Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Programa paralelo à exposição Físicas do Património Português arranca dia 31, com Mesa Redonda e apresentação de Catálogo

Exposição Físicas do Património Português

Lançamento do Catálogo e Mesa Redonda abrem Programa Paralelo

31 de janeiro, 18:00, Museu de Arte Popular

 

21.jpg

 

A relação, tantas vezes polémica, entre cultura patrimonial e cultura arquitetónica é o tema da Mesa Redonda que se realiza no dia 31 de janeiro, às 18:00, no Museu de Arte Popular, em Lisboa, primeira sessão do Programa Paralelo da exposição “Físicas do Património Português. Arquitetura e Memória”.  

Os oradores convidados para este debate, intitulado “Património ou Arquitetura”, são Gonçalo Byrne, João Pedro Falcão de Campos, José Aguiar, Jorge Custódio, Paula Araújo da Silva, Victor Mestre e Sofia Aleixo. A moderação está a cargo de Jorge Figueira, curador da exposição.

A Mesa Redonda será antecedida pela sessão de lançamento do Catálogo desta exposição sobre reabilitação patrimonial, produzida e organizada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no contexto do Ano Europeu do Património Cultural 2018.

“Físicas do Património Português” parte de uma metáfora – os estados da matéria – para dar a conhecer como se trabalha ao mais alto nível em reabilitação patrimonial em Portugal. São apresentadas maquetes de 12 projetos concluídos nos últimos 5 anos e de 6 lugares de difícil intervenção, a par de mais de 300 fotografias que captam a “evaporação” das Baixas de Lisboa e Porto.

O percurso contempla ainda entrevistas filmadas a Alexandre Alves Costa, Walter Rossa, Raquel Henriques da Silva, Rui Tavares e Paulo Pereira, que falam sobre a memória do Estado Novo, o património colonial e a revolução do turismo, entre outros temas. É também apresentada uma cronologia do património arquitetónico, que identifica momentos e obras fundamentais da história de Portugal desde o final do século XIX até aos nossos dias.

Patente ao público desde 5 de dezembro último no Museu de Arte Popular, pode ser visitada de quarta a sexta-feira, entre as 10:00 e as 18:00, e aos sábados e domingos, das 10:00 às 13:00 e das 14:00 às 18:00. O bilhete normal tem o custo de 2,5 euros.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.