Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Está aí o Concurso Sardinhas Festas de Lisboa 2020 e nesta décima edição não há desculpas, participar é obrigatório!

39612eae-9f68-4d1e-a79e-6a905e67ad92.jpg

 

 
Chegamos ao 10.º Concurso Sardinhas Festas de Lisboa e este ano não há desculpas. Criámos todas as condições para que todos, mesmo todos, façam desta uma edição histórica.
 
Organizada pela EGEAC, a competição arranca hoje e até 6 de abril está aberta a todos: aos que já participaram, aos que deixaram de participar, aos que participam todos os anos, aos que nunca participaram. Portugueses ou estrangeiros, de todas as idades, em grupo ou individualmente, o que interessa é participar!
 
Todas as sardinhas são bem-vindas, até mesmo aquelas que ficaram na gaveta e que agora podem ser recicladas e reinventadas. Mas há mais. Além do envio digital, voltamos a aceitar propostas em três dimensões para quem prefere o correio tradicional.
 
A liberdade é total, não há um tema, mas quase tudo pode servir de pretexto para concorrer: Desenha uma sardinha. Sem espinhas!
 

Pelo segundo ano consecutivo, e depois de centenas de candidaturas, levamos este concurso até às escolas, com a Turma da Sardinha – competição exclusivamente destinada aos alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do ensino básico.
 
Convençam os professores, para tornar esta competição escolar ainda mais renhida. No ano passado a vencedora foi a Escola Marques de Castilho, em Águeda. Quem sabe este ano seja a vossa!
 
Para assinalar a décima edição do concurso, vamos eleger mais uma sardinha num total de seis vencedoras que se juntam à premiada na Turma da Sardinha, cada uma delas com um prémio no valor de 1.500€.
 
À semelhança do ano passado cabe ao público a atribuição de menções honrosas, que nesta edição serão três, através de uma votação nas redes sociais.

Feitas as contas, iremos distinguir 10 sardinhas e todas serão protagonistas da campanha de comunicação das Festas de Lisboa’20.
 
Os vencedores serão anunciados até 31 de maio.
 
Se ao número redondo do concurso somarmos este ano da Lisboa Capital Europeia Verde, então é com redobrado espírito de missão que partimos para mais um mês intenso de criatividade. Porque tal como o ambiente, a Sardinha é uma missão de todos nós!
 
Não há desculpas. Desenha uma Sardinha. Sem espinhas!
 
 

O regulamento do Concurso está disponível
no site www.culturanarua.pt

Todas as dúvidas podem ser esclarecidas através das FAQ ou remetidas para a EGEAC, através do endereço: 
concursosardinhas@culturanarua.pt

Rua vence 5.º Concurso de Bandas Amadoras de Palmela

 

Rua.jpg

 

A banda Rua (Almada) é a vencedora do 5.º Concurso de Bandas Amadoras de Palmela - Warm Up “Março a Partir”. A final teve lugar no sábado, 29 de fevereiro, na Sociedade de Instrução Musical de Quinta do Anjo. Em segundo lugar, ficaram os Band’It (Setúbal), em terceiro, os Drain (Almada) e em quarto, os Chizzler (Amora). Os Nameless Theory atuaram como banda convidada.

O vencedor recebeu 600 euros, o segundo classificado 350 euros, o terceiro 250 euros e o quarto 100 euros. Os Imperial Stones (Poceirão) foram a banda do concelho de Palmela melhor classificada no Concurso e, por isso, vão ter a oportunidade de representar o concelho no Festival Liberdade 2020, nos dias 3 e 4 de julho, em Quinta do Conde (Sesimbra). Todas a bandas selecionadas e não premiadas (com exceção das suplentes) receberam uma oferta de participação.

Promovido pela Câmara Municipal de Palmela, em parceria com as associações juvenis, grupos informais de jovens e outras entidades que trabalham diretamente com a população juvenil do concelho, o Concurso é, anualmente, uma rampa de lançamento para os jovens talentos da região e integra também o Plano de Ação “Palmela é Música”. O Concurso deu o “pontapé de saída” para a 25.ª edição do “Março a Partir”- Mês da Juventude, repleto de atividades especialmente pensadas para os jovens, por todo o concelho, em áreas como o desporto, teatro, dança ou música.

