Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

MAGICSHOT Gaming Festival: Mais de 20 horas de entretenimento com entrada gratuita

Dias 30 e 31 de março no Pavilhão do Oriente



Integrado nas comemorações do Março Jovem, promovidas pela Câmara Municipal de Loures, o festival de gaming chega a Portugal já em março. Com entrada livre, o MAGICSHOT Gaming Festival vai decorrer nos dias 30 e 31 de março no Pavilhão do Oriente, junto ao Parque das Nações. O país recebe um festival de videojogos criado de raiz, com foco no entretenimento do público mainstream, oferecendo um mix de conteúdos entre o gaming e performances artísticas. Nestes dois dias, os visitantes poderão contar com 22 horas de entretenimento das 10h00 às 21h00.


O mercado de gaming em Portugal está avaliado em mais de 260 milhões de euros, inserido numa indústria que a nível global está avaliada em 121 mil milhões de euros, valendo mais que a indústria do cinema e da música em conjunto. Numa área com cerca de 1300 m2, o recinto do festival conta com diversas zonas de atividade – um palco, onde estarão as principais atrações, e áreas de consolas, PC LAN, realidade virtual, lojas, como a PopStore, e diversas marcas como PlayStation, XBOX, AlphaGamer, AOC, Philips e 4Gaming. Esta iniciativa conta receber cerca de 3 mil visitantes durante os dois dias do festival, e conta também com o apoio da Twitch, a maior plataforma do mundo de transmissão em direto de jogos e eventos.

“Acreditamos que, cada vez mais, a área do gaming está a crescer, mas nunca sozinha. O mundo performativo, como as áreas da música, dança e cosplay, está lado a lado com o universo dos gaming e dos videojogos”, afirma Jamil Heneni, CEO da MAGICSHOT. “Esse é o motivo que nos leva a apostar no mais imersivo festival de gaming em Portugal, deixando de lado o conceito de feira e levando estes conteúdos para um palco e áreas expositivas que, em diversos momentos, contarão com performances artísticas”.


Com conteúdos únicos e inovadores, esta é uma iniciativa que a MAGICSHOT pretende repetir anualmente, tendo como principal objetivo posicionar-se como um evento de referência na área do entretenimento em Portugal. A MAGICSHOT é uma produtora de ações relacionadas com videojogos e, para além de eventos próprios, foi também a curadora de espaços de gaming em eventos como o Rock in Rio Lisboa, Comic Con Portugal, Festival F, entre outros. 

Está a chegar um novo festival de Verão a Lisboa!

image001.jpg

 

Discovering the Unknown – a música eletrónica prepara-se para conquistar Oeiras

Está a chegar um novo festival de Verão a Lisboa!

O evento vai decorrer no dia 9 de junho, no Estádio Municipal Mário Wilson, em Oeiras, e os bilhetes já estão disponíveis.

Com inspiração nos Descobrimentos Portugueses, a época mais brilhante da história de Portugal, o Discoveries Festival é um festival de música eletrónica cuja aposta vai passar por trazer à região “alguns dos melhores DJs internacionais”, segundo os organizadores do evento.

“O Estádio Municipal de Oeiras reuniu os pontos mais positivos para a sua concretização, nomeadamente por ser próximo da capital portuguesa, por ter excelentes acessos, e, também, por se enquadrar num espaço bastante tranquilo, mesmo ao lado do Parque dos Poetas, tornando-o perfeito para um agradável e divertido sunset”, revela Francisco Valado Arnaud, CEO da Westablished – promotora do evento.

 Discovering the Unknown foi o slogan escolhido para o novo festival de Verão lisboeta, que esperam atrair a Oeiras «milhares de pessoas». Com início às 16h, o evento contará com um ambiente atrativo e festivo.

“Há quem se interrogue sobre esta ligação entre a História e a música eletrónica. Essa será, contudo, a base para nos inspirarmos em diferentes elementos para este festival que prometemos surpreender de ano para ano, pois a criatividade não tem limites”, esclarece o organizador do evento.

Os bilhetes já se encontram disponíveis e podem ser adquiridos no website do evento, Bilheteira Online e Fest Ticket. Os preços variam consoante a proximidade do evento.

