Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

10.º FESTIVAL VERÃO AZUL - Pauliana Valente Pimentel, M̶i̶g̶u̶e̶l̶ Bonneville, ZA!, Sérgio Pelágio e muito mais. 4 a 20 nov - Lagos, Loulé e Faro

FESTIVAL VERÃO AZUL

descarregar (3).png

 

Festival Transdisciplinar de Artes Contemporâneas
Lagos, Loulé e Faro
4 - 20 Novembro 2021


Uma bomba relógio prestes a explodir no Algarve com novos trabalhos de Pauliana Valente Pimentel, M̶i̶g̶u̶e̶l̶ Bonneville, ZA!, Sérgio Pelágio, entre muitos outros.


Festival Verão Azul chega este ano à 10.ª edição e celebra uma década dedicada à descentralização e criação em arte contemporânea, e suas variantes e cruzamentos.

De 4 e 20 de Novembro, em Lagos, Loulé e Faro, o festival transdisciplinar de artes contemporâneas apresenta 29 surpreendentes propostas artísticas em áreas como fotografia, música, teatro, performance, cinema, entre outras, continuando a promover a forte criação e difusão de expressões artísticas e singularidades estéticas na região do Algarve.

Com direcção artística da dupla de artistas Ana Borralho e João Galante e curadoria de Catarina Saraiva, em 2021, a programação do Verão Azul centra-se em temas da contemporaneidade como o ambiente, os direitos humanos, a igualdade e a precariedade, através do que de mais experimental se faz na produção artística nacional, internacional e local.

Seguindo a lógica de interligação entre municípios do eixo Barlavento-Sotavento algarvio, em cada semana do evento, uma cidade será o centro do festival, com a missão de sensibilizar e de aproximar a comunidade às novas formas de arte. Com esse intuito, o programa aposta forte numa componente educativa, apresentando uma lista extensa de propostas para escolas e famílias.

No arranque do festival, a dia 4 de novembro, "Faro Oeste", a nova exposição da fotógrafa Pauliana Valente Pimentel, lança um olhar empático e intimista das comunidades ciganas locais, nomeadamente as das zonas de Faro, Loulé e Boliqueime. Esta nova colecção de fotografias vê o quotidiano destas famílias, realçando as suas tradições, com o intuito de combater preconceitos e estereótipos racistas e xenófobos de que são constantemente alvo. A mostra permanece em exibição até 19 de Dezembro, no Museu Municipal de Faro.

No Teatro das Figuras, o artista multidisciplinar M̶i̶g̶u̶e̶l̶ Bonneville, na performance “A Importância de Ser Alan Turing”, prossegue o projecto de uma série de espectáculos sobre as vidas e obras de artistas e pensadores cuja importância tem sido vital no seu percurso artístico. Neste trabalho, Bonneville toma como ponto de partida Alan Turing (1912-1954), o matemático, criptoanalista e cientista da computação de primeira geração.

Fruto do desafio feito pelo Verão Azul para três residências de criação, o colectivo de música catalão ZA! estreia “Cantos de Trabalho Impossíveis” - um concerto-fanfarra ou um espectáculo-percurso. Eduard Pou e Pau Rodríguez, actualizam o repertório tradicional das canções de trabalho algarvias centradas na agricultura e na pesca, que serão apresentadas numa caminhada, do hotel ao centro comercial, terminando no Teatro das Figuras, em Faro. O resultado é uma obra etno-musicológica feita através da experimentação e do humor, com a participação de cantores e improvisadores locais. Também em Faro.

Em Loulé, Tiago Gandra e de Daniel V. Melim, responsáveis pelo projecto Galeria de Arte Ambulante, estão ao volante do “Centro Cultural do Carro”, que é, simultaneamente, uma performance e uma exposição de artes plásticas. A partir de um velho Mercedes Benz, objecto automobilístico considerado em desuso, descobrem-se obras de arte nos seus mais ínfimos espaços interiores e exteriores. Uma galeria ambulante que junta peças pouco conhecidas de artistas consagrados às de artistas algarvios, para uma reflexão poética sobre o contexto de criação e a difícil relação da arte com o mercado. Os artistas promovem ainda duas actividades dedicadas ao público mais novo, em que este é convidado a transformar um carro num objecto de exposição.

No Centro Cultural de Lagos, em “Válvula”, o ilustrador António Jorge Gonçalves e o MC e activista Flávio Almada aka LBC Soldjah dirigem-se aos adolescentes, jovens e adultos com uma conferência-performance a partir da história do graffiti e do rap para nos transportar numa viagem com diversas perguntas que se cruzam com os direitos sociais e humanos. Ambos são ainda os condutores de masterclasses para jovens: António Jorge Gonçalves vai explicar o método e a dinâmica performativa do desenho digital em tempo real e Flávio Almada partilhar uma experiência exploratória e participativa no universo do hip-hop, por via do ritmo, de técnicas de escrita e da improvisação.

Com uma grande componente infanto-juvenil, o festival revela as “Histórias Magnéticas”, o projecto do guitarrista e compositor Sérgio Pelágio dedicado à composição de bandas sonoras para histórias infantis. Ao longo do Verão Azul o músico faz-se acompanhar da narração de Isabel Gaivão para, juntos, apresentarem um conjunto de histórias para guitarra eléctrica e voz, onde sobressaem temas como o ambiente, a democracia e os sonhos, seguido de uma oficina criativa para crianças.

