Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

V. Novas celebra sessenta anos de Concelho com cinco dias de festa

Festas do Concelho V. Novas.jpg

Vendas Novas assinala o 60º. Aniversário de Elevação a Concelho no próximo dia 7 de setembro e, como tal, preparou uma diversificada programação, a decorrer entre 7 e 11 de setembro. Este ano, as Festas do Concelho irão dividir-se por quatro locais distintos: Landeira, Jardim Público, zona junto ao Mercado Municipal e Largo da Câmara Municipal, o já tradicional recinto por excelência.

O grande destaque irá para os concertos com Murta (dia 9), Fernando Daniel (dia 10) e Marco Paulo (dia 11), assim como, para a recriação da festa de há 60 anos, com a realização de um mega piquenique no Jardim Público, com boi no espeto (dia 7) e animação com os grupos de folclore e cante da terra e com o contador de histórias mais famoso do Alentejo, Serafim. Neste dia, realizar-se-á ainda a Sessão Solene evocativa da efeméride, com a atribuição de insígnias a figuras emblemáticas da terra.

Mas haverá mais. Animação de rua, bandas, largadas de touros e DJ’s irão prolongar os serões. Na parte cultural haverá lugar para apresentação de livros, exposição de fotografia, conversas informais sobre memórias do dia da elevação e sobre esta terra industrial. A assinalar ainda um espetáculo de homenagem a Lídia Couveiro, impulsionadora de grupos de dança locais.

A não perder, na parte desportiva, o Trail Caminhos da Artilharia, primeiro evento deste tipo em Vendas Novas e que prometerá aventura e teste à resistência física dos participantes.

Passeio de motorizadas; tiro aos pratos; largada de pombos; jogos tradicionais; encontro de BMW antigos; feira de stock off; divertimentos infantis; artesanato e tasquinhas compõem o restante cartaz, que contará com fogo-de-artifício no seu encerramento.

As Festas do Concelho têm entrada livre são organizadas pelo Município de Vendas Novas, contando com o patrocínio da Super Bock, Herdade do Outeiro Diniz & Santiago, Corkart, Starcork, Paladin e Delta; apoio da CIMAC e Fora de Cena com cofinanciamento do Alentejo 2020 e têm como media partner a Rádio Granada.

Todo o programa em https://www.cm-vendasnovas.pt/eventos/festas-do-concelho-7-a-11-setembro/

Apresentação pública das Festas da Moita

Município da Moita

Festas em Honra de Nossa Senhora da Boa Viagem, regressam em força

 

As Festas em Honra de Nossa Senhora da Boa Viagem, estão de regresso à vila da Moita. No dia 27 de agosto, a partir das 21h00, terá lugar, na Praça da República, a apresentação pública do programa deste ano. Logo a seguir à cerimónia de apresentação, por volta das 22h00, irão subir ao palco os Expresso Transatlântico, a banda de Gaspar Varela, Sebastião Varela e Rafael Matos para um concerto com sonoridades da música popular portuguesa, africana e brasileira. Cerca das 00h00 terá início uma largada de toiros, na av. Dr. Teófilo Braga.

 

“PENINA EM FESTA” ESTÁ DE VOLTA!

Penina1.jpg

Na sequência do desafio lançado à aldeia da Penina em 2021 pelo GeoPalcos Arte.Ciência.Natureza, uma iniciativa do aspirante Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira, este ano a comunidade da aldeia da Penina abraçou o desafio, juntamente com a Associação Portuguesa de Didgeridoo e o apoio do aspirante Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira e da União de Freguesias Querença, Tôr e Benafim, de levar a cabo um programa repleto de atividades culturais, artísticas, desportivas e ambientais nesta localidade do interior do concelho de Loulé.

“Penina em Festa” serão dois dias de festa, convívio e aprendizagens com as pessoas da aldeia.

No dia 9, sábado, às 9h00, o ponto de encontro será no Largo da Fonte da Penina, e daqui partirão várias caminhadas: “A volta das Noras da Penina”, conduzida por Vítor Gregório, a caminhada da “Rocha da Pena Norte Quinta do Freixo - Explicação das plantas”, por Alex Morgan da Nature-walks, e que inclui oferta de um conjunto de doces e prova de produtos da Quinta do Freixo. Pelas 10h00, haverá uma pequena caminhada de sensibilização de apanha de lixo pela Run-Eco, conduzida por Carla Narciso.

