Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Lisboa está quase em Festas

descarregar (2).jpg

As Festas de Lisboa são transversais: na idade, na geografia,
na acessibilidade e na diversidade.

 
Intergeracional, em toda a cidade, maioritariamente gratuito e multicultural, o programa das Festas é um ponto de encontro de tradições populares e diferentes comunidades, obrigatório em junho.

Este ano o desfile das Marchas Populares na Avenida da Liberdade, no dia 12 de junho, inicia-se com um momento especial: a Dança do Dragão, pela Associação Geral Desportiva de Macau Lo Leong (grupo convidado), comemorativa do 25.º Aniversário do Estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau.

Ainda antes da noite de Santo António, as Marchas apresentam-se pela primeira vez ao público e perante o júri nas exibições do pavilhão, na MEO Arena (dias 31 de maio, 1 e 2 de junho). Três noites para os bairros contarem as suas estórias e darem a conhecer as suas gentes através dos figurinos e das coreografias, inspirando-se nesta edição, além de Lisboa, no rio Tejo – o tema da Grande Marcha 2024.

O Santo padroeiro principal da cidade de Lisboa é o protagonista de outras tradições, indissociáveis das Festas, como os emocionantes Casamentos, os populares Tronos e a animada Corrida de Santo António.

E como não há Festas sem eles, são 15 os Arraias Populares inseridos no programa para desfrutar em oito freguesias da cidade.

A música é outro dos pontos fortes destas Festas, com concertos imperdíveis que vão do fado ao jazz, passando pela música popular portuguesa, dancehall, R&B e música clássica.

Tony Carreira e Richie Campbell são os artistas que sobem ao palco no Terreiro do Paço, encerrando duplamente e da melhor forma as Festas de Lisboa, no final de junho. Dois grandes espetáculos integrados no Festival Porta da Europa, financiado pelo Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa. Dia 29, o cantor romântico, com mais de três décadas de carreira, interpreta alguns dos seus maiores êxitos, ao lado de convidados especiais e acompanhado por uma orquestra de 16 cordas. Dia 30 é a vez de um dos artistas mais bem-sucedidos da década de 2010, com um espetáculo criado “para e por Lisboa” que reunirá em palco outros músicos convidados.
 
Mariza é a voz de uma noite única de fado, no Castelo de S. Jorge (dia 20), para ouvir os temas do seu novo disco e êxitos de uma já longa carreira, como Chuva e Ó gente da minha terra.

A música clássica no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, com uma viagem musical à Europa dos séculos XIX e XX, e o jazz, com sete concertos no Largo do Picadeiro, com artistas nacionais e internacionais, são outros dos destaques musicais.

O CineConchas, com sessões de cinema ao ar livre na Quinta das Conchas, e o Arraial Pride, no Terreiro do Paço, mantêm a sua residência nas Festas de Lisboa que dão igualmente espaço a diversas exposições com destaque para a arte contemporânea – uma mostra concebida por Maria do Mar Fazenda para a Galeria Quadrum, com obras de vários artistas plásticos (patente até 8 de setembro), e outra que reúne as obras de arte adquiridas pela Câmara Municipal de Lisboa, em 2023, no Torreão Nascente da Cordoaria Nacional (a partir de 23 de maio). Ainda durante este mês, no dia 26, o Museu de Lisboa – Palácio Pimenta inaugura a exposição Lisboa em Revolução, 1383-1974. Comissariada por Daniel Alves, esta mostra está inserida nas celebrações dos 50 anos do 25 de abril e inclui obras das coleções do Museu e peças cedidas por dezenas de instituições.  
 
De muitas outras festas se fazem as Festas de Lisboa, como o Festival Bollywood Holi e Mercado da Índia, na Comunidade Hindu de Portugal (dia 2), a Festa da Cultura Coreana, no Museu de Lisboa – Palácio Pimenta (dia 8), o Thai Festival (entre os dias 21 e 23) e a Festa do Japão (dia 29), no Jardim Vasco da Gama, em Belém.

