Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Braga recebe exposição ‘Corpo, Abstração e Linguagem na Arte Portuguesa’

Obras da Secretaria de Estado da Cultura em depósito na Colecção de Serralves patente no Forum Arte Braga

CMB23012019SERGIOFREITAS00000017347.jpg

 

Até 18 de Março, a Cidade de Braga recebe a exposição ‘Corpo, Abstração e Linguagem na Arte Portuguesa’. Trata-se de um conjunto de obras da Secretaria de Estado da Cultura, em depósito na Colecção de Serralves, e que tem a particularidade de ser a primeira exposição de 2019 do Forum Arte Braga.

A mostra foi inaugurada esta Quarta-feira pela Ministra da Cultura, Graça Fonseca, e contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, que salientou a “profícua colaboração” entre o Município Bracarense com a Fundação Serralves. “Temos tido várias iniciativas de colaboração com Serralves e esta exposição corporiza a responsabilidade do sector privado na interacção com o sector público e, acima de tudo, a capacidade de promover uma verdadeira descentralização cultural”, referiu Ricardo Rio, sublinhando que esta exposição “é uma verdadeira viagem no tempo aos primórdios da própria Fundação Serralves.”

Como explicou o Autarca, esta iniciativa “vem dar cumprimento a um dos importantes objectivos delineados em 2015 aquando da adesão de Braga à Fundação Serralves e ao seu Conselho de Fundadores, e que permite diversificar a oferta cultural e atrair novos públicos para Braga”.

Exposta na galeria de arte contemporânea criada em 2018 no Altice Forum Braga, esta exposição representa uma perspectiva muito singular sobre a arte produzida em Portugal entre as décadas de 1960 e 1980. As obras escolhidas atestam os diversos níveis de diálogo e confluência formais que os artistas portugueses do pós-guerra souberam estabelecer entre si e com o contexto internacional. Esta iniciativa integra-se num programa de exposições e apresentação de obras da Colecção de Serralves especificamente seleccionadas para os locais de exposição, com o objectivo de tornar o acervo acessível a públicos diversificados de todas as regiões do país.

O programa para 2019 do Forum Arte Braga é completado por uma exposição da autoria do artista austríaco Oliver Laric (de 29 de Março a 22 de Junho), uma Colectiva de Jovens Artistas Portugueses (de 28 de Junho a 5 de Outubro) e uma mostra do artista portuense Jonathan Uliel Saldanha, de 11 de Outubro a 10 de Janeiro.

Cultura é pilar de afirmação de Braga e da Euro-região

Braga recebeu passagem de testemunho da Capital da Cultura do Eixo Atlântico

 

Ricardo Rio defende que a Cultura “será um dos grandes pilares de afirmação da Cidade de Braga e da Euro-região, traduzindo-se num factor de qualificação da população e de competitividade económica”. Durante a cerimónia de passagem de testemunho da Capital da Cultura do Eixo Atlântico - título que Braga irá ostentar em 2020, sucedendo a Santa Maria da Feira -, o Autarca Bracarense explicou que o próximo ano servirá como ‘balão de ensaio’ para a candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027.

“Queremos que essa candidatura seja euro-regional, onde todo o Eixo Atlântico se reveja e que seja capaz de agregar todas as cidades e os seus agentes culturais”, adiantou o presidente da Câmara Municipal de Braga, garantindo que com o título de Capital da Cultura do Eixo Atlântico, Braga “vai continuar a afirmar-se como um território de Cultura e de desenvolvimento, onde o património se conjuga com a inovação criando dinâmicas para potenciar a expressão artística dos seus cidadãos”.

Na sessão que decorreu esta Sexta-feira, 11 de Janeiro, no Salão Nobre da Câmara de Santa Maria da Feira, Ricardo Rio explicou que Braga está “fortemente empenhada” para assumir este projecto cultural do Eixo Atlântico, salientando que a Cultura “é uma peça fundamental do desenvolvimento dos territórios e o motor do progresso de cada uma das Cidades que compõem esta associação transfronteiriça”.

