Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Teatro musical Montanha-Russa: um mergulho vertiginoso na adolescência em Coimbra

Montanha-Russa©TUNA_TNSJ.jpg

No sábado, dia 8 de Junho às 21h30, o auditório do Convento de São Francisco transporta-nos numa viagem vertiginosa pela voz de quatro personagens de épocas diferentes que, através das suas histórias pessoais, nos conduzem a uma (re)descoberta à(s) adolescência(s).

 

Concebido por Miguel Fragata e Inês Barahona (Formiga Atómica) a que se juntam Hélder Gonçalves e Manuela Azevedo – o compositor e a vocalista dos Clã -, “Montanha-Russa” faz disputar em palco o teatro e a música, desafiando as convenções do “teatro musical”, como quem desafia as leis da gravidade num loop.

 

“Montanha-Russa” mergulha na adolescência. Retira-a do lugar dos lugares-comuns e procura aproximá-la da dimensão da intimidade. Uma dimensão secreta, privada, interior, mas que vive no desejo de ganhar um palco onde se possa exibir. É o diário deixado em cima da mesa, o diário destilado nas redes sociais, ou o diário perigosamente transportado para o liceu: uma intimidade a gritar “leiam-me!”, uma geração a querer fazer-se ouvir ao som da música.

 

O extenso trabalho de pesquisa que deu origem ao espectáculo fez-se junto de várias centenas de adolescentes, no território nacional e também na região da Normandia, em França. Diários escritos por adolescentes entre as décadas de 1970 e 2000, letras de canções, filmagens, entrevistas e audição de jovens sobre questões que os preocupam,  foram o ponto de partida para a peça, que se apresenta este sábado para uma sessão única em Coimbra.

 

Os bilhetes têm o custo de 6€ a 8€ (descontos disponíveis para famílias, menores de 12 anos, estudantes, maiores de 65, grupos de +10 pessoas) e estão à venda na ticketline.

 

INFORMAÇÕES

 

Montanha-Russa

um espectáculo de Miguel Fragata e Inês Barahona / Formiga Atómica

com música de Hélder Gonçalves

duração 1h50
M/12

 

Sábado, 8 de Junho às 21h30

Convento de São Francisco | Avenida da Guarda Inglesa, n.º1ª, Coimbra

Facebook: https://www.facebook.com/events/2237328723187766/

FICHA TÉCNICA

encenação: Miguel Fragata
texto e letras: Miguel Fragata e Inês Barahona
música original: Hélder Gonçalves
com: Anabela Almeida, Bernardo Lobo Faria, Carla Galvão, Miguel Fragata e (música ao vivo) Hélder Gonçalves, Manuela Azevedo, Miguel Ferreira, Nuno Rafael
movimento: Marta Silva

desenho de luz: José Álvaro Correia
direção técnica (luz): Nuno Figueira

desenho de som e direção ténica (som): Nelson Carvalho

roadie: Norberto Duque
cenografia: F. Ribeiro
figurinos: José António Tenente
vídeo: Henrique Frazão
produção executiva: Clara Antunes e Luna Rebelo / Formiga Atómica
coprodução: TNDM II, TNSJ, Teatro Virgínia, Formiga Atómica
coprodução fase de pesquisa: Festival Terres de Paroles
Projeto financiado por República Portuguesa - Cultura I DGArtes – Direção-Geral das Artes

 

 

 

 

