Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Bilhetes à venda para o Festival Internacional dos Açores - 7 a 14 de Setembro

transferir - 2021-08-28T213623.555.jpg

transferir - 2021-08-28T213727.628.jpgJá se encontram à venda os bilhetes para o Festival Internacional dos Açores. O Brasil e a sua música terão lugar de destaque nesta 16ª edição que terá como pano de fundo a obra de Heitor Villa-Lobos, um dos maiores compositores brasileiros do século XX, descendente de açorianos. 

A música acontece todos os fins de tarde entre o Teatro Faialense e a Casa Memória Manuel de Arriaga, pelas 19:00, com recitais de renomados músicos: no piano Adriano Jordão, Constantin Sandu, H4nds Duo e Luísa Tender, acompanhada pela soprano Regina Freire, a par de nova geração de pianistas brasileiros representada por Leonardo Hilsdorf e João Elias Soares. Nas cordas, Titus Isfan com a guitarra clássica e, no violoncelo, o russo Pavel Gomziakov cujo concerto, no Museu do Vinho, na ilha do Pico, dia 12 de setembro, honrará as ligações históricas deste produto com a corte dos Czares, seguido de uma degustação vínica.

O festival encerra com dois momentos únicos: o concerto de homenagem a à primeira diretora do Conservatório Regional do Faial, onde participam alunos, professores da instituição e o pianista Leonardo Hilsdorf. E para o grande final, está reservado um recital de piano com uma das maiores virtuosas russas da actualidade, Kristina Miller. 

Os bilhetes para o programa de música podem ser comprados na bilheteira do Teatro Faialense e é necessária reserva para os concertos gratuitos realizados na Casa Memória Manuel Arriaga.

transferir (30).png

Foto retirada do site www.naturalist.pt
Mas nem só de Música se faz o 16º Festival Internacional dos Açores. Em parceria com organizações locais, promovem-se várias ações de descoberta e valorização do património natural e edificado da ilha. Com a startup Naturalist será promovido no dia 8 de setembro um percurso guiado pelo porto da Horta que culmina com a criação de um desenho da Boa Viagem, elaborado por um artista local, convidando todos os presentes a assinarem este marco e a repetirem uma tradição secular dos marinheiros que por aqui passam.

No dia 9, juntamo-nos aos naturalistas numa ação de limpeza de um parque urbano e reflorestação com espécies endémicas e no dia 10, a aventura continua com o estudo dos oceanos numa manhã dedicada à observação de baleias e golfinhos, atividades que contam com a dinamização da Naturalist que destina 10% de cada bilhete vendido para a Associação dos Naturalistas do Atlântico.

A tarde de dia 11 é dedicada à Gastronomia e aos produtos locais, com uma visita guiada à queijaria “O Morro” seguida da visita à Melaria do Faial, onde os participantes vão ter a oportunidade de conhecer o processo de produção e saborear os afamados queijos de leite de vaca e o mel de incenso. 

Sete dias para se estreitarem relações atlânticas entre países irmãos, Portugal e Brasil, tendo como palco principal duas ilhas do grupo central açoriano, ponte privilegiada de encontro entre pessoas, vontades e culturas.

O Festival Internacional dos Açores é organizado pela associação cultural CULTURXIS com Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República e o apoio do BPI e da Fundação “la Caixa”.
 