Abertas candidaturas para 3ª edição da Bolsa Amélia Rey Colaço

Bolsa Amélia Rey Colaço.jpg

 

 

 

 

O Teatro Nacional D. Maria II, o Centro Cultural Vila Flor, O Espaço do Tempo e o Teatro Viriato voltam a associar-se para apoiar a produção de espetáculos de jovens artistas e companhias emergentes, através da 3ª edição da Bolsa Amélia Rey Colaço, cujo período de candidaturas se inicia hoje e estende até dia 27 de março.

 

Criada em 2018, em homenagem à atriz e encenadora Amélia Rey Colaço, pelo seu importante papel na História do Teatro Português, esta Bolsa tem como objetivo promover a renovação da criação teatral portuguesa, através do apoio à produção de novos espetáculos.

 

Com um montante pecuniário de 22.000€, a Bolsa Amélia Rey Colaço destina-se a apoiar a produção do projeto vencedor que, na edição de 2020, terá ainda acesso a 4 residências artísticas e espaço de criação e apresentação. A estreia do projeto vencedor terá lugar em junho de 2021, no Centro Cultural Vila Flor, seguindo-se depois uma digressão pelos restantes espaços que integram a Bolsa Amélia Rey Colaço – O Espaço do Tempo, Teatro Nacional D. Maria II e Teatro Viriato.

 

O período de candidaturas para a 3ª edição da Bolsa Amélia Rey Colaço decorre de 2 a 27 de março de 2020 e podem candidatar-se criadores nacionais e estrangeiros residentes em Portugal que, em nome individual ou coletivo, tenham assinado um máximo de cinco encenações ou criações. O anúncio do projeto vencedor será feito a 15 de maio de 2020 n’O Espaço do Tempo, em Montemor-o-Novo, na noite de estreia do espetáculo Aurora Negra, vencedor da edição anterior da Bolsa.

 

Em dois anos consecutivos, a Bolsa Amélia Rey Colaço apoiou já a criação de dois espetáculos de jovens artistas: Parlamento Elefante, de Eduardo Molina, João Pedro Leal e Marco Mendonça (vencedor da edição de 2018) e Aurora Negra, de Cleo Tavares, Isabél Zuaa e Nádia Yracema (vencedor da edição 2019).

 

 

Mais informações e candidaturas aqui.

Concurso de Bandas Amadoras: conheça as primeiras finalistas!

Mês da Juventude em Palmela

 

Chizzler.jpg

 

As bandas Rua (Almada) e Chizzler (Amora) já têm lugar garantido na final do 5.º Concurso de Bandas Amadoras de Palmela - Warm Up “Março a Partir”, marcada para 29 de fevereiro, às 22h00, na Sociedade de Instrução Musical de Quinta do Anjo.

A 1.ª eliminatória realizou-se no último sábado, 8 de fevereiro, na Sociedade de Recreio e Instrução 1.º de Maio da Asseiceira (Poceirão) e contou ainda com a participação dos Koa Leaves (Pinhal Novo) e dos Imperial Stones (Poceirão) e com a atuação dos Paper Hearts como banda convidada.

É já no próximo sábado, 15 de fevereiro, que vão ser conhecidos os nomes das bandas que se vão juntar às duas finalistas já apuradas. A 2.ª eliminatória começa às 22h00, no Rancho Folclórico “Os Rurais” da Lagoa da Palha e Arredores (Pinhal Novo), e terá a participação dos Drain (Almada), Band'It (Setúbal), Blondes (Poceirão), EL Bórgia (Pinhal Novo) e dos Nameless Theory, como banda convidada.

O vencedor do Concurso receberá 600 euros, o segundo classificado 350 euros, o terceiro 250 euros e o quarto 100 euros. A banda do concelho de Palmela melhor classificada terá a oportunidade de representar o concelho no Festival Liberdade 2020. Todas a bandas selecionadas e não premiadas (com exceção das suplentes) vão receber uma oferta de participação.

Promovido pela Câmara Municipal de Palmela, em parceria com as associações juvenis, grupos informais de jovens e outras entidades que trabalham diretamente com a população juvenil do concelho, o Concurso antecede a 25.ª edição do “Março a Partir”- Mês da Juventude e é, anualmente, uma rampa de lançamento para os jovens talentos da região. O Concurso integra também o Plano de Ação “Palmela é Música”.

