Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

UCP_EA lança programa arrojado de conferências inspirado na música da MC Carol | “Não foi Cabral: revendo silêncios e omissões”

Entre 15 de fevereiro e 29 de maio, todas as quintas, na Católica no Porto

 

Escola das Artes lança programa de concertos, conferências, exposições e performances para não silenciar histórias

 

“Não foi Cabral: revendo silêncios e omissões” é o tema do programa cultural da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa que pretende estimular o debate sobre o fazer da(s) História(s), mostrando como muitos artistas contemporâneos têm contribuído para a alteração de paradigmas. Uma parceria da Escola das Artes com a Universidade de São Paulo (Brasil) e a Universidade de Princeton (EUA). De 15 de fevereiro a 29 de maio, ao final da tarde de quinta-feira, a cidade do Porto vai receber concertos, conferências, exposições e performances para não silenciar histórias.

 

Nuno Crespo, diretor da Escola das Artes e co-curador do programa, sublinha que o ciclo “pretende construir um espaço de debate onde juntos possamos pensar as narrativas históricas e o modo como artistas de diferentes geografias e culturas têm sido motores fundamentais no alargamento e transformação dessa história oficial.” Sobre esta nova edição do programa, o diretor da Escola das Artes completa que “é fruto de um trabalho continuado da Escola das Artes em trazer temáticas com expressão no mundo não só artístico, como atual e global.”

 

Através da interseção de várias áreas e de conhecimentos múltiplos, onde se cruzam perspetivas de artistas, realizadores, ativistas ou intelectuais, o ciclo “Não foi Cabral: revendo silêncios e omissões” procura criar um espaço de debate conjunto, onde se reflita sobre como se pode juntar à História outros sujeitos, corpos ou objetos, de modo a, progressivamente, construir um recorte mais amplo e diverso do mundo, dos seus habitantes e dos processos de transformação.

 

Estão confirmados os concertos, conferências e performances de Lilia Schwarcz, Denilson Baniwa, Pedro Barateiro, Nuno Crespo e Dalton Paula, João Salaviza e Renée Messora, Paulo Catrica, Hélio Menezes, Ayrson Heráclito, Margarida Cardoso, Artur Santoro, Flávio Cerqueira e de Francisco Vidal. A Escola das Artes anunciou também a agenda da Sala de Exposições, que contará com Carla Filipe, Pedro Barateiro, Paulo Catrica e Letícia Ramos.

image001 (4).jpg

O ciclo “Não foi Cabral: revendo silêncios e omissões” é um projeto em co-curadoria entre a intelectual e curadora brasileira Lilia Schwarcz e Nuno Crespo. O ciclo é organizado pela Escola das Artes, em parceria com a Universidade de São Paulo (Brasil) e a Universidade de Princeton (EUA). Vai decorrer entre 15 de fevereiro e 29 de maio, às quintas, na Universidade Católica Portuguesa, no Porto.

HISTÓRIA DO BAIRRO OPERÁRIO DE LOULÉ EM CONFERÊNCIA

Bairro Social Frederico Ulrich.jpg

"O Bairro Municipal Frederico Ulrich no âmbito do projeto Arquitetura Aqui" é o nome da conferência que será apresentada por Tânia Rodrigues, no Arquivo Municipal de Loulé Professor Joaquim Romero Magalhães, no próximo dia 20 de abril, pelas 15h00, integrado no ciclo “LOULÉ na linha do tempo”.

Loulé, através da sua edilidade, foi uma das localidades abrangidas pelo DL n.º 34.486, de 6 de abril de 1945 que, naquele ano, receberam comparticipação do Estado para construção de habitação destinada às famílias do concelho com baixos recursos. A construção do bairro, da autoria do arquiteto louletano Manuel Laginha, com projeto de urbanização do engenheiro civil Silveira Ramos, foi a primeira iniciativa municipal no âmbito da Habitação Social, nos anos de 1948-50. Ao abrigo do programa de “Casas para Famílias Pobres”, Manuel Laginha projetou um conjunto de 50 habitações térreas que se destaca, entre outros aspetos, pela ausência de um largo central.

