Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Julho e Agosto no Museu de Lisboa

 

csm_lisboa_plural_7c545a4799.png

Palácio Pimenta

Convivência(s). Lisboa Plural. 1147-1910
24 Mai 2019 a 22 Dez 2019
Exposição temporária
 

Exposição que revela o papel das minorias religiosas e dos residentes estrangeiros na construção da imagem de Lisboa, entre a Idade Média e a 1.ª República.

Dessa imensa população que habitou Lisboa, recebendo o rótulo histórico de minoritária, chegaram até hoje impressivos e surpreendentes testemunhos, que sublinham o carácter plural de uma cidade que se fez de rejeição, de segregação e de expulsão, mas também de tolerância, de miscigenação e de integração.

A exposição mostra-nos provas dessa Lisboa multicultural, feita por muçulmanos, cristãos e judeus, mas também por espanhóis, franceses, ingleses, italianos, flamengos, alemães e galegos e pelos africanos da era da escravatura; é mesmo possível falar numa Lisboa africana, paulatinamente mestiça, que caracterizou a cidade, entre os séculos XV e XIX.

 

Das grandes construções à vivência quotidiana, dos ofícios especializados à definição de bairros, da promoção de obras de arte à atividade livreira, da ocupação e da guerra, ao comércio e à paz cemiterial, não houve praticamente dimensão da existência de Lisboa da qual as comunidades religiosas minoritárias e estrangeiras residentes estivessem ausentes.

Comissários: Paulo  Almeida Fernandes e Ana Paula Antunes

Inauguração: 23 mai 2019, 18h30 (entrada livre, sujeita à lotação)

24 mai - 22 dez 2019, terça-domingo, 10h00-18h00

VISITAS ORIENTADAS

25 mai, sáb, 15h00 | Por Paulo Almeida Fernandes e Ana Paula Antunes, comissários da exposição

Inscrição obrigatória (até 24 maio, 14h00): info@museudelisboa.pt 

28 jun, sex, 15h30 Inscrição obrigatória (até 27 jun, 14h00):servicoeducativo@museudelisboa.pt 

VISITA-OFICINA PARA FAMÍLIAS

23 jun, dom, 11h30 Inscrição obrigatória (até 21 jun, 14h00):servicoeducativo@museudelisboa.pt 

Les Siestes Électroniques anuncia o cartaz para o regresso a Portugal

image001.jpg

 

 

Depois de anunciado o regresso do festival a Portugal para o final de Agosto são agora conhecidos os artistas que passarão pelo palco no jardim da Casa das Artes em Coimbra. O elenco é marcadamente internacional, prometendo repetir a aventura da primeira edição com a aposta em músicos que transcendem géneros e convenções mais imediatas.

AZF, Damien Dubrovnik, D.K., Front de Cadeaux, Gonzo, Joshua Abrams & Natural Information Society, Live Low, Vessel

 

O Les Siestes Électroniques decorre entre 30 de agosto e 1 de Setembro na Casa das Artes Bissaya Barreto com Entrada Livre.

 

 

Sobre os Artistas

 

Damien Dubrovnik

O duo dinamarquês de Christian Stadsgaard e Loke Rahbek está na origem da editora Posh Isolation, sediada em Copenhaga e focada na edição de artistas escandinavos. Os concertos da dupla são únicos e irrepetíveis e não deixam saudades de um concerto clássico. A música deles pode sentir-se como se explodisse alguma coisa a menos de 30 metros.

 

 

D.K.

Produtor residente em Paris, D.K. edita pelas prestigiadas Melody As Truth, Music From Memory’s Second Circle e Antinote, onde editou este ano o EP Riding For A Fall.

As modas retro já não impressionam ninguém e D.K. traz-nos de volta o verdadeiro espírito do house, uma multidão futurista, hedonista, sorridente e sobretudo gente que dança. Música para dar de beber à alma daqueles que querem ser felizes.

 

 

 

Gonzo

O português a viver entre Tenerife e Londres onde fundou a peculiar Discrepant Records.

As suas colagens são uma paisagem com recolhas de sons gravados pelo mundo, música tradicional e de produção própria. De alguma forma tudo isto soa mais natural do que a música deveria ser, como se o som fosse alguém com quem nos cruzamos na rua e olhamos de alto abaixo para depois notar que faz o mesmo.