Desde 2014 que a Autarquia Bracarense tem procurado participar activamente em todas as dimensões de intervenção do Eixo Atlântico. Nesse sentido Ricardo Rio lembrou que, ainda este ano, Braga será a sede dos Jogos do Eixo Atlântico, irá acolher a Expo Cidades, além dos vários contributos no domínio da agenda urbana, da valorização do ambiente ou da criação de oportunidades para os jovens. “Em vários contextos Braga tem dito presente e continuará a fazê-lo porque o Eixo Atlântico é uma realidade territorial com a qual nos identificamos e que se assume como um dos motores do desenvolvimento dos dois países e de qualificação dos nossos cidadãos”, referiu o Autarca Bracarense.

Na presença de Emídio Sousa, presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Ricardo Rio enalteceu o trabalho desenvolvido por esta Autarquia ao longo do ano transacto que se traduziu “num bom exemplo de como se deve trabalhar um projecto desta natureza, ao envolverem os agentes locais para corporizarem uma programação de grande qualidade, que teve o condão de mobilizar e projectar a cidade além-fronteiras”.

Também Lídia Dias, vereadora da Cultura do Município de Braga, referiu que este título é “um importante passo” para a Cidade e uma oportunidade para o futuro. “Queremos que a Capital da Cultura do Eixo Atlântico seja um momento de afirmação da nossa identidade, que contribua para aumentar a dinâmica e o envolvimento da comunidade e dos seus agentes culturais”, sustentou.

A responsável explicou que a programação será apresentada em Junho mas já foi possível levantar um pouco do véu. Certo está o regresso do jazz a Braga, numa das iniciativas propostas, além de um evento centrado exclusivamente na arte urbana, que tem como pretensão levar a Cultura às periferias. Entre as propostas previstas está também o programa “Braga no Eixo”, que tem como objectivo levar os projectos culturais Bracarenses em itinerância pelos 42 municípios que integram a associação transfronteiriça.

Braga pretende também criar um legado permanente desta “capitalidade” através da criação de um Jardim devotado ao Eixo Atlântico, além de uma galeria onde estarão expostas todas as obras premiadas das sucessivas edições da Bienal de Pintura do Eixo Atlântico.

Além de Santa Maria da Feira, também Vila Nova de Gaia em 2009, Viana do Castelo em 2011, Ourense em 2014 e Matosinhos e Vila Real em 2016 acolheram a Capital da Cultura do Eixo Atlântico.

 

SINGULAR PACE: Obras de 19 jovens artistas para serem descobertas na zet gallery até 5 de janeiro de 2019

SINGULAR PACE” pode ser vista até 5 de janeiro de 2019 

ZET GALLERY APOIA JOVENS ARTISTAS

 DA FACULDADE DE BELAS-ARTES DA uNIVERSIDADE DE LISBOA

AndréSilva.jpg

 

 

 

A zet gallery apresenta até 5 de janeiro de 2019 a exposição coletiva SINGULAR PACE, com curadoria de Helena Mendes Pereira. A exposição, a última da programação artística anual da galeria de Braga, tem como objetivo lançar novos talentos, consolidando a sua missão de se aproximar e de divulgar artistas recém-formados pela Academia. Os 19 convidados são provenientes da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

As obras que integram a “Singular PACE” resultam de uma seleção, realizada no contexto das Galerias Abertas, edição de 2018, por um júri composto por Cabral Pinto, diretor artístico da Fundação Bienal de Arte de Cerveira, Fernanda Araújo, artista plástica, Jorge da Costa, diretor do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, e inclui estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento.

Alberto Rodrigues Marques, Ana Sofia Sá, André Silva, Carla Afonso, Carolina Serrano, Dora Meirelles, Fábio Veras, Francisco Correia, Jéssica Burrinha, Joana Pitta (Não Joana), Lena Wan, Marco Pestana, mikha-ez, Poli Pieratti, Rita Vidigal, Rodrigo Empis, Rúben Lança, Sal Silva e Tiago Santos são os jovens protagonistas de SINGULAR PACE, que compõem uma exposição versátil, singular e com diferentes manifestações artísticas. Da pintura à fotografia, passando pelo vídeo, pela escultura e instalação, “tudo o que se apresenta em SINGULAR PACE é o início do caminho de um autor, em alguns casos, ainda em formação”, destaca Helena Mendes Pereira.  “Chegar à razão de 19 protagonistas não mereceu discussões alargadas dado que, de uma forma geral, nos pareceram estes como os que claramente se destacavam, positivamente, entres centenas de hipóteses”, revela a curadora da zet gallery, “não negando as disciplinas, a vanguarda acentua-se na negação dos vícios classificativos e quando sentimos que o atelier (ou a Escola) são verdadeiros laboratórios”, sublinha.

