Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Nuno Rogeiro na CUF Descobertas | Quarta-feira, 3 Abril 13h00/14h00

Conferência “Cultura no Hospital” a 3 de abril, entre a 13h00 e as 14h00

Nuno Rogeiro no Auditório do Centro
do Conhecimento da CUF Descobertas
fala sobre as consequências do Brexit

 

O Hospital CUF Descobertas está a promover até julho o ciclo de conferências “Cultura no Hospital”. Destinado ao público em geral, “Cultura no Hospital” é um ciclo de eventos que pretende trazer mensalmente ao Auditório do Centro do Conhecimento do Hospital variados momentos culturais, assim como de debate e reflexão sobre temas tão diversos como a ciência, a cultura, a tecnologia, a saúde e a música, entre outros.

 

Na próxima quarta-feira, dia 3 de abril, entre as 13h00 e as 14h00, o Auditório do Centro do Conhecimento do Hospital CUF Descobertas tem a honra de receber o especialista em Política Internacional, Nuno Rogeiro, que irá abordar o tema “Brexit: sociedades, políticas, fronteiras, segurança, economia e migrações”.

 

As conferências, abertas à comunidade em geral, têm entrada livre, sujeita à capacidade da sala, realizando-se no Auditório do Centro do Conhecimento do Hospital CUF Descobertas, localizado no Edifício 2 desta unidade.

 

Conheça também o programa dos próximos eventos do ciclo de conferências em 2019:

 

22 de maio – Arlindo Oliveira – Inteligência Artificial

_____________________________________________________________________________

19 de junho – Conservatório Nacional de Lisboa apresenta música clássica

_____________________________________________________________________________

24 de julho – Cristina Semião Alves Watson (IBM) – A decisão terapêutica

Conferência | Como posso superar os limites?

fedbe273-057b-4910-837d-5c9596759331.jpg

 

 

Como posso superar os limites?
 

Quinta, 4 de Abril, 19h30
Déjà Lu - Livraria Solidária
(Pousada de Cascais - Fortaleza da Cidadela, Av. D. Carlos I, Cascais)
(A livraria fica no interior da fortaleza)

Por Lígia Marino,
Membro da Nova Acrópole Oeiras-Cascais

Entrada livre mediante inscrição
no seguinte formulário: https://bit.ly/2JPBD8v 
 

 

    A Nova Acrópole é uma escola de filosofia à Maneira Clássica que possibilita aos seus integrantes o aprofundar em diversas correntes filosóficas que procuram o desenvolvimento do ser humano como sejam as correntes platónica e a estóica, além da oriental. Para tal, utiliza uma metodologia teórico-prática como base em momentos de formação em aula, workshops, oficinas, conferências, cafés filosóficos e tertúlias e, também, em visitas culturais, convívios temáticos, encenações teatrais, momentos poéticos e celebrações várias. 

 

    Nesta conferência, apresentar-se-ão alguns dos elementos que Steven Pressfield identifica e explana na sua obra "A Guerra da Arte", que é um "tratado" de psicologia dos nossos tempos, destacando a "resistência" como a inércia interna e externa que frequentemente nos impede de "dar o melhor de nós".

    Diagnosticar essas situações e saber como ultrapassá-las no dia-a-dia mostra-se essencial para conseguir viver bem consigo próprio e com os outros de uma forma constante.

"Três Embaixadas Europeias à China" em conferência no Museu do Oriente

Expo Embaixadas.jpg

 

Pacheco de Sampaio na China dos Qing

 

O Museu do Oriente organiza um ciclo de conferências em torno da exposição “Três Embaixadas Europeias à China”, com a primeira a realizar-se a 25 de Janeiro, às 18h00, com entrada gratuita, sobre o percurso de Pacheco de Sampaio na China dos Qing.

 

Numa sessão intitulada “Num mundo diferente: Pacheco de Sampaio na China dos Qing (1752-1753)”, o historiador António Vilhena de Carvalho regressa aos tempos de uma Europa ainda à procura da Ásia, em novos moldes e com novos protagonistas. Um mundo em que já participam activamente a América e África, graças a novos caminhos marítimos, mais largos e mais rápidos. Um mundo no qual se começam a descortinar já as grandes mudanças que a Revolução Científica e a Revolução Industrial iriam trazer à escala global, às quais a China da dinastia Qing não foi impermeável, como muitos ainda julgam. Este mundo que levou a embaixada de Francisco Pacheco de Sampaio ao Imperador Qianlong, da dinastia Qing, em 1752, numa altura delicada para os interesses portugueses em Macau e na China.

