Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

3ª EDIÇÃO | CUMPLICIDADES 2020 - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa

E começa já na próxima sexta-feira, 6 de Março, o Festival CUMPLICIDADES - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa, de 6 a 21 de Março.  

CANAN YUCEL PEKICTEN_MDM.jpg

 

O curador desta edição é o artista plástico André Guedes e para a  edição do CUMPLICIDADES foi escolhido o termo Multiverso, como conceito agregador das propostas nacionais e internacionais da nova edição. Encontrámo-lo na diversidade de linguagens, biografias, cronologias e distintas geografias – locais, regionais e transnacionais – dos artistas aqui reunidos.

No momento histórico presente, o CUMPLICIDADES, enquanto plataforma artística, deseja contribuir para a convocação de um humanismo anti-nacionalista, uma prática da diversidade na qual os direitos humanos e democráticos serão denominadores comuns, elementares e essenciais.

 

Serão apresentados:

- 27 Espetáculos de artistas emergentes e consagrados, nacionais e internacionais

- 3 Conversas públicas (Talks)

- 5 Workshops

- 1 Exposição

- 3 Apresentações Work in progress (Estúdio Abertos)

- 2 atividades de Projeto Educativo (projeto Dançar a Memória e Passaporte de Dança (de 180 aulas gratuitas, em 40 escolas de 16 Juntas de Freguesia de Lisboa, de 2 a 7 de Março).

 

- 5 Estreias Absolutas - Sara Anjo e Teresa Silva (PT), Josefa Pereira (PT), David Marques (PT), João Penalva (PT), Carlota Lagido (PT).

- 6 Estreias em Lisboa - Canan Yücel Pekiçten (TU), Raúl Maia (AUS/PT), Khouloud Yassine (LB), Sina Saberi (IR), Catarina Miranda (PT), Adriana Grechi (BR/PT)

 

Um total de 52 apresentações dirigidas a distintas faixas etárias.

Primeiro Festival Ecovídeo de Lisboa irá decorrer em setembro

image_viewer.php.jpg

 

Chamada para vídeos

LISBOA NATURA 2020, 1º festival ecovídeo de Lisboa

 

Está aberta até 15 de abril a chamada para vídeos destinados a integrar o primeiro festival ecovídeo de Lisboa, o Lisboa Natura 2020, que irá ter lugar em setembro na Estufa Fria.

Promovido pela Videoteca do Arquivo Municipal de Lisboa, este festival integra o programa da Lisboa Capital Verde Europeia 2020, e tem como objetivo promover a reflexão, discussão e disseminação de temáticas ambientais e animais especificamente relacionadas com a capital portuguesa. 

Tomando a linguagem vídeo como suporte criativo, LISBOA NATURA 2020 é uma proposta de leitura, registo e memória da Natureza na cidade de Lisboa, que incentiva a documentação de realidades do mundo natural passado e presente mas também de novas paisagens, sentidos e conteúdos, possíveis ou idealizáveis. 

 

Os criadores e o público são convidados a partilhar ideias sobre a Natureza da cidade e na cidade; a pensar esse espaço, vivenciado e percetível em retratos do real mas também nos domínios do desejável e do imaginado. 

 

Memória ambiental ou novas imagéticas; o espaço público – jardins, parques, miradouros, ruas, Tejo - património histórico e cultural; espaço público/espaço privado; espaço natural/espaço urbano; novos cenários e situações ideais para a cidade; utopias e distopias; domínios científico, artístico, ativista; a luz, o som; ambientes da cidade e o arquivo natural são os tópicos lançados para os conteúdos temáticos dos vídeos a produzir, ou com data de produção posterior a 2015 (inclusive). 

 

As obras participantes deverão ter uma duração máxima de 15 minutos, e irão constituir um Arquivo ecovideográfico em plataforma digital da Câmara Municipal de Lisboa.

 

A inscrição de participação e submissão de propostas decorre até 15 de abril de 2020, através de formulário próprio, disponível em linha na página do Arquivo Municipal de Lisboa: http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/eventos/lisboa-natura-2020/

 

A seleção incidirá sobre trabalhos videográficos que abordem as ambiências e potencialidades da cidade de Lisboa nos domínios vegetal, mineral e animal. 

Do júri do Festival fazem parte Ilda Teresa de Castro, Inês Gil, Paula Craveiro, Lauro António e Teresa Castro, especialistas na área do cinema e do ambiente.

 

Os vídeos selecionados serão exibidos no primeiro festival ecovídeo da capital portuguesa, LISBOA NATURA 2020, a decorrer na Estufa Fria nos dias 18, 19, 25 e 26 de setembro de 2020.

 

Organização: Arquivo Municipal de Lisboa | Videoteca

 

Regras de participação disponíveis em linha:  

http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/eventos/lisboa-natura-2020/regras-lisboa-natura-2020/

 

Metro de Lisboa recebe mostra do Festival Cumplicidades 2020

 

Espetáculos de dança contemporânea vão invadir as estações

O Festival Cumplicidades 2020 - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa traz até ao metro uma mostra da sua arte, com três atuações em três estações diferentes. Este evento acontece já na próxima sexta-feira, dia 28, e trata-se de uma parceria estabelecida entre o Metropolitano de Lisboa e a organização do Festival Cumplicidades 2020 - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa.

