Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Escola das Artes apresenta uma nova forma de olhar o cérebro

Católica no Porto recebe o investigador Nuno Sousa na nova sessão do programa “Arte e Ciência”. Conferência é dinamizada amanhã, 5 de março

 

Arte_e_Ciência_NunoSousa_Escola das Artes.jpg

 

Como é que o stress altera o comportamento das pessoas? A Escola das Artes da Católica no Porto responde a esta questão amanhã, 5 de março, numa nova sessão do programa das aulas abertas, sob o tema “Arte e Ciência”. A sessão, dinamizada a partir das 18h30, no auditório Ilídio Pinho do campus Porto da Universidade Católica Portuguesa, conta com a presença de Nuno Sousa, professor da Escola de Medicina da Universidade do Minho e investigador na área das neurociências. A entrada é livre.

 

Durante a aula aberta, o investigador vai explicar quais os mecanismos que estão na base das patologias relacionadas com a exposição ao stress e a forma como esse sentimento altera o comportamento humano. Refira-se, ainda, que no decorrer da sessão serão apresentadas as investigações realizadas através de técnicas de neuroanatomia, eletrofisiologia, optogenética e neuroimagem, que permitiram perceber as alterações que o stress provoca no córtex cerebral. Mais informações disponíveis em http://artes.porto.ucp.pt/pt/central-eventos/arte-ciencia-nuno-sousa-uma-nova-forma-olhar-para-cerebro.

 

Agenda aulas abertas “Arte e Ciência”

13 março | Alexandre Quintanilha: Conhecimento e criatividade: um círculo virtuoso

19 março | Ricardo Jacinto e Diogo Alvim: Fragmentação e Dispersão

26 março | Asia Bazdyrieva · Geocinema and planetary-scale sensory networks

2 abril | Monica Bello: Arts at CERN

16 abril | Warren Neidich: Telepathic Exaptation in Late Cognitive Capitalism

23 abril | Michaël Dudok de Wit: Inspiration and rational thinking: approaches to the creative process

30 abril | Joël Vacheron; Algorithmic Creolization

14 maio | Edgar Martins: What Photography & Incarceration have in Common with an Empty Vase

21 maio | Erika Balsom: The Problem and Promise of Observation in Contemporary Art’s Documentary Turn

28 maio | Alexandre Estrela: Zebrafly

A Universidade Católica Portuguesa é constituída por quatro centros regionais: Braga, Lisboa, Porto e Viseu. No Porto, a Universidade tem um campus que integra oito unidades académicas e sete unidades de investigação onde uma comunidade vibrante de mais de 8.000 professores, alunos e colaboradores partilham conhecimento nas áreas das Artes, Bioética, Biotecnologia, Direito, Economia, Educação, Enfermagem, Gestão, Psicologia, Teologia entre outras. Neste momento, a Católica no Porto oferece 13 licenciaturas, 29 mestrados, 11 doutoramentos, 40 pós-graduações, formação avançada e executiva, Teen Academy e programa Universitário Mais Saber. www.porto.ucp.pt

Conferências

Deuses Egípcios IV
Ptah


Terça, 3 de Março, 19h30
Fundição de Oeiras
(por detrás da Estação de C.F. Oeiras)

 

4cf61635-7d88-48bd-9874-3b676a468726.jpg

 


Entrada livre mediante inscrição
no seguinte formulário: https://bit.ly/2m3GlUQ


por José Carlos Fernandez
Escritor, investigador e Director Nacional da Nova Acrópole 
 

   "Ptah aparece-nos como o Deus do Fogo e patrono dos artistas e artesãos, nas suas diferentes formas: como fogo físico, como luz, como inspiração, como alma oculta do Sol, ou como poder que permite a cristalização harmónica dos Ideais, símbolo, portanto, do trabalho na matéria.

   Analisaremos também os seus diferentes nomes, atributos e hieróglifos, tal como a sua importância no ritual funerário, uma vez que se dizia que era quem abria a boca do defunto para que pudesse actuar no invisível.

   Veremos também o simbolismo dos 49 fogos de Ptah e a sua relação com Agni, o deus do Fogo na religião védica".

