Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

MUDE Fora de Portas | Fernando Lemos em Lisboa | 9 de junho | 17h30 | Palácio Calheta

popup_fernandoLemos (1).jpg

 

Conversa com Fernando Lemos

 

Fernando Lemos estará em Lisboa do dia 9 de junho, sábado, para uma conversa com Bárbara Coutinho, pelas 17h30, na exposição Tanto Mar, Fluxos Transatlânticos do Design, onde o autor está representado com um núcleo do seu trabalho gráfico, realizado ao longo de 60 anos.

 

09 Jun. 2018
Sábado - 17h30H

 

Entrada Livre

Palácio Calheta

Jardim Botânico Tropical, Belém

Rua General João de Almeida, 10

1300-266 Lisboa

Festa do Património chega a Miranda do Douro | 1 e 2 junho | Entrada livre

image002.png

 

 

Depois de Arouca e Tarouca, o evento Dias do Património a Norte chega a Miranda do Douro, já nos próximos dias 1 e 2 de junho, com atividades para toda a família a decorrer na Concatedral de Miranda.

 

Esta é a terceira iniciativa do Ciclo Dias do Património a Norte (cuja inauguração ocorreu em abril, no Mosteiro de Arouca), um evento em rede promovido pela Direção Regional de Cultura do Norte e que, ao longo de seis meses (de abril a setembro), vai transformar oito lugares patrimoniais da região Norte, em palcos de uma programação artística, cultural e gastronómica, desenhada com o traço da identidade singular de cada território.

 

A iniciativa é promovida pela Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN), em parceria com os municípios locais, representando um investimento total de 400 mil Euros, cofinanciado pelo Programa Norte 2020, através do FEDER.

 

Elemento imponente e proeminente na paisagem de Miranda do Douro, a Concatedral recebe-nos para, em dois dias, nos dar a conhecer a sua história, os seus recantos, mistérios, e estórias.

 

Os mais novos desvendam, em jeito de Visita-Jogo, segredos nunca antes desvendados; os mais graúdos são conduzidos por membros da comunidade numa visita guiada com pormenores únicos, na qual se evoca o passado, através de tradições e memórias.

 

No cadeiral reunimo-nos para uma conversa acerca do acesso ao conhecimento e dos desafios que o excesso de informação contemporâneo nos coloca. No exterior, espera-nos uma festividade antiga: a confeção, e posterior degustação, das tradicionais Rosquilhas ou Pão Leve.

 

O final da tarde é da responsabilidade da Companhia Erva Daninha que, tendo por pano de fundo a Concatedral, apresenta-nos um espetáculo de circo contemporâneo, no qual a enxada, utensílio tão caro à ruralidade, é tema de inspiração.

 

Ao cair da noite as comunidades locais presenteiam-nos com uma criação original conjunta, que nos guiará da Concatedral ao Lhargo D. João III. Aqui, juntam-se aos Galandum Galundaina, que em concerto e festa fecham estes dias de celebração.


Viajando entre o passado e o presente, celebramos o nosso Património!

 

PROGRAMA

1 junho | sexta-feira


14:00 - Visita-Jogo à Concatedral de Miranda do Douro* 

conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho
dinamização: Juliana Sá
ponto de encontro: entrada da Concatedral 
*reservada às escolas

A Concatedral guarda segredos que nunca foram desvendados. Visitá-la, conhecer a sua história e resolver os seus enigmas; revelam-se pistas cada vez mais interessantes e misteriosas, que nos levam a um surpreendente desfecho final. 

2 junho | sábado

14:30 - Visita-Jogo à Concatedral de Miranda do Douro*
conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho
dinamização: Juliana Sá
ponto de encontro: entrada da Concatedral 
* reservada aos grupos da catequese


14:30 - Visita Guiada por membros da comunidade 
guias: Paulo Meirinhos e António Rodrigues Mourinho
ponto de encontro: entrada da Concatedral 

A história de um local não é apenas um conjunto de factos escritos ou estudados. Nesta visita cruzamos o conhecimento científico acerca da Concatedral com um conjunto de outras dimensões, como as vivências da população que com ela privou ou os modos de vida de quem por aqui passou. Venha conhecer a Concatedral e as suas estórias, numa visita guiada com pormenores únicos.