Grande Estreia "A Menina do Mar"- companhia de teatro ADN de Palco

54256648_2077249848976844_8788447181557202944_o.jp

 
Este projeto, surge como comemoração do centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen. A obra “A Menina do Mar” é o primeiro e mais conhecido conto da autora sendo uma das mais célebres obras da literatura infantil portuguesa e fazendo parte do Plano Nacional de Leitura portuguesa. Esta obra é extremamente relevante no mundo da literatura infantojuvenil, a narrativa é simples e a história surge como quem faz uma tentativa de conservar a beleza profunda das coisas. Em muitas das suas obras, Sophia convida os mais pequenos a alimentarem o sonho e o mundo do imaginário, recorrendo aos ingredientes típicos da sua obra poética: o mar, a terra e a relação do homem com a natureza. Esses foram, também, os ingredientes para a concretização deste espetáculo sendo este uma reposição do conto em forma teatral, com adaptação do texto original, realizado de forma a privilegiar a prosa da autora. A obra foi adaptada ao teatro musical numa versão didática e mágica dedicada à infância que nos leva até ao misterioso universo do Mar no imaginário de Sophia de Mello Breyner Andresen.  É um espetáculo que faz reflexões sobre temas importantes: a saudade, a amizade, o sonho, o medo, a alegria, o imaginário, a Terra, o Mar, as estações do ano, a poluição, a reciclagem, entre outros.  Uma história para crianças mas com uma mensagem para as pessoas mais crescidas capazes de entender que não devemos desistir dos nossos sonhos à primeira dificuldade.  É um espetáculo divertido, sensível, repleto de aventuras, divertidas personagens com figurinos coloridos e um duplo cenário mágico. Tudo isto converte o palco num mundo de fantasia, música, luz, cor, fumo e até bolhas de sabão!  Um espetáculo que ficará para sempre na memória de todos os espetadores! 
 

Rão Kyao na Igreja dos Grilos Porto com o Recital "Sopro de Vida Maria" 2 Março às 21:00

O ‘sopro de vida’ da flauta de Rão Kyao

Recital “Sopro de Vida Maria” na Igreja dos Grilos do Porto

 

– O recital «Sopro de Vida Maria» de Rão Kyao vai ser apresentado, dia 2 de Março, às 21h00, na Igreja de São Lourenço, popularmente conhecida pela Igreja dos Grilos, na cidade do Porto.

 

Este é o segundo CD do projecto «Sopro de Vida», agora com o subtítulo «Maria», que continua o seu percurso direccionado para “divulgar a música litúrgica de autores portugueses”,

Para Rão Kyao, a música “ajuda a aproximar de Deus”, constituindo “talvez o melhor veículo para revelar o que é misterioso”.

O artista, conhecido pelas interpretações em flauta de bambu é considerado um ‘embaixador’ da música portuguesa.

 

O concerto é gratuito e integra o ciclo Sopro de Vida, um projecto que deu origem a dois álbuns, actuando por todo o país em diversas igrejas e monumentos. Todos os temas seleccionados contêm obras de “grandes autores consagrados” de Portugal e “vários temas de origem popular” que tocam as pessoas “pela sua simplicidade, profundidade devocional e riqueza melódica”.

 

A flauta de bambu, acompanhada ao órgão por Renato Silva Júnior, interpreta 21 temas Marianos.

Os autores das músicas são o padre António Cartageno, Carlos Silva, Manuel Faria, Manuel Luís, José Pedro Martins, para além de um tema de Rão Kyao e ainda outros de origem popular.

unnamed - Cópia.jpg

RAOKYAOPOSTFB2.png

 

Ciclo de Concertos de Coimbra apresentado na Quinta das Lágrimas

c35c08d8-5965-443a-8c27-5fb436b37277.jpg

 

O Ciclo de Concertos de Coimbra (CCC) está de regresso à Cidade Mágica para a sua quarta edição. Através da música, este evento pretende reabilitar uma certa atmosfera mítica que sobreleva a carismática cidade universitária do conhecimento, do Mondego, a cidade dos estudantes e dos amores de Pedro e Inês. Entre 15 a 17 de março alguns dos espaços históricos e contemporâneos mais emblemáticos de Coimbra recebem os oito espectáculos que integram esta edição.

O Ciclo de Concertos de Coimbra foi fundado pelo pianista Tiago Nunes em 2016 com o objetivo de ajudar associações locais com dificuldades financeiras. A bilheteira das duas primeiras edições reverteu integralmente para a Associação de Defesa e Apoio da Vida (ADAV) e LAHUC - Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra, respetivamente.
O evento tem-se vindo a consolidar na oferta cultural da cidade de Coimbra e da região Centro.

