Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Podia Ter Sido Pior, Escritos 1953-2020", obra póstuma do embaixador José Cutieiro, editada na próxima terça-feira pela Dom Quixote

podia_ter_sido_pior.jpg

A Dom Quixote edita na próxima terça-feira, 1 de março, “Podia Ter Sido Pior”, obra que reúne os escritos do embaixador José Cutileiro entre 1953-2020, uma antologia com uma selecção dos mais bem conseguidos Bilhetes de Colares, diversos obituários publicados originalmente na célebre coluna In Memoriam, do jornal Expresso, alguns dos mais influentes textos de antropologia, e comentários de política internacional muito actuais.

«Num Portugal avaro em ensaístas, aí estava um – diplomado, experiente, lucidíssimo, precioso no bisturi, fino na sua expressão verbal.”, escreve o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no prefácio de uma obra que começou a ser preparado pelo próprio José Cutileiro.  A ideia de organizar esta antologia terá surgido em 2015 e o trabalho editorial teve início em Fevereiro de 2016. Durante cinco anos, e até à data da sua morte, em 2020, o embaixador dedicou-se intermitentemente ao projecto. José Cutileiro tinha uma ideia precisa do que pretendia alcançar com este livro. De fora da antologia ficariam as obras publicadas em livro, os textos retirados do blogue Retrovisor, de Vera Futscher Pereira, que integram “Inventário”, e a poesia, reunida em “O Amor Burguês” (1959) e “Versos da Mão Esquerda” (1961).

José Cutileiro foi taxativo em afirmar que não desejava que esta antologia se tornasse numa espécie de «sarcófago literário» que cristalizasse para todo o sempre o seu trabalho. Sabendo nos últimos meses de vida que seria publicada postumamente, insistiu que não deveria ser objecto de prateleira, nem deveria ter pretensões de «obra completa». Pelo contrário, optava por uma edição divulgativa, com aspecto gráfico moderno, um objecto que proporcionasse uma leitura agradável, uma selecção de textos capaz de atrair os leitores actuais, e com as referências bibliográficas e restante aparato editorial reduzidos ao essencial. Pretendia assim cativar o maior número possível de leitores, nomeadamente as novas gerações, ficando em relevo a contemporaneidade e frescura da sua criação literária.”

Com a sua morte em Maio de 2020, Myriam Sochacki-Cutileiro, em diálogo com Fernando Andresen Guimarães, acautelou a continuidade do projecto. “Se tivesse de dar um subtítulo a Podia Ter Sido Pior, seria sem qualquer dúvida, inspirando-me livremente no título de uma colectânea de Julien Gracq, 'Vivendo a Escrever'. Com efeito, o José foi um homem que viveu a escrever e que escreveu a viver. Praticamente toda a sua vida está nestes textos”, lê-se na introdução, em que a viúva confidencia que o embaixador até a dedicatória escolheu antes de morrer.   

JOSÉ CUTILEIRO (1934-2020) nasceu em Évora. Estudou Antropologia Social em Oxford e ensinou-a em Londres. Diplomata de 1974 a 1994, em 1992 coordenou a Conferência Europeia sobre a ex-Jugoslávia presidida por Lorde Carrington. De 1994 a 1999 foi secretário‑geral da União da Europa Ocidental e,  de 2001 a 2004, professor no Institute for Advanced Study, na Universidade de Princeton. Foi comentador de relações internacionais nos programas Visão Global e O Estado do Sítio, ambos de Ricardo Alexandre, e escreveu semanalmente In Memoriam no jornal Expresso. Publicou dois livros de versos (O Amor Burguês e Versos da Mão Esquerda), uma monografia antropológica (Ricos e Pobres no Alentejo), um ensaio sobre o fim da Jugoslávia (Vida e Morte dos Outros), crónicas sob o nome de A. B. Kotter (Bilhetes de Colares) e um livro de memórias (Abril e Outras Transições). Entre Janeiro de 2014 e Outubro de 2019 manteve um Bloco-Notas no blogue Retrovisor, de Vera Futscher Pereira, do qual resultou uma antologia de artigos (Inventário).  

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.