 

*Tabela de Preços:

Lote 1: 25€

Lote 2: 35€

Lote 3: 45€

Paus atuam com marionetas no Festival Palheta

76a14507-cc2c-42a0-a3e7-20240fdf4b09.jpg

 

Marionetas de gelo, Robertos feitos a partir de resíduos, um concerto especial de Paus com uma companhia de teatro de marionetas, um espetáculo de rua concebido e protagonizado pela comunidade ou um espetáculo de Robertos totalmente novo, são algumas das novidades da edição deste ano do Palheta, o festival da Robertos e Marionetas na Gafanha da Nazaré.

O festival, que decorre de 4 a 8 de abril, em vários espaços da Gafanha da Nazaré, é uma aposta do 23 Milhas, projeto cultural do Município de Ílhavo, que vai já no seu terceiro ano enquanto Palheta e que prolonga a presença dos robertos e das marionetas na Gafanha da Nazaré, cidade eternizada na história da arte bonecreira por Armando Ferraz.

a086e41e-8aed-48f2-88a4-0ef8076859e4.jpg

 

Este ano, o Palheta aumenta força e alcance em várias frentes: pensa o ambiente, não só através da programação, como de oficinas de criação de robertos a partir de materiais reutilizados; desafia o comércio local da Gafanha da Nazaré, convidando os lojistas a fazer parte de um percurso pela cidade, orientado pela criadora Marina Palácio, que reflete não só sobre os seus estabelecimentos, mas também sobre o território; convoca a comunidade para várias oficinas que resultam num grande espetáculo de rua, desafiando pessoas de várias idades a trabalhar a manipulação de objetos, a construção de marionetas, a criação de figurinos ou a construção de uma banda sonora.

Além deste crescimento da envolvência da cidade e da comunidade, o Palheta acolhe a estreia absoluta de um espetáculo de Robertos totalmente novo, escrito por Filipa Mesquita, das Marionetas de Mandrágora e ainda a estreia nacional de “Anywhere”, um espetáculo da companhia francesa “Le Théâtre de L’Entrouvert, em que as marionetas são feitas de gelo.

Juntam-se a esta programação o concerto de Paus com a participação especial da companhia Pia; o Projeto W, um concerto encenado da Sonoscopia e do Teatro do Ferro; o espetáculo de marionetas “Eu quero a lua”, da Partículas Elementares; “O guardião de vagalumes”, da Mandrágora; “Uma Aventura no Espaço”, do Teatro do Ferro; “Em Busca do planalto perdido”, da Limite Zero. 

Um programa com foco na família, com várias oficinas abertas a pessoas de todas as idades, em cinco dias intensos, de 4 a 8 de abril, em vários palcos na Gafanha da Nazaré.

Periferias leva artistas de vários países lusófonos a Sintra

 

O Periferias, festival que fomenta a solidariedade e união do mundo lusófono, regressa pela 8ª vez aos palcos do concelho de Sintra

 

 

A data de início do Periferias, Festival de Artes Performativas dedicado à lusofonia e aos novos talentos nacionais e internacionais, está este ano marcada para dia 1 de março, prolongando-se até dia 17 do mesmo mês. Esta é a 8ª vez que o evento leva cultura em diversos formatos, proveniente de Portugal e outros países Lusófonos, ao concelho de Sintra.

 

Concebido e organizado pela Associação Cultural Chão de Oliva, o Periferias compila, no seu programa de dezassete dias, momentos de teatro, música, dança, marionetas, exposições, oficinas, contos, uma feira do livro, entre outros, direcionados a públicos de todas as idades.

 

Na edição deste ano, o festival arranca com a atuação dos The BLKBRDS & JUKEBOX CREW, projeto que junta os The BLKBRDS, banda com sonoridades electro-pop-funk-

disco, a JUKEBOX CREW, uma das mais reconhecidas crews de street-dance nacionais. O grupo, que conta com a participação do ator e dançarino Cifrão, vem agora dos palcos de festivais como Rock in Rio e Meo Sudoeste para Sintra.

