Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

TEATRO DOS ALOÉS | AMADORA MOSTRA | RECREIOS DA AMADORA

af772629-0ce6-4fd3-a409-9eb830e5957a.jpg

AMADORA - MOSTRA
19 a 21 de julho (sexta e sábado às 21h30 e domingo às 16h nos Recreios da Amadora

 

AMADORA MOSTRA é reconhecer que o teatro se modifica de geração para geração, que novos problemas são colocados na cena e à cena.
É confrontar o novo teatro com o público, é reconhecer que novas expressões têm direito às suas escolhas estéticas e às suas problemáticas.
AMADORA MOSTRA é dar a mão amiga aos novos, como antes fizeram a nós. 
Bem-Vindos. 
Abraço forte de amizade Companheiros.

Teatro dos Aloés


GET OUT OF THE CLOSET! - 19 de julho - 21h30 | M/12

Um corpo não reflecte a pessoa que o habita. Por alguma razão Descartes separou a Alma do corpo. Penso que todos nós já sentimos que a nossa fisionomia, nalgum momento das nossas vidas, atraiçoou o nosso ‘eu’. Precisamos de encontrar um corpo visível, uma imagem, uma forma que consiga transparecer o nosso real pensamento, o nosso conteúdo, aquilo que sabemos ser. Em O Belo e a Consolação,
Steiner diz-nos que «Somos aquilo que são as nossas memórias. Não nos podem tirar aquilo que temos dentro de nós». Mas como é que algo que é do foro abstracto consegue sobrepor-se a uma dimensão corpórea? É necessário sermos “apenas” o que somos, sem a preocupação de nos inserirmos num Mundo edificado pelo preconceito, por normas e elites. Não cedamos aos dogmas impostos por
uma sociedade que tem um fascínio pelo belo. Tenhamos a coragem de viver num lugar às escuras, onde as pessoas se atraiam platonicamente. «Os olhos são o espelho da Alma», como Fernando Pessoa nos relembra. Encontramo-nos presos ao nosso corpo, à nossa pele, mas não temos culpa dos nossos genes.
Acredito que somos mais do que matéria, tal como Artaud. É urgente descobrirmos o verdadeiro ser que nos habita. Quem sou eu? Quem és tu?

Direção Artística e Conceção: Adriana Melo
Interpretação: Adriana Melo, Beatriz Brito, Magnum Soares, Karen Sampaio e Rita Bettencourt Paixão
Cenografia: Rita Capelo
Fotografia e Vídeo: Helena Gonçalves                            

ALEATÓRIO - 20 de julho - 21h30 | M/12

"Se a sua vida tivesse trilha sonora, qual seria?" A partir de músicas escolhidas pela plateia, duas histórias aleatórias são criadas por improviso, e se cruzam para inesperados desfechos.
Espetáculo de Impro Long Form, Teatro de Improviso poético que mistura dança, mímica e a espontaneidade da criação por música.

Realização: Grupo de Improviso SAÍDA SUL
Concepção, Direção e Atuação: Luana Proença
Banda Sonora: O Público
Designer de Luz: Marina Zoé
Figurino: Julieta Zarza e Luana Proença

PRANTO DE MARIA PARDA - 21 de julho - 16h | M/12

Espectáculo que relaciona o actor e a marioneta, num palco despojado e frio destacando apenas seis figuras e Parda que vem prantear a sua sede.
O tema central é o vinho, símbolo do animo e da inspiração da alma de um país que, estando em crise, não o tem. A peça acontece na época medieval, mas, porque se adapta aos dias de hoje, foi modernizada. Os taberneiros cuja forma remete para as cepas de vinha, realizando-se com elas o teatro de figuras, mas a personagem central é Maria Parda, acompanhada a maior parte do tempo de si mesma apenas e a si mesma falando, para regalo do público, nos versos de Gil Vicente, que vai mencionar os vinhos das diferentes terras de Portugal e qualificar a sua produção no derradeiro testamento da sequiosa mulher.  

