Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

António Zambujo e Jacinto Lucas Pires em fusão no Algarve

c2c2e539-f2e1-45ad-bda6-0568c20f1af1.jpg

 

 

A aldeia mais típica do Algarve, Alte, com uma extraordinária beleza natural, patrimonial e paisagística volta a receber o Fusos - Festival de Fusões Artísticas onde este ano, os pontos de encontro são as Fusões entre Música e Literatura, entre Pintura e Dança e entre Música e Pintura de 1 a 3 de Junho nesta belíssima aldeia.

Projectos inovadores e criações intencionais para este conceito preenchem um cartaz eclético nas várias abordagens artísticas e que se estende pelos 7 palcos espalhados pela aldeia (Fonte Grande, Fonte Pequena, Pólo Museológico, Casa do Povo, Horta das Artes, Escola Profissional e Queda do Vigário), num itinerário surreal atrás do Andarilho de Alte - Escultura sonora que percorre o caminho entre palcos e onde todos podem tocar nos vários instrumentos incorporados.

O primeiro dia, sendo o Dia da Criança, começa a pensar nos mais jovens, com a estreia do filme "Amanhã foi ontem" um documentário que conta com a participação das crianças do ensino básico de Alte. Seguem-se actividades de ciência com o Centro Ciência Viva do Algarve, a inauguração da exposição Perspectivas de Alte, com representantes dos 5 continentes a mostrar as suas visões de Alte. Já a noite, começa com o malabarismo / novo circo de The Gentlemad e tem o momento forte ao juntar António Zambujo em palco com o escritor Jacinto Lucas Pires para uma fusão entre Literatura e Música. O primeiro dia termina com o som do DJ António Pires.

 

09c9e9be-9f74-4a2e-b021-3a2dc2ec25f4.jpg

 

 

No segundo dia, há teatro com a irónica e hilariante peça O Lobo Vermelho, sátira sobre o imaginário em torno da história do Capuchinho Vermelho. Segue-se Telamine, uma performance onde o artista Menau pinta um quadro com o pincel a emitir som, acompanhado pelos instrumentos de Paulo Machado. Maestro d'Água é um concerto com vários músicos dentro da Fonte Pequena, enquanto Fado Líquido junta a guitarra portuguesa de José Alegre com o som de sonoplastia da água circundante. À noite Asas de Sonhos é uma fantástica ilusão visual de dança aliada à pintura com Alice Duarte dentro de uma tela gigante, seguindo-se a festa imparável dos Kumpania Algazarra. Tudo fecha com os disco vinil de Discossauro.

No Domingo há lançamento do álbum dos Migna Mala, com direito a projecção do filme do álbum, e muita dança, primeiro com oficina do Grupo de Danças Tradicionais da Juventude Altense em Alte e Segue o Baile, depois com as danças tradicionais europeias de Pelivento. A encerrar há Fusada, num percurso até à belíssima Queda do Vigário que acolhe Luís Peixoto com a sua folk electrónica a fechar o festival num dos locais mais bonitos de todo o Algarve.

Todos os dias a partir das 14h30 e todos os eventos com entrada livre.

Fusos é uma organização Fungo Azul com o apoio do Município de Loulé e da Junta de Freguesia de Alte.

António Zambujo e Jacinto Lucas Pires em fusão no Algarve

 

c2c2e539-f2e1-45ad-bda6-0568c20f1af1.jpg

 

 

A aldeia mais típica do Algarve, Alte, com uma extraordinária beleza natural, patrimonial e paisagística volta a receber o Fusos - Festival de Fusões Artísticas onde este ano, os pontos de encontro são as Fusões entre Música e Literatura, entre Pintura e Dança e entre Música e Pintura de 1 a 3 de Junho nesta belíssima aldeia.

Projectos inovadores e criações intencionais para este conceito preenchem um cartaz eclético nas várias abordagens artísticas e que se estende pelos 7 palcos espalhados pela aldeia (Fonte Grande, Fonte Pequena, Pólo Museológico, Casa do Povo, Horta das Artes, Escola Profissional e Queda do Vigário), num itinerário surreal atrás do Andarilho de Alte - Escultura sonora que percorre o caminho entre palcos e onde todos podem tocar nos vários instrumentos incorporados.

O primeiro dia, sendo o Dia da Criança, começa a pensar nos mais jovens, com a estreia do filme "Amanhã foi ontem" um documentário que conta com a participação das crianças do ensino básico de Alte. Seguem-se actividades de ciência com o Centro Ciência Viva do Algarve, a inauguração da exposição Perspectivas de Alte, com representantes dos 5 continentes a mostrar as suas visões de Alte. Já a noite, começa com o malabarismo / novo circo de The Gentlemad e tem o momento forte ao juntar António Zambujo em palco com o escritor Jacinto Lucas Pires para uma fusão entre Literatura e Música. O primeiro dia termina com o som do DJ António Pires.

