Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Palácio de Queluz recebe grandes nomes da música clássica: duos, trios e orquestras

3 – 25 de outubro – Temporada de Música

Palácio de Queluz recebe grandes nomes da música clássica: duos, trios e orquestras

 

- Abertura: Midori Seiler e Jos van Immerseel: dois grandes solistas revolucionários

- Orquestra Gulbenkian encerra a Temporada com Karina Gauvin (nomeada para dois Grammy Awards)

- Concerto Campestre recupera música feita para o Palácio

- Concerto do Goethe Institut: integrado no Festival Cantabile

- Trio do Desassossego: Prémio Jovens Músicos

 

 

 Inicia-se, a 3 de outubro, o Ciclo de Outono da “Temporada de Música – Tempestade e Galanterie”, no Palácio Nacional de Queluz.

Este evento, organizado pela Parques de Sintra em parceria com o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal (CEMSP), tem direção artística de Massimo Mazzeo.

Depois do Ciclo de Carnaval, que teve lugar em março, é agora vez do Ciclo de Outono trazer grandes nomes da música nacional e internacional em cinco concertos no Palácio Nacional de Queluz. Desta vez o destaque é dado aos agrupamentos: duos, trios e orquestras.

O arranque é a 3 de outubro, na Sala da Música, com dois grandes solistas de referência: Midori Seiler (violinista) e Jos van Immerseel(pianoforte), que se apresentam pela primeira vez em Portugal em conjunto de pianoforte e violino.Estes dois músicos, incontornáveis na cena internacional dos últimos vinte anos, são responsáveis por fortes criações artísticas e intelectuais, tais como orquestras e projetos de ordem estética (como por exemplo a orquestra "Anima Eterna"), que hoje em dia são parte integrante de um movimento de revolução único.O programa deste concerto inclui obras de Beethoven, Schubert e Clementi.

O segundo concerto do ciclo, a 10 de outubro na Sala do Trono, é organizado pelo Goethe Institut e está integrado no Festival Cantabile. O programa do concerto inclui algumas das canções mais comoventes do repertório alemão e francês (que é o tema deste ano do Festival Cantabile): Brahms, Debussy e Duparc, interpretadas por artistas de renome da música de câmara internacional, como é o caso de Diemut Poppen, Gerhild Romberger e Manuel Lange.

A 11 de outubro tem lugar o concerto do Trio do Desassossego (agrupamento vencedor do Prémio Jovens Músicos 2013, na categoria de Música de Câmara), na Sala do Trono. Este concerto, intitulado “Música no Palácio de Queluz”, inicia uma importante colaboração com o Prémio Jovens Músicos, uma das iniciativas que em Portugal mais tem apoiado a inserção e promoção de jovens artistas no mundo das artes performativas. O programa inclui obras de Beethoven e de Mendelssohn.

No dia 18 de outubro, na Sala do Trono, é a vez do Concerto Campestre apresentar a serenata “L’Angelica”, de João de Sousa Carvalho (1745-1799), com direção musical de Pedro Castro. Esta serenata foi escrita para o Palácio Nacional de Queluz, em 1778, consistindo num género de música dramática aparentado com a ópera, mas com dimensões mais reduzidas e geralmente executada sem encenação. O projeto de recuperação das serenatas do Palácio Nacional de Queluz é um dos pontos sobre o qual o trabalho do Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal (CEMSP) se centrará nos próximos anos com vista à recuperação do corpus das serenatas em edição crítica, apresentação em concerto e fixação em registo digital.

O concerto de encerramento do Ciclo de Outono, e de toda a “Temporada de Música – Tempestade e Galanterie”, é apresentado a 25 de outubro, na Sala do Trono, pela Orquestra Gulbenkian, com direção musical de Massimo Mazzeo. Contará, igualmente, com a participação de Karina Gauvin, soprano de grande plano na cena mundial, conhecida pelas inúmeras gravações e produções operáticas e de concerto, que já lhe valeram duas nomeações para os Grammy Awards. O programa deste concerto inclui as sinfonias n.º 1 de J. D. Bomtempo, n.º 104 de F. J. Haydn, a ária de concerto “Voi avete un cor fedele, K 217” e a cena e ária “Misera, dove son!, K 369”, ambas de W. A. Mozart.

Toda a Temporada foi pensada com o objetivo de divulgar o Palácio Nacional de Queluz enquanto património arquitetónico mas também como local que, com a sua vivência musical, deu origem a um importante acervo.

