Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Matuê atua no Spring Sound Fest em 2022

Matuê é o cabeça de cartaz do Spring Sound Fest 2022 

descarregar (8).jpg

A partir do próximo ano, Portugal passa a ter mais um festival. Spring Sound Fest 2022 realiza-se a 9 de abril na Altice Arena (Sala Tejo), e Matuê, um dos artistas brasileiros mais populares da atualidade, é cabeça de cartaz.   

Fenómeno de popularidade por cá, tendo já conquistado uma grande e sólida base de fãs portugueses, o rapper brasileiro trará a este novo festival temas como “ Quer Voar”, " M4", “ Groupies” e " 777-666", sem esquecer " Anos Luz", entre outros.
 

O início da primeira edição do Spring Sound Fest está previsto para as 21h do dia 9 de Abril, assumindo assim uma nova experiência que não vais querer perder! 

Além de Matuê, o cartaz do novo festival da cidade de Lisboa inclui ainda nomes como  WazeIvandroHugo Casaca e DJ Vuddu .

Periferias 10ª edição: Festival de Artes Performativas regressa a Sintra para momento de Inverno

 
Periferias 10ª edição: Festival de Artes Performativas regressa a Sintra para edição de Inverno
A iniciativa decorre entre os dias 17 e 21 de dezembro e levará a palco e às ruas de Sintra dança, teatro e marionetas
 

A data de início da edição de Inverno do Periferias está marcada para o dia 17 de dezembro e vem encerrar a celebração da 10ª edição do Festival, naquela que será uma homenagem a todas as artes que marcaram o festival desde 2012, ano da primeira edição, dando palco a artistas emergentes de vários locais do país. Esta edição estende-se até dia 21 de dezembro, com espetáculos na Casa de Teatro de Sintra, exposições, e muitos outros momentos culturais, que passam também pelas ruas da vila.


Totalmente adaptado ao contexto atual, a edição de celebração dividiu-se pelas quatro estações do ano, de forma a continuar a celebrar com o público e a proporcionar momentos de alegria e convívio a que o Periferias tem habituado os espectadores na última década.  Se na Primavera o festival abriu com poesia, teatro, música e espetáculos para crianças, no Verão trouxe música às ruas de Sintra e no Outono ficou marcado por espetáculos de dança e marionetas. No Inverno, estão agora reunidas as várias artes, desde teatro, performance, dança, marionetas, música e certamente a alegria e boa disposição. Conta também com o lançamento do livro sobre os 10 anos do Periferias e as Conversas Periféricas, onde diferentes convidados irão falar com o público sobre temas relacionados com o mundo das artes.

Esta edição marca ainda o regresso à Casa de Teatro de Sintra, onde decorrerá a maior parte da programação. Destaca-se, entre os vários espetáculos, a coprodução com Lukanu Mpasy, artista emergente, bailarino, performer e videografo, num espetáculo repleto de poesia, movimento e dança. No dia 17, pelas 21h30, terá lugar a performance do grupo Art’Imagem, natural do Porto, com o espetáculo “Desastre Nu”, repleto de humor e que permite uma reflexão sobre a condição do ser. No dia 18, às 16h00, a rua pedonal da Estefânia anima-se com a performance do grupo sintrense Valdevinos, com o espetáculo de marionetas “Teatro Dom Roberto”. Ainda no mesmo dia, desta vez às 21h30, na Casa de Teatro de Sintra, o grupo A Bruxa Teatro, natural de Évora, apresenta a peça “E que fazer com o violoncelo?”, que cai no absurdo da condição humana e analisa-a no seu próprio quotidiano.

No dia 19, por volta das 11h00, os Valdevinos voltam a animar a rua da Estefânia, juntamente com a companhia lisbonense Truta no Buraco, que às 16h30 apresenta o espetáculo “Eles passarão, Tu passarinho”, uma história política das aves, na Casa de Teatro de Sintra. No dia 20, às 21h30, entrará em palco o artista Lukanu e, por fim, a 21 de dezembro, o festival encerra às 21h30 com o lançamento do livro sobre os 10 anos do Periferias e com as Conversas Periféricas.

Além das produções, o festival convida ainda e inclui na programação a visita à exposição “Linha Imaginária”, uma iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Sintra e da Fundação Aga Khan, patente no principal museu das Artes de Sintra (Mu.Sa) até dia 4 janeiro.

