Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Mais de uma centena de especialistas nacionais e internacionais visitam Palmela

Jornadas Internacionais.jpg.png

 

Mais de uma centena de especialistas nacionais e internacionais, nas áreas da Arqueologia, História e Arqueociências, vão estar em Palmela, de 23 a 25 de janeiro, para participar nas Jornadas Internacionais Terra, Pedras e Cacos do Garb al-Andalus. Até dia 21, ainda pode fazer a sua inscrição.

A iniciativa é organizada pela Câmara Municipal de Palmela e pelo Campo Arqueológico de Mértola, com coordenação científica a cargo do Grupo CIGA - Cerâmica Islâmica do Garb al-Andalus.

12 anos depois da formação do Grupo CIGA e 20 anos depois da publicação de “Portugal Musulman”, de Christophe Picard, esta iniciativa pretende relançar o debate sobre os estudos do período islâmico em Portugal. Palmela, conhecida no meio arqueológico por ser um dos mais importantes sítios com vestígios desta fase, é o cenário ideal para conhecer o muito que se tem feito a nível nacional no campo da arqueologia do período medieval islâmico e perceber o contributo dessas novas descobertas e investigações para a construção do conhecimento histórico.

O programa abre com uma evocação de Christophe Picarde vai integrar quatro sessões temáticas, no Cineteatro S. João (dias 23 e 24) e no Auditório da Biblioteca Municipal de Palmela (dia 25): “Revelações e novas abordagens sobre o Garb no século XXI”, “Arqueologia preventiva: transformar salvaguarda em conhecimento do Garb al-Andalus”, “O Garb e o Mediterrâneo” e “Da história à arqueologia e da arqueologia à história do Garb al-Andalus”. Destaque para a participação, no encerramento, de Cláudio Torres, fundador e diretor do Campo Arqueológico de Mértola, que tem desenvolvido uma relevante atividade científica na área do património cultural, nomeadamente, nos domínios da Arqueologia, investigação histórica e Museologia. A tarde de dia 25 será dedicada a visitas de estudo a sítios arqueológicos de Lisboa.

A inscrição é gratuita e deve ser efetuada preenchendo a ficha de inscrição disponível em www.cm-palmela.pt e enviando-a para os endereços de e-mail patrimonio.cultural@cm-palmela.pt e ciga.portugal@gmail.com. A disponibilidade de transporte para as visitas é limitada ao número de lugares do autocarro e a inscrição nas visitas e no almoço (com um custo de 15€) é também limitada, por ordem de receção. Serão entregues certificados de participação.

Mais informações através do Secretariado das Jornadas, a funcionar na Divisão de Bibliotecas e Património Cultural do Município de Palmela: Largo do Município, 2954-001 Palmela, 212 336 640 ou patrimonio.cultural@cm-palmela.pt.

 

Programa

 

23 de janeiro

 

9h00-9h30

Receção aos participantes

 

9h30

Sessão de abertura

Presidida pelo Presidente da Câmara Municipal de Palmela, Álvaro Balseiro Amaro

9h45

Evocação de Christophe Picard

 

10h00

Comunicação de abertura - “12 anos, 12 cacos”

Grupo CIGA: Maria José Gonçalves, Sandra Cavaco, Jacinta Bugalhão, Sofia Gomes, Isabel Inácio, Marco Liberato, Constança dos Santos, Helena Catarino, Jaquelina Covaneiro, Susana Gómez, Isabel Cristina Fernandes e Gonçalo Lopes

 

10h20-10h50

Pausa

 

Sessão 1 - Revelações e novas abordagens sobre o Garb no século XXI

 

10h50-11h10

A presúria de Coimbra, de 878 d. C. e seu contexto

Manuel Real

 

11h10-11h30

Moçarabismo: materialidades do heterogéneo coletivo cristão do Garb al-Andalus

Paulo Almeida Fernandes

 