Encenação, Dramaturgia, Manipulação - Guto Martins
Direção Técnica, manipulação - Magnum Soares
Manipulação: Mariana Nogueira
Direção Musical - Pedro De Fillipis
Audio-Visual - Pedro Cabral
Produção - Leonor Cabrita

 

Informações e reservas: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.pt

Passatempo - LOVERS - VENCIDOS

O Blog Cultura de Borla em parceria com TEATRO DOS ALOÉS tem bilhetes duplos para a peça LOVERS - VENCIDOS

para as sessões de 27 e 28 de Junho (21h30) e 3, 4 e 5 de Julho (21h30) nos RECREIOS DA AMADORA aos leitores que de 5 em 5 participações:

  

- enviarem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver LOVERS - VENCIDOS com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone e a sessão que pretende.

- façam like na página do Teatro dos Aloés no Facebook;

 - Partihem o post do passatempo no facebook no seu perfil pessoal de forma pública e nomeando três amigos na partilha;

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

 

cartaz finalweb.jpg

 

O Teatro dos Aloés vai estrear a 26 de junho nos Recreios da Amadora a segunda parte de LOVERS, com titulo LOVERS - VENCIDOS com direção de José Peixoto e interpretação de Jorge Silva, Sofia de Portugal, Teresa Faria e Teresa Mónica.
 
 
SINOPSE: Lovers é um díptico constituído pelas peças Vencedores Vencidos, ambas autónomas embora o autor quisesse que a peça fosse vista como um todo, simplesmente dividida em duas histórias.

Em 2019 foi nosso projecto levar a cena as duas partes deste díptico, estreámos em Março Vencedores com encenação de Jorge Silva e agora, três meses depois,Vencidos com encenação de José Peixoto.

Vencidos, é um texto sobre os amantes de meia-idade. Hanna e Andy gostam um do outro, mas a mãe de Hanna, e a vizinha do lado, vigiam-nos constantemente. São as duas muito devotas e não aprovam o amor entre eles, interrompendo-os constantemente, exigindo decência e orações. Andy e Hanna acabam por casar, mas a desilusão chega depressa com o peso das circunstâncias e dos preconceitos. São eles os vencidos, encurralados num casamento sem saída. Em Vencedoresos amantes libertaram-se pela morte, em Vencidos os velhos amantes ficam presos pela vida.

Passatempo - QUANDO VAI CARMEN FAZER LADY MACBETH?

O Blog Cultura de Borla em parceria com TEATRO DOS ALOÉS tem bilhetes duplos para a peça  QUANDO VAI CARMEN FAZER LADY MACBETH? para a sessão de 25 de Maio (21h30) e nos RECREIOS DA AMADORA aos leitores que de 5 em 5 participações:

  

- enviarem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver QUANDO VAI CARMEN FAZER LADY MACBETH? com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone e a sessão que pretende.

- façam like na página do Teatro dos Aloés no Facebook;

 - Partihem o post do passatempo no facebook no seu perfil pessoal de forma pública e nomeando três amigos na partilha;

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

c483f267-7c7f-420f-b2c1-a486be99c3b6.png

 

 

 

 QUANDO VAI CARMEN FAZER LADY MACBETH?


24 a 26 de maio no Cine-Teatro D.João V

(sexta e sábado às 21h30/ domingo às 16h00)
O Teatro dos Aloés irá repôr o espetáculo QUANDO VAI CARMEN FAZER LADY MACBETH com Direcção de Nuno Pinto Custódio e Encenação de Elsa Valentim.
 
Quem é Carmen?

Trata-se de um espectáculo construído a partir de princípios estruturantes da Commedia dell’Arte e do Clown, abrangendo faixas alargadas de espectadores e espaços não-convencionais, o improviso e a interacção directa são materiais determinantes. Tanto na forma como no conteúdo, desta inter-relação com o público, o espaço, o agora, as exibições, as propostas são sempre tão imprevisíveis quanto únicas. Na verdade, a ideia de Carmen é muito simples e ao mesmo tempo extremamente complexa. Ela tem o sonho de fazer os papéis femininos mais famosos das peças de Shakespeare (como já foi o caso de Julieta) e acorda com o público só lhes retirar uma hora da sua atenção. E dado que o tempo é hoje o bem mais inalienável e precioso, ela firma um contrato muito sério. Nem mais que um segundo da vida lhes retirará com a sua interpretação, posta em monólogo. Não perdendo o facto de ser uma Clown, ela sela este contrato prometendo dar o seu máximo no cumprimento de todas os trechos e tarefas que afincadamente preparou para dar a mostrar.