 

A Temporada de Música – Tempestade e Galanterie

A Temporada de Música – Tempestade e Galanterie – Palácio de Queluz 2014 inclui dois ciclos, Carnaval e Outono. São apresentadas obras de Beethoven, Bach, Mozart e Mendelssohn, entre outros, numa ligação que Massimo Mazzeo, diretor artístico, destaca como “uma reconciliação entre os vários ambientes da cultura, seja do ponto de vista histórico, seja pela programação cultural dos dias de hoje”.

António Lamas, Presidente do Conselho de Administração da Parques de Sintra, refere a satisfação de “voltar a trazer ao Palácio Nacional de Queluz a música setecentista, associando o Palácio a uma temporada de grande qualidade”.

Massimo Mazzeo destaca ainda que “a temporada pretende também, de uma forma não especulativa ou populista, dar espaço à apresentação de novos agrupamentos portugueses que se tenham distinguido pelo seu trabalho, originalidade e inteligência da sua proposta musical”.

 

Temporada de Música Palácio Nacional de Queluz 2014 - Tempestade e Galanterie

 

Ciclo de Outono

 

3 de outubro, 21h00, Sala da Música

Midori Seiler, violino

Jos van Immerseel, pianoforte

L.V. Beethoven, F. Schubert, M. Clementi

Preço: 15€ adulto, 10€ estudante

 

10 de outubro, 21h00, Sala do Trono

Diemut Poppen, Gerhild Romberger e Manuel Lange J. Brahms, C. Debussy, H. Duparc

Entrada gratuita, de acordo com a capacidade da sala (levantamento de bilhetes no próprio dia)

 

11 de outubro, 21h00, Sala do Trono

Trio do Desassossego

L.V. Beethoven, F. Mendelssohn

Preço: 15€ adulto, 10€ estudante

 

18 de outubro, 21h00, Sala do Trono

Concerto Campestre

Pedro Castro, direção musical

João de Sousa Carvalho

Preço: 20€ adulto, 10€ estudante

 

25 de outubro, 21h00, Sala do Trono

Orquestra Gulbenkian

Massimo Mazzeo, direção musical

Karina Gauvin, soprano

F. J. Haydn, W.A. Mozart, J.D. Bomtempo

Preço: 20€ adulto, 10€ estudante

 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

INFORMAÇÕES (PÚBLICO):

Email: comercial@parquesdesintra.pt

Website: www.parquesdesintra.pt

Facebook: www.facebook.com/parquesdesintra

Telefone: +351 21 923 73 00

 

 

BILHETES:

 

À venda nas bilheteiras da Parques de Sintra, online em www.blueticket.pt e na FNAC, Worten, El Corte Inglés, MEO Arena, Media Markt e Postos de Turismo Aeroporto e Pç. Do Comércio.

Preços: entre 15 Euros e 20 Euros (estudantes: 10 Euros para cada um dos concertos)

Passe para o Ciclo de Outono: 60 Euros

Nota: para o concerto do dia 10 de outubro, a entrada é gratuita, de acordo com a capacidade da sala (levantamento de bilhetes no próprio dia)

 

 

- fim -

Sobre o Palácio Nacional de Queluz

O Palácio Nacional de Queluz e os seus jardins históricos constituem um exemplo marcante da ligação harmoniosa entre paisagem e arquitetura palaciana em Portugal. Ilustram a evolução do gosto da Corte nos séculos XVIII e XIX, período marcado pelo barroco, o rococó e o neoclassicismo. Mandado construir em 1747 pelo futuro D. Pedro III, consorte de D. Maria I, o Palácio Nacional de Queluz foi inicialmente concebido como residência de verão, tornando-se espaço privilegiado de lazer e entretenimento da Família Real, que o habitou em permanência de 1794 até à partida para o Brasil, em 1807, na sequência das invasões francesas.

www.parquesdesintra.pt/parques-jardins-e-monumentos/palacio-nacional-e-jardins-de-queluz/

 

Sobre o Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal

O Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal, com sede nas instalações do Palácio Nacional de Queluz, tem como objetivo principal a promoção e divulgação do património musical associado ao Palácio de Queluz, no qual a música ocupou desde sempre um papel central, e onde foram apresentadas dezenas de serenatas e óperas. Serão realizados, nas salas do Palácio, concertos, eventos, conferências, simpósios e colóquios, assim como masterclasses e outras iniciativas que se propõem estudar e recuperar o tempo e a tradição de grandes acontecimentos musicais da época da permanência da Família Real no Palácio de Queluz, contribuindo em simultâneo para a fruição pública de uma programação musical de qualidade e para a afirmação do Palácio como referência incontornável da nossa herança cultural. 

www.divinosospiro.org

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.