Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Filma a Tua Cidade é o desafio do CineClube Seixal

image003 (1).jpg

 

A Câmara Municipal do Seixal vai promover o CineClube Seixal – Mostra e Concurso de Curtas-Metragens. A fase de candidaturas decorre até 19 de novembro, podendo ser efetuadas através do email seixalcineclube@gmail.com, com os seguintes dados: nome, idade, freguesia de residência e contacto telefónico; escola e ano de escolaridade (se aplicável); breve sinopse/história do filme a realizar; nota de motivação para aprender a fazer um filme.

 

CineClube Seixal – Mostra e Concurso de Curtas-Metragens decorre ao longo do ano letivo 2022-2023 e é um projeto de criação de filmes, com o tema «Filma a Tua Cidade», que pretende incentivar a criatividade artística dos jovens e contribuir para a sua formação cultural integral, estimulando a sua aproximação às artes e à participação cívica na valorização e respeito pelo território. O CineClube Seixal procura ainda criar condições de aprendizagem e de desenvolvimento da análise de diversos temas através das potencialidades da linguagem cinematográfica.

 

«Associar o dinamismo e a criatividade da juventude ao conhecimento e divulgação do nosso território são duas componentes deste projeto dirigido aos jovens do concelho», salienta o presidente da Câmara Municipal do Seixal, Paulo Silva.

 

Dirigido a jovens entre os 15 e os 20 anos, residentes no concelho do Seixal, podendo participar individualmente ou em grupos (até ao máximo de três elementos), este projeto possibilita aos participantes aprender a fazer um filme baseado no tema, com uma equipa que os irá orientar desde a produção, à escrita do guião, à realização e montagem do filme, e que disponibiliza todo o material necessário para fazer a curta-metragem.

 

Após a receção das candidaturas, serão selecionadas um máximo de 17 ideias/candidaturas para filme, tendo por base a qualidade e coerência demonstrada na sinopse/história descrita na candidatura.

 

O CineClube Seixal – Mostra e Concurso de Curtas-Metragens realiza-se de 3 de dezembro de 2022 a junho de 2023, em duas fases: formação e mostra final em sala de cinema.

 

A fase de formação para os projetos selecionados ocorrerá num espaço a designar, às quintas- feiras, das 18.30 às 20.30 horas e/ou aos sábados das 14.30 às 16.30 horas.

 

Assim que finalizados os projetos, é realizada a mostra de curtas-metragens, numa apresentação pública, com convidados e com um júri que fará uma análise crítica aos filmes apresentados.

 

Todas as condições de participação poderão ser consultadas em cm-seixal.pt.

Concerto de Laureados do IX Concurso de Composição para Orquestra de Sopros | Fundação INATEL e Banda do Exército | * ENTRADA LIVRE * | 16 de novembro | Cineteatro Capitólio | Lisboa

IX EDIÇÃO DO CONCURSO DE COMPOSIÇÃO PARA ORQUESTRA DE SOPROS DA FUNDAÇÃO INATEL E BANDA SINFÓNICA DO EXÉRCITO

Concerto de Laureados

*ENTRADA LIVRE*

image006.png



O Prémio de Composição para Orquestra de Sopros conta já com nove edições e surge da colaboração entre a Fundação INATEL e Banda Sinfónica do Exército, iniciativa que se realiza com um Concerto de Laureados, dia 16 de novembro 2022, às 21h30, no Cineteatro Capitólio - Parque Mayer.

A colaboração entre as Bandas Militares e a INATEL é histórica e decorre desde o tempo da extinta FNAT. Esta parceria desenvolve-se quer sob a forma de ocupação dos tempos livres, através de concertos, como no incentivo à formação e ao estímulo criativo dos jovens músicos. Foi na senda deste último vetor, que surgiu o Concurso de Composição para Orquestra de Sopros com o objetivo de fomentar e valorizar a escrita musical para esta formação, no sentido de renovar repertórios, mas também de incentivar o interesse de novos compositores para Banda.