Também às 9h00 arranca o programa de workshops, onde o participante poderá aprender a “Trabalhar a Palma”, com Alice Ramos, e visitar o seu mini museu. Pelas 10h00, a artista Manoli Ortiz fará um “Hotel para insetos”, no seu atelier, enquanto que às 10h30, a artesã Sofia Mendes ensinará a fazer um “bálsamo labial”, na Saboaria da Aldeia.

No forno mais conhecido da aldeia haverá uma demonstração de “Como fazer pão no forno de lenha”, por Renato George Marques, a partir das 10h00.

Outro momento interessante deste programa será a realização do batismo e demonstração da cerveja artesanal – Salamandra Penina – produzida com tomilho bela luz (planta autóctone da Rocha da Pena), pela Nova Vida, a partir das 15h00.

Pelas 16h00, mais uma demonstração acontece na Saboaria da Aldeia, “Extração de óleos essenciais”, por Sofia Mendes, enquanto que pelas 16h30-19h30, a adrenalina sobe com o Workshop “Escalada em Top-Rope”, por David Rodrigues.

Várias exposições espalhadas por diversos pontos da aldeia alimentarão o espirito da descoberta da aldeia, no caminho para o atelier de Manoli Ortiz, são vários os artistas que irão expor as suas obras, da fotografia à escultura, da pintura às instalações artísticas, passarão por aqui nomes como Charlie Holt, Gladys Farias, Neuza Barbosa, Toin Adams, Yolanda Relinque e Manoli Ortiz.

A comunidade disponibilizou vários utensílios usados nas lides do campo para dar a conhecer o seu nome e utilidade “Palavras com objetos de agricultura algarvia”.

Pelas 18h00, as ruas da aldeia serão invadidas pelo grupo de dança Fusion Contemporary Dance. Ana Machado, no largo da fonte, conta-nos histórias sobre o património oral algarvio. Depois de provar algumas iguarias preparadas pela Associação de Benafim a festa continua pela noite dentro com vários concertos:

>21h00 CARPIDEIRA por Helena Madeira harpa e Ricardo Martins guitarra portuguesa

>22h00 GONDWANA ALGARVENSIS por José João Cabrita, João Caiano e João Melro com projeção de imagens de Manoli Ortiz

>23h00 THE KANGAROOS TRIO por Marc Policarpo voz e guitarra Paulo Carvalho baixo e vozes Rúben Salamanca bateria e vozes.

O dia 10, domingo, amanhece com a caminhada Trail da Salamandra, com 3 percursos de 7km, 14km e 23km (inscrições em www.acorrer.pt). A Sofiya Simoty fará o aquecimento dos caminhantes, no Largo da Fonte, estão previstas várias atividades para os mais pequenos. Pelas 11h30, hora prevista para a chegada dos atletas haverá um concerto de Didgetomm por Tomas Caro Alvite, vindo de Santiago de Compostela, com o seu didgeridoo e handpan.

Para fechar em beleza, a festa termina com a entrega de Prémios da Caminhada Trail da Salamandra.

Programa completo em www.geoparquealgarvenis.pt. As caminhadas e workshops requerem inscrição.

Árvore recebe a primeira Festa do Livro e do Autor de Língua Frances

image001 (4).jpg

Nos dias 7 a 19 de Julho decorre na Cooperativa Árvore, na Casa Comum e no Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto a 1ª Festa do Livro e do Autor de Língua Francesa, iniciativa do Consulado Honorário de França no Porto.

 

Na Árvore (segunda a sexta, 10-13h e 14-18h30; sábados, 14-19h), decorre a Festa do Livro, com a representação de mais de 20 editoras francesas e portuguesas, que disponibilizarão mais de 1.500 títulos em língua francesa e portuguesa, em diversas áreas temáticas, do romance ao ensaio, poesia, literatura de viagens, banda desenhada, história, gastronomia ou à música. Em simultâneo, haverá uma mostra de artes plásticas evocativa dos valores fundamentais e dos direitos do homem e do cidadão.

