Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Grândola: Encontro da Canção de Protesto - 10 a 13 de Outubro

10Out.jpg

11Out.jpg

 

O Observatório da Canção de Protesto (OCP) é um organismo resultante da parceria entre o Município de Grândola, entidade promotora, a Associação José Afonso, a Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense, e os institutos da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM), Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança (INET-md), e Instituto de História Contemporânea (IHC).

Os seus objetivos são o estudo, a salvaguarda e a divulgação do património musical tangível e intangível da canção de protesto produzido durante os séculos XX e XXI, através da realização de iniciativas culturais diversas.

 

No âmbito da atividade do OCP irá realizar-se em Grândola, entre os dias 10 e 13 de Outubro de 2019, um Encontro da Canção de Protesto, com espetáculos musicais, colóquios, sessões testemunhais, exposições e documentários, em que estarão presentes figuras relacionadas com o universo da canção de protesto, nomeadamente António Moreira, Arturo Reguera, Carlos Moreira, Eduardo Paes Mamede, Filipe Sambado, Francisco Fanhais, Hugo Castro, João Carlos Callixto, João Lóio, João Madeira, Joaquim Vieira, José Fortes, Luís Galrito, Manuel Freire, Mário Correia, Miguel Almeida, Napoleão Mira, Nuno Pacheco, Pedro Boléo, Ricardo Andrade, Salwa Castelo-Branco, Samuel Quedas, Soraia Simões, Tino Flores e Viriato Teles.

 

O Encontro iniciará com a mostra de capas de discos de vinil representativas da produção discográfica editada em Portugal entre 1960 e 1979, da coleção privada de Hugo Castro. A exposição será inaugurada às 18:00, no Cineteatro Grandolense, seguindo-se, às 21:30, no mesmo local, a exibição do documentário realizado por Joaquim Vieira A cantiga era uma arma, sobre o papel da canção antes e durante o período revolucionário português.

 

Na sexta-feira, dia 11 de Outubro às 21h30m Luís Galrito apresentará em Grândola, no Cinegranadeiro, o seu mais recente disco, Menino do Sonho Pintado.

 

Num diálogo permanente entre palavra, música e imagem, estarão ainda em palco Napoleão Mira, João Nunes (guitarra), Filipa Teles (coros), Gabriel Costa (guitarra-baixo), Luís Melgueira (percussões) e João Espada (arte visual e sonoplastia).

 

O desejo de mudança, através do sonho puro de uma criança que esboça cores de harmonia, paz e amor num céu antes riscado com tintas de medo, é a mensagem deste quinto álbum de Luís Galrito, uma voz incontornável da música portuguesa, que colaborou em projectos de tributo, nomeadamente a José Afonso, ou de sua autoria, com artistas como Kalú, Luís Jardim, João Afonso, Ricardo Martins e João Frade, entre outros.

 

Antes, às 21:00 haverá um momento dedicado à Poesia. Sob o tema é urgente construir certas palavras, os alunos do Agrupamento de Escolas de Grândola irão procurar, através da leitura, dar resposta às inquietações do Poeta Eugénio de Andrade, é urgente destruir certas palavras / ódio, solidão, crueldade.

 

Sábado, dia 12 de Outubro, o Cineteatro acolherá, entre as 10h e as 13h15m, e as 14h30m e as 17h45m, um conjunto de sessões testemunhais dedicadas ao universo da canção de protesto —Os processos de produção fonográfica e a Música Popular Portuguesa; Juventude Musical Portuguesa, GAC e Coro Popular ‘’O Horizonte é Vermelho’’: música e política no contexto revolucionário português; José Afonso: umha forte relaçom com a Galiza; Novos Protestos, Outras canções – protagonizadas por António Moreira, Arturo Reguera, Carlos Moreira, Eduardo Paes Mamede, Filipe Sambado, Francisco Fanhais, Hugo Castro, João Madeira, José Fortes, Miguel Almeida, Nuno Pacheco, Pedro Boléo e Ricardo Andrade.