Este Concurso premiou mais de uma dezena de compositores, tais como: Nelson Jesus, Vasco Valente, Rui Rodrigues, entre outros, desde 2012. Estas obras mereceram edição em partitura e audição, em concerto.



*Entrada Livre*
Confirmação obrigatória
pelo telefone 210 027 150
(2ª a 6ª das l0h às 13h e das 14h às 18h) ou para cultura@inatel.pt>
sujeito à lotação da sala

Ponte...nas ondas! entrega os prémios da V Edição do Concurso “As imagens do património”

  • Alunos dos concelhos de Barcelos e Póvoa de Varzim, em Portugal, e de Teo, Salceda de Caselas, Gondomar, Santiago de Compostela, Mondoñedo e Salvaterra de Miño, na Galiza, sairam vencedoras do concurso, que entrega os seus prémios num evento didáctico em Valadares (Vigo) no Dia Mundial do Património.

  • Escolas de toda a Galiza e do Norte de Portugal participaram na recolha de imagens significativas do património imaterial

  • As fotografias passarão a fazer parte do arquivo virtual do património imaterial galego-português

  • O embaixador de Espanha na UNESCO, José Manuel Rodríguez Uribes visitará no dia 16 de novembro o CEIP 6 do Nadal em Vigo, um centro educativo do modelo Ponte...nas ondas!

 

O Auditório do Centro Veciñal e Cultural de Valadares em Vigo acolherá esta quarta-feira 16 de novembro, coincidindo com o Dia Internacional do Património, o acto de entrega dos prémios do 5º Concurso “As imagens do património” Imaterial Galego-Português.

Será num evento conduzido por alunos das próprias escolas participantes, que estarão nos microfones da emissora anfitriã, Radio Piratona, que emite há mais de trinta anos em colaboração com a Comunidade de Montes de Valadares e o Centro Veciñal e Cultural de Valadares. Durante o acto, os alunos premiados farão leituras dos textos explicativos das imagens galardoadas (Textos que podem encontrar aqui: http://pontenasondas.org/v-certame-de-fotografia-imaxes-do-patrimonio-as-ganadoras/).

Durante a mesma jornada, o embaixador de Espanha na UNESCO, José Manuel Rodríguez Uribes, estará em Vigo coincidindo com o Dia Mundial do Património, na próxima quarta-feira 16 de novembro, para se reunir com Ponte...nas ondas! e apoiar a sua inscrição como modelo de boas práticas com o Património Cultural Imaterial. Igualmente, durante essa jornada o embaixador visitará o CEIP 6 do Nadal em Vigo, um centro educativo do modelo Ponte...nas ondas!

No acto está também prevista a participação da Ministra de Educação, Pilar Alegría, o secretario geral de Políticas Culturais, Anxo Lorenzo, a directora geral do Património Cultural, Carmen Martínez Insua, e a a presidente da Delegação de Pontevedra, Carmela Silva. O evento será transmitido também por streaming através da web de Ponte...nas ondas!

 

Imagens da memória

Um emigrante na sua radio na Argentina, mulheres nos lavadouros da Praça de Abastos de Ourense, o barco que levou um emigrante português ao Brasil, o rancho de reis no Val de Caselas, um balneário da Póvoa de Varzim no começo de século, uma família emigrada na França perto da Torre Eiffel... São alguns dos cenários que podemos ver nas fotografias premiadas no V Concurso de Fotografia “As imagens do património” convocado durante o passado ano escolar pela Associação Cultural e Pedagógica Ponte...nas ondas!

O júri destacou a grande qualidade das imagens recebidas, assim como os textos que acompanhavam as fotografias com referencias explicativas. No total premiaram-se oito imagens nas categorias de ensino primário e secundário, sobre um total de cerca de quinhentas imagens recebidas a concurso.

Formaram o júri Anxo Cabada professor e fotógrafo, Xerardo Pereiro professor e antropólogo, Cristina Sánchez-Carretero investigadora e antropóloga e Xerardo Feijoo membro da Associação Cultural e Pedagógica Ponte…nas ondas! actuando como secretario com voz e sem voto. Os júris e a associação agradecem aos centros de ensino, professores e alunos a sua participação nesta quinta edição do concurso.

