Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Democracia em Vertigem", de Petra Costa

democravia_em_vertigem5-1200x1200.png

 

Abrindo o Ciclo "cinema, Activismo e Sociedade" é exibido, no dia 26 de Fevereiro às 21h45, o filme "Democracia em Vertigem, de Petra Costa (2019) 122'. Neste ciclo celebra-se não só o cinema, mas também os actos de resistência e activismo que tanto precisamos e merecemos nos dias de hoje. A Entrada no Mini-Auditório Salgado Zenha, em coimbra, é Livre.

 

geral_ciclo.jpg

 

HÁ CINEMA INFANTIL GRÁTIS NO ALEGRO MONTIJO

De 26 de janeiro a 23 de fevereiro

 

5 domingos, 5 filmes de animação para ver em família

 

Cinema Infantil.jpg

 

Pipocas, lugares, ação! O ano ainda agora começou e já há novidades para os mini fãs de cinema! A partir de 26 de janeiro há cinco sessões de cinema infantil gratuitas para ver no Alegro Montijo, em parceria com os Cinemas NOS, para animar as manhãs de domingo em família!

Famílias assustadoras, brinquedos que ganham vida, gatos aventureiros, amigos caninos improváveis estão à espera de todos no Alegro Montijo para encher os domingos de inverno de magia e o melhor de tudo… sem custos! “A Família Adams”, “Playmobile: o Filme”, “UglyDols: Altamente Imperfeitos”, “Braulio e o Mundo dos Gatos” e “Trouble: Aventura na Cidade” são as propostas que vão brilhar no grande ecrã e tocar no imaginário de miúdos e graúdos.

São 5 Domingos, com 5 filmes de animação. As sessões são gratuitas para crianças e adultos que as acompanhem e realizam-se às 10h30:  

  • 26 de janeiro - A Família Addams
  • 2 de fevereiro- Playmobil: O Filme
  • 9 de fevereiro - UglyDolls: Altamente Imperfeitos
  • 16 de fevereiro - Bráulio e o Mundo dos Gatos
  • 23 de fevereiro - Trouble: Aventura na Cidade

Para garantir presença nas sessões, basta que os interessados se inscrevam no Balcão de Apoio ao Cliente do Alegro Montijo na semana que antecede a sessão pretendida e reservar lugar. No momento da marcação, são entregues vouchers que dão acesso ao filme. Cada família pode reservar lugar para um adulto e, no máximo, 2 crianças, entre o 3 e os 12 anos de idade.

Onde será a próxima aventura de domingo? Nos Cinemas NOS do Alegro Montijo, claro!

 

*Consulta do regulamento obrigatória em alegro.pt ou no Balcão de Atendimento ao Cliente do Alegro Montijo.

 

Variações e A Herdade lideram a lista de nomeados aos Prémios Sophia 2020

 

Alfredo Tropa, António-Pedro Vasconcelos e Fernando Matos Silva reconhecidos com o Prémio Carreira

A Academia Portuguesa de Cinema anunciou hoje, em conferência de imprensa, a lista dos nomeados às 23 categorias dos Prémios Sophia 2020.

Variações de João Maia e A Herdade de Tiago Guedes lideram com nomeações em 15 e 14 das 23 categorias, respetivamente, entre as quais Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Ator e Melhor Fotografia, entre outros.

Na categoria de Melhor Filme, para além de Variações e A Herdade, encontram-se ainda nomeados Diamantino de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, e Vitalina Varela de Pedro Costa. Na categoria de Melhor Documentário estão nomeados Até Que o Porno Nos Separe de Jorge Pelicano, Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos de Renée Nader Messora e João Salaviza, Lupo de Pedro Lino e, finalmente, Terra Franca de Leonor Teles. (ver lista completa em anexo)

Foram ainda divulgados os Prémios Carreira que este ano serão atribuídos aos realizadores Alfredo Tropa, António-Pedro Vasconcelos e Fernando Matos Silva.

A cerimónia de divulgação dos nomeados aos Prémios Sophia 2020 aconteceu esta tarde, no Palácio Foz, em Lisboa, tendo a apresentação ficado a cargo dos atores Joana Ribeiro e João Nunes Monteiro.

Durante a curta cerimónia foram ainda entregues o prémio de Melhor Cartaz a Catarina Sampaio pelo filme A Herdade; o prémio de Melhor Trailer a Pedro Ribeiro pelo filme Variações; e ainda o Prémio Arte&Técnica a Joana Leitão de Barros e Ana Mantero pelo livro Leitão de Barros: A Biografia Roubada, tendo este último sido atribuído pela primeira vez este ano, com  o objetivo de reconhecer pessoas ou entidades que, noutras áreas da cultura, tenham contribuído para prestigiar o cinema português.

 A oitava cerimónia dos Prémios Sophia realiza-se no dia 22 de março (domingo), no Casino Estoril.

 

Lista de Nomeados aos Prémios Sophia 2020

 

MELHOR FILME

  • A Herdade

Paulo Branco, produtor

Leopardo Filmes

  • Diamantino

Maria João Mayer, produtora

Maria & Mayer

  • Variações

Fernando Vendrell, produtor

David & Golias

  • Vitalina Varela

Abel Ribeiro Chaves, produtor

OPTEC

 

MELHOR REALIZADOR

  • Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt

Diamantino

  • João Maia

Variações

  • Pedro Costa

Vitalina Varela

  • Tiago Guedes

A Herdade

 

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM LONGA-METRAGEM

  • Até que o Porno Nos Separe

Jorge Pelicano (real.) Irina Calado (prod.)

Até ao Fim do Mundo

  • Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos

Renée Nader Messora e João Salaviza (real.) Ricardo Alves Jr. e Thiago Macêdo Correia (prod.)

Karõ Filmes

 

 

  • Lupo

Pedro Lino (real.) Pandora da Cunha Telles e Pablo Iraola (prod.)

