Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

O Fusos vai ocupar toda a aldeia de Alte, baralhar as artes, e confundir o público.

 

descarregar (2).jpg


Depois da interrupção de 2020 e de uma edição adaptada em 2021, o Fusos - Festival de Fusões Artísticas - está de regresso ao formato normal, de 3 a 5 de Junho.
Esta 5ª edição promete, como sempre, muitas fusões e confusões artísticas, num total de duas dezenas de espectáculos, em 10 palcos espalhados pela belíssima aldeia de Alte, no concelho de Loulé. A Fonte Grande, a Fonte Pequena, a Igreja Matriz ou a cascata da Queda do Vigário, são alguns dos palcos onde se vão cruzar música, teatro, pintura, dança, literatura, sonoplastia e novo circo.

O Fusos arranca na sexta dia 3 junho, com um espectáculo de música e luz no cerro da Galvana, visível e audível em toda a aldeia, seguido de um espectáculo que junta Júlio Resende e Júlio Machado Vaz, numa fusão entre música e palavra em “A Vida é a Arte do Encontro”, provavelmente no palco mais bonito do mundo. Pelo meio ficou a fusão de gaita de foles e acordeão de “Alma Menor” e uma instalação sonora na paisagem “Caminhos de Água”.

As manhãs no Fusos são para aproveitar para uns banhos na Fonte Grande, Fonte Pequena ou na Queda do Vigário e para desfrutar da aldeia.

A partir da tarde de sábado, a aldeia acolhe a fusão entre música e literatura de “A Língua no Ouvido”, a Igreja Matriz mistura o violoncelo de Sandra Martins com sonoplastia de ASPA, acrobacia e teatro de “I See You”, “Sopas de Pão” que funde música, teatro e novo circo e música e paisagem com “Naomi & the Raposeira Dub Collective”. À noite, “Asas de Sonho” junta dança com pintura, e a terminar, concerto com os algarvios “Marenostrum”, mais uma vez, provavelmente no palco mais bonito do mundo, situado na Fonte Grande.

Após passeios de canoas nas Fontes e de experimentar os restaurantes locais, a tarde de domingo começa com “Alte e Siga o Baile” - uma oficina de danças do rancho folclórico local - seguido de uma inédita oficina e concerto para danças tradicionais da Cornualha por “Davey&Dyer”. A habitual Fusada, este ano com Mata Bicho, leva o público até à deslumbrante Queda do Vigário para encerrar o Fusos ao som de “Bicho Carpinteiro”.

O Fusos mantém-se assim como um festival de aldeia para todas as idades, com um cartaz cheio de ofertas culturais diferenciadoras, numa aldeia repleta de recantos encantadores.

Todos os eventos têm entrada livre. O Fusos é uma organização da associação cultural Fungo Azul, com o apoio da Junta de Freguesia de Alte, da Câmara Municipal de Loulé e da Antena 1.

AO LUAR TEATRO LEVA À FONTE DE ALTE INTERVENÇÃO POÉTICA DEDICADA A CÂNDIDO GUERREIRO

Cândido Guerreiro.jpg

“Sonetos de uma aldeia, cantos e contos de cá” é o nome da intervenção poética que o grupo Ao Luar Teatro irá levar à Fonte Pequena de Alte, no próximo sábado, 7 de maio, pelas 15h30.

Integrado no projeto “Biblioteca Municipal adota a Escola Profissional Cândido Guerreiro”, esta pretende ser uma apresentação poética em torno da vida e obra do poeta altense Francisco Xavier Cândido Guerreiro. O mote para este trabalho foi fornecido à companhia Ao Luar Teatro pelo também poeta José Carlos Ary dos Santos, com o poema "A Viagem", escrito por este aquando da morte de Cândido Guerreiro, no ano de 1953.

A companhia Ao Luar Teatro segue então nesta viagem, a viagem de Cândido Guerreiro, desde 1871 a 1953, passeando pelos caminhos da poesia e da vida do poeta que amava a vida, o poeta dos sonetos. Contos, poemas, música e cantigas farão, também, parte desta viagem...