 

Durante a noite, no mesmo espaço, a partir das 21h30m, decorrerá a apresentação de um espetáculo inédito designado Uma mão cheia de Abril, com a atuação dos músicos Francisco Fanhais, João Lóio, Manuel Freire, Tino Flores e Samuel Quedas. Unidos pelas palavras, as violas e os ideais, e evocando o espírito das sessões de canto livre, irão conversar com a plateia e cantar os temas em que prevalecem os valores que sempre defenderam: Liberdade, Justiça e Fraternidade.

 

O Encontro da Canção de Protesto de 2019 encerrar-se-á no domingo, dia 13 de Outubro, com um espetáculo dedicado a canções de resistência portuguesas executado pela Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense, a apresentação do novo sítio em rede do Observatório da Canção de Protesto— https://ocprotesto.org —, um encontro-colóquio com a participação de alguns membros do Conselho Consultivo do Observatório da Canção de Protesto —João Carlos Callixto, Joaquim Vieira, José Fortes, Manuel Freire, Mário Correia, Salwa Castelo-Branco, Samuel Quedas, Soraia Simões e Viriato Teles — e um momento de Cante Alentejano, pelo Grupo Coral Etnográfico Vila Morena.

 

A entrada é gratuita em todas as iniciativas.

O Encontro da Canção de Protesto tem o apoio da Antena 1

Ciência 2019: faltam 4 dias para o maior encontro de ciência e tecnologia do país

Encontro_ciencia_NEWSLETTER.jpg

 

O Ciência 2019 - Encontro com a Ciência e Tecnologia em Portugal decorre em Lisboa já na próxima semana, de 8 a 10 de Julho, numa edição em que o Reino Unido é o país convidado.
O Centro de Congressos de Lisboa, em Belém, recebe a maior reunião anual de investigadores portugueses, que conta também com a participação de empresários, decisores políticos, estudantes e professores de todos os níveis de ensino.

O programa integra 120 sessões, 673 comunicações, 580 posters e 50 demonstrações onde os participantes ficarão a conhecer alguns projectos inovadores nas unidades de investigação do país.



2019 é um ano especial, repleto de celebrações científicas, que estarão em foco neste encontro e que têm sido abordadas na programação da Ciência Viva: os 100 anos da União Astronómica Internacional (IAU), os 50 anos da primeira aterragem do homem na Lua, os 500 anos da viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães, os 150 anos da criação da Tabela Periódica dos Elementos Químicos e, por fim, os 100 anos da expedição de Arthur Eddington a São Tomé e Príncipe, que deu origem à BD promovida pela Ciência Viva As Luzes do Príncipe. A publicação escrita pelo investigador João Ramalho-Santos e ilustrada por Rui Tavares será distribuída a todos os participantes do Encontro Ciência 2019.

As sessões paralelas serão abertas por jovens que participaram em projectos desenvolvidos ou apoiados pela Ciência Viva, como por exemplo a Ocupação Científica dos Jovens nas Férias, o CanSat Portugal, o programa Escola Azul, o Concurso Europeu de Jovens Cientistas ou o projecto Eddington e o peso da luz, que possibilitou a alunos e professores portugueses conhecerem a realidade dos alunos de Príncipe, em São Tomé, numa verdadeira partilha de conhecimento.

No total são cerca de 60 jovens do ensino secundário que se destacaram pela qualidade do seu trabalho e que têm, assim, oportunidade de partilhar a sua experiência nestes projectos. Destacamos a participação da aluna Joana Silva, da Escola Básica de São Gonçalo de Torres Vedras, e da aluna Patrícia Martins Ribeiro, do TeSP - Curso Técnico Superior Profissional, no painel da sessão Plenária Transformação Digital, Inteligência Artificial e Competências Digitais, que acontece no dia 9 de Julho, às 17:50.

Esta edição contará ainda com uma novidade: o Tanque de Ideias. Estarão em votação sete projectos desenvolvidos por estudantes do ensino básico, secundário e superior desenvolvidos e focados na qualidade de vida ou na sustentabilidade ambiental. Os projectos podem ser votados por todos os participantes do Encontro Ciência 2019 através da App do evento, mais uma novidade na edição deste ano. A ideia mais votada receberá o maior financiamento.

