Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Santa Casa da Misericórdia patrocina Prémios Nico pela primeira vez

Santa Casa da Misericórdia patrocina Prémios Nico pela primeira vez

Jovens talentos prometem marcar o cinema português

 

 

A Academia Portuguesa de Cinema distinguiu, pelo terceiro ano consecutivo, três jovens talentos com os Prémios Nico. São eles António Pinhão Botelho, realizador da longa-metragem “Ruth”, Alba Baptista, atriz coprotagonista do filme “Leviano” e Francisco Froes, ator e um dos rostos de “Parque Mayer”, o 3º filme português mais visto em 2018.

Segundo o Presidente da Academia, Paulo Trancoso, “os vencedores dos Prémios Nico deste ano são jovens que têm merecido a atenção da crítica e prometem marcar o cinema português”.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa associa-se pela primeira vez como principal Patrocinador dos Prémio Nico, contribuindo não só com o Troféu como também com um prémio de €1000 para cada um dos vencedores.

Os Prémios Nico, assim designados em homenagem ao ator e realizador Nicolau Breyner, têm como objetivo premiar novos talentos que de alguma forma evidenciam as qualidades e os sonhos daquele que foi um dos expoentes máximos do cinema português.

Em 2018 foram distinguidos com os Prémios Nico o realizador Pedro Pinho, o ator José Pimentão e a atriz Oksana Tkach.

 

Sobre os premiados:

António Pinhão Botelho - Realizador

image016.jpg

Em 2008, após concluída a licenciatura como argumentista pela Escola Superior de Cinema de Lisboa, ganhou a Bolsa Brett Rattner que lhe permitiu matricular-se na New York Film Academy. Em 2009, recebeu uma Bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação Luso-Americana para a continuação dos seus estudos nos EUA. Durante esse período, escreveu, produziu e realizou dezenas de curtas-metragens, tendo obtido diversos prémios em Portugal e nos EUA. Integrou os quadros do Canal Q (2010/17), onde realizou programas diários, semanais, mini-séries, talk-shows e programas de humor e de desporto, como "Filho da Mãe", "É a Vida, Alvim" e  "Inferno", entre outros. Realizou também alguns filmes publicitários e telediscos. Na sua filmografia estão incluídas obras como “Madeleine” (2009), “A Carteira Roubada” (2009), “Vil” (2012) e “Rio” (2014). "Ruth" (2018) é a sua primeira longa-metragem, que mereceu de imediato a aclamação da crítica.

 

Francisco Froes - ator

image017.jpg

Nasceu em Lisboa e viveu a maior parte da sua infância na Califórnia, onde permaneceu até aos 10 anos. Iniciou-se como ator na série televisiva “Morangos com Açúcar” mas diz frequentemente que foi na escola Neighborhood Playhouse em Nova Iorque, onde estudou durante dois anos, que aprendeu tudo o que sabe sobre representação. Em 2012 fundou uma produtora com alguns amigos, a “Pocket Man Entertainment”, para a qual escreve, produz e realiza pequenos filmes. Nos últimos anos tem integrado o elenco de várias produções nacionais, como “Noite de Paz” (2011) ou “Deste Lado da Ressurreição” (2012) e em 2018 foi um dos protagonistas da longa-metragem “Parque Mayer”, para a qual teve uma nomeação para os Prémios Sophia.

 

Alba Baptista - atriz

image018.jpg

 

Concluiu em 2012 o curso de interpretação da ACT — Escola de Atores, tendo posteriormente trabalhado em cinema e em televisão. Em 2014, com apenas 16 anos, estreou-se na curta-metragem “Miami” e, nesse mesmo ano, integrou o elenco da novela “Jardins Proibidos”, que a projetou definitivamente para uma carreira de atriz. Desde então é presença assídua em projetos televisivos e longas-metragens como “Miami”, de Simão Cayatte, “Leviano”, de Justin Amorim, “Caminhos Magnétykos”, de Edgar Pêra, e “Tudo o que imagino”, de Leonor Noivo. Foi distinguida, em novembro de 2018, no Festival de Cinema Europeu Subtitle, na Irlanda, com o prémio Revelação (feminina). Será a protagonista da série “Warrior Nun”, da Netflix, que se encontra ainda em gravações.