Os músicos Pedro Branco e Vasco Ramalho, os atores Rui Penas e Daniel Romeiro, e o rapper João Baião “metem-se à estrada com Cândido Guerreiro”. Este evento ´de entrada livre.

XXVI SEMANA DAS ARTES E CULTURAS DE ALTE

Festa em Alte (3).jpg

De 25 de abril a 1 de maio, a tradição está de volta a Alte naquela que é a XXVI Semana das Artes e Culturas, com propostas diferenciadoras e diversificadas que convidam à descoberta desta típica localidade do interior algarvio.

A Semana arranca com o mítico BTT de Alte, que este ano assinala a sua 23ª edição. A prova de Passeio/Maratona, com diferentes níveis de dificuldade, integra, na classe competitiva, a Taça de Portugal de XCM. A prova inclui ainda o 6º Alte Trail/Corrida e uma Caminhada de 13Kms, para quem quiser desfrutar das belas paisagens deste território. Na Fonte Pequena haverá ainda um workshop sobre o pomar de sequeiro, uma tertúlia promovida pelo projeto ASAS sobre paz e liberdade, um mercadinho de artesanato e produtos regionais, um espaço de tasquinhas e a atuação do grupo Moçoilas, Amigos da Figueira e um baile com Valter Cabrita.

No dia 26, a Gala Internacional do Acordeão vai estar em Alte, com um espetáculo que acontece na Casa do Povo. É neste espaço que no dia seguinte tem lugar “Este é o Fado que nos une”, um momento musical com Inês Cruz, Ricardo Martins e a Banda Filarmónica de S. Brás de Alportel.

No dia 28, a proposta é uma experiência criativa (EcoPrint), na Casa do Artesão, e um momento de dinâmica musical tradicional, com tambores portugueses, no centro da aldeia. Um torneio de jogos tradicionais acontece no dia 29, seguindo-se, no auditório da Escola Profissional Cândido Guerreiro, uma conferência sobre a importância desta atividade na cultura algarvia. À noite, na Casa do Povo, o serão com Ecos da Serra irá recordar o 1 de Maio de outrora, festividade celebrada há décadas, de forma muito especial, em Alte.

O dia 30 de abril terá um programa recheado de atividades desportivas e recreativas. Na parte da manhã terá lugar o Passeio Pedestre com Batida Fotográfica, num percurso de 6Km que inclui uma visita às aldeias abandonadas da Soalheira, Rocha Amarela e Picota e a algumas formações geológicas que fazem parte do aspirante a geoparque. Xadrez, rampa de ciclismo e malha na laje são as modalidades em destaque nesta tarde. E ao final do dia, o Pólo Museológico recebe “Ao pé de quatro montes”, um tributo a Cândido Guerreiro, por Afonso Dias, no âmbito das comemorações do 13º aniversário deste equipamento cultural.

O 1º de Maio marca o encerramento deste programa e o ponto alto da Semana. Logo de manhã é inaugurada a escultura da autoria de Maya, no mercado antigo de Alte. Às 11h00, na Fonte Grande, abre a mini-feira de artesanato com produtos regionais e música ambiente. Ana Arsénio, da Associação In Loco, propõe um passeio de interpretação da paisagem do pomar tradicional de sequeiro. A riqueza gastronómica de Alte poderá ser apreciada no almoço servido com petiscos tradicionais, ao som das “Vozes da Memória”, do projeto ASAS. O evento termina com o Festival de Folclore que tem como anfitrião o Grupo Folclórico de Alte, e um baile com Valter Cabrita.

Num dia em que são muitas as pessoas que se deslocam às zonas rurais do interior para comemorar as tradições de Maio, Alte constitui um ponto de paragem obrigatória não só pelas atividades culturais propostas mas também pelas suas belezas naturais, património histórico e hospitalidade das suas gentes.

CML/GAP /RP

“MÚSICA DAS FONTES” DE ALTE ANIMA TERRITÓRIO DO ASPIRANTE GEOPARQUE ALGARVENSIS LOULÉ-SILVES-ALBUFEIRA

A programação do Geopalcos Arte.Ciência.Natureza, inserida na programação cultural em rede Bezaranha, vai passar pela aldeia de Alte, no próximo fim de semana, dias 7 e 8 de agosto, com o Festival “Música das Fontes”, protagonizado pelos artistas Daniel Vieira e Renata Violetta e convidados.