No segundo dia, há teatro com a irónica e hilariante peça O Lobo Vermelho, sátira sobre o imaginário em torno da história do Capuchinho Vermelho. Segue-se Telamine, uma performance onde o artista Menau pinta um quadro com o pincel a emitir som, acompanhado pelos instrumentos de Paulo Machado. Maestro d'Água é um concerto com vários músicos dentro da Fonte Pequena, enquanto Fado Líquido junta a guitarra portuguesa de José Alegre com o som de sonoplastia da água circundante. À noite Asas de Sonhos é uma fantástica ilusão visual de dança aliada à pintura com Alice Duarte dentro de uma tela gigante, seguindo-se a festa imparável dos Kumpania Algazarra. Tudo fecha com os disco vinil de Discossauro.

No Domingo há lançamento do álbum dos Migna Mala, com direito a projecção do filme do álbum, e muita dança, primeiro com oficina do Grupo de Danças Tradicionais da Juventude Altense em Alte e Segue o Baile, depois com as danças tradicionais europeias de Pelivento. A encerrar há Fusada, num percurso até à belíssima Queda do Vigário que acolhe Luís Peixoto com a sua folk electrónica a fechar o festival num dos locais mais bonitos de todo o Algarve.

Todos os dias a partir das 14h30 e todos os eventos com entrada livre.

Fusos é uma organização Fungo Azul com o apoio do Município de Loulé e da Junta de Freguesia de Alte.

 

 

Fusos - Festival de Fusões Artísticas do Algarve - 26, 27 e 28 de Maio em Alte.

 

 

05afb20a-a10c-4e08-954b-723b6f1cab62.jpg

 

Fusões Artísticas no Algarve

Imaginar um local idílico, com uma extraordinária beleza natural, patrimonial e paisagística.
Imaginar novos conceitos culturais e artísticos.
Conciliar tudo num festival inovador e torná-lo realidade é o que acontece de 26 a 28 de Maio, na belíssima aldeia de Alte.
 
Durante 3 dias o mote é para a Fusão entre Arte e Artesanato, procurando pontos de confluência e uma genuína convivência entre expressões.
 
Espalhado pelos muitos palcos da aldeia (Fonte Grande, Fonte Pequena, Pólo Museológico, Casa do Povo, Parque de Jogos, Largo José Cavaco Vieira, Horta das Artes, Escola Profissional e Queda do Vigário) o festival promete surpreender por inusitadas parcerias entre artistas e artesãos.
 
Um concerto de música com o som dos artesãos a trabalhar em tempo real em cima de um palco (OrBlua com artesãos), um sonoplasta a sobrepor camadas sobre cantares da serra algarvia (Moçoilas com mEEkAlnUt), um espectáculo de dança onde o bailarino partilha o palco com pescadores (Movimentos no Mar e na Terra), ou uma performance que junta a narração à música e à sonoplastia (Janelas na Aldeia), são alguns dos destaques para esta edição de estreia.

 Juntam-se ainda vários artistas como os Artesãos da Música, Mauro Amaral, Azinhaga, Filipe Valentim, Cal e António Pires e não faltam actividades para crianças, neste festival adequado para todas as idades, com entrada livre.
 
Dentro do espírito do Fusos, estão patentes 2 exposições, uma de fotografia intitulada "A minha casa, a minha aldeia" com fotografias de Alte tiradas pelas crianças da escola primária de Alte, mostrando a visão que o olhar infantil tem da sua própria aldeia, e Simbis, uma exposição de artes plásticas que resulta de trabalhos a 4 mãos, já que peças criadas por artesãos foram entregues a artistas plásticos para alterarem e criarem novos objectos.
 
Durante o Fusos haverá ainda um ciclo de cinema com a exibição de 3 documentários sobre a cultura algarvia - António Aleixo, na terra acho, na terra deixo (de Carlos Fraga), Quem manda aqui sou eu (de Tiago Pereira) e Terra que nos acolhes (de Carlos Norton).
 
No decorrer do festival os visitantes podem visitar o mercado da pulga (velharias) e de artesanato e participar nas oficinas oferecidas (construção de flautas, trabalho em esparto e gravura).
 
Todo o festival é feito em itinerância e não há sobreposição de horários, para que todos possam assistir a tudo. E o melhor é que o público também participa activamente. Se na abertura do festival os habitantes da aldeia vão construir uma escultura comunitária, no encerramento do festival são os visitantes que a vão pintar. E durante o festival todos podem "tocar" no andarilho de Alte - Escultura sonora que percorre o caminho entre palcos e onde todos podem tocar nos vários instrumentos incorporados.

FUSOS é uma organização da Fungo Azul, inserido no Programa 365 Algarve e conta com o apoio do Município de Loulé, do Museu Municipal de Loulé e da Junta de Freguesia de Alte.