Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Paro Quando Quiser - Génios à Rasca" a 27 de outubro nos cinemas de Lisboa e Porto

Paro Quando Quiser – Génios à Rasca"

estreia em Lisboa e no Porto a 27 de Outubro

Anos de investigação para um resultado “estupefaciente”

Depois de uma antestreia com sessão esgotada no 8 ½ Festa do Cinema Italiano, “Paro Quando Quiser – Génios à Rasca”, a primeira longa metragem de Sydney Sibilia - que escreveu também o argumento, juntamente com Valerio Attanasio - estreia nos cinemas dia 27 de outubro, em Lisboa (NOS Amoreiras) e no Porto (NOS Alameda). Uma distribuição 8 ½ Festa do Cinema Italiano/Il Sorpasso.

Considerado uma das comédias italianas mais divertidas dos últimos tempos, o filme teve mais de 25 nomeações nas categorias principais em diversos prémios de cinema e festivais, entre elas 10 nomeações nos prémios David di Donatello, foi considerado a melhor comédia do ano nos Globos de Ouro italianos, o melhor filme no Festival de Cinema de Reykjavik, o seu realizador foi revelação do ano nos Ciak d'Oro e a produção distinguiu-se como a melhor de 2014 pelo Sindicato de Jornalistas de Cinema, nos Nastri d'Argento.

A primeira inspiração para o filme foi um artigo de jornal que tinha como título “Aqueles homens do lixo com licenciatura”, que falava de dois rapazes com mestrado que trabalhavam na empresa municipal de tratamento do lixo. Quando em 2010, o produtor Matteo Rovere pediu a Sydney Sibilia para escrever aquilo que seria a sua primeira longa metragem (depois de até aí se ter dedicado essencialmente à publicidade e às curtas metragens), este só tinha uma única imagem na cabeça: dois varredores que, ao nascer do sol, a discutir “A Crítica da Razão Pura”, enquanto varriam a passadeira.

Na realidade, segundo o realizador esta imagem é “uma síntese daquilo que estava a acontecer naqueles dias. As primeiras páginas dos jornais estavam cheias de artigos sobre os cortes à investigação e sobre as manifestações dos jovens que, durante toda a vida, só tinham estudado e que, agora, com quase 40 anos, estão sem trabalho e sem perspetivas. Ninguém parece dar-se conta do paradoxo: as pessoas mais inteligentes do país estão à margem da sociedade. E se eles decidissem rebelar-se? E se os criminosos, agora, fossem as mentes mais brilhantes em circulação? E se eles se juntassem?”.

É isso que encontramos no filme: um bando de nerds geniais que se torna no gangue mais improvável da cidade. Usam a Neuro-biologia, o Latim Clássico, a Antropologia e a Macroeconomia para se introduzirem numa estranha falha legislativa italiana: a das smart drugs.

Sinopse:
Pietro Zinni (Edoardo Leo) tem 37 anos, é investigador universitário e é um génio. Mas isto não é suficiente. Chegam os cortes na universidade e é despedido. O que é que pode fazer para sobreviver um nerd que só tem estudado na vida? A ideia é dramaticamente simples: juntar um bando de criminosos como nunca se viu. Recruta os melhores entre os seus ex-colegas que, apesar das competências, vivem na margem da sociedade trabalhando como empregados quer em bombas de gasolina, quer em restaurantes a lavar loiça; há até quem se tenha tornado jogador de poker... Macroeconomia, Neuro-biologia, Antropologia, Letras Clássicas e Arqueologia revelam-se ferramentas perfeitas para escalar na pirâmide do crime. O sucesso é imediato e deflagrante: chegam dinheiro, poder, mulheres e sucesso.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.