 

 

Live Low

O quarteto de Ece Canli, Gonçalo Duarte (Equations), Miguel Ramos (Torto, Naco) e Pedro Augusto (Ghuna X) está sediado no Porto onde edita com a conterrânea  Lovers & Lollypops.

Live Low está a criar música popular contemporânea como a música popular devia ter sido sempre. Música com coração e cheia de ideias, onde ouvimos a herança eletro-acústica, muito avant-rock e as recolhas arquivadas por Giacometti e Lopes Graça, como ingredientes para música que perdurará.

 

 

AZF

A histórica DJ francesa é também curadora do festival Qui Embrouille Qui.

Se a sua música fosse um momento era um sábado à noite. Quando as pernas já não obedecem e dançam, dançam tanto que só caindo podemos parar. Catarse e exaustão porque às vezes é disso mesmo que precisamos.

 

 

Joshua Abrams & Natural Information Society

Vindo da cena jazz de Chicago, Joshua Abrams apresenta-se desde 2010 acompanhado por um imprevisível conjunto de músicos, os Natural Information Society.

A América, de onde vem a música de Joshua e dos seus pares vai ser sempre o cenário das nossas aventuras. Pode não ser a terra prometida mas a poesia e os poetas terão sempre ali o seu legado de protesto e amor e é disso que parece ser feita a música deles.

 

Vessel

Conhecemos Seb Gainsborough em 2012 com o EP Order Of Noise já editado pela nova-iorquina Tri Angle de onde mais recentemente publicou o disco Queen Of Golden Dogs.

O tipo é um génio. Álbum após álbum, ele rebenta as expectativas enquanto abraça novas formas de criação para fazer coisas únicas.  A sua música é tão líquida quando sólida, e pode tomar mais formas que o T-1000 enquanto inventa novos significados para a palavra coerência.

 

 

Front de Cadeaux

Ugo e Maurizio estão há 10 anos a aperfeiçoar a forma mais lenta de agitar uma pista de dança tocando discos de 45RPM a 33RPM.

Imaginem que dançam ininterruptamente num grande relvado durante três longas tardes de verão. Front de Cadeaux seriam um beijo suado com que se despedem no fim. Tão lânguido e intenso como um amor de verão. Alguém devia ler um cartaz onde se lesse: vamos amar uma última vez antes que o planeta colapse.

Fins de semana de agosto dedicados ao convívio na Praça da República, em LouléFins de semana de agosto dedicados ao convívio na Praça da República, em Loulé

Praça da República.jpg

 

A Praça da República, em Loulé, irá encerrar ao trânsito automóvel durante os cinco fins de semana do mês de agosto. O fecho decorrerá entre o Largo Bernardo Lopes e o Largo Gago Coutinho (entrada para a Praça da República), de sexta-feira, às 19h00, a segunda-feira, às 6h00.

Esta ação, denominada de “A Praça é nossa”, é levada a cabo pela Câmara Municipal de Loulé (em estreita colaboração com a ACRAL e os comerciantes) e visa melhorar o espaço público, dinamizar e promover o comércio local, assim como permitir às pessoas aproveitarem em pleno a sua cidade, as suas infraestruturas e esplanadas, num espírito de convívio saudável, num passeio em família ou entre amigos.

Os concessionários e operadores do Mercado, ao sábado de manhã, serão autorizados a entrar na Praça da República pela rotunda do Largo Gago Coutinho, para cargas e descargas, nos locais devidamente identificados para o efeito. A Rua 1º de Dezembro passará a ser bidirecional durante esse período (das 19h00 de sexta-feira às 6h00 de segunda-feira), de forma a perturbar o menos possível o bom funcionamento do Mercado.

A Loulé Concelho Global também se juntou a esta iniciativa e irá, nesta zona, auxiliar na coordenação e articulação de forma a facilitar o processo para todos os intervenientes, nomeadamente em período de funcionamento do Mercado Municipal.

Desta forma, a Autarquia convida todos os louletanos a desfrutarem do verão na sua cidade, ao criar, ao fim de semana, mais uma zona pedonal de convívio, bem no centro de Loulé.  