A comunidade artística local também é chamada a intervir no Verão Azul. Através de uma convocatória a criadores que participaram no Programa de Formação Artística desenvolvido pelo festival em 2020, este ano a programação conta com Flávio Martins e José Jesus, com a performance sonora “Orelhas de Burro”, António Guerreiro e Carolina Cantinho, com o espectáculo de teatro e dança “Chama-se Amor, Amor”, e João Caiano e Martim Santos, com a peça de teatro “Ele Escreveu por 25 Tostões”.

Quem também mergulha no Verão Azul, de volta a Loulé, é o encenador brasileiro Alex Cassal, que traz “A Biblioteca do Fim do Mundo” - um espectáculo que recria a última noite antes do apocalipse, concebido para ser apresentado em bibliotecas, também com a participação da população local (uma ligação estabelecida durante a fase de criação no âmbito da residência artística Verão Azul).
Neste mar cristalino, somos ainda confrontados com o alerta à devastação e à alteração da paisagem portuguesa, no poema visual da realizadora italiana Luciana Fina. “Questo è il piano” é um filme que pretende provocar um debate urgente sobre o ambiente.

Segundo a curadora Catarina Saraiva, “este ano focamos a atenção no encontro, na possibilidade de que cada peça permita criar um espaço para que cada espectador possa encontrar o seu íntimo e a sua alegria. Nesta edição trabalhámos para conseguir chegar a alguma felicidade, àquela que nos permita ter consciência da importância de viver. E de percebermos como por vezes, explodir não é negativo”.

Produzido pela associação cultural casaBranca, o Verão Azul tem financiamento da DG Artes e Câmara Municipal de Lagos, contando com co-produção com o Teatro das Figuras de Faro e a Câmara Municipal de Loulé.

Num mundo em constante mudança e sufoco, prestes a implodir, a transdisciplinaridade das artes contemporâneas apela ao despertar para uma inadiável e necessária transformação.

Tick Tack Tick Tack!
Contagem decrescente para a 10.ª edição do Verão Azul, de 4 a 20 de Novembro.


SOBRE O FESTIVAL VERÃO AZUL

A 1.ª edição realizou-se em 2011 durante 4 dias, em Lagos, com uma programação essencialmente nacional. Sempre com direcção artística de Ana Boralho e João Galante, desde então, o festival estendeu-se também ao sotavento algarvio. Afirmando-se como um evento de características únicas na região, tem apresentado de forma continuada projectos de teatro, dança, performance, música, cinema e artes visuais, conciliando obras de artistas nacionais e estrangeiros, com um percurso já firmado e reconhecido, com projectos de jovens criadores de carácter mais experimental. Em 2018, abriu um novo ciclo e passou a festival bienal. Nos seus anos intercalares, dedica-se a trabalhar, juntamente com artistas convidados, a sua intenção artística de descentralização e aprofundamento de relações com os contextos, as comunidades e o tecido artístico locais, promovendo residências de criação, laboratórios de pesquisa e co-produções, cujos resultados serão apresentados em cada edição do festival.


Programação completa da 14ª Festa do Cinema Italiano

Programação completa da 14ª Festa do Cinema Italiano

descarregar (1).png

 



A 14.ª Festa do Cinema Italiano realiza-se, a partir de 2 de novembro em mais de 10 salas de cinema portuguesas, com o mesmo espírito acolhedor, curioso e transversal das edições anteriores, exibindo um conjunto de filmes italianos, aclamados pela crítica internacional e alguns dos maiores sucessos de bilheteira em Itália.


Em Lisboa, o festival realiza-se de 2 a 10 de novembro, no Cinema São Jorge (sessões de abertura e de encerramento), no UCI El Corte Inglés, na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema (onde é exibida a restrospetiva Siamo Donne - Divas do Cinema Italiano, durante o mês de novembro) e, pela primeira vez, na Culturgest.

Para além de Lisboa, a Festa do Cinema Italiano realiza-se de 2 a 4 de novembro em Coimbra (TAGV – Teatro Académico Gil Vicente), de 3 a 5 de novembro, em Beja (Pax Júlia Teatro Municipal), de 4 a 7 de novembro, em Setúbal (Auditório Charlot), de 4 a 7 de novembro, em Penafiel (Cinemas Cinemax) de 4 a 10 de novembro no Porto (Cinema Trindade), de 4 a 7 de novembro, em Cascais (Cinema da Villa), 6 e 7 de novembro, em Alverca do Ribatejo (TEIV – Teatro Estúdio Ildefonso Valério), de 15 a 16 de novembro, em Aveiro (Teatro Aveirense), de 18 a 25 de novembro, em Tomar (Cine-Teatro Paraíso), de 23 a 26 de novembro, em Almada (Auditório Fernando Lopes Graça), seguindo para outras cidades portuguesas a anunciar em breve.


DESTAQUES DE PROGRAMAÇÃO:

Sessão de abertura – antestreia


Em antestreia portuguesa, o último filme de Nanni Moretti, Tre Piani (Três Andares) abre o festival no dia 2 de novembro, em Lisboa, no Cinema São Jorge. Apresentado na seleção oficial do último festival de Cannes, o novo filme de Nanni Moretti foi aplaudido unanimemente pela crítica, que o considerou um dos melhores filmes da carreira do realizador. O realizador, que interpreta o papel de um juiz no filme, convocou um elenco de luxo para Três Andares, composto por Riccardo Scamarcio, Alba Rohrwacher e Margherita Buy.


