Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Peça sobre os amores homossexuais entre os poetas Rimbaud e Verlaine estreia em Lisboa

 

Num cruzamento dos círculos da famosa viagem de Dante ao Inferno em «A Divina Comédia» e a adaptação livre do poema «UNE SAISON EN ENFER» de Arthur Rimbaud, nasce este espectáculo, intenso trabalho de dramaturgia e criação de Ricardo Bargão e música original de Cláudio Pina (Aka Adam Nox), que estreará no Auditório Carlos Paredes em Benfica a 18 de Setembro. Recorrendo exclusivamente às palavras dos poetas, retrata-se em jeito de metáfora da sua vida e obra, 24 horas da vivência de Arthur Rimbaud e Paul Verlaine num hotel em Bruxelas, o princípio do fim de uma relação violenta, decadente, luxuriosa e destrutiva entre aqueles que foram talvez os maiores expoentes da poesia de final do século XIX. Espectáculo provocador e inquietante que junta imagens poéticas belíssimas a cenas de nudez e sexo gráfico.

 

Sinopse

Depois de Rimbaud lhe ter enviado uma carta contendo diversos poemas seus, retornou a Paris em Setembro de 1871 por um convite do eminente poeta simbolista Paul Verlaine  e residiu brevemente em sua casa. Verlaine, que era casado, apaixonou-se prontamente pelo adolescente calado e promissor poeta. O tempestuoso caso amoroso entre ambos levou-os a Londres em setembro de 1872 , Verlaine abandonando sua esposa e um filho pequeno; ambos sofriam de abusos durante as iras alcoólicas de Verlaine. Em junho de 1873, Verlaine voltou para Paris, onde a ausência de Rimbaud foi difícil de aguentar. Em oito de julho, ele mandou um telegrama ao jovem poeta, dando-lhe instruções para se juntar a ele no Hotel Liège em Bruxelas. Rimbaud concordou imediatamente. O encontro foi péssimo; cheio de discussões e acusações mútuas e Verlaine bebendo constantemente.

Na manhã de dez de julho, Verlaine comprou um revólver e munição; à tarde, numa "fúria de bêbado", disparou dois tiros em Rimbaud, um deles ferindo o poeta de dezoito anos no pulso.

Rimbaud considerou o ferimento superficial e a princípio não acusou Verlaine. Após isto, ele e sua mãe acompanharam Rimbaud a uma estação de comboios em Bruxelas, onde Verlaine se comportou como um louco. Isto fez Rimbaud sentir medo do poeta e fugir.

Verlaine foi detido por tentativa de homicídio e submetido a um exame médico humilhante.Também foi interrogado sobre sua correspondência íntima com seu amante e sobre as acusações da sua mulher sobre a natureza de sua relação com Rimbaud, que acabou por retirar a sua queixa, porém o juiz condenou Verlaine a dois anos de prisão por pederastia.

Rimbaud e Verlaine se encontraram pela última vez em março de 1875, em Stuttgart,  na Alemanha, depois que o último saiu da prisão e se converteu ao catolicismo. Rimbaud nunca mais escreveu mais nada e decidiu-se por uma vida de trabalho

 

Ficha Técnica

Texto: Arthur Rimbaud e Paul Verlaine

Encenação e dramaturgia: Ricardo Bargão

Revisão e apoio na tradução/dramaturgia: João Inácio

Produção: Teatro Alárdiário

Produção Executiva: Espectacologia.com

Vídeo: Ricardo Bargão

Música Original: Cláudio Pina (aka Adam Nox)

Interpretação: Daniel Tapadas e Ricardo Bargão

Fotografia: Tiago Braga

Design gráfico: Phenomeno Design

 

Duração: 75 minutos

Classificação: maiores de 18 anos