Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Festival Vaudeville traz o circo contemporâneo de volta ao Minho

Com atividades gratuitas de 19 a 24 de julho

Festival Vaudeville traz o circo

contemporâneo de volta ao Minho

 

Váld © Créditos Reservados.jpg

 

Evento apresenta, nas ruas de Barcelos, Braga, Famalicão e Guimarães, 13 espetáculos, incluindo duas estreias absolutas e cinco nacionais

 

O Festival Internacional Vaudeville Rendez-Vous arranca já na próxima semana, com muitos espetáculos e atividades que vão percorrer diferentes espaços das cidades de Barcelos, Braga, Vila Nova de Famalicão e Guimarães. Ao longo de seis dias – de 19 a 24 de julho –, o evento promete manter a sua ousadia habitual, com a apresentação de 13 espetáculos, dos quais se destacam duas estreias absolutas (Váld e Do you still want to dance with me?) e cinco estreias nacionais (PulseRandomBaïna[na]Wake up! e Là-bas). Organizada pelo Teatro da Didascália, a sétima edição do Vaudeville mantém a missão de promover a programação nacional e internacional de circo contemporâneo, artes de rua e formas transdisciplinares no espaço público.

 

O primeiro espetáculo a ser apresentado no Festival é Váld, com estreia absoluta marcada para o dia 21 de julho, às 21h00, no Jardim do Paço dos Duques, em Guimarães. Criada pela companhia sueca Right Way Down, um coletivo de seis equilibristas, a atuação espelha a natureza simbiótica e a forma como uma única entidade prospera em unidade. Já a estreia absoluta de Do you still want to dance with me? marca mais uma presença do INAC – Instituto Nacional de Artes do Circo no evento. “27 corpos, 27 cabeças, 27 corações. Apenas um grupo.” é o mote desta produção, em que um grupo de futuros artistas de circo são confrontados com uma realidade diferente, procurando respostas às questões de como podemos ainda dançar diante de uma guerra invisível ou como é que podemos aprender com o medo do outro. O espetáculo decorre no dia 22 de julho, às 18h00, no Parque da Devesa, em Famalicão.

 

Estreias nacionais “invadem” o Quadrilátero Cultural

Entre os cinco espetáculos que o Vaudeville traz pela primeira vez a território nacional, o público poderá assistir à coreografia radical de um conjunto de seis acrobatas em Pulse; ao equilíbrio, contorção, corda bamba, dança, teatro e diálogos perturbadores que marcam a história dificilmente credível contada em Random; às situações por vezes loucas e muitas vezes absurdas de Baïna[na], que irá aproveitar o espaço público para elaborar um cenário social e sonhador do nosso mundo contemporâneo; a Wake up!, uma atuação gestual e acrobática que coloca dois homens numa trajetória sem fim, num caminho linear e contínuo e em temporalidades distintas; e ainda a Là-bas, uma narrativa visual protagonizada por um jovem que migrou do seu país para novas terras e que partilhará com o público os seus sonhos, dúvidas e histórias de amor.

 

Roll with it3DCopyleftOtus ExtractsRizoma e Espera completam o leque de espetáculos que irão, ao longo de quatro dias, percorrer as quatro cidades do Quadrilátero Cultural (Barcelos, Braga, Famalicão e Guimarães). Nesta edição, o Festival faz também uma grande aposta nas atividades de mediação, que contemplam quatro oficinas de criação em que o público poderá criar a sua própria apresentação, duas masterclasses orientadas para profissionais das artes, uma oficina dirigida a malabaristas e skaters e uma sessão de pitching entre criadores e programadores.

 

Todas as atividades do Festival decorrerão ao ar livre e são de entrada gratuita, mas, na edição deste ano, s

Oficinas do Vaudeville Rendez-Vous chamam todos "ao palco"

De participação gratuita, entre 19 e 22 de julho

 

Programação do Festival integra atividades de mediação orientadas para artistas e profissionais com ações de especialização

 

Vaudeville Atividades de Mediação 1.jpg

 

E se o público tivesse a possibilidade de apresentar uma criação artística no Vaudeville Rendez-Vous? É esta a proposta da Oficina de Criação do Festival, uma das várias atividades de mediação que integram a programação do evento, que decorre de 19 a 24 de julho, nas cidades do Quadrilátero Cultural – Barcelos, Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão. Organizado pelo Teatro Didascália, o Vaudeville Rendez-Vous terá 26 apresentações gratuitas em espaço público, assim como várias atividades paralelas pensadas não só para o público geral, como também para artistas e profissionais que procuram ações de especialização. As inscrições podem ser feitas no site do evento.