E porque as Festas são de toda a cidade e para todas as pessoas, este ano andam de braços dados com o Rock in Rio, cruzando públicos e redobrando o entusiasmo.

Hoje celebra-se o Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e Desenvolvimento e não podia haver melhor data para a apresentação das Festas de Lisboa.

Até junho!

FESTA DO ALVARINHO E DO FUMEIRO DE MELGAÇO ARRANCA JÁ ESTA SEXTA-FEIRA

SERRALVES // DE 15 A 21 ABRIL // ACESSO GRATUITO // BIOBLITZ 2024 ABRE HOJE AS PORTAS

BIOBLITZ 2024

 - 10ª EDIÇÃO -

Parque de Serralves

15 a 21 de abril

ACESSO GRATUITO

 

15 a 19 abril - Escolas
20 e 21 abril - Público geral

 

A partir de hoje até dia 21, a Fundação de Serralves, a Lipor e os seus Municípios associados promovem a 10.ª edição do BioBlitz, dirigido à comunidade educativa, público em geral e famílias.

BioBlitz é um evento pedagógico e científico de referência no âmbito da educação e sensibilização para a Biodiversidade, que dá a conhecer a fauna e a flora do Parque de Serralves, através da exploração de metodologias científicas e artísticas e com uma narrativa contemporânea que integra a Agenda da sustentabilidade, assente nos desígnios do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, “Proteger a Vida Terrestre” e da Conferência das Nações Unidas sobre Biodiversidade COP16.

A anterior edição trouxe a Serralves 56.405 pessoas, o número mais alto de sempre. As expressivas visitas de escolas e o forte envolvimento de diversas autarquias, nomeadamente dos municípios fundadores de Serralves e dos municípios associados à LIPOR, justificaram esta afluência. Durante a semana, 28.384 alunos do pré-escolar ao 3º ciclo, de vários pontos do país, participaram neste evento acompanhados dos seus professores. Impressionante foi também o número de famílias e crianças que acorreram ao Parque de Serralves durante o fim de semana e participaram nas variadas exposições, oficinas científicas e pedagógicas, visitas temáticas, saídas de campo com investigadores e especialistas, atividades em autonomia e muitos espetáculos que preencheram os diversos espaços do parque de Serralves. 

NO PRÓXIMO FIM DE SEMANA, UM PROGRAMA TOTALMENTE DEDICADO A FAMÍLIAS!

Uma oportunidade única para o conhecimento da biodiversidade através de uma programação diversa no Parque de Serralves, um convite à participação de todos!

 

Spot:

 

PROGRAMAÇÃO:

 

CONSULTE AQUI O PROGRAMA OU VÁ A https://bioblitz.serralves.pt/

 

SERRALVES // 21 ABRIL, DOMINGO // BIOBLITZ (10ª EDIÇÃO) // ENTRADA GRATUITA

BIOBLITZ 

 

A MAIOR FESTA DA BIODIVERSIDADE EM PORTUGAL NO PARQUE DE SERRALVES

 

ENTRADA GRATUITA –

 

 

21 DE ABRIL

ULTIMO DIA

 

 EXPOSIÇÕES / OFICINAS CIENTÍFICAS E PEDAGÓGICAS / VISITAS TEMÁTICAS/

SAÍDAS DE CAMPO COM INVESTIGADORES E ESPECIALISTAS/ ATIVIDADES EM AUTONOMIA / TOSQUIA DAS OVELHAS

E MUITOS ESPETÁCULOS

PARA TODOS.

 

BIOBLITZ 2024

Parque

ACESSO GRATUITO
21 abril
 

A Fundação de Serralves abre, novamente amanhã, dia 21, as portas do seu parque a todos para mais um dia do BioBlitz, a maior festa sobre a biodiversidade organizada anualmente em Portugal.

 

Com entrada gratuita.

 

Desta forma, todos poderão participar num evento, ao mesmo tempo lúdico e científico, de referência, motivando a sua sensibilização para temas associados ao Ambiente, à Biodiversidade e à Sustentabilidade, que dando a conhecer a fauna e flora do Parque de Serralves , ao mesmo tempo, promove a consciencialização da comunidade para a importância da biodiversidade.