A Ciência Viva apresentará quatro sessões paralelas neste encontro:

Na segunda feira, dia 8 (sala E, 14:00 - 15:30 e 15:30 às 17:00), será apresentada a "Rede de Clubes Ciência Viva", um novo programa estruturante em colaboração com o Ministério da Educação. Na primeira sessão, Clubes Ciência Viva na Escola - Regresso ao Futuro, participam os investigadores Pedro Gil Ferreira (Oxford University, Reino Unido), Elvira Fortunato (Universidade Nova de Lisboa), Joana Moscoso (Native Scientist), Zita Martins (Instituto Superior Técnico), Mário Cachão (Universidade de Lisboa), e os antigos alunos da Ciência Viva, João Vasco Lopes, hoje responsável pelos projectos de Observação da Terra na empresa EDISOFT, e Joana Carneiro, estudante da Universidade Dundee.
Na segunda sessão, alguns dos parceiros dos Clubes Ciência viva debatem o desenvolvimento estratégico destas colaborações.

Na quarta feira, dia 10 (sala E, 11:30) será debatido Poder, sociedade e cultura científica com Marta Entradas (ISCTE - IUL), Rui Dias (Universidade de Évora e director do Centro Ciência Viva de Estremoz), e Bruno Navarro (Centro de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa e director do Museu do Côa - Centro Ciência Viva).

Segue-se às 14h00, no Auditório 2, O peso da luz na Expedição Ciência Viva à Ilha do Príncipe, em que destacamos as intervenções de Ana Simões (Centro Interuniversitário de História das Ciências e Tecnologia), José Pedro Mimoso (Instituto de Astronomia e Astrofísica) e o debate entre alunos e professores portugueses, brasileiros e são tomenses, com videoconferência para São Tomé e Sobral, moderado por Ana Noronha, da Ciência Viva.

O Encontro Ciência 2019 é promovido pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia em colaboração com a Ciência Viva e a Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, tendo o apoio institucional do Governo através do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Programa e inscrições em www.encontrociencia.pt

Loulé recebe 1º Encontro Regional Transição Energética no Algarve

Transição energética.jpg

 

A importância dos desafios e oportunidades que caracterizam a transição energética no Algarve terá o seu 1º Encontro Regional no próximo dia 28 de junho, no grande auditório do NERA, Zona Industrial de Loulé, numa iniciativa organizada pela AREAL – Agência Regional de Energia e Ambiente do Algarve, em colaboração com a Câmara Municipal de Loulé.

Este evento pretende mobilizar uma larga faixa de atores regionais para a temática da transição energética, através da divulgação e partilha de boas práticas, tecnologias e metodologias que visam alcançar uma maior eficiência energética nos edifícios com sistemas de produção de energia mais descentralizados, assentes em recursos renováveis e diversificados, contribuindo assim para um mix energético mais sustentável.

Em debate estarão as tendências do mercado de energia, com enfoque na eficiência energética, hídrica e nas soluções de flexibilidade com recurso a energias renováveis que suportem estratégias de descarbonização da economia.

A inscrição é gratuita mas obrigatória e poderá ser efetuada até ao dia 26 através do link https://forms.gle/xXFiTS7CAEJTr6dP7

 

PROGRAMA

 

09h00 | Boas-vindas

09h20 | Abertura

Vítor Aleixo, presidente da CM de Loulé e Presidente do Conselho de Administração da AREAL

09h30 | Transição Energética na Região do Algarve: Desafios regionais e modelos de financiamento, por Aquiles Marreiros, diretor de serviços de Desenvolvimento Regional (CCDR Algarve)

09h50 | Estratégia de Descarbonização da Inframoura, por Paulo Reis, Chief Operating Officer (Inframoura)

10h20 | Coffee-Break

10h50 | Transição Energética para Descarbonização no Município de Almada, por Catarina Freitas, diretora do departamento de Inovação, Ambiente, Clima e Sustentabilidade (CM de Almada)

11h10 | Autoconsumo de energia fotovoltaica no Mercado de Loulé, por David Pimentel, presidente do Conselho de Administração (Loulé Concelho Global)

11h30 | Comunidade Energética na Ilha da Culatra, por Jânio Monteiro, professor-adjunto da UAlg

11h50 | Debate

12h30 | Almoço

14h30 | Eficiência e distinção: a etiquetagem energética CLASSE+, por Margarida Pinto (ADENE)

14h50 | Projeto STORES – Sistemas de Acumulação de Energia em Aplicações Residenciais (AREAL)