 

Festival arranca com Oficina de Criação

Na sua sétima edição, o Vaudeville Rendez-Vous vai arrancar com a realização das atividades de mediação. A primeira é a Oficina de Criação, uma atividade que se destina a pessoas de todas as idades e que, ao longo de quatro dias, terão a oportunidade de criar a sua apresentação no Festival. As atividades vão ser guiadas por duplas de artistas que vão “transformar cada lugar num habitat particular”.

 

As Oficinas de Criação vão decorrer nas quatro cidades que recebem o Festival – em Guimarães e Barcelos, de 19 a 22 de julho, das 14h00 às 18h00, e em V.N. Famalicão, de 20 a 23 de julho, no mesmo horário –, culminando com as apresentações finais. Para o dia 22 de julho, às 18h00, estão agendadas as apresentações finais em Barcelos (no Parque Municipal) e em Guimarães (Jardim do Paço dos Duques). Em Braga (Museu D. Diogo de Sousa) e V.N. Famalicão, os participantes da oficina sobem “ao palco” no dia 23, às 17h30 e às 18h00, respetivamente.

 

Atividades de especialização para artistas e profissionais

Nos dias 20, 21 e 22, Dulce Duca, a reconhecida malabarista de espetáculos surrealistas, vai conduzir o Workshop intensivo de skate - streets with attitude. A formação destina-se a skaters e a estudantes de circo que dominem este aparelho, realizando-se no Pavilhão Municipal de Hóquei, em Barcelos. Os participantes têm ainda a possibilidade de integrar o espetáculo que a artista apresenta no Vaudeville, Roll With It, e cujas apresentações decorrem em Barcelos (22 de julho, às 19h00, na Praça dos Poetas), Braga (23 de julho, às 19h00, no Museu D. Diogo de Sousa) e em Guimarães (24 de julho, às 11h00, no Jardim do Paço dos Duques).

 

Dedicadas aos artistas e a profissionais das artes, vão ser promovidas duas Masterclasses, partindo de espetáculos apresentados no Vaudeville Rendez-Vous. No dia 22 de julho, entre as 15h00 e as 17h00, o Gnration, em Braga, recebe a Masterclass - corpo, aparelho e som: o caso 3D. A sessão de formação dirige-se a público especializado em torno das matérias especificamente desenvolvidas na criação do espetáculo 3D – que se apresenta ao público em Braga, às 19h00 desse mesmo dia, e no dia 24, às 19h00, no Jardim do Paço dos Duques. Já no dia 24, das 15h00 às 17h00, na Casa do Território, em V. N. de Famalicão, decorre a Masterclass - circo contemporâneo e espaço público, com base no espetáculo Copyleft, que irá ser apresentado no Parque da Devesa nesse mesmo dia, às 11h00. Antes, passará também por Guimarães, no dia 22, e Braga, a 23.

 

Destaque ainda para a Conferência de apresentação do projeto de cooperação europeia Circuslink, que terá lugar no dia 21 de julho, às 15h00, no Jardim do Paço dos Duques. O momento tem como objetivo apresentar este projeto, da qual o Teatro da Didascália é cofundador, a par da Archaos (Bienal de Circo de Marselha, França), Festival Dynamo (Dinamarca), Letni Letna (República Checa). Ainda com o intuito de sublinhar o forte caráter internacional do Festival, e aproveitando a presença de um número crescente de programadores internacionais, vai ser promovida uma Sessão de pitching, no dia 23 de julho, às 10h30, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão. O showcase de artistas e trabalhos na área de circo integrará, por isso, este ano uma apresentação em formato de discurso expositivo. A iniciativa é restrita a programadores e agentes artísticos.

 

Oficinas do Vaudeville Rendez-Vous chamam todos "ao palco"

De participação gratuita, entre 19 e 22 de julho

 

Programação do Festival integra atividades de mediação orientadas para artistas e profissionais com ações de especialização

 

Vaudeville Atividades de Mediação 1.jpg

 

E se o público tivesse a possibilidade de apresentar uma criação artística no Vaudeville Rendez-Vous? É esta a proposta da Oficina de Criação do Festival, uma das várias atividades de mediação que integram a programação do evento, que decorre de 19 a 24 de julho, nas cidades do Quadrilátero Cultural – Barcelos, Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão. Organizado pelo Teatro Didascália, o Vaudeville Rendez-Vous terá 26 apresentações gratuitas em espaço público, assim como várias atividades paralelas pensadas não só para o público geral, como também para artistas e profissionais que procuram ações de especialização. As inscrições podem ser feitas no site do evento.