Sessão de encerramento - antestreia

A sessão de encerramento da Festa realiza-se no dia 10 de novembro, em Lisboa, e tem a particularidade de ser também a sessão de abertura do Olhares do Mediterrâneo |- Women's Film Festival. Os dois festivais juntam-se por uma noite, no Cinema São Jorge, para apresentar o filme Le Sorelle Macaluso (As Irmãs Macaluso), terceira longa-metragem da aclamada dramaturga Emma Dante, que conta a história de cinco irmãs e como o tempo atravessa as suas relações e a forma como vivem.


Antestreias

Prémio do júri no passado festival de Veneza chega em Portugal La mafia non è più quella di una volta (Era uma Vez a Máfia) de Franco Maresco, divertido e surreal retrato da vida de Palermo através das histórias de quem luta ou de quem convive com as organizações criminosas desta cidade.

Também do festival de Veneza chega-nos a comédia “negra”, I predatori (Os Predadores), realizado e protagonizado por Pietro Castellitto, filho do mítico ator e realizador italiano, Sergio Castellitto, que também terá um filme nesta edição. O filme conta a história de duas famílias que apesar de serem muito distintas na escala social, algo as une na caótica Roma.

Il Materiale Emotivo (Uma Livraria em Paris), de Sergio Castellitto, é uma adaptação da banda desenhada Un Drago a forma di nuvola, criada por Ivo Milazzo e com o argumento original do mestre Ettore Scola. O mesmo tinha intenções de adaptar o livro para o grande ecrã. Uma história delicada sobre os sentimentos e a necessidade de abertura para a vida e para os outros.


Retrospetiva Siamo Donne - Divas do Cinema Italiano
 

Este ano, a Festa do Cinema Italiano faz-se no feminino, dedicando um espaço particular às grandes atrizes e intérpretes do cinema italiano através de Siamo Donne - Divas do Cinema Italiano, uma retrospetiva (secção Amarcord) em colaboração com a Cinemateca Portuguesa. A retrospetiva será constituída por um ciclo com mais de 15 filmes que parte dos tempos do cinema mudo até os nossos dias. Foram e são muitas as atrizes italianas que marcaram profundamente o cinema de hoje e que são reconhecidas e admiradas e Itália e em todo o mundo. 
Esta retrospetiva é também uma oportunidade de descobrir ou redescobrir em sala as interpretações inesquecíveis de atrizes como Sophia Loren, Monica Vitti,  Silvana Mangano, Claudia Cardinale, Alida Valli, Anna Magnani e muitas outras.



Sessões especiais:

A 14ª edição da Festa é marcada pela forte presença feminina. Seja na fotografia, moda, ou música, o festival homenageia algumas das mulheres que marcaram a história italiana.

Letizia Battaglia: Exposição de Fotografia e exibição dos filmes Shooting The Mafia e La mafia non è più quella di una volta (Era Uma Vez A Máfia)

A Festa faz uma homenagem à fotógrafa Letizia Battaglia, nome incontornável da fotografia italiana e fotojornalista reconhecida no mundo inteiro pelo seu trabalho único em retratar a máfia italiana. Apesar de ter ficado famosa pelas suas fotografias nos meandros da máfia, Battaglia documentou igualmente a vida quotidiana siciliana.

Letizia Battaglia estará presente no festival com uma exposição fotográfica “Mafia, Passione... Amore”, juntamente com o fotógrafo Roberto Timperiq. Igualmente, a fotógrafa estará na exibição do filme Shooting the Mafia, de Kim Longinotto, um documentário dedicado à sua obra e à memória da história italiana e o filme La mafia non è più quella di una volta (Era Uma Vez A Máfia) de Franco Maresco, vencedor do Prémio do Júri na última edição do Festival de Veneza.

A festa conta ainda com o documentário La Scomparsa di Mia Madre, de Beniamino Barrese. Realizado pelo seu filho, o filme conta a história de Benedetta Barzini, ícone de moda nos anos 60 e musa de Andy Warhol, Salvador Dalí e Richard Avedon que tornou-se feminista radical e activista pelos direitos das mulheres. O realizador Beniamino Barrese e a protagonista Benedetta Barzini estarão presentes no festival.

A Festa apresenta também The Rossellinis, de Alessandro Rossellini. Narrado na primeira pessoa por Alessandro Rossellini, neto do mestre italiano Roberto Rossellini, o filme remonta ao passado para levantar questões íntimas e refletir sobre os diferentes papeis familiares que cada elemento possui. Uma terapia familiar em frente a uma câmara de filmar. O realizador Alessandro Rossellini estará presente no festival.

Para além do cinema dedicado ao elemento feminino, a 14ª Festa do Cinema Italiano assinala os 20 anos dos confrontos da Cimeira do G8 em Génova com uma mesa redonda com vários convidados e com a projeção de filmes e documentários relacionados com a temática, nomeadamente, Diaz - Don't Clean Up This Blood de Daniele Vicari.

Haverá também uma reflexão do presente com dois filmes de Andrea SegreMolecole e Welcome Venice. O realizador estará no festival para debater os temas abordados nos seus filmes, nomeadamente o impacto do turismo de massas em Veneza e o que mudou após a era Covid.