A iniciativa, que se desenrola nas emblemáticas fontes de Alte, das 10h00 às 22h30, abrange dois dias dos concertos ao ar livre, algumas oficinas com os artistas locais (danças tradicionais, contos, plantas, ioga) e uma palestra sobre os instrumentos tradicionais do Algarve.

A água é o elemento aglutinador deste encontro. Água que, além de ser indispensável no nosso dia a dia, vai servir de cenário aos concertos mas também de inspiração quer para músicas, quer para a imagem visual do evento.

Será igualmente apresentado o folclore local - tocado, cantado e dançado -, como parte importante do património imaterial deste território, como forma de sensibilização dos espetadores e visitantes para a sua beleza e o perigo real do seu desaparecimento.

No seio da natureza, através dos sons e das cores da água, da beleza da poesia, com instrumentário da voz, guitarra portuguesa, viola, harpa e alaúde, pretende-se criar uma harmonia emocional com o ambiente natural.

Todas as iniciativas são de entrada livre e o programa completo pode ser consultado em www.geoparquealgarvensis.pt

Recorde-se que o Geopalcos Arte.Ciência.Natureza constitui um programa de intervenção cultural no território do aspirante Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira, que visa vai criar eventos inovadores nesses concelhos, marcando o cruzamento de várias disciplinas artísticas, mas também a comunicação entre os agentes culturais, as gentes locais e a população que habitualmente visita o Algarve durante o verão.

 

 

CML/GAP /RP

Atividades culturais em Alte

Vista da aldeia de Alte.jpg

 

 

A realização de um “Serão com as gentes de Alte” e de uma caminhada através do património local são duas propostas culturais para a aldeia de Alte na próxima semana.

Na segunda-feira, dia 9 de setembro, pelas 21h00, o Polo Museológico Cândido Guerreiro e Condes de Alte recebe mais uma sessão que pretende trazer à memória personalidade e momentos que marcaram a história desta freguesia. Este “Serão com as gentes de Alte” irá recordar o altense João Gonçalves "Esperança", caiador de profissão, animador de festas e romarias, amigo de ajudar o próximo, uma "força viva" da comunidade altense. E será essa mesma comunidade, que em viva voz, trará essas histórias e estórias do “Esperança”.

Já no dia 14, sábado, o Museu Municipal de Loulé promove mais uma caminhada cultural subordinada ao tema "Património ao Luar". Desta feita, o percurso escolhido liga Esteval dos Mouros à aldeia da Rocha Amarela, localidades situadas nesta freguesia em que as paisagens serranas deslumbram quem passa por estas zonas. Os participantes serão guiados por antigos moradores da Rocha Amarela, aldeia desabitada desde da década de 70 do século passado, por caminhos com história e memória.

O ponto de encontro é na Escola Primária de Esteval dos Mouros (a 5 km a sul de Alte) e a caminhada decorrerá num percurso de 3,5 Km (dificuldade fácil).

Para a caminhada os participantes deverão levar água, sapatos confortáveis e lanterna.
A organização assegura o transporte de retorno.

A inscrição é gratuita e obrigatória através do email pm.alte@cm-loule.pt ou do telefone 289 478 058. Refira-se que as inscrições são limitadas.

 

CML/GAP /RP

Viviane, Melach Mechaya e Anaquin na aldeia de Alte

ea6d1c76-6607-4847-9886-04ba3aab3d56.jpg

 

A aldeia de Alte volta a receber o Fusos, numa edição recheada de cultura, com performances onde as várias formas artísticas se cruzam e se fundem para mostrar a capacidade artística algarvia e trazer à região nomes e projectos relevantes, do ponto de vista artístico, de 7 a 9 de Junho.

