Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Portugal Não é um País Pequeno, de André Amálio, no Teatro São Luiz, de 14 a 23 janeiro | RETORNAR - Traços de Memória

PORTUGAL NÃO É UM PAÍS PEQUENO, DE ANDRÉ AMÁLIO

14 A 23 JAN, QUInta a SÁBado, às 19h | TEATRO SÃO LUIZ

 

portugal%20não%20é___02_creditos%20andre%20amali

 

De 14 a 23 de Janeiro (de quinta a sábado), André Amálio apresenta no Teatro São Luiz, o espectáculo Portugal Não é um País Pequeno, sobre a presença dos portuguese em África. Este espetáculo está integrado no programa expositivo Retornar-Traços de Memória.

 

André Amálio, artista, performer, encenador e professor de teatro, debruça-se sobre o passado recente do nosso país, mais concretamente sobre o fim da guerra colonial e a descolonização. O espetáculo foi construído a partir de testemunhos que recolheu de pessoas que viveram em África durante o período colonial português.

 

«Espectáculo que reflete sobre a ditadura e a presença portuguesa em África, em particular a vida dos antigos colonos portugueses através dos seus testemunhos reais. O texto deste espectáculo foi criado através de um processo de verbatim, que significa copiado palavra por palavra, o que se traduziu na escrita de um texto de teatro que utiliza fielmente as palavras das pessoas entrevistadas sobre a sua vida em África no Período Colonial Português. A metodologia seguida combinou a recolha de testemunhos dessas pessoas e uma detalhada pesquisa de historiográfica, criando um texto que retrata a complexidade da história recente em Portugal, no caso do fim do colonialismo português.  Com este trabalho quero investigar histórias reais que se tornaram memórias e que com o tempo foram herdadas; estou interessado em situações onde as pessoas reais contribuem para contestar e reconstruir identidades culturais; estou interessado na forma como o teatro pode contribuir para a reescrita da história, dando voz a um grupo silenciado, trabalhando assim na transmissão da memória entre gerações.»

André Amálio

 

Este espectáculo está integrado no programa expositivo Retornar – Traços de Memória, inaugurado pela EGEAC e que estará patente na Galeria Av. da Índia e outros locais até dia 29 de Fevereiro. Em torno do tema do fim do colonialismo português em África, apresenta uma programação transdisciplinar de debates, performance e leituras encenadas, entre outras actividades que promovem o cruzamento entre as artes e as ciências humanas. A iniciativa apresenta olhares da arte, literatura, antropologia, história e política para promover o diálogo e o conhecimento sobre o momento que ficou conhecido pelo Retorno das ex-colónias portuguesas em África.

Criação e Interpretação: André Amálio

Assistência de Encenação/Coreografia: Tereza Havlíčková

Criação musical e Interpretação: Pedro Salvador

Cenografia: Pedro Silva

 

Quinta, Sexta e Sábado às 19h

São Luiz Teatro Municipal; Jardim de Inverno; M/12

Duração: 90 min

€ 7 (Com desconto Cartão Maria & Luiz)

 

Sobre André Amálio: Fez o bacharelato em Formação de Actores, seguindo-se a licenciatura em Encenação, na Escola Superior de Teatro e Cinema e um mestrado na Goldsmiths, University of London. Artista, performer, encenador e professor de teatro, tem vindo a desenvolver trabalho nas áreas da performance e teatro experimental/ contemporâneo. Confronta o pessoal e autobiográfico à luz da história, desenvolvendo uma investigação dentro dos movimentos estéticos do pós-modernismos e do alter-modernismo, utilizando o texto, o movimento, o corpo e o vídeo. A vida quotidiana e a identidade cultural são dois temas recorrentes no seu trabalho.