 

Festival arranca com Oficina de Criação

Na sua sétima edição, o Vaudeville Rendez-Vous vai arrancar com a realização das atividades de mediação. A primeira é a Oficina de Criação, uma atividade que se destina a pessoas de todas as idades e que, ao longo de quatro dias, terão a oportunidade de criar a sua apresentação no Festival. As atividades vão ser guiadas por duplas de artistas que vão “transformar cada lugar num habitat particular”.

 

As Oficinas de Criação vão decorrer nas quatro cidades que recebem o Festival – em Guimarães e Barcelos, de 19 a 22 de julho, das 14h00 às 18h00, e em V.N. Famalicão, de 20 a 23 de julho, no mesmo horário –, culminando com as apresentações finais. Para o dia 22 de julho, às 18h00, estão agendadas as apresentações finais em Barcelos (no Parque Municipal) e em Guimarães (Jardim do Paço dos Duques). Em Braga (Museu D. Diogo de Sousa) e V.N. Famalicão, os participantes da oficina sobem “ao palco” no dia 23, às 17h30 e às 18h00, respetivamente.

 

Atividades de especialização para artistas e profissionais

Nos dias 20, 21 e 22, Dulce Duca, a reconhecida malabarista de espetáculos surrealistas, vai conduzir o Workshop intensivo de skate - streets with attitude. A formação destina-se a skaters e a estudantes de circo que dominem este aparelho, realizando-se no Pavilhão Municipal de Hóquei, em Barcelos. Os participantes têm ainda a possibilidade de integrar o espetáculo que a artista apresenta no Vaudeville, Roll With It, e cujas apresentações decorrem em Barcelos (22 de julho, às 19h00, na Praça dos Poetas), Braga (23 de julho, às 19h00, no Museu D. Diogo de Sousa) e em Guimarães (24 de julho, às 11h00, no Jardim do Paço dos Duques).

 

Dedicadas aos artistas e a profissionais das artes, vão ser promovidas duas Masterclasses, partindo de espetáculos apresentados no Vaudeville Rendez-Vous. No dia 22 de julho, entre as 15h00 e as 17h00, o Gnration, em Braga, recebe a Masterclass - corpo, aparelho e som: o caso 3D. A sessão de formação dirige-se a público especializado em torno das matérias especificamente desenvolvidas na criação do espetáculo 3D – que se apresenta ao público em Braga, às 19h00 desse mesmo dia, e no dia 24, às 19h00, no Jardim do Paço dos Duques. Já no dia 24, das 15h00 às 17h00, na Casa do Território, em V. N. de Famalicão, decorre a Masterclass - circo contemporâneo e espaço público, com base no espetáculo Copyleft, que irá ser apresentado no Parque da Devesa nesse mesmo dia, às 11h00. Antes, passará também por Guimarães, no dia 22, e Braga, a 23.

 

Destaque ainda para a Conferência de apresentação do projeto de cooperação europeia Circuslink, que terá lugar no dia 21 de julho, às 15h00, no Jardim do Paço dos Duques. O momento tem como objetivo apresentar este projeto, da qual o Teatro da Didascália é cofundador, a par da Archaos (Bienal de Circo de Marselha, França), Festival Dynamo (Dinamarca), Letni Letna (República Checa). Ainda com o intuito de sublinhar o forte caráter internacional do Festival, e aproveitando a presença de um número crescente de programadores internacionais, vai ser promovida uma Sessão de pitching, no dia 23 de julho, às 10h30, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão. O showcase de artistas e trabalhos na área de circo integrará, por isso, este ano uma apresentação em formato de discurso expositivo. A iniciativa é restrita a programadores e agentes artísticos.