 

Prémios podcasts

Pelo segundo ano consecutivo, o concurso incluiu também a convocatória de um suplemento para a criação de podcasts sobre as imagens. Uma forma de participar em que os alunos tenha a oportunidade de perguntar às pessoas relacionadas com as fotografias, familiares, vizinhança, etc. sobre as instantâneas e o seu contexto.

Neste suplemento, na categoria de ensino primário o primeiro prémio foi para um podcast conjunto que abrange oito fotos sobre diversos elementos do património, e que foi elaborado por alunos do CEIP da Ramallosa (Teo). Por outro lado, na categoria de ensino secundário obrigatório, o prémio foi para Cristina Louredo Pérez, do IES Alexandre Bóveda (Vigo), pelo podcast que nos explica uma imagem pertencente à sua família, foto sobre a plantação do milho à que lhe calculam mais de um século de historia. Nesta categoria também se concedeu uma menção honrosa ao podcast de uma aluna do IES San Rosendo de Mondoñedo.

 

Premio Especial do Júri

O júri acordou por unanimidade e fora de todas as categorias, conceder uma menção especial ao CEP Carlos Casares de Alxén, de Salvaterra de Miño, pelo excelente trabalho de Recolha do Património intitulado ”Projecto Património no CEP Carlos Casares” onde usando 58 fotografias de diversos âmbitos do Património mergulham na investigação e conhecimento de importantes aspectos do Património Cultural.

 

Pôr em valor o património imaterial

Há que lembrar que o objectivo prioritário da convocatória era ajudar as novas gerações a descobrirem a existência de um rico e variado Património Cultural Comum.

Com essa finalidade, propuseram-lhes através deste concurso que procurassem, na companhia dos seus familiares, aquelas fotos que continham elementos desse património cultural, na procura de elementos e vivências concretas para constatar, desde o presente, as manifestações culturais que pelo seu simbolismo formam parte da nossa memória colectiva.

Marco Pacheco venceu o Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís com o romance “A guerra prometida”

Marco Pacheco recebe Prémio Agustina Bessa-Luís.

Com o romance “A guerra prometida”, Marco Pacheco venceu, por unanimidade do Júri, o Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís 2022, no valor pecuniário de 10 mil euros, garantindo a sua publicação através da Editorial Gradiva, com a qual a Estoril Sol mantém uma parceria desde o lançamento do concurso, em homenagem à escritora, cujo centenário agora se celebra.

 

Sobre A guerra prometida”, o júri, ao qual presidiu Guilherme D`Oliveira Martins, considerou tratar-se de “um romance que, partindo da inovadora ação empresarial e social de Francisco Grandella, constrói uma estória familiar e pessoal de grande alcance humano. O período de transição do seculo XlX para o século XX até à Primeira Grande Guerra Mundial é sinalizado por situações de pobreza que vão determinar a evolução do protagonista”.

 

De acordo ainda com a acta, o romance “é não só de época, mas, também, de significado psicológico e social”, recorrendo a uma linguagem que está “num nível criativo que, associada à original estrutura narrativa de quatro partes, dá a esta obra um protagonismo literário assinalável do que poderá ser considerado um novo realismo”.

 

Marco Pacheco, o autor, retrata-se como um “açoriano de várias ilhas”.

E explica: “nasci em São Jorge poucos meses depois do 25 de Abril, mas vivi também na Terceira e em São Miguel, antes de vir estudar para Lisboa, onde vivo hoje na freguesia de Campolide. Joguei futebol nos escalões secundários nacionais, com uma meteórica passagem pelos juvenis do Sporting, em ambos os casos com assinalável insucesso. Por via desse desgosto e do gosto pelas letras, tornei-me redator publicitário e encontrei assim uma maneira de viver da escrita. Hoje sou Diretor Criativo Executivo da agência de publicidade BBDO, onde escrevo histórias para marcas, vulgo anúncios”.

 

Foi “ao fim de 21 anos de carreira” que o autor de “A guerra prometida” decidiu “aventurar-se na ficção”, porque, no meu trabalho, as histórias que conto não são minhas, são dos anunciantes, e eu tenho muitas que eles jamais comprariam”.

