Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Três divas asiáticas visitam o Museu do Oriente

Palestra por David Chaffetz

ThreeAsianDivas.jpg

 

O papel desempenhado pelas divas de ópera na Ásia, o modo como foram recrutadas e formadas, como e onde actuaram e a sua importância na sociedade, são os temas abordados por David Chaffetz na conferência “Three Asian Divas” que o Museu do Oriente organiza no dia 23 de Janeiro, quinta-feira, às 18.00, com entrada gratuita.

 

A sessão é precedida, às 17.00, por uma visita à exposição “A Ópera Chinesa” que oferece uma visão abrangente deste género performativo, em toda a sua diversidade e exuberância, através de 280 peças, como trajes, perucas, toucados, modelos de maquilhagem, marionetas, gravuras, pinturas e instrumentos musicais, bem como fotografias e vídeos. Aqui, os visitantes podem visualizar a riqueza da cultura material, ao mesmo tempo que ganham um novo entendimento do contexto literário e social desta arte.

 

À semelhança do que acontece no seu livro, David Chaffetz ilustra as palavras com referências às vidas de várias cantoras célebres na China, através de slides com representações das cantoras na arte e na fotografia. De seguida, foca-se na Índia e no Irão, para mostrar que a figura da diva é universal em toda a Ásia, mesmo quando as formas de actuação diferem das registadas na China.

 

David Chaffetz estudou Persa, Turco e Árabe na Universidade de Harvard. Trabalhou na Encyclopedia Iranica e escreveu A Journey through Afghanistan (Chicago, 2006). Ao longo de 45 anos, tem viajado extensivamente pela Índia, Ásia central e China.

 

“Three Asian Divas” - Palestra por David Chaffetz

23 de Janeiro, quinta-feira

Horário: 18.00

Duração: 60’

Palestra precedida de visita orientada à exposição “A Ópera Chinesa”, com Alexandre Correia, às 17.00

Gratuito, mediante levantamento de bilhete no próprio dia

 

www.museudooriente.pt

Apresentação do documentário Mouraria Composta

144f13d2-2da4-4c07-b765-53629bd62b64.png

 

O ano de 2020 terá de ser marcado por uma viragem comportamental dos nossos hábitos de consumo e estilo de vida. O impacto da crise ambiental na qualidade de vida e na saúde do nosso planeta já não é uma miragem, convivemos diariamente com ela e já sentimos na pele as consequências do que andamos a fazer de forma inadequada.

O documentário Mouraria Composta, produzido pelos BagaBaga Studios, retrata a implementação de uma rede de compostagem comunitária no Bairro da Mouraria, em Lisboa, no âmbito de um projecto desenvolvido pela Associação Renovar a Mouraria que tem como objectivo a promoção da coesão social e territorial através da implementação de boas práticas ambientais. 

No documentário, podemos assistir ao acompanhamento da fase de implementação deste projecto piloto, às dificuldades e soluções encontradas. Para além do seu objectivo de construir uma ferramenta disseminadora da prática da compostagem em meio urbano, este documentário pretende também passar uma mensagem de optimismo, mostrando que a cooperação, a resiliência e uma grande vontade transformadora são, mais do que nunca, o que devemos ter presente nas nossas vidas.

 

Dia 23 de Janeiro de 2020 > 19 horas
Auditório do CIM – Centro de Inovação da Mouraria,
Rua dos Lagares, 23, 1100-022 Lisboa

Agenda Cultural Roca Lisboa Gallery - Janeiro de 2020

image001.png

 

// O LIVRO INFANTIL COMO PRODUTO DE DESIGN

17/01 | 17h30

 

Moderador: Jorge Silva, designer editorial e fundador da Silva Designers

Oradores: André Letria, ilustrador e fundador da Editora Pato Lógico; Bernardo Carvalho, ilustrador e fundador do Planeta Tangerina

Co-organização: Clube de Criativos de Portugal e Roca

 

André Letria da Editora Pato Lógico e Bernardo Carvalho do Planeta Tangerina juntam-se para uma conversa sobre ilustração e o livro infantil como produto de design, moderada por Jorge Silva da Silva Designers.

A ilustração tem vindo a crescer em Portugal, e muitas das edições de livros infantis portugueses estão a chegar além-fronteiras.  Um dos convidados, Bernardo Carvalho, tem os seus trabalhos publicados em mais de 25 países diferentes.

Esta conversa descontraída servirá para conhecer melhor a atividade destes profissionais e os seus pontos de vista sobre o livro infantil enquanto produto de design português com potencial de exportação.

// Evento esgotado.

