Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

3ª EDIÇÃO | CUMPLICIDADES 2020 - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa

E começa já na próxima sexta-feira, 6 de Março, o Festival CUMPLICIDADES - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa, de 6 a 21 de Março.  

CANAN YUCEL PEKICTEN_MDM.jpg

 

O curador desta edição é o artista plástico André Guedes e para a  edição do CUMPLICIDADES foi escolhido o termo Multiverso, como conceito agregador das propostas nacionais e internacionais da nova edição. Encontrámo-lo na diversidade de linguagens, biografias, cronologias e distintas geografias – locais, regionais e transnacionais – dos artistas aqui reunidos.

No momento histórico presente, o CUMPLICIDADES, enquanto plataforma artística, deseja contribuir para a convocação de um humanismo anti-nacionalista, uma prática da diversidade na qual os direitos humanos e democráticos serão denominadores comuns, elementares e essenciais.

 

Serão apresentados:

- 27 Espetáculos de artistas emergentes e consagrados, nacionais e internacionais

- 3 Conversas públicas (Talks)

- 5 Workshops

- 1 Exposição

- 3 Apresentações Work in progress (Estúdio Abertos)

- 2 atividades de Projeto Educativo (projeto Dançar a Memória e Passaporte de Dança (de 180 aulas gratuitas, em 40 escolas de 16 Juntas de Freguesia de Lisboa, de 2 a 7 de Março).

 

- 5 Estreias Absolutas - Sara Anjo e Teresa Silva (PT), Josefa Pereira (PT), David Marques (PT), João Penalva (PT), Carlota Lagido (PT).

- 6 Estreias em Lisboa - Canan Yücel Pekiçten (TU), Raúl Maia (AUS/PT), Khouloud Yassine (LB), Sina Saberi (IR), Catarina Miranda (PT), Adriana Grechi (BR/PT)

 

Um total de 52 apresentações dirigidas a distintas faixas etárias.

IRISH CELTIC REGRESSA A PORTUGAL EM ABRIL

Outlook-kmz4t21x.png

 

O grupo irlandês que conta os segredos Celtas da Irlanda através da música irá estar em Lisboa, no Salão Preto e Prata Casino Estoril, de dia 15 a 26 de Abril e no Coliseu Porto Ageas com espectáculo único a 28 de Abril.

 

Gerido por Paddy Flyn há muitas gerações, é a vez de Diarmuid, o seu filho, assumir a gerência da companhia irlandesa. Entre copos de cerveja e whisky e ao som de violinos, gaitas-de-fole, acordeões e das tradicionais flautas celtas (Tin Whistle), Paddy conta-lhe os segredos do povo Celta da Irlanda, através das suas danças e canções tão famosas em todo o mundo. Sláinte! (como quem diz, “saúde!”).

 

Com coreografia de Denise Flynn e Jim Murrihy, ex-bailarinos de Lord of the Dance, Irish Celtic recria episódios de forma única desta cultura antiga, mas ainda viva.

 

Irish Celtic é um Pub, em Cork, Irlanda. A sua história data do princípio dos tempos, e no seu interior encerram-se lendas e objectos que testemunham a história da Ilha Esmeralda, do tempo dos druidas à migração do século XIX.

 

O que diz a imprensa?

“Irish Celtic é prova da vitalidade da cultura Celta”, Télé 7 Jours

“Com Irish Celtic a dança irlandesa está longe de ser esquecida”, Aujourd’hui en France

 

Salão Preto e Prata Casino Estoril | 15 a 26 Abril

Coliseu Porto Ageas | 28 Abril

M/6

 

Grau Zero da Companhia ● Fevereiro ● Ballet Contemporâneo do Norte

   

e0cc1581-dfb2-4cd1-a704-3c446c387c64.jpg

 

 Fotografia de Susana Neves




Grau Zero da Companhia
SESSÃO #2 | 29 Janeiro 2020
Coreografia, Desempenho e Processo com
Joclécio Azevedo


 