 

Ciência, arte e cultura em conjunto, através de metodologias exploratórias, exposições e inúmeros espetáculos, a ajudam-nos, com o envolvimento das nossas crianças e jovens,  a construir uma narrativa contemporânea para a sustentabilidade, inspirada no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, “Proteger a Vida Terrestre”, das Nações Unidas.

 

O Bioblitz é uma oportunidade única para o conhecimento da biodiversidade através de uma programação diversa no Parque de Serralves, num convite à participação de todos!

 

 

O programa do fim de semana:  https://bioblitz.serralves.pt/familias-e-publico-geral/   

Spot:https://youtu.be/hyVJJndFz2g

 

O BioBlitz tem apoio da Lipor e dos seus Municípios Associados.

 

 

 

Festas de Abril - A primavera da liberdade

descarregar (3).jpg

A primavera da liberdade

As Festas de Abril ganham este ano uma expressão e um significado maiores, com as comemorações dos cinquenta anos da Revolução dos Cravos que, em Lisboa, será lembrada e festejada um pouco por toda a cidade: na rua e em diversos espaços culturais.
 

 
No programa, que decorre ao longo do próximo mês, ilustramos o dia 25 de abril de 1974 através da fotografia, do teatro, da dança, da música, da arte contemporânea e da poesia, fixando o passado, celebrando o presente, mas também projetando o futuro.

O momento alto será na noite de 24 de abril, no Terreiro do Paço, numa grande festa promovida pela Câmara Municipal de Lisboa e produzida pela EGEAC.

Esta celebração começa, às 22h, com um videomapping, nas fachadas do Terreiro do Paço, composto por fotografias de Alfredo Cunha e música de Rodrigo Leão, numa parceria com a Comissão Comemorativa 50 anos do 25 de abril.

Segue-se o concerto Uma Ideia de Futuro que irá juntar em palco seis jovens atores, com a Orquestra Sinfonietta de Lisboa, o Coro de Santo Amaro de Oeiras, o Coro da Escola Artística do Instituto Gregoriano de Lisboa e vários solistas, num total de 180 músicos. Seis histórias narradas na primeira pessoa, traçando um retrato do Portugal de hoje e mostrando o caminho percorrido, inspiram a banda sonora, composta a partir de canções de José Afonso, José Mário Branco, Sérgio Godinho, Fausto, Adriano Correia de Oliveira, Fernando Lopes Graça e Carlos Paredes. As histórias e as canções serão acompanhadas pela projeção de imagens.

Com conceção e direção artística de Luís Varatojo, este espetáculo apresenta ainda um tema inédito, Abril é Sempre Primavera, com letra de José Luís Peixoto e música de Luís Varatojo e Filipe Raposo, e culmina com um apontamento piromusical.

Mas as Festas de Abril começam já este mês. A partir do próximo sábado (dia 23), e até 26 de maio, inauguramos no Mercado do Forno do Tijolo, em Arroios, a exposição “Os dez dias que abalaram Portugal” do Arquivo EPHEMERA. Uma iniciativa integrada nas Comemorações Municipais e Nacionais dos 50 anos do 25 de Abril que testemunha o início da democracia após a Revolução.

Museu do Aljube – palco simbólico de resistência e liberdade – inaugura a nova exposição 25 de Abril, Sempre!, que propõe uma viagem pelas resistências desde o 25 de Abril de 74 até aos nossos dias. Estará também de portas abertas com dois dias de festa (20 e 21) e muitos artistas convidados, conduzirá um percurso por locais emblemáticos da revolução e participará num podcast para Pensar o 25 de Abril através das Humanidades.
 
Com propostas variadas, para todas as idades, e maioritariamente gratuitas, as Festas de Abril passam por outros museus, monumentos, galerias, teatros e cinema geridos pela EGEAC.
 
No Teatro do Bairro Alto estará em cena (dias 12 e 13) Guião para um País possível, espetáculo de Sara Barros Leitão, criado a partir de registos do parlamento português.