 

António Vilhena de Carvalho é doutorando pela Universidade Católica Portuguesa (PiudHist, Programa Interuniversitário de Doutoramento em História) e possui um mestrado em Estudos Asiáticos e uma licenciatura em Direito pela mesma universidade. Os seus trabalhos de investigação actuais centram-se sobre a China das primeiras décadas do século XX e sobre a imagem que ela projecta, à época, em países como Portugal e o Reino Unido.

 

As próximas sessões são dedicadas aos temas “O primeiro embaixador europeu à China Ming: Tomé Pires (1517-1577)”, por Jorge dos Santos Alves (22 Fevereiro) e “A Europa e a Pax Mongólia. A embaixada de Frei Lourenço de Portugal (1245)”, com Ana Cristina Costa Gomes (29 Março).

 

Ciclo de Conferências “Três Embaixadas Europeias à China”

25 Janeiro, 22 Fevereiro, 29 Março

18.00

Entrada gratuita

 

25 Janeiro

“Num mundo diferente: Pacheco de Sampaio na China dos Qing (1752-1753)”

António Vilhena de Carvalho

 

22 Fevereiro

“O Primeiro embaixador europeu à China Ming: Tomé Pires (1517-1577)”

Jorge dos Santos Alves

 

29 Março

“A Europa e a Pax Mongólica. A embaixada de Frei Lourenço de Portugal (1245)”

Ana Cristina Costa Gomes

 

Curso e conferência explicam protagonismo português nos contactos diplomáticos entre Europa e China | Exposição “Três Embaixadas Europeias à China”

Museu do Oriente (2)-min.jpg

 

 

“Três Embaixadas Europeias à China – Roteiros de uma Exposição” é o curso que o Museu do Oriente realiza na área expositiva dedicada a esta mostra, nos dias 16, 23 e 30 de Março, às 15.00, com o objectivo de proporcionar um roteiro explicativo de cada um dos três núcleos que a compõem. No dia 29, uma conferência dá a conhecer a embaixada de Frei Lourenço de Portugal (1245) e a sua relevância nos contactos diplomáticos entre a Europa e a China.

 

Protagonizada por portugueses ao longo de cinco séculos (XIII a XVIII), a história dos contactos político-diplomáticos entre a Europa e a China é o tema do curso orientado por Jorge Santos Alves, curador da exposição. Cada uma das três sessões concentra-se num dos núcleos, procurando mostrar o pano de fundo histórico-geográfico destas três embaixadas europeias: a embaixada do Papa Inocêncio IV ao Império Mongol (1245), de D. Manuel I à Dinastia Ming (1517) e de D. José I ao Imperador Qianlong (1752). 

 

É em torno de três protagonistas que se estrutura a exposição, com cerca de setenta peças de coleccionadores privados, de instituições como o Arquivo Secreto do Vaticano, a Torre do Tombo, a Biblioteca Nacional e o Museu da Farmácia, entre outras, e do próprio espólio da Fundação Oriente.

 

Também subordinada a esta exposição, no dia 29 de Março é dada a conhecer a embaixada de Frei Lourenço de Portugal (1245) na conferência “A Europa e a Pax Mongolica”, que se realiza às 18.00, com entrada livre.

 

Conduzida por Cristina Costa Gomes, Doutorada em História Moderna pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, esta sessão mostra como a Ásia e o Médio e Próximo Oriente se aproximavam da Europa, através da expansão militar e territorial do Império Mongol. O mundo de Frei Lourenço de Portugal foi marcado pela abertura de um canal diplomático entre a Europa cristã, liderada pelo Papado e o Império Mongol, mas também por trocas culturais e económicas à escala global, nas quais o mundo islâmico (na Península Ibéria, no Médio e Próximo Oriente e mesmo no Oceano Índico) era uma parte activa.