16:00 - Conversas | O Património e o Conhecimento
convidados: Professor Doutor José Luís Fernandes e Professor Doutor Pedro Morgado
Cadeiral da Concatedral

De um tempo ainda próximo em que o acesso ao conhecimento era escasso e constituía um privilégio, vive-se, hoje, uma certa desorientação perante a abundância de informações. A possibilidade de acesso imediato a informações abundantes, mas caóticas, duvidosas, desordenadas, contraditórias, sem critério ou hierarquia favorecem a desorientação e a insegurança e são “terreno fértil” para o surgimento de crenças, de ideologias duvidosas e fundamentalistas. Ao mesmo tempo que o cidadão se vê confrontado com um mundo cada vez mais complexo, onde o exercício de uma cidadania responsável exige a apropriação de conhecimento claro e rigoroso, transparente e racional. Como gerir a inquietação que as contradições do mundo atual coloca?


17:30 - Degustação | Rosquilhas e Sabores de Miranda
com o Chef Tiago Emanuel Santos
Exterior da Concatedral

O Pão Leve e os versos de boa ventura são o mote para um momento de celebração e degustação. 
Ao sair da igreja, o padrinho esperava os noivos com uma mesa repleta de doces e vinho para oferecer dinheiro para o séquito passar e os abençoar com versos de felicidades e boas venturas. A boda seguia-se e as mais simples das iguarias viravam banquetes de fartura para os convidados. O que não podia faltar era o Pão Leve, o doce de massa cremosa cozinhado sobre as brasas na panela de cobre tradicional, que só alguns mirandeses ainda se lembram de provar. O Chef Tiago Emanuel Santos convida os participantes a uma celebração à moda antiga, com iguarias e sabores de terras de Miranda, acompanhados de versos de fortuna e alegria.

Esta atividade tem o apoio da ProChef.


18:30 - Circo para famílias| “E-nxada”, Companhia Erva Daninha
cocriação Erva Daninha e Binaural/Nodar coprodução Teatro Nacional São João 
Exterior da Concatedral

Partindo da ideia do trabalho original e primário e do seu lugar no espaço urbano atual, a Companhia Erva Daninha escolheu como tema um objeto que cava os tempos até hoje – a enxada. Símbolo de trabalho, de ligação entre o passado e o presente, de repetição e equilíbrio comuns ao circo contemporâneo. Este é um espetáculo que remete para a ruralidade, a sua desconstrução e imaginário sob um ponto de vista urbano e contemporâneo, e que resultou da investigação artística através da relação do corpo e do objeto em cruzamento com a instalação plástica, composição sonora e iluminação. Uma alusão poética ao trabalho da terra através de um objeto/alfaia ancestral que relaciona o homem com a paisagem. 
Cavar, semear, germinar, regar e colher. Através da desconstrução da enxada aludimos ao espírito da materialidade rural para o contexto urbano, crescentemente imaterial/evanescente. Recordar as origens, a importância da agricultura na fixação dos povos e do seu desenvolvimento e a relação do homem com a natureza.

direção artística e conceção plástica Vasco Gomes, Julieta Guimarães criação e interpretação Jorge Lix, Rodrigo Matos, Vasco Gomes luz Romeu Guimarães composição sonora do espetáculo Luís Costa ilustração Rui Vitorino Santos registo vídeo e fotografia Liliana Sílvia


21:00 - Concerto itinerante| Galandum Galundaina com grupos da comunidade
com a participação de diversas comunidades musicais locais coordenadas por Paulo Meirinhos (músico) e Helena Oliveira (bailarina/coreógrafa)
ponto de encontro: Interior da Concatedral
palco: Largo D. João III


Esta é uma nova criação, desenhada com as comunidades de Miranda do Douro, com a coordenação de Paulo Meirinhos (músico) e Helena Oliveira (bailarina/coreógrafa), e que integrará o concerto dos Galandum Galundaina. Uma obra musical que reflete a identidade dos participantes, da sua música e da sua cultura.


Para Galandum Galundaina a música não se inventa, reencontra-se. O maior grupo musical Mirandês apresenta um repertório vocal e instrumental baseado na herança do cancioneiro tradicional das Terras de Miranda, onde as harmonias vocais e o ritmo das percussões nos transportam para um universo atemporal. Das memórias da Sanfona, da Gaita-de-foles Mirandesa, da Flauta pastoril, do Rabel, do Saltério, do Cântaro, do Pandeiro mirandês, do Bombo e da Caixa de Guerra do avô Ventura, nasce uma música que acumula referências, lugares, intensidades, tempos.