Castelo de São Jorge convida todas as pessoas a participarem em oficinas de trabalhos manuais (dias 14, 21, 25 e 28) para Fazer do Castelo, Abril, construindo um mural de cravos de papel com mensagens de liberdade.

No dia 18, iniciamos no Museu do Fado um ciclo de conversas em torno do legado de liberdade e de independência artística de Amália Rodrigues, com conceção e moderação de Miguel Carvalho, autor do livro Amália, Ditadura e Revolução.

As canções, as palavras, as histórias, os textos e os poemas servem ainda de inspiração a outras duas propostas das Festas de Abril: o espetáculo Quis Saber quem sou, do Teatro Nacional Dona Maria II, com texto e encenação de Pedro Penim, que sobe ao palco do Teatro São Luiz (20 a 28), e o Dia do Livro – Noite da Rádio, assinalando o Dia Mundial do Livro (23), na Casa Fernando Pessoa, dando voz aos jornalistas da rádio para lembrar que foi a rádio a dizer a primeira palavra na noite de 24 para 25 de abril de 1974.

Destaque ainda para Luisa Cunha – uma obra em seis partes, uma obra sonora para ouvir em seis espaços, entre as cinco Galerias Municipais e o Atelier-Museu Júlio Pomar (de 16 de abril e 5 de maio).

Ao longo do mês de abril há ainda muito mais para ver, ler, ouvir, conversar e participar, como o Festival Política, que regressa ao Cinema São Jorge, tendo este ano como tema central a Intervenção; e o lançamento de uma publicação com as obras e reflexões de Júlio Pomar sobre o 25 de abril. Mas também para cheirar, Um Jardim de Cravos, na Galeria Quadrum, plantado para florescer no dia 25 de abril.

HENDRICK’S APRESENTA GRAND CABARET: UMA CELEBRAÇÃO DE ARTE E INDULGÊNCIA

 

image002.jpg

Destinado aos convivas de espírito livre, apresenta-se Hendrick’s Gin Grand Cabaret, a nova edição limitada do seu Gabinete de Curiosidades. Assim, dia 19 de abril, Grand Cabaret Hotel abre portas a um festim de entrada livre que promete despertar a curiosidade e os sentidos dos mais curiosos

 

Pensado para os mais sonhadores e para as almas de espírito livre, Hendrick’s apresenta Grand Cabaret, a sua nova edição limitada, num excelentíssimo evento aberto ao público, nos aposentos do Palácio de Tancos, em Lisboa, onde cada um dos seus exímios quartos contará uma história capaz de intrigar os mais curiosos, envolvendo-os no maximalismo e sofisticação do imaginário Hendrick’s Grand Cabaret.

Inspirado por uma exuberância e poesia indomáveis, Hendrick’s Grand Cabaret foi concebido para apelar às almas de espiríto livre que procuram uma bebida espirituosa extremamente indulgente mas totalmente refrescante para os seus gloriosos convívios. Grand Cabaret – o maior lançamento até à data do Gabinete de Curiosidades de Hendrick’s – promete um cabaret de sabores fortes que seduz os sentidos enquanto piruetas de frutas carnudas dividem palco com vibrações de doces ervas. Um aroma suave, aprimorado por uma doçura natural e notas de pepino, que elevam o caráter clássico de zimbro, que tão bem caracteriza o Hendrick´s Gin.

Hendrick’s Grand Cabaret é resultado das ilustres leituras da Mestre de Destilaria de Hendrick’s Ms.Lesley Gracie, que se inspirou para numa aguardente de fruta madura, servida com uma pitada de gin e perfumada com rosas, que ganhou popularidade nas festas parisienses em voga no início do século XVII. Hendrick’s Grand Cabaret ancora um rico cabaret de sabores num gin único e indulgente, que cria um elegante banquete de sensações, deliciosamente frutado e sedutoramente Hendrick’s.

“Estou sempre à procura de inspiração e desta vez encontrei receitas históricas de destilados de fruta madura. É a primeira vez que utilizo frutas carnudas e adoro a forma como acrescentam uma profundidade de sabor; indulgente, enquanto mantêm uma leveza refrescante.” afirma Lesley Gracie, Mestre Destilaria de Hendrick’s.