Ukbar Filmes

  • Terra Franca

Leonor Teles (real.) Filipa Reis e João Miller Guerra (prod.)

Uma Pedra no Sapato

 

MELHOR SÉRIE/TELEFILME

  • Luz Vermelha

André Santos e Marco Leão (real.) Filipa Reis (prod.)

Vende-se Filmes

  • O Nosso Cônsul em Havana

Francisco Manso (real./prod.)

Francisco Manso Produção de Audiovisuais

  • SUL

Ivo M. Ferreira (real.) Edgar Medina (prod.)

Arquipélago Filmes

  • Teorias da Conspiração

Manuel Pureza (real.) Leonel Vieira (prod.)

Stopline Films

 

MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL

  • Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt

Diamantino

  • João Maia

Variações

  • Pedro Costa e Vitalina Varela

Vitalina Varela

  • Rui Cardoso Martins e Tiago Guedes

A Herdade

 

MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO

  • Agustina Bessa-Luís e Rita Azevedo Gomes

A Portuguesa, adaptado da obra “Die Portugiesin” de Robert Musil

  • José Fanha

Os Dois Irmãos, adaptado da obra homónima de Germano Almeida

  • Hugo Diogo

Imagens Proibidas, adaptado da obra homónima de Pedro Paixão

  • Tiago Rodrigues e Tiago Guedes

Tristeza e Alegria na Vida das Girafas, inspirado na peça de teatro homónima de Tiago Rodrigues

 

MELHOR ATOR PRINCIPAL

  • Albano Jerónimo

A Herdade

  • Carloto Cotta

Diamantino

  • Igor Regalla

Gabriel

  • Sérgio Praia

Variações

 

MELHOR ATRIZ PRINCIPAL

  • Inês Castel-Branco

Snu

  • Margarida Vila-Nova

Hotel Império

  • Sandra Faleiro

A Herdade

  • Vitalina Varela

Vitalina Varela

 

MELHOR ATOR SECUNDÁRIO

  • Augusto Madeira

Variações

  • Filipe Duarte

Variações

  • João Pedro Mamede

A Herdade

  • Miguel Borges

A Herdade

 

 

 

 

MELHOR ATRIZ SECUNDÁRIA

  • Ana Vilela da Costa

A Herdade

  • Anabela Moreira

Diamantino

  • Teresa Madruga

Variações

  • Victoria Guerra

Variações

 

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA

  • Acácio de Almeida

A Portuguesa

  • André Szankowski

Variações

  • João Lança Morais

A Herdade

  • Leandro Simões

Vitalina Varela

 

MELHOR SOM

  • Artur Cyaneto, Emílio Alicante e Pedro Góis

Caminhos Magnétykos

  • Elsa Ferreira, Francisco Veloso e Pedro Góis

A Herdade

  • Hugo Leitão e João Gazua

Vitalina Varela

  • Branko Neskov, Nuno Bento e Tiago Raposinho

Variações

 

MELHOR MONTAGEM

  • Cláudio Vasques

Caminhos Magnétykos

  • Pedro Ribeiro

Variações

 

 

  • Raphaëlle Martin-Holger, Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt

Diamantino

  • Roberto Perpignani

A Herdade

 

MELHOR DIRE ÇÃO ARTÍSTICA

  • Ana Vaz

Snu

  • Artur Pinheiro

O Grande Circo Místico

  • Isabel Branco

A Herdade

  • Sara Lança

Variações

 

MELHOR GUARDA-ROUPA

  • Isabel Branco e Inês Mata

A Herdade

  • Lucha D’Orey

Hotel Império

  • Patrícia Dória

Variações

  • Sílvia Grabowski

Snu

 

MELHOR EFEITOS ESPECIAIS/CARACTERIZAÇÃO

  • Carlos Amaral e Íris Peleira

A Herdade

  • Irmã Lúcia

Diamantino

  • Pedro Vicente e Magali Santana

Variações

  • Tiago Borrões, Fernando Alle e João Rapaz

Mutant Blast

 

 

 

MELHOR MAQUILHAGEM E CABELOS

  • Ana Lorena e Natália Bogalho

Snu

  • Íris Peleira e Ana Maria Palma

A Herdade

  • Magali Santana e Gena Ramos

Variações

  • Nuno Esteves “Blue”

Hotel Império

 

MELHOR BANDA SONORA ORIGINAL

  • Armando Teixeira

Variações

  • José Mário Branco

A Portuguesa

  • Manuel Cruz

Tristeza e Alegria na Vida das Girafas

  • The Legendary Tigerman

Caminhos Magnétykos

 

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • Quero dar nas Vistas

letra de António Variações, interpretação de Sérgio Praia e música de Balla

Variações

  • Coro Menor

poema de Charles D’Orléans, música de José Mário Branco e voz de Ingrid Caven

A Portuguesa

  • Quiescent

letra e música de Surma

Snu

  • Vai

letra e música de Vado Más Ki Ás

Gabriel

 

 

 

 

MELHOR CURTA-METRAGEM DE FICÇÃO

  • A Fábrica

Diogo Barbosa

  • A Herança

Paulo A. M. Oliveira

  • Arriaga

Welket Bungué

  • Invisível Herói

Cristèle Alves Meira

 

MELHOR CURTA-METRAGEM DE DOCUMENTÁRIO

  • Estas Mãos São Minhas

André Miguel Ferreira

  • Kalani - Gift from Heaven

Nuno Dias

  • Lá Fora as Laranjas Estão a Nascer

Nevena Desivojević

  • Raposa

Leonor Noivo

 

MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

  • Assim Mas Sem Ser Assim

Pedro Brito

  • Equinox

Bruno Carnide

  • Maré

Joana Rosa Bragança

  • Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias

Regina Pessoa

 

PRÉMIO SOPHIA ESTUDANTE

  • Jamaika Onto New Paths

Alexander Sussmann,

Universidade Lusófona De Humanidade e Tecnologias

 

 

 