 

Também o resultado da terceira residência artística da nova criação da Companhia de Teatro de Sintra será integrado na programação do Festival. O projeto “Próximo” é de cariz documental e retrata diferentes realidades sociais do Concelho de Sintra. Outros artistas de Setúbal, Caldas da Rainha, Lisboa, Montemor-o-Novo, Porto, Águeda, Santa Maria da Feira, e, de além-fronteiras, Cabo Verde, Guiné, Moçambique, Brasil e Angola irão igualmente encontrar-se no Periferias.

 

Os espetáculos dividem-se por diversos locais de Sintra, como é o caso do MU.SA, Escolas do Concelho de Sintra, Espaço Periferias, Quinta da Ribafria, Centro Cultural Olga Cadaval e Casa de Teatro de Sintra. Pela primeira vez, o Periferias irá ainda decorrer em palcos de freguesias circundantes, entre os quais o Auditório da Junta de Freguesia de Casal de Cambra, Auditório da Igreja de Rio de Mouro, Casa da Juventude da Tapada das Mercês. Haverá ainda animações pelas ruas e comboios da zona.

 

O presidente da Direção da Associação Cultural Chão de Oliva, Nuno Correia Pinto, refere “mais do que cariz cultural, o Periferias apresenta um vincado cariz social. Pretendemos que este festival promova o bem-estar e integração de todas as comunidades, especialmente aquelas que vivem nas periferias. Participar no Periferias é vivenciar uma experiência inovadora, de intercâmbios e sinergias de pessoas vindas de diversas zonas de Portugal e do mundo”.

 

O Periferias foi criado em 2011 pela associação de difusão cultural Chão de Oliva e conta com o apoio da Câmara Municipal de Sintra. Devido ao contexto económico de crise financeira, a primeira edição do festival surgiu como uma forma do Chão de Oliva inovar a sua oferta, através da valorização da criatividade e da aposta na cultura junto de diversos tipos de público. 

 

O preço dos bilhetes dos diversos eventos do Periferias, que decorre entre 1 a 17 de março, é de 7,50€, existindo vários descontos disponíveis para grupos, jovens, entre outros. Alguns dos momentos do programa contam com entrada livre.

 

 

Programação – Festival Periferias

 

Espetáculos

 

Dia 01 l 21h30 | CCOC | 60 min

The BLKBRDS & JUKEBOX CREW | Sintra | Música e Dança | M/6

 

Dia 02 l 21h00 | Quinta da Ribafria | 50 min

Ah! Minha Dinamene! | Teatro Estúdio Fontenova (Setúbal) | Teatro | M/12

 

Dia 03 l 16h00 | Auditório da Junta de Freguesia de Casal de Cambra | 50 min

Menos Um | Fladu Fla (Cabo Verde) | Teatro | M/8

 

Dia 03 l 17h30 | Junta de Freguesia de Casal de Cambra | 40 min

Batucadeiras | Cabo Verde | Música e Dança | M/3

 

Dia 07 l 10h00 | CCOC | 45 min

Dois narizes num mar de plástico | Teatro da Rainha (Caldas da Rainha) | Teatro | M/6

 

Dia 08 l 10h00 | CCOC | 45 min

King Kong | Alma d’Arame (Montemor-o-Novo) | Marionetas | M/6

 

Dia 08 l 21h30 | Casa de Teatro de Sintra | 50 min

No tempo de | Alma d’Arame | Montemor-o-Novo | Performance | M/16

 

Dia 09 l 21h30 | Palácio Nacional de Queluz | 48 min

A floresta mágica | Pedro Teixeira da Silva (Lisboa) | Música Clássica | M/12

 

Dia 10 l 16h00 | Auditório da Igreja de Rio de Mouro | 80 min

Epifania | Os Onironautas (Brasil) | Teatro | M/12

 

Dia 10 l 21h30 | Casa de Teatro de Sintra | 60 min

Armazenados | Art’Imagem (Maia - Porto) | Teatro | M/12

 

Dia 13 l 15h00 | CCOC

Reportório do Osório | D’Orfeu (Águeda) | Música | M/16

 

Dia 15 l 21h30 | Casa da Cultura Mira Sintra | 45 min

Terceira via | Rogério Nuno Costa | Ballet Contemporâneo do Norte (Sta Ma da Feira) | Conferência-performance | M/12

 

Dia 16 l 16h00 | Casa da Juventude da Tapada das Mercês | 60 min

Uno Sonic | UNO (Guiné + PT) | Música, vídeo e dança | M/06

 