É este bairro que, quase 80 anos depois, está a ser alvo de uma obra de ampliação e requalificação, uma das ações que fazem parte da Estratégia Local de Habitação do Município de Loulé.

A oradora, Tânia Rodrigues, é licenciada em Património Cultural e Mestre em História da Arte – especialização em História da Arte Portuguesa, pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve. As suas áreas de interesse são o urbanismo e a arquitetura, tendo já publicado alguns artigos sobre estas temáticas.

Atualmente é bolseira de Investigação no Projeto ArchNeed – The Architecture of Need: Community Facilities in Portugal 1945-1985. FCT - PTDC/ART-DAQ/6510/2020.

22 ABRIL: CONFERÊNCIA «Comunicação, o Superpoder das Organizações (e os líderes vestem a capa)»

No próximo dia 22 de abril, realiza-se a conferência «Comunicação: o Superpoder das Organizações» (e os Líderes Vestem a Capa)»
 
Num contexto em que o bem estar e o equilíbrio entre vida pessoal e profissional estão na ordem do dia, esta conferência é organizada por Carla Rocha Comunicaçãoem parceria com a Mainvision Media Solutionse destaca o papel da comunicação e liderança na criação de ambientes de trabalho saudáveis, onde os colaboradores se sentem valorizados e integrados. 

O evento decorre online, com acesso gratuitoentre as 14h30 e as 16h30
 
A par do percurso na rádio, e como autora, Carla Rocha é empresária e formadora de referência na área da comunicação e liderança. Há 9 anos, celebrados recentemente, que a empresa Carla Rocha Comunicação dá formação em empresas e organizações, tanto nacionais como estrangeiras.
 
 
«É cada vez mais forte a consciência de que uma organização deve ter no seu ADN uma cultura promotora de bem-estar e que a comunicação é essencial. Nos últimos 9 anos, estamos a trilhar este caminho com muitas pessoas, líderes e empresas, e isso deixa-me verdadeiramente feliz.» Carla Rocha.

Carla Rocha_2.jpg

 

Conferência_22 abril.jpg

A conferência inclui três painéis de discussão, em que participam nomes como Conceição Zagalo (empreendedora social), Ana Rita Lopes (Delta Cafés) ou Bruno Gouvêa (Foundever). 
 
O objetivo é refletir sobre o contributo da comunicação na construção de ambientes de trabalho saudáveis, partilhar boas práticas que já estão a promover o bem-estar das equipas em empresas de diferentes setores. Designadamente, com a partilha do case study da Agência Portuguesa do Ambiente, que implementou o programa de transformação cultural APA + feliz.
 
O evento inclui ainda uma palestra de João Rodrigues, o atleta português com mais presenças em Jogos Olímpicos.

PROGRAMA E ORADORES

1º painel:
Como se comunica numa organização atenta ao bem-estar?

• Ana Rita Lopes, Diretora de Recursos Humanos da Delta Cafés / Grupo Nabeiro
• Bruno Gouvêa, Diretor de Recursos Humanos da Foundever™ Portugal
• Tânia Gaspar, Psicóloga e responsável pelo Labpats (Laboratório Português de Ambientes de Trabalho Saudáveis)
• Vanda Santos, Chief People Officer da Biosurfit

2º painel:
O que inclui o kit de comunicação de um líder?

• Conceição Zagalo, Empreendedora social
• Irina Golovanova, Especialista em comunicação não verbal
• Liliana Silva, Diretora de Recursos Humanos da Milestone Consulting
• Patrícia Figueira, Board Advisor, Executive Mentoring & Coaching e formadora de Autoliderança na Academia Fale Menos Influencie Mais.
• Rute Ablum, Chief Management Officer da PHC Software

3º painel:
O case study da Agência Portuguesa do Ambiente

A Agência Portuguesa do Ambiente tem em curso o programa de transformação cultural APA + feliz, que tem como um dos eixos essenciais a liderança promotora de bem-estar. Dirigentes e colaboradores partilham os resultados até agora alcançados.

