Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

zet gallery | "Palimpsestos" reúne seis artistas à volta dos temas maternidade, trabalho, sexualidade e pós-colonialismo

Exposição aborda temas como maternidade, trabalho, sexualidade e pós-colonialismo

 “PALIMPSESTOS” ATÉ 16 DE NOVEMBRO

NA ZET GALLERY EM BRAGA

RicardodeCampos.jpg

 

A zet gallery, em Braga, tem patente até ao dia 16 de novembro, a exposição coletiva “PALIMPSESTOS”.  Sara Maia, Jorge Abade, Hélio Luís, Patrícia Oliveira, Ricardo de Campos e Monica Mindelis são os artistas convidados desta exposição que aborda, através da  pintura, desenho, escultura, instalação, vídeo e performance os artistas, temas como “a maternidade, o trabalho, a sexualidade, o pós-colonialismo e a visão do outro”, como refere Helena Mendes Pereira, curadora da galeria.

PALIMPSESTOS - que significa, no grego antigo original, “reescrever, raspar e escrever por cima” - é um discurso expográfico que permite e promove contágios entre protagonistas e propõe reflexões cruzadas sobre questões filosóficas e existenciais macro, mas que, “na tendência de vermos o mundo a partir do nosso próprio umbigo, nos parecem de micro escala, apenas nossas, esquecendo-nos que somos a ínfima parte de um todo plural e brutal”. É uma exposição que parte de uma seleção de artistas percorrem caminhos da figuração, partem de referenciais filosóficos próximos e, em simultâneo, opostos. “Deve ser lida com um todo de várias partes e, sobretudo, como um grito pela emancipação da verdade invertida que, desatentos, todos ajudamos a proliferar”, conclui a curadora da zet gallery.

A exposição pode ser visitada de segunda a sábado, entre as 14 e as 19 horas. A entrada é livre. Todas as obras de arte estão também disponíveis em www.zet.gallery

zet gallery

A zet gallery é um espaço físico de características excecionais, situado no centro de Braga, com uma área de exposição de 800 m2, distribuída por diferentes salas, apoiadas por um pequeno auditório, sala para a realização de oficinas de artes plásticas e outros espaços de apoio, onde se incluem áreas de reservas, devidamente equipadas para acondicionar obras de arte.

Horário da galeria: 14h00 às 19h00, de segunda-feira a sábado. Outros horários disponíveis por agendamento

Morada: zet gallery, Rua do Raio 175,  4710-923 Braga | www.zet.gallery

 

zet gallery inaugura "Palimpsestos" com ritual performativo | sábado, às 16 horas | Seis artistas à volta de temas como maternidade, trabalho, sexualidade e pós-colonialismo

Exposição aborda temas como maternidade, trabalho, sexualidade e pós-colonialismo

ZET GALLERY INAUGURA “PALIMPSESTOS”

COM RITUAL PERFORMATIVO

Convite.jpg

 

A zet gallery, em Braga, inaugura no próximo sábado, dia 28 de setembro, às 16 horas,  a exposição coletiva “PALIMPSESTOS”, processo estético de experiências e (in)verdades da pós-modernidade. Através da  pintura, desenho, escultura, instalação, vídeo e performance os artistas Sara Maia, Jorge Abade, Hélio Luís, Patrícia Oliveira, Ricardo de Campos e Monica Mindelis abordam temas como “a maternidade, o trabalho, a sexualidade, o pós-colonialismo e a visão do outro”, como adianta Helena Mendes Pereira, curadora da galeria.

A inauguração inicia-se com a estreia de uma performance concebida propositadamente para este momento e que tem como objetivo propor aos presentes uma espécie de purga ou purificação. Em “Aloe Vera Medicinal Performance”, a artista Patrícia Oliveira recupera práticas relacionada com a troca e mudas de plantas, uma prática em desuso que permitiu que muitas plantas vingassem até aos dias de hoje. O aloe vera, planta medicinal a que estão associadas propriedades medicinais, antioxidantes e desintoxicantes, será assim o protagonista desta performance, que convidará o público presente a um rito de purificação, mesmo antes de partirem para a descoberta e desconstrução de PALIMPSESTOS ou, como destaca a curadora, limpos e livres de pré-conceitos estamos preparados para entrar no cubo branco.”