  • Loop

Ricardo M. Leite,

Escola Superior de Media Artes e Design

  • O Presidente Veste Nada

Clara Borges e Diana Agar,

Universidade da Beira Interior

  • Sombra

Diogo Lourenço, Duarte Gaivão e Francisco Moura

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

 

PRÉMIO SOPHIA CARREIRA

Alfredo Tropa, António-Pedro Vasconcelos e Fernando Matos Silva

 

VENCEDORES DIVULGADOS:

PRÉMIO ARTE & TÉCNICA

  • “Leitão de Barros: A Biografia Roubada”

de Joana Leitão Barros e Ana Mantero

 

MELHOR TRAILER

  • 1º Lugar: Variações - Pedro Ribeiro
  • 2º Lugar: Tristeza e Alegria na Vida das Girafas - Joana Soares
  • 3º Lugar: Tony - Gil Oliveira e João Santana

 

MELHOR CARTAZ

  • 1º Lugar: A Herdade - Catarina Sampaio
  • 2º Lugar: Snu - Pedro Alexandre Arroja
  • 3º Lugar: Variações - Bráulio Amado

 

 

 

Museu do Oriente apresenta ciclo de cinema documental | 2-23 fevereiro | Gratuito

O Museu do Oriente apresenta um ciclo de cinema documental dedicado ao tema do exílio, no âmbito do DocLisboa 2020, todos os domingos de Fevereiro, às 17.00, com entrada gratuita. A estreia em Portugal de “Memory Is Our Homeland”, de Jonathan Kolodziej Durand, é um dos destaques.

 

O programa foca-se no exílio e na deslocação, enquanto condições permanentes de uma parte da humanidade, segundo cada momento histórico. Partindo de histórias de vida concretas, retratos relacionados com a primeira metade do século que ressoam no presente, de forma surpreendente e muitas vezes irónica. Irmãs polacas refugiadas na Tanzânia durante a II Grande Guerra, em “Memory Is Our Homeland” (Canadá, 2016), no dia 2 de Fevereiro. Ou a história familiar do suíço Markus Imhoof, em “Eldorado” (Suíça, Alemanha, 2018), no dia 9, e o modo como a empatia e a solidariedade necessários ao acto de acolher são, precisamente, as características humanas desafiadas pelas políticas actuais.


A segunda metade do programa, nos dias 16 e 23 de Fevereiro, acompanha o movimento em relação com os territórios. Em “Ta’ang” (Hong Kong, França, 2016), Wang Bing acompanha com a sua câmara a dura fuga, pelas montanhas da fronteira da China com a Birmânia, de famílias que escapam à guerra civil. Em “Babylon” (Tunísia, 2012) habitamos um campo de refugiados na Tunísia, desde a criação até à sua desmontagem, sem qualquer legenda ou tradução: os corpos, as relações, as tentativas de criar sentido num território que, depois de tudo desaparecer, voltará ao estado inicial, sem poder nunca voltar a ser o mesmo.

 

O ciclo é co-organizado pelo DocLisboa e tem entrada gratuita, mediante levantamento de bilhete no dia da sessão.

 

DocLisboa 2020 no Museu do Oriente

2, 9, 16 e 23 de Fevereiro, domingos

17.00

Entrada gratuita (mediante levantamento do bilhete no dia da sessão)

 

Programa:

 

2 Fevereiro
MEMORY IS OUR HOMELAND
Jonathan Kolodziej Durand
Canadá, 2016
(Estreia em Portugal)
‘Prix du public’ no Montreal RIDM Film Festival 2018

Duração: 90', sem intervalo


O destino dramático de quase um milhão de polacos que, durante a Segunda Guerra Mundial, foram deportados para os campos de trabalho siberianos, antes que milhares deles desaparecessem, ao caminho de um exílio na África, passando pelo Irão e pela Índia. Suportado pelo testemunho da avó, Durand revela uma aspecto voluntariamente apagado da História e interroga-se sobre a natureza de uma identidade baseada no exílio.

 

9 Fevereiro

ELDORADO
Markus Imhoof
Suíça, Alemanha, 2018
(Selecção oficial Doclisboa 2018)
Duração: 91', sem intervalo

eldorado_DOC.png

 

A actual crise dos refugiados constitui a maior deslocação em massa de pessoas desde a Segunda Guerra Mundial. Imhoof leva-nos numa viagem por navios de guerra italianos da Operação Mare Nostrum, por campos de refugiados no sul de Itália e por audiências de asilo com autoridades suíças. Uma crise causada por desigualdades económicas que transformam os países ricos do Norte no ‘eldorado’ que tantos desfavorecidos tentam alcançar a todo o custo.

 

16 Fevereiro

TA’ANG
Wang Bing
Hong Kong, França, 2016
(Seleccão oficial Doclisboa 2016)
International Nuremberg Human Rights Award 2017
Duração: 147’, sem intervalo

taang_DOC.png

 

Os ta’ang, uma minoria étnica birmanesa, encontram-se entre uma guerra civil e a fronteira com a China. Desde 2015, violentos combates obrigaram milhares de crianças, mulheres e idosos a um êxodo além-fronteiras, para a China. Ta’ang acompanha o quotidiano desses refugiados, forçados a deixar as suas casas, mas esperando regressar a breve prazo.

 

23 Fevereiro

BABYLON
Youssef Chebbi, Ismaël, Ala Eddine
Slim
Tunísia, 2012
(Selecção oficial Doclisboa 2012)
Duração: 119', sem intervalo

babylon_DOC.png

 

Pessoas chegam a um território virgem, numa zona selvagem. Rapidamente, constrói-se uma cidade do nada. Habitada por várias nacionalidades, as pessoas que aí vivem falam línguas diferentes. Esta nova Babilónia, rodeada de árvores e animais, ganha rapidamente a forma de uma cidade, ao mesmo tempo banal e extraordinária.