15h20 | Coffee-Break

15:50 | Flexibilidade e integração de energias renováveis, por Jorge Esteves, diretor de Infraestruturas e Redes, Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

16h20 | Debate “O papel dos Municípios na transição energética” (apresentação de ideias inovadoras, partilha de experiências e boas práticas): CM de Loulé, CM de Faro (a confirmar), CM de Portimão (a confirmar), CM de Olhão (a confirmar), CM de Aljezur (a confirmar). Moderação: Cláudio Casimiro, AREAL

17h00 | Sessão Encerramento, por Jorge Botelho, presidente da CI-AMAL (a confirmar)

 

 

 

CML/GAP /RP

Lisboa, Santarém e Porto recebem os primeiros Encontros sobre os desafios da mulher jovem com cancro da mama

Banner_ICO_UnidMama-Encontros_1ªProva.jpg

 

O programa #1500razões para estarmos próximos, promovido pela CUF Instituto de Oncologia, inicia, no Hospital CUF Descobertas, dia 28 de Maio de 2019, entre as 18h e as 20h, com o Ciclo de Encontros “Desafios da mulher jovem com cancro da mama”.

 

Primeiro Lisboa, depois Santarém e logo de seguida o Porto vão receber este Ciclo de Encontros que pretendem ser espaços para conversar, compreender e responder aos desafios sentidos por mulheres com cancro da mama, em particular, mulheres com menos de 45 anos.

 

Ao todo são 5 Encontros ao longo do ano, de Norte a Sul do país, que se materializam em conversas abertas, onde especialistas, doentes, cuidadores e todos os que se envolvem ou interessam por este assunto vão discutir o impacto do cancro da mama. Em foco estará a qualidade de vida conjugal, a maternidade ou no adiar dessa vontade, a imagem pessoal, as questões laborais e a vida após o cancro.

 

As entradas são gratuitas mas requerem inscrição: https://www.saudecuf.pt/oncologia/quem-somos/eventos/desafios-da-mulher-jovem-com-cancro-da-mama

 

AGENDA DOS PRIMEIROS ENCONTROS

 

LISBOA

28 de maio, Hospital CUF Descobertas

Tema central: A qualidade de vida conjugal

  • Cancro da mama vivido a dois. Tantas questões!

  • Comunicar para aproximar

  • A experiência de duas jovens mulheres

Exposição "Todas as cartas de amor são ridículas. Não seriam de amor se não fossem ridículas"

SANTARÉM

5 de junho, Hospital CUF Santarém

Tema central: A vida depois do tratamento - uma nova realidade

  • A imagem pessoal

  • O regresso à vida ativa

  • Os novos receios

  • A experiência de duas jovens mulheres

Conversa "Revelar Santarém, diferentes olhares de várias mulheres sobre uma mesma cidade"

PORTO

11 de junho, Hospital CUF Porto

Tema central: Cancro da mama e tratamento - como integrar a vida profissional e familiar?

  • O impacto da doença na vida ativa e questões laborais

  • As rotinas familiares

  • A comunicação com as crianças e entre o casal

  • A experiência de duas jovens mulheres

Encontro sobre Património Cultural Imaterial, Visitas e Atividades para famílias aquecem o mês de dezembro na Casa da Memória

F6D44811-DB47-450B-A12D-8E1052D89B07.png

 

Guia de Visita com Jean-Yves Durand, Visita-Palestra com Duarte Belo à exposição “Depois do tempo”, 2ª edição do “Em Concreto”, e Domingos em Casa para toda a família, preenchem de cor e alma o último mês do ano da Casa da Memória de Guimarães (CDMG).

 

Antropólogo e professor da Universidade do Minho, Jean-Yves Durand é o Guia de Visita de dezembro da Casa da Memória. Durand tem desenvolvido um vasto trabalho na observação das relações entre políticas públicas e atitudes individuais/coletivas em áreas da cultura (museus, artesanato, festas) e da saúde (a vacinação). Foi docente convidado na École du Louvre, diretor do Museu da Terra de Miranda e coordenador do estudo das Festas Nicolinas – uma temática que naturalmente estará em destaque nesta visita à CDMG, marcada para o dia 01 de dezembro, às 17h00.