O momento de inauguração (sexta às 21h30) terá como palco o cerro da Galvana, com um espectáculo de música e de luz projectada em todo o cerro, visível de toda a aldeia.
Ilustração em tempo real com sonoplastia da aldeia, um concerto em direto de Cork (Irlanda) para os restaurantes de Alte, uma exposição de fusos construídos pelas crianças da EB Alte, músicos a tocar dentro de canoas ou dentro de casas envidraçadas, são alguns exemplos do que vai acontecer neste festival.

6c71b49a-007a-4c0c-8437-6671f0a02d35.jpg

b0f449ff-9cf5-4b7e-811e-b4422b4716a7.jpg

Durante 3 dias, sempre a partir das 14h30, 22 espectáculos espalham-se pelos 12 palcos de Alte. Viviane, Anaquim e Melech Mechaya são os nomes que encabeçam cada um dos dias.
O Fusos é um festival inserido no espaço e na comunidade de uma aldeia do interior algarvio. Os palcos são encontrados para se adequarem à programação, um antigo lagar de azeite, edifícios abandonados, terraços.. cada palco tem um carisma que potencia o espectáculo oferecido. É uma organização da Associação Fungo Azul com o apoio do Município de Loulé e da Junta de Freguesia de Alte. Todos os eventos são de entrada livre.

Programa completo:

Sexta 7 de Junho
14h30 Fusinhos
15h30 Com Ciência Brincamos (Centro Ciência Viva do Algarve)
17h30 Labirinto do Artista - Daniel Viera
19h00 Maestro d`Água
21h30 Inauguração com concerto e luz na Bandeira (Cerro da Galvana)
22h30 Viviane
23h45 DJ António Pires

Sábado 8 de Junho
14h30 Laudo
16h00 Alte Som
17h00 Homem em Catarse
18h00 Varandas da Memória (Ao Luar Teatro)
19h00 Maestro d'água
20h00 PubNet - Live from Cork
21h30 César Matoso
22h45 Anaquim
00h00 DJ Sopa da Pedra

Domingo 9 de Junho
14h30 Cinema de Ontem
15h30 Alte & Siga o Baile
17h00 Fol&Ar
18h00 Fusada com Rhakatta
19h00 Melech Mechaya

 

Começa amanhã - Festival Fusos na Aldeia de Alte

Viviane, Melech Mechaya e Anaquim na aldeia de Alte 

ea6d1c76-6607-4847-9886-04ba3aab3d56.jpg

 

A aldeia de Alte volta a receber o Fusos, numa edição recheada de cultura, com performances onde as várias formas artísticas se cruzam e se fundem para mostrar a capacidade artística algarvia e trazer à região nomes e projectos relevantes, do ponto de vista artístico, de 7 a 9 de Junho.

O momento de inauguração (sexta às 21h30) terá como palco o cerro da Galvana, com um espectáculo de música e de luz projectada em todo o cerro, visível de toda a aldeia.
Ilustração em tempo real com sonoplastia da aldeia, um concerto em direto de Cork (Irlanda) para os restaurantes de Alte, uma exposição de fusos construídos pelas crianças da EB Alte, músicos a tocar dentro de canoas ou dentro de casas envidraçadas, são alguns exemplos do que vai acontecer neste festival.

Durante 3 dias, sempre a partir das 14h30, 22 espectáculos espalham-se pelos 12 palcos de Alte. Viviane, Anaquim e Melech Mechaya são os nomes que encabeçam cada um dos dias.
O Fusos é um festival inserido no espaço e na comunidade de uma aldeia do interior algarvio. Os palcos são encontrados para se adequarem à programação, um antigo lagar de azeite, edifícios abandonados, terraços.. cada palco tem um carisma que potencia o espectáculo oferecido. É uma organização da Associação Fungo Azul com o apoio do Município de Loulé e da Junta de Freguesia de Alte. Todos os eventos são de entrada livre.