Dia 16 l 21h30 | Casa de Teatro de Sintra | 65 min

Migrações | Artes e Engenhos (Moçambique + Angola + PT) | Teatro | M/14

 

Dia 17 l 16h00 | Casa Teatro Sintra | 60 min

Circo Quotidiano | Marionetas da Feira (Sta Ma da Feira) | Marionetas e objetos | M/03

 

 

Atividades

 

Exposição| MU.SA

Público em Geral | De 28 fev a 17 mar | De Terça a Sexta 10h00 às 18h00 | Sábado e Domingo das 12h00 às 18h00

 

Horas do Conto

Escolas do Concelho de Sintra | M/3 | De 1 a 17 mar | 10:30 | 14:00 | Escolas do Concelho de Sintra

 

Feira do Livro de Artes Performativas

Espaço Periferias | Público em Geral | De 1 a 3 de 6 a 10 e de 13 a 17 | Espaço Periferias - Estefânea (Sintra)

 

Animações de Rua + nos Comboios

Público em Geral | Vários dias | Tânia Safaneta (Clown) |Ruas Estefânea e Centro Histórico 

 

Oficinas Inclusivas | MU.SA

Escolas 1o Ciclo | De 11 a 15 mar | 10h00-11h00 & 14h30-15h30

 

12ª Festa do Cinema Italiano: programação

ef16ebf6-e8a7-462b-a493-01e95a72901f.jpg

 

A partir de 5 de abril

PROGRAMAÇÃO
12ª FESTA DO CINEMA ITALIANO


A Festa do Cinema Italiano apresenta mais de 60 filmes, seis deles em antestreia nacional e realiza-se a partir de 5 de abril em mais de 15 cidades portuguesas.

De 5 a 14 de abril, em Lisboa (Cinema São Jorge, UCI El Corte Inglés, Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema), de 9 a 11 de abril, em Coimbra (TAGV – Teatro Académico Gil Vicente), de 10 a 13 de abril, em Almada (Auditório Fernando Lopes Graça), de 10 a 14 de abril, no Porto (Cinema Trindade), de 11 a 14 de abril, em Setúbal (Auditório Charlot), de 12 a 13 de abril, em Alverca do Ribatejo (TEIV – Teatro Estúdio Ildefonso Valério), de 13 a 14 de abril, em Penafiel (Cinemax), de 13 a 14 de abril, em Moscavide (Cine-Moscavide), de 15 a 16 de abril, em Aveiro (Teatro Aveirense), de 1 a 3 de maio, em Viseu (Cineclube de Viseu), 1, 8 e 15 de maio, em Abrantes (Cineclube Espalhafitas), de 7 a 9 de maio, em Beja (Pax Júlia Teatro Municipal), de 8 a 10 de maio, nas Caldas da Rainha (CCC – Centro Cultural de Congressos), de 14 a 17 de maio, em Évora (Auditório Soror Mariana), de 14 a 18 de maio, em Tomar (Cine-Teatro Paraíso), de 23 a 26 de maio, em Loulé (Cine-Teatro Louletano), seguindo para outras cidades portuguesas a anunciar em breve.

Segundo Stefano Savio, diretor da Festa do Cinema Italiano, “o crescimento que a Festa do Cinema Italiano registou nos últimos anos justificou a nossa aposta numa programação mais extensa ao longo do tempo (10 dias de festival em Lisboa) e mais rica e diversificada. O objetivo é alcançar e fidelizar públicos diferentes mas que transversalmente estejam ligados à cultura italiana. Por isso, damos espaço à música clássica, mas também ao italo disco e aos cantautores italianos, temos documentários sobre os grandes artistas do Renascimento mas também sobre a street art e a video art. Uma retrospetiva sobre um ícone como Nanni Moretti acompanhada por filmes mais arrojados dos novos realizadores trasalpinos. Tudo isso num ambiente descontraído e social onde é possível ter uma experiência completa e culturalmente estimulante. Dedicamos ainda espaço à gastronomia italiana, com jantares e aperitivos, assim como a uma programação e atividaes para o público infantil”.

