Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

LOULÉ E LAGOS LANÇAM 16ª EDIÇÃO DO CONCURSO LITERÁRIO

Cartaz_16 CL Sophia.jpg

 

Naquela que já é uma tradição na vida escolar algarvia, as Autarquias de Loulé e Lagos, através das suas Bibliotecas (Sophia de Mello Breyner Andresen e Júlio Dantas), voltam a juntar-se para lançar mais uma edição - a 16ª - do Concurso Literário Sophia de Mello Breyner Andresen, iniciativa que tem como principal objetivo incentivar para a leitura das obras de Sophia de Mello Breyner Andresen.

O concurso destina-se aos estudantes do 2º e 3º ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário ou equiparado, da região do Algarve. São admitidos trabalhos de Poesia, Prosa ou Ensaio, em língua portuguesa, e Ilustração (originais e inéditos até à data da decisão final), que incidam sobre a obra literária de Sophia, devendo os mesmos indicar a obra original sobre a qual refletem.

Os trabalhos apresentados terão que estar identificados com pseudónimo e ano de escolaridade do aluno. No caso de um autor apresentar mais do que um trabalho a concurso, os pseudónimos devem ser diferentes para cada um deles.

Os trabalhos a concurso devem ser entregues até ao dia 26 de fevereiro de 2022, na Biblioteca Municipal de Loulé ou na Biblioteca Municipal de Lagos.

O júri é constituído por um representante da Câmara Municipal de Loulé, da Câmara Municipal de Lagos, da Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, da DGESTE – Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DSR-Algarve) e um autor convidado.

Este concurso tem uma periodicidade anual e a entrega de prémios, que decorre de forma rotativa, acontece nesta edição na Biblioteca de Loulé, a 23 de abril de 2022.

 

 

 

 

Os prémios são entregues em cartões-oferta a levantar em livrarias locais, nos concelhos de Loulé ou Lagos. O júri atribui quatro prémios a cada nível de escolaridade, dois por categoria - modalidade de Texto (Poesia, Prosa, Ensaio) e modalidade de Ilustração: 1º Prémio: cartão-oferta no valor 400€ + diploma de participação; 2º Prémio: cartão-oferta no valor 200€ + diploma de participação. existe a possibilidade de atribuir menções honrosas: livros + diploma de participação.

Para as escolas frequentadas pelos alunos premiados são oferecidos livros, como contributo às Bibliotecas Escolares.

Mais informações através dos emails biblioteca@cm-loule.pt ou biblioteca@cm-lagos.pt

É de salientar que o Concurso Literário Sophia de Mello Breyner tem-se assumido como um importante veículo de promoção dos hábitos de leitura junto dos estudantes algarvios, bem como do legado de um dos nomes maiores da Literatura Portuguesa.

 

CML/GAP /RP

Da garrafa para as paredes do Porto: Cockburn's lança concurso street art

Inscrições abertas até dia 7 de setembro

The Cockburn's Port e Montana Colors Unexpected St

 

 

Desafio surge no âmbito do lançamento dos novos Portos “Tails of the Unexpected” e visa dar visibilidade à criação artística e jovens artistas

 

A Cockburn’s, uma das casas líder do setor do vinho do Porto, detida pela Symington Family Estates, acaba de lançar um concurso de street art, em colaboração com a marca de tinta Montana Colors, com vista a promover a criação artística. Os artistas selecionados serão desafiados a pintar o exterior de um edifício em Vila Nova de Gaia (perto do Cockburn’s Port Lodge). A iniciativa surge no âmbito do lançamento dos novos Portos “Tails of the Unexpected” – marcados pelo grafismo dos rótulos e packaging irreverente –, que vão ao encontro do posicionamento da Cockburn’s: uma marca de vinho do Porto arrojada que pretende cativar públicos mais jovens.

 

Os interessados em participar no desafio, intitulado The Cockburn’s & Montana Colors Porto Unexpected Street Art Competition, devem enviar as suas informações pessoais e portfólio para streetart@cockburns.com até ao dia 7 de setembro. No total serão selecionados doze artistas. Cada um vai ter direito a 100 euros em material Montana para preparar a sua criação, que deverá ser inspirada no Douro, Porto, Vila Nova de Gaia ou no vinho do Porto. Os participantes têm de ter mais de 18 anos.