 

No dia 12, os alunos do Curso de Geografia e Planeamento da Universidade do Minho terão oportunidade de conhecer a exposição “Depois do tempo” através de uma Visita-Palestra orientada por Duarte Belo. “Depois do tempo” percorre um hiato temporal de 30 anos, desde uma primeira fotografia, feita em abril de 1988, até ao presente. Aqui procura-se descrever uma cidade e a sua paisagem envolvente. Estas Visitas-Palestra, orientadas por Duarte Belo, desafiam o olhar sobre a fotografia como registo topográfico da paisagem e, simultaneamente, como representação artística, estimulando o espírito de investigação e de criação dos mais jovens e sensibilizando para a importância da memória e da identidade de um povo e de um território.

 

Nos dias 13 e 14 de dezembro, A Oficina e o Centro em Rede de Investigação em Antropologia – UMinho, em colaboração com o Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança (INET-md), organizam a 2ª edição do “Em Concreto”, um encontro que tem como objetivo juntar funcionários de instituições culturais, decisores políticos, investigadores, participantes em iniciativas patrimoniais locais, e propor um esforço de reflexão e criatividade aplicadas a uma intervenção etnográfica centrada nas dinâmicas sociais e culturais contemporâneas.

A noção de “património cultural imaterial”, instituída há pouco mais de 10 anos, tem suscitado uma grande atenção por parte da sociedade portuguesa. Numerosos instrumentos, projetos e formações, num quadro institucional ou particular, têm tentado responder a este interesse. Estas iniciativas são agora suficientemente numerosas e desenvolvidas para permitir uma tentativa de confrontação das expetativas e das experiências com a realidade que encontram e constroem no terreno.

 

É precisamente este o mote do “Em Concreto (2)”, que terá lugar nos dias 13 e 14 de dezembro, primeiro no Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) e depois na Casa da Memória de Guimarães (CDMG).  Adelina Paula Pinto, Presidente da Direção d’ A Oficina, fará as honras de abertura do encontro, estando previstos quatro painéis ao longo do primeiro dia: “Expetativas, experiências, perspetivas dos municípios”, às 09h45; “Expetativas, experiências, perspetivas dos investigadores”, às 11h00; “Expetativas, experiências, perspetivas das comunidades”, às 14h30; e “As perspetivas e o papel da UNESCO”, às 15h30. Um dos destaques da conferência será a apresentação do Estudo Antropológico das Festas Nicolinas de Guimarães, por Jean-Yves Durand, marcada para as 16h00. O primeiro dia do encontro terminará por volta das 17h00 com uma visita à festa de Santa Luzia. O dia 14 de dezembro será exclusivo para investigadores/instituições que, neste momento, se dedicam a processos de inventariação do património cultural imaterial. Vários convidados vão reunir-se na Casa da Memória para refletir sobre os pontos em debate no dia anterior e procurar propostas para uma reformulação do dispositivo português de inventariação. A participação no “Em Concreto (2)” é gratuita, estando apenas sujeita a inscrição prévia até ao dia 02 de dezembro, através do formulário disponível no site www.casadamemoria.pt.

 

Como habitualmente, o penúltimo domingo do mês traz-nos atividades para toda a família. No Domingos em Casa de dezembro, dia 16, às 11h00, vamos partir das histórias da Casa da Memória, das suas imagens e fotografias, dos seus textos e expressões, para criar fanzines personalizadas, através de um processo de impressão manual e escrita criativa. Com fotocópias, solvente, papel e, sobretudo, criatividade testamos esta técnica de transferência de imagens para partilhar memórias e outras ideias. Orientado por Maria Côrte-Real, este Domingos em Casa é dirigido às crianças a partir dos 6 anos de idade, estando sujeito a inscrição prévia até ao dia 13 de dezembro através do telefone 253424700 ou do e-mail mediacaocultural@aoficina.pt.

 

Encontro Nacional de Cineclubes

2018-ENCC-PROPOSTA-CARTAZ-TIAGO-02.png

 

23.ª edição do Encontro Nacional de Cineclubes que irá decorrer no Algarve, nas cidades de Faro e Olhão nos dias 14,15 e 16 de Dezembro.

