Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Vale da Amoreira: Formação em Danças Urbanas no Centro de Experimentação Artística

Cartaz_DancasUrbanas.png

 

O Centro de Experimentação Artística, no Vale da Amoreira, vai promover a Formação em Danças Urbanas, no âmbito do Projeto Sons.Ritmos.Cores. As sessões de apresentação e criação do grupo de formandos decorrem a 28 e 29 de dezembro, das 16:00h às 18:00h.

Esta formação, com Marco Menezes (Obelixx) e Sérgio Alegria, que terá início a 7 de janeiro e prolonga-se até junho, realiza-se às terças e quintas feiras, das 18:00h às 20:00h. Destina-se a participantes a partir dos 14 anos de idade, sem limite de idade.

 

As inscrições podem ser efetuadas pelo email (indicar nome, idade, contacto telefónico).

 

Esta formação irá abranger vários estilos de dança, explorando o movimento de raiz, a capacidade de improviso individual e coletiva, mas passando também pela criação de coreografias a partir de produção musical original e com registo vídeo. Serão abordados aspetos socioculturais dos diferentes géneros de dança, a sua história, a representação do movimento e da música, com a criação de uma peça final para apresentação pública.

 

Marco Menezes

O nome artístico de Marco é Obelixx. É conhecido e respeitado como líder na comunidade da dança na Bélgica, Portugal, Noruega, Finlândia, Índia. Marco Menezes é o filantropo da O.P.F, Obelixx Popping Factory, uma organização sem fins lucrativos fundada em 2010. O.P.F é reconhecida internacionalmente na comunidade da dança pela variedade de nacionalidades representadas com membros da coletividade em todos os países já mencionados. Marco Menezes pratica e compartilha vários estilos em toda a União Europeia há quase 29 anos. A sua arte varia desde os palcos de teatro até à prática de vários estilos de "rua", como Hip Hop, House, Popping.

Para além de Júri Certificado HHI Internacional, é júri em vários outros eventos, organizador de eventos e consultor em iniciativas internacionais.

 

Sérgio Alegria

Iniciei-me na dança em 2009. O que seria um hobbie tornou-se num modo de vida. Desde o início que me senti mais inclinado para a parte de criação e de coreógrafo. Dança é uma linguagem universal e tornou-se na minha forma preferida de me expressar. Iniciei o meu percurso em Coina, mas depressa decidi que estava num sítio muito pequeno e isolado do resto do mundo e que precisava de mais, o que me levou a procurar formação além-fronteiras.

Fui o criador e mentor do projeto DanceCoolture, grupo de dança sediado no Barreiro que já representou Portugal no Campeonato Mundial por três vezes.

O meu maior sonho é ter uma escola com instalações para receber artistas de rua e torná-la no seu lar e a minha maior ambição seria viajar pelo mundo a dar workshops para aprender mais e poder partilhar o que sei e o que vou aprendendo. Sérgio Alegria

Formação: Urban dance camp 2010 e 2012 | Millennium dance studios 2015 | Movement life style 2015 | Beat camp 2017 | European all star camp 2018 | Fly intensive camp 2019 | Escola Superior de Dança | Faculdade de Motricidade Humana
Trabalhos e créditos: Blaya | Supasquad | Putzgrilla | Bárbara Bandeira | David Carreira | Anselmo Ralph | Mastiksoul

 

Recorde-se que, no âmbito do projeto Sons.Ritmos.Cores está já em funcionamento o Estúdio Comunitário, no Centro de Experimentação Artística, Este estúdio é aberto, de forma gratuita, mediante inscrição prévia, a todos os interessados a partir dos 14 anos e sem limite de idade. Funciona de terça a sexta, das 14:00h às 22:00h, e aos sábados, das 14:00h às 19:00h. Inscrições e mais informações podem ser obtidas através do T. 211 810 030 / 936 866 903 (whatsapp) ou email .

Jya – o Festival da Índia regressa ao Museu do Oriente

Espectáculo de danças clássicas indianas a 10 de Novembro

 

Jya.jpg

 

 

 

Jya – o Festival da Índia regressa ao Museu do Oriente, na sua segunda edição, para mostrar as artes performativas indianas, com enfoque na dança clássica, num espectáculo que se realiza a 10 de Novembro, às 21h00.

 

A performance conta com a participação das artistas residentes em Portugal, Chantelle Gomez (dança Odissi) e Catarina Guerra ((Bharatanatyam), e um leque de artistas convidados como Ranjitha Chowalloor, para uma interpretação de Mohini Attam, dança clássica do Kerala (Sul Oeste da Índia); Manasa Mohan com uma demonstração de Kuchipudi, dança clássica de Andhra Pradesh (Sul Este da Índia); e Quincy Kendell Charles, com a dança clássica do Rajastão (Norte da Índia), Kathak Jaipur Gharana.

 

O evento tem o apoio da Embaixada da Índia e da India-Portugal Friendship Association.

 

Jya – Festival da Índia

10 de Novembro

21.00

Preço: 12,5 €

M/ 6 anos

Duração: 90’ sem intervalo

 

 

www.museudooriente.pt

 

Biblioteca de Palmela acolhe Baile de Danças Tradicionais com “A Batalha do Modesto Camelo Amarelo” | 17 de junho

BMCA 1.jpg

 

No dia 17 de junho

 

A Biblioteca Municipal de Palmela acolhe, no dia 17 de junho, às 16 horas, mais um baile de danças tradicionais do mundo, dinamizado por Leónia de Oliveira com  “A Batalha do Modesto Camelo Amarelo”. Trata-se de um convite à dança, que surge no âmbito das aulas de introdução às danças europeias, a decorrer todas as terças-feiras, no Cineteatro S. João, em Palmela.

“A Batalha do Modesto Camelo Amarelo” é um coletivo de quatro músicos - Manuel Amarelo (trompete, flautas, voz), Miguel Batalha (guitarra, bandolim, voz), Vicente Camelo (concertina) e Nuno Costa “Pi” (percussões) - diferentes vivências e muitas experiências, que apresenta um repertório musical repleto de tradições sonoras do mundo, numa proposta de viagem por Portugal, França, Grécia, Estónia e Israel.

Este baile, com entradas no valor de quatro euros (bilheteira no local), conta com o apoio da Câmara Municipal de Palmela.

 

Baile de danças tradicionais europeias com Fol&Ar | 18 de junho - Biblioteca Municipal de Palmela

Fol&ar.jpg

 

 

No dia 18 de junho, às 16h00, o baile mensal de Danças Tradicionais Europeias no Auditório da Biblioteca Municipal de Palmela é animado pelos Fol&Ar. O grupo nasceu em 2006, do encontro de quatro músicos apaixonados pela música e dança tradicionais: Hugo Lopes (concertina e banjo), João Salvado (concerto e sanfona), Maria Corte (violino e harpa) e Miguel Guelpi (contrabaixo). Da alegria do "Malhão da Graça" à elegância da mazurca "21 gramas", esta é uma oportunidade privilegiada para ouvir e dançar temas originais dos Fol&Ar, inspirados em danças de toda a Europa.

Organizados por Leónia de Oliveira (que é, também, a animadora e monitora de dança), com o apoio da Câmara Municipal de Palmela, estes bailes são abertos à participação de todas/os as/os interessadas/os e proporcionam, também, uma oportunidade de prática e convívio para a comunidade de Danças Tradicionais Europeias, que se reúne, todas as terças-feiras, nas aulas do Cine-teatro S. João.

As entradas para o baile têm o valor de quatro euros, com bilheteira no local.