As atividades terão lugar nas estações Alameda, Marquês de Pombal e Cais do Sodré entre as 16h00 e as 18h30 de acordo com o seguinte programa:

Estação: Alameda (átrio linha vermelha, zona paga)

Horário: 16h00/ 18h00

Grupo: Little Big Apple

Dinâmica: três músicos ao vivo (acústico), performance e aula aberta de dança

 

Estação: Marquês de Pombal (átrio linha amarela, zona paga)

Horário: 17h30/ 18h30

Grupo: Espaço Baião

Dinâmica: aula de dança aberta

 

Estação: Cais do Sodré (junto fonte seca, zona não paga)

Horário: 17h30/18h30

Grupo: Swing Station

Dinâmica: Aula aberta de Lindy Hop

 

O Cumplicidades 2020 configura-se como um novo acontecimento em cada edição, variando no formato e na linha programática, tendo este ano o artista plástico André Guedes como curador convidado.

O festival contempla artistas portugueses e estrangeiros, emergentes ou reconhecidos, com a cumplicidade de programadores e parcerias renovadas ou inéditas.

 

Sobre o Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa - CUMPLICIDADES

De 6 a 21 de março, o CUMPLICIDADES - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa, volta às ruas da capital. Nesta terceira edição o festival amplia o número de artistas, espetáculos, workshops e atividades paralelas agregados em torno do conceito «Multiverso».

Na edição de 2020 do Cumplicidades serão apresentados 27 espetáculos; três conversas públicas (as Talks); cinco Workshops; uma Exposição; três apresentações Work in Progress (Estúdios Abertos); duas atividades de Projeto Educativo (projeto Dançar a Memória e Passaporte de Dança com mais de 180 aulas gratuitas, em 40 escolas em 16 juntas de freguesia de Lisboa).

Primeira banda confirmada e resultados do estudo de públicos

NEON SOHO: PRIMEIRA BANDA CONFIRMADA NO BONS SONS 2020

neon-soho.jpg

termometro-c-beatrizpequeno.jpg

Neon Soho (que anteriormente utilizava o nome Soho Soho) é a primeira banda confirmada no BONS SONS 2020, por ter sido a vencedora do Festival Termómetro, que decorreu no passado sábado, em Lisboa.

Como tem acontecido nos anos anteriores, um dos prémios do Festival Termómetro – que este ano comemorou 25 anos – é a atuação no BONS SONS.

Os Neon Soho são Ana Vieira, Vera Condeço e Ricardo Cruz, nova banda de Lisboa de pop electrónico, com influências desde o synth-pop à música de dança e ao soul. Após o EP Home, lançado em 2019, o primeiro álbum deste trio será lançado este ano, com a produção de Rui Maia (X-Wife).

O júri do 25.º Festival Termómetro foi composto pelos músicos Benjamim, Noiserv e Pedro de Tróia, Tiago Ribeiro (Antena 3), Tiago Castro (SBSR), Paulo Lázaro (SBSR) e Nelson Ferreira (Rádio Observador), Fernando Alvim e António Nunes, do Festival Termómetro, e João Rufino, em representação do BONS SONS.

Antes da final, em Lisboa - disputada entre Bia Maria, Flor, Foggy, Rope Walkers e Soho Soho, e que contou com os First Breath After Coma como banda convidada - houve semi-finais em Bragança, Funchal, Aveiro, Matosinhos, Cascais, Viseu, Santa Maria da Feira e Madrid.

ESTUDO DE PÚBLICOS
BONS SONS: O PONTO DE ENCONTRO DA MÚSICA PORTUGUESA RECOMENDADO POR TODOS

publico-1-veramarmelo.jpg

 

Segundo o estudo de análise do público realizado junto de uma amostra dos visitantes da última edição do BONS SONS verifica-se, mais uma vez, a diversidade dos seus visitantes. Pessoas de várias regiões, de diferentes idades, juntam-se entre amigos e familiares para viverem a aldeia de diferentes formas.

Todos recomendam e querem regressar ao BONS SONS.
O gosto pela música é evidente, bem como a ideia de que o festival é, para o seu público, um ponto de encontro. Mais de 85% dos inquiridos ouvem música todos os dias no seu dia-a-dia e nos tempos livres e cerca de 100% referem que querem regressar ao BONS SONS e recomendá-lo a amigos.

A última edição – que contou com 33.800 visitantes, acolhidos por uma equipa alargada de 520 pessoas, 50 espetáculos de música e dezenas de atividades paralelas no perímetro da aldeia de Cem Soldos - atraiu pessoas de norte a sul do país e além-fronteiras.

O BONS SONS 2019 foi visitado por pessoas de mais de 110 cidades portuguesas e de 9 países.
Houve visitantes de mais de 110 cidades nacionais e de 9 países (Bélgica, Brasil, Colômbia, França, Itália, Polónia, Espanha, Ucrânia e Reino Unido). Em termos globais, a região do Médio Tejo destaca-se como a região mais expressiva com 39% dos visitantes, seguida pelos visitantes nacionais (37%), nos quais se destaca público do Porto e da região Norte e pelos visitantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo (24%).