ZÉ MANEL TAXISTA, UMA COMÉDIA COM BRILHANTINA - Digressão 2019

ZÉ MANEL TAXISTA, UMA COMÉDIA COM BRILHANTINA

Digressão 2019

ZMT_digressão.jpg

 

ZÉ MANEL TAXISTA, UMA COMÉDIA COM BRILHANTINA celebra os 20 anos de existência de uma das personagens mais emblemáticas e acarinhadas de Maria Rueff. Na Lisboa de hoje, como noutras cidades de Portugal, Zé Manel, taxista, pai de família e adepto ferrenho do Benfica, já não reconhece os cantos-à-casa da "sua" cidade e anda arreliado. Entre turistas, tuk-tuks e alojamentos locais, Zé Manel despista-se... naturalmente!

 

Convento São Francisco (Coimbra) – 19 Janeiro

Teatro das Figuras (Faro) – 26 Janeiro

Centro Cultural de Tábua – 31 Jan a 2 Fevereiro

Coliseu Porto Ageas – 8 e 9 Fevereiro

Teatro Municipal Joaquim Benite (Almada) – 15 a 17 Fevereiro

CAE Figueira da Foz – 23 Fevereiro

Fórum Braga – 9 Março

 

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=gERxH78uWI0

 

Com Maria Rueff, FF, Rafael Barreto, Ruben Madureira, Sissi Martins e Filipe Rico, Marta Mota, Sara Martins, Tiago Coelho Participação Especial João Maria Pinto Agradecimentos Io Apoloni, Ludmila Gubernaciuc Banda André Galvão (baixo/guitarra), Artur Guimarães (teclado), Tom Neiva (bateria/percussão) Texto Maria João Cruz, Filipe Homem Fonseca, Mário Botequilha, Rui Cardoso Martins Encenação António Pires Direcção Musical e Sonoplastia Artur Guimarães Cenografia Luísa Pacheco

 

Figurinos Dino Alves Coreografia Paula Careto Desenho de Luz Paulo Sabino Programação de Luz Vasco Silva Make-Up Paula Carmo Cabelos Nuno Souto

 

Ilustração Ricardo Galvão Fotografia e Conteúdos WEB Renato Arroyo Direcção de Cena e Assist. Figurinos Margarida Sales Assist. Cenografia Luísa Gago Prof. Patinagem Diogo

 

Augusto Assist. Encenação João Maria Música Artur Guimarães, Fernando Tordo, Herman José, João Gil, Jorge Palma, Manuel Paulo, Paulo de Carvalho, Sérgio Godinho, Xutos & Pontapés 

 

Produção UAU 

M/12

 

Diz a Imprensa:

 

“Entre ‘alfinetadas’ assertivas e muito amor ao seu Benfica, Zé Manel Taxista tornou-se uma das personagens mais marcantes de Maria Rueff. Logo ela, igualmente criada num bairro típico de Lisboa e também observadora atenta e crítica da realidade que a  rodeia. Talvez por isso, os taxistas da cidade a tratem por colega quando a atriz lhes bebe a inspiração no banco de trás.”, Vanessa Fidalgo, Correio da Manhã, Nov 2018

 

“Zé Manel Taxista é Maria Rueff, tem agora vinte anos, mas é o mesmo desde o início, só que a Lisboa de hoje é agora outra e no palco vai lá estar tudo deste boneco, que por vezes até se confunde com a própria Maria Rueff.”, José Carlos Barreto, TSF, Out 2018

 

“O boneco mais famoso da atriz nasceu no bairro da Graça, quando ela era criança e observava os tipos lisboetas mais genuínos. Há duas décadas, de repente, o boneco despontou num programa de Herman José e agora está de volta aos palcos através do musical “Zé Manel Taxista, Uma Comédia com Brilhantina”.,Bruno Horta, Observador, Out 2018

 

“O protagonista é um dos personagens mais populares de Maria Rueff, o taxista de bigode, fungadelas e brilhantina que adora falar do seu Benfica e não perde uma oportunidade de discorrer sobre o que o impacienta, dos turistas invasores aos enxames de tuk-tuks.”, Jornal Público, Set 2018

