Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Mafalda Mendonça: a artista que quer partilhar com o mundo a razão impetuosa que rente à alma a faz pintar

Outlook-kvf5osnz.png

 

A exposição chama-se Journey Through Infinity e será apresentada na galeria Welcome to Art no Príncipe Real, Lisboa, até dia 27 de junho. Uma viajem pela mão da artista Mafalda Mendonça,  uma “eternizante” de histórias de amor – o local onde a obra ganha densidade e uma suprema razão de ser.

 

Arquiteta de profissão, foi na pintura e na ilustração que Mafalda Mendonça mergulhou mais fundo e se apaixonou. Depois de apresentar algumas das suas coleções no Brasil e na Foire Internationale du Dessin, em Paris, a artista revela, agora, a sua obra bem aqui perto de nós: na galeria Welcome to Art, no Espaço da Embaixada em Lisboa.

 

A exposição chama-se “Journey Through Infinity”, ou, em português, Percurso Pela Infinitude, e divide-se entre acrílicos sobre tela, onde Mafalda imprime histórias de amor como as de Frida Kahlo e Diego Rivera, assim como a de Salvador Dali ao lado de Gala – como que um impulso reflectido na tela, um coeficiente subjetivo que se tornou concreto, denominador comum de uma forma de arte sensível e sincera que a artista tanto admira e cujo âmago tenta conhecer melhor. Mas o destaque da exposição vai para o quadro “As Paixões de Picasso”, um políptico, isto é um quadro que é associado em 9 telas.

 

Haverá também espaço para ilustrações em aguarela - com interpretações pessoais da artista – algumas delas sobre o clássico de Lewis Carroll, “Alice no País das Maravilhas”, recriações de memórias de infância - e ainda óleos sobre tela com várias figuras de bailado, que representam na perfeição uma das outras grandes paixões de Mafalda: a dança.

 

A exposição estará presente na galeria Welcome to Art, em Lisboa, entre os dias 14 e 27 de junho.

Associação Renovar a Mouraria promove visitas turísticas guiadas por refugiados e imigrantes

07324ee7-7c6d-45a8-b1f9-d9f97044578a.jpg

 

 

Evento: Visitas guiadas Migrantour - gratuitas
Ponto de encontro: Largo da Igreja de São Domingos, Lisboa
Dias: 22 e 29 de junho
Hora: 10H30


Celebrado no dia 20 de junho, o Dia Mundial do Refugiado dá o mote para a realização de 2 visitas gratuitas guiadas ao bairro da Mouraria, asseguradas por guia refugiada e guias imigrantes, no âmbito do projecto europeu Migrantour – New Roots, nos dias 22 e 29 de junho, às 10h30.

Nos dias 22 e 29 de junho, sábado, as visitas são abertas ao público em geral que devem fazer a sua inscrição para visitasguiadas@renovaramouraria.pt

As visitas são gratuitas e ocorrem no bairro da Mouraria, um dos mais multiculturais de Lisboa com 30% de população imigrante e mais de 50 nacionalidades diferentes, dando a conhecer o olhar singular de cada guia sobre a Mouraria, mas também as suas histórias pessoais e culturais.

Os guias Migrantour são oriundos do Brasil, Japão, Polónia, Roménia, Rússia, Ucrânia, Venezuela, Argentina, Angola e descendente de Cabo-verdianos. Estes asseguram visitas com a duração estimada de 2h30 que são uma experiência única.

Migrantour – New Roots visa promover a integração e a participação activa de refugiados e imigrantes recém-chegados ao país, na criação de uma nova narrativa sobre imigração, tendo implementação em 5 países e 10 cidades europeias.

Em Portugal, a Associação Renovar a Mouraria conta, na implementação do projecto, com a parceria da Associação Crescer, que trabalha por uma inclusão na comunidade de grupos em situação de maior vulnerabilidade e exclusão.

Para mais informações sobre o projecto, pode visualizar o vídeo e visitar a página de facebook e o site.