 

Às 17h00, nos dias 12 e 14 de Julho, o 14 juillet, Dia Nacional de França, haverá um concerto do «La Vie en Swing», um projeto de jazz francês que reúne a cantora Mariana Melo, o guitarrista André Pires Costa e a violinista Alice Abreu. Juntos partilham com o público a paixão pela música francesa através da linguagem do jazz e do swing emergentes nos anos 20. O concerto terá lugar no Pátio da Cooperativa Árvore.

 

“Pela primeira vez realizamos no Porto uma festa em torno do livro e da língua francesa, apresentando diversas vertentes artísticas. Contamos com a cada vez mais numerosa comunidade francesa no Norte de Portugal, com os estudantes franceses aqui radicados no seu período escolar e com todos os portugueses que têm na França e nos seus valores civilizacionais uma inspiração nas suas vidas” (Manuel Cabral, Cônsul honorário de França no Porto).

 

 

Restante programa:

 

07 JUL, 21h30 | o Quarteto Brevi (Sebastien Molina, Sax soprano; Fernando Ramos, Sax alto; Helouise Golhen, Sax tenor; Romeu Costa, Sax barítono), que junta músicos de Portugal e de França, apresenta um programa que reflete a multiculturalidade. No Museu de História Natural e Ciência da U.Porto (Campo dos Mártires da Pátria, 81). Entrada livre, até ao limite da lotação.

 

08 JUL, 21h30 | Cine-concerto Le Prémier Magicien du Cinéma: George Méliès. George Méliès (1861-1938), cineasta e ilusionista, nascido em Paris, considerado um dos pioneiros do cinema e um dos mais criativos artistas da sua geração. É também considerado o pai do cinema de ficção científica, sendo o seu filme mais conhecido «Viagem à Lua» (1902). Nesta sessão, teremos oportunidade de usufruir de uma seleção de filmes de Méliès, acompanhada ao vivo pelo músico José Valente, um dos mais destacados violetistas atuais. No Museu de História Natural e da Ciência da U.Porto (Campo dos Mártires da Pátria, 81). Entrada livre, até ao limite da lotação.

 

09 JUL, 18h00 | Apresentação do livro «Paris em 1934», de Abel Salazar. Reedição do livro de crónicas de Abel Salazar sobre as suas impressões da vida parisiense durante o seu “auto-exílio” na capital francesa, com prefácio de Irene Ribeiro. Na Casa Comum, Reitoria da Universidade do Porto (Praça de Gomes Teixeira). Entrada livre, até ao limite da lotação.

 

13 JUL, 17h15 | Conversa: Os Desafios da Tradução e da Edição em Língua Francesa, com o tradutor Carlos Sousa de Almeida e o Editor Francisco Madruga, com moderação de Ana Paula Coutinho (U.Porto/Alliance Française de Porto). Na Cooperativa Árvore. Entrada livre, até ao limite da lotação.

 

19 JUL, 21h30 | A cuisine française como lugar de cultura e de encontro. Conversa com Hélio Loureiro (chef e investigador da arte da cozinha), Jorge Dias (Diretor-geral da Gran Cruz Porto), Fátima Vieira (Vice-reitora da U.Porto) e Manuel Cabral (Cônsul honorário de França no Porto), rematada por experiência gastronómica e vínica. No Museu de História Natural e da Ciência da U.Porto (Campo dos Mártires da Pátria, 81). Entrada livre, até ao limite da lotação.

 

 

 

Festa da Sardinha Assada em Nafarros

 

A sardinha será a rainha da festa em Nafarros, Sintra, com muita animação e artesanato. A primeira edição da Festa da Sardinha Assada realiza-se de 22 a 24 de julho.

Esta é uma aposta na dinamização da economia local. Para além da gastronomia, da rainha desta festa, o certame conta ainda com animação, artesanato e música.

Com as sardinhas assadas no centro das atenções, o pavilhão de Nafarros é o lugar certo para saborear este prato típico dos Santos Populares.

O evento é promovido pela Liga dos Amigos da 3.ª Idade “Os Avós” e pela União Desportiva e

Cultural de Nafarros e conta com o apoio da Câmara Municipal de Sintra.