 

Paredes de Coura enche-se de Rock entre 18 e 23 de julho

transferir (4).png

 

Além dos concertos e ensaios, haverá também um workshop de rádio, com a radialista Catarina Machado (RUC, Rádio Estação Diária Viseu, entre outros), aberto à comunidade e a alunos da Escola do Rock. Este workshop será dedicado ao tema dos programas de rádio de autor e está dividido em várias sessões entre os dias 19 e 21 de julho, nas quais vão ser abordados temas como a preparação de programas, realização de entrevistas, playlists e outros elementos, noções básicas a nível técnico e gravação ou difusão do trabalho desenvolvido. As pessoas interessadas não precisam de ter conhecimento prévio sobre o tema e devem inscrever-se em apenas uma das sessões.

 

As inscrições já estão abertas em:

https://bit.ly/workshopderadio-escoladorock

 

Vai ser uma semana em grande, com muitas atividades surpresa. Acompanhem a Escola do Rock Paredes de Coura pelas nossas redes sociais!

ZêzereArts 2021 volta a dar música ao Médio Tejo - 18 JUL a 8 AGO - Tomar, Ferreira do Zêzere e Batalha

 

 

Arranca a 18 de Julho a nova edição do Festival ZêzereArts - Música no Património, evento organizado pela Musicamera Produções e com direção artística de Brian MacKay e Luís Pacheco Cunha.

Depois de uma edição excepcionalmente deslocada para Évora, o Festival regressa às cidades de Tomar, Batalha e Ferreira do Zêzere, entre os dias 18 de Julho e 8 de Agosto, com uma programação repleta de grandes figuras da música erudita.

Concertos, recitais, coro e a belíssima ópera de Bellini, uma versão da trágica história de Romeu e Julieta, inundarão o Médio Tejo de emoções que somente a música clássica, executada por intérpretes e maestros da melhor qualidade, pode suscitar. O Convento de Cristo, em Tomar, o Mosteiro da Batalha e a pitoresca vila de Dornes, com o famoso órgão ibérico da Igreja de Nossa Senhora do Pranto, são alguns dos lugares históricos onde se farão ouvir obras de Mozart, Janácek, Strauss, Grieg e outros compositores de renome.

Além dos consagrados Pedro Caldeira Cabral e o Quarteto Lopes-Graça, o Festival celebra as presenças ilustres da pianista Taíssa Poliakova e da violoncelista Ophélie Gaillard, que preparam Masterclasses para os Cursos de Verão ZêzereArts durante o mês de Julho. Alunos e mestres tocarão juntos, apresentando os resultados de um processo pedagógico que é a marca especial do ZêzereArts: uma iniciativa relevante tanto para o público, que tem a oportunidade de se conectar à tradição da música clássica e ao Património das suas comunidades, como para músicos em desenvolvimento de carreira.

A programação completa pode ser consultada no site zezerearts.pt.

Todos os concertos, com excepção da Ópera em Tomar - cujo bilhete deve ser adquirido junto ao Cine-Teatro Paraíso -, têm entrada gratuita e os bilhetes são reservados e levantados nos Postos de Turismo de cada concelho. Na Batalha, os ingressos para o concerto são reservados e levantados no próprio Mosteiro.

O evento respeita as normas das autoridades de saúde, seguindo as indicações de saneamento e capacidade.

 

10 anos de WOOL | Covilhã Arte Urbana: Resumo da edição que reuniu mais de 40 ações, incluindo 4 novos murais na cidade da Covilhã

 

transferir (24).jpg

 

WOOL, o mais antigo festival de Arte Urbana de Portugal, regressou ao centro histórico da Covilhã de 26 de junho a 04 de julho de 2021 para celebrar uma década de existência com mais de 40 acções na cidade.

Das 40 iniciativas artísticas que fizeram parte da programação do WOOL, destacam-se as 4 intervenções de pintura mural, foco principal da programação e que abordam as seguintes temáticas:

  • Colectivo Licuado (Uruguai) com 'Expedição à Serra da Estrela', abordam a 1.º Expedição Científica à Serra da Estrela, promovida em 1881 pela Sociedade de Geografia de Lisboa, que este mês de agosto celebra 140 anos e que resultou num conjunto de singulares desenvolvimentos  científicos;
  • Marta Lapeña (Espanha) pintou uma compossição feita com objectos identitários locais que recolheu durante as várias visitas de reconhecimento ao território que se realizaram durante o período de acolhimento aos artistas;
  • Daniel Eime (Portugal) com 'Trama' celebra e exulta o papel anónimo da mulher na secular indústria têxtil; 
  • TheCaver (Portugal) realizou no seu mural uma intrincada composição com vários elementos de temática serrana, que ganhou o nome de 'Ser Serrano'

transferir (25).jpg

Resultado da acção comunitária 'Juntos, ponto por ponto', orientado por Aheneah.
As habituais visitas guiadas (a pé e tuk tuk) contaram com cerca de 100 pessoas, registando-se visitantes de vários locais do país e do estrangeiro, nomeadamente de: Ovar, Viana do Castelo, Lisboa, Alcobaça e inclusivamente de Paris (França).