 

Quando fala das suas influências literárias, Marco Pacheco confessa que “foram mudando com a idade. Os primeiros textos de que me lembro de ter gostado (e ainda gosto) foram canções de Tom Waits, Bob Dylan, Leonard Cohen, Bruce Springsteen, Rui Reininho, Morrisey e Nick Cave, entre outros. Os ficcionistas e poetas propriamente ditos chegaram depois, muito depois, até depois da escola secundária: nessa altura só consegui entrever algum interesse no desassossego de Fernando Pessoa”.

 

E recorda que “foi já no final da Faculdade que comecei a descobrir Mário de Carvalho, Lobo Antunes, Raul Brandão, Hemingway, Proust, Almeida Faria, Agustina, Coetzee, Faulkner, Machado de Assis, Jorge Luís Borges, Don DeLillo e muitos outros que fizeram de mim leitor e, quem sabe, um dia escritor”.

 

Sobre o livro, Marco Pacheco diz que estão lá “alguns assuntos que, em graus diferentes, me fascinam: a temeridade da adolescência, a fé (mais ou menos religiosa) e, sobretudo, a morte. A morte não apenas como fatalidade, mistério ou escapatória, mas também como objetivo, como ideal, como redenção. Uma ideia muito cristã e um pouco radical que precisava de uma época também ela de radicalismos, como foi a da Primeira República Portuguesa”.

 

O autor de “A guerra prometida” confessa ainda que que foi nesse tempo que “encontrei os extremismos políticos e religiosos (entre monárquicos e republicanos), mas também o otimismo (da chegada da República) e o medo (da Primeira Grande Guerra), que me ajudaram a construir e a justificar a história de um rapaz com obsessões e sonhos um pouco mais estranhos do que o habitual para a sua idade”.

 

E concluiu com ironia: Outra razão para escolher um período histórico sobre o qual nada sabia foi a minha vontade (quiçá juvenil) de contrariar o conselho que mais ouvi enquanto romancista aspirante: escreve sobre o que sabes”.

 

Guilherme d'Oliveira Martins presidiu ao júri que foi também constituído por José Manuel Mendes, pela Associação Portuguesa de Escritores, Maria Carlos Gil Loureiro, pela Direcção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas, Manuel Frias Martins, pela Associação Portuguesa dos Críticos Literários, e, ainda, por José Carlos de Vasconcelos, Liberto Cruz e Ana Paula Laborinho, convidados a título individual e Dinis de Abreu, em representação da Estoril Sol.

 

O Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís foi instituído em 2008 e já premiou vários romances inéditos.

Este prémio tem 10.000€ para artistas emergentes — e as inscrições estão a terminar

image003.jpg

Este prémio tem 10.000€ para artistas emergentes — e as inscrições estão a terminar

As inscrições para o “Prémio A Arte Chegou ao Colombo” decorrem até dia 30 de novembro. Este ano, a iniciativa é dedicada às “Alterações Climáticas e Sustentabilidade”.

 

O “Prémio A Arte Chegou ao Colombo”, criado durante a pandemia com o objetivo de apoiar artistas emergentes tem como tema “As Alterações Climáticas e Sustentabilidade”. As dez obras finalistas vão ser exibidas numa exposição na Fundação D. Luís I e o vencedor, anunciado no final da exposição, vai receber um prémio monetário de 10 mil euros.

 

Aberto a todas as modalidades de artes plásticas e visuais, o Prémio destina-se a artistas emergentes, maiores de 18 anos, portugueses ou residentes em Portugal, com um trabalho expositivo não superior a 10 anos. As inscrições, feitas através do site do Centro Colombo, são gratuitas.

 

As candidaturas serão avaliadas pelo Júri constituído pelos representantes da Fundação Arpad-Szenes Vieira da Silva, da Fundação D. Luís I, do Museu Coleção Berardo, do Museu Nacional de Arte Antiga e do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, que selecionará os 10 finalistas, tendo em consideração a interpretação da temática, conjugada com critérios de originalidade, criatividade, técnica, entre outros.

