziam ter mais tempo para si. E foi neste tempo - que Friedman acabou por preencher a pensar - que surgiram as ideias que agora sustentam este livro. Daí o agradecimento do autor a quem se atrasa estar implícito no título desta obra – a mais ambiciosa que já escreveu.

 

De realçar ainda que “Obrigado pelo atraso” é o terceiro livro de Friedman que chega a Portugal. Os primeiros foram “Quente, plano e cheio”, em 2009, e “O mundo é plano”, em 2010.

 

De realçar também que esta obra chega às livrarias portuguesas já na próxima semana, através da Actual, uma chancela do Grupo Almedina, com o pvp de 22,90€.

 

 

Sobre o autor:

Thomas Friedman iniciou a sua carreira no jornal "The New York Times" em 1981 como jornalista da área financeira, especializado em temas relacionados com o petróleo. Três vezes vencedor do Prémio Pulitzer, viajou por todo o mundo como jornalista e especializou-se no conflito do Médio Oriente, no fim da Guerra Fria, na política interna e internacional dos EUA e no impacto da ameaça terrorista mundial. Friedman é autor do livro "From Beirut to Jerusalem" (editado em 1989), que conquistou os Prémios National Book e Overseas Press Club nesse mesmo ano e fez parte na lista dos bestsellers do New York Times durante quase um ano. Também escreveu "O Lexus e a Oliveira" (editado nos EUA em 1999 e em Portugal em 2000), um dos livros mais vendidos na área dos negócios em 1999 e que venceu do Prémio 2000 Overseas Press Club na categoria de melhor livro de política internacional. O seu grande sucesso literário é "O Mundo é Plano" (editado em Portugal pela Actual Editora em 2005), que ganhou o primeiro prémio para melhor livro de negócios atribuído pelo Financial Times e pela Goldman Sachs. Thomas L. Friedman licenciou-se na Universidade de Brandeis com uma especialização em Estudos Mediterrâneos e tem um mestrado em Estudos Modernos do Médio Oriente da Universidade de Oxford. Vive em Bethesda, no Estado norte-americano de Maryland, com a sua mulher, Ann, e as suas duas filhas. Para ficar a conhecer mais sobre o autor, esta e outras obras suas consulte: www.thomaslfriedman.com