 

O concurso irá decorrer durante o dia 18 de setembro. As criações vão ser avaliadas por um júri composto por grandes nomes do mundo da street art portuguesa – Contra, Fedor e Frederico Draw – e ainda por um representante da Symington. No final, artistas, visitantes e curiosos podem deslocar-se ao terraço das caves da Cockburn’s para mais um evento inesperado. Num ambiente descontraído e irreverente, o momento irá misturar vários tipos de arte: os cocktails da nova gama “Tails of the Unexpected”, a fogueira da cozinha do Belos Aires e a atuação do DJ João Dinis. A iniciativa arranca às 18h00 com o DJ Set.

Sobre a Symington Family Estates

Os Symington, de ascendência escocesa, inglesa e portuguesa, são produtores de vinho do Porto no norte de Portugal, desde 1882. Há cinco gerações que conjugam a sua paixão de produzir vinhos, em especial vinhos do Porto, de elevada qualidade com o seu forte compromisso com a região e as suas pessoas. Hoje, dez membros da família Symington trabalham nas suas quatro famosas casas de vinho do Porto – Graham’s, Cockburn’s, Dow’s e Warre’s –, bem como nos seus projetos de vinhos do Douro: Quinta do Vesúvio, Quinta do Ataíde, Altano, Prats & Symington (Chryseia) e, o seu mais recente, Quinta da Fonte Souto, no Alto Alentejo. A Symington Family Estates é um dos principais produtores de Portos premium e a família é a principal proprietária de vinhas no Douro, com 26 quintas a perfazer 2.420 hectares, dos quais 1.114 de vinha. As vinhas são geridas sob princípios de sustentabilidade, sendo que 130 hectares têm certificação biológica – a maior área de vinha biológica no Douro. A família tem efetuado investimentos significativos em I&D na viticultura, para adaptação às alterações climáticas, e promove um ambicioso plano de sustentabilidade denominado ‘Missão 2025’, que integra um conjunto de metas. Em 2019, a empresa alcançou a certificação B Corporation, tornando-se na primeira empresa de vinhos em Portugal a dar este importante passo, juntando-se a uma comunidade global empresarial auditada segundo os mais elevados padrões de responsabilidade social e ambiental, com o compromisso de usar o negócio como uma força para o bem.

No Dia Mundial da Fotografia - Porto de Lisboa relança Desafio de Fotografia

Porto de Lisboa relança Desafio de Fotografia

  • Prémios  para as melhores fotografias
  • Idade mínima de concorrentes baixa para 16 anos
  • Prazo alargado para 15 de outubro de 2021

 

No Dia Mundial da Fotografia, e depois de uma suspensão de alguns meses, devida ao confinamento, a Administração do Porto de Lisboa retoma o Desafio de Fotografia "1 porto, 2 margens, 11 municípios, 200Km para fotografar, convidando a fotografar o Tejo e as suas margens, paisagens e singularidades de toda a zona ribeirinha.

 

Foi alargado o prazo para entrega de trabalhos até 15 de outubros, reduzida para 16 anos a idade mínima dos participantes e, não menos importante, adicionada uma novidade bastante interessante: prémios para distinguir os melhores trabalhos apresentados!

 

Foram reforçados os motivos de participação no Desafio de Fotografia "1 porto, 2 margens, 11 municípios, 200Km para fotografar com a atribuição de prémios para as três melhores fotografias:

1º Prémio - €1.500,00 e foto ampliada e exposta na Gare Marítima de Alcântara; 2º Prémio – €700,00; 3º Prémio - €300,00, escolhidas por um júri nomeado pela APL. As fotografias devem ser enviadas para participação através do endereço: desafio.200km@portodelisboa.pt.

 

Recorde-se que o Desafio de Fotografia "1 porto, 2 margens, 11 municípios, 200Km para fotografar foi lançado no âmbito do 133º aniversário do Porto de Lisboa, e inicialmente podiam ser submetidos trabalhos até 31 de março de 2021. Devido à pandemia, que desaconselhava a livre circulação das pessoas, a iniciativa foi suspensa, retomando-se agora, com prazo alargado para entrega de fotografias até ao dia 15 de outubro de 2021.