Exposição de Jorge Guerra - Saudade de Pedra

image_viewer.php.jpg

 

O Arquivo Municipal de Lisboa inaugura no próximo dia 4 de abril, pelas 19h00 a exposição "Saudade de Pedra" de Jorge Guerra (Lisboa, 1936), nome incontornável na história da fotografia portuguesa e canadiana.

Esta exposição que irá decorrer na rua da Palma 246, até ao dia 29 de junho de 2019, traz a público um conjunto de 100 fotografias a preto e branco realizadas no final de 1966 e principio de 1967, numa curta passagem do autor por Lisboa. São imagens nostálgicas que reflectem uma sensibilidade humanista, que possibilitaram um reconhecimento e contextualização do seu trabalho ao nível nacional e internacional.

Jorge Guerra irá estar em Lisboa durante um curto período de tempo, que abrange a inauguração da exposição e uma conferência aberta ao público que terá lugar no dia 9 de abril, pelas 18h30. Neste dia será lançado o catálogo da referida exposição que conta com textos de Jorge Calado.

«É o povo que faz a fotografia de Jorge Guerra. A paisagem é humana, e a arquitectura, a das relações entre amigos, vizinhos ou transeuntes à solta. É fotografia de rua, mas sem carroças nem automóveis. A tónica está na forma como as pessoas se relacionam (ou não) umas com as outras. Há corpos solitários, mas também encontros e desencontros fortuitos, mendigos, vendedeiras e transacções ambulantes. Nos jardins e miradouros, acumulam-se os velhos reformados à espera que o tempo corra.»

Excerto do texto Corpos Urbanos de Jorge Calado

Palácio Chiado | Conversas no Palácio – Loucos ou Artistas?

 

O Palácio Chiado é palco para conversas à volta da mesa sobre loucura, arte e gastronomi

Imagem_conversas_Palácio.png

 

O Palácio Chiado recebe o chef Joe Best, o gastronauta e moderador Pedro Cruz Gomes, o confundador do Manicómio, Sandro Resende, e o Antropólogo e psicanalista José Gabriel Pereira Bastos, para ser discutido o tema “Loucos ou artistas?”, na rubrica Conversas no Palácio.

 

A criatividade faz parte de todos os presentes, e esta conversa à volta da mesa visa trocar ideias e partilhar opiniões sobre assuntos verdadeiramente fraturantes da sociedade.

 

O que tem em comum a loucura, a arte e a gastronomia? Vamos descobrir a 19 de junho, entre as 18h e as 19h30.

 

Para saber o que mais pode vir a acontecer é necessário marcar presença. A entrada é livre, mas para fazer parte da conversa é necessário efetuar reserva através do email geral@palaciochiado.pt.

 

Está programada outra sessão em setembro com o tema da crítica gastronómica e artística. Imperdível!

Janis Dellarte | Exposição "Nós Enredamentos, Entrecidos Despojos"

JANIS DELLARTE


 Nós Enredamentos, Entrecidos Despojos

909189f7-aa87-4868-bd48-c4b599c21481.jpeg

 

© Ana Paganini

 

Inauguração: 6 de junho, 18h30
Exposição de 7 junho a 31 agosto de 2019 | todos os dias, das 9h às 20h.  
Jardim Botânico da Universidade de Lisboa | Museu Nacional de História Natural e da Ciência
Rua da Escola Politécnica, 56-58, Lisboa
 
No próximo dia 6 de junho, às 18:30h, inaugura a exposição “Nós Enredamentos, Entrecidos Despojos ” de Janis Dellarte, no Jardim Botânico da Universidade de Lisboa.
Esta exposição, composta por um conjunto de 6 instalações organicamente enredadas com o ecossistema do Jardim Botânico, materializa a resposta da artista, no momento histórico particular que vivemos, a navegar entre a (i)moralidade da poluição e a sua beleza plástica-simbólica, e o aparente paradoxo, talvez inescapável, de integrar essa poluição na sua prática artística.
Interpelada pelas grandes ilhas de lixo nos oceanos, Janis resgata os despejos marítimos que dão à costa no naufrágio permanente do consumo contemporâneo e da atividade piscatória - material físico e simbólico, usado entre as suas linhas, enredamentos, despojos de entretecidos e nós, para criar os seus seres híbridos, testemunho de conhecimentos ancestrais, de novas e velhas memórias, na esperança de poder contribuir para uma consciência individual, cada vez mais ativa, participativa e solidária.
A eleição do Jardim Botânico do Museu Nacional de História Natural e da Ciência para a sua exibição, pretende reforçar a primordial missão educativa deste espaço, usando-o como veículo de reflexão sobre a importância da preservação dos ecossistemas naturais e de sua vulnerabilidade às ações humanas. 