Sala de ensaios do Cinetreatro António Lamoso
10h00- 12h30
Destinatários: Professores e amadores do espetáculo e outras artes; estudantes de artes; coletividades, associações e grupos
Inscrição gratuita e obrigatória: bcnproducao@gmail.com


 

Grau Zero da Companhia é um programa de formação para profissionais e amadores das artes performativas. O título, inspirado na obra seminal de Roland Barthes, precipita-nos para a abordagem à iniciação de técnicas que assistem à construção de uma companhia, existente, ou em formação. Os 8 laboratórios incidirão sobre funções e práticas que são centrais na atividade do BCN, e serão coordenados pelos seus colaboradores mais frequentes. O objetivo é questionar a ideia de "companhia" e assim antever estratégias para estarmos/trabalharmos juntos.

Sub-intitulado “Coreografia, desempenho e processo”, Joclécio Azevedo propõe um workshop de introdução ao processo coreográfico, onde os participantes serão incentivados a usar o corpo como ferramenta e como suporte para expor e combinar materiais coreográficos gerados a partir de práticas colaborativas. A coreografia será trabalhada enquanto prática emancipatória e abrangente, não limitada apenas à utilização da dança, mas integrando também a possibilidade de convocar o espaço, os objetos, a linguagem e o som enquanto elementos discursivos e performativos.

 

Joclécio Azevedo. Coreógrafo nascido no Brasil em 1969 e sediado no Porto desde 1990. Os seus trabalhos atravessam diferentes disciplinas artísticas, tendo-se dedicado mais intensamente à criação coreográfica a partir de 1999. Artista residente da Circular Associação Cultural em Vila do Conde a partir de 2012, coordenador do programa educativo da mesma associação desde 2018. Membro da direção plenária da GDA (Cooperativa de Gestão dos Direitos dos Artistas) e do Conselho de Curadores da Fundação GDA desde 2010. Desde 2013, participa regularmente como formador no FAICC – Formação Avançada em Interpretação e Criação Coreográfica da Companhia Instável. Em 2016 trabalhou como assistente convidado no Curso de Especialização em Performance na FBAUP. Colabora, desde 2016, com o grupo Sintoma – Performance, Investigação e Experimentação, orientado por Rita Castro Neves e desenvolvido pelo i2ADS Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto




Próxima sessões:
28 mar: Dramaturgia e Coreografia (Rogério Nuno Costa)
18 abril: Desenho de Luz (Daniel Oliveira)
30 maio: Fotografia de Cena (Miguel Refresco)

DESAFIA-TE sessão com Jorge Gonçalves

 

O Gabinete da Juventude de Santa Maria da Feira está a promover o início da nova edição do projeto "Desafia-TE", no qual o BCN é parceiro, em todas as escolas do concelho.

O Desafia-TE é um projeto de prevenção secundária na área educacional numa perspetiva comunitária e inclusiva, destinado a jovens que estudem no concelho, com idades compreendidas entre os 14 e os 18 anos.

O objetivo deste projeto é dar a oportunidade aos jovens de participar num conjunto de atividades, dinamizadas por parceiros locais, que lhes permitam o desenvolvimento de competências transversais relevantes para o seu desenvolvimento pessoal, integração social e construção do projeto de vida.

 Nas sessões para o projecto Desafia-te, cada um dos participantes, a partir da exploração do seu movimento particular, irá desenvolver as suas capacidades criativas de acordo com estados físicos e emocionais a serem propostos. Através de metodologias coletivas, os participantes irão colaborar entre si para desenvolver ferramentas de análise e composição sobre o trabalho que irão realizar.

Sobre Jorge Gonçalves.
Como independente trabalha no âmbito das artes performativas como curador, coreógrafo, dramaturgo, produtor, performer e professor. Foi co-fundador e diretor artístico da estrutura de programação de artes performativas MEZZANINE (2009-2017) e da Obra Madrasta (2008-2011). É licenciado em Engenharia (FEUP, 2002), tem o Curso de Dança Contemporânea do Balleteatro (2005) e o mestrado em coreografia, DAS Choreography (AHK, 2014). Desde 2006 que tem vindo a produzir e a apresentar o seu trabalho artístico em Portugal, Alemanha, Áustria, Espanha e Holanda. 