A Festa do Cinema Italiano é organizada pela Associação Il Sorpasso, com o apoio da Embaixada de Itália, do Instituto Italiano de Cultura de Lisboa, da Câmara Municipal de Lisboa e da EGEAC. Entre os apoios privados: FIAT (FCA Group), patrocinador principal, a Pasta Garofalo, a Generali Seguros, a Campari e a TNT.
 

DESTAQUES DE PROGRAMAÇÃO:

Este ano, o festival presta homenagem, em colaboração com a Cinemateca Portuguesa, a Nanni Moretti, com uma retrospetiva completa de longas-metragens e uma seleção de curtas-metragens do realizador. Uma oportunidade para ver em sala grandes sucessos estreados nos cinemas portugueses mas também obras inéditas no nosso país, nomeadamente algumas curtas-metragens e documentários, incluindo a antestreia nacional do seu último filme, Santiago, Italia.

Sessão de abertura – antestreia
Em antestreia portuguesa, o último trabalho de Paolo Virzì, Notti magiche (Noites Mágicas) – filme sobre a passagem que o cinema italiano viveu no princípio dos anos 1990 quando a época dos grandes mestres estava a concluir-se e uma nova leva de autores, ainda sem muita experiência, recebia esta pesada responsabilidade.

Sessão de encerramento
Euforia, de Valeria Golino, filme apresentado no último festival de Cannes, uma sensível reflexão sobre o amor e o respeito entre dois irmãos tão diferentes quanto próximos nas adversidades da vida.

Panorama
Il primo re, de Matteo Rovere, uma das maiores produções italianas, um filme de grande impacto emotivo sobre a fundação de Roma e as origens do império romano retratadas através da historia dos irmãos Romolo e Remo.

Um filme que mistura ação e espiritualidade, lenda e reconstrução histórica. É apresentado em antestreia nacional no festival.

La paranza dei bambini (Piranhas – Os meninos da Camorra), de Claudio Giovannesi, filme baseado no romance de Roberto Saviano, vencedor do melhor argumento na festival de Berlim deste ano. Um filme – em antestreia nacional - que nos mostra a formação criminal dos jovens que entram no mundo da mafia napolitana.

Troppa grazia (Lucia Cheia de Graça), de Gianni Zanasi, uma original comédia sobre a aparição da Nossa Senhora que, com maneiras muitos diretas e enérgicas, convence a protagonista a seguir o próprio caminho de fé. Bem acolhido no festival de Cannes é uma das antestreias deste ano.

Estão também representadas as últimas obras de alguns dos mais reconhecidos autores italianos como Roberto Andò, convidado do festival, bem como Daniele Luchetti que apresentaram ao público português Una storia senza nome, em competição no passado festival de Veneza e Io sono Tempesta.

Napoli Velata é o último filme do autor italo-turco Ferzan Özpetek, que nos envolve num sensual thriller sobre o mundo da falsificação das obras de arte.

Há ainda a exibição da versão original dividida em duas partes do último filme de Paolo Sorrentino sobre a vida de Silvio Berlusconi (Loro 1 e Loro 2). Esta versão integral é inédita em Portugal.

Espaço também para a comédia e os grandes sucessos de público da passada temporada onde estão em destaque Moschettieri del re: La penultima missione, de Giovanni Veronesi, paródia com os mosqueteiros criados por Alexandre Dumas, e a antestreia nacional de Moglie e marito (Mulher e Marido), de Simone Godano, uma inteligente comédia sobre a troca de corpos e de personalidades de um casal em crise.

Competição
Este ano, são sete as obras em competição, uma seleção cuidadosa que demostra mais uma vez o bom estado de saúde da nossa cinematografia.

Surpresas como Bangla de Phaim Bhuiyan, sobre a complicada descoberta da sexualidade de um rapaz originário do Bangladesh dentro de um contexto as vezes demasiado liberal como o italiano, Likemeback de Leonardo Guerra Seràgnoli, que retrata a obsessão que três raparigas têm sobre a própria imagem nas redes sociais, um filme que angustia e seduz ao mesmo tempo e Menocchio de Alberto Fasulo sobre a luta que um moleiro herético enfrenta contra a inquisição católica para defender a própria liberdade de pensamento. Os três realizadores (um deles realizador e ator protagonista - Bengla) estarão presentes em Lisboa para apresentar o filme, durante o festival.