 

 

Concurso de Bandas Amadoras: 1.ª eliminatória disputada no sábado

Concurso de Bandas Amadoras de Palmela.jpg

 

As bandas Koa Leaves (Pinhal Novo), Rua (Almada), Imperial Stones (Poceirão) e Chizzler (Amora) participam, já no próximo sábado, 8 de fevereiro, na 1.º eliminatória do 5.º Concurso de Bandas Amadoras de Palmela - Warm Up “Março a Partir”. A eliminatória está marcada para as 22h00, na Sociedade de Recreio e Instrução 1.º de Maio da Asseiceira (Poceirão) e vai também contar com a atuação dos Paper Hearts como banda convidada.

Na 2.ª eliminatória, a 15 de fevereiro, às 22h00, no Rancho Folclórico "Os Rurais" da Lagoa da Palha e Arredores (Pinhal Novo), participam os Drain (Almada), Band'It (Setúbal), Diogo Guima (Pinhal Novo), EL Bórgia (Pinhal Novo) e os Nameless Theory, como banda convidada.

A final é disputada a 29 de fevereiro, às 22h00, na Sociedade de Instrução Musical de Quinta do Anjo, pelas bandas classificadas em primeiro e segundo lugar em cada uma das eliminatórias.

O vencedor receberá 600 euros, o segundo classificado 350 euros, o terceiro 250 euros e o quarto 100 euros. A banda do concelho de Palmela melhor classificada terá a oportunidade de representar o concelho no Festival Liberdade 2020. Todas a bandas selecionadas e não premiadas (com exceção das suplentes) vão receber uma oferta de participação.

Promovido pela Câmara Municipal de Palmela, em parceria com as associações juvenis, grupos informais de jovens e outras entidades que trabalham diretamente com a população juvenil do concelho, o Concurso antecede a 25.ª edição do “Março a Partir”- Mês da Juventude e é, anualmente, uma rampa de lançamento para os jovens talentos da região. O Concurso integra também o Plano de Ação “Palmela é Música”.

 

"Sustentar”: Ci.CLO lança “Open Call” para atribuição de bolsas de criação e uma delas destina-se ao concelho de Loulé

A Ci.CLO – Plataforma de Fotografia, em parceria com as Câmaras Municipais de Loulé, Évora, Figueira da Foz, Mértola, Setúbal e a EDIA, abriu uma convocatória para atribuição de seis bolsas de criação artística que contemplam o apoio ao desenvolvimento de novos projetos com produção de exposição itinerante, que será integrada na programação da Bienal’21 Fotografia do Porto e nos vários espaços expositivos dos parceiros envolvidos no programa.

Esta convocatória é direcionada a artistas nacionais e estrangeiros residentes em Portugal que utilizem fotografia e vídeo como meio de expressão.

O programa de criação artística “Sustentar” tem como objetivo produzir uma série de projetos sobre iniciativas experimentais que estão a ser implementadas em território nacional como resposta aos desafios ecológicos e sociais que enfrentamos. Pretende-se fomentar e destacar as boas práticas e tendências positivas relevantes no âmbito da sustentabilidade ecológica, social e económica, que estimulem uma cidadania mais ativa e, subsequentemente, mais coesa e responsável na conservação dos recursos naturais e do património cultural.

Cada bolsa corresponde a um projeto de cada parceiro, já implantado ou em fase de implantação, na área da sustentabilidade social e/ou ambiental. No caso da Bolsa Câmara Municipal de Loulé, a temática lançada é o Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira | Proteger e valorizar uma história com 350 milhões de anos. As palavras-chave são a utilizar pelos artistas serão “geodiversidade”; “biodiversidade”; “proteção” e “valorização” do património natural e cultural.

Os artistas selecionados vão integrar um programa de criação organizado pela Ci.CLO, que resultará numa exposição coletiva com um acompanhamento curatorial de Virgílio Ferreira, diretor artístico da Ci.CLO e da Bienal Fotografia do Porto e coordenador do programa Sustentar, Pablo Berástegui, curador e diretor da Galeria de Fotografia Salut au Monde, e Krzysztof Candrowicz, curador, diretor de arte, investigador e educador, ex-diretor artístico da Triennale der Photographie Hamburg.

O programa de criação engloba a participação em 2 residências de criação com a duração de 12 dias cada uma, 2 workshops, mentorias presenciais e online com os curadores e a oportunidade de realizar um novo corpo de trabalho no território selecionado.