 

Depois de Arouca e Tarouca, o evento Dias do Património a Norte chega a Miranda do Douro, já nos próximos dias 1 e 2 de junho, com atividades para toda a família a decorrer na Concatedral de Miranda.

 

Esta é a terceira iniciativa do Ciclo Dias do Património a Norte (cuja inauguração ocorreu em abril, no Mosteiro de Arouca), um evento em rede promovido pela Direção Regional de Cultura do Norte e que, ao longo de seis meses (de abril a setembro), vai transformar oito lugares patrimoniais da região Norte, em palcos de uma programação artística, cultural e gastronómica, desenhada com o traço da identidade singular de cada território.

 

A iniciativa é promovida pela Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN), em parceria com os municípios locais, representando um investimento total de 400 mil Euros, cofinanciado pelo Programa Norte 2020, através do FEDER.

 

Elemento imponente e proeminente na paisagem de Miranda do Douro, a Concatedral recebe-nos para, em dois dias, nos dar a conhecer a sua história, os seus recantos, mistérios, e estórias.

 

Os mais novos desvendam, em jeito de Visita-Jogo, segredos nunca antes desvendados; os mais graúdos são conduzidos por membros da comunidade numa visita guiada com pormenores únicos, na qual se evoca o passado, através de tradições e memórias.

 

No cadeiral reunimo-nos para uma conversa acerca do acesso ao conhecimento e dos desafios que o excesso de informação contemporâneo nos coloca. No exterior, espera-nos uma festividade antiga: a confeção, e posterior degustação, das tradicionais Rosquilhas ou Pão Leve.

 

O final da tarde é da responsabilidade da Companhia Erva Daninha que, tendo por pano de fundo a Concatedral, apresenta-nos um espetáculo de circo contemporâneo, no qual a enxada, utensílio tão caro à ruralidade, é tema de inspiração.

 

Ao cair da noite as comunidades locais presenteiam-nos com uma criação original conjunta, que nos guiará da Concatedral ao Lhargo D. João III. Aqui, juntam-se aos Galandum Galundaina, que em concerto e festa fecham estes dias de celebração.


Viajando entre o passado e o presente, celebramos o nosso Património!

 

PROGRAMA

1 junho | sexta-feira


14:00 - Visita-Jogo à Concatedral de Miranda do Douro* 

conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho
dinamização: Juliana Sá
ponto de encontro: entrada da Concatedral 
*reservada às escolas

A Concatedral guarda segredos que nunca foram desvendados. Visitá-la, conhecer a sua história e resolver os seus enigmas; revelam-se pistas cada vez mais interessantes e misteriosas, que nos levam a um surpreendente desfecho final. 

2 junho | sábado

14:30 - Visita-Jogo à Concatedral de Miranda do Douro*
conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho
dinamização: Juliana Sá
ponto de encontro: entrada da Concatedral 
* reservada aos grupos da catequese


14:30 - Visita Guiada por membros da comunidade 
guias: Paulo Meirinhos e António Rodrigues Mourinho
ponto de encontro: entrada da Concatedral 

A história de um local não é apenas um conjunto de factos escritos ou estudados. Nesta visita cruzamos o conhecimento científico acerca da Concatedral com um conjunto de outras dimensões, como as vivências da população que com ela privou ou os modos de vida de quem por aqui passou. Venha conhecer a Concatedral e as suas estórias, numa visita guiada com pormenores únicos.


16:00 - Conversas | O Património e o Conhecimento
convidados: Professor Doutor José Luís Fernandes e Professor Doutor Pedro Morgado
Cadeiral da Concatedral

De um tempo ainda próximo em que o acesso ao conhecimento era escasso e constituía um privilégio, vive-se, hoje, uma certa desorientação perante a abundância de informações. A possibilidade de acesso imediato a informações abundantes, mas caóticas, duvidosas, desordenadas, contraditórias, sem critério ou hierarquia favorecem a desorientação e a insegurança e são “terreno fértil” para o surgimento de crenças, de ideologias duvidosas e fundamentalistas. Ao mesmo tempo que o cidadão se vê confrontado com um mundo cada vez mais complexo, onde o exercício de uma cidadania responsável exige a apropriação de conhecimento claro e rigoroso, transparente e racional. Como gerir a inquietação que as contradições do mundo atual coloca?