 

Direção Artística Artistic Director: Susana Otero
Documentação e Artista Associado Documentation and Associated Artist: Rogério Nuno Costa
Produção Executiva Executive Producer: BCN
Designer Jani Nummela

O BCN é uma estrutura financiada e apoiada:

 

 

 

Stomp volta a Portugal pela 11.ª vez na véspera de celebrar o 30.º aniversário

Outlook-wcarlebf.png

 

 

A companhia britânica traz novos números para apresentar em Lisboa e no Porto

 

 

Prestes a celebrar o 30.º aniversário, os Stomp estão de volta pela 11.ª vez a Portugal com a performance dinâmica, enérgica e disciplinada a que já habituaram os portugueses e desta vez vêm surpreender os fãs com os novos objectos e diferentes números que têm vindo a preparar.

Há 29 anos a correr os cinco continentes, os mestres da percussão e do humor regressam em 2020 para apresentações de dia 4 a 15 de Março, no Teatro Tivoli BBVA, em Lisboa e de 2 a 4 de Abril, no Coliseu Porto Ageas, no Porto.

Para a companhia britânica tudo, mesmo tudo!, tem um movimento e som próprios. Os espectáculos de Stomp contam com uma mistura contagiante de percussão, dança, teatro e comédia com uma trilha sonora emocionante, na qual o corpo humano e inusitados objectos do quotidiano são as estrelas, desde os baldes, às tampas de caixotes de lixo, isqueiros e vassouras, lava-loiças e garrafões de água, a sua originalidade é esmagadora e o humor contagiante.

Sobre Stomp: O espectáculo foi criado em Brighton por Luke Cressweel e Steve McNicholas em 1991, e desde então tem vindo a percorrer todos os cantos do mundo. São mais de cinco companhias a actuar em todo o mundo ao mesmo tempo, incluindo em espectáculos de longa duração em Londres e Nova Iorque.

Nota: É interdita a entrada após o início do espectáculo.

TEATRO TIVOLI BBVA

4 a 15 Março

21h | Sábados e Domingos também às 16h

COLISEU PORTO AGEAS

2 a 4 Abril

21h30 | Domingo às 16h30

 

Dezembro • Ballet Contemporâneo do Norte

9cf06725-e765-4f19-ad8a-45fbb323b380.jpg

 

WANTED
de Cátia Pinheiro & José Nunes (Estrutura)

 

7 dezembro 2019, 21h30
Auditório do CIRAC, Paços Brandão
Sta. Maria da Feira
ENTRADA: gratuita

 

 

WANTED é um espetáculo de teatro, criado e interpretado por Cátia Pinheiro e José Nunes, onde se explora a noção de amor e a sua relação com o teatro. Aproveitando o “aqui e agora” da performance teatral, exploram-se as ligações e pontos de contacto entre a dimensão amorosa e a dimensão teatral, através da relação entre atores, público e ação.

 

WANTED

A partir de/inspirado em/com excertos de: Cátia Pinheiro, José Nunes, Byung-Chul Han, Alain de Botton, Platão, Die Antwoord, Sarah Kay & Phil Kaye, Ann Druyen, Alain Badiou, Slavoj Žižek, Roland Barthes, Paul Virilio, Aude Lancelin, Marie Lemonnier, Rihanna, Depeche Mode, Enrique Iglesias & Mickael Carreira, René Pollesch, M.I.A., Woody Allen e comentários do Youtube.

