Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Quentin Sirjacq - apresentação de “Far Islands and Near Places” - 19 Março - O Bom O Mau e O Vilão

8d8fc463-4519-46ef-a2b3-bcacf2a495fa (2).jpg

 

 

Quentin Sirjacq tem nova data para Portugal com a apresentação do novo álbum “Far Islands and Near Places”, dia 19 de Março no O Bom O Mau e O Vilão, Lisboa, pela promotora Pinuts. No dia anterior estreia-se a solo no Salão Brazil, em Coimbra, a cargo da Lugar Comum.

 
Quentin Sirjacq revela no seu piano a harmonia entre o clássico, a experimentação de ritmos modernos e o minimalismo. A conjugação da melancolia de Erik Satie com o transe minimalista de Steve Reich e a ascensão rítmica de Philip Glass resulta na originalidade das composições do pianista parisiense.
 
O francês surgiu no circuito avant-garde em Amesterdão depois de completar os estudos no Royal Conservatory of the Hague, na Holanda, actuando por diversas vezes com o guitarrista avant-rock, Fred Frith, que o levou a estudar composição no Mills College, em Oakland, California. O seu talento e destreza culminaram em concertos com grandes nomes da música experimental, como Joëlle Léandre e William Winant.
 
Os seus interesses ecléticos notaram-se desde o primeiro álbum “La Chambre Claire” (2009) e na banda sonora para o filme "Bright Days Ahead" ("Les Beaux Jours", 2013), com a combinação de vários instrumentos – violino, violoncelo, guitarra e vibrafone - mas foi em “Piano Memories” (2014) que surpreendeu pelo registo de sons electrónicos.

Paralelamente à sua carreira a solo, Quentin Sirjacq tem trabalhado em dupla com Chris Hooson dos Dakota Suite e juntos editaram três discos: "Vallisa", "The Side Of Her Inexhaustible Heart" e "There Is Calm To Be Done". 

Em “Far Islands and Near Places” (2016), lançado pela editora japonesa SCHOLE em Janeiro deste ano, Quentin acrescenta ritmo e novos sons ao seu piano através de sintetizadores, marimba e vibrafone. Para Quentin, o objectivo deste álbum é “permitir ao ouvinte viajar por diversos lugares do subconsciente” e “despoletar várias interpretações diferentes”.

O disco está em pré-escuta aqui.

Fica o convite lançado.