PROGRAMA MÚSICA

7 SETEMBRO
18h00
Inauguração da Exposição 
Heitor Villa-Lobos – Vida em fotografia

19h00
Tributo a Heitor Villa-Lobos 
Homenagem a Nelson Freire
Regina Freire, soprano
Constantin Sandu, piano
Adriano Jordão, piano

Teatro Faialense

8 SETEMBRO
19h00
H4NDS Duo
António Silva, piano
Tiago Nunes, piano

Teatro Faialense

9 SETEMBRO
19h00
Constantin Sandu, piano

Teatro Faialense

10 SETEMBRO
19h00
Recital Canto e Piano
Regina Freire, soprano
Luísa Tender, piano

Teatro Faialense

11 SETEMBRO
10h00
O cantinho das crianças
Luísa Tender, piano

Teatro Faialense

12h00
Titus Isfan, guitarra

Casa Memória Manuel de Arriaga

19h00
Recital
Adriano Jordão, piano
Pavel Gomziakov, violoncelo

Teatro Faialense

12 SETEMBRO
19h30
João Elias Soares, piano

Casa Memória Manuel de Arriaga

13 SETEMBRO
19h00
Homenagem a Elisabete Stewart
Membros do Conservatório Regional
Leonardo Hilsdorf, piano
Teatro Faialense

14 SETEMBRO 
19h00
Esplendor do Virtuosismo no piano
Kristina Miller, piano

Teatro Faialense

Bilhetes à venda no Teatro Faialense:
Plateia - 6,50€
Camarote (Central | 2 pax) - 22,40€
Camarote (Lateral 3pax) - 21,30€
Camarote (Lateral 2 pax) - 10,50€
Galeria - 4€

Os concertos na Casa Memória Manuel de Arriaga são gratuitos. Reservas pelo telefone ou diretamente no local.

Está fechado o programa para a primeira edição do NOMA Azores

transferir (2).jpg

 

Festival acontece em São Miguel entre 27 e 31 de julho

São oito filmes que competem pelos dois prémios principais da primeira edição do NOMA AZORES - Festival Internacional de Cinema de Direitos Humanos, a decorrer no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, entre 27 e 31 de julho. Uma selecção que integra quatro filmes produzidos em solo português e quatro vindos de outras paragens, num desenho de programação que chama a atenção para o lugar das mulheres nas sociedades contemporâneas, traça os caminhos de diferentes passados coloniais com impactos que resistem até aos dias de hoje e revela novas histórias em ebulição por entre as nossas cidades. 

Comecemos por Lisboa e o seu cenário musical emergente num documentário que percorre as jornadas, histórias e influências de diferentes músicos a habitarem a cidade. A Batida de Lisboa, de Rita Maia e Vasco Viana é exibido a 29 de julho, pelas 21h30. Daí para uma aldeia remota de Portugal, onde Paulo Carneiro tenta traçar a vida e histórias da sua avó, por entre testemunhos de todos os que com ela privaram. Bostofrio passa no Teatro Micaelense a 28 de julho pelas 21h30. Chico Rei entre Nós, filme brasileiro, parte da história do rei congolês com o mesmo nome para explorar os diversos ecos da escravidão brasileira na vida dos negros de hoje. É exibido às 21h30 de 27 de julho. As tensões e os encontros dentro da comunidade cigana são o ponto de partida para Como el Viento, filme espanhol que nos apresenta Mara, uma mulher crioula que se torna cigana. Passa no dia 29 de julho pelas 19h00. Por terras da Nova Guiné, uma ode poética à sede indelével de um povo por liberdade, cultura e soberania, em Ophir, exibido no dia 30 de julho pelas 21h30. Voltamos a solo português e a um filme estreado há pouco nos cinemas. Prazer, camaradas! uma longa metragem pós-revolução do 25 de Abril onde se debate o direito das mulheres ao prazer sexual. Exibido a 27 de julho, pelas 19h00. Other Conviction, de Juan Manuel Repetto, Sebastian leva-nos pelo dia-a-dia de uma casa de correcção, levantando questões sobre os direitos infantis e as políticas de reintegração social. Passa a 28 de julho, pelas 19h00. Fechar a lista de seleccionados, com Visões do Império, onde revemos historicamente a forma como o império português foi imaginado, documentado e publicitado até à revolução que, em 1974, pôs fim ao regime político autoritário que governava Portugal. Exibido a 30 de julho, pelas 19h00. 