                                                                        (José Carlos Fernández)

 

CICLO DE CONFERÊNCIAS SOBRE OS DEUSES EGÍPCIOS


   «A religião egípcia é de grande beleza e profundos significados. Frutos das Escolas de Mistérios, os seus símbolos velam ensinamentos sobre a Natureza, a Alma e a Vida, que mantêm toda a actualidade nos nossos dias. Certamente que o conhecemos não será praticamente nada em comparação com o que aprendia o mais humilde dos discípulos ou fiel destes cultos.

   No entanto, podemos conhecer algumas coisas por analogia com outros simbolismos, pelos próprios textos egípcios e sobretudo pelo esforço dos filósofos gregos e das escolas neoplatónicas, e inclusivamente por certas tradições herméticas conservadas até aos nossos dias. Por exemplo: "Ísis sem Véu" de H. P. Blavatsky (1831-1891), pelos livros e conferências do Professor Jorge Ángel Livraga (1930-1991) e outros autores como Schwaller Lubicz (1887-1961).

   Isto permite-nos não só penetrarmos na beleza dos seus mitos e símbolos, mas também extrair ensinamentos através da sua Filosofia e cosmovisão. Analisaremos também em cada um destes Deuses, os seus nomes, hieroglifos e epítetos, uma vez que em diferentes chaves cada um tem significados muito diferentes e complementares.» (José Carlos Fernández)

Sessões às Terças, 19h30, na Fundição de Oeiras

1 - Ísis (24/9/2019)
2 - Osíris (12/11/2019)
3 - Sekhmet (21/01/2019)
4 - Ptah (03/03/2020)
5 - Hórus e Hathor
6 - Amon e Mut
7 - Kepher e Jepet
8 - Thot e Seshat
9 - Hapi e Maat
10 - Seth e Selkit
11 - Bes e Neith
12 - Anúbis e Neftis
13 - Montu e Mau (Bastek)
14 - Shu e Nuth
 

*

Informações:
oeiras-cascais@nova-acropole.pt

963 925 758

"Por um Portugal mais Digital" é o lema da 3ª Conferência do Fórum Permanente para as Competências Digitais

image002.jpg

 

Na próxima terça-feira, dia 3 de março, especialistas nacionais e internacionais, formadores, docentes, e representantes do governo reúnem-se no Centro de Congressos da Alfândega do Porto para promover as competências digitais. Ao longo do dia serão apresentados vários projetos, alguns novos, outros já em curso, que têm como objetivo principal a capacitação da população portuguesa, a nível de competências digitais. Serão também apresentados alguns dos principais indicadores recolhidos desde o arranque do Programa INCoDe.2030, em 2018.

 

O objetivo é transversal a toda a sociedade portuguesa e o efeito pretende-se duradouro: uma cidadania mais ativa e um país mais qualificado e capacitado, utilizando a transformação digital para criar valor, para o país e para as pessoas.

 

Os cinco eixos do Programa INCoDe.2030, através dos quais se pretende conseguir esse objetivo de promover as competências digitais da população são a inclusão (1), educação (2), qualificação (3), especialização (4) e investigação (5). O programa conta com vários parceiros desde escolas, universidades, associações e empresas privadas.

 

A iniciativa INCoDe.2030 conta já com 2 anos de existência e para o futuro pretende-se que seja um catalisador de mudança contínua na sociedade portuguesa.

 

No primeiro eixo, Inclusão, foram criadas Comunidades Criativas para a Inclusão Digital, tendo sido criados dez projetos-piloto em todo o país que impactaram mais de mil pessoas. No segundo eixo, Educação, o destaque vai naturalmente para o alargamento da disciplina de TIC a todos os estudantes do ensino básico. A nível da Qualificação, terceiro eixo, podemos destacar o projeto Switch, um programa de formação intensiva para a requalificação profissional na área das tecnologias da informação (TI). No quarto eixo da Especialização,  é de realçar o aumento significativo de vagas de cursos TeSP na área TICE, fruto do acordo celebrado entre o MCTES e os institutos politécnicos, e, finalmente, no âmbito do eixo cinco, da Investigação, vão ser apresentados projetos de inteligência artificial desenvolvidos para entidades da administração pública, com o intuito de facilitar a sistematização dos procedimentos e a melhoria da qualidade de vida na população que interage com essas entidades.