 

Criação e Interpretação: Cátia Pinheiro e José Nunes
Colaboração: Rogério Nuno Costa
Apoio Técnico: Pedro Nabais
Produção: Estrutura
Apoio: República Portuguesa - Cultura I DGARTES – Direção-Geral das Artes

 

Espetáculo estreado em Maio de 2015
Duração: 55 min
Classificação etária: M/12 
Acolhimento: Ballet Contemporâneo do Norte e Cirac

 

 

Website: http://www.estrutura.pt/wanted.htm

Facebook: http://www.facebook.com/aestrutura

 

11647bc6-2b68-4791-95c1-d8e3cef5b2cb.jpg

 

UMA DANÇA POR MÊS
Norte ⋅ Parte II de II ⋅ Viras, Malhões e Contradanças com o Núcleo de Etnografia e Folclore da Universidade do Porto (NEFUP)

 

7 de Dezembro de 2019
Sala de Ensaio do Cineteatro António Lamoso
10:00 – 12:30
Entrada gratuita, mediante inscrição prévia (obrigatória) para: bcnproducao@gmail.com

 

Depois dos ciclos "Ballet" (Janeiro/Fevereiro/Março) e "Contemporâneo" (Abril/Setembro/Outubro), o programa Uma Dança Por Mês...EUROPA ENDLOS iniciou em Novembro um novo ciclo de duas sessões, desta vez em torno da "ideia" de Norte. Se antes o objetivo era expandir os limites geo-culturais do mapa "europeu", abordando paradigmas coreográficos oriundos de outros continentes, o propósito agora será re-centrar e reduzir a atenção ao micro-contexto ibérico, propondo-se uma deslocação do olhar (a Norte) que irá abraçar narrativas coreográficas ancestrais que informam a história do folclore e demais manifestações etnográficas. Depois da sessão em torno das Danças Celtas (Novembro), para a sessão de Dezembro convidámos o Núcleo de Etnografia e Folclore da Universidade do Porto para uma sessão de trabalho que vai explorar as danças folclóricas mais importantes da etnografia do Norte de Portugal: viras, malhões e contradanças.

 

Sobre os formadores:

O NEFUP é uma associação de extensão cultural da Universidade do Porto. Foi fundado em 1982 por um grupo de estudantes e licenciados da Universidade do Porto com o objetivo de recolher, estudar e divulgar a etnografia e o folclore portugueses. Nos seus 37 anos de existência, o NEFUP recolheu um vasto e rico repertório relativo às diferentes regiões etnográficas do nosso país, do Minho à Madeira e aos Açores. Este repertório inclui a música, as canções, as danças e múltiplas tradições. Além das atuações por todo o país, o NEFUP divulgou também a cultura popular portuguesa no estrangeiro (Grécia, Espanha, Brasil, Macau, Reino Unido, Bélgica, Holanda e Turquia), tendo, por duas vezes, obtido o primeiro lugar em dança tradicional no famoso Llangollen International Festival, no País de Gales. Dedica-se ainda à divulgação etnográfica, através da dinamização de e participação em projetos, oficinas e outras atividades de índole cultural e recreativa. Neste âmbito, tem vindo a dinamizar oficinas, encontros e bailes em diferentes contextos e para os mais diversos públicos, nacionais e estrangeiros, e de todas as idades, em que as danças tradicionais portuguesas são partilhadas de forma informal e divertida. No corrente ano, a associação está ainda a desenvolver um projeto de recolha e divulgação de contradanças e quadrilhas durienses, cujos resultados serão apresentados a 14 de dezembro. 

 

Uma Dança por Mês…Europa Endlos é um programa de formação organizado pelo Ballet Contemporâneo do Norte e destinado ao público de Santa Maria da Feira. Como complemento à programação da companhia, onde o público tem a possibilidade de ver dançar, aqui o espetador é convidado a experimentar a dança, as suas estratégias e os seus modos de usar.

 

DESTINATÁRIOS

Pessoas dos 13 aos 65 anos, com ou sem experiência no campo das artes performativas.