 

 

// MERCADO IMOBILIÁRIO DE LUXO: ONDE ESTÁ AGORA O LUXO NO IMOBILIÁRIO RESIDENCIAL?

21/01 | 17h30

 

Moderador: Hugo Santos Ferreira, vice-presidente executivo da Associação Portuguesa dos Promotores e Investidores Imobiliários

Oradores: Paulo Reis Silva, Partner Saraiva & Associados; José Cardoso Botelho, CEO da Vanguard Properties; Eduardo Netto de Almeida, CEO da Lantia; Miguel Cabrita, Board Member da MEXTO; António Paraíso, especialista em luxo.

Co-organização: APPII e Roca

 

Portugal e as suas principais cidades têm-se posicionado nos lugares cimeiros dos prémios de melhores países e cidades para se viver, passear, trabalhar e investir, vindo este reconhecimento de todas as partes do globo. Tal tem levado a que muitos sejam os estrangeiros que agora querem vir para o nosso país. Consequência de todo este momento é o facto de o segmento residencial de luxo ter vindo, nos tempos mais recentes, a merecer um grande destaque, não só por parte dos compradores finais, mas naturalmente de uma grande maioria dos promotores e investidores imobiliários do nosso país.

Passados 5 anos de intensa atividade deste mercado, o que podemos agora esperar?

Em que momento estamos no setor do luxo em Portugal? Ainda é um mercado muito apetecível?

O que é e onde está afinal o luxo no segmento residencial de 2020?

 

// 6º ENCONTRO #PORTUGALFAZBEM: "O DESIGN E A PORTUGALIDADE TURÍSTICA"

22/01 | 17h00

 

Oradores/marcas: Joana Beirão, fundadora do Design Advisor; Jorge Moita, designer e promotor hoteleiro; Ana Patrícia Barriga, Ecolove Scentsations; Carolina Osório, Sorema – Bath Fashion; Teresa Sotomaior Estrela, MiniMana – Fine Baby

Co-organização: Design Advisor e Roca

 

Design Advisor é uma equipa de designers e empreendedoras apaixonadas pela produção portuguesa e decidida a contribuir para a construção e divulgação da portugalidade.

Os encontros #PortugalFazBem estimulam o networking profissional entre arquitetos, designers, artesãos e produtores que preservam valores e autenticidade local, de alma única e com novas interpretações.  Através da partilha de experiências e conhecimento, criam-se parcerias importantes que fazem acelerar o negócio, trocam-se informações e contactos úteis, contribuindo para a sustentabilidade da indústria dos ambientes, a nível nacional. A genuinidade da partilha de cada história tem tornado os encontros em momentos únicos!

17h00: Chegada e networking entre os participantes;

17h15: Apresentação do Roca Lisboa Gallery;

17h30: Talk de empreendedorismo - "Da ideia ao projeto - case study Design Advisor", por Joana Beirão;

18h00: Talk de empreendedorismo - "Evolução do setor do turismo aos olhos de um designer", por Jorge Moita;

18h30: Apresentação de marcas de produção portuguesa: Ana Patrícia Barriga, Ecolove Scentsations; Carolina Osório, Sorema – Bath Fashion e Teresa Sotomaior Estrela, MiniMana – Fine Baby;

20h00: Final.

 

 // Participação gratuita. Inscrição obrigatória AQUI.

 

 

 

// UM MUNDO ENVELHECIDO

23/01 | 18h00

 

Moderador:Pedro Novo, arquiteto

Oradores: Lara Seixo Rodrigues, arquiteta – Projeto Lata 65; Luís Ferreira, diretor artístico – 23 Milhas; Carlos Lampreia, arquiteto

Organização: Roca

 

A conferência “Um mundo envelhecido” está integrada no tema do mês de janeiro – An aging world – da plataforma rocagallery.com. Este tema dedica-se às alterações demográficas e respetivas consequências nas dinâmicas culturais e sociais e nas estruturas económicas e educativas existentes.

A segunda metade do século XX sofreu um crescimento dramático da população idosa no mundo. Crescimento apoiado por um elevado decrescimento das taxas de fertilidade e por uma elevada melhoria da qualidade de vida. A população com mais de 65 anos compõe, cada vez mais, uma parcela maior da população mundial, tendo esta tendência graves implicações na grande maioria dos países do mundo. Uma sociedade ainda por se adaptar a uma contemporaneidade complexa mas ávida na procura de encontrar soluções nas mais significativas áreas do “desenho” do nosso quotidiano, nomeadamente na economia, no urbanismo, na arquitetura, na moda, nas artes plásticas…no design!

// Participação gratuita. Inscrição obrigatória AQUI.