 

Numa segunda fase, os trabalhos dos 10 finalistas vão dar forma a uma exposição aberta ao público na Fundação D. Luís I, em Cascais, em fevereiro de 2023.  Cada finalista selecionado receberá uma verba de mil euros, acrescidos de IVA, para apoio à produção do trabalho a expor. O vencedor deste Prémio de Aquisição receberá uma verba de 10 mil euros, acrescidos de IVA.

 

O regulamento completo está disponível em aqui.

 

Paulo Gomes, diretor do Centro Colombo, refere que “‘A Arte Chegou ao Colombo’ é um projeto pioneiro com mais de uma década que muito orgulha o Centro e a segunda edição do Prémio é um reforço do seu objetivo — não só a remoção das barreiras que tornam a cultura acessível a todos, como a de promoção de artistas nacionais, sobretudo os mais jovens, que têm assim uma oportunidade única de dar a conhecer o seu trabalho”.

 

Dedicada ao tema das alterações climáticas e da sustentabilidade, a segunda edição do "Prémio A Arte Chegou ao Colombo" conta com a parceria da Câmara Municipal de Cascais, da Get2C e da JCDecaux, e tem como embaixadoras Luísa Schmidt, socióloga e investigadora principal com habilitação do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa; e Cristina Ataíde, artista plástica premiada com várias obras em coleções públicas e privadas nacionais e internacionais.

 

O júri do Prémio é composto por:

- Emília Ferreira — Diretora do Museu Nacional de Arte Contemporânea

- Joaquim Oliveira Caetano — Diretor do Museu Nacional de Arte Antiga

- Mariana Bairrão Ruivo — Diretora e Curadora da Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva

- Rita Lougares — Diretora Artística da Fundação de Arte Moderna e Contemporânea – Museu Coleção Berardo

- Salvato Teles de Menezes — Presidente do Conselho Diretivo e Administrador-Delegado da Fundação D.Luís I

 

Cárin Geada vence 3ª edição do Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II

Cárin Geada_©Filipe Ferreira.jpg

 

O anúncio foi feito numa cerimónia que decorreu hoje, às 19h, na Sala Garrett, e que contou com a presença do Ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva

 

A designer de luz Cárin Geada é a vencedora da 3ª edição do Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II, um galardão de caráter anual que pretende reconhecer e promover os talentos emergentes no panorama teatral, motivando jovens a desenvolverem o seu percurso profissional neste setor.

Eleita por um júri composto por dezasseis profissionais que representam diversas áreas associadas ao meio artístico e cultural português, Cárin Geada junta-se assim a Sara Barros Leitão e Mário Coelho, profissionais que venceram as anteriores edições do Prémio, em 2020 e 2021, respetivamente.

Designer de luz e diretora técnica, Cárin Geada nasceu em Lamego, em 1991. Formou-se em luz e som pela Academia Contemporânea do Espetáculo e em produção e cenografia pela ESMAE, no Porto. Enquanto designer de luz, soma dezenas de colaborações, tanto com artistas emergentes, como com nomes já estabelecidos do teatro e da dança, como Cláudia Gaiolas, Cristina Carvalhal, Gonçalo Amorim, Leonor Keil, Paula Diogo ou Tiago Rodrigues. Trabalhou ainda na direção técnica de importantes festivais de teatro em Portugal, como o Alkantara Festival, o Interferências e o FITEI - Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica.

Olhando para o teatro como uma fusão entre conhecimentos técnicos e sensibilidade artística, Cárin Geada desenvolve um trabalho que se materializa nas diferentes matizes, ambientes e tonalidades com que são pintadas, através da luz, as várias cenas de um espetáculo.

“É com alguma surpresa que recebo este Prémio, pois o reconhecimento das áreas plásticas, nomeadamente do desenho de luz, não é nada habitual. O desenho de luz cumpre uma função maior do que simplesmente dar visibilidade ao que se passa em palco, ele é uma parte integrante da dramaturgia e da conceção criativa de um espetáculo, assim como todas as restantes áreas. Apesar de este ser um prémio pessoal, sinto e espero que possa ajudar a que estas áreas tenham mais reconhecimento”, menciona Cárin Geada, vencedora da 3ª edição do Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II.