• Celso Pinto, Coordenador do Núcleo de Monitorização Costeira e Risco na APA
• Elsa Jorge, People & Culture Specialist e formadora de Cultura Organizacional e Engagement na Academia Fale Menos Influencie Mais
• Lia de Barros dos Reis, Responsável da Divisão do Estado Qualitativo da Água na APA
• Luís Baltazar, GeoData Scientist na APA
• Teresa Núncio, Assessora do Conselho Diretivo na APA

Palestra: João Rodrigues, atleta olímpico (atleta português com mais presenças em Jogos Olímpicos)
 
 

CONFERÊNCIA E EXPOSIÇÃO “CAVALOS-MARINHOS DE ALMADA: UM PATRIMÓNIO ÚNICO A CONSERVAR”

Dia 10 de abril, na Trafaria

 

Cavalos-marinhos_Carlos_Valadas_CMA.jpg

No próximo dia 10 de abril, a Câmara Municipal de Almada vai realizar a Conferência “Cavalos Marinhos de Almada: Um Património Único a Preservar”, colocando a preservação da biodiversidade e o património natural do Concelho na agenda de eventos para a preservação do valor ecológico existente.

Na mesma ocasião, será inaugurada a exposição fotográfica de rua de autoria de Sylvie Dias, videógrafa e fotógrafa subaquática. É composta por 14 painéis com fotos de grande formato, efetuadas em mergulhos na frente ribeirinha de Almada, que apresentam e apoiam a caracterização destas comunidades de cavalos-marinhos na frente ribeirinha de Almada.

A Conferência e Exposição resultam do protocolo estabelecido entre a Câmara Municipal de Almada e o MARE ISPA (Centro de Ciências do Mar e do Ambiente do Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida), com a colaboração do ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas) e Oceanário de Lisboa.

Estes eventos pretendem dar a conhecer a população de cavalos-marinhos na Trafaria e na frente ribeirinha de Almada, convidando à reflexão sobre a gestão deste território ribeirinho para a promoção e conservação destas espécies e reforço das condições do seu habitat.

A participação na conferência é gratuita mediante inscrição prévia online.

 

Conferência “Cavalos-Marinhos de Almada: um património único a conservar”

Dia 10 abril, das 9h00 às 13h00

Local: Presídio da Trafaria (localização) – Praceta do Porto de Lisboa

Inscrição em: https://forms.office.com/e/scGe1dRYvn?origin=lprLink

 

 

Exposição “Cavalos-Marinhos de Almada: um património único a conservar”

De 10 de abril a 27 setembro

Rotunda da Trafaria – Praceta do Porto de Lisboa

Âmbito Cultural começa o ano de 2024 a celebrar Camões

Âmbito Cultural do El Corte Inglés começa o ano de 2024 a celebrar 

Camões e os seus 500 anos 

nuno artur silva.jpg

 

Paulo Portas, José Pacheco Pereira, Nuno Artur Silva, António Bagão Félix, Ana Zanatti, Sebastião Bugalho, Álvaro Laborinho Lúcio, José Milhazes, Lourenço Pereira Coutinho, Carlos Magno, João Moita de Deus são alguns dos conferencistas convidados do primeiro trimestre do Âmbito Cultural 

  • Todas as actividades, incluindo os Cursos, as Conferências e as Oficinas são gratuitas, mediante inscrição. 
  • A programação inclui mais de uma centena de eventos que se realizam, sobretudo, nas Salas de Âmbito Cultural de Lisboa e Gaia. 
  • Magazine online: El Corte Ingles, Grandes Armazéns, S.A.
  •  

 

 Camões, cujos 500 anos se celebram em 2024 é o tema de capa e de fundo na programação do 1º trimestre do Âmbito Cultural do El Corte Inglés.  

 

 

Ao longo dos primeiros 3 meses do ano, há propostas muito diferentes que visam responder aos vários interesses do público.  