 

“A transformação digital não é em si um problema da tecnologia, mas sim a preparação das pessoas, ou neste caso, a falta dela, para a participação no mundo digital. Há uma melhoria dos indicadores europeus ao nível das competências da população portuguesa, o que é um sinal claro de que as medidas adotadas estão a trazer resultados objetivos e é isso que pretendemos demonstrar nesta conferência”, refere Nuno Feixa Rodrigues, Coordenador Geral do Incode.2030.       

 

A abertura do evento contará com a presença do Senhor Primeiro-ministro, António Costa, do Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, do Presidente do Fórum para as Competências Digitais, Rogério Carapuça, do Coordenador-Geral do INCoDe.2030, Nuno Rodrigues e com Laurent Crouzet, especialista e membro do High Level Review Committe. O encerramento do encontro estará a cargo do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

 

A participação na 3ª Conferência do Fórum Permanente para as competências digitais é gratuita, mas necessita de inscrição prévia, até ao limite da capacidade do local. A inscrição poderá ser feita aqui e o programa do evento poderá ser consultado aqui.

Práticas de cura para a peste na antiga vila de Loulé é tema de conferência no Arquivo

Cura peste.jpg

 

A 15 de fevereiro, sábado, pelas 15h00, o Arquivo Municipal de Loulé recebe mais uma conferência integrada no ciclo “O Documento que se segue”. "Práticas de cura nos tempos de peste numa vila do Antigo Regime: o caso de Loulé" é o tema da sessão que será apresentada por Luís Ribeiro Gonçalves

As pestes deixaram profundas marcas no território algarvio ao longo dos séculos. O que o conferencista se propõe analisar é como se organizou a assistência em tempos de doença, observando a atuação das instituições e dos seus oficiais em episódios epidémicos, mas também ambientes endémicos, onde os cuidados da saúde foram essenciais para assegurar o bem comum das populações. Nesse sentido, a partir do exemplo de Loulé, será examinado o papel das câmaras, dos hospitais e das misericórdias, nestes contextos, reconhecendo que muitas deles atuavam em articulação com outros lugares no Algarve e até no reino. Por outro lado, o conferencista irá verificar qual foi o papel dos físicos, cirurgiões, boticários, sangradores, barbeiros e muitos outros curadores ou curandeiros que compunham o mercado de cura local.

Doutorando na VIIIª edição do PIUDHIST pela Universidade de Évora, com o projeto “Prática médica e controlo profissional no Portugal quinhentista”, Luís Ribeiro Gonçalves é graduado em Arqueologia e mestre em História Medieval pela Universidade de Lisboa, em 2006. Tem como principais interesses várias vertentes da História da Medicina e do Ambiente, sobretudo água, em torno dos séculos XV e XVI portugueses.

Este evento é de entrada livre.

 

CML/GAP /RP

"O Caminho Chinês" explicado por Paolo Longo | Conferência no Museu do Oriente | 17 janeiro, 18.00, gratuito

chinesepath_china tattoo shanghai.jpg

 

É na sexta-feira, 17 de Janeiro, que pelas palavras do fotógrafo, jornalista e documentarista Paolo Longo, será desvendado o que está por detrás de “O Caminho Chinês”, a exposição patente no Museu do Oriente que traduz o quotidiano da vida na China, em 56 fotografias, captadas na época da grande transformação económica, social e cultural do país. A conferência, em inglês, tem início às 18.00 com entrada livre.

 

Durante a sessão, o autor procurará explicar as suas vivências nesta “China diferente, onde a história da comunidade se dissolve numa infinidade de histórias individuais, de vitórias e de derrotas, de riqueza e de pobreza, de descobertas, de batalhas, de desperdício, de protestos, mas sempre histórias de indivíduos debatendo-se com um novo caminho que se abria”.

 

Nascido em Itália, e atualmente a residir em Portugal, Paolo Longo chegou à China em 2004 como correspondente da RAI, a televisão nacional italiana. Durante a sua estadia no país presenciou, em primeira mão, o que o próprio descreve como “a maior experiência política e económico-social da História”.

 

Organizada em colaboração com o Istituto Italiano di Cultura, em Lisboa, “O Caminho Chinês” está patente até 23 de Fevereiro.