A entrada na exposição é livre. As obras de arte estão também disponíveis em www.zet.gallery

zet gallery

A zet gallery é um espaço físico de características excecionais, situado no centro de Braga, com uma área de exposição de 800 m2, distribuída por diferentes salas, apoiadas por um auditório, sala para a realização de oficinas de artes plásticas e outros espaços de apoio, onde se incluem áreas de reserva de obras de arte.

Horário da galeria: 14h00 às 19h00, de segunda-feira a sábado. Outros horários disponíveis por agendamento.

Morada: zet gallery, Rua do Raio 175, 4710-923 Braga | Site: www.zet.gallery

SINGULAR PACE: Novos talentos da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa expõem na zet gallery, em Braga

SINGULAR PACE” pode ser vista até 5 de janeiro de 2019 

ZET GALLERY APOIA JOVENS ARTISTAS

 DA FACULDADE DE BELAS-ARTES DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

sala principal_divulgação.jpg

 

 

Até 5 de janeiro, a zet gallery apresenta a exposição coletiva SINGULAR PACE, a última da programação artística anual da galeria de Braga. Com curadoria de Helena Mendes Pereira, a exposição tem como objetivo lançar novos talentos, consolidando a sua missão de se aproximar e de divulgar artistas recém-formados pela Academia. Os 19 convidados são provenientes da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

As obras que integram a “Singular PACE” resultam de uma seleção, realizada no contexto das Galerias Abertas, edição de 2018, por um júri composto por Cabral Pinto, diretor artístico da Fundação Bienal de Arte de Cerveira, Fernanda Araújo, artista plástica, Jorge da Costa, diretor do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, e inclui estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento.

Alberto Rodrigues Marques, Ana Sofia Sá, André Silva, Carla Afonso, Carolina Serrano, Dora Meirelles, Fábio Veras, Francisco Correia, Jéssica Burrinha, Joana Pitta (Não Joana), Lena Wan, Marco Pestana, mikha-ez, Poli Pieratti, Rita Vidigal, Rodrigo Empis, Rúben Lança, Sal Silva e Tiago Santos são os jovens protagonistas de SINGULAR PACE, que compõem uma exposição versátil, singular e com diferentes manifestações artísticas. Da pintura à fotografia, passando pelo vídeo, pela escultura e instalação, “tudo o que se apresenta em SINGULAR PACE é o início do caminho de um autor, em alguns casos, ainda em formação”, destaca Helena Mendes Pereira.  “Chegar à razão de 19 protagonistas não mereceu discussões alargadas dado que, de uma forma geral, nos pareceram estes como os que claramente se destacavam, positivamente, entres centenas de hipóteses”, revela a curadora da zet gallery, “não negando as disciplinas, a vanguarda acentua-se na negação dos vícios classificativos e quando sentimos que o atelier (ou a Escola) são verdadeiros laboratórios”, sublinha.

A entrada na exposição é livre. As obras de arte estão também disponíveis em www.zet.gallery

Trienal BANG no Altice Forum Braga

Durante dois dias grandes nomes da arquitectura e do design estarão em Braga

 

O Altice Forum Braga acolhe entre amanhã e Sábado, a 3ª edição da Trienal BANG, um evento de natureza Artística e Cultural, nos domínios da Arquitectura, Design, Música e Artes Plásticas, que contará com onde grandes nomes da arquitectura e do design.