Patente até ao dia 16 de novembro, PALIMPSESTOS - que significa, no grego antigo original, “reescrever, raspar e escrever por cima” - é um discurso expográfico que permite e promove contágios entre protagonistas e propõe reflexões cruzadas sobre questões filosóficas e existenciais macro, mas que, “na tendência de vermos o mundo a partir do nosso próprio umbigo, nos parecem de micro escala, apenas nossas, esquecendo-nos que somos a ínfima parte de um todo plural e brutal”. É uma exposição que parte de uma seleção de artistas percorrem caminhos da figuração, partem de referenciais filosóficos próximos e, em simultâneo, opostos. “Deve ser lida com um todo de várias partes e, sobretudo, como um grito pela emancipação da verdade invertida que, desatentos, todos ajudamos a proliferar”, conclui a curadora da zet gallery.

A exposição pode ser visitada de segunda a sábado, entre as 14 e as 19 horas. A entrada é livre. Todas as obras de arte estão também disponíveis em www.zet.gallery

zet gallery

A zet gallery é um espaço físico de características excecionais, situado no centro de Braga, com uma área de exposição de 800 m2, distribuída por diferentes salas, apoiadas por um pequeno auditório, sala para a realização de oficinas de artes plásticas e outros espaços de apoio, onde se incluem áreas de reservas, devidamente equipadas para acondicionar obras de arte.

Horário da galeria: 14h00 às 19h00, de segunda-feira a sábado. Outros horários disponíveis por agendamento

Morada: zet gallery, Rua do Raio 175,  4710-923 Braga | www.zet.gallery

 

Nova Arcada Braga Blues volta a encher a cidade de música

3c2c5614713d2fa20069a2647c14db89.png

 

 

O Nova Arcada Braga Blues volta a dar música e vida à cidade de Braga! Com o apoio do Nova Arcada, o festival regressa à cidade que o acolhe desde 2017, de 29 de setembro a 11 de outubro. Esta iniciativa é resultado da ligação de Budda Guedes e Micha Rudowski a este conhecido estilo musical, estando a programação e produção do festival internacional de Blues a cargo da Editora Mobydick Records.

Entre concertos, workshops, entrevistas, momentos de dança e Jam Sessions, este festival pretende celebrar o Blues nas várias facetas que apresenta, não fosse este um estilo universal e reconhecido internacionalmente. Fruto da fusão de culturas europeias e africanas e muito bem acolhido em todo o mundo, o género musical merecia há muito um festival que o celebre! Feito em Braga e para Braga, o Nova Arcada Blues é um dos mais extensos festivais de Blues do país.
Durante 13 dias, são 20 os eventos que ocorrem em diferentes espaços distribuídos pela cidade. Concertos nacionais e internacionais, uma entrevista e 6 Workshops desdobram-se entre múltiplos locais emblemáticos de Braga.

Vaudeville Rendez-Vous “enche” cidades minhotas com circo contemporâneo

Evento: Vaudeville Rendez-Vous

Local: V.N. Famalicão, Braga, Barcelos, Guimarães

Dias: Até 27 de julho

Vaudeville_Sigma©RodPenn.jpg

 

Após o espetáculo de abertura de ontem – a estreia de “A Simple Space” do grupo Gravity & Other Myths –, o Vaudeville Rendez-Vous regressa hoje às cidades de Braga, Guimarães, Barcelos e Famalicão. O mais influente festival de circo contemporâneo do norte do país apresenta uma programação diversificada, com 40 atividades públicas – 28 apresentações de 13 espetáculos programados, dos quais três coproduções, em estreia absoluta e seis estreias nacionais –, a decorrer até sábado, dia 27. Todas os espetáculos e atividades são gratuitas.

Hoje, às 22h00, em Barcelos, Elvis Mendes – vencedor da primeira Bolsa de Criação do Festival, atribuída no ano passado – apresenta “A Fábrica da Mentira”, uma estreia absoluta. À mesma hora, mas em Braga, o grupo inglês Gandini Juggling estreia o espetáculo “Sigma”, um diálogo entre os mundos do malabarismo, da música e da dança clássica indiana. Durante os restantes dias do Festival há mais espetáculos a não perder, como “Augustus”, de Jonathan Frau e Jorge Lix, amanhã, às 19h00, em Famalicão; ou “Um belo dia”, de Dulce Duca, dia 27, às 11h00, em Barcelos. É, ainda, possível, participar nas oficinas de circo e assistir às restantes propostas da edição deste ano do Vaudeville Rendez-Vous.