17:30 - Degustação | Rosquilhas e Sabores de Miranda
com o Chef Tiago Emanuel Santos
Exterior da Concatedral

O Pão Leve e os versos de boa ventura são o mote para um momento de celebração e degustação. 
Ao sair da igreja, o padrinho esperava os noivos com uma mesa repleta de doces e vinho para oferecer dinheiro para o séquito passar e os abençoar com versos de felicidades e boas venturas. A boda seguia-se e as mais simples das iguarias viravam banquetes de fartura para os convidados. O que não podia faltar era o Pão Leve, o doce de massa cremosa cozinhado sobre as brasas na panela de cobre tradicional, que só alguns mirandeses ainda se lembram de provar. O Chef Tiago Emanuel Santos convida os participantes a uma celebração à moda antiga, com iguarias e sabores de terras de Miranda, acompanhados de versos de fortuna e alegria.

Esta atividade tem o apoio da ProChef.


18:30 - Circo para famílias| “E-nxada”, Companhia Erva Daninha
cocriação Erva Daninha e Binaural/Nodar coprodução Teatro Nacional São João 
Exterior da Concatedral

Partindo da ideia do trabalho original e primário e do seu lugar no espaço urbano atual, a Companhia Erva Daninha escolheu como tema um objeto que cava os tempos até hoje – a enxada. Símbolo de trabalho, de ligação entre o passado e o presente, de repetição e equilíbrio comuns ao circo contemporâneo. Este é um espetáculo que remete para a ruralidade, a sua desconstrução e imaginário sob um ponto de vista urbano e contemporâneo, e que resultou da investigação artística através da relação do corpo e do objeto em cruzamento com a instalação plástica, composição sonora e iluminação. Uma alusão poética ao trabalho da terra através de um objeto/alfaia ancestral que relaciona o homem com a paisagem. 
Cavar, semear, germinar, regar e colher. Através da desconstrução da enxada aludimos ao espírito da materialidade rural para o contexto urbano, crescentemente imaterial/evanescente. Recordar as origens, a importância da agricultura na fixação dos povos e do seu desenvolvimento e a relação do homem com a natureza.

direção artística e conceção plástica Vasco Gomes, Julieta Guimarães criação e interpretação Jorge Lix, Rodrigo Matos, Vasco Gomes luz Romeu Guimarães composição sonora do espetáculo Luís Costa ilustração Rui Vitorino Santos registo vídeo e fotografia Liliana Sílvia


21:00 - Concerto itinerante| Galandum Galundaina com grupos da comunidade
com a participação de diversas comunidades musicais locais coordenadas por Paulo Meirinhos (músico) e Helena Oliveira (bailarina/coreógrafa)
ponto de encontro: Interior da Concatedral
palco: Largo D. João III


Esta é uma nova criação, desenhada com as comunidades de Miranda do Douro, com a coordenação de Paulo Meirinhos (músico) e Helena Oliveira (bailarina/coreógrafa), e que integrará o concerto dos Galandum Galundaina. Uma obra musical que reflete a identidade dos participantes, da sua música e da sua cultura.


Para Galandum Galundaina a música não se inventa, reencontra-se. O maior grupo musical Mirandês apresenta um repertório vocal e instrumental baseado na herança do cancioneiro tradicional das Terras de Miranda, onde as harmonias vocais e o ritmo das percussões nos transportam para um universo atemporal. Das memórias da Sanfona, da Gaita-de-foles Mirandesa, da Flauta pastoril, do Rabel, do Saltério, do Cântaro, do Pandeiro mirandês, do Bombo e da Caixa de Guerra do avô Ventura, nasce uma música que acumula referências, lugares, intensidades, tempos.