O BONS SONS é o ponto de encontro de diferentes gerações que se juntam para ouvir música portuguesa durante quatro dias.
Segundo o estudo, registou-se a presença de visitantes com idades compreendidas entre os 4 e os 76 anos de idade, e uma média de idade de 31 anos. Decompondo a amostra em grupos etários, constata-se que a categoria dos jovens (entre os 17 e os 25 anos) foi a faixa etária mais representada (36,5%). Mais de metade dos visitantes tem idade acima dos 25 anos, com o grupo etário composto por jovens adultos (26-35 anos) presente em 32,5% e os adultos (+35 anos) representados por 27,2%.

O BONS SONS é vivido em grupo e em comunidade.
83% dos visitantes referem ser importante ou totalmente importante vir pela atmosfera única vivida no festival e 76% vêm para estar com os seus amigos, os quais chegaram em grupos de 5 ou mais pessoas. Sendo um festival para todas as idades, aproximadamente 10% dos visitantes questionados vieram acompanhados por crianças. Verificou-se também que o BONS SONS recebe de forma equilibrada estreantes (53%) e conhecedores (47%) do festival.

Público do BONS SONS muito ou extremamente satisfeito.
De um modo geral, 89% os visitantes sentem-se muito ou extremamente satisfeitos com o BONS SONS, destacando pontos do festival como a programação musical e as pulseiras cashless.

20% da população portuguesa viu ou ouviu notícias sobre o BONS SONS
Em termos mediáticos, segundo a Cision, o festival gerou cerca de 1.600 de notícias, que chegaram aproximadamente a 20% da população portuguesa, produzindo impacto mediático de um valor estimado de 2 milhões de euros.

O BONS SONS NA REGIÃO

 

Atendendo a que em 2019 foi definido um limite máximo de visitantes inferior ao ano anterior, os resultados mostram ainda assim, e de acordo com o estudo, um total de benefícios económicos e sociais na região de Tomar na ordem dos 3.5 milhões de euros.

Em termos económicos, em grande medida, este valor é resultado da dinâmica gerada com base na atração de visitantes ao concelho de Tomar. Estima-se, por exemplo, que os montantes relacionados com as despesas de alojamento, bem como dos gastos em restauração na região pelos visitantes não residentes no concelho, tenham gerado valores próximos a 200 mil euros.

Tendo sido a 10.ª edição, uma efeméride comemorativa, tal repercutiu-se na produção do BONS SONS, no qual existiu um aumento dos gastos diretos na aquisição de bens e serviços e empresas, gerando um benefício económico direto na economia na ordem dos 260 mil euros.

BILHETES À VENDA

Os bilhetes estão à venda por 35€ até final de março. É sempre importante ter em conta que os bilhetes de cada fase têm um número de unidades limitado e podem esgotar antes de terminar cada uma das fases. Esgotado o número de bilhetes da fase em curso, passam a vigorar os valores da fase seguinte.

 

PASSE 4 DIAS
35€   JANEIRO — MARÇO
45€   ABRIL — JULHO
50€   AGOSTO*

BILHETE DIÁRIO
25€   AGOSTO*

Bilhetes à venda nos locais habituais.
* Também disponível nas bilheteiras do recinto

 

 

LIVRO À VENDA

BONS SONS X 10: UMA ALDEIA EM MANIFESTO
Livro que celebra os 13 anos e as 10 edições do BONS SONS

Produzido em parceria com as Edições Escafandro, o livro faz o percurso do festival e retrata os artistas que fizeram parte da sua história, desvendando curiosidades, momentos felizes, dramáticos e relatos inéditos sobre tudo o que lá se passou. Com ilustrações de Ângela Vieira, Joana Ray, Nuno Saraiva, Pedro Brito e Silvia Belli e textos de Rita Nabais, Nuno Matos Valente e João Neves. À venda, por 12,50€ no  site da Escafandro, sede do SCOCS e algumas livrarias.

 

 

 

 

 

 

BONS SONS TIXA

 

 

vem viver a aldeia

 

 

 
Contactos
imprensa@bonssons.pt
 Helena César
Imprensa nacional
 João Silva
Imprensa regional
 
DESCARREGAR IMAGENS + INFORMAÇÕES

 

 

 

Em Março | 3ª EDIÇÃO - Festival CUMPLICIDADES 2020

Festival CUMPLICIDADES - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa, regressa este ano de 6 a 21 de Março. Juntamente com o Festival regressa também o Passaporte da Dança de 2 a 7 de Março com mais de 110 aulas gratuitas.

CANAN YUCEL PEKICTEN_MDM (1).jpg

 


Para a  edição do CUMPLICIDADES foi escolhido o termo Multiverso como conceito agregador das propostas nacionais e internacionais da nova edição. Trazendo-o para o contexto do próximo festival, encontrámo-lo na diversidade de linguagens, biografias, cronologias e distintas geografias – locais, regionais e transnacionais – dos artistas aqui reunidos.

No momento histórico presente, o CUMPLICIDADES, enquanto plataforma artística, deseja contribuir para a convocação de um humanismo anti-nacionalista, uma prática da diversidade na qual os direitos humanos e democráticos serão denominadores comuns, elementares e essenciais.