Uma iniciativa irreverente e criativa, que se estrutura em dois grandes momentos, exposição e conferências. Numa clara atitude multidisciplinar, a trienal pretende incentivar a reflexão, proporcionar o contacto entre instituições e profissionais de diferentes áreas, potenciando o estabelecimento de parcerias, sinergias e projectos de cooperação. Funciona também como um pólo difusor de talentos emergentes, promovendo, a criação de redes de contactos, a troca de conhecimento, e o enriquecimento e consolidação do percurso profissional.

A edição deste ano, sob o tema “o estado da arte”, reúne uma série de autores que representam uma nova geração, que testa os limites da sua área de estudo. Através da apresentação pública do seu trabalho, serão exploradas as questões actuais, sublinhando novas e arrojadas definições de arquitectura e design no alvorecer do terceiro milénio.

A Trienal BANG funciona como um polo difusor de jovens talentos emergentes, promovendo o trabalho desenvolvido por diversas academias e potenciando o estabelecimento de sinergias entre academias, empresas e outras entidades envolvidas. Nesta perspectiva, pretende-se criar uma rede de contactos entre jovens estudantes e profissionais, promovendo troca de conhecimento, tendo em vista o enriquecimento pessoal e profissional, facilitando e consolidado desta forma, o futuro percurso profissional.

A trienal BANG é, por excelência, um ponto de encontro entre artistas, arquitectos, designers, profissionais e estudantes, mas pretende aproximar a Arte e Cultura da sociedade civil.

O projecto, que começou em 2012 e prosseguiu em 2015, com o apoio do Orçamento Participativo de Braga, regressa novamente com o intuito de partilhar e democratizar o conhecimento.

ZÉ MANEL TAXISTA, UMA COMÉDIA COM BRILHANTINA - Digressão 2019

ZÉ MANEL TAXISTA, UMA COMÉDIA COM BRILHANTINA

Digressão 2019

ZMT_digressão.jpg

 

ZÉ MANEL TAXISTA, UMA COMÉDIA COM BRILHANTINA celebra os 20 anos de existência de uma das personagens mais emblemáticas e acarinhadas de Maria Rueff. Na Lisboa de hoje, como noutras cidades de Portugal, Zé Manel, taxista, pai de família e adepto ferrenho do Benfica, já não reconhece os cantos-à-casa da "sua" cidade e anda arreliado. Entre turistas, tuk-tuks e alojamentos locais, Zé Manel despista-se... naturalmente!

 

Convento São Francisco (Coimbra) – 19 Janeiro

Teatro das Figuras (Faro) – 26 Janeiro

Centro Cultural de Tábua – 31 Jan a 2 Fevereiro

Coliseu Porto Ageas – 8 e 9 Fevereiro

Teatro Municipal Joaquim Benite (Almada) – 15 a 17 Fevereiro

CAE Figueira da Foz – 23 Fevereiro

Fórum Braga – 9 Março

 

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=gERxH78uWI0

 

Com Maria Rueff, FF, Rafael Barreto, Ruben Madureira, Sissi Martins e Filipe Rico, Marta Mota, Sara Martins, Tiago Coelho Participação Especial João Maria Pinto Agradecimentos Io Apoloni, Ludmila Gubernaciuc Banda André Galvão (baixo/guitarra), Artur Guimarães (teclado), Tom Neiva (bateria/percussão) Texto Maria João Cruz, Filipe Homem Fonseca, Mário Botequilha, Rui Cardoso Martins Encenação António Pires Direcção Musical e Sonoplastia Artur Guimarães Cenografia Luísa Pacheco

 

Figurinos Dino Alves Coreografia Paula Careto Desenho de Luz Paulo Sabino Programação de Luz Vasco Silva Make-Up Paula Carmo Cabelos Nuno Souto

 

Ilustração Ricardo Galvão Fotografia e Conteúdos WEB Renato Arroyo Direcção de Cena e Assist. Figurinos Margarida Sales Assist. Cenografia Luísa Gago Prof. Patinagem Diogo

 

Augusto Assist. Encenação João Maria Música Artur Guimarães, Fernando Tordo, Herman José, João Gil, Jorge Palma, Manuel Paulo, Paulo de Carvalho, Sérgio Godinho, Xutos & Pontapés 

 

Produção UAU 

M/12

 

Diz a Imprensa:

 