A orientação curatorial funcionará numa lógica de diálogo e reflexão, onde o ensaio, a experimentação e o cuidado estético e conceptual serão qualidades inerentes a todo o processo criativo. As duas mentorias online farão parte da relação bidirecional entre cada artista e o seu curador. Cada curador colaborará em proximidade apenas com dois artistas.

Os workshops, de 3 dias cada, têm como objetivo o desenvolvimento e discussão

dos trabalhos à luz das temáticas desenvolvidas e serão orientados pelos curadores e especialistas, nomeadamente: Jayne Dyer, artista, crítica de arte e académica australiana que vive e trabalha entre Lisboa e Sidney; Gil Penha-Lopes, investigador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa; e Álvaro Domingues, geógrafo e investigador do Centro de Estudos de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto.

Os resultados dos trabalhos desenvolvidos no âmbito deste programa, durante as duas residências, serão apresentados numa exposição coletiva produzida pela Ci.CLO, que seguirá em itinerância por todos os parceiros envolvidos no projeto e será integrada na programação da Bienal’21 Fotografia do Porto (14 de maio a 27 de junho de 2021).

Com estes pressupostos, a Ci.CLO pretende fomentar uma dinâmica criativa, num ambiente de partilha que abre a possibilidade a futuros momentos de cooperação entre o artista, as comunidades envolvidas, as instituições, os museus, os municípios e os curadores.

Calendário de atividades

 

Prazo de envio de candidaturas: até 23 fevereiro de 2020

Divulgação dos resultados: 9 de março de 2020

Período de criação artística: 24 de março a 17 de setembro de 2020

1.ª Mentoria online: 24 a 27 de março de 2020

1.º Workshop: 7 a 11 de abril de 2020 (local previsto: Loulé)

1.ª Residência em cada Município (12 dias): data a definir, entre 1 e 31 de maio de 2020

2.º Workshop: 18 a 22 de Junho de 2020 (local a definir)

2.ª Residência em cada Município (12 dias): data a definir, entre 1 de julho e 15 de agosto

de 2020

Entrega dos trabalhos finais: 17 de setembro de 2020

2.ª Mentoria online: 30 de setembro a 2 de outubro de 2020

Produção da Exposição: de 5 a 31 de outubro de 2020

Exposição Itinerante: de novembro de 2020 a dezembro de 2021 e de 14 de maio a 27 de junho 2021, na Bienal'21 Fotografia do Porto.

 

Regulamento e mais informações em www.cm-loule.pt

 

 

CML/GAP /RP

Candidaturas abertas à Bolsa de Criação OUT.RA 2020

 

Bolsa de Criação a Artistas Barreirenses para desenvolvimento de novos trabalhos em 2020
Apoio de 1000€ para o projecto vencedor

Na sequência das Bolsas de Criação atribuídas aos artistas locais Tiago Sousa (2016), José Bica (2017), Hélder Menor, João Antunes e João Pinheiro (2018) e Rafael van Ayres (2019) a OUT.RA – Associação Cultural aceita, a partir deste momento, candidaturas de jovens artistas locais para o desenvolvimento de trabalho artístico relacionado com Música / Som / Artes Sonoras / Multimedia durante o ano de 2020.

Os critérios de selecção a ter em conta são:

– Residência no Concelho do Barreiro ou áreas urbanas limítrofes (Baixa da Banheira, Vale da Amoreira)

– Idade entre os 18 e os 35 anos;

– Formação (superior ou técnica) em áreas artísticas, em particular em Música / Artes Sonoras / Multimédia / Etnomusicologia, etc ou, em alternativa, trabalho relevante desenvolvido em Música / Som que revele a procura de novas soluções e permita antever uma personalidade artística própria;

– Conhecimento do trabalho desenvolvido pela Associação (OUT.FEST, programação regular, documentação sonora, etc) e adequação das propostas a este trabalho;

– Qualidade conceptual do projecto criativo, grau de maturidade apresentado para o seu desenvolvimento, razoabilidade dos meios necessários aos espectáculos para sua apresentação.

O trabalho a desenvolver pelo(a) bolseiro(a) deve decorrer entre Abril e Dezembro de 2020, e contemplar pelo menos um momento de apresentação pública.

A bolsa a atribuir tem o valor de 1000€.