 

Consultar regulamento em: https://www.portodelisboa.pt/desafio-fotografia-porto-lisboa

 

São 200 km de margem e os territórios dos onze municípios que abraçam o estuário do Tejo e confinam com o Porto de Lisboa: Alcochete, Almada, Barreiro, Benavente, Lisboa, Loures, Moita, Montijo, Oeiras, Seixal e Vila Franca de Xira, que estão ao alcance de um clique.

 

Os participantes terão de identificar sempre os pontos geográficos onde são captadas as imagens e devem ter as dimensões mínimas de 4252 pixels, do lado maior da imagem, com o tamanho de imagem de 300 DPI.

 

Convidamos todos a participar!

Ricoh lança concurso de fotografia para sensibilização sobre a doença de Alzheimer

Numa parceria com o Instituto Português de Fotografia (IPF), “Uma Memória para Nunca mais Esquecer… o Passado foi Memorável, o Futuro é Digital” é o mote lançado a todos aqueles que queiram participar.

 

image001 (1).png

 

Uma Memória para Nunca Mais Esquecer… o passado foi memorável, o futuro é digital” é o tema do concurso lançado pela Ricoh, em parceria com o Instituto Português de Fotografia (IPF), no dia 22 de julho e terminará um mês depois (22 de agosto). O objetivo é desafiar a comunidade a partilhar imagens de momentos, que não querem mesmo esquecer, no sentido de sensibilizar a população sobre a doença de Alzheimer. As fotografias a concurso serão selecionadas e posteriormente avaliadas por um júri, que escolherá as 25 finalistas, sendo que serão apurados três vencedores.

 

“Com o projeto Printed Memories Corporate Social Responsibility da Ricoh, lançado em 2017 e a nível europeu, procuramos apoiar a causa da doença de Alzheimer. Esta ação enquadra-se nos nossos valores fundamentais e no nosso compromisso com os ODS, contribuindo para a sensibilização da problemática da doença. Por isso, queremos continuar a contribuir para a informação e sensibilização da comunidade, sobretudo daqueles que sofrem com esta doença, como já temos feito através da contribuição da nossa tecnologia inovadora e experiência ao serviço das terapias da memória e da psicoestimulação com várias instituições”, explica Ramon Martin, Ceo da Ricoh Espanha e Portugal. “Sendo o Alzheimer uma doença que nos provoca o esquecimento, decidimos que o melhor mote para sensibilizar a população seria captar aquilo que realmente queremos que perdure na nossa memória, e é esse desafio que agora lançamos”, acrescentou.

 

“O Instituto Português de Fotografia congratula-se por participar nesta iniciativa da Ricoh, como membro do júri e com a oferta do Curso Inicial de Fotografia ao segundo classificado. Para além da parte lúdica deste concurso, o mais importante é o que lhe está subjacente: a sensibilização para uma doença que progride silenciosa – a doença de Alzheimer. A fotografia tem, entre outras, a função de nos fazer lembrar e não nos deixar esquecer. Fazer lembrar é como trazer de trás para a frente, vir à memória. Não nos deixar esquecer, é não deixar sair da memória. O Instituto Português de Fotografia, nos seus mais de 50 anos de existência, já participou em inúmeras iniciativas de responsabilidade social, mas raras vezes a causa e a fotografia se aliam de forma tão virtuosa como neste desafio proposto pela Ricoh”, afirma José Sarmento, Diretor do IPF.

 

Os vencedores serão premiados com: uma máquina fotográfica Ricoh Theta que capta imagens a 360º (1º prémio); um curso de fotografia no IFP (2ª prémio); um tablet (3º prémio). As fotografias devem ser enviadas para o email ynporto@gmail.com e a foto deve ser acompanhada de um título e uma pequena descrição de 1500 caracteres com espaços sobre a história que essa imagem representa, juntamente com a ficha de participação.

