Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Raiva estreia nos cinemas a 31 de Outubro

BASEADO NO CLÁSSICO DE MANUEL DA FONSECA ‘SEARA DO VENTO’ 

‘RAIVA’ - Um conto negro sobre o abuso e a revolta – ESTREIA A 31 DE OUTUBRO

c40edc3c-2c72-4df7-ad0d-73f11121e7e1.jpeg

 

RAIVA, a adaptação pelo realizador Sérgio Tréfaut do clássico da literatura portuguesa do século XX, ‘Seara de Vento’ de Manuel da Fonseca, estreia nas salas de cinema nacionais a 31 de outubro.

Alentejo, 1950. Nos campos desertos do Sul de Portugal, fustigados pelo vento e pela fome, a violência explode de repente: vários assassinatos a sangue frio têm lugar numa só́ noite. Porquê? Qual a origem dos crimes? A história, decorrida 30 no Alentejo relata os acontecimentos que levaram um camponês pobre a assassinar dois homens a sangue frio e afrontar sozinho a guarda e o exército numa luta desigual.

Rodado inteiramente no Alentejo, RAIVA conta com as interpretações de Isabel RuthLeonor SilveiraLuís Miguel CintraJosé Pinto, Adriano LuzKaio CesarDiogo DóriaCatarina Wallenstein Rogério Samora. O filme conta ainda com as participações especiais do catalão Sergi López, no papel do contrabandista, e de Herman José, no papel de padre. Destaque ainda para a participação de Lia Gama, num papel que serve de homenagem a Nicolau Breyner, que integrava o elenco original do filme, mas que acabaria por falecer na véspera das filmagens. 

O filme é protagonizado por um não-ator, Hugo Bentes, natural de Serpa, escolhido pela proximidade que tem com a história, com a região, e sobretudo pelo orgulho com que encarna a personagem. Hugo Bentes foi jogador de futebol, tem preparação militar, é músico e faz parte de grupos corais alentejanos. Participou como cantor no documentário Alentejo, Alentejo de Sérgio Tréfaut. 

Conhecido sobretudo pelo trabalho em documentário, Sérgio Tréfaut assina com RAIVA a sua segunda longa metragem de ficção. Um trabalho a preto-e-branco, que assume claramente uma dimensão teatral, não naturalista e de homenagem ao antigo cinema mudo. 

O filme estreou no Festival Internacional de Cinema de Moscovo, onde arrecadou dois prémios (Júri Internacional e Imprensa Independente) e encerrou a edição 2018 do IndieLisboa, integrando ainda a seleção oficial do Filmfest Munchen, do Festival de Cinema Europeu de Sevilha e da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, entre outros. Recebeu ainda o prémio do público no Festival Transfronteira Periferias (Portugal-Espanha).

Depois de Portugal, RAIVA estreia comercialmente em dezembro, no Brasil.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.