“Entre ‘alfinetadas’ assertivas e muito amor ao seu Benfica, Zé Manel Taxista tornou-se uma das personagens mais marcantes de Maria Rueff. Logo ela, igualmente criada num bairro típico de Lisboa e também observadora atenta e crítica da realidade que a  rodeia. Talvez por isso, os taxistas da cidade a tratem por colega quando a atriz lhes bebe a inspiração no banco de trás.”, Vanessa Fidalgo, Correio da Manhã, Nov 2018

 

“Zé Manel Taxista é Maria Rueff, tem agora vinte anos, mas é o mesmo desde o início, só que a Lisboa de hoje é agora outra e no palco vai lá estar tudo deste boneco, que por vezes até se confunde com a própria Maria Rueff.”, José Carlos Barreto, TSF, Out 2018

 

“O boneco mais famoso da atriz nasceu no bairro da Graça, quando ela era criança e observava os tipos lisboetas mais genuínos. Há duas décadas, de repente, o boneco despontou num programa de Herman José e agora está de volta aos palcos através do musical “Zé Manel Taxista, Uma Comédia com Brilhantina”.,Bruno Horta, Observador, Out 2018

 

“O protagonista é um dos personagens mais populares de Maria Rueff, o taxista de bigode, fungadelas e brilhantina que adora falar do seu Benfica e não perde uma oportunidade de discorrer sobre o que o impacienta, dos turistas invasores aos enxames de tuk-tuks.”, Jornal Público, Set 2018

 

“Com patinagem, música ao vivo e textos humorísticos de Maria João Cruz, Filipe Homem Fonseca, Mário Botequilha e Rui Cardoso Martins, Zé Manel Taxista - Uma Comédia com Brilhantina marca o regresso de Maria Rueff ao seu boneco benfiquista, 20 anos depois de o ter criado.”, Rita Bertrand, Sábado, Set 2018

 

“Maria Rueff e a sua interpretação do carismático Zé Manel Taxista estreia-se esta quinta, 27, no Casino Lisboa para celebrar, pela primeira vez em palco, os 20 anos da existência desta personagem criada originalmente para televisão e rádio.”André Moreira, Visão, Set 2018

 

 “Brilhantina no cabelo, óculos escuros, um bigode farfalhudo e comentários engraçados sobre futebol. Zé Manel Taxista é uma das personagens mais icónicas (e antigas) de Maria Rueff — foi criada há 20 anos — e chega ao teatro.”, Ricardo Farinha, NIT, Set 2018

 

“Apareceu pela primeira vez no Herman SIC e nunca mais os taxistas e os benfiquistas nos pareceram os mesmos. É provavelmente a personagem mais icónica de Maria Rueff, que leva agora a palco o seu Zé Manel, taxista, pai de família e adepto ferrenho do Benfica.”, Miguel Branco, Time Out, Set 2018

DIA DE S. GERALDO - 5 DE DEZEMBRO | 10h30 Sé de Braga

image004.jpg

 

A comemoração do dia de S. Geraldo é já uma tradição na Sé de Braga. S. Geraldo nasceu em Cahors, França. Entrou muito novo para o Mosteiro de Moissac, onde estudou e se tornou famoso pelas suas qualidades humanas e intelectuais. Foi Arcebispo de Braga do ano de 1099 a 1108. Morreu em Bornes, Concelho de Vila Pouca de Aguiar, no dia 5 de Dezembro 1108, durante uma visita pastoral que realizava por aquelas terras. É o padroeiro da cidade de Braga. Na Sé foi responsável por várias reformas e mandou construir uma Capela que dedicou a S. Nicolau e onde está sepultado.

O Serviço Educativo do Tesouro-Museu da Sé de Braga, em colaboração com a Escola EB1 da Sé, organiza, mais uma vez, a representação “S. Geraldo e o Milagre da Fruta”. Esta actividade, além do seu interesse educativo, dá a conhecer uma lenda com longa tradição na Catedral.

A iniciativa realizar-se-á na Sé de Braga, no dia 5 de dezembro (4ª feira), pelas 10h30 horas.