 

Posteriormente, haverá uma exposição itinerante das fotografias finalistas, que percorrerá vários pontos do País e há ainda o objetivo de ser lançado um livro com as 25 fotografias e histórias finalistas, que será apresentado no dia 21 de setembro, data em que se comemora o Dia Mundial do Alzheimer. As vendas do livro reverterão a favor da Alzheimer Research, instituição de solidariedade e investigação líder a nível mundial na procura de uma cura para a demência e que é parceira da Ricoh no programa Printed Memories. Este programa, que teve início em 2017, visa sensibilizar as comunidades de todo o mundo para a problemática da doença de Alzheimer, que é uma das principais causas de morte na Europa, através de ações de voluntariado e de angariação de fundos. 

 

Pode consultar o regulamento do concurso aqui.

Município da Moita: X Bienal de Pintura de Pequeno Formato – Prémio Joaquim Afonso Madeira

Município da Moita

X Bienal de Pintura de Pequeno Formato – Prémio Joaquim Afonso Madeira

Pedro Espanhol, com a obra “Backsider #3”, foi

 

A Câmara Municipal da Moita aprovou, por unanimidade, na sua reunião de 9 de dezembro, as Normas de Participação na X Bienal de Pintura de Pequeno Formato e o respetivo Prémio Joaquim Afonso Madeira, no valor de 1000 euros.

 

A Bienal de Pintura de Pequeno Formato – Prémio Joaquim Afonso Madeira é uma organização conjunta da Câmara Municipal da Moita, Junta de Freguesia de Alhos Vedros e CACAV - Círculo de Animação Cultural de Alhos Vedros e pretende ser um incentivo à criação artística, no domínio da pintura, através do apoio aos artistas, na valorização do seu trabalho e no encontro deste com a comunidade. As inscrições decorrerão de 1 a 31 de março de 2021.

 

Na mesma reunião, foi aprovada, por unanimidade, a atribuição de um apoio extraordinário no valor total de 2000 euros às comissões de festas de Sarilhos Pequenos, Gaio-Rosário, Alhos Vedros e Vale da Amoreira e Baixa da Banheira. A situação de pandemia impossibilitou a realização das iniciativas programadas, o que trouxe dificuldades acrescidas às comissões de festas para fazerem face às despesas já comprometidas. Este apoio extraordinário visa responder a despesas inadiáveis das comissões de festas.

Está aí o Concurso Sardinhas Festas de Lisboa 2020 e nesta décima edição não há desculpas, participar é obrigatório!

39612eae-9f68-4d1e-a79e-6a905e67ad92.jpg

 

 
Chegamos ao 10.º Concurso Sardinhas Festas de Lisboa e este ano não há desculpas. Criámos todas as condições para que todos, mesmo todos, façam desta uma edição histórica.
 
Organizada pela EGEAC, a competição arranca hoje e até 6 de abril está aberta a todos: aos que já participaram, aos que deixaram de participar, aos que participam todos os anos, aos que nunca participaram. Portugueses ou estrangeiros, de todas as idades, em grupo ou individualmente, o que interessa é participar!
 
Todas as sardinhas são bem-vindas, até mesmo aquelas que ficaram na gaveta e que agora podem ser recicladas e reinventadas. Mas há mais. Além do envio digital, voltamos a aceitar propostas em três dimensões para quem prefere o correio tradicional.
 
A liberdade é total, não há um tema, mas quase tudo pode servir de pretexto para concorrer: Desenha uma sardinha. Sem espinhas!
 

Pelo segundo ano consecutivo, e depois de centenas de candidaturas, levamos este concurso até às escolas, com a Turma da Sardinha – competição exclusivamente destinada aos alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do ensino básico.
 
Convençam os professores, para tornar esta competição escolar ainda mais renhida. No ano passado a vencedora foi a Escola Marques de Castilho, em Águeda. Quem sabe este ano seja a vossa!
 
Para assinalar a décima edição do concurso, vamos eleger mais uma sardinha num total de seis vencedoras que se juntam à premiada na Turma da Sardinha, cada uma delas com um prémio no valor de 1.500€.
 
À semelhança do ano passado cabe ao público a atribuição de menções honrosas, que nesta edição serão três, através de uma votação nas redes sociais.

Feitas as contas, iremos distinguir 10 sardinhas e todas serão protagonistas da campanha de comunicação das Festas de Lisboa’20.
 
Os vencedores serão anunciados até 31 de maio.
 