 

CML/GAP /RP

 

Maia Blues Fest | De 20 a 22 de setembro | Auditório exterior Fórum Maia

f61dd46e-f51d-4e77-8b0a-20bcc3cd9f77.jpg

Em Setembro a Maia sorri para… os Blues!

Nos dias 20, 21 e 22 de setembro, a Câmara Municipal da Maia, através do Pelouro da Cultura, com produção da Trovas Soltas, promove a primeira edição do Maia Blues Fest - Festival Internacional de Blues.

Enquadrado nas comemorações dos “500 Anos do Foral da Maia”, este evento com acesso gratuito, é mais uma realização que corporiza a estratégia de aproximação dos maiatos à cultura nas suas múltiplas expressões, potenciando a elevação social, a criatividade e multiculturalidade.

Esta primeira edição conta com a presença de artistas nacionais e internacionais. Dos EUA chega-nos a cantora Shanna Waterstown, da Grã-Bretanha o músico Julian Burdock e, de Espanha, o também músico Danny del Toro. O contingente nacional é representado por Budda Power Blues & Maria João e Delta Blues Riders.



Maia Blues Fest

Dias: 20, 21 e 22 de setembro 2019
Local: auditório exterior do Fórum Maia

20 setembro
Shanna Waterstown
18:30

21 setembro
Julian Burdock e Danny del Toro
18:00

Budda Power Blues & Maria João
21:30

22 setembro
Delta Blues Riders
16:00

Trovas Soltas

A Trovas Soltas, nasce no Porto em Janeiro de 2007 e está sediada na cidade da Maia desde 2009.

Tem no seu curriculum um vasto número de festivais, dos quais destacamos o Matosinhos em Jazz, Gaia Jazz, Gaia Blues, Santa Maria Blues (Santa Maria – Açores), Seia Jazz & Blues, Évora Jazz & Blues, Évora Folk, Arte Fora do Sítio (Matosinhos), Lisbon Blues Fest, Festival Vilar de Mouros 2014, Coimbra em Blues, Porto Blues Fest, Reguengos Wine & Blues Fest.

A Trovas Soltas foi escolhida pela European Blues Union para a organização do European Blues Challenge 2019. Este evento é a “eurovisão” do Blues, o maior evento de Blues da Europa com 22 bandas de 22 países, que teve lugar em Ponta Delgada nos dias 4, 5 e 6 de Abril. 

CCB de Verão, Entrada Livre

ATÉ 12 SET

19H30

QUARTAS-FEIRAS | Jardim das Oliveiras 
Blue Note Trio
SEXTAS-FEIRAS | Jardim das Oliveiras  
Habana Way Trio 

17H00

QUINTAS-FEIRAS |
Caminho Pedonal
 
15 AGO Mick Mengucci
22 AGO Trio Kilôko
29 AGO Barbara Wahnon & Diogo Caetano
12 SET - Mo Francesco e convidados

19H00

DOMINGOS |
Jardim das Oliveiras

18 AGO Alta Cena
25 AGO Maria Anadon Quarteto
1 SET Sebastião Antunes
8 SET Magano

ATÉ 7 SET

21H30

SÁBADOS |
Praça CCB

Ciclo de cinema: Os Meus Pais 

17 AGO My Father, The Genius (2002), de Lucia Small 

24 AGO Bambi (1942), de Walt Disney
31 AGO Paula Rego: Histórias e Segredos (2017), de Nick Willing
7 SET O País das Maravilhas (2014), de Alice Rohrwacher

 

GARAGEM SUL / EXPOSIÇÕES DE ARQUITETURA
Os Ossos da Arquitetura
Curadoria: Mario Rinke
ATÉ 15 SET 10H  ÀS 18H / GARAGEM SUL

A exposição Os Ossos da Arquitetura explora a noção de estrutura e os mecanismos de sustentação de edifícios na prática de projeto de sete ateliers de arquitetura e engenharia. Ao visitar a exposição, para além de descobrir novas obras e projetos, é possível refletir sobre princípios, regras, estratégias e métodos de conceção estrutural.