 

Próximo Ciclo:

GRAU ZERO DA COMPANHIA (2020)

25 Jan. | Técnicas de Dança Contemporânea com Susana Otero

29 Fev. | Composição e Criação em Dança Joclécio Azevedo

28 Mar. | Dramaturgia e Coreografia com Rogério Nuno Costa


 
Direção Artística Artistic Director: Susana Otero
Documentação e Artista Associado Documentation and Associated Artist: Rogério Nuno Costa
Produção Executiva Executive Producer: BCN
Designer Jani Nummela
O BCN é uma estrutura financiada e apoiada:

UAU| Dezembro combina com bailado no Teatro Tivoli BBVA

Natal rima com ballet, no Teatro Tivoli BBVA

 

A Bela Adormecida - 5 e 6 de Dezembro

O Lago dos Cisnes - 7 e 8 de Dezembro

d2148510-dae3-4bd1-b510-07be218cdf4c.jpg

 

Começou a contagem decrescente para Sergei Radchenko, nome notável do ballet russo, apresentar no Teatro Tivoli BBVA, em Lisboa,  “A Bela Adormecida” e “O Lago dos Cisnes”. Dois bailados nos quais princesas enfeitiçadas e beijos verdadeiros vão oferecer ao nosso imaginário o presente perfeito.

Sergei Radchenko é um dos mais importantes solistas do Teatro de Bolshoi de Moscovo na segunda metade do século XX.  Formou-se em 1944 na Escola de Dança de Moscovo, mas foi em 1964 que se juntou ao Teatro Bolshoi, onde trabalhou durante 25 anos, onde dançou todos os repertórios e conquistou uma reputação ímpar no mundo do ballet. 

Em 1989 fundou a Moscow Festival Ballet, a primeira companhia independente de ballet clássico da Rússia, cujo nome alterou para Russian National Ballet. O seu trabalho enquanto director desta companhia, acompanhado pelo talento de Elena Radchenko, balarina, solista e coreógrafa, tornou a companhia numa das mais reconhecidas internacionalmentem com um repertório que integra A Bela Adormecida, Don Quixote, Giselle, Suite Carmen, La Boyadere ou O Quebra-Nozes, entre muitos outros.
Em Portugal apresenta-se desde 2013 em parceria com a UAU, sempre no mês de Dezembro, antecipando o Natal em familia.  Este ano, no mês de sempre,  A Russian National Ballet apresenta A Bela Adormecida e O Lago dos Cisnes, no Teatro Tivoli BBVA.

Uma princesa enfeitiçada cai num sono profundo e só dele acordará quando o príncipe perfeito a despertar com um beijo de verdadeiro amor. A Bela Adormecia, um bailado em três actos, com música de Pyotr Ilyich Tchaikovsky, libreto de Marius Petipa e Ivan Vsevolojsky, é uma adaptação do conto tradicional “La Belle au bois dormant” de Charles Perrault, apresentado pela Russian National Ballet, companhia fundada por um dos mais respeitáveis solistas do Teatro Bolshoi de Moscovo e uma referência incontornável do bailado russo, Sergei Radchenko, há três décadas com o objectivo de apresentar os clássicos do bailado pelo mundo. 

5 e 6 de Dezembro | 21h
Preços entre 20€ e 37,50€
M/ 3
Produção UAU

Bailado 'O Primo Basílio' | Baseado na obra de Eça de Queiros

O PRIMO BASÍLIO
 
Bailado baseado na obra homónima de Eça de Queiros
 
Theatro Circo, Braga | 11 Janeiro 2020

view.png

 

 

‘O Primo Basílio’, uma das mais notáveis obras literárias de Eça de Queirós é, a partir de agora, um bailado em II atos, graças à iniciativa do coreógrafo Fernando Duarte e da bailarina e docente Solange Melo. As fascinantes personagens criadas pelo escritor, aliadas ao seu estilo único e inconfundível, constituíram o ponto de partida para um espetáculo de dança que se pretende intenso, dramático e transversalmente cativante.

Incorporando uma linguagem que alia a estética neo-clássica à dança contemporânea, ‘O Primo Basílio’ alude assim à reinvenção da fórmula de bailado narrativo, aliando à criação coreográfica um desenho cénico de cariz minimalista.

Deste modo, o romance transcende a fronteira literária, fazendo despertar o interesse em descobrir a obra de Eça de Queiroz e valorizando também o património musical português, através de um suporte musical com base nas obras de Luis de Freitas Branco e de Fernando Lopes Graça.