“O Periferias é feito de pessoas e para as pessoas e desde sempre que temos a missão de levar a cultura de artistas emergentes à população de Sintra, e não só, a todos os públicos. Para isso, este ano tivemos de nos adaptar ao contexto atual e, como forma de continuar a chegar às pessoas, dividimos o festival em quatro momentos. Agora, que estamos a entrar no último momento da edição deste ano, podemos concluir que a adesão tem sido bastante positiva nas várias estações e o público tem reforçado a sua segurança com o decorrer dos vários momentos.” afirma Nuno Correia Pinto, diretor artístico do Chão de Oliva.

“No que respeita à edição de Inverno, estamos com as expectativas bastante altas, já que vamos voltar à nossa casa, à Casa de Teatro de Sintra, onde decorrerá a maioria da programação e não podíamos estar mais animados por receber o público naquela que será a celebração final de 10 edições de alegria e sucesso. Para os próximos 10 anos, temos como objetivo continuar a dar palco a cada vez mais artistas emergentes, aproximando-os do público e sendo um apoio ao seu desenvolvimento e reconhecimento da sua arte” reforça o diretor artístico.

A entrada nos vários espetáculos desta edição do Periferias tem um custo de 5€, à exceção das sessões que ocorrem ao ar livre, nas ruas de Sintra, que são de entrada gratuita. O Festival Periferias foi criado em 2012 pelo centro de difusão cultural Chão de Oliva, contando com o apoio da Direção Geral das Artes, da Câmara Municipal de Sintra e outras entidades públicas e privadas. Toda a informação está disponível no site e redes sociais do Chão de Oliva e as reservas podem ser feitas através do contacto 219233719.



Programação Completa:
DIA 17 | CASA DE TEATRO DE SINTRA | M/12
21h30- Desastre Nu, por teatro Art’Imagem (Porto)

DIA 18 | VALDEVINOS | RUA PEDONAL (ESTEFANIA) | M/3
16h00- Teatro Dom Roberto, por Valdevinos (Sintra)

DIA 18 | CASA DE TEATRO DE SINTRA | M/12
21h30- E o que fazer com o violoncelo?, por A Bruxa Teatro (Évora)

DIA 19 | VALDEVINOS | RUA PEDONAL (ESTEFANIA) | M/3 | (Marionetas)
11h00- Teatro Dom Roberto, por Valdevinos (Sintra)

DIA 19 | CASA DE TEATRO DE SINTRA | M/12 | Performance / Teatro
16h30- Eles passarão, tu passarinho – Uma história política das aves, por Companhia Truta no Buraco (Lisboa)

DIA 20 | CASA DE TEATRO DE SINTRA | M/12 | Performance / Dança
21h30- Influência, por Lukanu Mpasi (Cascais)

DIA 21 | CASA DE TEATRO DE SINTRA| Para Todos
21h30- Lançamento do livro “Periferias – 10 Anos” e Conversas Periféricas “A Arte Periférica?”

Sobre o Chão de Oliva
Fundado em 1987, o Chão de Oliva - Centro de Difusão Cultural (CO) é uma associação que tem o teatro como atividade-âncora, promovendo também todo o tipo de artes nas suas diversas expressões, através da criação de espetáculos, festivais e formação. Em 1990 fundou a Companhia de Teatro de Sintra, a primeira companhia profissional do concelho e hoje a mais antiga, e em 2002, o Fio d’Azeite, um grupo profissional de marionetas. Em 2018 ressurgiu o grupo amador, que na década de 80 foi o berço da criação teatral do CO - o Teatro da Meia-Lua - grupo este que suspendeu a sua atividade na década de 90. Por outro lado, na vertente da formação, criou a Mostra de Teatro das Escolas de Sintra, uma iniciativa pioneira e a mais antiga que se realiza em Portugal. Ao longo dos anos foi responsável pela organização de alguns dos maiores eventos culturais no concelho de Sintra e é continuamente reconhecida pelo Ministério da Cultura desde 1994. Em 30 anos, o Chão de Oliva já promoveu 270 Espetáculos / eventos e já passaram mais de 1.100 artistas / grupos pela associação.