 

“Com patinagem, música ao vivo e textos humorísticos de Maria João Cruz, Filipe Homem Fonseca, Mário Botequilha e Rui Cardoso Martins, Zé Manel Taxista - Uma Comédia com Brilhantina marca o regresso de Maria Rueff ao seu boneco benfiquista, 20 anos depois de o ter criado.”, Rita Bertrand, Sábado, Set 2018

 

“Maria Rueff e a sua interpretação do carismático Zé Manel Taxista estreia-se esta quinta, 27, no Casino Lisboa para celebrar, pela primeira vez em palco, os 20 anos da existência desta personagem criada originalmente para televisão e rádio.”André Moreira, Visão, Set 2018

 

 “Brilhantina no cabelo, óculos escuros, um bigode farfalhudo e comentários engraçados sobre futebol. Zé Manel Taxista é uma das personagens mais icónicas (e antigas) de Maria Rueff — foi criada há 20 anos — e chega ao teatro.”, Ricardo Farinha, NIT, Set 2018

 

“Apareceu pela primeira vez no Herman SIC e nunca mais os taxistas e os benfiquistas nos pareceram os mesmos. É provavelmente a personagem mais icónica de Maria Rueff, que leva agora a palco o seu Zé Manel, taxista, pai de família e adepto ferrenho do Benfica.”, Miguel Branco, Time Out, Set 2018

AMANHÃ | Colégio Rainha Santa Isabel actua no Forum Coimbra

NO ÂMBITO DAS COMEMORAÇÕES NATALÍCIAS

 

30 NOVEMBRO | SEXTA-FEIRA | 18H00 | PRAÇA FOGO | PISO 0 FORUM COIMBRA

 

CRSI. Natal.JPG

 

É já amanhã, dia 30 de Novembro, às 18h00, que o Forum Coimbra, centro gerido pela Multi Portugal, se prepara para uma celebração de natal que é já um clássico.  O Colégio Rainha Santa Isabel, com turmas desde o pré escolar ao secundário, actuará numa das praças principais do Forum, com um espectáculo que reúne música, dança e ginástica artística num só.

 

Uma exibição gratuita, aberta a todo o público, que acontece na Praça Fogo e que respeitará o seguinte alinhamento:

 

18h00 Ginástica Artística | 16 alunas em formações sequenciais

18h05 Dança | 11 solos

18h45 Música | 3 grupos de alunos de diversas idades

 

 

São mais do que razões para passar o Natal connosco!
Natal no Forum Coimbra. Tem outro encanto!

Diana Chaves dá cor ao Black Friday | Anfitriã especial "às compras" no Forum Coimbra

ANFITRIÃ ESPECIAL “ÀS COMPRAS” NO FORUM COIMBRA

DIANA CHAVES DÁ COR AO BLACK FRIDAY

  • Apresentadora de “Casados à Primeira Vista” estará no shopping esta sexta-feira, dia 23 de Novembro, para muitas surpresas;
  • Ofertas, maquilhagem, animação e glamour das 09h00 às 24h00;
  • Especialmente neste dia algumas lojas abrirão portas às 09h00.

 

image004.jpg

 

É já esta sexta-feira, dia 23 de Novembro, que a tradição americana regressa ao Forum Coimbra, centro gerido pela Multi Portugal. A Black Friday vai instalar-se no shopping num horário alargado, e trazer aos visitantes muita cor, animação, brindes e a presença de uma das mais queridas apresentadoras da televisão portuguesa: Diana Chaves.

 

A actriz estará no shopping para surpreender aqueles que por lá passarem seja ao virar da esquina numa das dezenas de lojas do Forum, seja através de um mupi digital onde irá interagir de forma directa e em tempo real com os passantes. O desafio? Descobrir onde encontrar uma das caras mais conhecidas da televisão, entre as 16h00 e as 18h00.  

 

Começa hoje a Semana da Ciência e da Tecnologia 2018

 

A ciência e a tecnologia vão dominar a agenda dos próximos sete dias. É a Semana da Ciência e da Tecnologia 2018, com visitas guiadas a laboratórios, palestras com investigadores, cafés de ciência e actividades experimentais para todas as idades, num total de mais de 300 acções gratuitas em todo o país.