 

A programação nacional nesta edição está a cargo de André Guedes

 

Serão apresentados:

- 27 Espetáculos de artistas emergentes e consagrados, nacionais e internacionais

- 3 Conversas públicas (Talks)

- 5 Workshops

- 1 Exposição

- 3 Apresentações Work in progress (Estúdio Abertos)

- 2 atividades de Projeto Educativo (projeto Dançar a Memória e Passaporte de Dança com + de 110 aulas gratuitas, em 40 escolas em 16 Juntas de Freguesia de Lisboa).

 

- 5 Estreias Absolutas - Sara Anjo e Teresa Silva (PT), Josefa Pereira (PT), David Marques (PT), João Penalva (PT), Carlota Lagido (PT).

- 6 Estreias em Lisboa - Canan Yücel Pekiçten (TU), Raúl Maia (AUS/PT), Khouloud Yassine (LB), Sina Saberi (IR), Catarina Miranda (PT), Adriana Grechi (BR/PT)

 

Um total de 52 apresentações dirigidas a distintas faixas etárias.

+ infos em www.festivalcumplicidades.pt

BONS SONS 2020, de 13 a 16 de agosto

Em 2020, o BONS SONS realiza-se de 13 a 16 de agosto, na aldeia de Cem Soldos, concelho de Tomar.

Este ano, dá-se início ao terceiro ciclo na vida do BONS SONS e é altura de dar lugar a uma nova geração de pessoas, que cresceu com o festival e é também o resultado do trabalho de formação e capacitação realizado ao longo dos anos. Uma nova geração que conduz uma equipa intergeracional, num festival com novas lideranças, nomeadamente, na direção artística e na coordenação de áreas como a programação, a técnica e a logística.

Neste sentido, Miguel Atalaia é o novo diretor artístico do BONS SONS, sucedendo a Luís Ferreira, fundador e diretor artístico do festival desde 2006.

Integrando a equipa do festival, desde o início do segundo ciclo, em 2014, Miguel Atalaia tem sido responsável pelas atividades que envolvem a comunidade de Cem Soldos e tem feito parte da equipa de comunicação, sendo um dos designers do festival. Pertence à direção do SCOCS – Sport Club Operário de Cem Soldos - associação responsável pela organização do BONS SONS - desde a mesma altura, e da qual é, agora, o novo presidente.

Depois de uma edição em cheio, com 33.800 visitantes, mais de 50 concertos, cerca de 80 espetáculos e atividades paralelas, 250 artistas, mais de 500 voluntários envolvidos, um documentário e um livro, numa verdadeira aldeia em manifesto, com muita música, dança, histórias encenadas, performances, instalação fotográfica, conversas, debates, jogos tradicionais, burros de Miranda, percursos artísticos, oficinas de música, visitas guiadas e um mural, chegamos ao 11.º BONS SONS.

Até 2019, foram treze anos, dez edições e cumpriram-se dois ciclos na vida do festival, entre 2006 e 2019 - cada um composto por cinco edições cada. Um primeiro ciclo com edições bienais e, partir de 2014, anuais, por onde passaram centenas de concertos e atividades especiais, centenas de milhares de visitantes, muitos milhares de horas de trabalho, dezenas de prémios e milhões de emoções.

Inicia-se, assim, uma nova fase no BONS SONS, com novas ideias, novas orientações, novas gerações, novas lideranças, mas também com a mesma lógica de pensamento e continuidade, o mesmo empenho, o mesmo amor, o mesmo sentimento de partilha com artistas, parceiros e visitantes, a mesma vontade de inovar em cada edição, o mesmo foco na capacitação e formação, o mesmo e incrível espírito de comunidade e de intergeracionalidade, na mesma aldeia em manifesto de sempre.

Um festival e uma aldeia que existem e continuam a querer existir pela contemporaneidade no campo, por uma plataforma cultural, pelo planeamento do território, pela cidadania participativa, pelo envelhecimento ativo, pelo ensino em comunidade, por projetos de território, por uma ação sustentável, pela criação de espaço público e pela cultura popular.

BILHETES À VENDA

Os bilhetes para o BONS SONS 2020 já estão à venda e, como sempre, quem compra primeiro, compra mais barato. E porque não são assim tantos, há que garantir o lugar. É importante ter em conta que cada fase tem um número de unidades limitado e os bilhetes podem esgotar antes de terminar a data de cada uma das fases. Esgotado o número de bilhetes da fase em curso, passam a vigorar os valores da fase seguinte.
 

PASSE 4 DIAS

35€ JANEIRO - MARÇO
45€ ABRIL - JULHO
50€ AGOSTO*
 

BILHETE DIÁRIO

25€ ABRIL – AGOSTO

Bilhetes à venda nos locais habituais.
* Também disponível nas bilheteiras do recinto

LIVRO À VENDA

BONS SONS X 10: UMA ALDEIA EM MANIFESTO
Livro que celebra os 13 anos e as 10 edições do BONS SONS

Produzido em parceria com as Edições Escafandro, o livro faz o percurso do festival e retrata os artistas que fizeram parte da sua história, desvendando curiosidades, momentos felizes, dramáticos e relatos inéditos sobre tudo o que lá se passou. Com ilustrações de Ângela Vieira, Joana Ray, Nuno Saraiva, Pedro Brito e Silvia Belli e textos de Rita Nabais, Nuno Matos Valente e João Neves.
À venda, por 12,50€ no site da Escafandro, sede do SCOCS e algumas livrarias.


