Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

OUT.FEST 2017 - Novas Confirmações: CATERINA BARBIERI, LOLINA, GYUR, COLECTIVO VANDALISMO

 

 

OUT.FEST – Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro 

2017 / 14ª edição 

De 4 a 7 de Outubro em vários locais da cidade do Barreiro

Uma Co-Programação da OUT.RA - Associação Cultural e da Filho Único - Associação Cultural

 

http://www.outfest.pt 

 

Novas confirmações: 

CATERINA BARBIERI (IT)

LOLINA (RU)

GYUR (PT)

COLECTIVO VANDALISMO (PT)

 

Juntando-se aos já conhecidos em cartaz: 

THIS IS NOT THIS HEAT (UK)

JEJUNO (PT)

THE PERE UBU MOON UNIT (US)

CASA FUTURO (P. Sousa, J. Berthling & G. Ferrandini) (PT/SE)

NOCTURNAL EMISSIONS (UK)

SIMON CRAB (UK)

JONATHAN ULIEL SALDANHA & CORAL TAB (Coro dos Trabalhadores da Autarquia do Barreiro) + CORO BE VOICE (PT)

BOOKWORMS (US)

 

Bilhetes: 

** Último lote de Passes Gerais à venda nos locais habituais ao preço de 30€ **

 

**

Do novo grupo hoje anunciado, ressalta o denominador comum da linguagem da música electrónica trabalhada ao serviço de ideias de fazer novo, diferente, alternativo, no espaço, ainda e sempre a dimensão mais desafiante para explorar. 

A italiana Caterina Barbieri é uma compositora em sintetizadores modulares, que lançou o aclamado disco "Patterns Of Consciousness” na Primavera última no selo Important Records. O seu trabalho de ambientes sonoros rizomático, frondoso em arpeggios sintetizados e algoritmos melódicos intricados, mereceu o apto elogio de Alessandro Cortini, dos Nine Inch Nails, que achou-o “elegantemente movendo-se entre o melódico aprazível, sequências desconfortáveis e espaços sónicos de abrigo e conforto”. > https://youtu.be/kNKvsdyCTy4 

Lolina é a nova pele da artista a viver e trabalhar entre Londres e Tallin, natural de Samara, Rússia, anteriormente conhecida como Inga Copeland - quer a solo, quer a meias nos Hype Williams, que partilhava com Dean Blunt. As suas produções de música electrónica desde o finamento do duo mestre do fascínio do intangível têm revelado uma estética insigne; exigentes, discordantes, contudo melódicas e sensuais. O engajante “Live in Paris”, lançado online em formato video, chegando a versão em CD um par de meses depois, mostrou a artista em palco cercada por uma projecção multiscreen do jogo de tabuleiro ‘Monopólio’, numa possível apocrifia conceptual sobre as dinâmicas sócio-económicas-culturais que se trocam em Londres nos tempos que correm. > https://vimeo.com/156627557 

GYUR é, tal como a emergente BLEID que actuou há dois anos no OUT.FEST, parte da CRATERA, um grupo de criadores de ‘conteúdos digitais’ com epicentro na difusa Grande Lisboa. Através do bandcamp do colectivo editou em Fevereiro último o primeiro disco, “Garble”, produzido, misturado, masterizado e com artwork pelo autor. Temas cascantes, de ataques rítmicos cyber punk levedantes, com um sentido narrativo cognitivamente desafiante. > https://cratera.bandcamp.com/album/garble 

 

Os Colectivo Vandalismo é a dupla constituída por Pedro Abrantes e Valdemar Pereira, dividindo-se entre Braga e Porto. Lançaram no final do ano passado a nortada carismática “Untitled” na Eye For An Eye Recordings. Música minimal, agressivamente fresca e subtil, num equilíbrio aprimorado entre o cru e a sofisticação nos processos e resultados claramente vencedor. Evocativa das Waves europeias mais escuras e frias dos anos 80, transcende o fetiche fácil de compilação underground em cassete da época - até na tuga a “Coma” já no início da década de 90 deu fogo à peça - justapondo códices tecnados desde então tornados música. > https://eyeforaneyerecordings.bandcamp.com/album/untitled-2 

 

Mais informações em http://www.outfest.pt