 

 

 

CCB | Programação Fábrica das Artes de maio

phpThumb_generated_thumbnailjpg.jpg

 

17 e 24 de maio | 7, 14, 21 e 28 de junho | 5, 12, 19, 26 de julho | 18:00 | Espaço Fábrica das Artes
Conversas com Mar
Minipalestras
Às quintas-feiras terão lugar as Conversas com Mar. No dia 17 estarão à conversa Pedro Madureira (geólogo responsável PEPC) e Luís Sebastião (tecnólogo submarino) e no dia 24 estarão Mónica Albuquerque (bióloga) e Ana Pêgo (educadora ambiental).
Entrada Livre

Lisboa, Cidade Triste e Alegre | Conversas e Lançamento de catálogo

 

 

 

Convite conversas e lançamento de catálogo 
Lisboa, Cidade Triste e Alegre: Arquitetura de um Livro

d975e8ff-5559-4afe-8138-f840d315aea0.png

O Museu de Lisboa convida para assistir às próximas conversas e ao lançamento do catálogo da exposição Lisboa, Cidade Triste e Alegre: Arquitetura de um Livro, no Pavilhão Preto do Museu de Lisboa - Palácio Pimenta.
 

23 de maio (quarta) 18h
Conversa com André Príncipe, José Pedro Cortes e Paulo Catrica


29 de maio (terça) 18h
Conversa com Alexandre Pomar, Michel Toussaint e Pedro Mexia 
Lançamento de catálogo



A entrada é livre, sujeita à lotação do espaço.

Saiba todos os detalhes sobre esta exposição aqui.

José de Guimarães e convidados à conversa com o público | 25 Maio | 18.30 | Museu do Oriente | Gratuito

José de Guimarães.jpg

 

“Um Museu do Outro Mundo”

 

José de Guimarães e convidados à conversa com o público

 

“Um Museu do Outro Mundo”, exposição de José de Guimarães que assinala os 30 anos da Fundação Oriente e 10 anos do Museu do Oriente, dá o mote para uma conversa entre o artista, convidados do meio cultural e o público, no dia 25 de Maio, às 18.30, no Museu do Oriente, numa iniciativa de entrada livre.


A reflexão e diálogo entre objectos e seus contextos, proposta pela exposição, continua nesta conversa que conta com a participação do curador Nuno Faria, do arquitecto Pedro Campos Costa (vídeo), da antropóloga Nélia Dias, do administrador da Fundação Calouste Gulbenkian Guilherme d’Oliveira Martins, e Sofia Campos Lopes do Museu do Oriente. A abordar, a transcendência e o ritual, a alteridade na arte e fora dela, cultura material e representação do outro, entre outros temas caros aos museus e transversais à obra de José de Guimarães.

 

Composta por 150 peças que incluem objectos da colecção Kwon On do Museu do Oriente, obras da autoria de José de Guimarães, criadas propositadamente para esta mostra, bronzes, jades e terracotas chinesas da colecção privada do artista, “Um Museu do Outro Mundo” pode ser visitada até 3 de Junho.


Exposição “Um Museu do Outro Mundo”
José de Guimarães nos 30 anos da Fundação Oriente e nos 10 anos do Museu do Oriente

CONVERSA
25 Maio | 18.30
Com José de Guimarães, Nuno Faria, Pedro Campos Costa, Nélia Dias, Guilherme d’Oliveira Martins, Sofia Campos Lopes
Entrada livre, sujeita à capacidade da sala

 

www.museudooriente.pt

 

ARTE EM FESTA 2018 - CONVERSA “ATO DE CRIAR” COM LOURO ARTUR I Segunda-feira, 28 de maio, 21h30 I Imargem

 

A Associação de Artistas Plásticos do Concelho de Almada - IMARGEM, convida para

 

ARTE EM FESTA

CONVERSA “ATO DE CRIAR” COM LOURO ARTUR

IMARGEM, PRAGAL

Segunda 28 de maio, 21h30

ARTE EM FESTA - CONVERSA “ATO DE CRIAR”.jpg

 

Troca de experiências, no universo das Artes Plásticas, no ato de criar, na comunicação e na divulgação (local, nacional e internacional) do objeto plástico. (O Pintor Louro Artur)

Festa do Património acontece em Tarouca | dias 18 e 19 maio | entrada livre

DIAS DO PATRIMÓNIO A NORTE

FADISTA ALDINA DUARTE É CABEÇA DE CARTAZ

 

Mosteiro de Santa Maria de Salzedas

18 e 19 maio 2018

 

image002.jpg

Aldina Duarte atua no Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, no próximo dia 19 maio, pelas 21h30, naquele que será o espetáculo de encerramento do evento Dias do Património a Norte, em Tarouca.