As novas confirmações juntam-se ao já anunciado programa não competitivo de curtas metragens (Tahiti e La chambre, de Latifa Said, e Novos Vizinhos: Um só Deus, de Bruno Correia) e ao ciclo de conversas com a actriz Ana Lopes,  a activista Carolina Brito e o realizador e produtor Filipe Tavares. Os filmes que integram a Competição Internacional do NOMA concorrem aos prémios de Melhor Longa Metragem, Melhor Longa Metragem Portuguesa e Prémio do Público. O júri que decidirá os vencedores é composto por: Ana Margarida Cunha Silva, Diogo Lima, Eduardo Leal, Joana de Sousa e Salomé Lamas. 

Promovido pela Câmara Municipal de Ponta Delgada que o NOMA Azores “é a expressão do compromisso público e político de Ponta Delgada com a problemática dos Direitos Humanos em todas as suas dimensões e, sobretudo, com a identificação dos mecanismos e sistemas de promoção de direitos e liberdades que, não obstante estarem legalmente salvaguardados e dos progressos alcançados, são ainda hoje repetida e reiteradamente violados.”. De acordo com a organização, “a resistência em fazer cumprir a Declaração Universal dos Direitos do Homem leva a que Ponta Delgada, território inclusivo e enriquecido pela sua diversidade cultural, assuma, através do NOMA Azores, a centralidade do encontro entre homens e mulheres; entre cidades e países; entre instituições e organizações, para questionar, refletir e apontar caminhos para uma empenhada e efetiva promoção e proteção dos Direitos Humanos.”.

Final CanSat Portugal 2018 descola hoje nos Açores

CANSAT·2018_convite-banner_sup(1).png

 

 

É já hoje o take-off para a final CanSat Portugal 2018, que decorre até domingo na Ilha de Santa Maria, Açores. Cerca de 100 alunos, acompanhados pelos seus professores, irão pôr à prova os seus micro-satélites na eliminatória nacional deste projecto educativo do ESERO Portugal, organizado pela Ciência Viva e pela Agência Espacial Europeia (ESA) com o apoio do Governo Regional dos Açores.

A iniciativa desafia estudantes do ensino secundário de todo o país a projectar e construir um modelo funcional de um micro-satélite (CanSat) integrado num volume equivalente ao de uma lata de refrigerante. No sábado, 28 de Abril, os micro-satélites serão lançados de uma altura de 1000 metros. Os alunos terão de comunicar com o satélite na descida e, tal como num verdadeiro projecto espacial, recolher dados científicos e imagens para desenvolver um projecto.

O Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, e o Director da ESA Education, Hugo Marée, estarão nos Açores a acompanhar esta iniciativa. O júri que avaliará os projectos tem a participação especial do investigador Manuel Paiva, consultor da ESA, e conta ainda com Ana Noronha (Ciência Viva), Agostinho Fonseca (Instituto Superior Técnico), Eduardo Ferreira (NAV), Ricardo Conde (EDISOFT), Rui Agostinho (Observatório Astronómico de Lisboa) e Duarte Cota (Escola de Novas Tecnologias dos Açores).

Os momentos altos do evento serão transmitidos em directo no canal Cansat Portugal 2018 do YouTube pelos alunos da Escola Secundária de Santa Maria.

Este é um dos projectos educativos mais desafiantes e mais completos, em que os alunos desenvolvem competências de ciência, de engenharia, mas também de trabalho em equipa, de gestão e de comunicação. O Cansat Portugal teve início em 2014 e em cinco edições abrangeu mais de 400 jovens do ensino secundário.

A equipa vencedora representará Portugal na final internacional que se realiza em Portugal, pela primeira vez na Ilha de Santa Maria, de 28 de Junho a 1 de Julho, e que juntará 18 equipas. Em 2016, e pela segunda vez, a equipa portuguesa foi a vencedora do CanSat Internacional, o que revela o elevado nível alcançado pelas escolas portuguesas neste concurso.