 

Vaudeville Rendez-Vous "abre" sexta edição com estreia nacional

Amanhã, quarta-feira, em Barcelos, às 22h00

Vaudeville_Zoog©Santiago Barreiro.jpg

 

 

Entre 24 e 27 de julho, o mais influente festival de circo contemporâneo do norte do país apresenta mais de 40 atividades gratuitas no Minho

 

É já amanhã, quarta-feira, que arranca a sexta edição do mais influente festival de circo contemporâneo do norte do país, com a estreia de “A Simple Space”, do grupo australiano Gravity Others Myths. O momento está agendado para as 22h00, no Largo da Porta Nova (Chafariz), em Barcelos. Este é apenas o primeiro espetáculo dos quatro dias do evento que decorre em simultâneo nas cidades de Vila Nova de Famalicão, Braga, Guimarães e Barcelos, entre 24 e 27 de julho.

 

Criado e organizado pelo Teatro da Didascália, o Festival Vaudeville Rendez-Vous apresenta o melhor do que se tem produzido a nível nacional e internacional do circo contemporâneo, através de uma vasta programação. No total, vão ser mais de 40 atividades públicas – nomeadamente, 28 apresentações de 13 espetáculos, dos quais três coproduções, em estreia absoluta, e seis estreias nacionais – a marcar a programação. Em paralelo, decorrem atividades complementares, como três oficinas, um showcase, um laboratório de criação para o circo contemporâneo e um debate sobre as redes de cooperação artística.

 

Estreias nacionais marcam a programação de Vaudeville

Além da estreia nacional do espetáculo inaugural desta sexta edição, o Vaudeville recebe “Sigma”, do grupo inglês Gandini Juggling, com a “deslumbrante” bailarina e coreógrafa especializada na dança clássica indiana Betaatanatyam, Seeta Patel. A celebrar o diálogo entre os mundos do malabarismo, da música e da dança clássica indiana e a confirmar “a ideia de que o Brexit não é senão um grande equívoco”, “Sigma” – composto apenas por mulheres – pode ser visto no dia 25 de julho, às 22h00, em Braga; e no dia 27 de julho, às 22h00, em Guimarães.

 

O par de acrobatas Amir and Hemda estreia “Zoog”, um jogo de amor e ódio que representa a história íntima do casal, com os seus altos e baixos, intimidade, e a alegria inerente à construção de todas as relações. O espetáculo vai ser apresentado em Guimarães, no dia 25 de julho, às 19h00, mas pode ainda ser visto em Barcelos, no dia 26, às 19h00; em Braga, dia 27, às 11h00; e em Famalicão, dia 27, às 19h00.

 

A completar as estreias nacionais do Festival Vaudeville Rendez-Vous está o espetáculo “Pelat”, de Joan Català – performance original que combina dança, teatro e circo – e “Furieuse Tendresse”, de Cirque Exalté, um espetáculo que expressa a intensidade da vida e do instante. O primeiro vai ser apresentado em Famalicão, no dia 25; em Guimarães, no dia 26; e em Barcelos, no dia 27, todos às 19h00. O segundo, do grupo francês, pode ser visto no dia 25, em Famalicão, às 22h00; no dia 26, às 22h00, em Barcelos; e em Braga, no dia 26, às 19h00.

 

Vaudeville apresenta Bolsa de Criação e outras coproduções

Após a atribuição, no ano passado, da primeira Bolsa de Criação a Elvis Mendes, aluno finalista do INAC, o Festival Vaudeville recebe este ano em estreia absoluta o resultado da parceria. “Fábrica da Mentira” estreia-se em Barcelos, no dia 25 de julho, às 22h00, e pode ser visto, ainda, em Famalicão, no dia 26, às 22h00. O Festival é, ainda, coprodutor da peça “Angustus”, do francês Jonathan Frau e do português Jorge Lix. A estreia está marcada para dia 26 de julho, em Vila Nova de Famalicão, às 19h00, e será apresentada ainda no dia 27, em Guimarães, às 11h00.

 

A completar o eixo da Inovação Artística, o festival é também palco da apresentação da criação coletiva do Instituto Nacional de Artes do Circo (INAC). Com direção de Roberto Magro, os alunos da primeira instituição de formação circense do norte do país apresentam a sua criação “Before The Rain”, no dia 25 de julho, às 22h00, em Guimarães. Dia 27 de julho, às 22h00, poderá ser visto em Braga.