Cristina Costa Gomes tem desenvolvido investigação e publicado diversos artigos e livros nas áreas das Relações Interculturais entre a Europa e a China (sécs. XVI a XVIII), Renascimento e Humanismo em Portugal (séc. XVI) e Paleografia e Edição de Textos (sécs. XVI a XVIII).

 

Curso “Três Embaixadas Europeias à China – Roteiros de uma Exposição”

com Jorge Santos Alves, curador da exposição

16, 23 e 30 de Março

15.00-16.30

Preço: 40 €

Participantes: mín. 12, máx. 20

 

Conferência “A Europa e a Pax Mongolica. A embaixada de Frei Lourenço de Portugal (1245)”

com Cristina Costa Gomes

29 de Março

18.00

Entrada livre

 

www.museudooriente.pt

“Cultura no Hospital” do CUF Descobertas | 13h-14h de 20 março | Música clássica do Conservatório Nacional

 

 

O Hospital CUF Descobertas está a promover até julho o ciclo de conferências “Cultura no Hospital”. Destinado ao público em geral, “Cultura no Hospital” é um ciclo de eventos que pretende trazer mensalmente ao Auditório do Centro do Conhecimento do Hospital variados momentos culturais, assim como de debate e reflexão sobre temas tão diversos como a ciência, a cultura, a tecnologia, a saúde e a música, entre outros.

 

Na próxima quarta-feira, dia 20 de março, entre as 13h00 e as 14h00, o Auditório do Centro do Conhecimento do Hospital CUF Descobertas tem a honra de poder receber a Escola Artística de Música do Conservatório Nacional de Lisboa, que irá apresentar música clássica.

 

As conferências, abertas à comunidade em geral, têm entrada livre, sujeita à capacidade da sala, realizando-se no Auditório do Conhecimento do Hospital CUF Descobertas, localizado no Edifício 2 desta unidade.

 

Conheça também o programa dos próximos eventos do ciclo de conferências em 2019:

_____________________________________________________________________________

3 de abril – Dr. Nuno Rogeiro – Brexit: sociedades, políticas, fronteiras, segurança, economia e migrações

_____________________________________________________________________________

22 de maio – Professor Arlindo Oliveira – Inteligência Artificial

_____________________________________________________________________________

19 de junho – Conservatório Nacional de Lisboa apresenta música clássica

_____________________________________________________________________________

24 de julho – Dra. Cristina Semião Alves Watson (IBM) – A decisão terapêutica

 

“Horizontes do Futuro" debate ética e riscos associados às novas tecnologias

21 de março, 21h30, em Loulé

“HORIZONTES DO FUTURO” DEBATE ÉTICA E RISCOS ASSOCIADOS ÀS NOVAS TECNOLOGIAS

António Betâmio de Almeida.JPG

 

António Betâmio de Almeida é o próximo convidado de mais uma conferência integrada no Ciclo “Horizontes do Futuro” que decorrerá no dia 21 de março, pelas 21h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Loulé. “As novas tecnologias e as pessoas: Ética e riscos associados” é o tema abordado pelo conferencista.

O convidado fará uma perspetiva histórica e enquadramento dos conceitos “Técnica” e “Tecnologia” e a sua relevância atual, bem como uma breve apresentação do que se consideram ser as novas tecnologias, objeto desta intervenção, nomeadamente no que diz respeito à internet, algoritmos, robots e inteligência artificial, referindo ainda a forma de inserção na sociedade – força empresarial e do mercado.

Por outro lado, o conferencista abordará o “determinismo tecnológico” e o seu enquadramento no contexto social, e quais os desafios e potenciais ameaças para as pessoas (ou derivas sociais), para a democracia representativa e para a civilização humana. As questões éticas e políticas serão então abordadas, tomando como exemplos a possibilidade de regulação e recurso ao Direito nestas matérias.

António Betâmio de Almeida é docente e consultor técnico em diversas áreas da Engenharia (Hidráulica, Energia, Recursos Hídricos e Ambiente). Tem desenvolvido intensa atividade nas áreas da segurança de infraestruturas e dos riscos tecnológicos e naturais.