 

PROGRAMA

 

22 de julho – Abertura às 12h00

Acordeonista Rui de Carvalho

 

23 de julho – Abertura às 12h00

20h30 Rancho Folclórico “Os Camponeses Dona Maria”

 Rogério Silva

 

24 de julho – Abertura às 12h00

20h30 Grupo Musical Azul e Amarelo

 

 

União Desportiva e Cultural de Nafarros

Rua da Tomadia, 2710-415 Sintra

Santos Populares de Quarteira

 

Santos Populares1232x474.png

A capital dos Santos Populares no Algarve contará com um programa especial que irá animar a cidade por estes dias. O desfile das Marchas Populares não sairá à rua no formato habitual, contudo a tradição destas festividades vai cumprir-se em Quarteira.

Os arraiais são um dos sinónimos de animação nas noites de Stº António, S. João e S. Pedro, e neste programa especial serão também um dos principais motivos para que a população saia à rua para celebrar. As ruas típicas de Quarteira associam-se a esta organização e, nos dias 10 e 11, a festa faz-se na Rua da Cabine, nos dias 12, 23 e 28, na Rua da Alegria, e nos dias 17 e 18, na Rua Vasco da Gama. Bailes com artistas populares, os espaços decorados com o tradicional festão colorido e manjericos e, é claro, a gastronomia, sobretudo os típicos pratos como a sardinha assada e o caldo verde, serão os ingredientes principais destas noites.

Entre os dias 10 e 30 de junho, as montras do comércio local das Ruas Vasco da Gama e Bartolomeu Dias recebem uma exposição com os fatos dos marchantes que, ao longo dos anos, fizeram a história deste evento. Esta iniciativa, que constitui uma forma de mostrar ao público a riqueza do espólio que incorpora a cultura popular quarteirense, conta com o apoio da APROMAR e do comércio local que, nesta altura do ano, ganha um novo fulgor graças aos muitos turistas que acorrem à cidade para assistir a este quadro etnográfico.

Os desfiles das Marchas Populares dos anos anteriores serão exibidos em formato cinematográfico, no Largo do Centro Autárquico, nos dias 12, 23 e 28, das 10hh0 às 21h00.

No mesmo local, nos dias 13, 24 e 29 de junho, das 9h30 às 18h30, vão estar à venda os tradicionais manjericos. Segundo a tradição, os namorados ofereciam às namoradas na noite de Stº António, esta planta num vaso com um cravo e poemas alusivos ao amor, que se tornou símbolo das celebrações dos Santos Populares.

“A Autarquia de Loulé e a Junta de Freguesia de Quarteira, desde o primeiro momento, mostraram a sua abertura para a realização do desfile das marchas. No entanto, devido às restrições e sucessivos confinamentos impostos no âmbito da pandemia da COVID-19, os diferentes grupos de Marchas de Quarteira consideraram que, face ao curto espaço de tempo que separou o desconfinamento da celebração das festas dos Santos Populares, não havia condições para preparar o desfile com o rigor necessário para a sua realização com a qualidade e a beleza características destas marchas. Assim, devido ao receio sentido pelos grupos, preferimos adiar a retoma para o próximo ano. Mas, apesar de tudo, não deixaremos passar em claro estas datas e iremos, com este programa, reviver a tradição”, explicaram os autarcas Vítor Aleixo e Telmo Pinto.

Antes das marchas como hoje as conhecemos, as festas integravam os arraiais, as fogueiras, os bailes e os banhos na noite de S. João, que tinham lugar normalmente em Quarteira pela sua proximidade ao mar. Até à década de 70 do século XX a celebração resumia-se às comemorações de S. João com os “bailes de mastros” pela cidade e o “banho santo”, à meia-noite. Ao Padre Elísio Dias, nomeado pároco de Quarteira em 1968, dever-se-á a criação das Marchas Populares, que conheceram maior incremento a partir da década de 90. Em 1995 surge a APROMAR, Associação Promotora das Marchas Populares, que passa então a organizar oficialmente o evento. 

Com o passar dos anos, os Santos Populares de Quarteira tornaram-se num dos principais cartazes turísticos da cidade de Quarteira, do concelho de Loulé e da região algarvia, atraindo muitos turistas. Mas este evento é também a demonstração do bairrismo que está bastante enraizado no espírito e alma de todos os quarteirenses, uma comunidade que se envolve de corpo e alma nesta realização.