Camões, a sua poesia, as suas viagens, a época em que viveu ou a relação da sua obra com a contemporaneidade, são apenas alguns dos temas que serão abordados nas diferentes sessões. 

 

Sabei que segundo o amor tiverdes/tereis o entendimento dos meus versos” é um curso de António Carlos Cortez onde, a realizar em cinco sessões, se propõe ler Camões à luz do que, no seu entender, a sua literatura nos pode dizer ainda hoje. O Professor e ensaísta, dá, ainda, no dia 14 de Fevereiro, uma conferência no Âmbito Cultural de Gaia, chamada “O Dia em que nasci moura e pereça” de forma a sublinhar esta voz fundadora da poesia portuguesa.  

 

A professora Maria João Lopo de Carvalho traz “A minha viagem com Luís Vaz de Camões- Até que o Amor me Mate”, numa conferência em que a autora conta a sua viagem na rota de Camões na sua “peregrinação” pelo Oriente. 

 

O ciclo Poemar também celebra Camões, como não poderia deixar de ser. Em Lisboa, Ana Zanatti, Ana Isabel Dias e José Anjos declamam Camões e outros Contemporâneos. Em Gaia, Isaque Ferreira, Filipa Leal e Rui David, dizem Luís de Camões, Contemporâneo” o principal entre principais.  

 

A Arte portuguesa no tempo de Luís Vaz de Camões, é um curso do Professor José Manuel Tedim, com três sessões, em Gaia.  

 

A nova programação é recheada de conferências e cursos como O Porto em Lisboa e Lisboa no Porto, por Joel Cleto, curso sobre o Islão por Vítor Teixeira, Música com a conferência São Carlos, Anfitrião da Música por Jorge Rodrigues, Filosofia com um curso do professor David Erlich. 

 

Nuno Artur Silva dá um curso de cinco aulas chamado A Salvação do Mundo e António Bagão Félix uma conferência sobre Nós as Árvores na Ca(u)sa Comum.  

 

O Museu Nacional de Arte Antiga tem a decorrer a Exposição Identidades Partilhadas – Pintura Espanhola em Portugal e, o director do Museu, Joaquim Oliveira Caetano, apresenta-a, no Âmbito Cultural de Lisboa, através da conferência Cruzar a Fronteira: A Pintura Espanhola em Portugal, sécs. XIV-XIX 

 

A directora do Museu Nacional de Arte Contemporânea, Emília Ferreira, fala sobre as Artes no Espaço Público, em duas conferências, uma em Lisboa e outra em Gaia.  

 

O Ciclo Pensar a Europa terá duas conferências com o Professor José Pacheco Pereira com O Novo Velho Continente e Sebastião Bugalho com 2024: Incerteza e Mudança. 

 

O mundo será pensado por Paulo Portas, José Milhazes e Germano Almeida num ciclo de conferências em Lisboa e Gaia  

 

A Programação do 1º trimestre conta ainda com vários cursos, conferências da Fundação Francisco Manuel dos Santos, Concertos da Orquestra Metropolitana de Lisboa, oficinas e muitas apresentações de livros.  

Christian Greco, diretor do Museu Egípcio de Turim, em Lisboa para os desafios do Museu do futuro | 14 de março de 2024

14 de março de 2024

Christian Greco, diretor do Museu Egípcio de Turim, em Lisboa para os desafios do Museu do futuro

image002.png

Por ocasião do bicentenário da fundação do Museu Egípcio de Turim, o museu inteiramente dedicado à cultura egípcia mais antigo do mundo, o Instituto Italiano de Cultura de Lisboa convida o seu diretor Christian Greco para dar uma conferência que tem como título "O Museo Egizio e os desafios do futuro. Investigação, inclusão e transição digital".

