Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Programação na Quinta" - O Bando recebe o Trigo Limpo Teatro ACERT com "Sentada no Escuro" | 3 e 4 de fevereiro

Trigo Limpo Teatro ACERT apresenta peça a partir de António Lobo Antunes

O Bando acolhe companhias nacionais em Palmela na “Programação na Quinta”

 

ACERT Sentada no Escuro.jpg

 

Nos dias 3 e 4 de fevereiro, o espaço sede do Teatro O Bando, em Vale dos Barris, Palmela, em plena Serra da Arrábida, é palco do espetáculo “Sentada no Escuro”. Trata-se de uma produção do Trigo Limpo Teatro ACERT, de Tondela, a partir do texto de António Lobo Antunes, “Para aquela que está sentada no escuro à minha espera”. Com dramaturgia e encenação de Pompeu José e interpretação de António Rebelo, Ilda Teixeira, Pedro Sousa, Raquel Costa e Sandra Santos, o espetáculo narra a história de uma mulher de 78 anos, que veio de Faro para a capital, na sua juventude, para seguir o sonho de ser atriz. O público acompanha o seu percurso, desde a carreira acidentada até à perda da memória, que passa a ser o motor central da peça… as recordações que se baralham, uma narrativa que se substitui à própria realidade, a visão intimista e solitária de alguém que assiste à fase terminal da sua vida.

Com este espetáculo pelo Trigo Limpo Teatro ACERT, o Bando abre a “Programação na Quinta” 2018, acolhendo diversas companhias nacionais ao longo do ano. Ainda em fevereiro, o Bando será visitado pelo Teatro da Didascália – Joane, de Famalicão.

As sessões decorrem aos sábados, às 21h00, e aos domingos, às 17h00. Informações e reservas através do telefone 21 233 68 50 ou do e-mail geral@obando.pt.

 

Ficha artística:
Dramaturgia e encenação – Pompeu José
Interpretação – António Rebelo, Ilda Teixeira, Pedro Sousa, Raquel Costa e Sandra Santos
Cenografia e design gráfico – Zé Tavares
Música – Gustavo Dinis e Uhai
Figurinos – Adriana Ventura
Vídeo – Alberto Plácido
Desenho de luz – Paulo Neto
Sonoplastia – Luís Viegas
Assistência – Ricci-Li Alexandre, Ivan Dávila Grande e Deolindo Pessoa
Produção – Marta Costa e Rui Coimbra