Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Apresentação do espetáculo "That’s all, folks!" no concelho de Torres Vedras

 

descarregar (1).jpg

That’s all, folks! é um espetáculo de teatro, música e artes visuais, criado e produzido pela Plataforma285, a partir de residências artísticas realizadas em quatro diferentes territórios do concelho de Torres Vedras (da Freguesia do Ramalhal, da União das Freguesias de A dos Cunhados e Maceira, da Freguesia da Silveira e da União das Freguesias de Campelos e Outeiro da Cabeça), o qual será durante o mês de março apresentado em locais desses mesmos territórios: na Casa do Povo do Ramalhal (nos dias 8 e 9, pelas 19h00), no Centro Pastoral do Sobreiro Curvo (nos dias 15 e 16, pelas 21h00), no Grupo Desportivo Cultural de Brejenjas (nos dias 21 e 22, pelas 19h00) e no Centro Cultural e Animação de Campelos (no dia 23, pelas 21h00, e, no dia 24, pelas 17h00).

Assente num modelo participativo de criação, que passou pela auscultação da comunidade, That’s all, folks! foi concebido com o objetivo de pensar o comum e a identidade de forma abrangente, pelo que no seu processo de criação foram incluídos participantes de diferentes gerações.

Interpretado por duas performers, este espetáculo centra-se nas problemáticas associadas à construção de uma identidade coletiva, a partir de uma esfera simbólica comum. No mesmo revisitam-se datas, mapeiam-se acontecimentos e imagens que populam o imaginário e que ensinam o que amar, o que odiar ou quem evitar. Suscitam-se questões como: Que ideias estão contidas nas celebrações? Celebramos para não esquecer – mas o que celebramos de facto? Quem decide o que deve ser esquecido? Quem define a narrativa comum?

Após cada apresentação de That’s all, folks! no concelho de Torres Vedras haverá um momento de conversa com o público.

Os interessados em assistir à apresentação desse espetáculo no concelho de Torres Vedras devem efetuar inscrição, a qual é gratuita, pelo n.º de telefone: 261 320 749; ou por um dos seguintes emails: plataforma285@gmail.com | cultura@cm-tvedras.pt.

De referir que a Plataforma285 é um coletivo multidisciplinar, fundado em 2011, por Cecília Henriques e Raimundo Cosme. Conta já com 21 criações originais, tendo trabalhado com instituições como o CCB, a Culturgest, o MAAT, o Teatro Nacional D. Maria II, o São Luiz Teatro Municipal ou Serralves.

 

Produção: Plataforma285

Coprodutores: Câmara Municipal de Torres Vedras, São Luiz Teatro Municipal, RTP

Apoio financeiro: Câmara Municipal de Torres Vedras

Parceiros para residências artísticas: União das Freguesias de A dos Cunhados e Maceira, Junta de Freguesia da Silveira, União das Freguesias de Campelos e Outeiro da Cabeça, Junta de Freguesia do Ramalhal, Associação Pro-Memória

Apoios: Câmara Municipal de Lisboa, Câmara Municipal de Pombal

Residências: Cão Solteiro, Residências 120, O Espaço do Tempo, Casa Varela

 

Ficha Técnica e Artística

Criação: Plataforma285

Direção artística e texto: Cecília Henriques e Raimundo Cosme

Interpretação: Cecília Henriques e Beatriz Beja

Interpretação em vídeo: Maurícia Barreira Neves

Direção Musical: Cigarra

Olhar Exterior e Apoio ao Movimento: Maurícia Barreira Neves

Cocriação e figurinos: Inês Ariana

Execução de figurinos: Atelier Rosário Balbi, Hugo Graça, Miu Lapin, Pedro Rodrigues

Cocriação e cenografia: Bruno José Silva

Construção dos elementos da cenografia: Ricardo Sousa (Matéria Handmade Woodcraft)

Espaço de apoio à produção de cenografia: LA RAGE

Design de luz: Daniel Worm

Fotografias: Joana Correia

Vídeo: Ana Ladislau

Design Publicação: Bru Pontes

Cocriação e Direção de Produção: Raquel Bravo

Assistência de Produção: Mariana Sá Marques e Ana Ladislau

Apoios: Câmara Municipal de Lisboa, Câmara Municipal de Pombal

Agradecimentos da Plataforma285: António Moura, Cão Solteiro, Catarina Jesus, Diogo Almeida, HIT Management, Joana Dilão, Laura M Gonçalo, Teatro Praga, Vanessa Rodrigues e Laura M Gonçalo