A Capela de S. Geraldo estará aberta ao público durante todo o dia, mostrando o magnífico retábulo ornamentado com a fruta da época, uma alusão ao suposto milagre de S. Geraldo.

Rede da Galilusofonia reuniu-se em Braga

Entidades galegas e portuguesas unidas na promoção cultural e linguística

Rede da Galilusofonia reuniu-se em Braga

 

CMB24112018SERGIOFREITAS00000016106.jpg

 

Portugal e a Galiza estão cada vez mais próximos, não só em termos geográficos, mas também cultural e linguisticamente. Esse é o principal objectivo da Rede da Galilusofonia, que se reuniu pela primeira vez este Sábado, 24 de Novembro, na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, em Braga.

O projecto nasceu em Pontevedra, em Outubro passado, e é impulsionado por diferentes entidades galegas e portuguesas que partilham o objectivo comum de difundir a música e as artes e aproximar a língua e a cultura galegas da Lusofonia. Esta Rede contempla várias as iniciativas de defesa do património material e imaterial entre os dois lados do Minho, unindo forças para promover as relações linguístico-culturais entre a Galiza e Portugal.

“Este fortalecimento dos laços entre duas comunidades irmãs é extremamente importante. No próximo ano, Braga vai ser a sede dos Jogos do Eixo Atlântico e, em 2020, seremos Capital da Cultura desta associação transfronteiriça, que serão momentos privilegiados para mostrarmos todo o dinamismo desta região”, referiu Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, no arranque dos trabalhos.

O projecto pretende também fortalecer os campos económicos e institucionais e ser uma plataforma de encontro e cooperação para o desenvolvimento do território. “Estes dados são sintomas da boa relação que Braga tem com as entidades que nos rodeiam, tendo por base desenvolver projectos que querem marcar a diferença em todo o território”, enalteceu o Autarca, destacando “a articulação entre os vários agentes dos dois territórios na promoção e dinamização cultural e económica”.

Segundo Ricardo Rio, “além da capacidade empreendedora e das características únicas das instituições e dos cidadãos, existem outros pontos comuns que contribuem para que todo o Minho tenha um conjunto de factores diferenciadores que merecem ser dinamizados e acautelados no futuro”. Nesse sentido, o Autarca Bracarense vê “com bons olhos este estreitar de laços entre as populações dos dois lados da fronteira, reforçando a identidade comum e as tradições da região, de forma a potenciar o talento que a mesma contém”, concluiu.

 

zet gallery inaugura exposição de 19 jovens artistas, recém-formados na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa | dia 17, às 16 horas

SINGULAR PACE” pode ser vista até 5 de janeiro de 2019 

ZET GALLERY INAUGURA EXPOSIÇÃO DE JOVENS ARTISTAS

 DA FACULDADE DE BELAS-ARTES DA uNIVERSIDADE DE LISBOA

*Exposição cumpre objetivo de apoiar novos talentos recém-formados pela Academia

capafacebook.jpg

 

A zet gallery inaugura no próximo dia 17 de novembro, às 16 horas, a exposição coletiva SINGULAR PACE, com curadoria de Helena Mendes Pereira. A exposição, a última da programação artística anual da galeria de Braga, tem como objetivo lançar novos talentos, consolidando a sua missão de se aproximar e de divulgar artistas recém-formados pela Academia. Os 19 convidados, que ali expõem até 5 de janeiro de 2019, são  provenientes da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

As obras que integram a “Singular PACE” resultam de uma seleção, realizada no contexto das Galerias Abertas, edição de 2018, por um júri composto por Cabral Pinto, diretor artístico da Fundação Bienal de Arte de Cerveira, Fernanda Araújo, artista plástica, Jorge da Costa, diretor do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, e inclui estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento.