 

 

 

// ERGONOMIA SENSORIAL: RESSONÂNCIA DAS EMOÇÕES NO AMBIENTE DO PONTO DE VENDA – VISÃO

28/01 | 18h00

 

Moderadora: Ângela Fernandes, visual merchandiser

Oradores: Pedro Catarino, designer; Patrícia Guerra, lighting designer; Rita Salgueiro, designer de interiores

Organização: Roca

 

Uma percentagem muito significativa da estimulação sensorial que recebemos é aferida através da visão. Vivemos tempos de instantânea difusão de imagens, partilhando registos visuais em múltiplos e diversificados meios. Perante este oportuno momento para comunicar visualmente, que instrumentos podem ser cruciais para despertar o interesse visual para um espaço ou para uma marca?

 

// Participação gratuita. Inscrição obrigatória AQUI.

 

***

“Bagageira Aberta em Palmela” regressa em 2020

Feira da Bagageira.jpg

 

No próximo ano, a “Bagageira Aberta em Palmela” está de volta, com 10 novas datas. A iniciativa solidária, promovida pelo Centro Social de Palmela, com o apoio do Município, vai continuar a realizar-se no Largo de S. João, entre as 9h00 e as 18h00, no primeiro sábado de cada mês (à exceção de setembro, em que acontece no segundo sábado, e dos meses de agosto e dezembro, em que não se realiza).

Este é um mercado onde qualquer pessoa, desde que inscrita, pode vender ou trocar artigos em segunda mão ou reciclados (roupas, acessórios, livros, mobiliário, brinquedos, discos, artigos de decoração, entre outros), na bagageira do seu carro. Com esta iniciativa, o Centro Social de Palmela pretende angariar fundos para o seu funcionamento e atividades.

Mais informações: 212 352 108 ou centrosocialdepalmela@gmail.com. Em 2020, a “Bagageira Aberta em Palmela” realiza-se nas seguintes datas:

 

- 4 de janeiro

- 1 de fevereiro

- 7 de março

- 4 de abril

- 2 de maio

- 6 de junho

- 4 de julho

- 12 de setembro

- 3 de outubro

- 7 de novembro

 

 

Exposição de Ildebranda Martins e Alice Diniz a inaugurar dia 10/01 na Santa Casa

Cartaz_redes_socias__da_exposição_Memórias_de_F

 

No dia 10 de janeiro, a partir das 18 horas,  inaugura no espaço SANTA CASA em Lisboa a exposição de pintura e cerâmica de Ildebranda Martins e Alice Diniz. A exposição "Memorias de Futuro".termina do dia 28/01.

 

Tema:

 

A exposição conjunta  acontece porque as duas artistas sentiram vontade de partilhar com o público e em simultâneo  a abertura das gavetas das suas memórias através das telas sujas de tinta, objetos impregnados de colagens e cerâmicas desiguais amassadas por mãos inquietas. São parceiras artísticas do coletivo “Mulheres com Arte” e ao respeito artístico que sentem uma pela outra associou-se a amizade.  Acredita-se que esta exposição não é coletiva porque as suas obras não se fundem à volta da mesma causa. Existe a crença de  que seja mais de natureza mista, em virtude das peças se completarem sem perderem a identidade própria. A imagem refletida no conjunto é de duas histórias, de dois passados que se harmonizam num presente e que não se querem perder de vista no futuro.

 

Campo de Santa Clara, 160

1100-475 Lisboa

Museu do Oriente dá as boas-vindas ao Ano do Rato | Ano novo chinês assinala-se a 25 de Janeiro com entrada gratuita no museu

 

 

O Museu do Oriente dá as boas-vindas ao Ano do Rato, o novo ano lunar chinês, com entrada gratuita no sábado, dia 25 de Janeiro, e actividades programadas para toda a família, que se prologam de 24 a 26 de Janeiro.

ano_novo2020.jpg

 

As celebrações iniciam-se na sexta-feira, 24 de Janeiro, às 19.00, com a visita performativa “Do camarim ao palco!”. Esta viagem pelo maravilhoso mundo do espectáculo, o calor dos aplausos e o brilho das luzes mostra, na primeira pessoa, como a vida de uma actor de Ópera Chinesa se conta desde tenra idade e como, no momento em que a personagem volta a dar ao lugar ao indivíduo, assistimos à partilha de todas as memórias vividas em palco.