Hoje, dia 19, no Instituto de Engenharia Mecânica, no Instituto Superior Técnico, o público poderá assistir a demonstrações de robótica e imprimir objectos em 3D. Já no pólo de Viseu da Universidade Católica Portuguesa um workshop no laboratório SalivaTec dá a conhecer como se faz o diagnóstico e monitorização de doenças através de moléculas presentes na saliva.

Na terça, dia 20, às 18.00, o Pavilhão do Conhecimento abre ao público uma área totalmente renovada com 800 m² e 31 módulos interactivos onde a descoberta do parque se alia à emoção do circo. Chama-se TCHARAN! Circo de Experiências e nele o visitante também faz parte do espectáculo.

Na quarta, dia 21, às 18.00, o Mercado dos Lavradores, no Funchal, acolhe, lado a lado com as bancas dos comerciantes, demonstrações e actividades experimentais para os "fregueses". A 4.ª edição da Ciência no Mercado é uma organização da Agência Regional para o Desenvolvimento da Investigação, Tecnologia e Inovação.

Na quinta, dia 22, o público de Coimbra é convidado a passar o serão à conversa com três investigadores no bar "Aqui Base Tango", em mais uma edição do PubhD, organizado pelo Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra. Aos estudantes de doutoramento (PhD) foi lançado o desafio de explicar o seu trabalho de investigação num ambiente informal.

Na sexta, dia 23, o Centro de Química Estrutural do Instituto Superior Técnico antecipa o ano internacional da Tabela Periódica dos Elementos Químicos 2019 e promove a consulta a um vasto banco digital que inclui registos de experiências com elementos químicos.

No sábado, 24, Dia Nacional da Cultura Científica, às 15.00, o Anfiteatro do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra estende a passadeira vermelha para a Cerimónia de Entrega dos Prémios Ciência Viva Montepio 2018, atribuídos anualmente como reconhecimento por intervenção de mérito excepcional na divulgação científica e tecnológica. A astrónoma Teresa Lago, o professor Filipe Ressurreição e o realizador de rádio Edgar Canelas são os vencedores deste ano.
No mesmo dia, o Planetário - Centro Ciência Viva do Porto assinala 20 anos de existência com uma programação especial. Destacamos a participação de Tiago Loureiro, investigador da Agência Espacial Europeia que é actualmente o "Spacecraft Operations Manager" do "ExoMars 2020 Rover and Surface Platform", que será lançado para Marte em 2020, e de Rui Moura, investigador da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e primeiro português detentor de um curso de astronauta suborbital.

No domingo, dia 25, decorre no Centro Ciência Viva de Estremoz o Congresso de Jovens Investigadores em Geociências, uma montra de apresentação de projectos realizados na área das Ciências da Terra. No mesmo dia, uma visita guiada ao Laboratorio Chimico da Escola Politécnica, em Lisboa, dará a conhecer como eram as aulas de Química e os equipamentos científicos no século XIX.

Mais informações em www.cienciaviva.pt

 

6 anos de Salão Brazil (Coimbra) sob a gestão do Jazz ao Centro Clube

6º aniversário do Salão Brazil

sob a gestão do Jazz ao Centro Clube

 

27858689_10156004366504223_1797092638178030741_n.p

 

Celebra-se, esta sexta feira, dia 19 de outubro, o 6º aniversário do Salão Brazil enquanto espaço cultural sob a gestão do Jazz ao Centro Clube.

 

Embora seja pertinente referir os 892 concertos realizados neste período, o Jazz ao Centro Clube acredita que o impacto do Salão Brazil na vida cultural da Cidade de Coimbra vai muito para além do número de concertos realizados.