Sobre Quando vai Carmem Fazer Lady Macbeth?

É um lugar-comum dizer-se que um espectáculo nunca é igual a outro, que nunca se repete. Contudo, em Quando vai Carmen fazer Lady Macbeth? isso pode ser mesmo considerado como exacto. Dado que, à priori, é levado até aos seus limites... É que o espectáculo não só não pode ser igual como a actriz só o saberá um pouco antes deste começar! Porque se trata de um trabalho de improvisação sobre uma estrutura-partitura feita de inúmeras cenas fragmentadas que se sorteiam previamente. E isto já para não falar que Carmen pode também (e inevitavelmente) interessar-se por qualquer coisa que repare na sala e que nós não podemos prever aqui. Esta é então a essência de Carmen e que se desenvolve a partir do projecto de 2012 (“Julieta”) com o encenador Mario Gonzalez: a aceitação plena da impermanência como a única coisa realmente permanente desta vida. Ou a apologia do desapego enquanto forma imediata de felicidade. Toda uma filosofia, enfim, com a qual a própria Lady Macbeth se identifica, não é verdade?... Bem-vindos a Quando vai Carmen fazer Lady Macbeth?! Nuno P. Custódio


QUANDO VAI CARMEN FAZER LADY MACBETH? | TEATRO DOS ALOÉS

c483f267-7c7f-420f-b2c1-a486be99c3b6.png

 

 

QUANDO VAI CARMEN FAZER LADY MACBETH?
24 a 26 de maio no Cine-Teatro D.João V

(sexta e sábado às 21h30/ domingo às 16h00)
O Teatro dos Aloés irá repôr o espetáculo QUANDO VAI CARMEN FAZER LADY MACBETH com Direcção de Nuno Pinto Custódio e Encenação de Elsa Valentim.
 
Quem é Carmen?

Trata-se de um espectáculo construído a partir de princípios estruturantes da Commedia dell’Arte e do Clown, abrangendo faixas alargadas de espectadores e espaços não-convencionais, o improviso e a interacção directa são materiais determinantes. Tanto na forma como no conteúdo, desta inter-relação com o público, o espaço, o agora, as exibições, as propostas são sempre tão imprevisíveis quanto únicas. Na verdade, a ideia de Carmen é muito simples e ao mesmo tempo extremamente complexa. Ela tem o sonho de fazer os papéis femininos mais famosos das peças de Shakespeare (como já foi o caso de Julieta) e acorda com o público só lhes retirar uma hora da sua atenção. E dado que o tempo é hoje o bem mais inalienável e precioso, ela firma um contrato muito sério. Nem mais que um segundo da vida lhes retirará com a sua interpretação, posta em monólogo. Não perdendo o facto de ser uma Clown, ela sela este contrato prometendo dar o seu máximo no cumprimento de todas os trechos e tarefas que afincadamente preparou para dar a mostrar.

Sobre Quando vai Carmem Fazer Lady Macbeth?

É um lugar-comum dizer-se que um espectáculo nunca é igual a outro, que nunca se repete. Contudo, em Quando vai Carmen fazer Lady Macbeth? isso pode ser mesmo considerado como exacto. Dado que, à priori, é levado até aos seus limites... É que o espectáculo não só não pode ser igual como a actriz só o saberá um pouco antes deste começar! Porque se trata de um trabalho de improvisação sobre uma estrutura-partitura feita de inúmeras cenas fragmentadas que se sorteiam previamente. E isto já para não falar que Carmen pode também (e inevitavelmente) interessar-se por qualquer coisa que repare na sala e que nós não podemos prever aqui. Esta é então a essência de Carmen e que se desenvolve a partir do projecto de 2012 (“Julieta”) com o encenador Mario Gonzalez: a aceitação plena da impermanência como a única coisa realmente permanente desta vida. Ou a apologia do desapego enquanto forma imediata de felicidade. Toda uma filosofia, enfim, com a qual a própria Lady Macbeth se identifica, não é verdade?... Bem-vindos a Quando vai Carmen fazer Lady Macbeth?! Nuno P. Custódio