 

ATÉ 15 SET 
INSTALAÇÃO
JARDINS DE PEDRA

O atelier Barbas Lopes chamou Jardins de Pedra à intervenção em cortiça que este ano transforma a praça do Centro Cultural de Belém no Verão. Jardins de Pedra é uma topografia inquieta, um projeto de chão que reconfigura os modos como habitamos o edifício e abre ao público lugares que ainda são desconhecidos. É nesta instalação que tem lugar o ciclo de cinema ao ar livre Os Meus Pais. Uma parceria com a Amorim Isolamentos.

 


ATÉ 29 SET

 PRAÇA CCB
Exposição REMEMBER de Luís Ramos 

O fotojornalista Luís Ramos mostra-nos vários retratos realizados ao longo de
2013, com pessoas que se manifestavam nas ruas de Lisboa contra as políticas de
austeridade social e económica. Imagens de cidadãos anónimos que materializam um
momento da vida de grande parte da nossa sociedade e do nosso país.

 


ATÉ 2 SET


Reveja a série 2084, Imagine na RTP3.
Ciclo de entrevistas individuais, gravadas ao vivo no CCB, da autoria da Graça Castanheira.

ADRIAN CURRIE 16 AGO | 23H30
LEYLA ACAROGLU 18 AGO | 23H30
ADAM KAMPFF 20 AGO | 23H30
 PHILIPPE RODRIGUEZ 23 AGO | 23H30
GRAÇA FONSECA 26 AGO | 23H30
PAUL MASON 27 AGO | 22H50
NICK DUNN 30 AGO | 23H00
JOSÉ PEDRO SERRA 2 SET | 22H25

 

 

 

AS ACROBACIAS CIRCENSES E A MÚSICA MEDITERRÂNEA ENCANTAM OEIRAS

les p'tit bras.jpg

 

AS ACROBACIAS CIRCENSES E A MÚSICA MEDITERRÂNEA ENCANTAM OEIRAS
Está de volta a XXVII edição do Festival Sete Sois Sete Luas
com um vasto programa de artistas internacionais

A magia da música do mundo mediterrânico e lusófono volta a enriquecer a programação da XXVII edição do Festival Sete Sóis Sete Luas, o habitual evento de verão que anima Oeiras há mais de vinte anos, transformando-a num verdadeiro ponto de encontro de artistas internacionais. Uma iniciativa que conta com o valioso apoio do Município de Oeiras e do programa Europa Criativa.

Muitos são os nomes agendados no programa que, através de uma rica proposta de concertos e espetáculos, no mês de junho, julho e agosto, envolverão na Fábrica da Pólvora de Barcarena, artistas de França, Israel, Itália, La Reunion, Marrocos, Portugal, Cabo Verde, Brasil, Guiné-Bissau e Espanha.

Na abertura do Festival, no dia 20 de junho, às 19 horas,o excecional espetáculo de Yldor Llach, artista catalão circense da companhia francesa de circo aéreo acrobático «Les P’tits Brás», apresenta um original e incrível espetáculo de bicicleta acrobática, em que interage de forma natural e dinâmica com o público e onde as suas virtudes de acrobata ganham a admiração incondicional de participantes de todas as idades, desde os mais jovens aos adultos.

As acrobacias continuarão no dia 23 de junho,sempre às 19 horas, com o espetáculo "Bruits de Coulisses"a nova produção da conhecida companhia francesa de circo aéreo acrobático Les P’tits Brás. Um espetáculo inspirado no universo barroco e no seu ambiente fantástico. O público será convidado a entrar num ambiente teatral do século XVII, onde irá assistir a histórias entre o sonho e a realidade, entre a ilusão e a verdade, com fantasia, poesia e humor. O estilo barroco é a estética de base dos 5 personagens cuja humanidade será inspirada numa liberdade fantástica que vai passar pelas diferentes épocas. O jogo de ilusões do espetáculo “Bruits de Coulisses” inspira-se na ideia barroca segundo a qual “a vida é um teatro”.

Nos meses de julho e agosto, o Festival dará espaço à música com uma rica programação de concertos a decorrer todas as sextas-feiras às 22 horas.