WOOL 2021 teve ainda algumas das suas actividades esgotadas, como a sessão do centenário filme 'Covilhã industrial, pitoresca e seus arredores' de Artur Costa de Macedo que foi musicado ao vivo pelos First Breath After Coma (Portugal), o workshop 'Arte Urbana em ponto cruz' (que esgotou em menos de 24h), o concerto de Joana Guerra (Portugal) e a sessão de Conversas com os artistas que encheu o Auditório Júlio Cardona, na Banda da Covilhã.

Respondendo ao pedido da comunidade, a exposição CRISIS de Jofre Oliveras e Lucía Herrero (Espanha), resultado de um período de residência e intensa produção artística e que responde à temática da emergência climática (co-produzida pela GUARDA 2027) estará em exibição até ao próximo dia 10 (sábado). O dia 10, marca também o terminus da mostra do resultado da residência artística da fotógrafa e artista visual Raquel Belli (Portugal)Convergências - pelas montras do comércio tradicional, convidando a um deambular e (re)descoberta do centro da cidade da Covilhã.
 

Município apoia FISP - Festival Internacional de Saxofone de Palmela

 

FISP.jpg

 

De 12 a 17 de julho, a edição de 2021 do FISP - Festival Internacional de Saxofone de Palmela apresenta-se num formato reinventado, face à pandemia, com novas propostas e uma oferta de programação cultural muito intensa e variada.

24 painéis/mesas redondas, 15 concertos, o VIII Concurso Internacional de Saxofone “Vitor Santos” e um espaço dedicado à investigação científica em torno do saxofone integram o programa do Festival, promovido pelo Quarteto Artemsax, SFH - Sociedade Filarmónica Humanitária e Conservatório Regional de Palmela, com o apoio da Câmara Municipal de Palmela.

Passados quase 16 anos da primeira edição, o FISP continua a afirmar-se como um projeto cultural de serviço público, uma iniciativa única no panorama artístico e pedagógico em Portugal e além-fronteiras e ponto de passagem para as/os amantes do saxofone e da música, recebendo participantes e visitantes dos cinco continentes. O evento contribui ainda para elevar o nível artístico e pedagógico do país, ajudando na formação de mais e melhores ouvintes, através de uma partilha de experiências e saberes entre alguns dos mais prestigiados nomes do saxofone nacional e internacional, professoras/es, estudantes e público.

A Autarquia considera que o FISP é um exemplo de boa prática associativa, com um nível de organização que merece o apoio municipal com vista à sua boa execução, traduzido no Protocolo de Cooperação 2019/2021, que foi celebrado com a SFH. Para além do apoio logístico, da cedência do Cine-Teatro S. João e do apoio à promoção/divulgação do Festival, o Município concede, em 2021, um apoio financeiro no valor de 7.500€.

Consulte a programação completa do FISP e fique a par de todas as novidades em www.fispalmela.com.

Terras sem Sombra: Carla Caramujo interpreta em Santiago do Cacém Clairières dans le Ciel, de Lili Boulanger

O Festival Terras sem Sombra vai estar em Santiago do Cacém (17 e 18 de Julho) com uma programação em que a celebração da vida e do renascimento sobressaem.

Carla Caramujo@ Ana Castro.jpg

 

A merecer toda a atenção, o recital de Carla Caramujo (soprano) e João Paulo Santos (piano) intitulado “Clareiras no Céu: Darius Milhaud, Lili Boulanger, Olivier Messiaen” (Auditório Municipal António Chainho, 17 de Julho, 21h30) promete ser um verdadeiro hino à esperança.  A peça central do concerto é “Clairières dans le ciel” de Boulanger, um ciclo de 13 melodias nunca escutado na íntegra em Portugal.

A acção do Património (17 de Julho) levará os participantes às Ruínas de Miróbriga, enquanto que o momento em torno da Salvaguarda da Biodiversidade contará com a visita ao Pinhal do Concelho, espaço com interesse natural, histórico e social.