Em competição estão ainda Figlia mia, de Laura Bispuri, Ovunque proteggimi, de Bonifacio Angius, Mamma + Mamma, de Karole Di Tommaso e La terra dell’abbastanza, de Damiano D’Innocenzo e Fabio D’Innocenzo. 
 

Sessões especiais

A Grande Arte no Cinema, o ciclo de filmes sobre a arte italiana e mundial integra o festival através de um conjunto de títulos de grande interesse sobre a vida de artistas como Michelangelo, Tintoretto e Leonardo Da Vinci em ocasião dos 500 anos da sua morte.

The Man Who Stole Banksy, de Marco Proserpio, explica-nos através da voz de Iggy Pop a mercantilização da obra de Banksy e a inutilidade de mostrar a sua obra fora do contexto onde foi criada.

Make Italy Great Again – A Itália não é um pais racista - é uma secção especial que dedicamos a filmes que retratam como, em Itália, apesar de um clima político e social adverso, existem ainda pessoas e movimentos que lutam para tornar este país uma terra acolhedora para quem precisa e está à procura de um porto seguro.


Piccolini
Filmes, oficinas com curtas-metragens de animação e atividades para os mais novos. Uma oportunidade para os mais pequenos conhecerem o mundo infantil italiano. Este ano, é apresentado Leo Da Vinci: missione Monna Lisa, filme de animação de Sergio Manfio.


Eventos Paralelos

A música tem um destaque particular nesta edição da Festa. Em estreia absoluta, é apresentada a última composição de Pedro Teixeira da Silva, primeiro violino da orquestra do Teatro São Carlos e fundador da banda Os Corvos, que leva ao Cinema São Jorge 4 Canções Italianas, músicas para piano e soprano - Cristiana Oliveira - inspiradas em quatro poemas italianos.

Fabrizio De André, um dos grandes cantautores da música italiana, é lembrado por ocasião dos 20 anos do seu desaparecimento, com um concerto inédito, leituras dos seus poemas e um filme sobre a sua vida: Fabrizio De André, Principe Libero, de Luca Facchini.

Também a gastronomia marca presença, com algumas novidades: este ano, o já tradicional Cine-Jantar transforma-se: são quatro jantares e realiza-se, pela primeira vez, num cinema: os jantares são no bar/res- taurante do Cinema São Jorge seguido de filme na Sala Manoel de Oliveira, uma conversa em torno da comida e aperitivos com concertos todos dedicados à música italiana (Domenico Imperato, Francesco Valente e Mick Mengucci, Faya com Nicolas Farruggia e Stephan Schrader, La Miséria Deluxe e João Lima, Kilôko, Andrea Musio e Fernando Giardini)

 

Bilhetes e informações

Em Lisboa, os bilhetes custam 4,5€ (bilhete normal) e 3,5€ (<25 >65 anos), no Cinema São Jorge e Cinemas UCI - El Corte Inglés e 3,20€ na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema.

Os bilhetes para as sessões A Grande Arte no Cinema custam 10€.
Os bilhetes para o concerto 4 Canções Italianas custam 10€.
Cadernetas de vouchers: 20€ (5 bilhetes) e 35€ (10 bilhetes)

Todas as novidades e informações sobre a programação do festival podem ser acompanhadas no site www.festadocinemaitaliano.com e na página de Facebook (facebook.com/festadocinemaitaliano).

Terras sem Sombra em Reguengos de Monsaraz: Mostra Espanha e Olival tradicional versus intensivo em destaque

62e8c1aa-3a37-4d7d-baca-3f92deb06adb.jpeg

Novo destino: Reguengos de Monsaraz
Mostra Espanha e Olival tradicional versus intensivo em destaque

O festival inaugura a sua presença em Reguengos de Monsaraz a 23 e 24 de Fevereiro, propondo um fim-de-semana bastante diversificado que traz ao coração da região um dos mais reputados ensembles de música da câmara da actualidade, o Trío Arbós. Este concerto é também o primeiro acto de Mostra Espanha 2019, resultado da colaboração bilateral luso-espanhola. A um programa musical de excelência unem-se ecos da pintura mural do tempo de D. Manuel I, entre a estética e a política, e uma estimulante leitura das paisagens de um concelho impar, hoje banhado pelo lago Alqueva, onde coexistem tradição e modernidade. Numa parceria com o Município, o Terras sem Sombra põe em destaque a identidade de um território único.