É Professor Emérito da Universidade Técnica de Lisboa (Instituto Superior Técnico) e membro eleito da Academia de Engenharia de Portugal. Conjugando exemplarmente a vida académica com a atividade profissional, nas quais sempre alcançou a excelência técnica e científica, é uma referência nacional nestes domínios e é reconhecido como um investigador de topo a nível mundial.

De entre os projetos em que esteve envolvido, destaca-se por exemplo, o cargo de diretor do projeto da OTAN (Science for Stability) - Dams and Safety Management at

Downstream Valleys (1994-2000) - projeto inovador de gestão do risco público, com uma equipa multidisciplinar incluindo as ciências sociais o qual influenciou a nova geração de regulamentos de segurança de barragens em Portugal.

É autor ou coautor de diversos livros e de mais de duas centenas de artigos e de comunicações científicas e técnicas. Destaca-se “Fluid Transients in Pipe Networks” (coautoria), editado em 1992 (Menção Honrosa do Prémio Boa Esperança Portugal – Brasil) e “Incertezas e Riscos. Conceptualização Operacional”, editado em 1911.

A contribuição para o desenvolvimento das ciências do risco em Portugal mereceu o Prémio Ciência-Dedicação, de 2016, da Associação Portuguesa de Riscos Prevenção e Segurança.

Recentemente tem vindo a interessar-se pelos riscos e ameaças das novas tecnologias (robots e inteligência artificial) na sociedade e na vida quotidiana das pessoas. Neste contexto é membro do Grupo de Ética da AGE-Europe (impacto nas pessoas idosas a nível da União Europeia) e do Grupo Interdisciplinar Direito e Inteligência Artificial da Faculdade de Direito da U. C. de Lisboa.

Esta conferência promovida pela Câmara Municipal de Loulé tem entrada livre.

 

CML/GAP /RP

A Travessia - mulheres e meninas em refúgio

De acordo com dados do ACNUR e UNICEF, atualmente mais de metade dos refugiados são mulheres e crianças e representam o grupo mais vulnerável à violência. Forçadas a deslocar-se das suas casas, em busca de proteção e segurança, enfrentam uma perigosa travessia, que coloca em risco os seus Direitos Humanos, desde os países de origem, passando por países de trânsito e de destino. As mulheres que viajam sozinhas, e crianças não acompanhadas, permanecem particularmente expostas aos riscos de violência sexual e de género ao longo de rotas para a Europa e outros destinos.

71b43d64-0bf9-4c0a-85d0-da807a199a3c.jpg

 

Associação Renovar a Mouraria, no âmbito do Projeto “NO Border” por ocasião do dia Internacional da Mulher, encontra-se a organizar a iniciativa: “A Travessia – Mulheres e Meninas em Busca de Refúgio”, que terá lugar dia 15 e 16 de março:


Dia 15 de Março – “Testemunhos e Guia para Decisores Políticos”, entre as 14h00 e as 18h45 no Auditório António Almeida Santos, no Edifício Novo da Assembleia da República. Esta sessão conta com testemunhos e recomendações apresentadas por mulheres e meninas refugiadas, em Portugal, de diferentes idades e origens (Síria, Venezuela, Cuba, Quénia, Bósnia)

Dia 16 de Março – “Conferência Internacional” entre as 09h15 e 18h45, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Lisboa. Esta iniciativa pretende ser um espaço privilegiado de reflexão sobre as realidades enfrentadas por mulheres e meninas refugiadas e requerentes de asilo, partilhando Boas Práticas e apresentando Recomendações elaboradas com a colaboração ativa de mulheres refugiadas no nosso país. Este evento irá trazer a Portugal reputadas especialistas internacionais, nomeadamente: Shannon Pfohman (Directora de Política e Advocacy da Caritas Europa), Diana Tudorancea (Associação de Mulheres Migrantes de Malta) e Anna Zobnina (Coordenadora de Estratégia &Política na Rede Europeia de Mulheres Migrantes).

A entrada é livre, mas a inscrição obrigatória.