 

No sábado de manhã, a partir das 10.00, os visitantes do Museu do Oriente são convidados a aprender a arte chinesa do Jianzhi, ou Recorte de Papel, numa oficina que ensina a criar ilustrações decorativas. Com cerca de 1.500 anos de História, esta tradição é classificada pela UNESCO como Património Imaterial da Humanidade, acreditando-se ter uma função essencialmente religiosa e espiritual, sendo utilizada por ocasião das celebrações do Ano Novo para atrair a sorte.

jianzhi1.JPG

 

Na China, estes festejos multiplicam-se desde a Lua Nova que marca o início do ano, até à Lua Cheia, com o Festival das Lanternas a marcar o encerramento das celebrações. A partir das 15.00, o Museu do Oriente desafia os mais novos a construírem a sua própria versão de lanterna chinesa, na oficina “Uma Festa das Lanternas”, indicada para crianças entre os 7 e os 12 anos.

 

A celebração musical tem início às 19.00, com o espectáculo “A Voz Lírica: Árias e Canções”, pela voz de Isabel Alcobia, acompanhada pela pianista chinesa Shao Ling. Montanha Yi Meng e Caminho da Luz Solar, as duas canções chinesas da abertura, articulam a serenidade de uma melodia montanhosa com a velocidade e energia moderna de uma canção urbana, representando um gesto de celebração ao Ano Novo Chinês. 

 

A encerrar os festejos, no domingo, 26 de Janeiro, “Um mistério de Ano Novo!” é o que terão de resolver os participantes da visita “No Museu me oriento com quase todos os sentidos…”. Através do toque, do som, do cheiro e de todas as histórias que se vão ouvir sobre ele, miúdos e graúdos terão de adivinhar de que objecto se trata, sem o poderem ver.

 

Segundo a tradição chinesa, o ano que agora inicia será positivo a todos os níveis, de bonança e paz mundial, uma vez que o Rato é um animal reverenciado pelo seu raciocínio rápido e capacidade de acumular e manter objectos de valor, sendo símbolo de boa sorte e riqueza.

 

A entrada no Museu do Oriente é gratuita no dia 25 de Janeiro, mas as actividades programadas, pagas, requerem inscrição ou compra de bilhete.

 

Visita performativa “Do camarim ao palco!”

24 de Janeiro

19.00

Público-alvo: famílias com crianças M/ 5 anos [acompanhados por um adulto]
Preço: 6 €/ participante

Participantes: mín. 14, máx. 26

 

Workshop Jianzhi – Tradicional Arte de Recorte de Papel

25 de Janeiro

10.00-13.00

Preço: 35 €

Participantes: mín. 7, máx. 15

 

“Uma Festa das Lanternas”

Sábados em Oficina

25 Janeiro

Horário: 15.00-17.00
Público-alvo: 7-12 anos
Preço: 5 €/ participante

Participantes: mín. 8, máx. 15

 

A Voz Lírica: Árias e Canções

Ciclo Piano Forte

Recital com Isabel Alcobia (canto) e Shao Ling (piano)

25 de Janeiro

Auditório

19.00

Duração: 75’, com intervalo

Público: M/6 anos

Preço: 12 €

 

“No Museu me Oriento com Quase Todos os Sentidos…”

Em colaboração com Locus Acesso

26 de Janeiro

Horário: 11.00-12.00 
Público-alvo: M/ 7 anos 
Preço: 5 €/ participante

Participantes: mín. 15, máx. 20

 

 

www.museudooriente.pt

 

EXPOSIÇÃO: O Natal chegou à galeria Welcome to Art, no Príncipe Real — e há artistas para todos os gostos

Outlook-y5flza3p.png

 

De 14 a 17 de Janeiro

Do ilustre João Cutileiro aos corações dourados de emoções de Diogo Navarro, passando pelos maravilhosos azuis de Lisboa de Paulo Ossião ou ao surrealismo das obras de Alfredo Luz, terminando nas narrativas surpreendentes de mais de 16 artistas Portugueses, não faltam obras que poderão ser o presente perfeito para oferecer a quem mais gosta.

Depois da exposição conjunta de Sofia Lucas e Inês de Sousa Cardoso, a galeria Welcome to Art, na Embaixada do Príncipe Real, prepara-se para continuar a celebrar esta época festiva com uma exposição de Natal com obras de 15 artistas nacionais.

 

Para além dos nomes já referidos, pode encontrar neste maravilhoso espaço, que é já património municipal, a partir do dia 14 e até ao dia 17 de janeiro, obras dos ilustres autores Rui Carruço, Carlos Santos Marques, Rosa Pereira, Raquel Martins, Sofia Simões, Bela Branquinho, Zé Maria Souto Moura, Daniel Curado, Sofia Lucas, Vítor Moinhos, Pedro César Teles e Fátima Nina.