VEM VIVER A ALDEIA

www.bonssons.com

 

 

1º Festival de Cinema Documental de Braga | Iniciativa envolve mais de 3500 alunos em idade escolar para promover a alfabetização através da Sétima Arte

José Teixeira (dstgroup)- Dobra.jpg

 

DOBRA decorre no Espaço Vita, conta com o dstgroup como mecenas e apoio do Porto/Post/Doc

FESTIVAL DE CINEMA DOCUMENTAL DE BRAGA

Realiza-se nos dias 25 e 26 de novembro

*Cariz essencialmente pedagógico para combater o analfabetismo das imagens

 *Iniciativa envolve mais de 3500 alunos da cidade

 

DOBRA é o nome do Festival de Cinema Documental de Braga, que decorre pela primeira vez, em Braga, entre os dias 25 e 26 de novembro, numa iniciativa promovida pela equipa do Plano Nacional de Cinema do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante (PNC-AECA), em colaboração com o Espaço Vita e com mecenato do dstgroup.

Com programação maioritariamente dedicada ao público escolar, desde o Jardim de Infância ao Ensino Secundário, o DOBRA destaca-se por ser um festival de cinema diferenciador com uma missão essencialmente pedagógica, que se propõe trabalhar a alfabetização através do cinema, combatendo assim o analfabetismo das imagens. Para além disso, oferece uma programação diversificada e segmentada para diversas tipologias de público, visando assim aproximar pedagogicamente todos os públicos da sétima arte.

A programação desta primeira edição conta com a assinatura do Porto/Post/Doc, cuja experiência na organização de eventos de promoção de cinema documental é já sobejamente reconhecida.

O evento decorre durante dois dias no Espaço Vita e prevê a exibição gratuita de nove sessões de cinema, oito para o público escolar e uma para o público, em geral. Para além dos alunos do AECA, a iniciativa estende-se também aos estudantes dos agrupamentos de Escolas Francisco Sanches e Sá de Miranda, assim como aos alunos da Escola Artística Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. No total, um universo de 3600 alunos da cidade de Braga terão a possibilidade de participar nesta iniciativa, que se destina a aproximar este público do cinema, através da divulgação de obras cinematográficas nacionais previstas no programa do Plano Nacional de Cinema.

DOBRA com programação variada para crianças em diferentes idades escolares

No dia 25, a partir das 9h30, os alunos do 2º ciclo terão a oportunidade de assistir a uma programação variada, que inclui a exibição de filmes como DvaTramvaya", de Svetlana Andrianova, "Le Renard Minuscule", de Aline Quertain, SylwiaSzkiladz, "Le Lion Et Le Singe", de Benoit Feroumont, "Snowflake", de Natalie Chernysheva, "Paniek!", de Joost Lieuwma e Dann Velsink, "The Bird & The Whale", de Carol Freeman, "Hors Piste", de Léo Brunel, Loris Cavalier, Camille Jalabert e OscarMalet, e "VivatMusketeers!", de Anton Dyakov.

Às 11h30, cabe ao público do pré-escolar e do 1º Ciclo assistir, no Espaço Vita, aos filmes "Coucouleurs", de Oana Lacroix, "SamsDream", de Nolween Roberts, "Le Tigre SansRayures", de Raul Robin Morales Reyes, "Sloth", de Julia Ocker, e "La Petite Pousse", de Chaitane Conversat.No dia 26, de manhã, o DOBRA é dedicado aos alunos do 3º Ciclo com uma programação que contempla obras como "Viagem a Cabo Verde", de José Miguel Ribeiro, "Kali, O Pequeno Vampiro", de Regina Pessoa, "Água Mole", de Alexandra Ramires (Xá) e Laura Gonçalves, "Gambozinos", de João Nicolau, "Russa", de João Salaviza e Ricardo Alves Jr.

"Transnistra", de AnnaEborn, em Competição na edição de 2019 do Porto/Post/Doc 2019, é o filme escolhido pela organização para os alunos do ensino secundário, com exibição dupla prevista para as tardes de segunda e terça-feira, às 14 e às 16 horas.

No último dia do DOBRA, a organização promove uma sessão gratuita aberta ao público convidando a assistir ao filme "Hamada", de Eloy Domínguez Serén, vencedor do Prémio Companhia das Culturas/Fundação Pereira Monteiro para o melhor realizador da Competição Internacional entre autores emergentes do Porto/Post/Doc 2018.

 As sessões decorrem no auditório do Espaço Vita, no coração da cidade, um espaço cultural da Arquidiocese de Braga, que, ao longo dos últimos anos, tem acolhido e promovido diversos eventos culturais, entre os quais se destacam alguns ciclos de cinema, no sentido de educar para os valores e abrir, desde tenra idade, os horizontes do pensamento, razão pela qual a co-organização do DOBRA é mais um contributo que o Espaço Vita presta à comunidade escolar na área do cinema documental.