11h30-11h50

Viver na fronteira. Os cacos, as pedras e as terras e algo mais das comunidades rurais da Beira Alta

Catarina Tente

 

11h50-12h10

Territórios e povoamento em Ossonoba/Ocsonoba. O Nordeste Algarvio pós romano e islâmico

Helena Catarino

 

12h10-12h30

Novos e velhos dados sobre espaços de culto na Silves islâmica

Maria José Gonçalves, Carlos Oliveira e Miguel Cipriano Costa

 

12h30-12h50

Repositório de técnicas ornamentais na cerâmica do Garb al-Andalus

Grupo CIGA: Susana Gómez, Pilar Lafuente, Jacinta Bugalhão, Sofia Gomes, Isabel Inácio, Marco Liberato, Constança dos Santos, Helena Catarino, Jaquelina Covaneiro, Isabel Cristina Fernandes, Gonçalo Lopes, Maria José Gonçalves e Sandra Cavaco

 

12h50-13h20

Debate

 

13h20-15h20

Almoço

 

15h20-15h40

La importancia de la epigrafía para el conocimiento del Garb al-Andalus

Maria Antonia Martínez Núñez e Pilar Delgado Blasco

 

15h40-16h00

Los herreros de Albalat (s. XII): aproximación a las actividades metalúrgicas a la luz de los testimonios arqueológicos

Sophie Gilotte e Pauline de Keukelaere

 

16h00-16h20

Importações e produções locais na mouraria de moura - cerâmicas do século XIV

Santiago Macias e José Gonçalo Valente

 

16h20-16h40

Achados de felus emirais do Baixo Alentejo, um ponto da questão: a Quinta do Estácio 3, Beja

Teresa Ricou Nunes da Ponte, Luciana de Jesus e Vasco Abegoaria

 

16h40-17h00

O ribat do Alto da Vigia (Sintra, Portugal)

Alexandre Gonçalves e Helena Catarino

 

17h00-17h30

Pausa

 

17h30-17h50

Arqueometria da cerâmica islâmica de Mértola: estudo da pasta e das decorações vidradas

Massimo Beltrame, Susana Gómez Martínez e José Mirão

 

17h50-18h10

Zooarqueologia do Garb al-Andalus: urbanidades, ruralidades, especialidades e não só

Maria João Valente

 

18h10-18h30

Terminologia e conhecimento arqueológico: contributos interdisciplinares para o estudo da cerâmica do al-Andalus

Bruno Almeida

 

18h30-19h00

Debate

 

24 de janeiro

 

Sessão 2 - Arqueologia preventiva: transformar salvaguarda em conhecimento do Garb al-Andalus

 

9h00-9h20

Fragmentos de Coimbra Medieval: reflexões a propósito do alcance dos trabalhos arqueológicos preventivos em Coimbra

Ricardo Costeira da Silva

 

9h20-9h40

Conclusiones sobre el registro funerario islámico y cristiano de Mérida (ss. VIII-XIII)

Miguel Alba

 

9h40-10h00

Ponto de situação das intervenções de categoria C do período islâmico e questionamento sobre resultados

Grupo CIGA: Jacinta Bugalhão, Isabel Inácio, Sofia Gomes, Marco Liberato, Constança dos Santos, Helena Catarino, Jaquelina Covaneiro, Isabel Cristina Fernandes, Gonçalo Lopes, Maria José Gonçalves, Sandra Cavaco e Susana Gómez

 

10h00-10h20

Da arqueologia preventiva ao conhecimento da ocupação islâmica de Setúbal

Susana Duarte, Joaquina Soares e Carlos Tavares da Silva

 

10h20-10h40 

“…Deus tenha misericórdia dele” - Contributos da Arqueologia preventiva para o conhecimento de Setúbal no Garb al-Andalus

Artur Fontinha, Maria Antónia Martínez Núñez e Maria João Cândido

 

10h40-11h10 - Pausa

 