O SR. IBRAHIM e as flores do Corão | Recreios da Amadora

 

298d1bb1-9513-491a-bd41-577470e44cbb.jpg

 

 

O SR. IBRAHIM e as flores do Corão

         13 e 14 de abril nos Recreios da Amadora

(sábado às 21h30/ domingo às 16h00)

Em Paris, nos anos 60, Momo, um rapazinho judeu de onze anos, torna-se amigo do velho merceeiro árabe da rua Bleue. Mas as aparências iludem: o Senhor Ibrahim, o merceeiro, não é árabe, a rua Bleue não é azul e o rapazinho talvez não seja judeu.

Eric-Emmanuel Schmitt é um dos dramaturgos de língua francesa mais lidos e representados no Mundo. Os seus livros foram traduzidos para 43 línguas e as suas peças são representadas regularmente em mais de 50 países. Continua a escrever imparavelmente – muitas vezes ao ritmo de uma peça ou mais por ano. Em 2000 recebeu o Grande Prémio de Teatro da Academia Francesa, pelo conjunto da sua obra teatral, e em 2004 o Grande Prémio do Público, em Leipzig.

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Texto Eric-Emmanuel Schmitt | Tradução Carlos Correia Monteiro de Oliveira | Versão Cénica e Encenação Miguel Seabra | Interpretação Miguel Seabra e Rui Rebelo | Espaço Cénico Marta Carreiras e Miguel Seabra | Figurinos Marta Carreiras | Música original e Sonoplastia Rui Rebelo | Desenho de Luz Miguel Seabra | Assistência de Encenação Marta Carreiras | Fotografia Nuno Figueira | Assistência de Cenografia e Construção de Adereços Marco Fonseca | Montagem Marco Fonseca, Paulo Gomes | Operação de Luz Paulo Gomes | Assistente de Produção Susana Monteiro | Produção Executiva Rita Conduto e Natália Alves (2012, 2013) | Produção Teatro Meridional | Direcção Artística do Teatro Meridional Miguel Seabra e Natália Luiza

 

INFORMAÇÕES E RESERVAS: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.pt

Passatempo - LOVERS - VENCEDORES

O Blog Cultura de Borla em parceria com TEATRO DOS ALOÉS tem bilhetes duplos para a peça LOVERS - VENCEDORES

para as sessões de 28, 29 e 30 de Março (21h30) e 31 de Março (16h) nos RECREIOS DA AMADORA aos leitores que de 5 em 5 participações:

  

- enviarem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver LOVERS - VENCEDORES com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone e a sessão que pretende.

- façam like na página do Teatro dos Aloés no Facebook;

 - Partihem o post do passatempo no facebook no seu perfil pessoal de forma pública e nomeando três amigos na partilha;

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

2fa117b1-4c89-492c-8293-6ad2fe865d52.jpg

 

 LOVERS - VENCEDORES

         26 de Março a 7 de Abril nos Recreios da Amadora

(quarta e sábado às 21h30/ domingo às 16h00)
O Teatro dos Aloés irá estrear o espetáculo LOVERS - VENCEDORES, um texto de Brian Friel. Um espectáculo com encenação de Jorge Silva e interpretação de José Peixoto, Elsa Valentim, Carlos Malvarez e Raquel Oliveira.
 