 

“O Caminho Chinês” - Conferência com Paolo Longo

17 de Janeiro, sexta-feira

18.00

Idioma: Inglês

Entrada Gratuita

 

www.museudooriente.pt

 

Palmela organiza a Conferência “O Consumidor no Séc. XXI”

 

No próximo dia 13 de dezembro, com início às 09h30, realizar-se-á, no auditório da Biblioteca Municipal de Palmela, a Conferência “O Consumidor no Séc. XXI: Literacia Digital e os Direitos dos Consumidores”. A entrada é livre mediante inscrição.

 

Organizada pelo Município de Palmela, esta iniciativa conta com a parceria da Direção-Geral do Consumidor, da Área Metropolitana de Lisboa, da Associação de Municípios da Região de Setúbal e da DECO.

 

As políticas de defesa dos consumidores, o perfil do/a consumidor/a do séx. XXI, literacia digital, segurança e proteção de dados são alguns dos temas em destaque nesta Conferência que pretende esclarecer e informar as/os cidadãs/ãos sobre esta matéria.

 

Para além dos desafios que a nova década trará para as/os consumidoras/es, ao longo do dia, as/os participantes poderão adquirir mais conhecimento sobre o papel das estruturas governativas e administrativas na defesa dos consumidores, quais as estruturas legais e informais existentes no território com atuação neste domínio e que boas práticas podemos esperar quer dos agentes económicos, quer dos consumidores em Portugal.

 

As /os interessadas/os devem formalizar a sua inscrição através de www.cm-palmela.pt.

 

Para mais informações: apoio.consumidor@cm-palmela.pt

Programa:

 

09:30 | Registo e acolhimento dos participantes

10:00 | Sessão de abertura

Presidente da Câmara Municipal de Palmela – Álvaro Balseiro Amaro

Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa doConsumidor – João Torres

10:20 | Pausa para Café

10:40 | “As Politicas de Defesa do Consumidor no séc. XXI”

            Diretora-Geral do Consumidor – Ana Catarina Fonseca

                        10:55 | Painel I – As políticas de Defesa dos Consumidores no Séc. XXI

Moderadora da mesa redonda: Sónia Lapa Passos – Direção Geral do Consumidor

Julgado de Paz de Seixal – Carlos Ferreira

Centro de Arbitragem de Lisboa – Isabel Cabeçadas

DECO - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor – Ana Tapadinhas

11:50 | “O perfil do consumidor no Séc. XXI”

Diretor da Nova Consumer Lab, da Universidade Nova de Lisboa

Jorge Morais Carvalho

12:10 | Debate

12:30 | Almoço Livre

14:00 | Conferência Satélite – A Inteligência das coisas: Click2Care

 Tecnologias Imaginadas – Tiago Luis

14:10 | Painel II - Literacia Digital e o Consumidor

Moderador: Francisco Alves Rito

Centro Nacional de Cibersegurança – Gonçalo Sousa

Associação para a Promoção da Segurança Infantil – Sandra Nascimento

Aluna da Escola Secundária de Palmela – Rita Sesinando

15:00 | Debate

15:20 | Pausa para café

15:30 | Conferência Satélite – Segurança do Consumidor e a Proteção de Dados –

Centro Nacional de Cibersegurança - Gonçalo Sousa

15:50 | Painel III – Os Direitos dos Consumidores e o Comércio em Linha

Moderador: Ordem dos Advogados de Palmela – Eduardo Ferro

DECO - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor – Luis Pisco

Centro Europeu do Consumidor – Natália Leite

Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra – Sandra Passinhas

16:40 | Debate

17:00 | Conferência satélite – Literacia Digital – Case Study

Tecnologias Imaginadas – Tiago Luis e Olivio Pereira

17:20 | Conclusões e Encerramento

Câmara Municipal de Palmela – Vereador Luís Miguel Calha

 

 

 

O impacto do Reiki na cultura japonesa em discussão no Museu do Oriente

Foto Rika Tanaka, Dai-Shihan.jpg

 

Conferência com Rika Tanaka

 

A cultura ancestral japonesa e o seu contacto directo com a história e prática clínica do Reiki é o tema da conferência que o Museu do Oriente organiza no dia 13 de Dezembro, às 19.00, com entrada gratuita.