 

"Wunderkammer: Os Quartos das Maravilhas" - Ciclo Grande Arte no Cinema | A partir de 18 de fevereiro nos cinemas

b52679be-d3f4-4958-bc67-05b295f5f077.jpg

 

Wundderkammer: Os Quartos das Maravilhas
nos cinemas a partir de 18 de fevereiro


No âmbito do ciclo A Grande Arte no Cinema, é apresentado o filme Wundderkammer: Os Quartos das Maravilhas, a partir de 18 de fevereiro, em Lisboa (UCI El Corte Inglés), Vila Nova de Gaia (UCI Arrábida), Cascais (O Cinema da Villa), Guimarães (Shopping Guimarães) e Penafiel (Cinemax Penafiel).
 

UCI El Corte Inglés (Lisboa) e Arrábida (Vila Nova de Gaia)

18 fevereiro – terça 21h30
19 fevereiro – quarta 19h00
20 fevereiro – quinta 14h00
Bilhetes: 10€

 

O Cinema da Villa (Cascais)
21, 22 e 23 fevereiro – 16h30
Bilhetes: 9€

 

Castello Lopes Cinema (Shopping Guimarães)
23 fevereiro - 19h00
Bilhetes: 7€

 

Castello Lopes Cinema W Shopping (Santarém)
23 fevereiro - 19h00
Bilhetes: 7€

 

Cinemax Penafiel
23, 24 e 25 fevereiro – 19h30
Bilhetes: 4,50€

SERRALVES // DE 06 A 09 FEV // SERRALVES ACOLHE CINE ECO 2020

O Cine Eco é o único festival de cinema, realizado anualmente, desde 1995, em Portugal, por iniciativa do Município de Seia, que se dedica à temática ambiental.

 

SERRALVES ACOLHE CINE ECO 2020

 

CINE ECO 2020

DE 06 FEV 2020 A 09 FEV 2020

 

A Fundação de Serralves, em parceria com a Lipor, apresenta a Extensão da 25.ª Edição do Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela – Cine Eco. 

 

Com esta iniciativa Serralves procura, através do processo criativo que o cinema comunica, trazer à cidade do Porto mais uma aproximação às causas ambientais emergentes assente num programa transversal para adultos e crianças. Através da sensibilização e desafio para análise reflexiva e partilhada dos filmes apresentados, o Cine Eco procura também captar novos públicos.

 

Programa:

 

6 DE FEVEREIRO | 21H15

Sessão de Abertura

Injustiça (Grit) – “Grande Prémio Ambiente CineEco”

Ynthia Wade, Sasha Friedlander | EUA, 2018

Longa Metragem (80’)

Sinopse: Quando Dian tinha seis anos de idade, ela ouviu um estrondo profundo e virou-se para ver um tsunami de lama que vinha em direção a sua aldeia. A sua mãe pegou nela para a salvar da lama fervilhante. Os vizinhos correram para salvar as suas vidas. Dezasseis aldeias, incluindo as de Dian, foram varridas para sempre, enterradas sob 18 metros de lama. Uma ao fim de uma década, 60.000 pessoas tinham sido deslocadas daquela que antes era uma área industrial e residencial em Java Oriental. Dezenas de fábricas, escolas e mesquitas estão completamente submersas sob uma paisagem lunar de lodo e areia. A causa? A Lapindo, uma empresa indonésia que explora gás natural, em 2006, desencadeou um fluxo violento e incontrolável de lodo quente das profundezas da Terra. Estima-se que o fluxo de lama continuará ainda por mais uma década. Filmado ao longo de seis anos, o GRIT testemunha a transformação de Dian desde jovem menina até se tornar numa adolescente politicamente ativa em que ela e sua mãe lançam uma campanha de resistência contra a empresa de perfuração.

 

7 DE FEVEREIRO | 21H30

Genesis 2.0 – “Prémio Educação Ambiental”

Christian Frei, Maxim Arbugaev | Suiça, 2018

Longa Metragem (118’)

Sinopse: Nas remotas Novas Ilhas Siberianas, no Oceano Ártico, os caçadores procuram as presas dos mamutes extintos. Há uma febre do ouro no ar. O preço do ouro branco nunca foi tão alto. O derreter do permafrost não liberta apenas o precioso marfim. Os caçadores de presas encontram uma carcaça de mamute surpreendentemente bem preservada. Tais achados funcionam como um íman para os cientistas de genética de alta tecnologia. Eles querem fazer renascer o extinto mamute lanoso.

CONVIDADA: Kathleen Araújo, Farol de Ideias, jornalista passou por duas revistas empresariais, chegando a ser editora de uma edição que acompanhava o Jornal Expresso. Ingressou na equipa da Farol de Ideias em 2016, uma produtora de televisão independente, onde fez reportagens para diferentes programas emitidos em vários canais. O mais emblemático e aquele nunca deixou de fazer foi o Biosfera, emitido na RTP2 há mais de 10 anos, um programa que prima pelo jornalismo de investigação na área ambiental.

 

 

8 DE FEVEREIRO | 15H00 | PROGRAMA FAMÍLIAS

Atividades de sensibilização e educação ambiental para Crianças de todas as idades

 

Visita oficina ao Treetop Walk:

Um convite à vivência da biodiversidade do Parque através da exploração do passadiço elevado ao nível da copa das árvores, que permite uma experiência impactante de observação e estudo da biodiversidade.