“É fascinante mergulhar na história dos cocktails e ver que combinações de sabores cativaram as mentes criativas em Paris no início do século XVII. Sabores de fruta carnuda, aromas de rosas e gin eram uma combinação mágica nos estabelecimentos mais opulentos, e quem melhor para combinar habilmente estes sabores atualmente do que a Mestre Destilaria de Hendrick’s, alquimista e poeta líquida, Lesley Gracie”, afirma Ally Martin, embaixador global da marca.

Por este motivo, dia 19 de abril, num desvaneio vertiginoso de opulência o Palácio de Tancos, em Lisboa, convida todas as almas de espírito livre para o inusitado mundo de Hendrick’s, abrindo as portas de Grand Cabaret Hotel. Uma sumptuosa reunião entre os mais talentosos artistas, celebrando a vida da única forma que Hendrick’s Grand Cabaretacredita fazer sentido: com extravagância e maximalismo. Num ambiente que transcenderá o comum, cada quarto do espaço revelará um talento escondido, numa viagem por sabores e engenhos que revelam os segredos mais bem guardados.

Com entrada gratuita, este evento requer contudo inscrição prévia, que pode ser preechida aqui.

Programação dia 19 de abril:

  • Abertura dos portões: 18:00, fecha às 23h00
  • Cada convidado tem a liberdade de visitar todos os quartos: 18:30 – 21:15 
  • Os convidados mais ousados recebem um enigma: 21:15 – 21:30 
  • Set dj: 21:30 – 23:00 

Festas do Império do Divino Espírito Santo atravessam Alenquer mais de 700 anos depois

CMAlenquer1.jpg


As Festas do Império do Divino Espírito Santo (FIDES) são um dos momentos altos da vida dos alenquerenses e estas celebram-se por todo o concelho há mais de 700 anos. Em 2023 foi assim e em 2024 o Município mantém a tradição seguida por milhares de visitantes, com o arranque da programação agendada já para este Domingo de Páscoa: na Igreja de São Francisco Alenquer (12 horas) dá-se a Missa Solene com Entronização das Insígnias do Espírito Santo.

 

TODA A PROGRAMAÇÃO.

 

Até ao Domingo de Pentecostes (19 de maio) e durante 50 dias, Alenquer, Aldeia Gavinha, Aldeia Galega da Merceana, Atalaia, Carregado, Ota, Pereiro de Palhacana e Paúla partilham uma ideia de bem comum instituída pela Rainha D. Isabel e o Rei D. Dinis, no longínquo século XIV (1321), que perdura até hoje. As ruas surgem ornamentadas, as celebrações religiosas dão-se pelas várias localidades, as pessoas cruzam-se em momentos de procissão e o tradicional bodo congrega um espírito de fraternidade entre locais e forasteiros. Em Alenquer, o "Espírito sopra onde quer".

 

"O culto e as Festas do Império do Divino Espírito Santo são hoje a maior manifestação de religiosidade no concelho de Alenquer, depois de um trabalho rigoroso e dedicado de inúmeros alenquerenses ao longo dos últimos anos. Sob o lema, o "Espírito sopra onde quer”, estas celebrações, à imagem daquilo que foram no passado, foram-se reavivando, reinventando e revitalizando", começa por explicar a vereadora Cláudia Luís, aludindo ao ressurgir das festas no concelho em 2007 após a recuperação material dos edifícios da antiga Casa do Espírito Santo (Igreja e Arcada). "As Festas ajustaram-se à realidade do tempo contemporâneo, concedendo-lhes um importante lugar popular, social e cultural que assegura a sua sustentabilidade futura. Estes sete séculos de história criam nas nossas Festas um ambiente inesquecível, quase místico, que retrata de forma única a crença e a fé de um povo, que ao longo dos tempos, através de múltiplas expressões, restauraram o princípio da igualdade entre os homens e mulheres fraternos e renovam a confiança na vida de todos ", considera a responsável autárquica.