Assentando na relação entre a narrativa literária e a dança, o projeto de bailado para ‘O Primo Basílio’ foi também idealizado tendo em vista o desenvolvimento de uma residência em contexto escolar, onde o romance surgisse como elemento catalisador da aproximação artística à dança enquanto prática e expressão artística preenchendo, deste modo, uma lacuna visivelmente existente entre o texto escrito e a dança.

Através da residência artística em contexto escolar visa promover-se o encontro entre alunos e professores, por intermédio de um programa de ação prática em que bailarinos e coreógrafo desenvolvem, em conjunto com os docentes do ensino regular, um trabalho de exploração espontânea do movimento coreografado.

Pretende-se, desta forma, ampliar o papel da formação artística como elemento fundamental para uma educação que abranja o desenvolvimento do aluno na sua plenitude.

 
 

Vale da Amoreira: Workshop de dança no Centro de Experimentação Artística

CEA.jpg

 

Estão abertas as inscrições para o Workshop de Dança “Freestyle, Body Control and House Dance”, que se realiza no dia 21 de novembro, a partir das 15:00h, no Centro de Experimentação Artística, no Vale da Amoreira. Dinamizado pelo jovem bailarino Maurice, este workshop tem como destinatários jovens e adultos maiores de 14 anos.

As inscrições podem ser efetuadas até 20 de novembro (indicando nome, idade e contacto telefónico), através do email cea@mail.cm-moita.pt. A lotação é limitada. Mais informações podem ser obtidas através do T: 21 181 00 30.

 

Esta iniciativa insere-se no âmbito do projeto internacional “Slate: Black: Arts: World” e da respetiva residência que está a decorrer em Lisboa, de 19 a 23 de novembro, sob o acolhimento do Teatro Griot. O projeto tem o apoio da Europa Criativa que visa promover uma rede de artistas e agentes culturais negros na Europa e que inclui, em Portugal, o Teatro Griot, com o qual a Câmara Municipal da Moita, através do Centro de Experimentação Artística, tem desenvolvido parcerias.

 

Na primeira parte do workshop, serão exploradas práticas de consciência corporal e como aprender a dominar as diferentes partes do corpo para que este se possa libertar na dança, mesmo sem uma técnica específica. Na segunda parte serão ensinados alguns passos básicos de hip-hop e house dance.

 

Mais informações sobre o dinamizador e sobre o projeto podem ser obtidas em

https://www.facebook.com/events/976553552722718/?event_time_id=976553559389384 ou https://www.teatrogriot.com/slate

Dança Folclórica Palestiniana: Grupo Awda atua no Auditório Municipal de Pinhal Novo

Cartaz.jpg

 

No âmbito da 22.ª edição da Semana(s) da Dança, o grupo palestiniano Awda sobe ao palco do Auditório Municipal de Pinhal Novo, no próximo dia 17 de novembro, às 17h00. No mês em que se assinala o Dia de Declaração da Independência da Palestina, este espetáculo com entrada livre é uma oportunidade única para conhecer Dabka, a dança folclórica palestiniana.

 

Fundado em 1990 por um grupo de jovens palestinianos, o grupo Awda promove a dança palestiana folclórica Dabka, assim como os trajes tradicionais, com destaque para o traje de Nazaré, utilizado pelo grupo durante as suas apresentações. O grupo Awda já pisou vários palcos do mundo, com atuações realizadas em Espanha, Hungria, Egipto, Marrocos, Tailândia e Jordânia.

 

Em Pinhal Novo, o grupo apresenta-se em palco com quinze elementos que, em simultâneo, vão dançar ao som de dois instrumentos musicais ao vivo e de música gravada.

 

O espetáculo tem a duração de 1 hora.