As equipas participantes têm ainda a possibilidade de contactar com os membros do júri, todos eles importantes agentes activos no sector espacial, assistir a palestras de cientistas ou engenheiros desta área, assim como a oportunidade única de visitar a Estação de Rastreio da ESA e o centro de formação aeronáutica dos Açores (SATA). Esta vivência tem transformado o CanSat nacional numa verdadeira Escola do Espaço. A equipa do ESERO Portugal visitará ainda todas as escolas da Ilha de Santa Maria durante a competição levando a cabo actividades práticas sobre o Espaço, com o apoio do Expolab - Centro Ciência Viva e do Observatório Astronómico de Santana.

Programa

Mais um "WINE IN AZORES"

primage_20556.png

 

 

tradições que são para manter. O festival Wine in Azores é já uma delas. De 20 a 22 de Outubro realiza-se, na Ribeira Grande, a 9ª edição daquele que já é um dos maiores eventos vínicos nacionais.

Se os Açores foram desde sempre um cenário privilegiado, de uma beleza natural única, foi recentemente (e significativamente no último ano) que as ilhas registaram um aumento considerável de visitantes, tanto nacionais como estrangeiros. As razões do incremento turístico são conhecidas e têm de ser acompanhadas por eventos agregadores como é o Wine in Azores. 

Mais que um certame onde participam mais de cem produtores, que dão a conhecer e a provar os seus vinhos, é um ponto de encontro com outras atividades, nomeadamente a gastronomia. Além das já famosas Tascas Gourmet, onde é sempre possível experimentar as propostas que têm como ingrediente principal o incrível peixe açoreano, estarão presentes conceituados chefs, como é o caso do australiano Justin Jennings que no espaço pop up do seu restaurante lisboeta DownUnder apresentará surpresas como uma Asian Infunsion Boillabaisse, inspirada no célebre caldo de peixe de Rabo de Peixe e que dá o mote ao Festival que ocorre neste lugar açoreano, só para referir uma... Haverão showcookings pedagógicos e serão apresentadas várias sugestões para degustar enquanto se (a)provam os vinhos presentes no festival.

Numa altura em que os Açores são “The place to be”, o Wine in Azores (Business and Pleasure) é mais uma porta de entrada. Quer seja para fazer negócio, provar vinhos ou experimentar novos sabores.

MUDE FORA DE PORTAS | Performance "Translúcida" de Mana Bernardes no Palácio Calheta | 27 julho | 19h

novo_convite_mana.jpg

 

Mana Bernardes 
 
Performance "Translúcida"
27 julho | 19h
Palácio Calheta
 
Mana Bernardes, artista brasileira, apresenta a performance "Translúcida"  no Palácio Calheta.
 
A artista e designer estará em Lisboa durante a próxima semana a convite do MUDE, para desenvolver uma instalação específica para a exposição "Tanto Mar. Fluxos transatlânticos pelo design", que inaugura a  27 de janeiro no Palácio Calheta, no âmbito da programação MUDE FORA DE PORTAS.
 
 
Site da artista:
http://manabernardes.com/
 
 

Caldos de Peixe solidários em Rabo de Peixe

primage_20074.png.jpg

 

 

Visitar os Açores é obrigatório. Por todas as razões conhecidas – beleza natural, autenticidade, natureza em estado puro – e outras menos óbvias mas igualmente surpreendentes. É o caso da vila de Rabo de Peixe. Uma surpresa e uma lição de vida. O facto de ser considerada uma das localidades mais pobres da Europa não a determina. Pelo contrário. Aviva o espírito solidário que se traduz na realização de iniciativas como o Festival do Caldo de Peixe. Já na sua quinta edição, tem este ano lugar de 21 a 23 de Julho, no Porto de Pescas da vila.