 

A tradição com mais de 700 anos, e génese em Alenquer, viu o culto reavivado há 17 anos, tendo como principais impulsionadores o pároco e provedor da Misericórdia de Alenquer, José Eduardo Martins e D. Manuel Clemente (à data Bispo de Lisboa). Uma candidatura a Património Cultural Imaterial Nacional encontra-se a ser preparada pela autarquia.

FESTA DAS CHOURIÇAS LEVA TRADIÇÃO GASTRONÓMICA A QUERENÇA

imgLoader.jpg

 

Em honra de S. Luís, a Festa das Chouriças regressa a Querença, nos dias 20 e 21 de janeiro, para reviver uma das mais antigas tradições do interior algarvio, um cartão de visita que reúne a componente religiosa à gastronómica.

Numa iniciativa promovida pela Comissão de Festas da Paróquia e da União de Freguesias de Querença, Tôr e Benafim, com o apoio da Câmara Municipal de Loulé e da Casa do Povo de Querença, a Festa terá início no dia 20 de janeiro, com uma Noite de Fados. O evento decorre na Casa do Povo de Querença, pelas 21h00, e contará com a participação dos fadistas Sara Paixão e César Matoso.

No domingo, dia 21, a partir das 11h00 e durante a tarde, os visitantes poderão degustar a chouriça assada nos vários estabelecimentos da freguesia, alguns com representação no Largo da Igreja de Querença, no recinto da Festa. Entre as 10h00 e as 18h00, o Mercadinho com exposição e venda de artesanato e produtos locais, representativos da região, abre as suas portas.

Das 11h00 às 14h00, a animação de rua é protagonizada pelo grupo Alfanfare, seguindo-se a atuação do Grupo de Charolas das Barreiras Brancas. Até às 17h00, as crianças poderão desfrutar das brincadeiras da Palhaça Pirolita.

A celebração religiosa terá início às 14h30, com a Missa Solene, presidida pelo Cónego Carlos Aquino, à qual se seguirá a procissão, pela aldeia, com a imagem de São Luís, acompanhada pela Banda Filarmónica Artistas de Minerva.

Pelas 16h00, terá início o habitual e sempre animado leilão de chouriças, em que o público poderá participar e adquirir a rainha da festa, a chouriça.

O carismático casal Ti Gregório e Tia Marquinhas vai animar o recinto, interagindo com o público, das 16h00 às 18h00. A partir das 19h00 há baile no Salão de Festas da Casa do Povo de Querença, animado pelo artista Rúben Filipe, culminando da melhor forma a Festa das Chouriças’24.

Refira-se que as raízes deste evento remontam a uma época em que, no interior algarvio, as famílias tinham o hábito de criar o seu porco para sustento ao longo do ano. Era igualmente tradição pedir a S. Luís, patrono dos animais, que conservasse em boas condições o porco, para garantir a alimentação do agregado familiar. Em forma de gratidão as famílias ofereciam ao Santo Protetor as melhores chouriças caseiras. A crença diz que em janeiro é tempo de glorificar o Santo que ajudou na criação dos animais.

 

Porto/Post/Doc organiza uma BLOCK PARTY de acesso livre este sábado

No arranque do primeiro fim-de-semana de Porto/Post/Doc o festival desce à rua e ocupa o piso térreo da Garagem Passos Manuel para um BLOCK PARTY à boa tradição americana. Este sábado, dia 18 de novembro, entre as 15h00 e as 20h00, há atuações de redoma, Serial e D-One. O acesso à festa é livre.

redoma é uma nova dupla do Porto, assinada por Carolina Viana (cantora e rapper) e por Joana Rodrigues (produtora). Seguindo ambas os seus percursos académicos na música, conhecem-se durante a licenciatura, em 2017, na ESMAE. Ao longo de 2020 e 2021, foram desenvolvendo uma forma única de comunicarem entre si. Esse esforço criativo culminou, em 2022, no lançamento do EP “parte”, um manifesto existencialista caracterizado pela sonoridade rap de ritmo desconstruído e poético. Em 2023 prosseguem na apresentação da sua obra e preparam-se para editar novos temas.