Para o Presidente do Conselho de Administração do dstgroup “há muito tempo que aguardamos a oportunidade de apoiar um projeto de cinema, de documentário ou de curtas. O desafio já havia sido feito pelo Espaço Vita. Precisávamos de um encontro celeste. O Agrupamento de Escolas Carlos Amarante fez-nos o desafio e a conexão franca do Espaço Vita e do Reverendíssimo D. Jorge Ortiga fez o resto. É uma arte complementar às artes que apoiamos. O público alvo, jovens estudantes interessa-nos. Estão criadas as condições para mais um grande evento cultural em Braga apoiado pelo dstgroup”.

Com esta iniciativa a organização e os parceiros do evento contribuem assim para a promoção e disseminação do programa de literacia para o cinema previsto pelo Programa Nacional de Cinema, que pretende estimular a divulgação de obras cinematográficas nacionais junto do público escolar e garantir instrumentos essenciais, leitura e interpretação de obras cinematográficas junto dos alunos das escolas abrangidas pelo programa.

Festival ExpressArte – XX Encontro de Expressões no concelho da Moita

Festival ExpressArte – XX Encontro de Expressões no concelho da Moita

IMG_9413.jpg

 

O concelho da Moita volta a acolher, nos dias 25 e 26 de novembro, na Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça, na Moita, e a 27 de novembro, no Centro de Experimentação Artística, no Vale da Amoreira, das 10:30h às 12:00h, o Festival ExpressArte – XX Encontro de Expressões Artísticas, promovido pela APPACDM de Setúbal - Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental.

Este Festival tem como objetivo valorizar e divulgar as potencialidades da população com deficiência e agregar, anualmente, várias associações de apoio a pessoas portadoras de deficiência que utilizam as artes com fins terapêuticos, de diversão e inclusão social, fomentando também o envolvimento de outras entidades locais com trabalho na área da deficiência, grupos amadores e profissionais da região, para a troca de experiências e partilha de aprendizagens.

O Município da Moita apoia anualmente, desde 2008, a realização deste Festival com a disponibilização de equipamentos, apoio técnico, audiovisual, logístico, transporte, divulgação, fornecimento de lanches, águas e almoços confecionados no refeitório municipal.

Dirigido aos alunos do 1º ciclo e entidades com trabalho na área da deficiência, o Festival conta com a participação e as atuações de diversas instituições.

 

Programa

 

Dia 25 – Auditório da Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça

Das 10:30h às 12:00h

CERCIMB: Grupo TrupeCAO com o tema “O Tempo não Para”

APPACDM: Grupo Diverte-te e Dança com o tema: “Esta Noite…”

APPACDM: Grupo de Bombos “Bombosapiens”

 

Dia 26 – Auditório da Biblioteca Municipal da Moita

10:30h às 12:00h

CERCIMB: Grupo TrupeCAO com o tema: “O Tempo não Para”

APPACDM: Grupo Move-te com o tema: “Move-te”

APPACDM: Grupo de Bombos “Bombosapiens”

 

Dia 27 – Centro de Experimentação Artística – Vale da Amoreira

10:30h às 12:00h

NÓS: Grupo de Dança Luz com o tema: “Momentos - Dança do Quadrado”

APPACDM: Grupo Momentos de Talento com o tema: “Talentos”

APPACDM: Grupo Diverte-te e Dança com o tema: “Esta noite…”

Festival de poesia contemporânea – O som da tinta

orchestra.jpg

 

Nos próximos dias 14, 15, 16 e 17 de novembro, Setúbal acolhe o Festival de Poesia Contemporâneo O som da tinta , homenageando Sophia de Mello Breyner Andresen e Manuel Gusmão.

 

A partir do dia 14 de novembro a Casa da Cultura é invadida pela poesia. Livros de poesia, alguns que nem sempre encontra imediatamente nas livrarias, estão à sua espera. Uma oportunidade para os adquirir enquanto se deixa envolver pelos poemas de poetas contemporâneos portugueses que iluminam as paredes com o eterno esplendor da palavra. Esta feira tem a parceria da livraria setubalense -  Culsete. Na compra de um livro de poesia, quer na feira, quer na livraria Culsete recebe um bilhete de oferta para um dos concertos integrados no festival.

Durante o festival decorrem 2 conferências: “Sophia: A Lux Aeterna da Poesia” conduzida pelo prof. Armando Carlos Cortez, no dia 15 de novembro às 18h30, e “Manuel Gusmão: A palavra sobre o Mundo” pelo prof. Fernando Martinho, no dia 16, também pelas 18h30. Ambas acontecem na Casa da Cultura e são de entrada livre.

A poesia será também retratada através da música com dois celebres concertos no Fórum Municipal Luísa Todi.

Lisbon Poetry Orchestra atua no dia 15 de novembro e no dia seguinte Lula Pena faz as honras da casa.

Lisbon Poetry Orchestraé um coletivo multidisciplinar de quatro músicos e quatro atores, que celebram e interpretam poesia reinventando-a para que a palavra escrita seja dita com enorme força criativa para interagir com o público originando espetáculos com uma empatia particular e muito especial. A poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen, no ano em que se comemora o centenário do seu nascimento, solta-se das páginas escritas para vibrar nos seus sons e nas suas vozes.