 

A atividade do Jazz ao Centro Clube no Salão Brazil demonstra a relevância das salas de pequena dimensão enquanto fator de desenvolvimento de um circuito de apresentação de concertos, numa altura em que a produção musical portuguesa apresenta um impressionante vitalidade, em todos os seus géneros. Se a circulação de projetos emergentes necessita destes locais de apresentação, também os circuitos internacionais, mais ou menos qualificados ou formais, dependem da existência de centros culturais independentes.

 

Com uma programação eclética, assente sobretudo numa orientação artística marcada pela ideia de que a função principal do Salão Brazil é expor o público a vários géneros musicais - do jazz à música pop, da música experimental às músicas de raíz tradicional – o Salão da Baixa de Coimbra conseguiu formar um público fiel, que vai dos 18 aos 70 anos de idade e que, não raras vezes, encontra neste espaço a sua primeira experiência ligada a um género musical menos divulgado ou a propostas artísticas experimentais que poucas vezes se apresentam noutros espaços culturais.

 

Mas, acima de tudo, a relevância do Salão Brazil relaciona-se com o contributo para o desenvolvimento local (de base cultural), expresso, acima de tudo, pelo trabalho do Serviço Educativo do Jazz ao Centro Clube, promotor de iniciativas como o Clube UNESCO: Arte, Património e Comunidade ou do Arquivo Digital do Centro Histórico de Coimbra.

 

Ao colocar as práticas artísticas no núcleo da sua intervenção na comunidade, o Jazz ao Centro Clube deseja contribuir para transformações sociais positivas, que não se esgotam na dimensão artística e cultural.

 

Nesta semana, onde se assinalam 6 anos de trabalho no coração da Baixa de Coimbra, o Salão Brazil acolhe o Festival Jazz ao Centro – Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra. Serão 3 espectáculos protagonizados por grupos portugueses, servindo para apresentar a criatividade e qualidade artística do Jazz feito em Portugal.

 

O JACC espera poder comemorar este momento com o público que tem ajudado a tornar este espaço um dos mais dinâmicos na cidade, região e país.

 

PROGRAMAÇÃO:

 

Jazz ao Centro 2018 | Pinheiro / Ferrandini / Sousa

Quinta, 18 out, 22h00

Rodrigo Pinheiro - piano

Gabriel Ferrandini - bateria

Pedro Sousa - saxofone

 

No início deste século, Lisboa viu surgir uma comunidade de música improvisada reunida em torno da Clean Feed/Trem Azul, cujo espaço na Rua do Alecrim (entretanto desactivado) agregou muitos dos nomes que a influente revista WIRE (em dezembro de 2017) agrupou sob a designação de New Lisbon Jazz Vanguard. Rodrigo Pinheiro (piano), Gabriel Ferrandini (bateria) e Pedro Sousa (saxofones) participaram na construção social desta comunidade, que têm exemplos perfeitos em grupos como o RED Trio, Motion Trio (de Rodrigo Amado) e a mais recente Lisbon Freedom Unit (que actuou na edição 2017 do JaC).

Este trio, em particular, tem crescido após uma residência artística realizada na Casa da Cultura do Barreiro (organizada pela OUT.RA, em 2017) tendo ganho uma sonoridade própria que tem vindo a ser trabalhada em concertos.

Expectativas elevadas, portanto, para a primeira de seis noites com alguma da melhor música feita neste domínio em Portugal.

 

Bilhetes:

NORMAL 7,00€ / ESTUDANTES e CLIENTES CGD 5,00€

BOL, lojas parceiras e, no próprio dia, na bilheteira do Salão

 

Jazz ao Centro 2018 | ANDRÉ FERNANDES "CENTAURI"

Sex, 19 out, 22h00

André Fernandes - guitarra

João Mortágua - saxofones

José Pedro Coelho - saxofone tenor

Francisco Brito - contrabaixo

João Pereira - bateria

 

Uma breve passagem pelos principais momentos da carreira de André Fernandes ao longo dos últimos 20 anos revela-nos um dos mais destacados músicos portugueses e um dos músicos merecedores de um reconhecimento mais amplo, embora o recolha, de forma unânime, junto dos pares e do público mais atento.