Os destaques deste fim-de-semana em Santiago do Cacém são:

  • Carla Caramujo (soprano) e João Paulo Santos (piano) actuam a 17 de Julho (21h30) em Santiago do Cacém, em concerto de entrada gratuita (mediante reserva).
  • Estreia nacional do ciclo completo das melodias Clairières dans le Ciel, composto por Lili Boulanger sobre poemas de Francis Jammes.
  • Visita a Miróbriga: eloquente testemunho da ocupação romana no Sudoeste Peninsular.
  • Biodiversidade: descobrir no Pinhal do Concelho os diferentes povoamentos florestais da charneca.

26º Loulé Jazz

29, 30, 31 de julho e 1 de agosto 2021

__BOL_CARTAZ_740x960px_jazzLOULE2021_b.jpg

 

Bilhetes já à venda

 

O Loulé Jazz regressa em 2021 com um cartaz muito especial. Na sua 26ª edição, o festival celebra o jazz nacional com músicos de todo o país. 

 

Mário Laginha, pianista, compositor e diretor artístico do Loulé Jazz, com raízes na cidade de Loulé, desenhou um cartaz totalmente português, sublinhando a qualidade artística dos músicos nacionais.  

 

Bernardo MoreiraEduardo Cardinho, João Frade, Maria João e Carlos BicaPedro Moreira, Miguel Meirinhos, Trio de Jazz de Loulé Zé Eduardo são os nomes que brilham no centro da cidade de Loulé, entre os dias 29 de julho e 1 de agosto de 2021. A nível internacional, dois nomes juntam-se ao cartaz: o lendário Jorge Pardo é convidado do Trio do algarvio João Frade, e Julian Arguelles tem uma participação especial no concerto do Trio de Jazz de Loulé, grupo que nasceu deste espírito de celebração da cidade que acolhe o universo do Jazz e da música improvisada desde 1995.  O Loulé Jazz é o Festival no ativo em Portugal, com maior número de edições realizadas. Não se realizou apenas no ano de 2020.

 

No total são oito ensembles que se reúnem ao longo de quatro dias, na Cerca do Convento do Espírito Santo, numa iniciativa da Casa da Cultura e Município de Loulé.

 

Os horários dos concertos do Loulé Jazz serão anunciados a 22 de julho, em conformidade com todas as regras de segurança definidas pela Direção Geral de Saúde.

 

“Este não é um ano como os outros, todos sabemos. A comunidade dos músicos viu, desde o primeiro período de confinamento, o seu trabalho reduzido a nada, ou quase nada. Existindo um número tão elevado de músicos e bandas de Jazz em Portugal, achámos que seria o momento de os honrar fazendo um Festival de Jazz de Loulé totalmente a eles dedicado. Queríamos que viessem músicos de todo o país, dos muito conhecidos, aos por descobrir.

Gostávamos que o “Loulé Jazz” 2021 fosse uma grande festa do Jazz Português, que tem já - gostava de dar toda a ênfase possível a isto - uma variedade de estilos e uma qualidade que precisa, urgentemente, de ter uma maior expressão nos palcos do país.

A Casa da Cultura de Loulé, com o apoio e financiamento da Câmara Municipal de Loulé, torna possível que oito grupos, todos eles portugueses, venham este ano partilhar a sua música. A escolha não foi fácil. Haveria muitos mais a convidar. Talvez por isso faça todo o sentido fazer deste ano do "Loulé Jazz" o primeiro de muitos em que se celebrará o Jazz e os músicos Portugueses.”

Mário Laginha Diretor Artístico do Loulé Jazz.

 

“Passados 19 meses de um contexto sanitário tão particular, não é conhecido qualquer surto originado por algum evento cultural. É de louvar o esforço de agentes culturais, técnicos, artistas e todas as equipas envolvidas, em assegurar que a Cultura continue a cumprir o seu papel na sociedade.

É com toda a segurança que queremos proporcionar o reencontro entre público e artistas. A arte é fundamental na regeneração da economia. É também nosso papel assegurar a continuidade e qualidade das atividades culturais.”

