Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Palácio Nacional de Sintra com loja e bilheteira renovadas

Terminou este mês a intervenção para a modernização e reorganização funcional das áreas de loja e bilheteira do Palácio Nacional de Sintra, face ao aumento do número de visitantes e à evolução dos hábitos de consumo. O projeto, que decorria desde o final de 2014, incluiu a renovação da loja e bilheteira do palácio, a recuperação de uma antiga residência de guarda situada no piso superior - desocupada e degradada - e a sua adaptação a área de estar aberta ao público, complementar à loja - tirando partido de uma ligação existente entre os pisos. As infraestruturas das zonas remodeladas também foram revistas com base na nova disposição das salas e nas exigências atuais de funcionamento, visando sempre a eficiência energética.

 

Bilheteira_Palacio_Nacional_de_Sintra_DEPOIS_credi

 

A reorganização dos espaços teve como base os seguintes princípios:

  • Reposicionar a bilheteira numa área suficientemente grande para acomodar a formação de filas, visto que estas tendiam a chegar ao exterior;
  • Garantir um acesso exclusivo de entrada e um outro de saída da bilheteira para agilizar a circulação de público;
  • Reposicionar a loja num local que não interferisse com a bilheteira, dando prioridade à melhoria da circulação e funcionamento;
  • Implementar, no piso superior, uma nova área de estar, apta para a realização de workshops e apresentações, e aberta ao público sem bilhete diariamente para repouso e consulta de publicações em venda na loja.

 

Loja_Palacio_Nacional_de_Sintra_DEPOIS_creditos_PS

 

A nova área de estar oferece uma vista privilegiada para o Terreiro do Palácio, para a Vila e Serra de Sintra, bem como para o Castelo dos Mouros, convidando ao repouso e à permanência e valorizando, deste modo, a experiência de visita.

 

 

A intervenção

Com a remodelação, pretendeu-se explorar ao máximo a configuração das várias salas e ligações entre elas, com vista a introduzir o mínimo possível de alterações no edifício. No piso da loja e bilheteira, o projeto baseou-se em soluções que alteraram a disposição dos espaços mas que assentaram maioritariamente na substituição de mobiliário, cujo desenho se pretendeu simples e depurado. A bilheteira foi posicionada no local da antiga loja, por ser esta a sala com maior capacidade para acomodar a formação de filas, enquanto a loja passou a ocupar duas salas interiores, situadas no percurso entre a bilheteira e as instalações sanitárias e área de estar. A antiga zona de bilheteira passou a funcionar como sala de entrada, preparada para acomodar duas bilheteiras automáticas que permitirão reduzir os tempos de espera, com especial impacto na época alta. As instalações sanitárias mantiveram a sua localização e configuração mas foram alvo de uma beneficiação geral, que envolveu a substituição das cabines, louças sanitárias e revestimentos de parede e pavimento, que já se encontravam danificados. Foram ainda instalados fraldários em ambas as instalações sanitárias.

 

No piso superior, a intervenção englobou o reforço das estruturas de madeira dos pavimentos, que foram mantidas, bem como a instalação de novo soalho idêntico ao existente no piso inferior, devido ao avançado estado de degradação dos revestimentos de pavimentos que aqui existiam. Os revestimentos de parede, em cal, foram recuperados, tendo sido restaurada uma zona de pintura mural que foi encontrada sob várias camadas de caiação branca. Foram ainda removidas duas divisórias sem função estrutural, obtendo-se compartimentos mais amplos e aptos a receber o novo programa. A casa de banho que aqui existia foi também reconfigurada e requalificada, passando a acomodar uma zona comum e duas cabines. Os espaços de arrumos foram de igual modo recuperados e adaptados a copa de apoio a catering e pequeno armazém.

 

O projeto insere-se no contexto de um plano de melhoria das condições de acolhimento ao visitante do Palácio Nacional de Sintra, que a Parques de Sintra tem vindo a desenvolver desde que lhe foi confiada a gestão do monumento, em setembro de 2012.