Se ao número redondo do concurso somarmos este ano da Lisboa Capital Europeia Verde, então é com redobrado espírito de missão que partimos para mais um mês intenso de criatividade. Porque tal como o ambiente, a Sardinha é uma missão de todos nós!
 
Não há desculpas. Desenha uma Sardinha. Sem espinhas!
 
 

O regulamento do Concurso está disponível
no site www.culturanarua.pt

Todas as dúvidas podem ser esclarecidas através das FAQ ou remetidas para a EGEAC, através do endereço: 
concursosardinhas@culturanarua.pt

Rua vence 5.º Concurso de Bandas Amadoras de Palmela

 

Rua.jpg

 

A banda Rua (Almada) é a vencedora do 5.º Concurso de Bandas Amadoras de Palmela - Warm Up “Março a Partir”. A final teve lugar no sábado, 29 de fevereiro, na Sociedade de Instrução Musical de Quinta do Anjo. Em segundo lugar, ficaram os Band’It (Setúbal), em terceiro, os Drain (Almada) e em quarto, os Chizzler (Amora). Os Nameless Theory atuaram como banda convidada.

O vencedor recebeu 600 euros, o segundo classificado 350 euros, o terceiro 250 euros e o quarto 100 euros. Os Imperial Stones (Poceirão) foram a banda do concelho de Palmela melhor classificada no Concurso e, por isso, vão ter a oportunidade de representar o concelho no Festival Liberdade 2020, nos dias 3 e 4 de julho, em Quinta do Conde (Sesimbra). Todas a bandas selecionadas e não premiadas (com exceção das suplentes) receberam uma oferta de participação.

Promovido pela Câmara Municipal de Palmela, em parceria com as associações juvenis, grupos informais de jovens e outras entidades que trabalham diretamente com a população juvenil do concelho, o Concurso é, anualmente, uma rampa de lançamento para os jovens talentos da região e integra também o Plano de Ação “Palmela é Música”. O Concurso deu o “pontapé de saída” para a 25.ª edição do “Março a Partir”- Mês da Juventude, repleto de atividades especialmente pensadas para os jovens, por todo o concelho, em áreas como o desporto, teatro, dança ou música.

Abertas candidaturas para 3ª edição da Bolsa Amélia Rey Colaço

Bolsa Amélia Rey Colaço.jpg

 

 

 

 

O Teatro Nacional D. Maria II, o Centro Cultural Vila Flor, O Espaço do Tempo e o Teatro Viriato voltam a associar-se para apoiar a produção de espetáculos de jovens artistas e companhias emergentes, através da 3ª edição da Bolsa Amélia Rey Colaço, cujo período de candidaturas se inicia hoje e estende até dia 27 de março.

 

Criada em 2018, em homenagem à atriz e encenadora Amélia Rey Colaço, pelo seu importante papel na História do Teatro Português, esta Bolsa tem como objetivo promover a renovação da criação teatral portuguesa, através do apoio à produção de novos espetáculos.

 

Com um montante pecuniário de 22.000€, a Bolsa Amélia Rey Colaço destina-se a apoiar a produção do projeto vencedor que, na edição de 2020, terá ainda acesso a 4 residências artísticas e espaço de criação e apresentação. A estreia do projeto vencedor terá lugar em junho de 2021, no Centro Cultural Vila Flor, seguindo-se depois uma digressão pelos restantes espaços que integram a Bolsa Amélia Rey Colaço – O Espaço do Tempo, Teatro Nacional D. Maria II e Teatro Viriato.

 

O período de candidaturas para a 3ª edição da Bolsa Amélia Rey Colaço decorre de 2 a 27 de março de 2020 e podem candidatar-se criadores nacionais e estrangeiros residentes em Portugal que, em nome individual ou coletivo, tenham assinado um máximo de cinco encenações ou criações. O anúncio do projeto vencedor será feito a 15 de maio de 2020 n’O Espaço do Tempo, em Montemor-o-Novo, na noite de estreia do espetáculo Aurora Negra, vencedor da edição anterior da Bolsa.

 

Em dois anos consecutivos, a Bolsa Amélia Rey Colaço apoiou já a criação de dois espetáculos de jovens artistas: Parlamento Elefante, de Eduardo Molina, João Pedro Leal e Marco Mendonça (vencedor da edição de 2018) e Aurora Negra, de Cleo Tavares, Isabél Zuaa e Nádia Yracema (vencedor da edição 2019).