Programa completo:

Sexta 7 de Junho
14h30 Fusinhos
15h30 Com Ciência Brincamos (Centro Ciência Viva do Algarve)
17h30 Labirinto do Artista - Daniel Viera
19h00 Maestro d`Água
21h30 Inauguração com concerto e luz na Bandeira (Cerro da Galvana)
22h30 Viviane
23h45 DJ António Pires

Sábado 8 de Junho
14h30 Laudo
16h00 Alte Som
17h00 Homem em Catarse
18h00 Varandas da Memória (Ao Luar Teatro)
19h00 Maestro d'água
20h00 PubNet - Live from Cork
21h30 César Matoso
22h45 Anaquim
00h00 DJ Sopa da Pedra

Domingo 9 de Junho
14h30 Cinema de Ontem
15h30 Alte & Siga o Baile
17h00 Fol&Ar
18h00 Fusada com Rhakatta
19h00 Melech Mechaya

Alte recorda criação de Jornal "Ecos da Serra" no dia em que a freguesia recebe ambulância

Lab Mem Ambulancia-01.jpg

Realiza-se no próximo sábado, 22 de setembro, pelas 15h30, no Polo Museológico Cândido Guerreiro e Condes de Alte, mais um “Laboratório da Memória”, desta vez dedicado à reunião do Grupo de Amigos de Alte que levou, há mais de 50 anos, à criação do Jornal “Ecos da Serra”.

Este momento, bem como a história de uma das associações mais dinâmicas da serra algarvia e a vida de um jornal fundado por Maria de Lourdes Madeira e que é também uma referência neste território vão estar em destaque numa tarde que se prevê de muitas memórias trazidas pelos altenses.

Outro dos dias que marcaram esta freguesia foi a entrega da primeira ambulância para a comunidade. Esse dia será reeditado no sábado uma vez que uma benemérita altense vai oferecer a esta terra uma nova ambulância. A cerimónia de entrega da nova viatura acontece às 15h00.

Refira-se que este “Laboratório da Memória” integra o programa de comemorações das Jornadas Europeias do Património 2018 promovido pela Câmara Municipal de Loulé.

 

CML/GAP /RP

António Zambujo e Jacinto Lucas Pires em fusão no Algarve

c2c2e539-f2e1-45ad-bda6-0568c20f1af1.jpg

 

 

A aldeia mais típica do Algarve, Alte, com uma extraordinária beleza natural, patrimonial e paisagística volta a receber o Fusos - Festival de Fusões Artísticas onde este ano, os pontos de encontro são as Fusões entre Música e Literatura, entre Pintura e Dança e entre Música e Pintura de 1 a 3 de Junho nesta belíssima aldeia.

Projectos inovadores e criações intencionais para este conceito preenchem um cartaz eclético nas várias abordagens artísticas e que se estende pelos 7 palcos espalhados pela aldeia (Fonte Grande, Fonte Pequena, Pólo Museológico, Casa do Povo, Horta das Artes, Escola Profissional e Queda do Vigário), num itinerário surreal atrás do Andarilho de Alte - Escultura sonora que percorre o caminho entre palcos e onde todos podem tocar nos vários instrumentos incorporados.

O primeiro dia, sendo o Dia da Criança, começa a pensar nos mais jovens, com a estreia do filme "Amanhã foi ontem" um documentário que conta com a participação das crianças do ensino básico de Alte. Seguem-se actividades de ciência com o Centro Ciência Viva do Algarve, a inauguração da exposição Perspectivas de Alte, com representantes dos 5 continentes a mostrar as suas visões de Alte. Já a noite, começa com o malabarismo / novo circo de The Gentlemad e tem o momento forte ao juntar António Zambujo em palco com o escritor Jacinto Lucas Pires para uma fusão entre Literatura e Música. O primeiro dia termina com o som do DJ António Pires.

 

09c9e9be-9f74-4a2e-b021-3a2dc2ec25f4.jpg

 

 

No segundo dia, há teatro com a irónica e hilariante peça O Lobo Vermelho, sátira sobre o imaginário em torno da história do Capuchinho Vermelho. Segue-se Telamine, uma performance onde o artista Menau pinta um quadro com o pincel a emitir som, acompanhado pelos instrumentos de Paulo Machado. Maestro d'Água é um concerto com vários músicos dentro da Fonte Pequena, enquanto Fado Líquido junta a guitarra portuguesa de José Alegre com o som de sonoplastia da água circundante. À noite Asas de Sonhos é uma fantástica ilusão visual de dança aliada à pintura com Alice Duarte dentro de uma tela gigante, seguindo-se a festa imparável dos Kumpania Algazarra. Tudo fecha com os disco vinil de Discossauro.