Novembro • Ballet Contemporâneo do Norte

                                                                     

de4c7689-3692-4727-af79-fa93dc12ac5f.jpg

 

 

            © Jani Nummela

E U R O S H I M A
De Mara Andrade e Cátia Pinheiro/José Nunes (Estrutura)
Para o Ballet Contemporâneo do Norte

 

2 de Novembro - 21h30
Casa de Teatro de Sintra
M/12
50m

 

O Ballet Contemporâneo do Norte convidou dois criadores, em regime de “carta branca”, a conceber dois espetáculos para o palco do Cineteatro António Lamoso. As duas peças, assinadas por Mara Andrade ("Expedição") e Cátia Pinheiro & José Nunes ("A Ideia de Europa"), serão apresentadas em sequência e com o mesmo elenco. EUROSHIMA é o título genérico das duas criações, propondo uma reflexão sobre diversas problemáticas que afetam a Europa contemporânea. Duas propostas que re-equacionam leituras distópicas sobre o futuro da Europa através de contributos da geopolítica, filosofia e estudos europeus.

 

EUROSHIMA é o último segmento a fazer parte do programa anual €UROTRA$H, curadoria de Rogério Nuno Costa para o Ballet Contemporâneo do Norte em 2019. Convidaram-se criadores, investigadores/pensadores e outros agentes a re-inventarem uma ideia multifacetada de Europa, entendida enquanto conceito histórico, político, filosófico e estético. Procurando uma contaminação da criação coreográfica por metodologias, práticas e discursos oriundos de outras disciplinas artísticas e científicas, os criadores foram desafiados a questionar a temática proposta a partir de uma citação de George Steiner ("The Idea of Europe", 2015): "Europe is the place where Goethe’s garden almost borders on Buchenwald, where the house of Corneille abuts on the market-place in which Joan of Arc was hideously done to death.”

 

A urgência de uma reflexão inter/trans/disciplinar sobre estas contradições e tensões (culturais, sociais, políticas, económicas e religiosas), que durante séculos contribuíram simultaneamente para o afastamento e para a unificação de uma certa ideia — contestada por uns, abraçada por outros — de identidade cultural (pan-)europeia, ganha na atualidade mais recente um novo fôlego crítico, impulsionado pela designada “crise dos refugiados” e pelo crescimento exponencial de movimentos nacionalistas. Nesse contexto, EUROSHIMA promove elaborações críticas no sentido de uma (e)utopia pluralista e multi-cultural feita através da arte e das suas potencialidades sociais e políticas. Será, no limite, sobre o desejo de “fazer parte”, sobre a importância da criação de comunidades e de discursos sociais/socializantes, sobre a solidariedade e a hospitalidade, sobre a viagem e o exótico.

 

Curadoria: Rogério Nuno Costa | Coreografias: Cátia Pinheiro & José Nunes + Mara Andrade | Intérpretes: Catarina Campos, Joclécio Azevedo, Susana Otero, Thamiris Carvalho, Vinicius Massucato | Iluminação e Direção Técnica: Daniel Oliveira | Figurinos: Jordann Santos | Fotografia de Cena: Miguel Refresco | Design & Artwork: Jani Nummela | Documentação & Vídeo Promocional: Rogério Nuno Costa | Vídeo para "Expedição": Daniel Oliveira, Joclécio Azevedo e Catarina Campos | Som para "Expedição": Daniel Oliveira | Produção: Ballet Contemporâneo do Norte | Apoio: Imaginarius Centro de Criação | Agradecimento: TUP - Teatro Universitário do Porto

 

O Ballet Contemporâneo do Norte é uma companhia financiada pelo Governo de Portugal/Secretaria de Estado da Cultura (Direção-Geral das Artes) e apoiada pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira.