 

“São os contrastes geracionais de todos estes autores com dimensões pictóricas diferentes e simbologias e narrativas que se completam que trazem a esta exposição um carácter único e algo a não perder.”, explica José Manoel Pereira, curador da galeria.

 

A exposição de Natal da Welcome to Art pode ser visitada todos os dias na Embaixada do Príncipe Real entre as 12h e as 20, com exceção do domingo, que fecha às 19h. A entrada é sempre gratuita.

 

 

CCB | Próximas atividades

CINEMA

Demain
De Cyril Dion e Mélanie Laurent

18 JAN 16H | GARAGEM SUL

A exposição Agricultura e Arquitetura: Do Lado do Campo aborda a grave crise ambiental que o mundo atravessa. É nesse sentido que vamos exibir na Garagem Sul o documentário Demain (2015). No filme, os realizadores e a sua equipa embarcam numa viagem pelo mundo à procura dos pioneiros que estão a reinventar a agricultura, a energia, a economia, a democracia e a educação, através de pequenos projetos locais sustentáveis.

Janeiro no Museu Nacional da Música

janeiro.jpg

JOVENS SOLISTAS DA METROPOLITANA | 15 de Janeiro, 18H | Entrada Livre
PROGRAMA
J. D. Price Intrada Dramatica (1)
Tradicional Shenandoah (arr. James Olcott) (1)
G. F. Händel Marcha da oratória Judas Maccabeus (arr. James Olcott) (1)
W. Byrd The Earle of Oxfords Marche (1)
W. A. Mozart Allegro vivace assai, 1.º and. do Quarteto de Cordas N.º 14, KV 387, (A Haydn) Primavera (2)
A. Glazunov Interludium: Moderato, 2.º and. do Quarteto para Cordas N.º 3, Op. 26, Eslavo (1888) (2)
J. Ibert Trois pièces brèves (3)
G. Ligeti Seis Bagatelas (3)

(1) Alexandra Moita (trompete), Brian Andrade (trompete), Carlos Lopes (trompete), Duarte Anjo (trompete), Maria Batista (trompete), Rafael Simões (trompete), Sara Antunes (trompete), Sérgio Cabral (trompete)

(2) Beatriz Tomás (violino), Inês Ferreira (violino), Diogo Lopes (viola), Joana Rosa (violoncelo)
(3) Diogo Soares (flauta), Nazaré Pinto Leite (oboé), Helena Gabriela (trompa), Nuno Mourão (fagote), Joana Neves (clarinete)  

solistas.jpg

 

Todas as catástrofes e problemas ambientais num só vestido: iLAND SilentScience de Regina Frank em exibição no Pavilhão do Conhecimento

 

 

reginafrank_press.jpg

 

Uma escultura que representa um corpo de mulher envergando um imponente vestido composto por desenhos, pinturas e colagens de diversos materiais e que serve de tela para a visão de uma artista que quer chamar a atenção para uma crise ambiental iminente. iLAND SilentScience é uma obra da artista alemã Regina Frank, que estará em exibição de 11 a 22 de Janeiro no Átrio do Pavilhão do Conhecimento. A inauguração oficial terá lugar no próximo domingo, dia 12, às 16.00, e contará com a presença do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Nascida em 1965, Regina Frank baptizou o seu trabalho, a partir de 2010, como "The HeArt is Present", publicando vários livros e catálogos com este título. A sua obra, que combina texto, tecnologia e têxteis, tem sido apresentada desde o início dos anos 90 em livros de história, revistas de arte, jornais e nas revistas Vogue, Harpers, Parade e Cosmopolitan.

Em iLAND SilentScience a arte está ao serviço da Humanidade para agitar consciências e provocar mudanças de atitude. Através de QR Codes integrados na instalação, o público poderá recolher informação complementar sobre a temática da exposição, conhecer o trabalho de pesquisa da autora e procurar dicas para mudanças de comportamento no quotidiano. A par da instalação, a autora desenvolverá workshops destinados a crianças e adultos sobre algumas soluções nas áreas da alimentação, moda, habitação e transportes.

Regina Frank criou o projecto iLAND SilentScience inspirando-se nas suas instalações anteriores no MAAT, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência de Lisboa e na Web Summit, para além das suas apresentações na China, Japão, EUA e outros países europeus.
Durante a inauguração no Pavilhão do Conhecimento, a artista fará uma visita guiada partilhando com o público o processo de criação e o propósito da sua obra. Este momento terminará com um buffet de clássicos da cozinha tradicional portuguesa em versão vegan.

Esta instalação encontra-se na área de acesso livre do Pavilhão do Conhecimento.

Mais em pavconhecimento.pt.