No dia 5 de julho, subirá ao palco Festival Sete Sóis Sete Luas a Orkestra Popular des 7Luas, que animará a noite com música popular portuguesa, ritmos brasileiros e guineenses, melodias andaluzes e ritmos do sul da Itália. Esta produção original do Festival SSSL conta com a participação de 6 prestigiados artistas provenientes das mais diversas culturas musicais enraizadas nos Países da Rede Sete Sóis Sete Luas. Diferentes espíritos do Mediterrâneo e do mundo lusófono reúnem-se nesta orquestra: o percussionista do Brasil Roberto Mello (direção musical), a cantora Barbara Eramo de Itália, o guitarrista andaluz Javier Blanes, o músico portugués Ricardo Coelho (gaita-de-foles e flautas), o cantor da Guiné-Bissau Manecas Costa (voz e baixo) e o italiano Vanni Masala da ilha da Sardenha (acordeão).

E seguida,no 12 de julho, será a vez de apresentar a Maio 7LuasBand. Esta produção também original do Festival Sete Sóis Sete Luas conta com a participação de 5 prestigiados músicos do Maio, uma das ilhas mais periféricas do arquipélago de Cabo Verde. O reportório do grupo aposta em temas criados por compositores da ilha e defende por isso a tradição musical do Maio, utilizando o crioulo, que confere aos seus temas uma emoção especial. Os músicos, Tote Xinoca na voz e cavaquinho, Tó no baixo, Mauro no piano e cavaquinho e Nuno na guitarra foram dirigidos musicalmente pelos mestres José Peixoto e José Barros (Portugal) no âmbito do projeto de cooperação promovido pelo Festival SSSL. Como special guests estão o músico e compositor cabo-verdiano Tibau Tavares e o baterista português André Sousa Machado.

A programação continua no 19 julhocom o concerto da MedArabJewishOrkestra. Esta ambiciosa nova criação musical pretende promover o diálogo intercultural, com a presença de músicos judeus, muçulmanos e cristãos, representativos dos três mundos culturais e religiosos típicos do Mediterrâneo e do sul da Europa. Esta criação pretende oferecer uma contribuição para a aproximação entre as diferentes culturas das duas margens do Mediterrâneo. Conta com a participação de 6 prestigiados mestres representativos de 6 diferentes culturas: Stefano Saletti de Itália (direção musical e bouzouki), Eden Holan de Israel (voz) Arnaud Cance da França (guitarra, voz e acordeão), Harry Perigone da ilha de La Réunion no Oceano Índico (percussões) Soukaina Fahsi de Marrocos (voz) e Carlos Menezes de Portugal (baixo).

Em julho o Festival apresenta o seu último espetáculo no dia 26 com Amiltox diretamente do Pais Basco e retomará no dia 2 de agostocom Les Voix des 7Sóis, concerto de abertura deste mês. Esta criação artística original de 2019 do Festival Sete Sóis Sete Luas, surge do trabalho conjunto de 6 incríveis músicos provenientes das diversas margens do Mediterrâneo, do mundo lusófono e francófono. Todas estas culturas musicais, instrumentos diferentes e jovens talentos internacionais se encontram para partilhar tradições e criar temas musicais inéditos. São o testemunho da possibilidade de compreensão e colaboração, transmitindo as vibrações emocionantes dos Países da Rede do Festival Sete Sóis Sete Luas.

Com a direção musical do compositor, guitarrista e pianista português Nuno Dario, participam nesta orquestra o baixista esloveno Teo Collori, o flautista francês Damien Fadat, o percussionista português Ruca Rebordão e as jovens cantoras Paola Bivona de Itália e Hadil Mechrgui da Tunísia.

O Festival continua o mês de agosto com o concerto de Alessio Boni no dia 9 e Mondoloni no dia 16. A sua música combina um estilo moderno e brilhante com profundas raízes da Córsega: vem de melodias étnicas e tradicionais, transmitidas de geração em geração, que marcaram a vida dos ilhéus durante décadas. Variações, toques pessoais e improvisações desempenham um papel importante dentro desta tradição musical, uma característica encontrada na música de Mondoloni. O seu grupo já realizou centenas de concertos em toda Europa.

Os concertos proseguem também no dia23 de agosto com Manecas Costa e Micas Cabral, duas vozes, dois músicos, que são verdadeiros tesouros do património musical guineense. Os dois apostam num revisitar a Guiné-Bissau através de muitos clássicos, desde o pioneiro da música moderna guineense o grande José Carlos Schwartz às suas próprias canções.