No evento de  inauguração Janis convida artistas – performers, bailarinos e músicos para realizar uma cerimónia/ neo-ritual/ peregrinação de apresentação das peças pelo Jardim Botânico.
 
Esta exposição é produzida pelo Museu Nacional de História Natural e da Ciência em parceria com a Ocupart.
 
Janis, Lisboa 1989, vive e trabalha em Lisboa. Cria híbridos escultóricos, peças têxteis performativas, objectos ritualisticos e instalações iterativas, através do croché, tricô, tradições têxteis em vias de extinção, o quase perdido feito-á-mão. Morou nove anos em Madrid onde estudou Belas Artes e sete em Londres onde fez um Art & Design Foundation na Chelsea College of Art. Licenciou-se em Textiles and Surface Design na Buckinghamshire New University, concluiu um curso de Joalharia Experimental na Central Saint Martins e tornou-se Mestre em Knitted Textiles (tricô) na Royal College of Art. No verão de 2014 voltou para Portugal, sua terra natal, onde tem vivido desde então. Em Lisboa, assistiu ao Workshop de Estratégias para o Intérprete Contemporâneo, por Vânia Rovisco, e o curso Livre de Performance Arte Portuguesa: Performers e Performances na Universidade Nova de Lisboa. Colabora com designers, músicos, bailarinos e performers, e faz parte de iniciativas artivistas como a Linha Vermelha e o Zero Waste Lab– por um futuro mais consciente e menos plásticos! Este ano mudou-se para o Litoral Alentejano onde se entregou a este projeto de resgate de plásticos da praia e criação das peças presentes nesta exposição.
Já expôs em Londres, Nova Iorque, Jalisco (México), Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto e Lisboa. Entre outras, destacam-se para as exposições no Palácio das Artes do Porto, no Museu da Eletricidade e no MUDE em Lisboa, na abertura da Z42 no Rio de Janeiro, The Java Projects en Nova Iorque, na MilMa e na Geddes Gallery em Londres.

Cultura no Hospital - Conservatório Nacional na CUF Descobertas - 19 de junho, 13h às 14h

Conferência “Cultura no Hospital” a 19 de junho, entre a 13h00 e as 14h00

Música clássica do Conservatório Nacional de Lisboa no Auditório

do Centro do Conhecimento do Hospital CUF Descobertas

 

O Hospital CUF Descobertas está a promover até ao mês de julho o ciclo de conferências “Cultura no Hospital”. Destinado ao público em geral, “Cultura no Hospital” é um ciclo de eventos que pretende trazer mensalmente ao Auditório do Centro do Conhecimento do Hospital variados momentos culturais, assim como de debate e reflexão sobre temas tão diversos como a ciência, a cultura, a tecnologia, a saúde e a música, entre outros.

 

Na próxima quarta-feira, dia 19 de junho, entre as 13h00 e as 14h00, o Auditório do Centro do Conhecimento do Hospital CUF Descobertas tem a honra de receber a Escola Artística de Música do Conservatório Nacional de Lisboa, que irá apresentar música clássica.

 

As conferências, abertas à comunidade em geral, têm entrada livre, sujeita à capacidade da sala, realizando-se no Auditório do Centro do Conhecimento do Hospital CUF Descobertas, localizado no Edifício 2 desta unidade.

 

Conheça o próximo evento do ciclo de conferências em 2019:

24 de julho – Cristina Semião Alves Watson (IBM) – A decisão terapêutica

 

SANTO ANTÓNIO VISITA A LIVRARIA SÁ DA COSTA

santo antonio.jpg

 

Entre os próximos dias 11 de 18 de Junho estarão expostos na montra lateral da Livraria Sá da Costa dois Tronos de Santo António realizados por António Calpi, Eduardo Rebelo, Rita Barros e Vera Futscher.