Desde o disco de estreia, lançado pela editora Tone of a Pitch em 2002 (editora que Fernandes fundou com Nelson Cascais e Nuno Ferreira) são vários os pontos altos na sua discografia, que a cada novo lançamento renova o entusiasmo abraçando novos territórios.

O novo trabalho de Fernandes volta a mostrar desassossego e a cartografia das novas sonoridades faz-se sob a inspiração das estrelas. “Centauri”, nome do novo grupo do guitarrista, junta-o aos saxofonista João Mortágua e José Pedro Coelho, encontrando base sólida na secção rítmica formada por Francisco Brito e João Pereira.

Contemplativa por vezes, para noutros momentos assumir a energia do rock (uma das principais influências de Fernandes), o disco “Draco” (Nischo, 2018) é o exemplo perfeito do actual “estado de graça” do Jazz feito em Portugal.

Após o concerto haverá lugar a um dj set do músico conimbricense Marcelo dos Reis.

 

Bilhetes:

NORMAL 7,00€ / ESTUDANTES e CLIENTES CGD 5,00€

BOL, lojas parceiras e, no próprio dia, na bilheteira do Salão

 

Jazz ao Centro 2018 | LOKOMOTIV

Sab, 20 out, 22h00

Carlos Barretto - contrabaixo

Mário Delgado - guitarra

José Salgueiro - bateria

 

20 anos depois, a locomotiva não perde força. A energia do projeto provém, sobretudo, do prazer que Carlos Barretto (contrabaixo), Mário Delgado (guitarra) e José Salgueiro (bateria) continuam a devotar em cada actuação.

Com “Gnosis”, o seu novo disco, o trio continua a ser dos mais excitantes grupos ao vivo, mantendo sólidas raízes jazzísticas ao mesmo tempo que se alimenta de muitos outros interesses musicais.

Três nomes fundamentais do Jazz português, numa noite que se prevê de celebração!

 

Bilhetes:

NORMAL 8,00€ / ESTUDANTES e CLIENTES CGD 6,00€

BOL, lojas parceiras e, no próprio dia, na bilheteira do Salão

 

 

 

Coimbra em Blues

5ba913fe9d579c5f1037a28e.jpg

 

 

Pela 9ª vez em 15 anos, a cidade historicamente universitária volta receber um festival que ao longo da sua existência ganhou uma crescente projeção nacional e internacional, bem como um público fiel.
Nesta edição, que acontece nos dias 15 e 16 de Novembro de 2018, conta no primeiro dia com Julian Burdock & Danny del Toro (GB/ES) e Budda Power Blues & Maria João (PT); no dia seguinte Gwyn Ashton (AU) e Shanna Waterstown (EUA).
 
 
Os bilhetes têm um preço mínimo diário de 20 euros, sendo que o bilhete único (de dois dias) custa 30 euros.
Os bilhetes já se encontram disponíveis para venda através dos links disponíveis abaixo:
• Dia 15 - http://goo.gl/ZKsKb6
• Dia 16 - http://goo.gl/1kJpPW
• Bilhete duplo - http://goo.gl/e8VhcR
 
Coimbra em Blues é uma marca que nasceu no TAGV e que agora regressa com propostas diversas para um Festival Internacional de Blues de Coimbra, capaz de dar conta do panorama criativo de uma das mais fortes tradições musicais.
O Festival Coimbra em Blues surgiu em março de 2003, como uma organização conjunta do Teatro Académico de Gil Vicente e da Câmara Municipal de Coimbra e, posteriormente, uma coorganização com a Direção Regional da Cultura do Centro.
 
 
Coimbra é uma cidade vibrante, onde se cruzam experiências culturais que chegam dos quatro cantos do mundo. Vive de um forte dinamismo criado pelos jovens que ali aportam para estudar na Universidade e é esta diversidade que justifica a contínua aposta no Coimbra em Blues.
O Festival pretende assim continuar a colaborar na afirmação da cidade no panorama da cultural nacional e internacional. Procura conquistar o público com uma programação que pretende trazer toda a nova geração de Bluesmen, que continua a construir a história dos Blues e mostrar um leque de músicos representativos dos vários géneros de Blues.