O Encontro Nacional de Cineclubes é um espaço onde os cineclubes nacionais podem ter uma colaboração directa com os seus pares nos seus projectos, promovendo e divulgando as actividades e sessões regulares de exibição dos associados a nível nacional. Para além de ser um evento que traça o estado da arte cineclubista a nível nacional é um espaço de formação, discussão e exibição da sétima arte. Na sua 23.ª edição tem como focos temáticos central a promoção do cinema de língua portuguesa, a lusofonia e os desafios do cineclubismo no Séc. XXI.

Programa
Sexta | 14 dezembro
19h00 - Recepção / acolhimento

20h00 - Jantar

22h00 - Tertúlia "A Produção de Cinema no Algarve", com a presença de André Badalo (Original Features), Bruno Silva, Cláudio Jordão (Koto Studios), Hernâni Maria Cabral (Paradoxon), Vera Casaca (Original Features)

Sábado |15 de dezembro
Local: IDPJ de Faro

10h00 - Seminário "Cineclubismo: Direitos de Autor, Distribuição e Exibição", com Dr. Luís Silveira Botelho, Inspetor-Geral das Atividades Culturais

12h30 - Almoço

15h00 - Seminário "Literacia do Cinema"

17h00 - Exibição de Curtas-Metragens Produzidas no Algarve

19h00 - Jantar

Local: Antigo Armazém da Conserveiras do Sul, Olhão
21h30 - Cineconcerto CCF: "O HOMEM DOS OLHOS TORTOS de Leitão de Barros e Luís Reis Santos, Portugal, 1919, filme mudo inacabado, 63’
Acompanhamento ao vivo: JÚLIO RESENDE e SALVADOR SOBRAL" (integrado no ciclo VideoLucem)

Domingo | 16 de dezembro
Local: IDPJ de Faro

10h00 - Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Cineclubes
- Apresentação do Dia dos Cineclubes

12h30 - Almoço

14h30 - Homenagem e Apresentação do Prémio António Loja Neves
- Lançamento de número especial da revista Cinema

As condições de inscrição para membros de Cineclubes Federados é de 35€ por pessoa até um máximo de dois representantes por Cineclube. Estas duas inscrições terão satisfeitas as necessidades de transporte, alimentação e alojamento durante o Encontro Nacional de Cineclubes. A organização aceitará inscrições adicionais do mesmo cineclube colocando à disposição dos membros inscritos as condições de alojamento e transporte negociadas com os parceiros do evento. Será ainda possível a inscrição de Cineclubes não federados e público a 70€. Estas inscrições cineclubístas dão acesso a todas as actividades do Encontro."

As sessões de cinema serão abertas ao público-geral praticando-se o preço de acesso de 4€ para o público-geral e de 3€ para estudantes e associados de cineclubes federados. Apenas a Assembleia Geral de Cineclubes terá acesso condicionado.

As inscrições estão abertas no site do ENCC - www.fpcc.pt/encc - ou pelo email fpcc@fpcc.pt

“Um Centro Histórico de Oportunidades” | Encontro promove empreendedorismo e partilha de experiências na área do Património Cultural

“Um Centro Histórico de Oportunidades” 

Encontro promove empreendedorismo e partilha de experiências na área do Património Cultural

 

 

A Câmara Municipal de Palmela promove, no dia 27 de novembro, no Espaço Cidadão, em Palmela, a 2.ª edição de 2018 da iniciativa “Um Centro Histórico de Oportunidades”. Com o tema “Património Cultural e o seu impacto no Desenvolvimento Local”, o encontro, que decorre entre as 14h30 e as 16h30, tem entrada gratuita, mediante inscrição prévia, através do Gabinete de Recuperação do Centro Histórico (grh@cm-palmela.pt, telf. 212 336 647, fax 212 336 649 e centrohistorico.cm-palmela.pt).

Esta edição de “Um Centro Histórico de Oportunidades” contará com as participações da Câmara Municipal de Águeda (Projeto The Umbrella Sky Project) e de Celina da Piedade (Candidatura Palmela Cidade Criativa da Música da UNESCO).

A partilha de experiências empreendedoras e inovadoras de sucesso, o incentivo ao empreendedorismo e dinamização do Centro Histórico de Palmela são os objetivos desta iniciativa, que conta já, ao longo de quatro anos de existência, com dez sessões  realizadas e a abordagem de temáticas tão diversas como o alojamento local, restauração e criatividade no turismo.