Além da possibilidade de experimentar várias versões de caldos de peixe – uma especialidade regional que traduz, em sabor, a alma de uma comunidade que vive da atividade piscatória – poderá ainda participar nas várias iniciativas paralelas preparadas para este ano – presença da Confraria da Caldeirada de Peixe e do Camarão de Espinho, prova do hambúrguer de cavala de autoria da chef Patrícia Borges, entre outras.

Convém salientar que esta será a primeira edição internacional do festival, graças à presença da Confraria dos Ouriços-do-mar de Gijón (Asturias) e, num âmbito lúdico, do músico Lou Bega (que se popularizou como o êxito Mambo No. 5).
Destaque ainda para a realização, na sexta-feira, dia 21 de Julho, no Cine Teatro Miramar, do Seminário Mar, Gastronomia e Inovação. Como amuse-bouche do festival em si e da degustação dos caldos, serão abordados temas fundamentais ao desenvolvimento de Rabo de Peixe: como potenciar espécies menos valorizadas, a gastronomia local ou a importância da procura turística.

Não faltam, pois, boas razões, para visitar o Festival do Caldo de Peixe. Mas há uma que se sobrepõe a todas pela sua relevância social: o lucro das vendas dos caldos de peixe reverte inteiramente para o apoio do serviço educativo das crianças de Rabo de Peixe. Quantos mais caldos se venderem – este ano a fasquia eleva-se para os 5 mil caldos – mais futuro se pode garantir às crianças de uma localidade que tendo vivido exclusivamente da pesca, precisa urgentemente de se reinventar e aprender a aplicar a sua relação única com o mar dos Açores ao serviço de atividades remuneratórias paralelas, como o turismo.

E é por tudo isto que Rabo de Peixe é uma surpresa, uma lição de vida e uma localidade que é essencial conhecer. O Festival do Caldo de Peixe é o melhor dos pretextos para tomar contacto com uma comunidade única no nosso país. Disposta a mudar mas sem nunca perder de vista o que sempre lhe deu sentido: o mar.

Merrell apoia o Walk&Talk 2017 – Festival de Artes – de 14 a 29 de Julho, em São Miguel, Açores

Merrell é o calçado oficial do Walk&Talk 2017

Festival anual de artes começa hoje, 14 de Julho

image012.png

 

A Merrell, marca de calçado outdoor número um do mundo, apoia a 7ª edição do Festival de Artes Walk&Talk – Walk&Talk Açores – Festival de Artes​, que se realiza em São Miguel, nos Açores, entre 14 e 29 de Julho.

 

A Merrell estará presente no festival a apoiar o Circuito de Arte Pública, que terá uma ativação surpresa com uma proposta de tour Merrell no encerramento do festival, naquela que será a visita a todos os pontos que compõem o circuito ao longo da ilha. Para além disso, a Merrell será a marca de calçado oficial da equipa de produção, assumindo a máxima de “walk the talk”.

 

“Para a Merrell, o Festival Walk&Talk é um evento que nos orgulha apoiar, dada a sintonia que existe entre os projetos culturais e a própria envolvente geográfica. A Merrell sempre se inspirou na natureza e explorar cenários tão magníficos como os de São Miguel com esta componente cultural à mistura é um motivo acrescido para apoiarmos a organização”, afirma Tiago Veloso, CEO da Merrell Portugal.

 

Walk&Talk, uma plataforma para as artes

 

O Walk&Talk é um festival anual de artes que incentiva a criação no contexto cultural e geográfico específicos dos Açores. Das artes visuais às artes performativas, o Walk&Talk reúne e explora múltiplas expressões artísticas contemporâneas, durante o festival e ao longo de todo o ano. Constitui-se um ponto de encontro para artistas oriundos de qualquer parte do globo, uma plataforma de exposição e reflexão artística que se estabelece em diálogo permanente com o território, a cultura e a comunidade açoriana. Dos Açores para o mundo, são duas semanas de programação intensiva que combinam um circuito de arte, residências artísticas, exposições, performances, espetáculos, concertos, encontros temáticos e workshops.