Eventos Paralelos

Exposição de fotográfica "Mafia Passione… Amore"
De Letizia Battaglia e Roberto Timperiq

Uma exposição com fotografias de Letizia Battaglia e Roberto Timperi realizada como complemento do documentário Shooting the Mafia, de Kim Longinotto. Dois fotógrafos com experiências estéticas distintas que unem forças e expõem em conjunto o mundo que pretendem retratar. Letizia com as suas fotografias sobre Palermo, a máfia e a beleza. Roberto com as imagens que exteriorizam as suas pulsões interiores no confronto com os mais marginalizados, os vagabundos e os loucos. 
Entrada Livre. 

Exposição Fotográfica “PHOTOCALL - Atrizes do Cinema Italiano”
5 de novembro / Sociedade Nacional de Belas Artes / 17h00

A acompanhar a retrospetiva Siamo Donne - Divas do Cinema Italiano, a 14ª Festa do Cinema Italiano apresenta a exposição fotográfica PHOTOCALL - Atrizes do Cinema Italiano, realizada em colaboração com o Museu de Cinema de Turim. Atrizes do cinema italiano que marcaram ao longo de um século, o cinema italiano através dos seus corpos, os rostos e representação e que se tornaram famosas no mundo inteiro. Uma viagem pela memória coletiva que vai desde os ícones do cinema mudo às estrelas de hoje. 

 

Cine-Jantar
7 , 8 e 9 de Novembro / Restaurante DaLuca 

A gastronomia será, como habitualmente, um dos principais convidados da Festa do Cinema Italiano. Volta o famoso Cine-Jantar, o evento que dura três noites e que combina o cinema com o melhor da cozinha italiana. Este ano, o Cine-jantar é dedicado às trufas, especialmente trufa branca de Alba, à cozinha e aos vinhos da região de Piemonte no âmbito da projeção do filme The Truffle Hunters, de Gregory Kershaw e Michael Dweck, produzido por Luca Guadagnino. 
Em colaboração com o chef Luca Salvadori dos restaurantes Il Covo e DaLuca.


Todas as novidades e informações sobre a programação do festival podem ser acompanhadas no site www.festadocinemaitaliano.com e na página de Facebook (facebook.com/festadocinemaitaliano)

Azeméis Jazz & Blues estreia em Outubro | Salvador Sobral, Kiko & The Refugees são alguns dos artistas

AzemeisJazzeBlues_cartaz.jpg

 

Nos dias 8, 9 e 10 de Outubro nasce um novo evento, o Azeméis Jazz & Blues, com o objetivo de colocar Oliveira de Azeméis na rota dos eventos amplamente reconhecidos pelo público destes estilos musicais.

 

A primeira edição do Azeméis Jazz & Blues será constituída a 100% por talento nacional: Salvador Sobral, Kiko & The Refugees, Peter Storm & The Blues Society e Reunion Big Jazz Band são os nomes da primeira edição.

 

Esta é uma nova marca da música que visa unir, desenvolver, surpreender e fidelizar, atraindo e acrescentando valor cultural a Oliveira de Azeméis.

 

O Azeméis Jazz & Blues é uma iniciativa da Agência Luckyman e conta com o apoio da Sic Notícias e da Rádio Terranova (região de Aveiro).

 

Todos os concertos vão decorrer na sala “O CINEMA” e os bilhetes estão disponíveis no local e via Ticketline: Bilhetes Azeméis Jazz & Blues - Ticketline (sapo.pt)

 

 

8 OUTUBRO

21h30 | KIKO & THE REFUGEES

22h45 | PETER STORM & THE BLUES SOCIETY

 

9 OUTUBRO

21h30 | SALVADOR SOBRAL

 

10 OUTUBRO

17h00 | REUNION BIG JAZZ BAND

 

 

Festival Emergente realiza-se com plateia de pé sem limite de lotação e anuncia horários e Conversas Emergentes

15 E 16 DE OUTUBRO, CAPITÓLIO, LISBOA

Não podíamos estar mais felizes! O Festival Emergente vai realizar-se com a plateia do Capitólio em pé sem limite de lotação! Depois de no ano passado termos ficado sentados, este ano vamos poder voltar a desfrutar da música e do ambiente do festival em pé e a dançar! Tínhamos apontado o festival para esta data, com esta esperança, e depois da coragem e resistência do ano passado, eis-nos felizes e recompensados!

 

HORÁRIOS

 

15 de Outubro

 

16 de Outubro

18h30m – Sreya

17h00m – Bia Maria

19h15m – Evacigana

17h45m – Madalena Palmeirim

20h00m – Conjunto Júlio

18h30m – Falso Nove

20h45m – Too Many Suns

19h15m – Quase Nicolau

21h30m – Mikee Shite

20h00m – Biloba

22h15m – Mike Vhiles

20h45m – April Marmara

23h00m – Gator The Alligator

21h30m – Caio

00h00m – Chinaskee & Convidados

22h30m – Los Chapos

 

23h15m – Humana Taranja

 

00h00m – Solar Corona

 

 

CONVERSAS EMERGENTES

 

Conversas Emergentes é um novo espaço que se abre à discussão de ideias e à partilha de conhecimento com os mais novos, que agora iniciam o seu percurso artístico e musical. O objetivo é informar e esclarecer dando a conhecer as pessoas, os espaços, os programas de apoio e as oportunidades que nos últimos anos têm tecido as redes e circuitos de propagação da música portuguesa, quer no plano interno como no externo, seja através da promoção e organização de concertos, tours e festivais, seja através da sua comunicação e divulgação, quer nacional quer internacional.

