Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Próximos concertos: 2 de Novembro, pelas 18h, entrada livre | Temporada da Metropolitana no Museu Nacional da Música

image.png

CartazA3-prog2019_20-MuseudaMusica_geral.jpg

 

Temporada da Metropolitana no Museu Nacional da Música
1º concerto: Solistas da Metropolitana: 2 de Novembro, 18h

De São Petersburgo a Paris | Todos os concertos são de entrada livre 
 
SINOPSE:
Há duas condições que, estando reunidas, são meio caminho andado para os encantos da música de câmara despontarem com fulgor: a interpretação ao vivo e a singularidade do repertório. Resta então a vontade e o cuidado de quem toca e quem ouve. Sendo assim, adivinha-se aqui um momento muito especial da presente temporada dos Solistas da Metropolitana. Em dois fôlegos, somos transportados de um extremo ao outro da Europa num lapso de tempo em que os estilos musicais sofreram profundas mudanças, a transição do século XIX para o século XX. Tudo começa com o quarteto de cordas que Alexander Borodin fez estrear no início de 1882 em São Petersburgo. Apesar de ter pertencido ao Grupo dos Cinco, que se distinguiu pelo cunho nacionalista, Borodin aproximou-se nos seus quartetos da tradição clássica germânica. No Scherzo deste segundo quarteto não escondeu o apreço que tinha por Mendelssohn. Já a generosidade melódica do Notturno é genuinamente russa. Será, provavelmente, a sua criação mais célebre. Viajamos depois até Lisboa, se bem que inspirados em Paris. Terá sido nesta cidade que Luís de Freitas Branco iniciou a composição do seu único quarteto de cordas, quando em 1911, aos vinte anos de idade, ali conheceu Debussy, cuja ópera Pelléas et Mélisande o impressionara alguns meses antes, em Berlim. A depuração tímbrica e harmónica que se estende ao longo dos quatro andamentos é testemunho desse encontro. É uma partitura marcante no catálogo do compositor português.

Nonna Manicheva,
Juan Maggiorani (violinos),
Joana Nunes (viola),
Nuno Abreu (violoncelo)

PROGRAMA

Alexander Borodin (1833–1887) – Quarteto de Cordas N.º 2, em Ré Maior (1881)
[duração aproximada: 27 min.]

I. Allegro moderato
II. Scherzo: Allegro
III. Notturno: Andante
IV. Andante - Vivace


Luís de Freitas Branco (1890-1955) – Quarteto de Cordas (1911)
[duração aproximada: 20 min.]

I. Moderado
II. Vivo
III. Lento
IV. Animado