Untold Stories: O que não se viu, mas aconteceu na Cidade do Rock


SoulRichard e Senhor Quarteto sobem ao palco do Festival Dá Corda

image001.jpg

 

O Festival Dá Corda termina 2021 com os concertos de Soul Richard e Senhor Quarteto no Monverde Wine Experience Hotel, em Amarante.

O Festival Dá Corda surgiu no contexto da pandemia com o objetivo de revitalizar duas das áreas mais afetadas pela mesma: a cultura e a hotelaria. A iniciativa do Festival tem levado música de qualidade a espaços de hotelaria na região do Porto e Norte do país, colaborando para a promoção de projetos musicais e do turismo em Portugal.

No dia 18 de Dezembro sobem ao palco do Monverde Wine Hotel os músicos SoulRichard e Senhor Quarteto.

SoulRichard apresenta uma mistura ecléctica de géneros que resulta num original pop/soul intimista, cantado em Português e em Inglês. O disco de estreia foi co-produzido por New Max (Expensive Soul).

Na mesma noite atua também o grupo Senhor Quarteto, que se inspira na sonoridade swing à bossa nova para apresentar grandes clássicos intemporais.

O palco destes concertos vai ser o Monverde Wine Experience Hotel, em Amarante, considerado o melhor hotel vínico entre as nove regiões internacionais abrangidas pelas Great Wine Capitals. A unidade hoteleira, onde os 46 quartos - 16 dos quais novos alojamentos e suítes de luxo superior, com piscina privada, inaugurados no verão de 2019 - são rodeados de 30 hectares de vinhas, oferece um amplo leque de experiências em torno do vinho.

Os concertos do Festival Dá Corda têm como público-alvo os hóspedes das unidades hoteleiras. São também transmitidos nas redes sociais e o público pode candidatar-se a estadias gratuitas.

 

SYFY leva CHUCKY à Comic Con Portugal 2021

Arranque do 6ª edição do BINNAR

descarregar (8).jpg

 

Com a primeira edição em 2016, BINNAR é um festival de arte nascido em Vila Nova de Famalicão, Portugal. É organizado pela plataforma com o mesmo nome, com o apoio da Câmara Municipal. Agrega várias parcerias e diferentes espaços da cidade (museus, galerias, fundações, escolas e outros) para apresentar um programa que junta artistas consagrados e emergentes. A entrada é sempre gratuita em todos os eventos e actividades.

 

LAB/MEDIA 
Escolar // OFICINA- ESCOLA PROFISSIONAL DO INA
Co-curadoria com LÍMITES - CORPO COLECTIVO TRANSFRONTEIRIÇO
 

Laboratório criativo e formativo, com trabalho a desenvolver em colaboração com os alunos de multimédia e artistas pertencentes ao LÍMITES, colectivo em residência nesta edição do festival BINNAR.


 
 Escolar // AECCB
 (RE)LEITURAS


 Leituras visuais de obra, a partir de uma primeira leitura e escrita de obra. Com um espaço de um ano a separar esta intervenção (realizada no âmbito do BINNAR), abre-se a criação de energias entre as crianças e a obra exposta, em confronto com as suas visões prévias e posteriores.

Festival PANOS realiza-se online, de 15 a 21 de novembro

PANOS Logo.png

 

Ao longo de uma semana, será possível assistir gratuitamente a 12 espetáculos criados por grupos de teatro escolar e juvenil, a partir de textos originais de Dulce Maria Cardoso, Gonçalo Waddington e Pascal Rambert.

PANOS - Palcos novos palavras novas encomenda, anualmente, peças originais a escritoras e escritores com reconhecimento, para serem representadas por adolescentes, cruzando o teatro escolar e juvenil com as novas dramaturgias. Depois de estrearem as suas criações originais, um júri seleciona 6 dos grupos de teatro participantes no projeto para apresentarem os seus espetáculos no Teatro Nacional D. Maria II, no Festival PANOS.

 

Em 2021, excecionalmente, o Festival PANOS realiza-se online, dando a possibilidade aos grupos que não puderam apresentar os seus espetáculos presencialmente este ano, devido à pandemia, de os dar a agora conhecer ao público. Sob coordenação de Sandro William Junqueira, o Festival PANOS Online contará com propostas de encenação de 12 grupos de teatro escolar e juvenil, que trabalharam a partir dos textos Lago, de Pascal RambertO dragão entre o céu e a terra, de Gonçalo Waddington, e O sentido da vida, de Dulce Maria Cardoso.