As candidaturas devem ser enviadas para o mail info@outra.pt até ao dia 29 de Fevereiro, e conter as seguintes informações:

 

  • Nome, CV e biografia artística

  • Descrição e calendarização da proposta

  • Material necessário para o seu desenvolvimento

 
Mais informações em www.outra.pt

Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários APE/Câmara Municipal de Loulé: Inscrições abertas

Entrega Prémio Pedro Mexia.JPG

 

A Autarquia de Loulé, numa parceria com Associação Portuguesa de Escritores, promove mais uma edição (a 5ª) do Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários, cujas inscrições acontecem até ao próximo dia 2 de março.

Instituído pela Câmara Municipal de Loulé, que patrocina esta iniciativa, e pela Associação Portuguesa de Escritores, destina-se a galardoar anualmente uma obra em Português, publicada em livro e em primeira edição em Portugal, no ano anterior ao da sua entrega, nos domínios da crónica e dos dispersos literários reunidos em volume. Assim, são admitidas a concurso nesta edição as obras publicadas no ano de 2019.

Os candidatos deverão enviar cinco exemplares do livro publicado para a sede da APE (R. de S. Domingos à Lapa, Nº 17 – 1200-832 Lisboa), destinados aos membros do júri e à Biblioteca Municipal de Loulé.

À semelhança do que acontece desde a sua primeira edição, a entrega do Grande Prémio ao autor galardoado ocorrerá numa cerimónia pública em Loulé, integrada nas comemorações do Dia do Município, que este ano se assinala a 21 de maio.

O valor atribuído ao vencedor é de 12 mil euros.

Recorde-se que já venceram este prémio José Tolentino Mendonça, com Que coisa são as nuvens, em 2016, Rui Cardoso Martins, com Levante-se o Réu, em 2017, Mário Cláudio, com A Alma Vagueante, em 2018, e Pedro Mexia, com Lá Fora, em 2019.

Com o objetivo de valorizar os autores nacionais e de promover a difusão da Língua e da Literatura portuguesa, a Autarquia de Loulé e a Associação Portuguesa de Escritores celebraram um Memorando de Entendimento que tem neste prémio uma das suas principais iniciativas.

CML/GAP /RP

 

Biblioteca de Palmela recebe prova do Concurso Nacional de Leitura

Biblioteca de Palmela recebe prova do Concurso Nacional de Leitura

 

Concurso Nacional de Leitura.jpg

 

A Biblioteca Municipal de Palmela recebe, a 4 de fevereiro, a partir das 14h45, o 2.º momento da Fase Escolar/Municipal do Concurso Nacional de Leitura 2019/2020.

Nesta prova, participam cerca de seis dezenas de alunas/os, apuradas/os no 1.º momento, que foi da responsabilidade das escolas/agrupamentos. A Biblioteca Municipal de Palmela, em articulação com a Rede de Bibliotecas Escolares, nomeia um júri, que vai selecionar as obras a concurso e apurar as/os vencedoras/es em cada nível de ensino (1.º, 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e ensino secundário, num máximo de três por cada nível), para competirem na fase seguinte, a Intermunicipal.

Nesta fase, que vai decorrer entre 10 de março e 30 de abril, as/os alunas/os apuradas/os no Município de Palmela vão competir com as/os vencedoras/es dos restantes municípios da AML - Área Metropolitana de Lisboa, para se apurarem as/os representantes da AML (dois por cada nível de ensino) na Fase Nacional (19 de maio e 6 de junho).

As escolas do concelho de Palmela participantes na 14.ª edição do Concurso são, ao nível do 1.º ciclo, as Escolas Básicas Alberto Valente (Pinhal Novo), António Matos Fortuna (Quinta do Anjo), António Santos Jorge (Pinhal Novo), de Aires (Palmela), Salgueiro Maia (Pinhal Novo) e Zeca Afonso (Pinhal Novo); ao nível do 2.º e 3.º ciclo, a Escola Básica e Secundária José Saramago (Poceirão) e as Escolas Básicas José Maria dos Santos (Pinhal Novo) e Hermenegildo Capelo (Palmela) e, ao nível do 3.º ciclo e Ensino Secundário, a Escola Secundária de Pinhal Novo.

O Concurso, desenvolvido pelo Plano Nacional de Leitura (PNL2027), tem como objetivo principal estimular o gosto e o prazer da leitura, para melhorar o domínio da língua portuguesa, a compreensão escrita e os hábitos de leitura.