 

Para tal, convidámos para as Conversas Emergentes que irão decorrer no dia 16 de Outubro entre as 14h30m e as 16h45m no Terraço do Capitólio, muitos daqueles que têm desempenhado um papel crucial neste trabalho de fortalecimento da música independente que se faz em Portugal, que tem conhecido nos últimos anos um enorme acréscimo de qualidade e uma cada vez maior exposição nacional e internacional.

 

14h30m – 15h30m: Música Emergente em Portugal - Pensar o Futuro.

 

Temas

- O que é a Música Emergente?

- As consequências do Covid-19 e a sua gestão no circuito da música em 2020/ 2021.

- Circuito português de espaços e festivais. Estratégias para o futuro e para uma maior partilha.

- Divulgação da Música Emergente nas rádios e na imprensa escrita portuguesa.

 

Convidados:

Alexandra Vidal (Bar Damas)

Vitor Belanciano (Público)

João Araújo (Festival Rodellus)

João Vaz Silva (Força de Produção)

Nuno Calado (Antena 3)

Luís Masquete (Moderador)

 

15h45m – 16h45m: Internacionalização – Oportunidades para a Música Emergente.

 

Temas

- Processos e Estratégias de internacionalização.

- Apoios à Gravação em Estúdio.

- Organização e Produção de Tours Internacionais.

- Divulgação internacional.

- Feedback da Experiência Existente.

 

Convidados:

Nuno Saraiva (Why Portugal)

Labaq (Artista)

Hélio Morais (Haus)

André Simões (Bullet Seed)

Moderador: Luís Masquete

 

FESTIVAL EMERGENTE

 

3ª edição do Festival Emergente 2021 vai acontecer nos dias 15 e 16 de Outubro no Capitólio, uma das melhores salas do país e da cidade de Lisboa. Depois da difícil mas desafiante edição de 2020, num só dia e com 8 bandas, este ano o festival volta ao seu modelo original em dois dias, num alinhamento repleto de bandas emergentes.

 

Um cartaz cheio de talento, em resultado de um Open Call Super Emergentes fortíssimo, em que mais uma vez esta nova geração de músicos superou todas as expectativas e tornou a seleção extremamente difícil: foram selecionadas 11 bandas para o alinhamento e não 8, como estava previsto.

 

O Emergente faz assim jus à sua principal missão de apoiar a nova geração da música portuguesa, dando-lhe o maior número de oportunidades possível, fazendo-a subir a um palco com excelentes condições técnicas, espaciais e audiovisuais, para que o seu talento possa brilhar em grandes concertos com grandes performances, já uma imagem de marca do festival.

 

Sabemos que bons músicos se tornam ainda melhores músicos quando têm boas condições para fazer o que melhor sabem. Acreditamos que esse é o maior incentivo que podemos dar a esta nova geração para prosseguirem com os seus sonhos. Àqueles que subirem ao palco em resultado do Open Call, atribuiremos ainda dois prémios: Melhor Concerto Super Emergente (por votação combinada do júri e do público) cujo prémio é a actuação no Festival Rodellus em 2022 e Melhor Projeto Musical (da responsabilidade exclusiva do júri) cujo prémio é a gravação dum EP ou álbum nos Estúdios Camaleão, em Lisboa.

 

Temos ainda uma curta vida, mas já um enorme lastro de talento que deixou a sua marca na história do festival. E este ano não será diferente. Retomando a ideia da sua edição original, de estabelecer uma linhagem para o indie pop rock nacional e muitas das suas variantes, o cartaz de 2021 combina talentos confirmados pelo público e pela indústria musical e que agora emerge noutras dimensões dos seus percursos artísticos, talentos despontados nos últimos três anos e ainda no processo de definição da sua identidade artística e puros talentos Super Emergentes, acabados de sair de fornadas caseiras e confinados à concentração nos estúdios de música.

 

Abrimos o Open Call para videoclips que teve muito boa adesão para primeira edição, deixando-nos já com vontade de lhe dar continuidade no próximo ano, dadas as propostas que recebemos e que expressam bem o talento que também ao nível da linguagem visual, expansiva das propostas estéticas e conceptuais das bandas e projetos musicais, caracteriza o imaginário e o talento desta nova geração de músicos, realizadores, diretores de fotografia, editores e todos aqueles que trabalham na realização de um videoclip. A seleção dos 14 vídeos finalistas do concurso terá a sua fase final de votação durante o decorrer do festivalO melhor vídeo (por votação combinada do público e do júri) e o melhor realizador (da responsabilidade exclusiva do júri) receberão um prémio monetário de 500€.

 

O festival volta a ser realizado fisicamente e em Live Streaming (fomos o primeiro festival português a ser integralmente transmitido em Live Streaming), na plataforma Meo Blue Ticket. A receita do Live Streaming reverterá integralmente para a União Audiovisual, como forma de apoiar aqueles sem os quais os concertos não podem existir e que também nos apoiaram o ano passado.