11h10-11h30

Novos dados para a compreensão da ocupação entre o período Medieval Islâmico e Cristão através das materialidades e contextos - Resultados preliminares da intervenção arqueológica de 2019 na encosta Sul do hisn Balmalla (Castelo de Palmela)

Luís Filipe Pereira e Michelle Teixeira Santos

 

11h30-11h50

Os contextos islâmicos dos antigos Armazéns Sommer nas dinâmicas da Lisboa medieval islâmica

Paulo Rebelo, Vanessa Filipe, Ricardo Ribeiro, Virgílio Martínez e Nuno Neto

 

11h50-12h10

O que nos contam os cacos? Aproximação a uma leitura diacrónica e socioeconómica da cerâmica no Largo da Atafona, Lisboa

Vanessa Filipe, José Pedro Henriques, Vasco Vieira e Tiago Pereira

 

12h10-12h30 

Cerâmicas de contextos islâmicos e de tradição da Praça da Figueira, Lisboa

Rodrigo Banha da Silva, André Bargão, Sara da Cruz Ferreira, Inês Pires e Duarte Mira

 

12h30-12h50 

Espaços de uma cidade: novos dados sobre a necrópole islâmica de Lisboa oriental

Vanessa Filipe, Nuno Neto, José Pedro Henriques, Sara Brito, Alice Toso, Sílvia Casimiro, Raquel Granja, Joana Inocêncio e Sónia Ferro

 

12h50-13h15

Debate

 

13h15-15h10

Almoço

 

Sessão 3 - O Garb e o Mediterrâneo

 

15h10-15h30

Cuando Madïna Mayürqa dejó de ser Madïna para convertirse en Ciudad

Guillermo Rosselló Bordoy

 

15h30-15h50

Questions d'images et de céramique

Patrice Cressier

 

15h50-16h10

El Garb y el Sharq al-Andalus a través de las producciones cerámicas

Rafael Azuar

 

16h10-16h30

Cacela-a-Velha no mundo mediterrânico almóada através das cerâmicas

Cristina Tété Garcia e Patrícia Dores

 

16h30-16h50

Cerámicas del Algarve (de Além-mar): dos nuevos silos documentados en Ceuta

Fernando Villada

 

16h50-17h10

Pausa

 

17h10-17h30

Algunas consideraciones sobre las cerámicas medievales del Rif: hacia una tipología cerámica del Magreb al-Aqṣā

Yaiza Hernández Casas, Bilal Sarr e Luca Mattei

 

17h30-17h50

Debate

 

Sessão 4 - Da história à arqueologia e da arqueologia à história do Garb al-Andalus

 

17h50-18h10

Da Arqueologia à História do Gharb al-Andalus. As cerâmicas almorávidas do Castelo de Sesimbra: dinâmicas de poder e ocupação do território

Rui Filipe Gil e Rafael Santiago

 

18h10-18h30

Entre Balmala e Qasr al-Fath: leitura histórico-arqueológica de um território de fronteira

Isabel Cristina F. Fernandes

 

18h30

Apresentação, por André Teixeira, da obra “Scripta Manent. Inventario de Signos Lapidarios de Ceuta”, da autoria de Gabriel Fernández Ahumada e Fernando Villada Paredes

 

25 de janeiro

 

Sessão 4 - Da história à arqueologia e da arqueologia à história  do Garb al-Andalus

 

9h00-9h20

Conquista islámica del norte peninsular y reacciones locales

Avelino Gutiérrez

 

9h20-9h40

Garb al-Andalus y Portugal en las fuentes árabes (siglos X-XIII)

Alejandro García Sanjuan

 

9h40-10h00

Toponímia, fontes escritas e arqueologia: a identificação de Laqant, de Halq az-Zawiya e de Kanisat al-Gurab

Santiago Macías

 

10h00-10h20

Oleiros muçulmanos depois da conquista de Lisboa

Filomena Barros

 

10h20-10h50

Pausa

 