 

O Vaudeville Rendez-Vous – reconhecido pelo júri internacional do Europe For Festivals/Festivals For Europe, com o selo EFFE Label 2019-2020 – tem como missão a sensibilização da comunidade para as artes circenses e a formação de novos públicos. O Festival integra, ainda, as redes europeias CircusNext e Circostrada que impulsionam a internacionalização da cultura e dos artistas portugueses. A última edição daquele que é considerado o mais influente festival de circo contemporâneo do país reuniu mais de 15 mil pessoas em Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão e contou com mais de 60 artistas portugueses e internacionais.

 

Programação Festival Internacional Vaudeville Rendez-Vous 2019: http://bit.ly/2Sl4xxU

O Festival Internacional Vaudeville Rendez-Vous – criado pelo Teatro da Didascália, companhia de Vila Nova de Famalicão –  assinala em 2019 a sua sexta edição e decorre nos espaços públicos de Vila Nova de Famalicão, Braga, Guimarães e Barcelos, com o apoio dos respetivos municípios. O Festival tem como objetivo promover a valorização da criação nacional nas áreas do circo contemporâneo, teatro físico e formas transdisciplinares. O projeto é cofinanciado pelo Programa Operacional Regional do Norte, Norte 2020, através do Portugal 2020 e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

HUGO SOUSA TEM NOVA TOUR

d77b0876-eb2a-42ee-965f-8ea1030bd981.png

 

Hugo Sousa está de volta aos palcos para mais uma tour pelo país! O comediante do norte apresenta o seu novo solo de stand-up comedy, "Fora Do Contexto".

Depois do sucesso da última tour, Maturado, Hugo Sousa regressa aos palcos com o seu humor de observação e muito storytelling. Segundo Hugo, toda a gente se depara com situações caricatas, mal-entendidos e embaraços, porque alguém está Fora do Contexto… Assim é esta tour, uma viagem por esses momentos. 

A tour tem início em Viseu a 3 de Outubro e arranca depois para Almada, dia 10, Porto a 16 de Outubro seguido de Coimbra, Braga e Lisboa a 29 de Outubro no Teatro Villaret. Em Novembro, “Fora Do Contexto”, vai passar pelo Estoril, Leiria, Guimarães, Aveiro e termina em Londres dia 17. 

O espectáculo está marcado para as 22h. Os bilhetes já estão à venda na Ticketline e custam entre 12 a 16 euros.

zet gallery: Escultura Volker Schnüttgen e pintura de Domingos Loureiro | Exposição de entrada livre | até 29 de junho

Escultura de Volker Schnüttgen e pintura de Domingos Loureiro

 

DIÁLOGO(S) COM UM UNIVERSONAUTA

EM EXPOSIÇÃO NA ZET GALLERY

zetgallery.jpg

 

A zet gallery, em Braga, apresenta até dia 29 de junho "DIÁLOGO(S) COM UM UNIVERSONAUTA", um exercício curatorial que reúne obras de Volker Schnüttgen e Domingos Loureiro.

 

Mais do que uma exposição, “DIÁLOGO(S) COM UM UNIVERSONAUTA” é, de acordo com Helena Mendes Pereira, curadora da galeria, “um encontro e um exercício curatorial de contágio conceptual entre as produções artísticas de Volker Schnüttgen e Domingos Loureiro, entre as suas esculturas e pinturas (respetivamente)”. As ligações que estas trazem da natureza e as que estabelecem com um processo de pensamento sobre o Homem  despertam, de acordo com a curadora, “o apelo da fuga para a frente, para o cosmos dos nossos delírios, voltando ao sonho de criança de sermos astronautas e podermos flutuar no universo enquanto observamos a vida na Terra com a distância dos sábios.”

 

O nome da exposição parte de uma obra de arte de Costa Pinheiro (1932-2015), percursor da integração de práticas conceptuais que marcaram a conjuntura de rutura artística de 1960/70. Segundo a curadora da zet gallery, “as suas palavras e a irreverência proporcionaram o mote para o casamento entre os dois artistas, que resulta na emergência da madeira-suporte da obra de arte e que combina as dimensões do vídeo e da performance, com a das possibilidade de pintura”.