Politécnico de Setúbal promove encontro sobre Arte Urbana

“Impactos da Street Art” | Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal | 22 de novembro 

 

Street Art_NI.jpg

 

Artistas, autarcas, agentes socioculturais e académicos vão estar reunidos no próximo 22 de novembro, na Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal (EHTS), para um encontro em torno dos “Impactos da Street Art”, numa iniciativa promovida pelo Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), em parceria com a Câmara Municipal de Setúbal (CMS)

 

O encontro, com abertura pelas 9h30 horas, a cargo do presidente do IPS, Pedro Dominguinhos, e da presidente da CMS, Maria das Dores Meira, coloca em cima da mesa o fenómeno da arte urbana em Portugal, movimento emergente, sobretudo associado a políticas municipais de requalificação em bairros degradados e encarado por muitos como um “ato de reapropriação da cidade”, analisando-o desde os pontos de vista artístico, socioeconómico, cultural e académico.  

 

O primeiro painel de discussão, com início pelas 10h00, começa por dar voz aos próprios artistas, convidando nomes como Ivo Santos (smile1 art), Ana Mesquita (MESQ), José Carvalho (Ozearv) e Tiago Proença (Tiago Hesp), sob moderação de Luiz Souta, docente da Escola Superior de Educação (ESE/IPS). 

 

“Autarquias e os impactos socioeconómicos” é o tema da segunda mesa de oradores (11h30) onde estarão sentados eleitos das câmaras municipais de Moita, Cascais e Loures, com moderação de Luís Liberato, docente da ESE/IPS e diretor do Departamento de Cultura, Educação, Desporto, Juventude e Inclusão Social da CMS.

 

Segue-se, da parte da tarde (14h30), a perspetiva das associações culturais e de moradores, num painel moderado por Mónica Duarte, da CMS, em que serão apresentados vários projetos comunitários desenvolvidos em Lisboa, Loures e Setúbal.

 

Para terminar (16h00), os impactos da chamada street art serão analisados na perspetiva da investigação académica, num debate conduzido pelo docente Luís Carlos Santos, da ESE/IPS, com intervenções de André Carmo, geógrafo, Ana Pinto, historiadora de arte, e das sociólogas Ágata Dourado Sequeira e Letícia do Carmo

   

O IPS, enquanto instituição de ensino superior, pretende com este encontro acompanhar as várias experiências regionais do fenómeno da arte urbana, para além de estudar e refletir sobre este “património local”, enquanto “arte do efémero”.  

 

A entrada é livre, mas carece de inscrição prévia através do email streetart2018@ese.ips.pt.

 

 

Créditos das fotos em anexo: Fernando Pinho

Associação Renovar a Mouraria abre as portas para novos “Há Manhãs”

34d24dfe-8fe7-431d-928f-6081579e3414.png

 

O "Há Manhãs" é um pequeno almoço internacional de mulheres, que acontece mensalmente num bairro da cidade de Lisboa, juntando mulheres portuguesas, migrantes e refugiadas, para em conjunto celebrar, aprender e partilhar culturas, trocar ideias e gastronomia do mundo.

O primeiro "Há Manhãs" terá lugar na Associação Renovar a Mouraria, no próximo dia 18 de novembro, pelas 10h30.

Estes encontros pretendem promover a interacção entre mulheres migrantes, refugiadas e mulheres das sociedades de acolhimento, através de um convívio informal onde serão abordados os estereótipos, de ambas as partes, desafiando as narrativas existentes sobre as migrações, e potenciando uma efectiva troca de experiências.

Esta iniciativa é co-financiada pelos Programa BIP-ZIP, da Câmara Municipal de Lisboa, e o AMIF-Asylum, Migration and Integration Fund.

II Encontro de História de Loulé

Encontro Hist LLE CARTAZ 2018_V1-01.jpg

 

 

Nos dias 31 de agosto e 1 de setembro, o Encontro de História de Loulé marca presença, mais uma vez, no Auditório do Convento do Espírito Santo e no Arquivo Municipal, afirmando-se como espaço de partilha e debate em torno de estudos sobre a História de Loulé em diferentes períodos cronológicos. 