10h50-11h10

As mudun e a fronteira: o projeto almóada de reocupação de Baja

Hermenegildo Fernandes

 

11h10-11h30

Mahmud ibn Al-Ğabbar - ponto de partida para hipóteses sobre o Garb al-Andalus no séc. IX

Fernando Branco Correia

 

11h30-11h50

Da Arqueologia à História: A forma urbana da Lisboa Islâmica

Manuel Fialho Silva

 

11h50-12h10

Debate

 

12h10-12h30

Sessão de encerramento presidida pelo Vereador Luís Miguel Calha e com intervenção de Cláudio Torres

12h35- Partida para Lisboa (paragem de autocarro, Largo de S. João)

 

13h15-15h15 - Almoço em Lisboa

 

15h15

Visita de estudo a sítios arqueológicos de Lisboa

  1. Armazéns Sommer - Hotel Eurostar Museum (visita conduzida por Paulo Rebelo e Nuno Neto)
  2. Núcleo de Interpretação da Muralha de D. Dinis - Banco de Portugal (visita conduzida por Artur Rocha)
  3. Muralha Fernandina - Hotel Corpo Santo (visita conduzida por António Valongo)

Património Arqueológico de Loulé Velho é tema de Laboratório e Conferência

Loulé Velho, sítio arqueológicos do Concelho de Loulé que foi um importante centro de comércio romano no Algarve, é o mote para uma semana repleta de atividades culturais no Concelho de Loulé.

Arqueologia Loulé Velho (2).jpg

 

A partir desta segunda-feira, e até ao dia 27 de julho, sexta-feira, irá realizar-se no Museu Municipal de Loulé o Laboratório Aberto “Arqueologia e Cerâmica Romana de Loulé Velho”. Tendo como ponto de partida a Exposição patente no Museu Nacional de Arqueologia, “Loulé. Territórios, Memórias, Identidades”, pretende-se conhecer melhor a ocupação romana de Loulé Velho através do estudo das cerâmicas. Aos objetivos de caráter científico juntam-se outros de âmbito educativo/pedagógico. Estudam-se as coleções do Museu Municipal de Loulé e aprofunda-se o conhecimento sobre a época romana num contexto de investigação. Haverá assim uma componente teórica e outra prática, na qual os participantes serão confrontados com o inventário e classificação de cerâmicas. Este Laboratório, coordenado por Rui Roberto de Almeida e Catarina Viegas, do Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa, destina-se a estudantes de Arqueologia, estudantes do ensino secundário e público em geral.

Já no dia 26 de julho, quinta-feira, pelas 18h00, o Centro Autárquico de Quarteira recebe a Conferência de Apresentação do Projeto “Loulé Velho: Arqueologia de um Sítio (quase) desaparecido”, por Catarina Viegas e Rui Roberto de Almeida.

Neste momento, será ainda apresentada a ação colaborativa com os munícipes de Loulé Velho “Olha o que tenho em casa!”, recolha/inventário de fotos, objetos arqueológicos e memórias. Tudo ajuda a contar a história de Loulé Velho. 

Refira-se que as atividades integram-se no projeto LORIVAI – Loulé Velho e o Palestuário da Ribeira de Carcavai.

CML/GAP /RP 

Dia Internacional de Arqueologia | Visita guiada às Grutas Artificiais de Quinta do Anjo - 27 de julho, 17h30

 

 

Dia Internacional de Arqueologia

Visita guiada às Grutas Artificiais de Quinta do Anjo

dá a conhecer importantes achados no processo de escavação em curso

 

A Câmara Municipal de Palmela e a UNIARQ, Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa associam-se às comemorações do Dia Internacional de Arqueologia, com a realização de uma visita guiada às Grutas Artificiais do Casal do Pardo, em Quinta do Anjo, no dia 27 de julho, às 17h30. Os visitantes terão, assim, oportunidade de conhecer o processo de escavação arqueológica em curso - 141 anos depois da data de descoberta deste emblemático espaço funerário - trabalhos promovidos pelo Município de Palmela, em parceria com a UNIARQ e a Arqueohoje. Esta intervenção insere-se num programa de valorização das Grutas Artificiais do Casal  do Pardo e apoio à interpretação museológica do sítio e enquadra-se no programa “PRARRÁBIDA – Valorização de Sítios Arqueológicos”, promovido por Palmela e cofinanciado pelo PORLisboa2020, no âmbito do PDCT-AML (Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da Área Metropolitana.