 

Egiptólogo com uma vasta experiência na área da museologia, responsável pela curadoria de muitas exposições e projectos museológico nos Países Baixos, no Japão, na Finlândia, em Espanha e na Escócia, Christian Greco conseguiu desenvolver importantes colaborações internacionais com museus, universidades e institutos de investigação de todo o mundo nos últimos dez anos à frente do Museu Egípcio de Turim. Envolvido no programa de cursos das Universidades de Turim, Pisa, Nápoles, da Universidade Cattolica de Milão e da Universidade de Nova Iorque em Abu Dhabi, o diretor possui uma experiência de primeira qualidade no domínio da arqueologia: membro do Epigraphic Survey of the Oriental Institute of the University of Chicago em Luxor e co-diretor da missão arqueológica italo-holandesa em Saqqara, conta com numerosas publicações populares e científicas e com a participação em conferências sobre egiptologia e museologia.

 

A conferência, em italiano com tradução simultânea para português, terá lugar na quinta-feira, 14 de março, às 18 horas, no Museu da Farmácia, em Lisboa, cuja secção egípcia exibe uma extensa coleção de artefactos do Antigo Egipto, incluindo o extraordinário sarcófago antropomórfico de Irtierut, bem como estatuetas, vasos, caixas, almofarizes e colheres de unguento.

 

Neste cenário, serão revisitadas as etapas da história de uma coleção iniciada em 1824 e que se expandiu enormemente graças às descobertas de Ernesto Schiaparelli e Giulio Farina, oferecendo uma visão geral das recentes inovações e transformações que o Museo Egizio de Turim se prepara para enfrentar no seu bicentenário. O encontro, moderado pelo diretor do Instituto Italiano de Cultura de Lisboa, Stefano Scaramuzzino, centrar-se-á também na renovação permanente do próprio conceito de museu, aberto à cidade e ao mundo, bem assente no eixo da investigação, visitável segundo paradigmas mutáveis. Um lugar onde a colaboração académica e a descoberta, com a ajuda das novas tecnologias, se tornam a base da participação da comunidade.

 

Simultaneamente, será apresentada a última publicação de Christian Greco, Alla ricerca di Tutankhamun” (2023, Franco Cosimo Panini), que ilustra, numa perspetiva original, a descoberta do túmulo do jovem faraó rodeado de mistério. Desta história apaixonante e envolvente, que nunca abdica do habitual rigor científico, surgirão os mesmos valores que inspiram a missão do Museo Egizio: despertar viva curiosidade e desenvolver a capacidade crítica na sociedade.

 

O evento é realizado em colaboração com a livraria italiana em Lisboa PIENA. Libri Persone Visioni, com o Museu da Farmácia de Lisboa e com o Centro de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com o qual o Instituto co-organiza o seminário aberto ao público "O Presente do Khedive: Política e diplomacia na receção europeia das antiguidades de Bab el-Gasus", que tem lugar na Sociedade de Geografia de Lisboa a 14 de março. No âmbito do colóquio, serão apresentadas ao público português algumas excelências do sistema museológico italiano, através das intervenções de Alessia Amenta, conservadora do Departamento de Antiguidades Egípcias e do Próximo Oriente dos Museus do Vaticano, e Paola Buscaglia, restauradora e coordenadora do Laboratório de Escultura em Madeira da Fundação Centro de Conservação e Restauro "La Venaria Reale" .

“O 25 de Abril entre Itália, Portugal e África” conferência em Lisboa

 

image002.png

O Instituto Italiano de Cultura de Lisboa inaugura o programa das iniciativas previstas para as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril com a conferência "O 25 de Abril entre Itália, Portugal e África" pelo professor Vincenzo Russo, em colaboração com o Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P.

 

A conferência, em língua portuguesa, terá lugar na Terça-feira, 6 de Fevereiro, às 18h00 no Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P.

 

O encontro abordará o papel estratégico na solidariedade internacional desenvolvido pela Itália nas décadas de 60 e 70, tanto em relação às oposições anti-salazaristas como aos movimentos anticolonialistas de libertação africanos. Uma vasta rede de grupos surgiram tendo o objetivo aparentemente “comum” de apoiar as lutas de libertação dos movimentos africanos contra o colonialismo português e o Estado Novo. A solidariedade cultural realizada por intelectuais italianos/as (jornalistas, escritores/as, fotógrafos/as, tradutores/as) será o centro duma história trangular entre Itália, Portugal e a Afríca em luta.