 

Esta é a segunda iniciativa do Ciclo Dias do Património a Norte (cuja inauguração ocorreu em abril, no Mosteiro de Arouca), um evento em rede promovido pela Direção Regional de Cultura do Norte e que, ao longo de seis meses (de abril a setembro), vai transformar oito lugares patrimoniais da região Norte, em palcos de uma programação artística, cultural e gastronómica, desenhada com o traço da identidade singular de cada território.

 

A iniciativa é promovida pela Direção Regional de Cultura do Norte em parceria com os municípios locais, representando um investimento total de 400 mil Euros, cofinanciado pelo Programa Norte 2020, através do FEDER.

 

O Mosteiro de Santa Maria de Salzedas é assim o segundo palco dos Dias do Património a Norte. O Mosteiro abre-se para proporcionar um dia de descobertas e experiências singulares. Fazemos uma visita com quem melhor conhece os seus recantos, estórias e memórias, conversamos sobre Paisagem Cultural – o resultado da interação do Homem com a Natureza, e a sua importância para a proteção do legado comum das comunidades.

 

Em jeito de piquenique, conhecemos, pelas mãos de um Chef que tem o foco do seu trabalho na riqueza dos produtos locais e sazonais, reinterpretações da Baga do Varosa (o conhecido sabugueiro). Em família, ouvimos uma história, vinda de longe, sobre a importância da água e da sustentabilidade dos recursos naturais. Duas das comunidades locais apresentam-nos uma performance musical e uma instalação visual. E, quando a noite se fizer chegar, ocupamos um dos claustros do Mosteiro para ouvir a inconfundível Aldina Duarte e o seu último trabalho, “Quando se ama loucamente”.

 

Assente na riqueza do passado, criamos memórias no presente e celebramos o nosso Património!

 

 

PROGRAMA

 

Sexta | 18 de maio

 

10:00 - Visita-Jogo ao Mosteiro de Santa Maria de Salzedas*

conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho

dinamização: Juliana Sá

vários espaços do Mosteiro

* reservada às escolas

 

O mosteiro guarda segredos que nunca foram desvendados. Visitá-lo, conhecer a sua história e resolver os seus enigmas, revela-nos pistas cada vez mais interessantes e misteriosas, que nos levam a um surpreendente desfecho final.

 

 

Sábado | 19 de maio

 

 

10:30 - Visita-Jogo ao Mosteiro de Santa Maria de Salzedas

conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho

dinamização: Juliana Sá

vários espaços do Mosteiro

 

 

11:30 - Teatro para famílias | À Espera que Volte, Teatro da Serra do Montemuro

Claustro da Colação

 

O homem forte e bom que vem ao nosso encontro, é Piotor. Piotor não é português. Caiu de um avião de carga numa noite de temporal, numa serra árida onde depois de muito andar no escuro, encontra um cão. Esse cão é pastor e leva-o para junto do seu rebanho. O rebanho leva-o para a aldeia. Na aldeia há um teatro e o vazio que Piotor sentia preencheu-se.

Piotor trouxe consigo uma história sobre a água...sobre uma gota de água que ao cair do céu da Rússia, transforma as crianças que a querem ouvir, em pequenos russos que em vez de mãos, têm o poder de trazer a chuva e o dilúvio para dentro de casa.

Quando a história termina, as crianças só esperam que a gota de água volte a cair para refrescar os seus dedos...

 

Texto de Madalena Victorino e Paulo Duarte

Encenação de Madalena Victorino Assistente de Encenação Abel Duarte Cenografia e Figurinos de Sandra Neves Costureiras Capuchinhas CRL e Maria do Carmo Félix Direção Musical e Banda Sonora de Fernando Mota Cenários e Adereços Carlos Cal e Maria da Conceição Almeida Interpretação Piotor (Paulo Duarte) a sua Sombra (Maria da Conceição Almeida) e sete pequenos músicos russos Direção de Produção e Comunicação Paula Teixeira

Agradecimentos Maryana Bardashevska, Camila Correia, Carolina Correia e Frederico Duarte Vídeo e Fotografia de Lionel Balteiro

 

 

14:30 Visita Guiada por membros da comunidade | Os mosteiros e a reorganização do tempo

guias: Doutor Luís Sebastian e Mestre Humberto

ponto de encontro: entrada do Mosteiro

 

A história de um local não é apenas um conjunto de factos escritos ou estudados. Nesta visita cruzamos o conhecimento científico acerca do Mosteiro com um conjunto de outras dimensões. As histórias do Mosteiro e a sua relação com o conceito de tempo são o mote para que vivenciemos este espaço com um outro olhar. Uma visita guiada com pormenores únicos.