“Desafio 2030 – “Indústria, Inovação e Infraestruturas” | 14 março em Leiria > Um painel de oradores de excelência para falar sobre um dos temas mais importantes da atualidade

 

Image_3_4f88d78d-8650-4ace-b20d-db52e296d104.png

 

PROGRAMA DA CONFERÊNCIA

14h00

Receção de Público

14h30
APONTAMENTO MUSICAL

Sociedade Artística Musical dos Pousos
David Ferreira

14h45
SESSÃO DE ABERTURA

Gonçalo Lopes, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Leiria

Francisco Madelino, Presidente do Conselho de Administração da Fundação INATEL

15h15
VISIONAMENTO DE DOCUMENTÁRIO

“OBJETIVOS GLOBAIS DA ONU: INDÚSTRIA, INOVAÇÃO E INFRAESTRUTURA”
Como a tecnologia e a inovação se interligam com os pilares do desenvolvimento sustentável.
Vídeo produzido pelo Departamento de Informação Pública da ONU

15h20
Painel 1
“TRABALHAR O FUTURO”

INOVAÇÃO NA ECONOMIA PORTUGUESA
António Bob Santos,
membro do Conselho de Administração da Agência Nacional de Inovação SA

A INOVAÇÃO COMO CHAVE PARA COMPETIR COM O RESTO DO MUNDO
Nuno Silva, Presidente do Conselho de Administração do CENTIMFE - Centro Tecnológico da Indústria de Moldes, Ferramentas Especiais e Plásticos

16h00
TESTEMUNHO DA HISTÓRIA

A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO OPERÁRIO E SINDICAL NO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL: Kalidás Barreto, uma vida dedicada aos trabalhadores

José Manuel Alho, Administrador da Fundação INATEL

16h20
Painel 2
“INOVAR PARA EVOLUIR”

Nuno Mangas, Presidente do Conselho Diretivo do IAPMEI – Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação
e
Rui Pedrosa, Presidente do IPLeiria - Politécnico de Leiria

MODERAÇÃO

António Poças, Presidente da Direção da NERLEI – Associação Empresarial da Região de Leiria

PRÉMIO INATEL SUSTENTABILIDADE”

Entrega do “Prémio Inatel Sustentabilidade” a personalidades ou organizações de reconhecido mérito na temática.

17h30

Cocktail de Encerramento

Participação sujeita a confirmação,através dos contactos 210 027 142 ou inatel.social@inatel.pt

"O primeiro embaixador europeu à Dinastia Ming - Tomé Pires" | Para conhecer no Museu do Oriente

Aventuras de Tomé Pires_MO.jpg

 

“O primeiro embaixador europeu à Dinastia Ming – Tomé Pires (1517)” é o tema da próxima conferência em torno da exposição “Três Embaixadas Europeias à China”, que o Museu do Oriente organiza no dia 22 de Fevereiro, às 18.00, com entrada livre.

 

A sessão aborda o mundo de Tomé Pires, farmacêutico, quadro administrativo e diplomata, que se estendia de Lisboa até à China, mas tinha o seu epicentro asiático em Malaca, centro importante do mundo poli-centrado que era o Estreito de Malaca, a autoestrada marítima de ligação entre o Mediterrâneo e o Índico, e o Mar da China.

 

Agora, no mundo de Pires era a Europa que se aproximava da Ásia, em modo de conquista, mas também de comércio e diplomacia.  A diplomacia que, em 1517, haveria de tornar Pires no primeiro embaixador de um Estado europeu à Dinastia Ming, que governava a China desde 1368. Uma embaixada que deixou ecos no presente das mais variadas formas e que inspirou romancistas e artistas plásticos contemporâneos. E que se perpetua na toponímia da mais bem-sucedida criação do entendimento entre Portugal e a China, que é Macau.

 

A conferência é conduzida por Jorge Santos Alves, professor auxiliar convidado da Faculdade de Ciências Humanas (Universidade Católica Portuguesa, Lisboa) e coordenador do Instituto de Estudos Asiáticos e do Mestrado em Estudos Asiáticos da mesma universidade. É investigador-sénior do Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (FCH-UCP) e foi professor convidado da Universidade de Macau (2003-2010), onde ensinou entre 1990 e 1996.

 

Conferência “O primeiro embaixador europeu à Dinastia Ming – Tomé Pires (1517)”

22 de Fevereiro

18.00

Entrada livre

 

www.museudooriente.pt