 

Vincenzo Russo é professor associado de Literatura Portuguesa e Brasileira e Literaturas Africanas de Língua Portuguesa na Universidade de Milão, onde coordena a Cátedra António Lobo Antunes (Instituto Camões). Entre as suas obras mais recentes contam-se, em coautoria com Roberto Vecchi, “A teoria gentil: o projeto e as práticas críticas de Ettore Finazzi-Agrò” (2020) e “La Letteratura Portoghese. I testi e le idee” (2017). Em português, publicou também “A Suspeita do Avesso. Barroco e neobarroco na poesia portuguesa contemporânea” (2008). É tradutor de autores portugueses (Bocage, Eça de Queirós, Fernando Pessoa, Eduardo Lourenço, António Ramos Rosa), brasileiros e africanos. De 2014 a 2021 foi Secretário Geral e Tesoureiro da Associação Internacional de Lusitanistas (AIL).

LOULÉ RECEBE CONFERÊNCIA SOBRE CAPITAL NATURAL

Conferência Capital Natural_Banner Site.png

A 2 de fevereiro, o Município de Loulé promove a sua 1ª Conferência Capital Natural - Desafios do Desenvolvimento Sustentável. O evento acontece a partir das 9h00, no Hotel Wyndham Grand Algarve, na Quinta do Lago.

Esta iniciativa será um marco significativo na promoção da consciencialização sobre a importância do capital natural e o seu papel fundamental na sustentabilidade global, bem como sobre os mercados de carbono.

Trata-se de uma parceria da Câmara Municipal de Loulé com o BCSD Portugal - Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável, uma prestigiada associação empresarial, sem fins lucrativos, que agrega mais de 170 empresas de referência em Portugal e as ajuda na sua jornada para a sustentabilidade

A Conferência contará com diversos palestrantes que trarão a lume temas como o mercado de carbono, as oportunidades da agenda climática ou os desafios e oportunidades de valorização do capital natural. Terá, entre um dos oradores, Humberto Delgado Rosa, diretor para a Biodiversidade da Direção-Geral do Ambiente da Comissão Europeia. O convidado irá falar sobre o estado atual do Planeta e os desafios que se colocam no futuro.

Neste momento será apresentada também a Agenda de Sustentabilidade, Floresta, Biodiversidade e Desenvolvimento Rural do Concelho de Loulé 2020-25.

Haverá ainda dois debates, a apresentação de cinco case studies de empresas em Portugal e um momento de networking para a apresentação de entidades a atuar na área da biodiversidade e do capital natural.

Através da realização deste evento, o Município de Loulé tem por objetivos consciencializar para a relevância da valorização do capital natural na preservação do meio ambiente e promover a troca de conhecimento sobre estratégias empresariais bem-sucedidas para integrar o capital natural. Pretende-se ainda construir parcerias entre empresas, organizações e comunidade, visando ações conjuntas para a preservação e valorização do capital natural.

De referir que esta iniciativa é promovida pela Câmara Municipal de Loulé, no âmbito da sua Agenda de Sustentabilidade, integrada na política municipal de ação climática e salvaguarda ambiental. Concorre ainda para os objetivos do aspirante Geoparque Algarvensis (rede de Geoparques Mundiais da UNESCO), projeto conjunto dos Municípios de Loulé, Silves e Albufeira. 

Para informações adicionais os interessados poderão consultar https://www.cm-loule.pt/pt/menu/3891/conferencia-capital-natural---desafios-do-desenvolvimento-sustentavel.aspx 

A conferência é gratuita mas carece de inscrição prévia no seguinte link http://tinyurl.com/5fn6bvta e está limitada aos lugares disponíveis.