“Celebrar o talento e a criatividade é o que fazemos todos os dias no teatro, mas esta é uma ocasião de especial relevo. Estamos muito felizes por entregar, pelo terceiro ano consecutivo, o Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II e damos os parabéns à vencedora, Cárin Geada. Criámos este galardão com o Grupo Ageas Portugal e pretendemos que contribua, de forma consistente e regular, para a valorização do trabalho de jovens criadores e para a divulgação do teatro que se faz em Portugal pelas novas gerações.”, refere Rui Catarino, Presidente do Conselho de Administração do Teatro Nacional D. Maria II.

“É com muita satisfação que celebramos mais uma edição do Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II. Este galardão, criado no âmbito de uma parceria mais ampla, destacou uma profissional que é normalmente pouco visível aos olhos do público. Dos atores, encenadores, aos profissionais da iluminação, guarda-roupa, e outros, todos são fundamentais no teatro. Estamos muito felizes por fazer parte desta iniciativa, que premeia jovens talentos emergentes e que ajuda a dar mais visibilidade ao seu trabalho”, menciona Teresa Thöbe, Responsável de Comunicação Externa e Marca do Grupo Ageas Portugal.

Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II tem um valor pecuniário de 5.000€ e é atribuído anualmente a uma/um profissional de teatro, que tenha até 30 anos de idade, e cujo trabalho artístico se tenha destacado no ano anterior à atribuição do Prémio.

O júri do Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II 2021, responsável pela eleição de Cárin Geada, foi constituído por Albano Jerónimo, Álvaro Correia, António Durães, Catarina Barros, Cristina Carvalhal, Cucha Carvalheiro, Isabél Zuaa, John Romão, José António Tenente, Mário Coelho, Marta Carreiras, Mónica Garnel, Rui Horta, Rui Pina Coelho, Sara Barros Leitão e Tónan Quito.

Na avaliação das pessoas selecionadas para o Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II, são tidos em conta os seguintes critérios:

  • Qualidade da prestação artística no ano a que se refere o prémio.
  • Contributo da prestação artística para o desenvolvimento e fortalecimento da área teatral.
  • Capacidade de crescimento e valorização da sua carreira, nacional e internacionalmente.
  • Introdução de elementos de inovação ou diferenciação na sua prática profissional.

 

O Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II resulta de uma parceria entre o Teatro Nacional D. Maria II e o Grupo Ageas Portugal. Atribuído anualmente, este Prémio pretende ser um incentivo ao desenvolvimento do trabalho artístico no âmbito teatral.

Artur Pizarro no Museu do Oriente :: 1 Outubro (Dia Mundial da Música) :: 19.00

 

Artur Pizarro_Museu do Oriente.jpg

O Museu do Oriente assinala o Dia Europeu das Fundações e Doadores e o Dia Mundial da Música com um recital de Artur Pizarro, no dia 1 de Outubro, sábado, às 19.00. Celebrando a longa ligação portuguesa e francesa à cultura e música chinesa, o pianista interpreta obras de compositores dos três países, num programa original concebido para esta ocasião.

 

Assinalando a dupla efeméride do Dia Europeu das Fundações e Doadores e do Dia Mundial da Música, o Museu do Oriente terá entrada gratuita no dia 1 de Outubro. Para as crianças dos 6 aos 12 anos, a oficina “Pintar a Música” (15.00-17.00) será também de entrada gratuita, mediante inscrição.