 

Em DIÁLOGO(S) COM UM UNIVERSONAUTA, Habitat,de Volker Schnüttgen, artista que integra a coleção de obras de Arte do dst group, proporciona um cenário feito de objetos escultóricos de madeira de carvalho que vertem a identidade plástica de um artista que, desde 1993, escolheu Sintra como local de residência fixa. Cada escultura de Habitat tem um universo interior para ser descoberto pelo espetador, “como se a respiração e a alma das árvores contivessem a senda dos nossos quereres e não quereres. Poderiam ser esculturas falantes ou a natureza a indagar, mas é antes a multidisciplinaridade da proposta artística que faz o objeto integrar um monitor e uma coluna que servem de palco virtual à dança”.

 

Por sua vez, Domingos Loureiros apresenta quatro séries de trabalhos - Blind Lanscape, Landscape_Body_Landscape,  Manmade Landscape e Building Utopia - e, ainda, a obra Visible, non visible landscape, que não sendo pertença de nenhuma das séries, cruza as fases Blind e Manmade Landscapes. As obras em exposição correspondem a uma visão antológica do seu percurso e representativas das diversas fases da sua carreira, ainda que a maior parte das produções artísticas sejam resultado de criação recente ou recuperações de processos inacabados.

 

A exposição é de entrada livre. Todas as obras de arte estão também disponíveis em www.zet.gallery

 

SERRALVES // DE 05 JUN A 19 JUN 2019 // INOVDESIGN EM ROADSHOW A PROMOVER O DESIGN NACIONAL

INOVDESIGN 2019 - ROADSHOWS

de 05 JUN a 19 JUN 2019

 

LOCAIS E DATAS: Viana do Castelo (5 jun), São João da Madeira (6 jun), Braga (12 jun), Guimarães (13 jun), Vila Nova de Famalicão (18 jun) e Paredes (19 jun).

 

Através de várias iniciativas entre as quais workshops, seminários, prémios e publicações, o projeto INOVDESIGN pretende realçar a importância do design na economia e o valor acrescentado da sua inserção nas cadeias de produção das empresas, assente em fatores de diferenciação como o marketing, as marcas e os modelos de negócios inovadores.

 

Deste modo, a Fundação de Serralves desenvolveu um conjunto de iniciativas agrupadas em três áreas de ação: CRIAR, CAPACITAR E INFORMAR.

 

A ação INFORMAR compreende o estudo, divulgação e partilha dos resultados das ações anteriores, nomeadamente dos workshops, seminários, concursos e prémio.

 

Para além destas ações, realizam-se agora seis ROADSHOWS com vista à sensibilização e dinamização dos setores industriais abordados, tendo em conta a sua atividade e metodologias.

 

Os ROADSHOWS terão lugar em seis cidades da Região Norte do país e pretendem informar e sensibilizar o respetivo tecido empresarial através da partilha e disseminação de boas práticas e metodologias, na adoção de modelos de negócio inovadores, e em que o design assuma um papel preponderante e diferenciador para o seu sucesso.

 

ROADSHOWS:

Programa geral: https://tinyurl.com/y26qaaro

 

Viana do Castelo | 5 Junho | 14h30

Biblioteca Municipal de Viana do Castelo 

Participantes: Lislei | Viarco | Vicara | Larus

 

  1. João da Madeira | 6 Junho | 14h30

Oliva Creative Factory  

Participantes: Wewood | Digitalab | Iduna | Ayres Gonçalo

 

Braga | 12 Junho | 14h30

GNRATION 

Participantes: Lislei | Patachou | Bullseye | Ikea Industry

 

Guimarães | 13 Junho| 14h30

ACIG - Salão Nobre 

Participantes: Wewood | The Board | Madre Loves Objects | Ikea Industry

 

Vila Nova de Famalicão | 18 Junho | 14h30

Fundação Cupertino de Miranda - CPS

Participantes: Lislei | Lobo Marinho | OPO Lab | Ikea Industry

 

Paredes | 19 Junho | 14h30

Casa de Cultura de Paredes

Participantes: Wewood | Mishmash | Rui Tomás | Ikea Industry

 

O projeto INOVDESIGN, promovido pela Fundação de Serralves, conta com a colaboração da ACIF - Associação Comercial e Industrial de Vila Nova Famalicão; da AEP - Associação Empresarial de Portugal, Câmara de Comércio e Indústria; da Associação Empresarial da Póvoa de Varzim; da AIMMAP - Associação dos Industriais Metalúrgicos Metalomecânicos e Afins de Portugal; da ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários; da APICCAPS - Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos; da APIMA- Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins; da ATP - Associação Têxtil e Vestuário de Portugal; da ESAD - Escola Superior de Artes e Design e da Fundação da Juventude

 

A participação nos ROADSHOWS é gratuita.