 

A sessão é orientada pela Dai-Shihan Rika Tanaka, presidente da International Jikiden Reiki Association e professora do Instituto Jikiden Reiki em Quioto, no Japão. O Instituto Jikiden Reiki representa o Reiki directamente ensinado desde a sua origem, pelos mestres Usui Mikao Sensei, Hayashi Chujiro Sensei e Yamaguchi Chiyoko Sensei, até ao Sensei na actualidade, Yamaguchi Tadao Sensei.

 

A conferência terá tradução simultânea para português.

 

Conferência

Reiki: simplicidade a partir da origem. Cultura japonesa, prática clínica, filosofia reiki.

13 de Dezembro

19.00

Entrada gratuita, mediante levantamento prévio de bilhete no próprio dia

 

Macau 20 Anos | 5 de Novembro a 19 de Dezembro | Museu do Oriente | Gratuito

Macau_20anos_concerto5-min.JPG

 

Fundação Oriente assinala 20 anos da transferência da administração de Macau para a China

 

Uma jornada literária, sessões de cinema, espectáculos musicais, conferências e mesas-redondas com personalidades que dão a conhecer a sua vivência, experiência e conhecimento do território, são as iniciativas que, de 5 de Novembro a 19 de Dezembro, integram o programa comemorativo do 20º aniversário da transferência da administração de Macau para a China, no Museu do Oriente.

 

“Literaturas de Macau pós-1999” marca o arranque das celebrações com uma jornada literária, no dia 5 de Novembro, que reúne escritores e críticos numa análise e leituras evocativas dos imaginários de Macau e seus autores de línguas portuguesa, inglesa e chinesa.

 

A 29 de Novembro, com a participação de personalidades de áreas tão distintas como a História, a Economia, as Artes Plásticas e o Jornalismo, a conferência “Macau 2019 – 20 Anos Depois da Transferência de Poderes” partilha testemunhos diretos deste momento histórico, sendo procedida da exibição da longa-metragem do realizador Carlos Fraga, “Macau 20 Anos Depois – Testemunhos e Percepções da Matriz Lusófona sobre o Contexto da RAEM – Presente e Futuro”.

 

O mês de Dezembro inicia-se com a mesa-redonda “Identidade Macaense: Que Futuro?”, no dia 6, para discutir reflexões e pontos de vista da comunidade macaense sobre o seu futuro.

 

O domingo, 8 de Dezembro, é dedicado ao cinema, com a exibição de O Som do Bambu, de Javier Martinez (legendado em português e mandarim) e Cidade Ecrã, de Rui Filipe Torres (legendado em inglês). Ambas as sessões são de entrada gratuita, mediante levantamento de bilhete no próprio dia.

 

A música macaense sobe ao palco do Auditório do Museu do Oriente a 13 de Dezembro, com o espectáculo “Macau/RAEM 20 Anos/20 Poemas/20 Canções”, do Duo A Outra Banda e Amigos, em celebração dos afectos e das memórias que unem portugueses e macaenses em torno da terra que continuam a adoptar como sua e da singularidade que esta oferece a quem nela vive ou a visita.  A 19 de Dezembro, é a vez do Trio Sunny Side Up dar voz a “Tributo a Macau 2”.

 

Macau é uma das regiões administrativas especiais da República Popular da China, desde 20 de Dezembro de 1999. A Fundação Oriente, através da sua delegação em Macau, contribui para o ensino da língua portuguesa e o intercâmbio cultural, social e educativo. O centro das suas actividades é a Casa Garden, um dos mais notáveis exemplares do património arquitectónico macaense de raiz europeia, que dispõe de uma galeria de exposições temporárias e um auditório destinado a conferências e espectáculos culturais de música, cinema e teatro.

 

Macau 20 Anos | 29 de Novembro | Museu do Oriente | Gratuito

 

Conferência e filme debatem Macau depois da transferência de poderes

 

Vinte anos depois da transferência da administração de Macau para a China, a Fundação Oriente convida um painel de especialistas para discutir a nova realidade deste território, numa conferência que se realiza no Museu do Oriente, na manhã de 29 de Novembro. No mesmo dia é exibido o filme “Macau 20 Anos Depois”, de Carlos Fraga, às 18.00. Ambas as iniciativas têm entrada livre.

