Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Caminhada pela Diabetes" e conferência em Quarteira

Cartaz Diabetes.jpeg

 

 

Contos árabes de tradição oral, «As Aventuras de Aladino e Sindbad», a partir de «As Mil e Uma Noites», sobem ao palco

do 1º grupo profissional de Sintra

 

Nuno Correia Pinto, mestre na arte das marionetas, volta a encenar

mais uma obra do Plano Nacional de Leitura, em tempos já aconselhada

 

No dia 10 de novembro, às 16h, o Fio d’Azeite – Marionetas do Chão de Oliva, apresenta «As Aventuras de Aladino e Sindbad», a partir de «As Mil e Uma Noites».

O Fio d’Azeite, é o grupo da Associação que mais viaja, tanto pelo país, em festivais e não só, como a nível internacional, havendo várias saídas todos os meses, o que evidencia o reconhecimento, por parte dos públicos, do trabalho que o Diretor Artístico, Nuno Correia Pinto, desenvolve.

Este é um espetáculo de marionetas de sombras em ambiente de uma tribo nómada árabe, que o Fio d’Azeite quer proporcionar a um público que tem esta cultura tão próxima, mas ao mesmo tempo tão distante do seu dia-a-dia.

Contam-se as aventuras de dois heróis – o Aladino e o Sindbad – vindas desse contexto dramático das mil e uma noites. O herói Aladino é um rapaz que será recompensado por ter um bom coração. O outro herói – Sindbad –, é um aventureiro por natureza, que pelos mares vai aprendendo e crescendo e onde a sua astúcia, e alguma sorte, o faz desenvencilhar-se de males maiores. Ambas as aventuras, como quase todas as estórias de todos os tempos, acabam bem para os dois.

 

Aos sábados e domingos, a sessão tem início às 16h. O valor do bilhete é 5 €.

 

Sobre o Fio d’Azeite – Marionetas do Chão de Oliva

 

O Fio D´Azeite foi formado em 1992, a partir de um trabalho de sensibilização às marionetas e às formas animadas realizado em 1989 pela Associação Cultural Chão de Oliva e orientado, através de cursos de construção e manipulação, por José Carlos Barros, nome-referência do teatro de marionetas e formas animadas entre nós; e ainda por José Ramalho.

Caracterizaram a atividade do grupo desde o início, a nível técnico, o domínio das linguagens tradicionais da “arte da marioneta” e a procura de novas soluções formais para esta milenar expressão teatral; a nível dos temas, revisitação dos contos intemporais, tanto de tradição oral como escrita, assim como de textos de autores que se revelem como fonte de prazer e cúmplices de inquietação (já que não entendemos o aparecimento de novas formas sem o profundo estímulo dos conteúdos), num trabalho de pesquisa onde a figura, a imagem - enfim, a forma plástica - e os textos protagonizam novos significantes.

Ao longo da sua atividade - com destaque para os últimos cinco anos -, foi criado um público, tanto através dos espetáculos em cartaz, como nas inúmeras deslocações feitas às escolas, coletividades, iniciativas de rua, festivais, etc. Além disso, e sempre dentro da perspetiva de consolidar e alargar públicos e não um tipo de público, desenvolvemos ações de sensibilização às marionetas, através de pequenas palestras e Seminários de Construção e Manipulação, tanto vocacionados para o público em geral como vocacionados para Educadores.

Neste percurso, tentamos nunca confundir temas a abordar - e que até agora têm privilegiado um imaginário ligado à infância, mas com projeção para além dos tempos e das faixas etárias -, com técnicas: aqui a nossa preocupação é, para além da aprendizagem do saber clássico, a pesquisa estética nas preocupações artísticas do nosso tempo. Nesta procura continuaremos a ter em conta a multidisciplinaridade; a valorização da imagem e movimento; a paridade dos elementos visuais, assim como a extensão às outras artes, como o teatro, a música e a dança, numa pesquisa dinâmica e atenta das artes vivas contemporâneas.