Lovers, a peça que Brian Friel escreveu em 1967 é composta por dois textos: Winners e Losers (Vencedores e Vencidos). A peça que nos propomos fazer para o início de 2019, Vencedores (Winners), situa-se na Irlanda, 1966, num período de profundas alterações sociais e politicas. A Igreja Católica controla poderosamente todos os aspetos da vida irlandesa, em particular nas comunidades rurais. O divórcio, o aborto, a contraceção bem como o sexo antes do casamento são mal vistos. Meg estuda num colégio de freiras, Joe estuda num colégio dirigido por padres. Meg está grávida, tem 17 anos. Joe tem 17 anos e meio. Querem casar-se. Têm sonhos e esperanças, estão apaixonados. São os vencedores, cheios de promessas e esperança.
 
Ficha Artística:
Texto: Brian Friel; Tradução: Graça Margarido e Mick Greer; Encenação: Jorge Silva; Interpretação: Carlos Malvarez; Elsa Valentim; José Peixoto, Raquel Oliveira; Cenografia: Rui Francisco; Figurinos: Maria Luiz; Música: Rui Rebelo; Desenho de Luz: Tasso Adamopoulos; Fotografia: Ricardo J.Vaz  Design Gráfico: Beatriz Freitas; Produção Executiva: Daniela Sampaio e Vanessa Pereira; Produção: Teatro dos Aloés - M/12


Reservas - teatrodosaloes@sapo.pt ou 916 648 204

TEATRO DOS ALOÉS - LOVERS - VENCEDORES

2fa117b1-4c89-492c-8293-6ad2fe865d52.jpg

 

 

       26 de Março a 7 de Abril nos Recreios da Amadora

(quarta e sábado às 21h30/ domingo às 16h00)
O Teatro dos Aloés irá estrear o espetáculo LOVERS - VENCEDORES, um texto de Brian Friel. Um espectáculo com encenação de Jorge Silva e interpretação de José Peixoto, Elsa Valentim, Carlos Malvarez e Raquel Oliveira.
 
Lovers, a peça que Brian Friel escreveu em 1967 é composta por dois textos: Winners e Losers (Vencedores e Vencidos). A peça que nos propomos fazer para o início de 2019, Vencedores (Winners), situa-se na Irlanda, 1966, num período de profundas alterações sociais e politicas. A Igreja Católica controla poderosamente todos os aspetos da vida irlandesa, em particular nas comunidades rurais. O divórcio, o aborto, a contraceção bem como o sexo antes do casamento são mal vistos. Meg estuda num colégio de freiras, Joe estuda num colégio dirigido por padres. Meg está grávida, tem 17 anos. Joe tem 17 anos e meio. Querem casar-se. Têm sonhos e esperanças, estão apaixonados. São os vencedores, cheios de promessas e esperança.
 
Ficha Artística:
Texto: Brian Friel; Tradução: Graça Margarido e Mick Greer; Encenação: Jorge Silva; Interpretação: Carlos Malvarez; Elsa Valentim; José Peixoto, Raquel Oliveira; Cenografia: Rui Francisco; Figurinos: Maria Luiz; Música: Rui Rebelo; Desenho de Luz: Tasso Adamopoulos; Fotografia: Ricardo J.Vaz  Design Gráfico: Beatriz Freitas; Produção Executiva: Daniela Sampaio e Vanessa Pereira; Produção: Teatro dos Aloés - M/12

Passatempo - Posso saltar do meio da escuridão e morder do Teatro GRIOT - 25 a 27 Janeiro - Recreios da Amadora

O Blog Cultura de Borla em parceria com TEATRO DOS ALOÉS tem bilhetes duplos para a peça POSSO SALTAR DO MEIO DA ESCURIDÃO E MORDER para as sessões de 25 e 26 de Janeiro (21h30) e 27 de Janeiro (16h) nos RECREIOS DA AMADORA aos leitores que de 5 em 5 participações:

  

- enviarem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver POSSO SALTAR DO MEIO DA ESCURIDÃO E MORDER  com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone e a sessão que pretende.

- façam like na página do Teatro dos Aloés no Facebook;

 - Partihem o post do passatempo no facebook no seu perfil pessoal de forma pública e nomeando três amigos na partilha;

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

a12d41c1-0921-4ea4-854c-fe556b8c9195.jpg

 

Posso saltar do meio da escuridão e morder

              25 a 27 de Janeiro nos Recreios da Amadora

(sexta e sábado às 21h30/ domingo às 16h00)

Informações e reservas: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.pt.