A manhã de domingo, 24, será dedicada, a partir das 9h30, à interpretação da paisagem do concelho de Reguengos de Monsaraz, sob a orientação dos geógrafos Teresa Pinto Correia e José Muñoz-Rojas. Tradicionalmente, dominava o montado, sobretudo de azinho, com produção pecuária e associado a áreas de cereais. Em contraste, a vinha e o olival tradicional ocupavam inúmeras parcelas dedicadas a uma pequena agricultura familiar. 
Porém, nas últimas décadas esta estrutura registou importantes alterações. A vinha tem-se expandido em unidades de produção mais especializada, que visam já um mercado global. O olival tradicional perdura, mas foram instaladas outras parcelas com produção intensiva e super-intensiva. Complementarmente, a albufeira do lago Alqueva trouxe uma transformação marcante. Pensando no futuro e na própria qualidade de vida de quem vive nesta paisagem e quem com ela se relaciona, interessa entender tais dinâmicas, avaliar o que se perde e o que se ganha e que desafios se colocam a uma gestão integrada. 

Todas as actividades, organizadas em parceria com o Município de Monsaraz, são de acesso livre e sem inscrição prévia, partindo o Terras sem Sombra a seguir para Valência de Alcântara, Olivença, Beja, Elvas, Cuba, Ferreira do Alentejo, Odemira, Barrancos, Santiago do Cacém e Sines. 

Aproxima-se novo concerto do Rhodes Festival de Inverno

No âmbito da segunda edição do Rhodes Festival de Inverno, que arrancou em Lisboa no passado dia 25 de janeiro, venho por este meio solicitar a vossa colaboração na divulgação do próximo concerto do evento. Orlando Santos (Soul/Blues) promete encantar o Auditório LEAP, do Espaço Amoreiras, na próxima sexta-feira, dia 15 de fevereiro, pelas 21h30.

Orlando Santos (Leap).jpg

 

Os bilhetes já estão disponíveis aqui: https://bit.ly/2LpVfwTe e também nas Agências de Viagens Abreu, lojas El Corte Inglés, Fnac, Galeria Comercial do Campo Pequeno e Worten.

EMIR KUSTURICA & THE NO SMOKING ORCHESTRA NO NORTH MUSIC FESTIVAL

EMIR KUSTURICA & THE NO SMOKING ORCHESTRA NO NORTH MUSIC FESTIVAL

 

image002.png

 

O cineasta de culto e músico junta-se aos já confirmados Bush e atua com a sua banda na Alfândega do Porto, a 24 de maio.

 

Ainda há bilhetes disponíveis, com preço especial de antecipação, até 17 de fevereiro.

O sérvio Emir Kusturica é a mais recente confirmação para o cartaz do North Music Festival, que tem a sua 3.ª edição nos dias 24 e 25 de maio, na Alfândega do Porto. O autor dos célebres filmes Gato Preto, Gato Branco ou O Tempo dos Ciganos, que já se afirmou como músico talentoso, regressa a Portugal com a sua The No Smoking Orchestra para um concerto à beira do Douro, no primeiro dia do festival (24 de maio) – dia em que também atuam, no mesmo palco, os britânicos Bush.

 

Com um estilo gypsy rock, Emir Kusturica & The No Smoking Band são velhos conhecidos do público português. Das suas anteriores visitas a Portugal fazem parte várias salas esgotadas e concertos memoráveis, que fazem jus à palavra “festa”. Em maio deste ano a banda liderada pelo cineasta-músico volta a pisar palco português, trazendo um reportório carregado de clássicos onde certamente não faltarão temas que fazem dos filmes de Kusturica, como “Underground”, “Black Cat, White Cat”, “Gypsy Time” ou “The Arizona Dream”.  

 

Criado em 1980 na cidade de Sarajevo, o projeto musical de Emir Kusturica é, hoje, um dos principais representantes da música balcânica.

 

Os bilhetes para o North Music Festival já se encontram à venda, nos locais habituais. Até 17 de fevereiro é possível adquirir bilhetes diários e passes para os dois dias com um preço especial (32€ e 55€, respetivamente). Após essa data, os bilhetes diários passam a custar 35€ e o passe de dois dias 59€.