As Grutas Artificiais do Casal do Pardo remontam ao Neolítico final, mas foram utilizadas durante todo o 3.º milénio (3200 a 2000 antes da nossa era), tendo sido utilizadas como espaço sepulcral até aos finais do 3.º milénio. Inscrevendo-se numa tradição arquitetónica mediterrânica, estes sepulcros são semelhantes às práticas funerárias do Megalitismo no Centro e Sul de Portugal. Identificadas e escavadas em 1876 pela Comissão dos Serviços Geológicos, as Grutas Artificiais de Casal do Pardo constituem um sítio paradigmático do hipogeísmo em Portugal, conhecido da comunidade científica europeia desde o século 19. O importante espólio recolhido nas escavações de 1876 e 1907 encontra-se depositado no Museu Geológico e Museu Nacional de Arqueologia, respetivamente, destacando-se o conjunto de cerâmicas e espólio associado ao Campaniforme, contexto local de um fenómeno  europeu que surge no final do Calcolítico.

 

Jornadas Arqueológicas da Região de Setúbal a 7 ,8, 14 e 15 de outubro | Receção à Comunidade Educativa

JARS+.jpg

 

Nos dias 7 e 14 (sextas-feiras) de outubro ocorrerão diversas conferências sobre temática arqueológica, no Barreiro e no Seixal. Os dias 8 e 15 (sábados) de outubro serão dedicados a visitas guiadas, em autocarro, a sítios patrimoniais relevantes da Região.

 

Em reflexão conjunta, o MAEDS – Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal / AMRS –  Associação de Municípios da Região de Setúbal e o FIDS – Fórum Intermuseus do Distrito de Setúbal “consideraram pertinente levar à prática uma iniciativa cultural de âmbito regional, dirigida à Comunidade Educativa da Região de Setúbal (Professores, Pais e Alunos), com o objetivo de mobilizar o Património Arqueológico, enquanto instrumento pedagógico.

Pretende-se, igualmente, salientar as potencialidades dos Museus na promoção de uma educação/formação abrangente e inclusiva com base na experimentação, ou seja, no contacto direto com o território, o património e a identidade regional.

Em processo de certificação no conselho cientifico-pedagógico de formação contínua pelo Centro de Formação da Ordem de Santiago».

 

Esta iniciativa conta com a colaboração: das câmaras municipais de Almada, Barreiro, Seixal, Palmela e Vila Franca de Xira, entre outras entidades.

 

Inscrições/+INFO: http://jars.amrs.pt/pages/275 / / http://jars.amrs.pt/ / www.cfosantiago.edu.pt/

 

PROGRAMA | VISITAS

7 E 8 DE OUTUBRO > PRÉ E PROTO-HISTÓRIA

CONFERÊNCIAS, DIA 7:

(Espaço Memória, Barreiro, ou Auditório Municipal Augusto Cabrita, caso a lotação do primeiro espaço não comporte o número de participantes).