 

Dia Europeu das Fundações e Doadores

Dia Mundial da Música

1 Outubro, sábado

 

Entrada gratuita no Museu do Oriente

10.00-18.00

 

Oficina “Pintar a Música”

15.00-17.00

Para crianças [6-12 anos]

Gratuito, mediante inscrição

 

Recital de Artur Pizarro

19.00

Auditório do Museu do Oriente

Preço: 15 €

 

Mais informações em foriente.pt

APE anuncia vencedor do Grande Prémio de Literatura de Viagens Maria Ondina Braga

Um júri, coordenado por José Manuel Mendes, constituído por Annabela Rita, Guilherme d’Oliveira Martins e Isabel Cristina Mateus, atribuiu, por unanimidade, o Grande Prémio de Literatura de Viagens Maria Ondina Braga APE/CM de Braga ao livro Crónicas Italianas, (Sextante Editora), de António Mega Ferreira.

 

image003.jpg

Na acta o júri fundamenta: «António Mega Ferreira em “Crónicas Italianas” dá-nos uma obra de grande qualidade literária, na qual a viagem se associa à grande literatura, à arte e à cultura e onde o clássico “Grand Tour” cede lugar à descoberta das narrativas ocultas nas cidades de Itália e ao diálogo que com elas estabeleceram turistas apaixonados e grande autores da cultura europeia como Stendhal, Rilke, Proust e Freud.
Viajar ganha, assim, uma rica dimensão de procura da vida, da História e da valorização do património cultural para além da imediata apreensão do que se vê e sente.
Pode dizer-se que se trata de um precioso vademecum capaz de enriquecer a viagem e o viajante.»

 

Nesta 5.ª edição da Grande Prémio de Literatura de Viagens Maria Ondina Braga, instituído pela Associação Portuguesa de Escritores com o patrocínio da Câmara Municipal de Braga, concorreram obras publicadas no ano de 2021.

 

O valor monetário deste Grande Prémio é, para o autor distinguido, de € 12.500,00.

 

A cerimónia de entrega do prémio será anunciada oportunamente.

 

                                                                             

 Nota Biográfica

António Mega Ferreira, escritor, gestor e jornalista, nasceu em Lisboa em 1949. Estudou Direito e Comunicação Social, foi jornalista no Jornal Novo, no Expresso, em O Jornal e na RTP, onde chefiou a redação da Informação do segundo canal. Foi chefe de redação do JL — Jornal de Letras, Artes e Ideias. Fundou as revistas Ler e Oceanos. Chefiou a candidatura de Lisboa à Expo’98, de que foi comissário executivo. Foi presidente da Parque Expo, do Oceanário de Lisboa e da Atlântico, Pavilhão Multiusos de Lisboa. S.A. De 2006 a 2012, presidiu à Fundação Centro Cultural de Belém. De 2013 a 2019, desempenhou as funções de diretor executivo da AMEC/Metropolitana. Tem cerca de 40 obras publicadas, entre ficção, ensaio, poesia e crónicas.

António Mega Ferreira vence Grande Prémio de Literatura de Viagens Maria Ondina Braga

Crónicas Italianas.jpg

António Mega Ferreira é o vencedor do Grande Prémio de Literatura de Viagens Maria Ondina Braga pela sua obra ‘Crónicas Italianas’. O júri, coordenado por José Manuel Mendes e constituído por Annabela Rita, Guilherme d’Oliveira Martins e Isabel Cristina Mateus, justifica a atribuição do prémio pela “grande qualidade literária, na qual a viagem se associa à grande literatura, à arte e à cultura”.

Segundo o júri, com esta obra “o clássico ‘Grand Tour’ cede lugar à descoberta das narrativas ocultas nas cidades de Itália e ao diálogo que com elas estabeleceram turistas apaixonados e grande autores da cultura europeia como Stendhal, Rilke, Proust e Freud. Viajar ganha, assim, uma rica dimensão de procura da vida, da História e da valorização do património cultural para além da imediata apreensão do que se vê e sente. Pode dizer-se que se trata de um precioso vade-mécum capaz de enriquecer a viagem e o viajante”.

Para esta 5.ª edição da Grande Prémio de Literatura de Viagens Maria Ondina Braga, instituído pelo Município de Braga e pela Associação Portuguesa de Escritores, concorreram obras publicadas no ano de 2021.

A cerimónia de entrega do prémio, cujo valor monetário é de €12.500,00, será oportunamente anunciada.