 

 

CML/GAP /RP

As Festas de Lisboa estão de regresso

descarregar (1).jpg

As Festas de Lisboa vão finalmente recomeçar. Depois de dois anos de uma paragem forçada, devido à pandemia, este é um regresso muito aguardado por todos os lisboetas e pelos protagonistas do mês de junho: artistas, coletividades, marchantes e todos aqueles que mantêm a festa viva nos bairros de Lisboa.
 
Com a cidade e para a cidade, a celebração do mês de junho vai ser, assim, ainda mais especial. Entre Marchas Populares, concertos, cinema, teatro e exposições, arraiais e Tronos de Santo António, a Câmara Municipal de Lisboa e a EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural propõem uma programação alegre e popular, diversa e inclusiva, experimental e surpreendente.

As festividades abrem ainda em maio (no último sábado do mês) com Tito Paris. No espetáculo “O que nos Une” – uma mensagem coletiva de esperança que importa sublinhar no atual contexto de guerra que ensombra o Mundo – o músico e compositor cabo-verdiano reúne em palco um naipe de grandes vozes:  Cremilda Medina, Joana Amendoeira, Paulo Gonzo e Djodje. Um concerto para dançar ao som de mornas e coladeiras à beira-rio, nos jardins da emblemática Torre de Belém, celebrando também os 40 anos de carreira do artista.
 
As Marchas Populares também estão de volta, assinalando da melhor forma o arranque do mês de junho com as primeiras exibições na Altice Arena (dias 3, 4 e 5), a partir das 21h00.
Na noite de Santo António, as Marchas apresentam-se novamente, desta vez na Avenida da Liberdade, a partir das 21h45. Um desfile encabeçado pela Marcha Popular de Vale do Açor, a convidada desta edição, e com a participação, pela primeira vez, da Marcha Infantil das Escolas de Lisboa.
 
Este ano as Casas Regionais da cidade – embaixadas na capital da cultura regional do país ­­– também se juntam ao programa das Festas, levando ranchos folclóricos, tunas, bombos e Fado até à Quinta das Conchas para um encontro de dois dias (25 e 26).
 
O Fado volta a ser rei no Castelo de São Jorge, palco privilegiado destes encontros musicais improváveis. Ricardo Ribeiro junta-se ao pianista de jazz João Paulo Esteves da Silva (dia 17) e Teresinha Landeiro interpreta duetos inéditos com os artistas Agir e Mimi Froes (dia 18). Duas noites dedicadas à canção de Lisboa, Património Cultural Imaterial da Humanidade, sob o lema Fado no Castelo.

E se o Fado é rei, as Sardinhas são as rainhas das Festas – apresentando-se nesta edição com uma nova imagem. Por falar nelas, é também altura de revelar as grandes eleitas do concurso criativo deste ano que voltou a ser inundado por propostas de todo o mundo. De um total de 6 vencedoras, 5 são portuguesas e uma vem da Turquia. A Escola EB1 de Travassô, em Águeda, foi a escolhida pelo júri da Turma da Sardinha, que atribuiu ainda menções honrosas a mais três sardinhas escolares.

Aproveitando o feriado comemorativo do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, reservamos uma surpresa para a cidade, nos dias 9, 10 e 11. Uma mão e um pé, uma boca, um nariz, uma orelha e um olho vão circular pelos jardins e praças de Lisboa, numa performance protagonizada pela companhia Snuff Puppets, comunidade de artistas de Melbourne.

O encerramento das Festas será na Praça do Comércio com o concerto “Cheira a Lisboa”, numa homenagem aos 100 anos do Parque Mayer – o berço das Marchas Populares e epicentro da vida artística lisboeta. Em palco, a Orquestra Metropolitana de Lisboa, sob a direção do maestro Cesário Costa, acompanha seis grandes vozes da atualidade: Anabela, FF, Katia Guerreiro, Luís Trigacheiro, Lura e Marco Rodrigues, que recriam 22 clássicos da música popular com a roupagem dos arranjadores Filipe Raposo, Pedro Moreira e Lino Guerreiro. Um espetáculo inédito, no dia 30, para ouvir canções intemporais que contam a história do Parque e da cidade e algumas raridades, como “Santo António”, de João Villaret, que foi alvo de censura em 1956.
 