 

09.30 horas – Recepção dos participantes e sessão de abertura;

10.30 horas – “Os Alvores da Ocupação Humana”, por João Luís Cardoso (UAL; ACL; APH);

11.15 horas – Intervalo para café;

11.30 horas – “O fim do grande ciclo da economia de caça-recolecção e as primeiras comunidades neolíticas”, por Joaquina Soares (MAEDS/AMRS; FLUL/UNIARQ);

12.15 horas – “Dos primeiros metalurgistas às sociedades hierarquizadas da Idade do Bronze na Região”, por Joaquina Soares;

13.00 horas – Debate;

13.15 horas – Almoço livre;

15.00 horas – “Da colonização fenícia ao mosaico cultural da 2ª Idade do Ferro”, por Carlos Tavares da Silva (MAEDS/AMRS; UNIARQ);

15.45 horas – Intervalo para café;

16.00 horas – “Almaraz – a primeira urbe de Almada: diacronia, arquitectura e cultura material”, por Luís Barros (MMA).

16.45 horas – Debate;

17.30 horas – Encerramento.

 

VISITAS GUIADAS, DIA 8:

Visitas guiadas a sítios pré e proto-históricos da Península de Setúbal:

09.30 horas – Saída do Barreiro em direção a Almaraz (período orientalizante);

12.00 horas – Hipogeus da Quinta do Anjo;

13.00 horas – Almoço livre na Quinta do Anjo;

14.30 horas – Castro de Chibanes (Palmela);

16.30 horas – Exposição de Arqueologia Regional no MAEDS;

18.00 horas – Previsão de chegada ao Barreiro.

 

 

14 E 15 DE OUTUBRO > COLONIZAÇÕES ROMANA E ISLÂMICA

CONFERÊNCIAS, DIA 14:

(Fórum do Seixal ou Auditório dos Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal, de acordo com o número de participantes).

09.30 horas – Sessão de abertura.

10.30 horas – “Em torno da conquista romana do Vale do Tejo. Novos e velhos dados”, por João Pimenta (CEAX; UNIARQ);

11.15 horas – Intervalo para café;

11.30 horas – “Da invasão à colonização romana na Península de Setúbal”, por Carlos Tavares da Silva (MAEDS/AMRS; UNIARQ);

12.15 horas – Debate;

13.00 horas – Almoço livre;

15.00 horas – “O estabelecimento romano de Tróia”, por Inês Vaz Pinto (CEAACP; Tróia Resort);

15.45 horas – “As olarias do Porto dos Cacos (Alcochete) e da Quinta do Rouxinol (Seixal) e outras evidências da presença romana na frente ribeirinha do Seixal”, por Jorge Raposo (CMS-EMS/CAA);

16.30 horas – Intervalo para café;

16.45 horas – “Palmela e Sesimbra, dois castelos da Arrábida medieval islâmica”, por Isabel Cristina Fernandes (CMP-MMP/GEsOS);

17.30 horas – Debate;

18.00 horas – Encerramento.

 

VISITAS GUIADAS, DIA 15:

Visitas guiadas a sítios romanos e muçulmanos da Região de Setúbal:

09.00 horas – Saída do Seixal com visita à olaria romana da Quinta do Rouxinol;

10.45 horas – Estabelecimento romano de preparados piscícolas do Creiro (Arrábida);

12.00 horas – Castelo de Palmela;

13.00 horas – Setúbal. Almoço livre;

15.00 horas – Ruinas Romanas de Tróia;

18.00 horas – Previsão de chegada ao Seixal.

 

Organização:

MAEDS/AMDS e FIDS

 

Coordenação:

Carlos Tavares da Silva e Joaquina Soares

 

Conferencistas:

Carlos Tavares da Silva (MAEDS/AMRS; UNIARQ)

Inês Vaz Pinto (CEAACP; Tróia Resort)

Isabel Cristina Fernandes (Câmara Municipal de Palmela)

João Luís Cardoso (Universidade Aberta; Academia das Ciências de Lisboa; Academia Portuguesa da História)

João Pimenta (Centro de Estudos Arqueológicos de Vila Franca de Xira - CEAX; UNIARQ)

Joaquina Soares (MAEDS/AMRS; FLUL/UNIARQ)

Jorge Raposo (Ecomuseu do Seixal/Câmara Municipal do Seixal)