A inscrição deverá ser feita através do e-mail info@inovdesign.pt

Mais informações em www.inovdesign.pt

 

Música nas Catedrais, ciclo de concertos em 1ª edição no verão de 2019

 

Ciclo de Concertos, de 28 de junho a 26 de julho, às 21:30

 

 

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e o Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja promovem entre os dias 28 de junho e 26 de julho de 2019 o ciclo “Música nas Catedrais”, na sua primeira edição.

 

Esta iniciativa, que se enquadra no projeto nacional Rota das Catedrais, é coordenada pelo Teatro Nacional de São Carlos, que assegura diretamente alguns concertos através do Coro do Teatro Nacional de São Carlos, em colaboração com a Orquestra Clássica do Sul, a Orquestra Filarmonia das Beiras e a Orquestra do Norte. O Ciclo tem o apoio mecenático da Fundação Millennium bcp.

 

Os concertos, com início às 21:30, têm entrada livre, sujeita à capacidade do espaço.

O Programa detalhado segue em anexo.

 

Santarém 28 de junho   Coro do Teatro Nacional de São Carlos

Beja 11 de julho    Coro do Teatro Nacional de São Carlos

Elvas 12 de julho    Coro do Teatro Nacional de São Carlos

Faro 12 de julho    Orquestra Clássica do Sul

Viseu 19 de julho    Orquestra Filarmonia das Beiras

Braga 25 de julho    Orquestra do Norte

Miranda do Douro 26 de julho    Orquestra do Norte

Leiria 26 de julho    Coro do Teatro Nacional de São Carlos

 

 

Coro do Teatro Nacional de São Carlos

Orquestra Clássica do Sul

Orquestra Filarmonia das Beiras

Orquestra do Norte

 

Santarém 28 de junho   Coro do Teatro Nacional de São Carlos

Beja 11 de julho    Coro do Teatro Nacional de São Carlos

Elvas 12 de julho    Coro do Teatro Nacional de São Carlos

Faro 12 de julho    Orquestra Clássica do Sul

Viseu 19 de julho    Orquestra Filarmonia das Beiras

Braga 25 de julho    Orquestra do Norte

Miranda do Douro 26 de julho    Orquestra do Norte

Leiria 26 de julho    Coro do Teatro Nacional de São Carlos

 

Concerto na Catedral de Santarém, Beja, Elvas e Leiria

 

Solistas do Coro do Teatro Nacional de São Carlos

 

Soprano: Raquel Alão 

Meio-Soprano: Ana Ferro 

Tenor: João Queiroz 

Barítono: Carlos Pedro Santos 

Baixo: Nuno Dias 

 

 

 

 

Piano: Kodo Yamagishi

Direção musical: Giovanni Andreoli

Coro do Teatro Nacional de São Carlos

 

Giuseppe Verdi (1813-1901), Nabucco

Giuseppe Verdi (1813-1901), I Lombardi alla prima crociata

Giuseppe Verdi (1813-1901), Forza del Destino

Pietro Mascagni (1863-1945), Cavalleria Rusticana 

Pietro Mascagni (1863-1945), Iris

Alfredo Keil (1850-1907), Dona Branca

Gioachino Rossini (1792-1868), Mosè in Egitto

Giacomo Puccini (1858-1924), Tosca

 

 

O Coro do Teatro Nacional de São Carlos, um dos pilares artísticos da única instituição que no nosso país se dedica há mais de dois séculos ao género lírico, propõe-nos uma deambulação  pela ópera romântica italiana, sublinhando o facto de a religiosidade ter assumido na mesma uma particular importância.

 

A viagem vai iniciar-se com o compositor que deixou na força expressiva dos coros algumas das páginas mais veementes da sua obra - Giuseppe Verdi, de quem começaremos por ouvir o universalmente amado e sempre atual Va pensiero, canto de dor de gentes oprimidas e afastadas à força da terra natal. Depois de outros coros verdianos, segue-se música de alguns outros compositores maiores italianos de ópera do século XIX: Pietro Mascagni (com dois hinos ao divino - o Innegiamo, de Cavalleria Rusticana e o Hino Ao Sol, da menos conhecida ópera Iris); Gioachino Rossini (génio risonho que foi dos mais cantados em São Carlos, mas que ouviremos na sua vertente trágica); Giacomo Puccini (com o Te deum que encerra o I ato da sua ópera Tosca, que decorre em Sant’Andrea della Valle). Terminaremos, assim, numa das mais belas igrejas de Roma.