Esta iniciativa integra-se na exposição de rua “Tronos de Santo António´19”, organizada pela EGEAC, com o objectivo de estimular a participação de todos no espaço público da cidade de Lisboa durante o mês das festas da cidade.

As Festas de Lisboa continuam em pleno

0ed7aba2-3f49-46a0-8322-4c3a6b288276.jpg

 

Os arraiais, as marchas populares e os casamentos de Santo António já estão aí e a EGEAC está a sensibilizar todas as entidades envolvidas para que as Festas de Lisboa decorram com respeito pelos horários e todas as normas de segurança, ruído, higiene e sustentabilidade.
 
“É fundamental que, tanto parceiros como público, ganhem consciência de que quando as normas não são respeitadas estão a prejudicar os moradores e uma das iniciativas mais queridas da cidade” sublinha a presidente do Conselho de Administração da EGEAC, Joana Gomes Cardoso.

“Isto não significa que não se possa festejar e celebrar”, acrescenta Joana Gomes Cardoso, lembrando que já na próxima semana vão decorrer algumas das iniciativas mais emblemáticas e distintivas da cidade: as marchas populares.
 
Ainda antes do grande desfile na noite de Santo António, na Avenida da Liberdade, as Marchas Populares irão revelar os temas, figurinos, músicas e coregrafias, que nos últimos meses estiveram a ser preparados e ensaiados em segredo.

Dias 7, 8 e 9, a partir das 21h, a Altice Arena é o palco das primeiras exibições públicas das Marchas, um espetáculo vibrante e aberto ao público que pode, assim, assistir em primeira mão a esta tradição festiva lisboeta.

Também no fim de semana é obrigatório visitar a exposição 100% Sardinha, para conhecer as melhores propostas do concurso deste ano que até ao final do mês, entre as 14 e as 22h, estão expostas no Espaço Trindade.
Integrado nesta exposição, convidamos alguns dos mais premiados ilustradores portugueses para a realização de workshops gratuitos para toda a família, com sessões às 15h30 e 17h30. Ao longo do mês, nas tardes de sábado e domingo, contamos com nomes como Yara Kono, Nuno Saraiva, Catarina Sobral e André Letria.

A partir deste sábado, e durante três dias, o festival de música Lisboa Mistura estará na Quinta das Conchas levando pela primeira vez até este jardim do Lumiar o festival que celebra a diversidade cultural.
  
Este ano, o Lisboa Mistura junta músicos internacionais do Médio Oriente, América do Norte e África com grupos comunitários, constituídos por pessoas de várias freguesias de Lisboa, de diferentes gerações e culturas. 

Na próxima semana é o Fado que vai estar em destaque nas Festas de Lisboa, ao longo de duas noites especiais que juntam duas das maiores fadistas da atualidade com dois coros muito particulares. Num palco privilegiado, o Castelo de S. Jorge, a partir das 22h, fazemos silêncio para ouvir Ana Moura e Sopa de Pedra (dia 14) e Raquel Tavares e Gospel Collective (dia 15).
 

ARTHUR MELO APRESENTA SINGLE “ FORÇA” E ANUNCIA TOUR IBÉRICA

image011.png

 

 

Arthur Melo e o single "Força" juntamente com o álbum “Nhanderuvuçu” um projecto cheio de sonoridades, expressão e identidade cultural. Se gosta de um som que combina a harmonia das congas, percussão, baixos e bateria  convidamo-lo a conhecer mais de perto este projecto com grande simbolismo da cultura musical brasileira.              

 O artista brasileiro prepara-se para apresentar todos os outros temas de "Nhanderuvuçu", durante a tour ibérica em Portugal e Espanha agendada para Julho 2019. No dia 18 de Julho o artista vai estar na FNAC do Centro Comercial Colombo para um concerto intimista, pelas 18h30. Já no dia 20 será a vez da FNAC de Alfragide receber o  “Nhanderuvuçu” de Arthur Melo a partir das 17H.