Luís Barros (Museu Municipal de Almada/ Câmara Municipal de Almada)

 

Comissão executiva:

Ana Férias (MAEDS/AMRS)

Antónia Coelho-Soares (MAEDS/AMRS)

Fátima Afonso (Ecomuseu do Seixal/CMS)

Joana Esteves (Museu Municipal de Almada/CMA)

João Ventura (Museu Municipal de Sesimbra/CMS)

Luís Barros (Museu Municipal de Almada/CMA)

Michelle Santos (Museu Municipal de Palmela/ CMP)

Paula Covas (MAEDS/AMRS)

António Camarão (Espaço Memória/Câmara Municipal do Barreiro)

Susana Duarte (MAEDS/AMRS)

 

A reprodução textual da informação implica a referência da sua autoria: CMB

Jornadas Arqueológicas da Região de Setúbal a 7 ,8, 14 e 15 de outubro | Receção à Comunidade Educativa

JARS+.jpg

 

Nos dias 7 e 14 (sextas-feiras) de outubro ocorrerão diversas conferências sobre temática arqueológica, no Barreiro e no Seixal. Os dias 8 e 15 (sábados) de outubro serão dedicados a visitas guiadas, em autocarro, a sítios patrimoniais relevantes da Região.

 

Em reflexão conjunta, o MAEDS – Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal / AMRS –  Associação de Municípios da Região de Setúbal e o FIDS – Fórum Intermuseus do Distrito de Setúbal “consideraram pertinente levar à prática uma iniciativa cultural de âmbito regional, dirigida à Comunidade Educativa da Região de Setúbal (Professores, Pais e Alunos), com o objetivo de mobilizar o Património Arqueológico, enquanto instrumento pedagógico.

Pretende-se, igualmente, salientar as potencialidades dos Museus na promoção de uma educação/formação abrangente e inclusiva com base na experimentação, ou seja, no contacto direto com o território, o património e a identidade regional.

Em processo de certificação no conselho cientifico-pedagógico de formação contínua pelo Centro de Formação da Ordem de Santiago».

 

Esta iniciativa conta com a colaboração: das câmaras municipais de Almada, Barreiro, Seixal, Palmela e Vila Franca de Xira, entre outras entidades.

 

Inscrições/+INFO: http://jars.amrs.pt/pages/275 / / http://jars.amrs.pt/ / www.cfosantiago.edu.pt/

 

PROGRAMA | VISITAS

7 E 8 DE OUTUBRO > PRÉ E PROTO-HISTÓRIA

CONFERÊNCIAS, DIA 7:

(Espaço Memória, Barreiro, ou Auditório Municipal Augusto Cabrita, caso a lotação do primeiro espaço não comporte o número de participantes).

 

09.30 horas – Recepção dos participantes e sessão de abertura;

10.30 horas – “Os Alvores da Ocupação Humana”, por João Luís Cardoso (UAL; ACL; APH);

11.15 horas – Intervalo para café;

11.30 horas – “O fim do grande ciclo da economia de caça-recolecção e as primeiras comunidades neolíticas”, por Joaquina Soares (MAEDS/AMRS; FLUL/UNIARQ);

12.15 horas – “Dos primeiros metalurgistas às sociedades hierarquizadas da Idade do Bronze na Região”, por Joaquina Soares;

13.00 horas – Debate;

13.15 horas – Almoço livre;

15.00 horas – “Da colonização fenícia ao mosaico cultural da 2ª Idade do Ferro”, por Carlos Tavares da Silva (MAEDS/AMRS; UNIARQ);

15.45 horas – Intervalo para café;

16.00 horas – “Almaraz – a primeira urbe de Almada: diacronia, arquitectura e cultura material”, por Luís Barros (MMA).

16.45 horas – Debate;

17.30 horas – Encerramento.