 

 

15:30 - Conversas | Paisagem Cultural

convidados: Professora Doutora Maria Alegria Marques, Doutora Natália Fauvrelle, Dr. Bruno Cardoso

Cadeiral da Igreja do Mosteiro

 

Reconhecida pela UNESCO como um bem cultural há pouco mais de duas décadas, a Paisagem Cultural define-se pelo resultado e processo de interação do Homem e a Natureza. À riqueza e singularidade social e ambiental, valor intrínseco de uma certa paisagem, soma-se o valor afetivo pela identificação e sentimento de pertença que inspira às respetivas populações. Num tempo de vertiginosas mudanças, marcado pela transitoriedade e pela “barbárie estética” e ética, cuidar da paisagem cultural é um imperativo para a salvaguarda do fundo comum das comunidades.

 

 

17:30 - Piquenique | Sabugueiro – O tempo e o produto

com o Chef Tiago Emanuel Santos

Claustro da Colação

 

Pelas mãos dos Monges de Salzedas, a Baga do Varosa, mais conhecida por Sabugueiro, é introduzida no território e assume papéis fundamentais para as mais variadas atividades humanas, principalmente na alimentação e produção de bebidas. Inspirado nos saberes ancestrais, o Chefe Tiago Emanuel Santos traz-nos uma proposta de redescoberta da tradição, do saber ancestral e do produto local desenvolvido através do tempo, da arguta e do engenho dos Monges de Salzedas. Partilhe connosco a toalha, a Cerveja, o Espumante, o Queijo, o Mel e o Pão desta localidade todos elaborados a partir da mesma origem, a Baga e a Flor de Sabugueiro.

 

 

18:30 - Performance musical e instalação visual

coordenação de Samuel Martins Coelho e Paulo Pimenta

com a participação de elementos da Sociedade Filarmónica de Salzedas e do Grupo Caminho da Esperança

Sala do Capítulo e outros espaços do Mosteiro

 

Esta é uma nova criação, desenhada com as comunidades de Salzedas que cruzará a fotografia e a música. Uma obra artística que reflete a identidade dos participantes, da sua música e da sua cultura. Os artistas Samuel Martins Coelho (músico, construtor de instrumentos)  e Paulo Pimenta (fotojornalista) constroem com um grupo muito diverso de pessoas um espetáculo único e irrepetível.

 

 

21:30 Concerto | Aldina Duarte

Claustro do Capítulo

 

Quando a forma faz jus ao conteúdo, temos um  disco escrito por  Aldina Duarte - “Quando Se Ama Loucamente”  -  um elogio da paixão, que nasce da oferta de um tema inédito de Manuel Cruz (Ornatos Violeta) a Aldina. Um tributo à escritora Maria Gabriela Llansol  e um encontro do fado com diversas artes: fotografia,  grafismo, pintura e literatura, tendo como convidados especiais, Hélia Correia, João Barrento, Maria do Rosário Pedreira e Pedro Cabrita Reis.

Aldina Duarte transportará todo este Universo para o Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, com a certeza de que estaremos diante de um espetáculo único.

 

 

Apresentação da brochura “Projeto Conhecer a Guerra Defender a Paz” | Conversa “A Liberdade e a Paz na luta contra as guerras”

Cartaz 9ª Conferência.jpg

 

Apresentação da brochura “Projeto Conhecer a Guerra Defender a Paz”

 

Conversa “A Liberdade e a Paz na luta contra as guerras”

 

 

No âmbito do Projeto “Conhecer a Guerra Defender a Paz”, no próximo dia 28 de maio, pelas 9h00, terá lugar a Apresentação da brochura “Projeto Conhecer a Guerra Defender a Paz” e a Conversa “A Liberdade e a Paz na Luta contra as Guerras”, na Biblioteca da Escola Secundária de Casquilhos.

 

O orador do evento será o Coronel José Manuel da Costa Baptista Alves, Vice-Presidente da Associação “Conquistas da Revolução” e do “Conselho Português para a Paz e Cooperação” e coautor do texto da brochura.