 

A XXVII edição do Festival terminará com os concertos de Caixa de Pandora e Milli Vizcaino, a 30 de agosto e o espetáculo de dança de Bule-Bule a 31 de agosto.

Todos os espetáculos são gratuitos.

Museu de Lamego_7ª edição do Ciclo de Cinema do Museu de Lamego marca regresso de João Botelho

MuseuLamego_CicloCinema2019_Cartaz A4.jpg

O Ciclo de Cinema do Museu de Lamego, pela primeira vez, integrado num plano de descentralização das atividades do museu, a sua extensão aos monumentos do Vale do Varosa, com sessões programadas para os mosteiros de São João de Tarouca e de Santa Maria de Salzedas.

Tema comum aos filmes escolhidos: a Viagem, numa pluralidade de sentidos do termo, e tal como só o cinema, com os seus recursos audiovisuais, no-la permite experienciar. Outra novidade do ciclo em 2019: a exibição de um filme de João Botelho, grande cineasta natural de Lamego, apresentado pelo próprio.

ExpoReg recebe banda britânica Animals and Friends no festival Reguengos Wine & Blues

 

A 27ª ExpoReg – Exposição de Atividades Económicas de Reguengos de Monsaraz vai decorrer entre os dias 14 e 18 de agosto no Parque de Feiras e Exposições da cidade. Neste certame, cerca de uma centena de empresas, empresários e instituições promovem os seus produtos e serviços, realizam contactos e concretizam negócios.

Esta edição da ExpoReg vai ser dedicada à apicultura no Alentejo. Para além das empresas produtoras de mel, haverá também expositores nas áreas do comércio de automóveis, veículos motorizados, bicicletas, máquinas agrícolas, mobiliário, doçaria, produtores de vinho, hotelaria, operadores náuticos, agências de viagens, produtores de queijo, seguros, imobiliário, artesanato, entre outros. O certame terá ainda a exposição de pecuária com dezenas de caprinos, ovinos e bovinos de vários produtores do Alentejo.

A Cerimónia de Abertura da ExpoReg realiza-se na quarta-feira, dia 14 de agosto, pelas 18h, seguindo-se a visita aos expositores. À noite inicia-se a terceira edição do festival internacional Reguengos Wine & Blues, produzido pela empresa Trovas Soltas.

Pelas 22h sobe ao palco a banda portuguesa Delta Blues Riders, vencedora do Portuguese Blues Challenge 2018 e que representou Portugal no European Blues Challenge 2019. Este grupo do Porto é composto por Paulo Veloso (voz, piano, hammond, guitarra, dobro e harmónica), Jorge Loura (guitarra), António Ferro (baixo) e Miguel Pardal (bateria) e no festival vai apresentar um reportório em que reinventa as sonoridades que originaram o Blues.

No segundo concerto da noite, às 23h30, vão ouvir-se os Blues alegres com influências desde o Mississipi até Chicago da banda espanhola Guitar Not So Slim. Liderada pelo canadiano Troy Nahumko (guitarra e voz), esta banda de Cáceres que surgiu há cerca de uma década tem também na sua formação os espanhóis Moi Martin (baixo e voz), José Luis Naranjo (harmónica) e Lalo Gonzalez (bateria). A fechar a noite, a partir da meia-noite e meia hora, haverá uma largada de toiros num recinto junto ao Parque de Feiras e Exposições.

Na quinta-feira, pelas 18h, realiza-se a corrida de toiros comemorativa do 15º aniversário do Grupo de Forcados de Monsaraz. Na Praça José Mestre Batista vão estar os cavaleiros Luís Rouxinol, João Moura Caetano, Manuel Telles Bastos, Duarte Pinto, Francisco Núncio e Marcos Bastinhas. Os forcados de Monsaraz pegam em solitário os toiros da Ganadaria Pinto Barreiros.

Pelas 22h inicia-se a segunda noite do festival internacional Reguengos Wine & Blues com o concerto dos T- Roosters, duo italiano que em 2016 chegou à semifinal do International Blues Challenge, ficando assim nas 20 melhores bandas das 150 que participaram de todo o mundo no concurso realizado em Memphis (Estados Unidos da América). Em Reguengos de Monsaraz, Tiziano “Rooster” Galli (guitarra e voz) e Marco Simoncelli (harpa de Blues) vão interpretar canções dos álbuns “No Monkey but the Blues” (2012), Dirty Again” (2015) e “Another Blues to Shout” (2017), juntando temas originais a músicas da origem do Blues e a novas sonoridades do swing, rock’n’roll e boogie woogie.