O Teatro dos Aloés acolhe Posso saltar do meio da escuridão e morder do Teatro GRIOT. Um espectáculo com encenação de Rogério de Carvalho e interpretação de Daniel Martinho, Gio Lourenço e Zia Soares.

O que vive abaixo da superfície da sujeição? A ausência de liberdade pode fazer morrer uma alma? A insubmissão surge como a única possibilidade de sobrevivência para uma mulher, que se descobre mulher e negra no contexto dos lugares estanques da escravatura. O percurso do espectáculo é afinal uma provação como via para a consciência. Entre o imaginário, o simbólico e o real, Daniel, Gio e Zia avançam em direcção à lucidez - na 1ª pessoa, na 3ª pessoa, por vezes em ambas - à própria palavra que gera uma voz e um corpo mineral, vegetal, animal.
 
Rogério de Carvalho, encenador
A Coisa impossível - traumática provém do Espaço Interior. Inicialmente tudo o que vemos é o Vazio - o Céu escuro, infinito, o abismo sinistramente silencioso do Universo, com estrelas cintilantes dispersas, que são menos objectos materiais do que pontos abstractos; depois, de súbito, ouvimos um som por detrás de nós, do nosso fundo mais íntimo, a que vem juntar-se o objecto visual, a origem desse som - a gigantesca versão dos barcos que transportam escravizados. O objecto - Coisa é assim transmitido como parte de nós mesmos que expelimos para a realidade... Também buscamos. Esta intrusão da Coisa parece trazer o alívio, suprimindo o horror de contemplar o vazio infinito do Universo.
 
É a materialização das fantasias traumáticas mais íntimas; isso explica o enigma das estranhas lacunas da sua memória. O que ela escreve é a imagem fantasmática que tem dele. Faz parte do Espaço Interior (de si para si). Não são  invenção sua os factos e os sentimentos que narra? Existiram? É a Coisa? Não se trata de um Vazio? Não vemos as acções, apenas ouvimos. O processo da Escravatura/Coisa, o desenvolvimento da sua História é a sua concretização? No final regressa ao lugar de partida assumindo a consciência do que é ser negra. A posição trágica é que ela adquire consciência de toda a identidade substancial, de que não é nada em si mesma, dado que só se julga existir sonhando com o Outro. A imensidão está nela quer na voz quer na fala. 
 
Ficha Artística: Encenação Rogério de Carvalho; Texto selecção e montagem colectiva ; Actores Daniel Martinho, Gio Lourenço, Zia Soares; Design de som Chullage; Design de luz Jorge Ribeiro; Voz e elocução Luís Madureira; Apoio ao movimento Cláudia Bonina; Espaço cénico e figurinos Teatro GRIOT; Fotografia Sofia Berberan Produção Teatro GRIOT; M/14.

 

Passatempo - Tristezas e Alegrias nos Recreios da Amadora

O Blog Cultura de Borla em parceria com TEATRO DOS ALOÉS tem bilhetes duplos para a peça Tristezas e Alegrias para as sessões de 28 a 1 de Dezembro (21h30) e 2 de Dezembro (16h) nos RECREIOS DA AMADORA aos leitores que de 5 em 5 participações:

  

- enviarem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver Tristezas e Alegrias com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone e a sessão que pretende.