Orientação | André Rodrigues

 

Oficina Serralves – Metamorfoses da vida animal:

Vem conhecer o fascinante mundo das transformações e da metamorfose animal. Convidamos-te a explorar as diferentes fases de vida dos seres vivos que habitam o Parque de Serralves!  Para melhor compreender estes fenómenos, vamos animar estas extraordinárias transformações e construir um fenacistoscópio, um dos mecanismos óticos percursores do cinema

Conceção e dinamização | Mariana Moranduzzo

 

Oficina Lipor – Plasticologia

 

8 DE FEVEREIRO | 16H00 | CCMO

Curtinhas - Curtas de animação (total 45’43’’)

Aquametragem (Aquastory) – “Prémio Valor da Água – EPAL”

Marina Lobo, Portugal, 2018, animação (6'23‘’)

Sinopse: O Hidro foi bafejado pela sorte. Em seu redor a água parece não ter fim. Mas o seu estado de alegria é interrompido por sinais de alerta. Afinal, a água é limitada e escassa. Será tarde demais? Conseguirá a família H2O mudar os seus comportamentos e gerir este recurso de forma eficiente, aplicando o princípio dos 5 R’s (Reduzir os consumos, Reduzir as perdas e desperdícios, Reutilizar a água, Reciclar a água e Recorrer a origens alternativas)?

Circuito (Circuit)

Delia Hess, Suiça, 2018, animação (9’)

Sinopse: Num pequeno planeta, preso no seu pequeno universo particular, os habitantes levam a cabo as suas ações poeticamente surreais, que se repetem num ciclo infinito. Fazem todos parte de um pequeno ecossistema complexo que só consegue funcionar se cada um deles desempenhar o seu papel, que é algo que eles desconhecem.

Peixe no Forno (Baked Fish)

Guilem Miró, Espanha, 2018, animação stop-motion (4’)

Sinopse: Receita típica do Mediterrâneo cozida de uma forma crítica.

A Criação do mundo (Hant Quij Cöipaxi Hac)

Antonio Coello, México, 2019, animação (10’)

Sinopse: As crianças indígenas e anciãos Seri integraram um Laboratório de Animação onde estudaram arte rupestre, canções antigas e relatos contados do passado. Uma revolta Seri contemporânea começou com esta adaptação cinematográfica do mito da criação.

As Aventuras de Félix (The Adventures of Félix)

Ricardo Rámon, Espanha, 2018, animação (10’)

Sinopse: Felix quer ter todos os animais perto dele, ser capaz de brincar com eles, tornarem-se amigos, cuidar deles e alimentá-los. Com apenas oito anos, ele tenta apanhar os animais de uma figueira perto de casa e consegue capturar um pássaro. No entanto, depois de fechá-lo dentro de uma gaiola, descobre que algo está errado. As palavras inesperadas, mas precisas, de sua irmãzinha revelarão que o problema é ele mesmo e que os animais não são brinquedos simples. Uma lição que Felix nunca esquecerá.

Pacha lama somos nós: a cerimónia para pachamama - Prémio Internacional de Curtas – Turistrela

Aldana Loiseau, Argentina, 2019, animação (5'20‘’)

Sinopse: Uma animação em Stop Motion FEITA com lama, protagonizando ‘Pacha’, nossa Terra Mãe. Feito com argila dos solos da Quebrada de Humahuaca, norte da Argentina. A Terra Mãe, também conhecida como ‘Pachamama, faz parte de uma crença ancestral fortemente enraizada no povo original dos Andes. No mês de Agosto, em sua gratidão, as pessoas realizam uma cerimónia com ofertas, bebidas e refeições.

Um dia normal (Un diá normal)

Juan Marciano Ferrero, Argentina, 2018, ficção (1’)

Sinopse: Um menino vive todos os dias a mesma rotina. Todas as suas atividades diárias poluem o meio ambiente. Portanto, ele será afetado e acabará por viver no meio da porcaria.

 

8 DE FEVEREIRO | 18H00

Sonhando um Lugar (Soñando un lugar) – - “Menção Honrosa Competição Internacional” 

Alfonso Kint | Espanha, 2018

Longa Metragem (70’)

Sinopse: Imagine que um dia descobre que é dono de uma enorme casa numa pequena aldeia. Atrever-se-ia a realizar esse desejo oculto de viver uma vida mais calma? Teria coragem de viver cercado pelo silêncio? E, em caso afirmativo, do que é que viveria? Lucía e Alfonso estão juntos e vivem uma vida agitada e comprometida com a arte na cidade de Madrid. Após o nascimento da sua filha Greta eles anseiam por uma mudança e decidem mudar-se para uma pequena aldeia localizada num verdadeiro deserto demográfico. Em conversas com os vizinhos, aos poucos vão descobrindo a situação complicada deste lugar, e decidem reinventar-se a partir do zero. Este filme dá-nos uma visão diferente sobre o presente destas pequenas aldeias e o seu grande potencial para que se possa viver uma vida mais plena.

CONVIDADO: Dr. Pedro Rocha, NOOCITY, com formação em Ciências do Ambiente e Poluição pela Universidade de Glamorgan, em 2006 decide dedicar a sua vida à agricultura biológica, circuitos curtos de distribuição e agricultura urbana. É defensor de modelos que permitam a integração da agricultura urbana "profissional" na cidade, permitindo uma maior economia circular e uma relação direta das pessoas com as grandes questões da sustentabilidade alimentar e ambiental. Atualmente é responsável pelo desenvolvimento da rede internacional de agricultores urbanos na Noocity Urban Ecology.

 

 

8 DE FEVEREIRO | 21H30

Amazônia, o Despertar da Florestania - Prémio Juventude Longas de Língua Portuguesa

Christiane Torloni, Miguel Przewodowski

Brasil, 2018

Longa de Língua Portuguesa (111’)

Sinopse: Este filme trata da forma como a floresta amazónica e a própria natureza têm sido tratadas no Brasil desde o início do século XX, resgatando personagens históricas como o Marechal Rondon, Orlando Villas-Bôas e o Prof. Darcy Ribeiro. Reúne ainda testemunhos de diversas personalidades da sociedade brasileira como lideranças indígenas, ambientalistas, representantes do sector terciário, jornalistas, artistas, intelectuais, cientistas e muitos outros que, de alguma forma, lutam para preservar este precioso legado brasileiro. Entre os depoimentos colhidos estão os de Frans Krajcberg, Ailton Krenak, David Kopenawa, André Trigueiro, Milton Nascimento, Benki Piyãko, Victor Fasano, Prof. Fernando Henrique Cardoso, Miriam Leitão, Lucelia Santos, Marina Silva, Paulo Adário, Virgilio Viana, Papa Francisco e Carlos Minc entre outros. Diante de provas inequívocas do aquecimento global e da urgência para a discussão de metas para o controlo e a utilização das nossas reservas naturais, bem como a defesa dos direitos dos povos da floresta, o despertar da consciência da floresta transforma-se numa ferramenta de trabalho imprescindível para nós, filhos do Brasil - país batizado com o nome de uma árvore - para que possamos salvar uma das jóias mais preciosas do planeta: a floresta amazónica.