 

 

ac53809d-48b1-4da4-ab17-041141d63d43.jpg

 


Uma Dança por Mês…EUROPA Endlos
Norte - Danças Celtas com Rute Mar


 

16 de Novembro | 10h00-12h30
Sala de ensaio do Cineteatro António Lamoso
Sessão gratuita até ao limite de 30 participantes
Não é necessária 
experiência em dança
Inscrições obrigatórias em bcnproducao@gmail.com



Depois de ter ocupado o primeiro trimestre do ano com três sessões dedicadas ao Ballet, o programa Uma Dança Por Mês... EUROPA ENDLOS iniciou, em Abril, um novo ciclo de três sessões, desta vez em torno da "ideia" de Contemporâneo. Vamos expandir ainda mais os limites geo-histórico-culturais do mapa "europeu", abordando paradigmas coreográficos oriundos de outros continentes, e cujas manifestações coreográficas e musicais têm inspirado, nas duas últimas décadas, a cultura pop/hip hop e a street dance mundiais. Do funk brasileiro (sessão realizada em Abril) ao Kuduro/Afro-House angolano, passando pela marrabenta de Moçambique, o programa pretende propor uma deslocação do olhar (a Sul), em estreita colaboração com profissionais oriundos de países de língua oficial Portuguesa atualmente a residir e a trabalhar em Portugal.

As duas últimas sessões do ciclo (Novembro e Dezembro) encerrarão o programa EUROPA ENDLOS com dois encontros em torno do conceito de "Norte". Vamos recuar no tempo e re-visitar a influência Celta e suas danças na cultura ibérica e depois aprofundar ainda mais esse estudo com uma sessão dedicada ao Vira minhoto (em Dezembro).

 

 

 

 

 

10ae7c86-acb8-49a0-bcf5-589ecec03d69.jpg

 


[ACOLHIMENTO BCN]

O Segredo do Rio
Fio d'Azeite - Chão de Oliva 
6 de Novembro - 11h00 / 15h00
Escola Básica de Mosteiro
Reservas para bcnproducao@gmail.com

 

A partir da leitura de extractos do livro conta-se a história, cujo livro está inserido no PNL / Ler+. Recorrendo à leitura ao vivo, à projecção de imagens bem como a manipulação de marionetas, o público pode desfrutar de um espectáculo fiel à história.

É a história de uma bela amizade entre um peixe e um rapaz, “O Segredo do Rio” que Miguel de Sousa Tavares escreveu, e que agora se apresenta em forma de espectáculo de marionetas de luva.

Uma história pedagógica que pode ser lida como uma parábola protagonizada pela humanidade e a natureza: se a humanidade (rapaz) tratar a natureza (peixe) com amor, fidelidade e respeito – no fundo como merece –, a natureza é generosa.

A adaptação do livro – que tem ilustrações da artista plástica Fernanda Fragateiro, numa associação feliz que nos consegue transportar para/por uma alegria poética, contagiante, expressa com simplicidade –, pretende ser fiel ao texto e às ilustrações. As marionetas executadas por Jorge Cerqueira, seguindo o traço da ilustração, e ainda as novas ilustrações feitas, propositadamente, pela artista plástica para este espectáculo, não desvirtuam o objectivo enunciado, fidelidade ao texto e à linha gráfica, e concorrem para refinar a plasticidade, assim como o jogo de sentimentos e emoções, que se pretende transmitir através do espectáculo. 

Autor Miguel Sousa Tavares; Adaptação e Encenação Nuno Correia Pinto; Intérprete Nuno Correia Pinto; Marionetas Jorge Cerqueira; Ilustração Fernanda Fragateiro; Imagem Gráfica André Rabaça; Direcção Técnica André Rabaça; Sonoplastia Carlos Arroja; Operador Luz e Som Marco Lopes; Direção de Produção Nuno Correia Pinto; Secretária de Direcção e Produção Cristina Costa. 


 

 

Fotografia do workshop com Carlota Lagido e Antoine Pimentel ©Ines Nogueira

2fc926a1-6d33-41d0-950a-ac78599eadb1.jpg

 



OFICINAS DE DANÇA E SOM
com Mariana Tengner Barros e Susana Otero
28 a 30 de Outubro
Escolas públicas de Santa Maria da Feira



 

Reiniciamos nos dias 28 a 30 de Outubro as dez oficinas de dança contemporânea/criativa e de exploração do movimento e som em várias escolas públicas do município de Santa Maria da Feira, as oficinas Foram dinamizadas por Mariana Tengner Barros e Susana Otero.