 

A iniciativa é promovida pela Comissão Coordenadora do Projeto, constituída pelo Agrupamento de Escolas de Casquilhos, a Câmara Municipal do Barreiro, o Centro de Formação das Escolas do Barreiro e Moita, a Cooperativa Cultural Popular Barreirense e a RBE - Rede de Bibliotecas Escolares.

 

CMB

«Conversas Nortear» juntam João Paulo Mésseder e Paula Carballeira | 22 maio | Auditório da UTAD

 

«Conversas Nortear» juntam João Paulo Mésseder e Paula Carballeira

22 maio 2018 | 14h00 | Auditório da UTAD

 

Os escritores João Paulo Mésseder e Paula Carballeira vão participar, no próximo dia 22 de maio, pelas 14h00, na 7ª edição da iniciativa «Conversas Nortear», a realizar no Auditório da UTAD, em Vila Real.

O encontro será moderado por Levi Leonido Fernandes da Silva, Diretor da Revista Europeia de Estudos Artísticos e Professor da Escola de Ciências Humanas e Sociais da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

As «Conversas Nortear» são uma iniciativa conjunta da Direção Regional de Cultura do Norte, da Xunta da Galicia e do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial da Euroregião Galicia-Norte de Portugal, no âmbito do Memorando de Entendimento celebrado entre as três entidades.

Estas conversas têm como objetivo promover o conhecimento e a circulação de diferentes expressões culturais existentes nos territórios envolvidos, a partir de dinâmicas e redes de colaboração capazes entre as duas regiões.

 

Sobre os autores convidados

Paula Carballeira é autora de literatura infantil e juvenil. Profissional do teatro e da narração oral desde 1994. Foi convidada dos principais festivais de narração oral nacionais e internacionais (Espanha, Portugal, Polonia, Brasil, Chile, Equador, Perú, Colômbia, Cabo Verde...) como contadora de histórias e como professora de técnicas de narração oral. Trabalhou em diferentes produtoras de televisão e realiza também trabalhos como atriz ou encenadora.

João Paulo Mésseder é o nome literário do escritor, investigador, crítico e professor do ensino superior José António Gomes. É autor de obras literárias para o público adulto e de diversos livros para a infância e a juventude. Prémio Autores (Literatura para a Infância) da SPA, em 2017 (pelo livro De Umas Coisas Nascem Outras, Caminho); Prémio Bissaya Barreto de Literatura para a Infância, em 2014 (por Pequeno Livro das Coisas, Caminho); Prémio M.ª Amália Vaz de Carvalho de Poesia, em 1999 (pelo livro Fissura, Caminho); Menção do Júri do Prémio Compostela para álbuns infantis, da Kalandraka e da Junta da Galiza, em 2008 (por Trocar as Voltas ao Tempo, Edições Eterogémeas, em co-autoria com o ilustrador Gémeo Luís – tradução para espanhol e galego com os títulos El Tiempo Vuela e O Tempo Voa).

 

FNAC Chiado recebe a primeira sessão do ciclo “Conversas no Chiado” com Helena Roseta e Vera Gouveia Santos

Ciclo de Conversas na FNAC Chiado – “A Cidade e as Políticas de Habitação”, dia 7 de maio às 18h30

 

 FNAC Chiado recebe a primeira sessão do ciclo “Conversas no Chiado” com Helena Roseta e Vera Gouveia Santos 

CONVERSAS NO CHIADO.JPG

 

 

A FNAC Chiado recebe esta segunda-feira, dia 7 de maio, o primeiro debate em parceria com o Jornal Económico, dedicado ao tema “A Cidade e as Políticas de Habitação”. Esta sessão tem como oradoras convidadas, a deputada e presidente da Assembleia Municipal de Lisboa Helena Roseta e a economista Vera Gouveia Barros. O diretor do Jornal Económico, Filipe Alves, será o moderador da conversa que se realiza às 18h30. 

 

Esta sessão é a primeira de um ciclo intitulado “Conversas no Chiado” que se irá realizar mensalmente, na primeira segunda-feira de cada mês, e com foco nos principais temas da atualidade das áreas de economia, desporto, jornalismo, design, cultura, entre outros. As conversas têm encontro marcado sempre à mesma hora (18h30) e no mesmo local, a FNAC Chiado. Este ciclo prolonga-se pelos meses de junho e julho, e retoma em setembro, outubro e novembro, sempre com convidados relacionados com a temática a abordar.