CONVIDADO: Dr. António Gouveia, Diretor do Parque da Fundação de Serralves

 

9 DE FEVEREIRO | 16H00

Curtas metragens (total 72’18’’)

 

Os Emigrantes (Los Emigrantes)

Andrés Llugany, Argentina, 2018,

Animação (13’)

Sinopse: Um pai e o seu filho preparam-se para viajar em busca de uma vida melhor; mas o que parece ser uma decisão simples transforma-se numa odisseia cheia de armadilhas, que eles vão ter de ultrapassar

Amigo da Tartaruga

Abel Monteiro, Cabo Verde, 2019, documentário (8’26’’)

Sinopse: Didi, um jovem desempregado, que costuma alimentar e cuidar de tartarugas acabou por criar um laço de amizade com elas. Didi, o Turtle Friend, faz mergulhos com turistas para conhecer as tartarugas fazendo disso o seu negócio, o seu ganha-pão. Uma forma inteligente de fintar o desemprego e inspirar outros jovens.

A Arca em rodas (El Arca en ruedas)

Juan Manuel Barreda, Ana Mary Ramos, México, 2018,

Documentário (16')

Sinopse: Cholula (México) é uma cidade milenar onde existe uma expansão urbana progressiva que está a criar uma linha entre o rural e o urbano que é cada vez mais confusa. A proliferação de viaturas e os privilégios que têm tornam as ruas cada vez mais perigosas. Apesar disso, uma vasta comunidade de moradores locais recusa-se a abandonar a bicicleta como meio de transporte, preservando assim uma tradição que acaba por ser uma aposta de futuro.

Bem-vindo à Sexta Extinção (Welcome to the Sixtinction)

Chiara Cant, Itália, 2018 (3'18‘’)

Sinopse: Bem-vindo ao Sixtinction’ um pequeno filme sobre as nossas escolhas, as nossas ações, o nosso legado e a nossa capacidade para lidar com as questões críticas que este planeta está a enfrentar. Todos os dias desaparecem 200 espécies. E esta realidade está a colocar a vida de nossos filhos em risco. Este facto, por si só, deveria ser suficientemente grave para incentivar todos a agirem. Mas não é. Por quê? Primeiro porque as pessoas comuns não conhecem a Sexta Extinção. Eles ignoram o que isto é e estão com medo de descobrir o que significa. Desta forma, mesmo que venham a compreender este fenómeno anti-natural, o cérebro humano parece inclinado a ignorar as questões que são lentas, complexas e - a cereja no topo do bolo - qualquer situação em que nós mesmos somos os maus-da-fita. Como é que será possível falar deste problema urgente com estas restrições implícitas? São necessárias novas metáforas. Chega de ursos polares. Precisamos de linguagens visuais diferentes. Os gráficos em movimento são uma delas. Precisamos de novos mensageiros. E, como a nossa perceção de risco não é dominada por gráficos ou dados, mas pelas emoções, é preciso encontrar novas narrativas. Novas opções viáveis e eficazes. Agora, neste preciso momento.

Tempo profundo ( Deep Time)  - Prémio Lixo Marinho – APA

Kirsten, Joachim Jakobsen, Noruega/Portugal, 2018 (9'34‘’)

Sinopse:

O ‘Tempo Profundo’ é uma viagem de ritmo frenético, da vida moderna para o mundo mágico e misterioso que existe sob a superfície do oceano no Arquipélago dos Açores. Imagens exclusivas capturadas pela tripulação do submarino Lula1000 oferecem um vislumbre fascinante dos animais que lá existem, e as estratégias que empregam para sobreviver num ambiente hostil com poucos recursos. A vida no fundo do mar evoluiu e suportou a batida de um ritmo muito mais lento do que o nosso e pode ser uma lição valiosa para todos nós. Todas as imagens foram gravadas in-situ no mar dos Açores entre 700 e 1000 metros de profundidade através do submarino tripulado LULA1000. O filme apresenta várias observações inéditas de organismos do fundo do mar.

Pagar a Promessa (Paying of the Promise) – “Prémio Panorama Regional |  Lusofonia - Casa da Passarella”

Tiago Cerveira, Portugal, 2018 (22’)

Sinopse: Domingo de Pascoela. A contrastar o negro da paisagem, desfilam as cores aguerridas das Borlas.

 

9 DE FEVEREIRO | 18H00

O Homem Comeu a Terra (L'Homme a mangé la terre)

Jean-Robert Viallet

França, 2019

Longa Metragem (98’)

Sinopse: Apenas dois séculos. Duzentos anos de tumultuosas revoluções industriais e económicas de carbono e petróleo até ao Big Data. O filme reconstrói este épico humano analisando em profundidade as escolhas feitas em nome do progresso e do impacto que tiveram sobre o meio ambiente e pergunta se tal desenvolvimento seria inevitável. Se outros caminhos tivessem sido tomados, como seria o mundo de hoje? O filme tem o acompanhamento de uma banda sonora futurista, assim como uma voz off-câmera que guia a nossa orientação visual e que mistura imagens de arquivo e propaganda com cenas da vida contemporânea.

 

Acesso: gratuito sujeito a inscrição prévia para Marta Tavares (m.tavares@serralves.pt) e mediante levantamento de bilhete. Sujeito à lotação do espaço.