- façam like na página do Teatro dos Aloés no Facebook;

 - Partihem o post do passatempo no facebook no seu perfil pessoal de forma pública e nomeando três amigos na partilha;

 

21239837_H53rJ.jpeg

 

Tristezas e Alegrias de Athol Fugard
Recreios da Amadora
  
21 de Novembro a 2 de Dezembro 
(quarta a sábado às 21h30/domingo às 16h00)

 

 
Sinopse: Duas mulheres encontram-se numa velha casa de uma pequena aldeia do Karoo depois do funeral de David, o homem que ambas amaram. Uma é a sua esposa. A outra é mãe da sua filha. David, que fora levado ao exílio por causa do seu activismo político contra o apartheid, reaparece nas memórias das mulheres como que registadas a ferro. Durante uma tarde de verdade e reconciliação, os pactos de amor são dolorosamente marcados. O novo confronta-se com o velho e o que é a esperança para estas pessoas é a esperança para uma nova África do Sul. Feita de monólogos, memórias e desabafos que saltam do presente para o passado e que por vezes são só reflexões, produzem um teatro de uma convenção menos comum entre nós e que nos tocou profundamente e constitui um desafio para a cena e uma dádiva útil e emocionada para a sala.

Ficha artística: Texto: Athol Fugard; Tradução: Graça Margarido e Mick Greer; Encenação. José Peixoto; Interpretação: Ana Valentim; Elsa Valentim, Jorge Silva e Laurinda Chiungue; Cenografia: José  Manuel  Castanheira; Figurinos: Maria Luiz; Desenho de Luz: Tasso Adamopoulos; Música: Miguel Tapadas; Fotografia: José Frade; Operação Técnica: Nuno Figueira; Design Gráfico: Rui A. Pereira; Produção Executiva: Daniela Sampaio; Produção: Teatro dos Aloés. 


Informações e reservas: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.pt
Mais informações em: www.facebook.com/teatro.dosaloes

ATENÇÃO

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

Reservamo-nos o direito de excluir de futuros passatempos todos os que não procederem desta forma.

Passatempo - Tristezas e Alegrias nos Recreios da Amadora

O Blog Cultura de Borla em parceria com TEATRO DOS ALOÉS tem bilhetes duplos para a peça Tristezas e Alegrias para as sessões de 21 a 24 de Novembro (21h30) e 25 de Novembro (16h) nos RECREIOS DA AMADORA aos leitores que de 5 em 5 participações:

  

- enviarem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver Tristezas e Alegrias com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone e a sessão que pretende.

- façam like na página do Teatro dos Aloés no Facebook;

 - Partihem o post do passatempo no facebook no seu perfil pessoal de forma pública e nomeando três amigos na partilha;

 

 

ATENÇÃO

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

Reservamo-nos o direito de excluir de futuros passatempos todos os que não procederem desta forma.

ed127772-d39a-458a-abe3-825c896b97a2.jpg

 

Tristezas e Alegrias de Athol Fugard
Recreios da Amadora
  
21 de Novembro a 2 de Dezembro 
(quarta a sábado às 21h30/domingo às 16h00)

 

 
Sinopse: Duas mulheres encontram-se numa velha casa de uma pequena aldeia do Karoo depois do funeral de David, o homem que ambas amaram. Uma é a sua esposa. A outra é mãe da sua filha. David, que fora levado ao exílio por causa do seu activismo político contra o apartheid, reaparece nas memórias das mulheres como que registadas a ferro. Durante uma tarde de verdade e reconciliação, os pactos de amor são dolorosamente marcados. O novo confronta-se com o velho e o que é a esperança para estas pessoas é a esperança para uma nova África do Sul. Feita de monólogos, memórias e desabafos que saltam do presente para o passado e que por vezes são só reflexões, produzem um teatro de uma convenção menos comum entre nós e que nos tocou profundamente e constitui um desafio para a cena e uma dádiva útil e emocionada para a sala.

Ficha artística: Texto: Athol Fugard; Tradução: Graça Margarido e Mick Greer; Encenação. José Peixoto; Interpretação: Ana Valentim; Elsa Valentim, Jorge Silva e Laurinda Chiungue; Cenografia: José  Manuel  Castanheira; Figurinos: Maria Luiz; Desenho de Luz: Tasso Adamopoulos; Música: Miguel Tapadas; Fotografia: José Frade; Operação Técnica: Nuno Figueira; Design Gráfico: Rui A. Pereira; Produção Executiva: Daniela Sampaio; Produção: Teatro dos Aloés. 


Informações e reservas: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.pt
Mais informações em: www.facebook.com/teatro.dosaloes