O programa desta segunda edição conta com vários painéis de comunicações apresentadas por diversos oradores de vários centros de investigação e universidades do país. No final do dia 31 de agosto será lançado o Caderno do Arquivo n.º 14 “A justiça em Loulé. Séculos XVII-XIX”, da autoria de Nuno Camarinhas (Centro de I&D sobre Direito e Sociedade) e, no dia 1 de setembro, será a vez do lançamento das Atas do I Encontro de História de Loulé. Neste último dia, será possível ainda, no âmbito deste Encontro, visitar o Polo Museológico de Salir ou o Centro Histórico de Loulé.

A participação confere a entrega de certificado de presença, é gratuita e carece de inscrição. Para o efeito poderá ser utilizado o formulário online: https://tinyurl.com/EHLoulee

O evento conta com o apoio do CEPAC – Universidade do Algarve e do CIDEHUS – Universidade de Évora. 

 

PROGRAMA

 

31 AGOSTO

Auditório do Convento do Espírito Santo

09h30 Sessão de Abertura

10h00 Conferência inaugural 

Moderação: Luís Oliveira

O repouso nocturno em Loulé medieval: que possibilidades de conforto?

Iria Gonçalves

10h30 Debate

10h45 Pausa

11h15 Painel 1Civilizações e Conflitos

Moderação: Soraia Martins

A produção de ânforas no território de Loulé em Época Romana 

João Pedro Bernardes

O Islão do rei: as propriedades dizimadoras dos muçulmanos de Loulé (sécs. XIII-XVI) 

Filomena Barros

Quando a vila está longe da batalha: Loulé e a Guerra (1369-1411)

Gonçalo Silva

12h15 Debate

12h45 Almoço livre

14h30 Painel 2: Sociedade, Economia e Administração

Moderação: Miguel Lourenço

Administração e procedimentos nos livros de Receita e Despesa de Loulé (séc. XVIII) 

Patrícia Costa

Ocupações e relações laborais em Loulé (século XVIII): novas interpretações

Filipa Ribeiro da Silva, Hélder Carvalhal

Loulé, o Reino do Algarve e uma certa necessidade de afirmação social (séculos XVI-XIX)

João de Figueiroa-Rego

15h30 Debate

16h00 Pausa

16h30 Painel 3: Sociedade e Demografia 

Moderação: Patrícia de Jesus Palma 

Atentados ao pudor no concelho de Loulé de oitocentos 

Aurízia Anica

 

A mortalidade em Loulé na 2ª metade do séc. XIX 

João Cosme 

Os louletanos nos campos de concentração alemães durante a I Guerra Mundial 

Joaquim Rodrigues

17h30 Debate

18h00 Lançamento do Caderno do Arquivo “A justiça em Loulé. Séculos XVII-XIX” de Nuno Camarinhas 

 

1 SETEMBRO

Auditório do Convento do Espírito Santo

09h30 Painel 4: Espólio arquivístico e fotográfico

Moderação: Diogo Vivas 

Fragmentos do passado: capas de pergaminhos portugueses reutilizados no Arquivo Municipal de Loulé 

Pedro Pinto

Fragmentos sonoros em Loulé: vestígios de vivências religiosas medievais

Manuel Pedro Ferreira, Zuelma Chaves

A memória fotográfica do município de Loulé no Arquivo Municipal de Lisboa e na Biblioteca de Arte e Arquivos da Fundação Calouste Gulbenkian: 1943-1998

Paulo Batista

10h30 Debate

11h00 Pausa

11h30 Painel 5: Arte, Conservação e Restauro 

Moderação: Mónica Esteves Reis

A Igreja de São Clemente de Loulé nas visitações quinhentistas da Ordem de Santiago

Mário Cunha

Conservação e restauro dos frontais dos três altares da Igreja da Misericórdia de Loulé

Rute Guerreiro

Pintar com ouro: a atividade de pintores douradores em Loulé no século XVIII

Patrícia Monteiro

12h30 Debate

13h00 Almoço livre

14h30 Visita ao Centro Histórico de Loulé

Visita ao Polo Museológico de Salir

 

Arquivo Municipal

17h30 Lançamento das Atas do I Encontro de História de Loulé

18h00 Sessão de Encerramento