A fechar o terceiro Reguengos Wine & Blues, às 23h30, sobe ao palco do festival a banda inglesa Animals and Friends, que teve origem nos The Animals. A banda mantém os membros originais John Steel (bateria) e Mickey Gallagher (voz e teclado), que tocou e gravou discos com Paul McCartney, The Clash, The Blockheads, Robbie Williams, Roger Daltrey e Annie Lennox, ficando a formação composta com Danny Handley (voz e guitarra) e Roberto Ruiz (voz e viola baixo). Os The Animals surgiram no início da década de 1960, tocaram no histórico Festival de Monterrey em 1967, que decorreu na Califórnia (Estados Unidos da América) e teve concertos, entre muitos outros, de Janis Joplin, The Who e Jimi Hendrix.

Em Reguengos de Monsaraz, o único concerto que a banda tem agendado em Portugal, vão tocar os grandes êxitos dos The Animals, como “House of the Rising Sun”, “Don’t Let Me Be Misunderstood”, “Bring It On Home”, “I Put A Spell On You”, “Night and Day”, “We Gotta Get Out Of This Place”, “Ain’t Got You”, “Baby Let Me Take You Home” e “Don’t Bring Me Down”. Até abril do próximo ano, a digressão da banda Animals and Friends inclui cerca de 50 concertos na Dinamarca, Itália, Holanda, Polónia, Reino Unido, França, Bélgica, Finlândia, Suécia, Alemanha e Austrália.

Na sexta-feira, dia 16 de agosto, às 21h30, realiza-se o desfile temático La Zaragutía Mora com o Teatro Samarkanda. Nesta recriação medieval haverá música, fogo e pirotecnia que vão provocar a participação dos espetadores. Pelas 23h realiza-se o concerto com o grupo Rafa e Beltran e a partir da meia-noite e meia hora na pista de dança do Reguengos Emotions vão ouvir-se as músicas misturadas pelo Dj Mikas.

No sábado, entre as 8h30 e as 22h, decorre o Concurso de Saltos Nacional – C no Centro Hípico Municipal. Às 10h inicia-se no auditório do pavilhão multiusos a Conferência “Apicultura no Alentejo – Sustentabilidade Económica e Ambiental”. Nesta conferência haverá comunicações sobre “Nutrição e reservas nutricionais da colmeia”, por Joaquim Pífano, “Apicultura e apicultores no concelho de Reguengos de Monsaraz”, por Célia Freire, e “Mel, um produto do “terroir””, por Vitor Lamberto.

A ExpoReg recebe a partir das 23h o concerto dos Virgem Suta. Esta banda pop/rock de Beja liderada por Jorge Benvinda e Nuno Figueiredo lançou o disco homónimo em 2009, “Doce Lar” em 2012 e “Limbo” em 2015. Em Reguengos de Monsaraz vão ouvir-se os seus grandes êxitos como “Ela Queria”, “Dança de Balcão”, “Linhas Cruzadas”, “Beija-me na Boca”, “Ficou Tanto por Dizer” e “Maria Alice”. A partir da meia noite e meia hora sobe ao palco a banda D&M e haverá uma largada de toiros no recinto junto ao Parque de Feiras e Exposições.

No domingo, último dia da ExpoReg, das 8h30 às 22h continuam a realizar-se as provas do Concurso de Saltos Nacional – C. A fechar, pelas 23h, Mário Moita apresenta o espetáculo “20 anos Sons Ibéricos” para comemorar a data de lançamento do seu primeiro disco. Neste concerto, o cantor reguenguense vai retratar as suas viagens e o que aprendeu nas principais atuações pelo mundo.

Esta digressão de Mário Moita teve início e vai terminar no Brasil, passou por Macau e Hong Kong, e terá ainda atuações em Portugal, Espanha e Dinamarca. O cantor está a preparar para o próximo mês o lançamento de um disco gravado ao vivo no Brasil.