 

“Macau 2019 - 20 anos depois da transferência de poderes” reúne personalidades de áreas como a História, Economia, Artes Plásticas e Jornalismo, para darem a conhecer a sua vivência, experiência e conhecimento do território. Num balanço informado, despojado de nostalgias e orientado para o futuro, as duas mesas-redondas, moderadas por Jorge Santos Alves (Universidade Católica Portuguesa), realizam-se entre as 10.00 e as 13.00 e são subordinadas aos temas “Macau, a OBOR e a Grande Baía” e “Macau, Patrimónios e Novos Públicos/ Mercados Culturais”.

 

No Auditório do Museu do Oriente, a partir das 18.00, é exibida a longa-metragem de Carlos Fraga, “Macau 20 Anos Depois - Testemunhos e Percepções da Matriz Lusófona sobre o Contexto da RAEM”, um olhar sobre uma Macau chinesa onde a cultura portuguesa se faz sentir e continua a marcar presença, numa viagem pela fascinante multiculturalidade que a define e diferencia de todas as demais cidades chinesas.

 

Ambas as iniciativas integram o programa comemorativo do 20º aniversário da transferência da administração de Macau para a China, que a Fundação Oriente organiza até ao final do ano no Museu do Oriente.

 

Programa Comemorativo Macau 20 Anos

 

Conferência “Macau 2019 – 20 Anos Depois da Transferência de Poderes”

29 de Novembro

10.00-13.00

Entrada gratuita

 

Programa

 

10.00 – 11.15 | Mesa Redonda 1. Macau, a OBOR e a Grande Baía
Moderação Jorge Santos Alves (Universidade Católica Portuguesa) | Participantes João Amorim (Fundação Oriente), Carlos Gaspar (IPRI, Universidade Nova de Lisboa), Leonídio Paulo Ferreira (Diário de Notícias), Un I Wong (Morais Leitão & Associados)

11.45 – 13.00 | Mesa Redonda 2. Macau, Patrimónios e Novos Públicos/Mercados Culturais
Moderação Jorge Santos Alves (Universidade Católica Portuguesa) | Participantes Rui Simões (Instituto Politécnico de Lisboa), Hélder Beja (Capítulo Oriental - Agência Literária e Editora), Anabela Antunes e Pedro Reigadas (Galeria Arte Periférica, Lisboa)

 

Exibição do filme “Macau 20 Anos Depois - Testemunhos e Percepções da Matriz Lusófona sobre o Contexto da RAEM - Presente e Futuro”, de Carlos Fraga

29 de Novembro

Auditório

18.00

Duração: 94', sem intervalo
Entrada gratuita, mediante levantamento do bilhete no próprio dia

 

Metropolitana e Carlos Fiolhais em concerto/conferência no IPS

Carlos Fiolhais.jpg

 

 

O físico Carlos Fiolhais e o ensemble Percussões da Metropolitana vão estar no Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) na próxima segunda-feira, dia 4 de novembro, para um concerto/conferência sobre a chegada do Homem à lua, no ano em que se celebra meio século do voo espacial Apollo 11. 

 

A iniciativa, com entrada livre, decorre pelas 15h00 no Auditório Nobre do IPS (edifício ESCE/ESS), integrando o ciclo “Música e Ciência”, que está a percorrer várias instituições de ensino superior em todo o País, numa organização do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), em parceria com a Orquestra Metropolitana de Lisboa (AMEC – Metropolitana).  

 

Sob direção musical de Marco Fernandes, as Percussões da Metropolitana apresentam no IPS a mais célebre composição do inglês Gustav Holst (1874-1934), a suite em sete andamentos que se dedica a cada um dos planetas do sistema solar conhecidos à época, além da Terra, e que, por isso, recebe o nome de “Os Planetas”. A transcrição para orquestra de percussão é de Scott Weatherson.

 

Antes, o professor universitário e ensaísta Carlos Fiolhais fará uma introdução à obra, que teve a sua primeira execução pública há precisamente um século e que terá ido buscar inspiração, não à astronomia, como seria de prever, mas à astrologia. O conferencista explicará também por que razão “Os Planetas” continuam a inspirar criadores até aos dias de hoje, do universo do rock até à banda sonora do filme de culto “Star Wars”.

 

 

--