 

Recorde-se que além dos concertos no Palco Principal (Emir Kusturica & The No Smoking Orchestra e Bush – 24 de maio; Franz Ferdinand, Bastille e Capitão Fausto – 25 de maio), no recinto haverá também um palco indoor “fora de horas” e um palco sunset para aquecer o ambiente logo a partir da abertura de portas, além de duas zonas de restauração (uma interior e outra exterior, dedicada a propostas street food), wine gardens com provas de vinho e outras experiências.

 

 

XV FESTIVAL INTERNACIONAL DE BANDA DESENHADA DE BEJA | 31 de maio a 16 de junho de 2019

image007.jpg

 

A 15ª edição do Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja realiza-se entre os dias 31 de maio e 16 de junho de 2019.

 

Inaugura no dia 31, sexta-feira, às 21h00, na Casa da Cultura, o núcleo principal.

 

São 20, as exposições, com autores de muitas partes do Mundo: Bélgica, Brasil, Colômbia, Espanha, Estados Unidos da América, França, Holanda, Inglaterra e Portugal.

 

O Festival oferece ainda aos visitantes uma Programação Paralela bastante diversificada: apresentação de projetos, conversas à volta da BD, lançamento de livros, sessões de autógrafos e concertos desenhados. Terá também à disposição de todos o Mercado do Livro, com mais de 70 editores presentes, venda de arte original, venda de merchandising, etc.

 

Na sexta-feira, dia 31 de maio e no sábado, dia 1 de junho, as noites são de concertos desenhados (a programação só termina às 4h00 da manhã).

 

O primeiro fim-de-semana (31 de maio a 2 de junho) reunirá os autores representados nas exposições.

 

Em breve teremos à disposição de todos a Programação Paralela do Festival organizado pela Câmara Municipal de Beja – Bedeteca de Beja.

 

 

AUTORES PRESENTES EM BEJA DE 31 DE MAIO A 2 DE JUNHO:

Alberto Varanda e Olivier Vatine / Alcimar Frazão / Altarriba e Kim / Benjamin Benéteau, Denis Lapière e Marc Bourgne / Dany / David Sala / Fabio Zimbres / Luís Cruz Guerreiro / Miguel Ángel Martín / Mosi e Nuno Duarte / Paul Duffield / Pedro Brito / Pedro Serpa / Peter van Dongen / Rita Alfaiate / Tyler Crook / Véte / Autoras da coletiva Nódoa Negra

 

 

 

AS EXPOSIÇÕES

 

ALBERTO VARANDA E OLIVIER VATINE - A MORTE VIVA – Portugal/França

 

ALCIMAR FRAZÃO – Brasil

 

ALTARRIBA E KIM – Espanha

 

AS AVENTURAS DE JERÍLIO NO SÉCULO XXV (2ª parte), de Luís Cruz Guerreiro – Portugal

 

BENJAMIN BENÉTEAU, DENIS LAPIÈRE E MARC BOURGNE - A 200 À HORA COM MICHEL VAILLANT – Bélgica/França

 

DANY – Bélgica

 

DAVID SALA – França

 

EDUARDO TEIXEIRA COELHO – Portugal

 

FABIO ZIMBRES – Brasil

 

MIGUEL ÁNGEL MARTÍN – Espanha

 

MOSI E NUNO DUARTE – Portugal

 

NÓDOA NEGRA (Exposição coletiva) – Brasil/Colômbia/Portugal

 

PAUL DUFFIELD – Inglaterra

 

PEDRO BRITO – Portugal

 

PEDRO SERPA – Portugal

 

PETER VAN DONGEN – Holanda

 

RITA ALFAIATE – Portugal

 

TYLER CROOK - BEM-VINDOS A HARROW COUNTY – Estados Unidos da América

 

VÉTE - O HOMEM POLVO – Portugal

 

 

 

OUTROS CONVIDADOS:

 

ENRIQUE SÁNCHEZ ABULÍ (Autor) – Espanha

 

FABIO MORAES (Especialista na obra de Jayme Cortez e de Eduardo Teixeira Coelho) – Brasil