 

Site: https://www.festivalemergente.com

Facebook: https://www.facebook.com/FEFestivalEmergente

Instagram: https://www.instagram.com/fe_festival_emergente

 

Baixa da Banheira: Blues Night By BBBF no Fórum Cultural

 

 

 

Depois da 10ª edição do BB Blues Fest, que decorreu a 23, 24 e 25 de setembro e 5 de outubro, as Blues Nights By BBBF regressam ao Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira. No dia 16 de outubro, pelas 21:30h, sobem ao palco Mingo Balaguer’s Blue Shadow, Pablo Sanpa e Kid Carlos.

 

Velhos conhecidos dos palcos de blues na Europa, os três já tocaram juntos em várias ocasiões e colaboraram entre si em inúmeros projetos musicais, o último dos quais foi a gravação do novo álbum de Mingo Balaguer, “Blue Shadow”.

Mingo Balaguer (voz e harmónica) tem mais de 30 anos de palco e 17 álbuns lançados.

Pablo Sanpa e Kid Carlos (Guitarras) são dois dos melhores guitarristas de blues que existem em Espanha, ambos com projetos independentes e que trabalham há muitos anos com Mingo Balaguer.

A harmonização instrumental das guitarras, a voz e a harmónica criam o clima perfeito para levar o público de volta às origens do blues.

 

Destinatários: Geral | M/6 anos

Duração: 70 minutos

Bilhete: 8 euros

 

Organização: BBBP - Associação BB Blues Portugal, em parceria com a Câmara Municipal da Moita e União de Freguesias de Baixa da Banheira e Vale da Amoreira

 

 

Fórum Cultural José Manuel Figueiredo.
Rua José Vicente, 2835-134 Baixa da Banheira


Horário da Bilheteira
De terça-feira a sábado, das 14:30h às 19:30h
Dias de espetáculo: Uma hora antes do início do espetáculo ou sessão; encerra aquando do início do espetáculo ou sessão.
Os bilhetes podem ainda ser reservados, através do telefone 210 888 900, no horário de funcionamento da bilheteira. As reservas têm que ser levantadas, no máximo, à véspera do espetáculo/sessão, com um limite de cinco bilhetes por reserva.

 

Baixa da Banheira: Blues Pic-Nic no Parque José Afonso

MusicOrba - Press.jpg

 

 

A 3 de outubro, a partir das 15:00h, o tradicional Blues Pic-Nic tem lugar no Parque José Afonso, na Baixa da Banheira. Neste dia, o BB Blues Fest tem entrada gratuita mediante reserva antecipada em www.bbbluesfest.com. Stonebones & Bad Spaghetti, Mojo Hand, Catman & the Blues Doozers, BBBF All Stars são os nomes já confirmados para o Blues Pic-Nic.

Depois dos espetáculos a 23, 24 e 25 de setembro, no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo e no recinto do Mercado Mensal, na Moita, o BB Blues Fest regressa à Baixa da Banheira com o Blues Pic-Nic. Recorde-se que a 10ª edição do BB Blues Fest iniciou a 23 de setembro com o concerto, no Fórum Cultural, do Grupo Dixieland da Banda da Armada.

Nos dias 24 e 25 de setembro, subiram ao palco do recinto do Mercado Mensal na Moita Tail Dragger, Richard Ray Farrell, The Black Mamba e Rick Estrin & The Nightcats.

STONEBONES & BAD SPAGHETTI (PT)

Muito provavelmente a única banda portuguesa de bluegrass, que se distingue pela incrível energia da sua música e a entusiástica performance em palco. Ao vivo, apresentam canções originais, compostas ao estilo do bluegrass, cantadas em português e, também, uma grande coleção de músicas tradicionais. A influência mediterrânica portuguesa está fortemente presente, resultando numa banda única, onde não há um oceano a separar ambas as culturas. Já conhecidos do público do BB Blues Fest, regressam para celebrar a décima edição do Festival.

 

MOJO HAND (PT)

Joe Mac é um cantor e escritor de canções norte-americano a viver em Portugal. A sua carreira musical começou no final dos anos 80, tocando Blues Rock em diversos palcos no continente americano e na europa. Em conjunto com o Holandês Gerrit Ekelenkamp, harmonicista e vocalista, também a viver em Portugal, formaram este duo Mojo Hand. Esta singular junção forma um projeto que vai à raiz do blues buscando os sons mais originais. Tocam no Blues Pic-Nic, numa recriação virtual de uma sessão de alpendre, com uma brisa do Oeste… português.

 

CATMAN & THE BLUES DOOZERS (PT)

Formado em 2005, o projeto Catman and The Blues Doozers nasceu no antigo espaço Catacumbas Jazz Bar, no Bairro Alto, em Lisboa, fruto da paixão de Manuel Pais (Catman) pelo Blues. Até ao seu encerramento (2013), a banda foi presença regular no Catacumbas tendo começado por essa altura a marcar presença no Alface Hall (também no Bairro Alto), bar onde se mantém como banda fixa até aos dias de hoje. Após algumas entradas e saídas de vários elementos, a banda estabilizou-se há cerca de seis anos: Catman – Voz, Teclas e Harmónica; Mr. Bo – Clarinete, José Luís Ferreira – Guitarra; Luís Varatojo – Bateria. Este tipo de formação, algo "sui generis", proporciona a possibilidade da banda apresentar, através de arranjos personalizados, um reportório de Blues influenciado quer pelo Swing, quer pelo Jazz.  Assim, para além de originais, Catman and The Blues Doozers apresentam temas de autores que vão de Louis Jordan a Fats Waller, passando por clássicos como Willie Dixon ou Albert King. Regressam ao BB Blues Fest, depois de terem participado no warm-up em 2014.