 

 

Mais informações e candidaturas aqui.

Concurso de Bandas Amadoras: conheça as primeiras finalistas!

Mês da Juventude em Palmela

 

Chizzler.jpg

 

As bandas Rua (Almada) e Chizzler (Amora) já têm lugar garantido na final do 5.º Concurso de Bandas Amadoras de Palmela - Warm Up “Março a Partir”, marcada para 29 de fevereiro, às 22h00, na Sociedade de Instrução Musical de Quinta do Anjo.

A 1.ª eliminatória realizou-se no último sábado, 8 de fevereiro, na Sociedade de Recreio e Instrução 1.º de Maio da Asseiceira (Poceirão) e contou ainda com a participação dos Koa Leaves (Pinhal Novo) e dos Imperial Stones (Poceirão) e com a atuação dos Paper Hearts como banda convidada.

É já no próximo sábado, 15 de fevereiro, que vão ser conhecidos os nomes das bandas que se vão juntar às duas finalistas já apuradas. A 2.ª eliminatória começa às 22h00, no Rancho Folclórico “Os Rurais” da Lagoa da Palha e Arredores (Pinhal Novo), e terá a participação dos Drain (Almada), Band'It (Setúbal), Blondes (Poceirão), EL Bórgia (Pinhal Novo) e dos Nameless Theory, como banda convidada.

O vencedor do Concurso receberá 600 euros, o segundo classificado 350 euros, o terceiro 250 euros e o quarto 100 euros. A banda do concelho de Palmela melhor classificada terá a oportunidade de representar o concelho no Festival Liberdade 2020. Todas a bandas selecionadas e não premiadas (com exceção das suplentes) vão receber uma oferta de participação.

Promovido pela Câmara Municipal de Palmela, em parceria com as associações juvenis, grupos informais de jovens e outras entidades que trabalham diretamente com a população juvenil do concelho, o Concurso antecede a 25.ª edição do “Março a Partir”- Mês da Juventude e é, anualmente, uma rampa de lançamento para os jovens talentos da região. O Concurso integra também o Plano de Ação “Palmela é Música”.

 

 

Concurso de Bandas Amadoras: 1.ª eliminatória disputada no sábado

Concurso de Bandas Amadoras de Palmela.jpg

 

As bandas Koa Leaves (Pinhal Novo), Rua (Almada), Imperial Stones (Poceirão) e Chizzler (Amora) participam, já no próximo sábado, 8 de fevereiro, na 1.º eliminatória do 5.º Concurso de Bandas Amadoras de Palmela - Warm Up “Março a Partir”. A eliminatória está marcada para as 22h00, na Sociedade de Recreio e Instrução 1.º de Maio da Asseiceira (Poceirão) e vai também contar com a atuação dos Paper Hearts como banda convidada.

Na 2.ª eliminatória, a 15 de fevereiro, às 22h00, no Rancho Folclórico "Os Rurais" da Lagoa da Palha e Arredores (Pinhal Novo), participam os Drain (Almada), Band'It (Setúbal), Diogo Guima (Pinhal Novo), EL Bórgia (Pinhal Novo) e os Nameless Theory, como banda convidada.

A final é disputada a 29 de fevereiro, às 22h00, na Sociedade de Instrução Musical de Quinta do Anjo, pelas bandas classificadas em primeiro e segundo lugar em cada uma das eliminatórias.

O vencedor receberá 600 euros, o segundo classificado 350 euros, o terceiro 250 euros e o quarto 100 euros. A banda do concelho de Palmela melhor classificada terá a oportunidade de representar o concelho no Festival Liberdade 2020. Todas a bandas selecionadas e não premiadas (com exceção das suplentes) vão receber uma oferta de participação.

Promovido pela Câmara Municipal de Palmela, em parceria com as associações juvenis, grupos informais de jovens e outras entidades que trabalham diretamente com a população juvenil do concelho, o Concurso antecede a 25.ª edição do “Março a Partir”- Mês da Juventude e é, anualmente, uma rampa de lançamento para os jovens talentos da região. O Concurso integra também o Plano de Ação “Palmela é Música”.