Como é já tradição, o Museu de Lisboa – Santo António preparou uma programação especial dedicada ao Santo que as Festas celebram, com concertos, visitas guiadas ou exposições.
 
De Lisboa Mistura, Festa da Diversidade, Arraial Lisboa Pride, CineConchas, Bairro em Festa e de muitas outras festas se fazem também as Festas de Lisboa para desfrutar e viver ao longo de mais de um mês.

As Festas estão quase a começar. Cheira bem, cheira a Lisboa!
 

Com as Festas de Lisboa estão de volta as Marchas Populares

descarregar (2).jpg

As Marchas Populares estão de volta, com as primeiras exibições na Altice Arena. Depois de dois anos silenciosos, cumprindo as regras ditadas pela pandemia, os bairros lisboetas saem de casa, vestindo o seu melhor figurino para contar e cantar as tradições e costumes das suas gentes, através de coreografias coloridas. Com alegria e entusiasmo redobrados, os marchantes renascem para abrilhantar esta tradição identitária da cidade e um dos pontos altos das Festas de Lisboa.

Entre sexta feira e domingo (dias 3, 4 e 5), as 20 marchas a concurso apresentam-se, pela primeira vez, perante o público e o júri. A estas marchas em competição juntam-se mais três marchas extraconcurso: A Marcha Infantil "A Voz do Operário", a Marcha dos Mercados e a Marcha Santa Casa, abrindo, cada uma delas, uma das noites de exibições.

 

Neste espetáculo, aberto ao público e com uma entrada simbólica (no valor de 6€), que será apresentado por Vanessa Oliveira, todos/as terão Amália na voz, entoando a composição vencedora da Grande Marcha de Lisboa 2020 –  numa homenagem ao centenário da diva do Fado. Dois anos depois, "Amália é Lisboa" será finalmente interpretada por todos os marchantes.

Iééééé, Marchas é que é!


📷 José Frade/EGEAC

 

E como, em junho, a tradição voltou a ser o que era, abrem também este fim de semana os típicos arraiais, com a animação que lhes é característica. No Museu de Lisboa - Santo António, a programação estende-se ao longo do mês com percursos, visitas, concertos e atividades para toda a família, destacando-se a exposição de rua dos Tronos de Santo António, uma das mais populares expressões culturais da cidade, que pode ser vista a partir de sábado.

O MUNICÍPIO DE MORA COMEMORA PELA PRIMEIRA VEZ O DIA DE PORTUGAL

descarregar (1).png

O Município de Mora comemora pela primeira vez o Dia de Portugal, de Camões e das comunidades portuguesas, feriado nacional de 10 de junho.

Para o efeito está preparado um programa com iniciativas diversas que acontecem nos dias 10 e 11 de junho, na sede de Concelho, em Mora.

A iniciar, no dia 10 de junho às 10h, o Município de Mora homenageia Duarte Pires, atleta da Escola de Natação, com o descerramento de uma placa, na Piscina Municipal. Por esta altura, assinala-se também a abertura da época balnear.

No mesmo dia, a partir das 20h30, na Praça Conselheiro Fernando de Sousa, será inaugurada nova iluminação, contando com animação musical por Zé Pedro Aniceto e Diogo Noronha. Às 21h30, na Casa da Cultura, o Município oferece à população do Concelho a apresentação da peça de teatro “Um amor de família”, que conta com a presença em palco dos atores Sofia Alves, João de Carvalho, Diana Marques Guerra e Diogo Lopes.

A Orquestra Sem Fronteiras, dirigida por Martim Sousa Tavares, apresenta o espetáculo “Da Primavera para o Verão”, na tarde de 11 de junho, a partir das 16h30, no Cineteatro da Casa da Cultura. De realçar que a Orquestra Sem Fronteiras é a grande vencedora do Prémio Europeu Carlos Magno para a Juventude de 2022.

Todas as iniciativas são gratuitas e abertas a toda a população do Concelho.

 

 

Município de Mora, uma porta aberta para o futuro!