Como produtor dos Mind da Gap, Serial revolucionou a cena Hip Hop nacional. Foi o primeiro a usar o sampling de uma forma estruturada ou a recorrer a equipamento característico do melhor Boom Bap. É, sem dúvida, o produtor mais importante da história do movimento nacional e aquele que nunca falha. Como Dj, mudou a face da cidade, nos anos 90, com a sua residência no mítico Comix Bar e continua a ser um activista maior da cena Rap da Invicta.

D-One inicia a sua carreira musical em 2001 e é hoje um dos mais proeminentes DJs e produtores de música urbana em Portugal. Vem fazendo, literalmente, muito “barulho” pelas principais casas nocturnas do Porto, mas conta também com bastante prestígio noutras zonas do país. No espectro musical que vai do Hip-Hop ao Dancehall e ao R&B, é o Dj mais solicitado da cidade invicta na actualidade, mantendo uma média de cerca de 100 actuações por ano, entre Dj Set’s e concertos.


A festa integra a programação especial que assinala os 50 anos do Hip Hop. A par da mesma, o Porto/Post/Doc criou um programa especial de filmes que revisita a história do género nas suas múltiplas facetas, com exibição de: Style WarsStretch and Bobbito: Radio That Changed LivesLil Peep. Everybody’s EverythingNas: Time Is Illmatic, Freestyle: The Art of Rhyme e Não Consegues Criar o Mundo Duas Vezes.

Hip Hop 50: Uma Celebração integra ainda duas conversas: Palavras que transformam com Capicua, Fábio Silva e Rui Miguel Abreu, a ter lugar a dia 22 de novembro no Batalha, e Nó das Antas: por onde anda o Hip Hop portuense, com Ace, Maze, André Carvalho e Ricardo Farinha, agendada para dia 25 de novembro no Batalha.

  XXXIX Festa do Castanheiro - Feira da Castanha de Marvão 

 

Marvão_Feira da Castanha1.jpg

 

4.000 kg de castanha, 1.000 litros de vinho, música, artesanato e gastronomia vão animar a rainha das festas do concelho de Marvão. 

 

Três tradicionais magustos com a melhor castanha assada e vinho produzido no concelho, um mercado de produtos locais, animação musical, mostras de artesanato, gastronomia e doçaria, são as principais atrações da 39.ª edição da Festa do Castanheiro - Feira da Castanha, que se realiza no fim de semana de 11 e 12 de novembro, na vila de Marvão. 

 

A entrada no certame custa um euro (a receita reverte a favor da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Marvão) e tem atividades a decorrer entre as 10h00 e as 18h30 de sábado e domingo.  

 

A Festa do Castanheiro - Feira da Castanha é uma celebração do património cultural de Marvão, com a exposição das suas tradições, como os bordados de castanha e a cestaria em madeira de castanho, dos seus produtos endógenos e gastronomia, de onde se destaca o pastel de castanha, o pão, as compotas, e da sua inovação ligada à castanha em produtos como a cerveja, farinheira, queijo e até gin. 

 

É também um evento cultural único, repleto de animação pelas ruas, com atuações de grupos de bombos, folclore, cante alentejano, fanfarras, artes circenses e de música popular portuguesa, onde se destacam os espetáculos com os populares artistas, Miguel Azevedo e Saúl. 

 

Estabelecida no território desde 1984, a Festa do Castanheiro - Feira da Castanha é também o encontro entre os produtores, quem comercializa, e quem vem para provar e comprar. Pois, o concelho de Marvão, ao inserir-se na área geográfica da serra de São Mamede tem um microclima propício à cultura e a castanha produzida está classificada de DOP (Denominação de Origem Protegida). 

 

A Festa do Castanheiro - Feira da Castanha é também o início da Quinzena Gastronómica inteiramente dedicada à castanha, que decorre entre 11 e 26 de novembro, pelos restaurantes do concelho, com a apresentação de pratos à base deste fruto tão próprio desta altura do ano. Esta é uma iniciativa que pretende incentivar a utilização da castanha e a afirmação de Marvão como um destino gastronómico de eleição.