Lula Penaé uma artista singular que recupera para os nossos tempos o encanto dos trovadores medievais, cantando desde autores anónimos populares a celebrados compositores e poetas nos mais diversos idiomas. Os seus espetáculos, os álbuns que gravou fazem sempre história na história da música internacional no maravilhamento da sua voz que acompanha dedilhando com virtuosismo as cordas da guitarra que nunca abandona. Ainda antes da atuação de Lula Pena será feita uma homenagem ao poeta Manuel Gusmão com declamação de poemas pelo Grupo de Teatro da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, coordenado pelo prof. José Gil.

Os ingressos para os espetáculos encontram-se à venda no Fórum Municipal Luísa Todi ou online através do site www.bol.pt no valor entre 7 e 9 euros.

No dia 17 de novembro contamos com a presença do Teatro da Rainha com a apresentação do Pouso da Poesia. Uma viagem pela língua portuguesa, num roteiro desde o século XIII, passando pelos poetas do Cancioneiro Geral, e por aí fora, até aos nossos dias, relembrando temas de Zeca Afonso, compostos a partir da voz dos poetas. Terá lugar na Casa da Cultura e será de entrada livre.

A organização convida ainda todos os que queiram juntar-se a este evento a aparecer no dia 15 de novembro pelas 23h30 na Casa da Cultura para uma sessão livre de leitura de poemas.

 

Programa

 

14 de novembro

Casa da Cultura | 1º andar

19h00 | Abertura da Feira do Livro* com leitura de poemas pelo Grupo de Teatro da ESE

Casa da Cultura | Sala José Afonso

22h00 | Dead Vortex

 

15 de novembro

Casa da Cultura | Sala José Afonso

18h30 | Conferência “Sophia: A Lux Aeterna da Poesia”

Prof. Armando Carlos Cortez

 

Fórum Municipal Luísa Todi

22h00 |Concerto Lisbon Poetry Orchestra

 

Casa da Cultura | Pátio Dimas

23h30 |Viajar pela Palavra Poética - Sessão livre de leitura de poemas

 

16 de novembro

Casa da Cultura | Sala José Afonso

18h30 | Conferência “Manuel Gusmão: A Palavra sobre o Mundo”

Prof. Fernando Martinho

 

Fórum Municipal Luísa Todi

21h30 | Homenagem a Manuel Gusmão

Grupo de Teatro da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, coordenado pelo prof. José Gil.

22h00 |Concerto Lula Pena

 

17 de novembro

Casa da Cultura | Sala José Afonso

18h00 | Pouso da Poesia – Uma viagem pela poesia portuguesa pelo Teatro da Rainha

 

O Míscaros - Festival do Cogumelo do Fundão está de volta ao Alcaide

Nos dias 15, 16 e 17 de Novembro a aldeia do concelho do Fundão recebe a

11ª edição do festival mais emblemático da região

image002 (1).jpg

A aldeia do Alcaide, no concelho do Fundão, volta a receber, nos próximos dias 15, 16 e 17 de novembro, o “Míscaros – Festival do Cogumelo”. A 11ª edição do evento procura promover, sob o pretexto do lazer e da animação, o património fúngico, paisagístico, cultural e ambiental do Alcaide e de toda a serra da Gardunha. Para tal, a iniciativa inclui diversas atividades lúdicas e culturais na sua programação, desde a  gastronomia,  a live cookingsworkshops, passeios micológicos, exposições e (muita) animação de rua.

Organizado pela Liga dos Amigos do Alcaide, em conjunto com a Câmara Municipal do Fundão e a Junta de Freguesia do Alcaide, o evento deste ano, apresentado hoje no restaurante Estórias e Fragmentos By Joe Best, um dos chefes presentes no evento, promete muito motivos e muitos cogumelos para uma visita, e uma experiência única.

O festival, este ano com o mote da fantasia, conta com um ambiente familiar, ruas enfeitadas e mais de 300 espécies de cogumelos, de entre as quais se destacam os míscaros, que nascem nas encostas da Serra da Gardunha.

 

Durante três dias, os visitantes podem conhecer toda a envolvente natural da região, estabelecer uma forte relação com a natureza e degustar as diferentes receitas de cogumelos nas cerca de 60 tasquinhas da aldeia, preparadas a rigor para a ocasião. Para além de fazerem as delícias de todos aqueles que visitam o Alcaide durante estes dias, uma destas especialidades será a vencedora do concurso de melhor prato de cogumelos do festival. A competição decorre durante todo o evento e no final, a sabedoria e experiência do júri, composto por dois chefes de cozinha e um crítico gastronómico, elegerá o vencedor.

 

O festival oferece um vasto programa do qual todos podem usufruir enquanto passeiam nas animadas ruas do Alcaide. Será também possível participar nos passeios micológicos, acompanhados por especialistas, como o engenheiro Ricardo Torres da Silva, a bióloga Anabela Marisa Azul e Sílvia Leão, participar num refrescante passeio na companhia dos fiéis amigos de quatro patas – Passeio CÃOgumelo, ou ainda aprender a preparar um kit de produção de cogumelos no workshop Fungi Perfect.

Ao longo de toda a programação encontram-se ainda sessões de live cooking realizadas pelos vários chefs presentes: Joe BestTiago MartinsDuarte Batista e Flávio Silva, e a representar a geração futura, o jovem Pedro Jorge, ex-concorrente da primeira edição do Masterchef Júnior.