 

BBBF ALL STARS (PT)

A tarde do Blues pic-nic encerra em clima de festa com mais uma atuação da BBBF All Stars. Sob a batuta de Fast Eddie Nelson, será mais uma reunião aberta numa celebração do Blues e do espírito do BB Blues Fest.

 

O BB Blues Fest resulta de uma parceria entre a Associação BB Blues Portugal, a Câmara Municipal da Moita e a União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira e tem trazido à vila da Baixa da Banheira e ao concelho da Moita os melhores nomes do blues nacional e internacional. À semelhança de anos anteriores, o BB Blues Fest tem como parceiro na divulgação a Antena 3.
Visando a segurança de todos, o BB Blues Fest irá seguir medidas rigorosas, cumprindo todas as normas da Direção Geral de Saúde e garantindo todas as condições para uma experiência segura.
Mais informações em www.bbbluesfest.comwww.cm-moita.ptwww.ufbbva.ptwww.bbbluesportugal.comhttps://www.instagram.com/bbbluesportugal/www.facebook.com/bbbluesfest e www.facebook.com/cmmoita

 

Rock in Rio Lisboa abre portas ao futuro na nova Cidade do Rock

A menos de um ano para voltar a abrir portas, o festival regressa para lembrar que “O Mundo Vai Ser Nosso Outra Vez” e pela primeira vez reforça publicamente o seu compromisso para com o futuro estabelecendo novas metas de sustentabilidade até 2030 e apresentando uma nova Cidade do Rock, que chega pronta para materializar a visão de mundo melhor do festival em todos os espaços do recinto.

O reencontro está marcado para os dias 18, 19, 25 e 26 de junho de 2022, com mais música (distribuída pelo Palco Mundo, Galp Music Valley, Rock Street, Palco Yorn, Continente Chef’s Garden e Super Bock Digital Stage) e novos conteúdos (Game Square, Roda Gigante Pisca Pisca, ESC Online Sports Bar e 7Up Slide).

O Galp Music Valley foi outro dos destaques da apresentação desta tarde, trazendo um novo conceito que levará o público numa experiência pelas cidades do futuro ao som de artistas como Linda Martini, Bárbara Tinoco, IZA, Ney Matogrosso, The Black Mamba, Delfins, Moullinex & Xinobi, Mundo Segundo & Sam the Kid, Funk Orquestra, Edu Monteiro e MC Rebecca, entre outros a serem anunciados em breve.

transferir (2).png

FIMUV arranca no Dia Mundial da Música com concerto a partir de Paris

44.ª edição do festival de Santa Maria da Feira começa no Dia Mundial da Música

FIMUV arranca com valores emergentes

em concerto por streaming a partir de Paris

MusicOrba - Press.jpg

 

A 44.ª edição do Festival Internacional de Música de Paços de Brandão arranca a 01 de outubro com um concerto emitido a partir de Paris, pelo duo de pianistas MusicOrba, constituído pelo português Ricardo Vieira e pelo japonês Tomohiro Hatta, ambos com residência em França e carreiras em ascensão. Após ano e meio de paragem e mais de 50 concertos cancelados, inclusive os de uma segunda tournée na China, os pianistas encaram este regresso como um gesto vital tanto em termos artísticos como profissionais. “É voltar a respirar”, garantem.
 
 
– Santa Maria da Feira, 28 de setembro de 2021 –
 
A 01 de outubro assinala-se o Dia Mundial da Música e, precisamente por isso, a direção do Festival Internacional de Música de Paços de Brandão (FIMUV) apostou para a sua abertura oficial num formato diferente, disponível para uma audiência global, através da internet, e cruzando várias culturas: um concerto por um artista português e outro japonês, emitido a partir da capital francesa e com conteúdos gravados na Turquia, num espaço arquitetónico cuja construção remonta à era romana e que hoje é candidata a património da UNESCO. Para materializar todas essas referências culturais, o protagonismo caberá ao duo de pianistas MusicOrba, em que Ricardo Vieira, músico natural de Santa Maria da Feira, explorará com o nipónico Tomohiro Hatta excertos do “Sonho de uma noite de verão”, de Mendelssohn.
 
O concerto “FIMUV pelo Mundo” está assim marcado para as 21h30, tendo transmissão a partir da página do festival na rede social Facebook e seguindo-se também a partir do Auditório do CiRAC, onde músicos, estudantes, docentes, autarcas, jornalistas e público em geral poderão dialogar em tempo real com os pianistas, antes de esses difundirem o concerto que em agosto gravaram ao vivo na Turquia, em específico na ágora de Izmir, cuja construção remonta ao século IV a.C.. Da conversa que acompanha o espetáculo também farão parte três gestores culturais: Hermano Sanches, o lusodescendente que é vereador na Câmara de Paris; Emídio Sousa, presidente do Município de Santa Maria da Feira; e Gil Ferreira, que, além de vereador da Cultura na mesma autarquia, é também músico e professor de guitarra.
 