ICONOGRAFIA DA ARQUITETURA RELIGIOSA É TEMA DE CONFERÊNCIA NO ARQUIVO DE LOULÉ

 

 

Cartaz_A4.jpg

 

“Do retábulo de argamassa do Convento de Santo António dos Capuchos às platibandas ornamentadas de Loulé: dos estuques interiores aos ornatos de argamassa exteriores” é o nome da próxima conferência “LOULÉ na linha do tempo”, apresentada por Marta Santos, no Arquivo Municipal Professor Joaquim Romero Magalhães. Esta atividade decorre no próximo dia 20 de janeiro, pelas 15h00, no Convento de Santo António, em Loulé.

A partir do belíssimo retábulo de argamassa de cal e gesso (construído cerca 1770-1790), existente na capela da Ordem Terceira, na igreja do antigo Convento de Santo António dos Capuchos de Loulé, será possível verificar alguns dos elementos iconográficos utilizados nos interiores da arquitetura religiosa e que permaneceram, ao longo do tempo, na ornamentação das fachadas exteriores da arquitetura civil do concelho de Loulé.

 Marta Santos é arquiteta, mestre em Reabilitação da Arquitetura e Núcleos Urbanos (FAUL), pós-graduada em Património Cultural Imaterial (ULHT) e doutoranda em Arquitetura, Conservação e Restauro (FAUL - FCT).  

Integrou o Projeto FCT LNEC DB-HERITAGE Materiais de construção histórico e patrimonial (2017) e o Projeto FCT LNEC LIMECONTECH Conservação e durabilidade de revestimentos históricos (2012). Integrou as equipas do GTAA Algarve Barlavento (2002 - 2003) e Sotavento (2006 - 2007), Município de Albufeira – MITR Metodologias de Intervenção e Técnicas de Reabilitação (2004 - 2006), Museu Municipal de Tavira (2008 - 2011).

Tem-se dedicado à interpretação e investigação da paisagem cultural e da arquitetura vernácula da região do Algarve.

Politécnico de Setúbal recebe conferência sobre arte urbana no âmbito dos 50 anos do 25 de Abril

Iniciativa integra projeto coordenado por Helena de Sousa Freitas, diplomada do IPS

Arte urbana_Setúbal_foto DR.jpg

O Politécnico de Setúbal (IPS) vai ser o palco esta quinta-feira, dia 7, da quarta conferência do projeto “Histórias que as paredes contam — 50 anos de muralismo em Setúbal”, agendada para as 16h45, na Escola Superior de Educação (ESE/IPS).

A sessão será conduzida pelo investigador Ricardo Campos, especialista em antropologia visual, que estará à conversa com as docentes da ESE/IPS Joana Matos (artes) e Lídia Marôpo (comunicação) sobre “Murais e graffiti — Estética e conteúdo na arte política de rua”, numa iniciativa aberta à comunidade e de entrada gratuita.

Integrado no programa nacional de celebrações dos 50 anos do 25 de Abril, o projeto “Histórias que as paredes contam – 50 Anos de muralismo em Setúbal” tem coordenação de Helena de Sousa Freitas, diplomada do IPS, cuja tese de doutoramento, no ISCTE-IUL, incidiu sobre esta temática.

 

Tendo iniciado o seu percurso no Ensino Superior na ESE/IPS, com uma licenciatura em Comunicação Social, Helena de Sousa Freitas conta com uma experiência de duas décadas como jornalista da agência Lusa, sendo autora de três ensaios. Pela sua intervenção profissional e cívica, distinguida entretanto por várias outras entidades, recebeu, também do IPS, o Prémio Carreira AlumniIPS, na edição de 2022.

 

O projeto que coordena, com organização do Monte de Letras, contempla cinco conferências, a execução de cinco murais por artistas plásticos de diferentes gerações, a organização de duas exposições de fotografia, o lançamento de um álbum de histórias e imagens do muralismo em Setúbal e um documentário sobre o processo criativo de todo o projeto.

 

O Politécnico de Setúbal é um dos parceiros da iniciativa, juntamente com a Câmara Municipal de Setúbal, o Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal/AMRS, juntas de freguesia do concelho, Sociedade Musical e Recreativa União Setubalense e Associação Cultural Festroia.

 

Mais informações aqui.