Alberto Rodrigues Marques, Ana Sofia Sá, André Silva, Carla Afonso, Carolina Serrano, Dora Meirelles, Fábio Veras, Francisco Correia, Jéssica Burrinha, Joana Pitta (Não Joana), Lena Wan, Marco Pestana, mikha-ez, Poli Pieratti, Rita Vidigal, Rodrigo Empis, Rúben Lança, Sal Silva e Tiago Santos são os jovens protagonistas de SINGULAR PACE, que compõem uma exposição versátil, singular e com diferentes manifestações artísticas. Da pintura à fotografia, passando pelo vídeo, pela escultura e instalação, “tudo o que se apresenta em SINGULAR PACE é o início do caminho de um autor, em alguns casos, ainda em formação”, destaca Helena Mendes Pereira.  “Chegar à razão de 19 protagonistas não mereceu discussões alargadas dado que, de uma forma geral, nos pareceram estes como os que claramente se destacavam, positivamente, entres centenas de hipóteses”, revela a curadora da zet gallery, “não negando as disciplinas, a vanguarda acentua-se na negação dos vícios classificativos e quando sentimos que o atelier (ou a Escola) são verdadeiros laboratórios”, sublinha.

A entrada na exposição é livre. As obras de arte estão também disponíveis em www.zet.gallery

zet gallery

A zet gallery é um espaço físico de características excecionais, situado no centro de Braga, com uma área de exposição de 800 m2, distribuída por diferentes salas, apoiadas por um auditório, sala para a realização de oficinas de artes plásticas e outros espaços de apoio, onde se incluem áreas de reserva de obras de arte.

Horário da galeria: 14h00 às 19h00, de segunda-feira a sábado. Outros horários disponíveis por agendamento.

Morada: zet gallery, Rua do Raio 175, 4710-923 Braga | Site: www.zet.gallery

 

zet gallery: coletiva de pintura junta autores de várias gerações | até 10 de novembro | entrada livre

Até 10 de novembro com entrada livre

 “DUALIDADES OU A ESSÊNCIA DA INCORPORAÇÃO”

EM EXPOSIÇÃO NA ZET GALLERY

*Pintura por cinco autores multigeracionais

zet gallery - até 10 novembro.jpg

 

A zet gallery, em Braga, tem patente até ao dia 10 de novembro a exposição “DUALIDADES OU A ESSÊNCIA DA INCORPORAÇÃO”, uma coletiva que reúne cinco  propostas artísticas que partem da pintura para a construção dos objetos e questionam conceitos como figuração e abstração, barroco e minimal, som e silêncio, erotismo e naïf.

Partindo de uma seleção de autores multigeracional, a nova exposição da zet gallery é, de acordo com Helena Mendes Pereira, curadora da galeria, “um regresso à pintura (ready made historicista) e à interpelação do espaço expográfico como cubo branco da construção dos sonhos”.

Alexandre Coxo (n.1987), André Lemos Pinto (n.1976), Fátima Santos (n.1983), Maria João Oliveira (n.1946)  e a dupla Sofia Leitão & Henry Nesbitt são os cinco artistas convidados para este “ready made historicista” na zet gallery, onde “deixamos entrar as dúvidas dos artistas e as nossas, negando a inspiração como único e último reduto”, como sublinha a também curadora da exposição Helena Mendes Pereira.

“No primeiro confronto com os artistas e as obras que integram a nova exposição da zet gallery, o visitante compreenderá, não só o domínio da pintura, como a prevalência de composições que partem dos elementos base da geometria – ponto, linha e plano – e que se articulam através de exercícios pictóricos diferenciados por paletas identitárias de perfis e de quadros conceptuais”, adianta a curadora, acrescentando ainda que “a cor é o que nos prende à chegada, multifacetadamente aplicada sobre a combinação de elementos, abstrato-geométrico ou geométrico-figurativos, saltando em texturas ou em aplicações tridimensionais”.

A exposição, de entrada livre, está patente até dia 10 de Novembro. A seleção de obras de arte poderá ainda ser visitada online em www.zet.gallery.

zet gallery

A zet gallery é um espaço físico de características excecionais, situado no centro de Braga, com uma área de exposição de 800 m2, distribuída por diferentes salas, apoiadas por um auditório, sala para a realização de oficinas de artes plásticas e outros espaços de apoio, onde se incluem áreas de reserva de obras de arte.

Horário da galeria: 14h00 às 19h00, de segunda-feira a sábado. Outros horários disponíveis por agendamento.

Morada: zet gallery, Rua do Raio 175, 4710-923 Braga | Site: www.zet.gallery