 

 

Além das vertentes lúdica e cultural, o Míscaros continua a ter bem presente a sua forte preocupação social e ambiental, visível em diversos detalhes do evento, mas que ganha ainda mais visibilidade durante uma das maiores atrações deste festival dedicado a este saboroso alimento - o mega almoço de domingo – em que uma deliciosa receita de arroz de míscaros surpreende todos os que se deslocam a esta pequena aldeia que por estes dias transborda de animação. Uma refeição que, com um custo de 1€, se define pelo seu sabor especial, mas que a exemplo de edições anteriores, reverte com 50% das receitas a favor de um projeto social, este ano com o donativo dirigido ao projeto de acolhimento e integração de refugiados no Fundão.

Neste contexto, a edição deste ano promove uma sessão solidária de live cooking, de forma a promover os costumes e sabores das suas diferentes culturas.

 

Com a mesma consciência social de promoção da integração, o evento engloba a iniciativa “Cozinhar Diferente”, pela mão do Chef Ricardo Besteiro, momento que pretende promover a participação de jovens cozinheiros portadores de Síndrome de Down no universo da gastronomia, e permitir ao público em geral observar técnicas de preparação e confeção dos protagonistas deste festival, sensibilizando para o papel preponderante que a inclusão detém na sociedade.

 

Mas a vertente da responsabilidade social e ecológica deste festival não fica por aqui. As crianças não são exceção e têm aqui um papel fundamental. Existe um espaço inteiramente dedicado aos mais novos – a Miscolândia – um recanto que possibilita a diversão, ao mesmo tempo que ensina e sensibiliza para a causa ecológica.

A par disto, a fim de diminuir o desperdício, todo o material utilizado no decorrer do festival é biodegradável. Desde os pratos recicláveis aos copos inteiramente de origem vegetal, com base em ácido poliláctico (PLA), que requerem baixo consumo energético na sua produção e que, após utilização, podem ser reciclados ou decompostos, num período entre 45 a 60 dias, tudo é pensado ao pormenor para que seja possível preservar a natureza.

 

  

 

O Míscaros - Festival do Cogumelo é o pretexto ideal para ir até ao Alcaide, à pequena aldeia junto à Serra da Gardunha, que tem tanto para oferecer e que todos os anos em novembro, por três dias, ganha uma nova vida e acolhe mais de 20 mil visitantes que vêm de todo o país para esta festa, para se divertirem e conhecerem mais sobre esta iguaria tão apreciada e com património tão vasto que torna este festival tão único e tão saboroso - o Cogumelo.

 

 

 

 

Programa do Festival

 

Sexta-feira, dia 15 de novembro

19h00 |Abertura do Festival

19h00 | Animação Tradicional

19h30 | Chef Flávio Silva | Espaço Live Cooking

21h30 | Chef Joe Best | Espaço Live Cooking

Animação de Rua

 

Sábado, dia 16 de novembro

09h30 | Passeio Cãogumelo

10h00 | Animação de Rua

11h00 | Workshop Fungi Perfect |Espaço identificação de Cogumelos

11h30 | Chef´s Palmo e meio | Espaço Live Cooking

14h00 | Chef Pedro Jorge| Espaço Live Cooking

14h30 | Animação de Rua

15h00 | Palestra e identificação de cogumelos silvestres José Matos e Anabela Marisa Azul |Espaço de identificação de cogumelos

16h00 | Chef Duarte Batista | Espaço Live Cooking

16h00 | Geo-Miscarada

16h00 |Alma Azul | Conversas comunitária – Tradições, contos e lendas do Alcaide e da Beira | Salão Junta de Freguesia do Alcaide

17h30 | Cozinhar Diferente - Chef Ricardo Besteiro | Espaço Live Cooking

19h00 | Live Cooking “ Os Sabores do Mundo” | Espaço Live Cooking

21h30 | Chef Tony Martins | Espaço Live Cooking

Animação de Rua

 

Domingo, dia 17 de novembro

08h30 | Caminhada “Vamos aos Míscaros” Fundão – Alcaide

09h30 | Passeios Micológicos - Com os prelectores Anabela Marisa Azul, Sílvia Leão, Ricardo Ferreira (inscrições limitadas a 100 pessoas através de miscarosfestivalinscricoes@gmail.com )

10h30 | Animação de rua

11h30 | Lançamento da Cerveja de Cogumelos AL-KAID – CHICA | Espaço Live Cooking

13h00 | Mega Almoço – 1€

14h30 | Animação de Rua

14h30 | Workshop Fungi Perfect | Espaço identificação de Cogumelos

15h30| Degustação de Cogumelos apanhados nos passeios Micológicos (reservado a participantes) | Espaço Live Cooking

16h00 | Alma Azul |Oficina de Educação Ambiental e Cívica –  A floresta de Shopiaa |Salão Junta de Freguesia do Alcaide

17h00 |Chef Luciano Baldim | Espaço Live Cooking

18h00 | Concurso do melhor prato do festival com o crítico gastronómico Orlando Esteves | Espaço Live Cooking

19h30 | Chef Eduardo Martins | Espaço Live Cooking

 

 

URL do festival: http://www.festivalmiscaros.pt