 

Para consultar o programa em detalhe consulte www.walktalkazores.org

 

O Walk&Talk foi fundado em 2011 e já acolheu mais de duas centenas de criadores e coletivos em residência, para a apresentação de projetos artísticos ou criação de trabalhos inéditos. Em 2016 alargou pela primeira vez a dinâmica do festival a uma nova ilha do arquipélago – a Terceira, e ao longo de sete edições tem dado forma a um Circuito de Arte Pública, composto por intervenções de carácter mais ou menos efémero, mapeado e visitável ao longo de todo o ano entre as ilhas de São Miguel e da Terceira, que hoje conta com cerca de 100 obras.

Presidente da Academia Portuguesa de Cinema homenageado nos Açores

Paulo Trancoso, Presidente da Academia Portuguesa de Cinema, foi homenageado no passado sábado, dia 1 de outubro, no “Curta Açores” – VII Festival de Cinema Internacional de Curta Metragem, que decorreu no Teatro Ribeira Grande, na Ilha de São Miguel, nos Açores.

“Curta Açores” é o mais antigo Festival de Cinema dos Açores. Este ano o evento realizou-se em dois núcleos da ilha de São Miguel - Ribeira Grande e Ponta Delgada - de forma a chegar a um público mais alargado e a dar a conhecer uma maior variedade de curtas-metragens.

Durante a cerimónia foram anunciados os prémios da competição internacional e regional e ainda houve lugar para a atribuição dos Prémios Carreira ao ator Nicolau Breyner, a título póstumo, e ao Produtor e Presidente da Academia Portuguesa de Cinema, Paulo Trancoso.

Na sexta-feira, dia 30 de setembro, o Presidente da Academia esteve também na Universidade dos Açores onde participou numa masterclass, sobre cinema, com os professores universitários Leonor Sampaio, da Universidade dos Açores, e António Costa Valente, da Universidade de Aveiro.

 

 

Sobre Paulo Trancoso:

Nasceu em Lisboa, em 1945, tendo frequentado os cursos de Medicina e Arquitetura em Paris e Lisboa. Passou também pelo jornalismo, como crítico de cinema, antes de iniciar a sua carreira internacional como produtor de cinema e televisão.

Em 1982 fundou a Costa do Castelo Filmes, uma das mais dinâmicas produtoras do cinema nacional. Teve também uma passagem marcante pelos meandros da publicidade, tendo sido um dos fundadores da “Casa das Máquinas” e da “Stress”, que agitaram o mercado publicitário nos anos 90.

Na televisão esteve ligado a êxitos de audiência como “A Viúva do Enforcado” e “A Banqueira do Povo”. Investiu também na internacionalização do cinema português através de coproduções de sucesso, como “A Casa dos Espíritos” ou “Comboio Noturno Para Lisboa” de Billie August e ainda “A Rainha Margot” de Patrice Chereau, que foi nomeado para um Óscar e recebeu dois prémios em Cannes.

Para o cinema português produziu documentários como “Pare, Escute e Olhe” de Jorge Pelicano e “A Vossa Terra” de João Mário Grilo, assim como algumas longas-metragens de ficção - “A Selva” de Leonel Vieira, “Manô” de Jorge Felner da Costa ou “Duas Mulheres” de João Mário Grilo.

Na distribuição de cinema e vídeo foi responsável pela edição de grandes clássicos do cinema nacional e internacional.

Ao longo de 30 anos esteve ligado a vários movimentos associativos tendo sido Presidente da Associação de Produtores de Cinema, da Associação dos Produtores e Realizadores de Filmes Publicitários, e ainda administrador em Portugal dos programas Eve e EuroAim.

Em 2011, fundou a Academia Portuguesa de Cinema juntamente com 30 atores, produtores e realizadores, tendo sido nomeado Presidente logo no ano da fundação.