 

Os 12 espetáculos do Festival PANOS podem ser vistos online gratuitamente, de 15 a 21 de novembro, na Sala Online do D. Maria II.

6ª edição do Azeméis Seasons Sounds - Bluish

descarregar (29).jpg

Bluish

No próximo dia 20 de novembro, O Cinema promete tornar-se num cenário de um filme de David Lynch ao som dos encantadores Bluish. O duo lisboeta, constituído por Vera Vaz e João Farmhouse, vão trazer melodias vindas de sonhos e sintetizadores que nos farão vaguear pelo synthpop dos anos 80.
Em 2018, o duo integrou o disco Novos Talentos Fnac com o seu single Mess, sendo que nesse mesmo ano também estrearam o seu EP, On Our Own, que teve direito a uma geta de lançamento no Musicbox em Lisboa.
Bluish são o exemplo de uma simbiose perfeita entre o retro, o dreampop e o shoegaze, não deixando de apresentar uma sonoridade refrescante, orquestrada por guitarras melancólicas e sintetizadores que capturam as notas de um sonho distante.

descarregar (5).png

A 6ª edição do festival irá decorrer no dia 20 de novembro de 2021, em Oliveira de Azeméis nos antigos Cinemas Gemini (um espaço de referência na cidade).

 

6ª EDIÇÃO AZEMÉIS SEASONS SOUNDS

Foram quase 2 anos sem música ao vivo, mas depois da tempestade vem a bonança, aliás, vem também a música, a arte e a dança! O Azeméis Seasons Sounds regressa a Oliveira de Azeméis, uma vez mais ao Cinema, no próximo dia 20 de novembro e fica a promessa de regressar em jeito de celebração!

O sarau irá começar com as melodias imersivas dos Bluish, duo lisboeta que lançou o seu primeiro EP no final de 2018, On Our Own. Entre sintetizadores vindos diretamente das profundezas dos nossos sonhos e guitarras melancólicas, a banda de dream pop promete envolver o público numa experiência extrassensorial. Segue-se o cardápio sonoro, como descrevem os próprios, de Time for T. A banda une membros das mais diversas nacionalidades e vem apre- sentar o seu álbum Galavanting, que carregado de sons tórridos e melodias vibrantes irá levan- tar os ouvintes das cadeiras! A pièce de résistance será conduzida pelas batidas e ritmos dos First Breath After Coma, que literalmente nos irão dar uma lufada de ar fresco após um coma cultural induzido. Sem medo de explorar e arriscar o seu universo sonoro, NU, álbum editado em 2019, é uma revolução na sonoridade da banda e até da música convencionalmente produzida em Portugal.

Além da música, também as artes plásticas estarão presentes na forma de uma oficina dirigi- da pelo Mantraste. Ilustrador e autor português, Mantraste é um amante do misticismo popular e conta com mais de uma centena de capas desenhadas para autores como J.G. Ballard, Ali Smith e Michel Rio entre outros.

Como já tem sido habitual, o festival irá uma vez mais promover causas sociais. Desta vez, no sentido de sensibilizar as pessoas para a importância da saúde mental, estarão à venda tote bags solidárias em parceria com a designer Beatriz Freitas onde todo o dinheiro angariado será doado a uma associação de saúde mental.

Azeméis Seasons Sounds traz a assinatura da Associação Agir Fora da Caixa e o Conselho da Juventude da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis. Uma coorganização que visa a promoção de eventos e atividades culturais na cidade de Oliveira de Azeméis. Também a Comunidade Cultura e Arte mantém-se como parceira oficial deste evento com o intuito de promover e dar a conhecer os artistas emergentes do panorama cultural português.

Os bilhetes encontram-se já disponíveis aqui, estando à disposição pelo valor fixo de 7€.

É também fulcral que as normas estabelecidas pela Direção Geral da Saúde sejam cumpridas pelo que se torna obrigatório o uso de máscara de forma adequada no interior do recinto, assim como se deve zelar pelo distanciamento físico e a higienização das mãos.

Vem celebrar este regresso aos festivais connosco!

Mais Informações

https://www.facebook.com/azemeisseasonssounds
@azemeisseasonssounds

The Town: O novo festival dos criadores do Rock in Rio com estreia marcada para 2023

Crédito: Fernanda Tiné / I Hate Flash - Imagens aqui