No Domingo há lançamento do álbum dos Migna Mala, com direito a projecção do filme do álbum, e muita dança, primeiro com oficina do Grupo de Danças Tradicionais da Juventude Altense em Alte e Segue o Baile, depois com as danças tradicionais europeias de Pelivento. A encerrar há Fusada, num percurso até à belíssima Queda do Vigário que acolhe Luís Peixoto com a sua folk electrónica a fechar o festival num dos locais mais bonitos de todo o Algarve.

Todos os dias a partir das 14h30 e todos os eventos com entrada livre.

Fusos é uma organização Fungo Azul com o apoio do Município de Loulé e da Junta de Freguesia de Alte.

António Zambujo e Jacinto Lucas Pires em fusão no Algarve

 

c2c2e539-f2e1-45ad-bda6-0568c20f1af1.jpg

 

 

A aldeia mais típica do Algarve, Alte, com uma extraordinária beleza natural, patrimonial e paisagística volta a receber o Fusos - Festival de Fusões Artísticas onde este ano, os pontos de encontro são as Fusões entre Música e Literatura, entre Pintura e Dança e entre Música e Pintura de 1 a 3 de Junho nesta belíssima aldeia.

Projectos inovadores e criações intencionais para este conceito preenchem um cartaz eclético nas várias abordagens artísticas e que se estende pelos 7 palcos espalhados pela aldeia (Fonte Grande, Fonte Pequena, Pólo Museológico, Casa do Povo, Horta das Artes, Escola Profissional e Queda do Vigário), num itinerário surreal atrás do Andarilho de Alte - Escultura sonora que percorre o caminho entre palcos e onde todos podem tocar nos vários instrumentos incorporados.

O primeiro dia, sendo o Dia da Criança, começa a pensar nos mais jovens, com a estreia do filme "Amanhã foi ontem" um documentário que conta com a participação das crianças do ensino básico de Alte. Seguem-se actividades de ciência com o Centro Ciência Viva do Algarve, a inauguração da exposição Perspectivas de Alte, com representantes dos 5 continentes a mostrar as suas visões de Alte. Já a noite, começa com o malabarismo / novo circo de The Gentlemad e tem o momento forte ao juntar António Zambujo em palco com o escritor Jacinto Lucas Pires para uma fusão entre Literatura e Música. O primeiro dia termina com o som do DJ António Pires.

No segundo dia, há teatro com a irónica e hilariante peça O Lobo Vermelho, sátira sobre o imaginário em torno da história do Capuchinho Vermelho. Segue-se Telamine, uma performance onde o artista Menau pinta um quadro com o pincel a emitir som, acompanhado pelos instrumentos de Paulo Machado. Maestro d'Água é um concerto com vários músicos dentro da Fonte Pequena, enquanto Fado Líquido junta a guitarra portuguesa de José Alegre com o som de sonoplastia da água circundante. À noite Asas de Sonhos é uma fantástica ilusão visual de dança aliada à pintura com Alice Duarte dentro de uma tela gigante, seguindo-se a festa imparável dos Kumpania Algazarra. Tudo fecha com os disco vinil de Discossauro.

No Domingo há lançamento do álbum dos Migna Mala, com direito a projecção do filme do álbum, e muita dança, primeiro com oficina do Grupo de Danças Tradicionais da Juventude Altense em Alte e Segue o Baile, depois com as danças tradicionais europeias de Pelivento. A encerrar há Fusada, num percurso até à belíssima Queda do Vigário que acolhe Luís Peixoto com a sua folk electrónica a fechar o festival num dos locais mais bonitos de todo o Algarve.

Todos os dias a partir das 14h30 e todos os eventos com entrada livre.

Fusos é uma organização Fungo Azul com o apoio do Município de Loulé e da Junta de Freguesia de Alte.