O Parque de Feiras e Exposições vai ter como atividades permanentes a 27ª Exposição de Atividades Económicas, a 24ª Exposição de Pecuária e a tradicional Feira de Santa Maria. A ExpoReg tem entradas gratuitas e o Pavilhão Multiusos vai estar aberto ao público na quarta-feira entre as 18h e a 01h, quinta-feira e sexta-feira das 10h à 01h, e no sábado e no domingo a partir das 17h até à 01h.

PROGRAMAÇÃO AGOSTO/SETEMBRO - ELISA RODRIGUES NO TERRAÇO DO FERROVIÁRIO A 28 DE AGOSTO

Anunciado mais um grande nome do ciclo de concertos ao pôr-do-sol

ELISA RODRIGUES NO TERRAÇO DO FERROVIÁRIO A 28 DE AGOSTO

                                                                                                                                                                                                                                                                                                           

Depois de Rita Redshoes e Manel Cruz, segue-se Elisa Rodrigues no ciclo de grandes concertos do Terraço do FERROVIÁRIO. Programação de agosto/setembro já anunciada.

image002.jpg

 

 

O pôr-do-sol no terraço do FERROVIÁRIO é novamente pano de fundo para um grande concerto em português. Elisa Rodrigues sobe ao palco de um dos terraços mais emblemáticos da cidade para um concerto intimista ao som dos temas de As Blue As Red, e ao pôr-do-sol.

Elisa Rodrigues acumulou nos últimos anos muitas experiências de palco, integrando equipas de outros artistas portugueses ou assumindo o desafio em nome próprio, mesmo que o trabalho se desenvolvesse em equipa. Gravou um álbum de estreia, Heart Mouth Dialogues, em 2011, fazendo confluir para uma linguagem já personalizada o gosto de múltiplas referências e a aprendizagem com distintas (em mais do que um sentido...) influências, em especial aquela que lhe valeu, sobretudo no meio musical, passar a ser identificada como uma voz do jazz, pela proximidade, pela identidade e pela liberdade.

Foi recrutada para gravar com a banda britânica These New Puritans, assumindo essa responsabilidade no álbum Field Of Reeds, de 2013, acabando por manter esse posto de destaque na digressão intercontinental do grupo. No âmbito dos concertos, tornou-se uma presença familiar e desejada pelos mais atentos às movimentações musicais por cá, marcando presença em reuniões de largo espectro em território nacional (os festivais Vodafone, Mexefest, Cool Jazz, MED, Douro Jazz), deixando a sua impressão digital em palcos internacionais de enorme exigência (como o da sala londrina The Barbican ou do mítico Hollywood Bowl, em Los Angeles).

Quarta-feira, dia 28 de agosto, às 20h00. Entrada – 10€. Bilhetes à venda aqui.

Programação FERROVIÁRIO AGOSTO/SETEMBRO:

 

18 de agosto

Terraço

Pedro Madaleno U.n.derpressure (concerto) I DJ Ketzal

19h00

Entrada livre

Evento

 

28 de agosto

Terraço

Elisa Rodrigues (ciclo grandes concertos Ferroviário)

20h00

10 euros

Evento

 

1 de setembro

Terraço

Mazarin

19h00

Entrada livre

 

5 de setembro

Sala TGV

Burlesque Star Wars

22h30

9 euros (com uma bebida)

Evento

 

12 de setembro

Sala TGV

22h30

Twist Connection (concerto)

8 euros

 

21 de setembro

Final Concurso Smooth FM

 

 

HORÁRIOS FERROVIÁRIO
Quarta-feira e quinta-feira das 18h00 às 1h00
Sexta-feira das 18h00 às 3h00
Sábado das 17h00 às 3h00
Domingo das 17h00 às 00h00

Encerra segunda e terça-feira

HORÁRIOS RESTAURANTE FERROVIÁRIO

Quarta-feira e quinta-feira das 19h00 às 00h00
Sexta-feira e sábado das 19h00 às 1h00
Domingo das 19h00 às 23h00

Encerra segunda e terça-feira

RESERVAS

217651869

MORADA

Rua de Santa Apolónia, 59 – LISBOA

#ferroviariobarterraco

INSTAGRAM

FACEBOOK