 

Fim de Semana com Cinema Português em Torres Novas

imag_site_caminhos_torres_novas.jpg

 

Caminhos do Cinema Português em Torres Novas

O mote de “Cinema Português para Todos” acaba por ser herdeiro da actividade cineclubista que está na génese deste festival. O Cineclube de Torres Novas tem cumprido, nos últimos 60 anos, a função de programar e mostrar cinema, contribuindo para este mapa nacional de circuitos alternativos de exibição.  Assim, e graças à iniciativa do Município e deste Cineclube, Torres Novas receberá nos dias 31 de Janeiro e 1 de Fevereiro uma extensão da XXV Edição dos Caminhos do Cinema Português.

Esta extensão irá contar com uma “Sessão Caminhos”, com produções portuguesas galardoadas na XXV Edição do festival; e “Sessão Juniores”, com programação pensada no público infanto-juvenil.

Serão projectados no sábado, 31 de Janeiro, os filmes “O Peculiar Crime do Estranho Sr. Jacinto” de Bruno Caetano, (vencedor do Prémio Melhor Animação, e “Quero-te Tanto!” de Vicente Alves do Ó, que recebeu o Prémio do Público “Chama Amarela” nesta última edição.

 

O mote de “Cinema Português para Todos” acaba por ser herdeiro da actividade cineclubista que está na génese deste festival. O Cineclube de Torres Novas tem cumprido, nos últimos 60 anos, a função de programar e mostrar cinema, contribuindo para este mapa nacional de circuitos alternativos de exibição.  Assim, e graças à iniciativa do Município e deste Cineclube, Torres Novas receberá nos dias 31 de Janeiro e 1 de Fevereiro uma extensão da XXV Edição dos Caminhos do Cinema Português.

Esta extensão irá contar com uma “Sessão Caminhos”, com produções portuguesas galardoadas na XXV Edição do festival; e “Sessão Juniores”, com programação pensada no público infanto-juvenil.

Serão projectados no sábado, 31 de Janeiro, os filmes “O Peculiar Crime do Estranho Sr. Jacinto” de Bruno Caetano, (vencedor do Prémio Melhor Animação, e “Quero-te Tanto!” de Vicente Alves do Ó, que recebeu o Prémio do Público “Chama Amarela” nesta última edição.

No dia 1 de Fevereiro, numa sessão pensada nos mais novos, “Sessão Juniores”, serão projectadas animações infanto-juvenis, entre elas o filme “#LINGO”, de Vicente Nirõ, vencedor do prémio Melhor Ensaio na XXII Edição do festival.

As sessões realizar-se-ão na Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes com entrada gratuita:

  • “Sessão Caminhos”, 31 de Janeiro, 21h30
  • Cartaz_Torres_Novas_2020_caminhos-1086x1536.jpg

    “Sessão Juniores”, 1 de Fevereiro, 13h30

  • Cartaz_Torres_Novas_2020_juniores-1086x1536.jpg

    Convidamos todos a continuar a caminhar nesta XXV Edição do festival Caminhos do Cinema Português, agora por Torres Novas.

“Dina e Django” de Solveig Nordlund em destaque na cerimónia da entrega do Prémio Bárbara Virgínia

 

A luso-sueca Solveig Nordlund será distinguida com o Prémio Bárbara Virgínia da Academia Portuguesa de Cinema, pelo seu notável trabalho como realizadora, produtora, encenadora e montadora, coincidindo com a celebração dos 50 anos do Centro Português de Cinema, cuja fundação acompanhou.

A cerimónia de entrega do Prémio decorrerá na Cinemateca Portuguesa, no dia 6 de fevereiro às 21h30.

Após a entrega do prémio, será exibida a longa-metragem “Dina e Django”, de 1981.

Baseado numa história verídica, a revolução de 1974 serviu como pano de fundo para “Dina e Django”, em que dois jovens heróis, dominados por frases de literatura de cordel, vivem uma paixão curta e fatal que deixa atrás de si o trágico rasto de um crime.

Solveig Nordlund junta-se assim a nomes maiores do cinema português como Júlia Buisel (script supervisor, anotadora, atriz, realizadora), Teresa Ferreira (colorista), Laura Soveral (atriz) e Leonor Silveira (atriz), distinguidas com o Prémio Bárbara Virgínia nos últimos quatro anos.

CONVITE.jpg

 

Fellini 100 em Portugal

 

No dia 20 de Janeiro de 1920, em Rimini, na costa adriática da Emilia Romagna, em Itália, nasceu Federico Fellini, genial inventor e grande mestre do cinema italiano.

Em 2020, em Itália e em tudo o mundo são muitas as iniciativas para celebrar o centenário de Fellini e, neste sentido, também a Festa do Cinema Italiano - cuja 13ª edição acontece de 1 a 9 de abril - se associa a este grande movimento, organizando Fellini 100, em colaboração com a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, a Risi Film, a Alambique Filmes e o Instituto Italiano de Cultura.

Fellini 100 junta, ao longo do ano e um pouco por todo o país, uma série de eventos que permitem que o publico português se aproxime ao universo “felliniano” através de diversos caminhos. Uma forma de lembrar, conhecer e redescobrir a multifacetada obra deste autor.

Um cineasta que fez do sonho, da fantasia e do desejo a matéria prima da sua obra e que conseguiu com a sua imaginação surpreender milhões de espectadores tornando-se uma figura fulcral na história do cinema.

cb55e792-6561-4154-8906-17678ec592fe.jpg

 

PROGRAMA FELLINI 100:

Retrospetiva Integral
Este ano, a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema realiza, no mês de abril, no âmbito da 13ª Festa do Cinema Italiano, uma retrospectiva integral da obra de Federico Fellini. Uma ocasião única para ver em novas cópias restauradas a filmografia completa deste autor.