CURSO DE ARTES VISUAIS DO FLAD DECORRE EM LOULÉ E VAI TER ATIVIDADES ABERTAS AO PÚBLICO

Curso-FLAD-Artes-Visuais.jpg


Durante oito semanas, de 15 de setembro a 19 de novembro, um grupo de artistas de nacionalidade portuguesa e estrangeiros residentes em Portugal irá frequentar o Curso de Artes Visuais promovido pela FLAD – Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, que mais uma vez decorrerá na cidade de Loulé.
Trata-se de um programa de formação artística avançada nas áreas do desenho, pintura e instalação/escultura, para alunos que tenham tido, pelo menos, uma exposição individual, com idade compreendida entre os 25 e os 35 anos, e que poderão aqui aprofundar as respetivas áreas, com o apoio de tutores que são eles próprios artistas e teóricos das artes visuais. Contará ainda com a presença de professores convidados. Uma vez que o curso é essencialmente prático, com uma atividade de ateliê a tempo inteiro, a função dos professores é estimular o pensamento crítico e o imaginário individual e o trabalho colaborativo.
O curso terá como parceiro institucional a Câmara Municipal de Loulé e decorrerá no Palácio Gama Lobo. Ao associar-se a esta iniciativa, a Autarquia pretende também levar um pouco desta formação à comunidade local e, nesse sentido, terão lugar algumas atividades que serão abertas ao público.
Assim, a 22 de setembro, na sala de atividades dos Banhos Islâmicos, às 15h00, realiza-se uma masterclass com a artista Gabriela Albergaria.
Seguem-se, no Palácio Gama Lobo, a masterclass com o artista Rommulo Conceição (29 de setembro, 18h00); o encontro com a associação cultural Ateneu do Catorze de São Luís, Odemira, sobre formas de organização associativa de artistas (2 de outubro, 15h00); o encontro com a arquiteta Maria Torrada sobre instalação de obras de arte e montagem de exposições (3 de outubro, 15h00); a masterclass com a artista Sonja Thomsen (13 de outubro, 18h00); a masterclass com o artista Demián Flores (20 de outubro, 18h00); a masterclass com a artista Claire Pentecost (26 de outubro, 18h00); o encontro com a galerista Vera Cortês, sobre o mercado de arte (2 de novembro, 15h00); e a masterclass com a artista Amy Yoes (10 de novembro, 15h00).
Já no dia 17 de novembro, pelas 18h00, é inaugurada na Galeria de Arte do Convento do Espírito Santo a Exposição do Curso de Artes Visuais, com as obras produzidas no contexto do curso.
Todos os eventos são de entrada livre.

Seixal Cultural regressa, de 5 a 21 de maio, com a realização de 82 atividades em 29 locais do concelho

image001 (3).jpg

O Seixal Cultural regressa, em maio, ao concelho do Seixal. De 5 a 21 de maio, este projeto irá percorrer as freguesias do concelho, sendo organizado pela câmara municipal em parceria com o movimento associativo. O programa integra 82 atividades promovidas por 45 entidades, com a realização de ações num total de 29 locais, contendo propostas nas áreas da música, teatro, artes visuais, dança e literatura, entre outras. De jardins a coretos, passando pelas coletividades centenárias (cuja história é exemplo da riqueza cultural do território), o Seixal Cultural procura abranger todo o tipo de espaços onde a cultura marca presença.

 

Segundo o presidente da Câmara Municipal do Seixal, Paulo Silva, o principal objetivo é «dar voz à cultura local, procurando mostrar ao público o que de melhor se faz, no concelho, ao nível das artes e das várias formas de expressão artística. Porque o Seixal é, de facto, rico na sua diversidade cultural, o Seixal Cultural vem dar destaque ao trabalho que é desenvolvido diariamente, evidenciando o papel ativo das coletividades, associações e agentes culturais como estruturas determinantes da cultura e da identidade deste município».

 

Este ano, o Seixal Cultural apresenta aulas abertas, workshops, exposições, mostras de artesanato, leitura de poemas e espetáculos de música, teatro, dança e folclore, a realizar essencialmente nos espaços do movimento associativo e em locais públicos espalhados por todas as freguesias, contribuindo para o fortalecimento de uma identidade concelhia e celebrando a história e as tradições locais. Destaque ainda para o cante alentejano e para a música filarmónica e coral, contribuindo para a construção de uma população culturalmente ativa, atenta e participativa, naquele que é o direito das populações de acesso à cultura, conquistado pela Revolução de Abril.

 

Entre as novidades, destaque para a apresentação de projetos que cruzam diferentes áreas artísticas, nomeadamente a junção do cante alentejano com as concertinas, da música filarmónica com as danças de salão e do folclore com a dança contemporânea. Linguagens que se fundem para criar espetáculos únicos e preparados exclusivamente para o Seixal Cultural. Outra das novidades é a apresentação de um conjunto de ações inclusivas, envolvendo entidades que desenvolvem um importante trabalho no sentido de potenciar o acesso e uma efetiva igualdade de oportunidades para todas as pessoas.

 

A agenda completa do Seixal Cultural pode ser consultada no site da Câmara Municipal do Seixal, em cm-seixal.pt. A entrada nos eventos é livre.