Casa da Cultura de Loulé 

 

26º Loulé Jazz

 

29, 30, 31 de julho e 1 de agosto 2021

 

Cerca do Convento do Espírito Santo em Loulé

 

29 Julho

 

Trio José Eduardo

Trio João Frade com Jorge Pardo

 

30 Julho 

 

Two Maybe More | Sax Ensemble de Pedro Moreira

 

Quarteto Maria João e Carlos Bica

 

31 Julho

 

Trio Miguel Meirinhos

Quinteto Eduardo Cardinho

 

1 Agosto

 

Sexteto Bernardo Moreira | Entre Paredes |

Trio de Jazz de loulé com Julian Argüelles   

 

 

Bilhetes à venda em

https://festivaisdeverao.bol.pt/Comprar/Bilhetes/97290-26o_loule_jazz_2021-convento_espirito_santo/

 

Site Oficial | Casa da Cultura de Loulé

https://www.ccloule.com/festival-de-jazz-de-loule

 

Redes Sociais

https://www.facebook.com/loulejazz

www.instagram.com/loulejazz

 

O Lobo Solitário - Em Estreia no Festival Curtas Vila do Conde

transferir (19).jpg

 

“O Lobo Solitário”, a nova curta de Filipe Melo, tem estreia marcada na próxima edição do Festival Curtas de Vila do Conde, onde integra o programa da Competição Nacional.

O filme será exibido no dia 18 de Julho, às 20h30. No dia 19, pelas 15h, o realizador estará no Lounge Curtas, no Teatro Municipal de Vila do Conde, para uma conversa sobre a curta. No mesmo dia, às 21h, o filme é exibido no Cinema Trindade, no Porto. Em Lisboa, o Cinema Ideal acolhe uma sessão de “O Lobo Solitário” no dia 20 de Julho pelas 21h.

Protagonizado por Adriano Luz, O Lobo Solitário conta ainda com a participação de António Fonseca, Maria João Pinho, Custódia Gallego e Ana Cloe entre outros.

Rodado no final do passado mês de Janeiro nos arredores de Lisboa, o filme tem argumento e realização de Filipe Melo, direcção de arte de Juan Cavia, direcção de fotografia de Vasco Viana, edição de Gabriela Soares e som de Bruno Garcez e Dillon Bennett. A música original ficou, também ela, a cargo de Filipe Melo em parceria com The Legendary Tigerman. Filme produzido pela Força de Produção e apoiado pelo ICA – Instituto do Cinema e do Audiovisual.

Sinopse:
No programa da noite da Viva FM, o radialista Vitor Lobo recebe uma chamada de um velho amigo que quer pôr a conversa em dia.


Realização e Argumento Filipe Melo

Elenco Adriano Luz, António Fonseca, Maria João Pinho, Ana Cloe, Márcia Breia, Custódia Gallego, Beatriz Batarda, Miguel Faustino

Com a participação de Luís Araújo, João Vaz Silva, Juan Cavia, Manuela Azevedo, Nuno Markl, Bruno Nogueira, Teresa Sequeira, Nina Ramos, Dinis Oliveira, Diogo Melo, Gonçalo Melo, Gabriela Soares

Produção Executiva Sandra Faria/Força de Produção Direcção de Fotografia Vasco Viana Edição Gabriela Soares Direcção de Arte Juan Cavia Assistente de Realização Ângela Sequeira Som Dillon Bennett, Bruno Garcez Assistente de Som Tiago Galvão Assistente de Imagem Selma Lopes 2º Assistente de Imagem Ana Vasa Steadicam Eberhard Schedl Assistentes de Arte Pedro Soares, Maria Guiomar Côrte Real Assistente de Plateau Gabriel Margarido Pais 2º Assistente de Plateau Duarte Nery Chefe Maquinista Carlos Santos Chefe Electricista Luiz Paulo Rodrigues (Xein) Assistente Electricista Ivo Mendes Guarda Roupa Fernanda Ramos Maquilhagem Magda Casqueiro, Sofia Lopes Edição de Diálogos + ADR Re-Recording Mixer Candela Palencia Edição de Som Xena Kirby Foley Mixer Adam Mendez ADR Ivan Neskov, Loudness Filmes Supervisor VFX Carlos Conceição Lead Compositors Iñigo Pérez, Gorka Pascual Grading Jorge Russo Finalização Hélder Mendes Créditos Duarte Elvas Música Filipe Melo, The Legendary Tigerman Mistura e Masterização Nelson Carvalho Apoio ICA – Instituto do Cinema e do Audiovisual