 

VISITAS GUIADAS, DIA 8:

Visitas guiadas a sítios pré e proto-históricos da Península de Setúbal:

09.30 horas – Saída do Barreiro em direção a Almaraz (período orientalizante);

12.00 horas – Hipogeus da Quinta do Anjo;

13.00 horas – Almoço livre na Quinta do Anjo;

14.30 horas – Castro de Chibanes (Palmela);

16.30 horas – Exposição de Arqueologia Regional no MAEDS;

18.00 horas – Previsão de chegada ao Barreiro.

 

 

14 E 15 DE OUTUBRO > COLONIZAÇÕES ROMANA E ISLÂMICA

CONFERÊNCIAS, DIA 14:

(Fórum do Seixal ou Auditório dos Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal, de acordo com o número de participantes).

09.30 horas – Sessão de abertura.

10.30 horas – “Em torno da conquista romana do Vale do Tejo. Novos e velhos dados”, por João Pimenta (CEAX; UNIARQ);

11.15 horas – Intervalo para café;

11.30 horas – “Da invasão à colonização romana na Península de Setúbal”, por Carlos Tavares da Silva (MAEDS/AMRS; UNIARQ);

12.15 horas – Debate;

13.00 horas – Almoço livre;

15.00 horas – “O estabelecimento romano de Tróia”, por Inês Vaz Pinto (CEAACP; Tróia Resort);

15.45 horas – “As olarias do Porto dos Cacos (Alcochete) e da Quinta do Rouxinol (Seixal) e outras evidências da presença romana na frente ribeirinha do Seixal”, por Jorge Raposo (CMS-EMS/CAA);

16.30 horas – Intervalo para café;

16.45 horas – “Palmela e Sesimbra, dois castelos da Arrábida medieval islâmica”, por Isabel Cristina Fernandes (CMP-MMP/GEsOS);

17.30 horas – Debate;

18.00 horas – Encerramento.

 

VISITAS GUIADAS, DIA 15:

Visitas guiadas a sítios romanos e muçulmanos da Região de Setúbal:

09.00 horas – Saída do Seixal com visita à olaria romana da Quinta do Rouxinol;

10.45 horas – Estabelecimento romano de preparados piscícolas do Creiro (Arrábida);

12.00 horas – Castelo de Palmela;

13.00 horas – Setúbal. Almoço livre;

15.00 horas – Ruinas Romanas de Tróia;

18.00 horas – Previsão de chegada ao Seixal.

 

Organização:

MAEDS/AMDS e FIDS

 

Coordenação:

Carlos Tavares da Silva e Joaquina Soares

 

Conferencistas:

Carlos Tavares da Silva (MAEDS/AMRS; UNIARQ)

Inês Vaz Pinto (CEAACP; Tróia Resort)

Isabel Cristina Fernandes (Câmara Municipal de Palmela)

João Luís Cardoso (Universidade Aberta; Academia das Ciências de Lisboa; Academia Portuguesa da História)

João Pimenta (Centro de Estudos Arqueológicos de Vila Franca de Xira - CEAX; UNIARQ)

Joaquina Soares (MAEDS/AMRS; FLUL/UNIARQ)

Jorge Raposo (Ecomuseu do Seixal/Câmara Municipal do Seixal)

Luís Barros (Museu Municipal de Almada/ Câmara Municipal de Almada)

 

Comissão executiva:

Ana Férias (MAEDS/AMRS)

Antónia Coelho-Soares (MAEDS/AMRS)

Fátima Afonso (Ecomuseu do Seixal/CMS)

Joana Esteves (Museu Municipal de Almada/CMA)

João Ventura (Museu Municipal de Sesimbra/CMS)

Luís Barros (Museu Municipal de Almada/CMA)

Michelle Santos (Museu Municipal de Palmela/ CMP)

Paula Covas (MAEDS/AMRS)

António Camarão (Espaço Memória/Câmara Municipal do Barreiro)

Susana Duarte (MAEDS/AMRS)

 

A reprodução textual da informação implica a referência da sua autoria: CMB