Nota Biográfica

António Mega Ferreira, escritor, gestor e jornalista, nasceu em Lisboa em 1949. Estudou Direito e Comunicação Social, foi jornalista no Jornal Novo, no Expresso, em O Jornal e na RTP, onde chefiou a redacção da Informação do segundo canal. Foi chefe de redacção do JL — Jornal de Letras, Artes e Ideias. Fundou as revistas Ler e Oceanos. Chefiou a candidatura de Lisboa à Expo’98, de que foi comissário executivo. Foi presidente da Parque Expo, do Oceanário de Lisboa e da Atlântico, Pavilhão Multiusos de Lisboa. S.A. De 2006 a 2012, presidiu à Fundação Centro Cultural de Belém. De 2013 a 2019, desempenhou as funções de director executivo da AMEC/Metropolitana. Tem cerca de 40 obras publicadas, entre ficção, ensaio, poesia e crónicas.

 

MAR Shopping Matosinhos lança passatempo de cartoons de animais a cerca de 1.140 alunos do 4º ano das escolas do concelho

Meeting Place cria mais uma iniciativa para assinalar o Dia do Animal

 

 

image003.jpg

  • Em parceria com a Câmara Municipal de Matosinhos, o passatempo “Cartoons – Os Animais” para escolas do concelho junta-se ao leque de iniciativas que o MAR Shopping Matosinhos tem dedicadas ao Dia do Animal

 

 

 

O MAR Shopping Matosinhos, meeting place pet friendly onde é permitida a entrada de animais de companhia (conforme regulamento de admissão disponível no website do MAR Shopping Matosinhos), volta a celebrar o Dia do Animal, que se assinala a dia 4 de outubro. Entre as várias iniciativas, lança agora um passatempo de cartoons inspirados em fotografias de animais que se encontram no Centro de Recolha de Animais de Matosinhos (CROAM) para adoção.

 

 

O Passatempo “Cartoons – Os Animais” destina-se aos cerca 1.140 alunos do 4º ano de escolaridade das 55 turmas dos Agrupamentos de Escolas de Matosinhos. São 32 as escolas aptas a participar neste passatempo de cartoons, inspirados nas fotos dos animais acolhidos pelo CROAM e que se realizará entre os dias 1 e 31 de outubro de 2022.

 

Os participantes, de forma individual ou coletiva (por turma), no âmbito do Currículo Local das Atividades de Enriquecimento Curricular de Matosinhos, mais concretamente das Oficinas de Artes, desenharão um cartoon. Os trabalhos finais selecionados pelas escolas serão avaliados por um júri MAR Shopping Matosinhos a partir de 3 de novembro. “Criatividade” e “originalidade” serão os dois critérios a partir dos quais serão selecionados os vencedores.

 

Os prémios serão atribuídos em forma de mobiliário e/ou acessórios, a identificar pelas escolas vencedoras, que visem melhorar o quotidiano dos alunos na escola, como, por exemplo, espaço de leitura ou área de descanso/lazer, com os seguintes limites em termos de valor: 500€ para o primeiro prémio, 300€ para o segundo e 200€ para o terceiro classificado. Os vencedores do passatempo serão conhecidos até 11 de novembro.

 

“Como meeting place pet friendly que somos e como membro desta comunidade, vemos nos mais novos os embaixadores da defesa animal. Além de serem, desde pequenos, envolvidos nesta causa, são também um importante veículo da mensagem de que os animais de companhia não devem e não podem ser abandonados ou maltratados”, afirma Sandra Monteiro, diretora-geral do MAR Shopping Matosinhos.

 

Para assinalar o Dia do Animal, o MAR Shopping Matosinhos desenvolverá uma série de ações, que vai desde um donativo à ÂNIMAS Portugal para o treino de um cão de assistência para uma criança com uma perturbação do espetro do autismo, uma campanha de adoção de animais do CROAM e uma outra de recolha de donativos (comida e acessórios) a favor dos animais acolhidos pela MIDAS – Movimento Internacional para a Defesa dos Animais e pela CãoViver. Conheça todas estas iniciativas no website do MAR Shopping matosinhos, em www.marshopping.com.