Novamente nas salas de cinema
Em colaboração com a Risi Film e a Alambique Filmes, títulos emblemáticos como La dolce vita, 8 ½, La Strada, Giulietta degli spiriti, I vitelloni, La voce della luna e outros filmes voltam a ser exibidos em cópias restauradas,, a partir do mês de abril nas salas portuguesas, cineclubes e auditórios do país.
Estes filmes serão também lançados em novas edições DVD e estarão disponíveis nas principais plataformas VoD.

Exposições de fotografia
Alter Ego – Federico Fellini e Marcello Mastroianni
Uma coleção de 50 fotografias sobre a relação artística entre o realizador e o ator italiano em exposição na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, a partir de abril.

I sogni di Federico Fellini. 20 gennaio 2020: Buon Compleanno Maestro!
Uma seleção de imagens extraídas do Il libro dei sogni, um diário desenvolvido por Federico Fellini a partir dos anos sessenta, em que o realizador reportou fielmente os frutos da sua fertilíssima atividade onírica em forma de desenhos. Uma exposição que poderá ser visitada na Cinemateca Portuguesa e no Instituto Italiano de Cultura de Lisboa, a partir de abril.

Mesa redonda
A Cinemateca Portuguesa, em colaboração com o Instituto Italiano de Cultura, realiza no mês de abril uma mesa redonda sobre o Fellini com a presença de colaboradores, críticos e pesquisadores. Três dos nomes confirmados, desde já, são: Gianfranco Angelucci, assistente e colaborador de Fellini e os críticos Paolo Fabbri e Lorenzo Codelli.

Concerto Nino Rota
Está previsto para o segundo semestre de 2020, um concerto, realizado em colaboração com uma orquestra portuguesa sobre a colaboração artística entre Federico Fellini e Nino Rota.

Atividades didáticas
Em colaboração com o Istituto Luce Cinecittà estão a ser preparados percursos didáticos inspirados ao universo de Federico Fellini propostos a escolas e centros educativos de todo o país.

Fellini à mesa
Fellini era também um grande apaixonado por gastronomia e, este ano, a Festa do Cinema Italiano irá realizar o famoso e já tradicional cine-jantar inspirado nas receitas favoritas do realizador, como tortellini, cappelletti, polpette e lambrusco.

O programa completo de Fellini 100 será anunciado em breve.

Fellini 100 em Portugal

 

No dia 20 de Janeiro de 1920, em Rimini, na costa adriática da Emilia Romagna, em Itália, nasceu Federico Fellini, genial inventor e grande mestre do cinema italiano.

Em 2020, em Itália e em tudo o mundo são muitas as iniciativas para celebrar o centenário de Fellini e, neste sentido, também a Festa do Cinema Italiano - cuja 13ª edição acontece de 1 a 9 de abril - se associa a este grande movimento, organizando Fellini 100, em colaboração com a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, a Risi Film, a Alambique Filmes e o Instituto Italiano de Cultura.

Fellini 100 junta, ao longo do ano e um pouco por todo o país, uma série de eventos que permitem que o publico português se aproxime ao universo “felliniano” através de diversos caminhos. Uma forma de lembrar, conhecer e redescobrir a multifacetada obra deste autor.

Um cineasta que fez do sonho, da fantasia e do desejo a matéria prima da sua obra e que conseguiu com a sua imaginação surpreender milhões de espectadores tornando-se uma figura fulcral na história do cinema.

cb55e792-6561-4154-8906-17678ec592fe.jpg

 

PROGRAMA FELLINI 100:

Retrospetiva Integral
Este ano, a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema realiza, no mês de abril, no âmbito da 13ª Festa do Cinema Italiano, uma retrospectiva integral da obra de Federico Fellini. Uma ocasião única para ver em novas cópias restauradas a filmografia completa deste autor.

Novamente nas salas de cinema
Em colaboração com a Risi Film e a Alambique Filmes, títulos emblemáticos como La dolce vita, 8 ½, La Strada, Giulietta degli spiriti, I vitelloni, La voce della luna e outros filmes voltam a ser exibidos em cópias restauradas,, a partir do mês de abril nas salas portuguesas, cineclubes e auditórios do país.
Estes filmes serão também lançados em novas edições DVD e estarão disponíveis nas principais plataformas VoD.

Exposições de fotografia
Alter Ego – Federico Fellini e Marcello Mastroianni
Uma coleção de 50 fotografias sobre a relação artística entre o realizador e o ator italiano em exposição na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, a partir de abril.

I sogni di Federico Fellini. 20 gennaio 2020: Buon Compleanno Maestro!
Uma seleção de imagens extraídas do Il libro dei sogni, um diário desenvolvido por Federico Fellini a partir dos anos sessenta, em que o realizador reportou fielmente os frutos da sua fertilíssima atividade onírica em forma de desenhos. Uma exposição que poderá ser visitada na Cinemateca Portuguesa e no Instituto Italiano de Cultura de Lisboa, a partir de abril.

Mesa redonda
A Cinemateca Portuguesa, em colaboração com o Instituto Italiano de Cultura, realiza no mês de abril uma mesa redonda sobre o Fellini com a presença de colaboradores, críticos e pesquisadores. Três dos nomes confirmados, desde já, são: Gianfranco Angelucci, assistente e colaborador de Fellini e os críticos Paolo Fabbri e Lorenzo Codelli.

Concerto Nino Rota
Está previsto para o segundo semestre de 2020, um concerto, realizado em colaboração com uma orquestra portuguesa sobre a colaboração artística entre Federico Fellini e Nino Rota.

Atividades didáticas
Em colaboração com o Istituto Luce Cinecittà estão a ser preparados percursos didáticos inspirados ao universo de Federico Fellini propostos a escolas e centros educativos de todo o país.

Fellini à mesa
Fellini era também um grande apaixonado por gastronomia e, este ano, a Festa do Cinema Italiano irá realizar o famoso e já tradicional cine-jantar inspirado nas receitas favoritas do realizador, como tortellini, cappelletti, polpette e lambrusco.

O programa completo de Fellini 100 será anunciado em breve.