 

A ópera portuguesa está representada por aquele que será o mais popular título da sua história: A Serrana de Alfredo Keil, um singular tributo à ruralidade portuguesa.

 

 

 

 

 

 

 

Concerto na Catedral de Faro

 

Soprano: Bárbara Barradas

 

Direção musical: Rui Pinheiro

Orquestra Clássica do Sul

 

Franz Joseph Haydn (1732-1809), Die Schöpfung, Hob.XXI:2 (Prelúdio e Ária n.º 4)

Frederick Delius (1862-1934), On Hearing the First Cuckoo in Spring (Ária n.º 8)

Frederick Delius (1862-1934), Summer night on the river (Recitativo e Ária (n.º 14 e 15)  

Franz Joseph Haydn (1732-1809), Sinfonia n.º 95 em Dó menor, Hob I:95

 

 

A Orquestra Clássica do Sul propõe um programa em que energicamente se saúda e louva a Natureza. Inicia-se o concerto com dois trechos da monumental oratória A Criação de Joseph Haydn, que em 1797 tentou descrever musicalmente o mito judaico-cristão da Criação do Mundo baseando-se em alguns Livros d’A Bíblia e no poema O Paraíso Perdido de John Milton. Embalados pelo grande poeta do tempo de Cromwell partiremos para Inglaterra, de onde prosseguiremos com Two Pieces for Small Orchestra de Frederik Delius, obras que  também cantam assumidamente a Natureza.

 

A primeira – On Hearing the First Cuckoo in Spring – foi composta em 1912 e estreada em Leipzig no ano seguinte. É uma evocação do campo e dos sons que aí se pode ouvir. A segunda peça intitula-se, não menos significativamente, Summer Night on the River.

 

A terminar, de novo a música de Joseph Haydn, compositor que na década de 1790 efetuou duas viagens a Londres que resultaram em duas séries de seis sinfonias. Estas doze obras ficaram conhecidas como as «Sinfonias Londrinas». São peças essenciais do repertório orquestral de Haydn. Muitas delas têm sugestivos títulos («Surpresa»; «Milagre»; «Militar», «Relógio»; «Toque de Tambor»; «Londres»), mas a Sinfonia n.º 95 não apresenta título algum - é, aliás, a única das doze sinfonias em questão escrita numa tonalidade menor (Dó menor) e a única que não tem uma introdução lenta no primeiro andamento.

 

Joseph Haydn teve uma longa vida que se estendeu dos finais do Barroco aos inícios do Romantismo e foi um dos mais importantes compositores do período clássico. Talvez a sua mais importante conquista tenha sido a cristalização da «Forma-Sonata»  - esta, na sua ânsia de perfeição formal, faz-nos sonhar numa Humanidade em harmonia com o Cosmos.

 

 

Concerto na Catedral de Viseu

 

Soprano: Isabel Alcobia

Contratenor: João Paulo Azevedo

Órgão: João Santos

 

Direção musical: António Vassalo Lourenço 

Orquestra Filarmonia das Beiras

 

 

Johann Sebastian Bach (1685-1750)

Georg Friedrich Händel (1685-1759)

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)

 

A Catedral ou Sé de Viseu, que começou a ganhar significado maior com a implantação da nacionalidade, sempre acolheu fraternalmente as diferentes correntes estéticas surgidas no decorrer da sua já tão longa viagem pelo tempo. O Barroco que foi, não esqueçamos, uma sensibilidade verdadeiramente europeia que transcendeu as mais vincadas divisões religiosas

que se opunham no continente, trouxe ao edifício importantes obras de talha, azulejaria e pintura, mantendo-o a par das correntes plásticas dominantes no século XVIII.