Augusto Trindade, diretor artístico da 44.ª edição do FIMUV, realça que esse concerto a quatro mãos deixará bem evidentes as razões pelas quais a parceria criada em 2010 por Ricardo Vieira e Tomohiro Hatta para comemorar os 150 anos de cooperação entre a França e o Japão evoluiu para um projeto musical próprio, com carreira firmada em alguns dos mais prestigiados festivais do mundo e em salas míticas como o Tribeca de Nova Iorque e o Olympia de Paris. “O duo MusicOrba é uma das formações de excelência no que à atual música de câmara diz respeito”, garante. “Ainda em 2018, realizaram uma digressão na China em que, ao longo de 23 dias, se apresentaram em 18 das mais importantes salas de espetáculos desse país. Além disso, as excelentes críticas da imprensa internacional confirmam que os MusicOrba constituem um dos duos mais proeminentes do panorama musical atual”, acrescenta o também violinista e docente.
 
Para Augusto Trindade, outro fator concreto merece ser destacado no historial do duo: “Se é verdade que esta dupla luso-nipónica tem desenvolvido uma atividade ímpar em prol da divulgação da música contemporânea e dos seus dois países de origem, também é um facto que Ricardo Vieira realizou a sua formação em Portugal antes de prosseguir carreira em França. Isso sublinha a qualidade da formação pianística em Portugal, aspeto essencial para catapultar internacionalmente jovens instrumentistas promissores que tão bem vêm representando o nosso país”.
 
“Dar cartas mundo fora”
 
Ricardo Vieira reconhece que a qualidade desse ensino é essencial, mas realça que há outros aspetos de caráter formativo a influírem na progressão artística e profissional de um músico, entre os quais o contributo dos próprios festivais. “O FIMUV é há já muitos anos um marco importante na vida cultural de Santa Maria da Feira, não só pela sua qualidade artística, em que se supera todas as edições, mas também – e o que mais me sensibiliza – porque, acima de tudo, estimula toda uma região e incentiva os jovens músicos locais que, mais tarde, inspirados, vão dar cartas pelo mundo fora”, explica o pianista.
 
A capacidade de adaptação a diferentes contextos performativos, palcos e culturas também sai beneficiada dessa exposição de jovens músicos a certames internacionais, o que se revela particularmente necessário quando a atividade regular das salas de espetáculos fica sujeita a alterações profundas em termos sociais e económicos, como se vem verificando devido à pandemia de covid-19. “Em poucos meses tivemos mais de 50 concertos anulados, entre os quais os do nosso regresso às salas chinesas, com a MusicOrba China Tour 2020, o que nos entristeceu bastante”, recorda Ricardo Vieira. “Retomámos no final de agosto a nossa atividade, após um ano e meio completamente parados, e divulgámos esse retorno apenas poucos dias antes de o concerto acontecer, pois só acreditávamos quando pisássemos realmente o palco... Até lá, ainda se podia anular o espetáculo a qualquer momento”.
 
É o momento especial desse regresso que será transmitido no auditório do CiRAC a 01 de outubro. “Foi fantástico”, garante o pianista português. “Tocámos na ágora de Izmir, cuja construção remonta ao século IV a.C., e que agora consta da lista de espaços que se candidataram a ser reconhecidos como património da humanidade pela UNESCO, sob proposta da República da Turquia”.
 
Para depois do FIMUV, os próximos concertos “estão sob negociação porque o medo ainda está presente em todo o mundo”. A expectativa não invalida, contudo, uma certeza: “É preciso que tudo possa voltar ao normal porque precisamos de respirar – e isso também significa respirar arte”. ■

OuTonalidades 2021: a 25ª edição já está a espalhar música!

transferir (7).jpg

 

 

 

transferir (8).jpg

 

 

Calendário de concertos:
dorfeu.pt/outonalidades

A 25ª edição do “OuTonalidades - circuito português de música ao vivo” começa a fazer-se ouvir a partir de 24 de setembro. Com algumas extensões internacionais confirmadas, neste momento o OuTonalidades continua em frase de programação. O calendário dos concertos tem atualização permanente no site oficial, em dorfeu.pt/outonalidades.

Albergaria-a-Velha, Sever do Vouga e Viseu são as primeiras localidades a acolher a edição deste ano do OuTonalidades, que conta com nomes confirmados como mema., Daniel Pereira Cristo, dois,pois, Luís Antero, entre outros.

Mas nem só os grupos nacionais percorrem o circuito: Marala (Catalunha, Espanha), Phase Duo (Itália), Camões House Band (República Checa), entre outros, vão também atuar em Portugal, no âmbito de alianças internacionais, permitindo a vários grupos portugueses pisarem palcos além-fronteiras: João Berhan irá atuar em Praga (República Checa), fruto da aliança com o Instituto Camões; "dois,pois", depois de já ter atuado no Mercat de Música Viva de Vic, têm três concertos agendados no circuito espanhol AIEnruta; e Modulatus Project passaram já por Itália em agosto, com três concertos resultantes da aliança com Musicamorfosi.

O 25º OuTonalidades, que se prolongará até março próximo, permanece aberto à adesão de espaços de música ao vivo de todo o país e, por conseguinte, a  novas confirmações de concertos. O OuTonalidades é coordenado pela d’Orfeu AC em colaboração direta com inúmeros parceiros (municípios, teatros e associações), na manutenção de uma rede de programação que dá palco a músicos de todas as músicas.


Vem viver a música ao vivo!

dorfeu.pt/outonalidades
facebook.com/outonalidades

2ª edição do Rock in Rio Humanorama confirmada para 2022