 

Assim, surge com naturalidade a música solene de dois dos maiores compositores barrocos alemães, homens que marcaram indelevelmente a linguagem e o sentir musical de parte da

Europa na primeira metade do século XVIII. Não será também estranho ouvir nesta Catedral, onde desde sempre se rezou a fé Apostólica Romana, estruturada pelo Concílio de Trento, obras musicais fundadas nas fés luterana ou anglicana. As monumentais Paixões e outras obras sacras de Bach (Magnificat, Oratória de Natal, Missa em Si menor, entre outras) ou as grandes oratórias bíblicas de Händel, com as suas estruturadas e grandiosas polifonias, o brilho dos seus metais e a sua intrínseca teatralidade sonora casam-se bem com esta arquitetura erguida ao Divino e que o mantém no centro de todas as convergências.

 

Com a música de Mozart saltaremos, a finalizar, para o estertor desse século XVIII. Apesar de obras como a Missa da Coroação, toda cheia de fulgor e majestade, há no compositor de Salzburgo um sentido humaníssimo do transcendente (não há retrato da morte como o do Requiem) e um sentimento tranquilo, quase infantil, do divino (ouça-se o Ave verum corpus).

 

 

 

Concerto na Catedral de Braga e de Miranda do Douro

 

Direção musical: José Ferreira Lobo

Orquestra do Norte

 

Richard Wagner (1813-1883), Siegfried-Idyll, WWV103

Ludwig van Beethoven (1770-1827), Sinfonia n.º 4 em Si Bemol Maior, op. 60

 

Idílio de Siegfried; ou a mais bela prenda de aniversário do mundo!

 «Quando acordei ouvi um som que crescia continuamente; apercebi-me então que já não estava a sonhar, mas que estava a ouvir música, e que música! Quando esta terminou, Richard veio ter comigo com as cinco crianças e ofereceu-me a partitura da sua prenda sinfónica.» - palavras no Diário de Cosima Wagner, que recordam a prenda de aniversário que acabara de receber.

 

A composição tem um título bem mais arrevesado: «Idílio de Triebschen com canto de pássaros Fidi e nascer do sol alaranjado, prenda de aniversário sinfónica de Richard Wagner à sua Cosima». A obra foi composta em 1870 após o nascimento do último filho do casal, Siegfried Wagner (Fidi).  A peça foi estreada nas escadas interiores da grande Villa de

Triebschen na manhã do dia 25 de dezembro de 1870, dia em que Cosima completava trinta e três anos. O poema sinfónico teve, pois, uma génese extremamente íntima e familiar.

 

A Sinfonia n.° 4, em Si Bemol Maior, op. 60 de Beethoven foi escrita no verão de 1806 e está dedicada ao Conde Fransz von Oppersdorff, que a tinha encomendado ao compositor depois

de ter adorado ouvir a sua Sinfonia n.º 2. A obra foi estreada em março de 1807 dirigida pelo próprio Beethoven. Robert Schumann referir-se-ia à sinfonia como «uma esbelta donzela grega entre gigantes nórdicos». Foi escrita num tempo conturbado, ao contrário de Idílio de Siegfried.

 

Em Portugal, por exemplo, no final desse mesmo ano de 1807 a nossa corte iniciava a sua dramática partida para o Brasil. A Viena de Beethoven seria também em breve tomada por Napoleão e o Imperador pouco tempo depois casaria com uma Arquiduquesa austríaca.

 

Passatempo - STAND UP SESSIONS

O Blog Cultura de Borla em parceria com a  MEIO TERMO tem bilhetes para a sessão de STAND UP SESSIONS para o dia 25 de Maio às 22h no ESPAÇO VITA em Braga aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

New SUS VF.jpg

 

Comediantes Hugo Sousa, Francisco Menezes e Renato Albani em Braga

Dia 25 de Maio, a capital do Minho vai receber um espectáculo de stand-up comedy que junta Portugal e Brasil. Os comediantes Hugo Sousa e Francisco Menezes vão juntar-se a Renato Albani, a mais recente
promessa do humor brasileiro, para um espectáculo cheio de humor e animação.

Depois do solo "Maturado", Hugo Sousa, volta aos palcos com o seu humor de observação e muito storytelling, enquanto o humorista Francisco Menezes, vai conjugar muita música com comédia para divertimento de todos. Para adocicar ainda mais a noite, Renato Albani junta-se aos conhecidos comediantes da nossa praça para um espectáculo repleto de boa disposição e muitas gargalhadas.

O espectáculo terá lugar no Espaço Vita e está marcado para as 22h. Os bilhetes estão á venda na ticketline e nas lojas habituais pelo preço de 14 euros.