Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Ana Cristina Pereira apresenta "Vitória" na Biblioteca de Loulé

Vitória.png

 

Na próxima sexta-feira, 22 de março, pelas 18h30, na Biblioteca Municipal de Mello Breyner Andresen, Ana Cristina Pereira apresenta o seu livro “Vitória”, no âmbito de mais uma sessão de “Livros Abertos”.

“Vitória” é o seu terceiro livro. Resulta de um apanhado de textos decorrente de algumas conversas, onde a partilha de sentimentos e emoções vividas foi uma constante. São retalhos de momentos que preenchem quotidianos, são lições de vida que reforçam a ideia de que uma existência vazia de amor em nós e para os outros, não tem significado. Temos sempre a necessidade de pertencer a algum lugar, de pertencer ao mundo de alguém. Não é importante o que damos, fazemos ou como somos. O que tem importância são os valores que transmitimos e a marca que deixamos naqueles que se cruzam no nosso caminho. Essa é a obra que faz parte da nossa história e será a forma como seremos recordados.

Numa abordagem diferente dos livros anteriormente publicados, retrata pensamentos mais profundos sobre as diversas maneiras de viver e sentir a realidade que faz parte da vida de cada um de nós. Realidade que é abordada de forma crua e sem filtros.

Ana Cristina Pereira nasceu em Lisboa, em setembro de 1967, e reside no Algarve desde os seis anos. Licenciada em Ciências Socias, desde julho 2011, exerce funções de Assistente Técnica na Função Pública desde 1990. Sempre cultivou o gosto pela escrita e leitura e é autora dos livros “Almanaque da Diversão” (outubro 2015) e “Tratado da Loucura” (outubro 2016), e coautora de dois contos nos livros coletivos “Palavras [Con] Sentidas”, Edições Vieira da Silva (maio 2016) e «”1º Concurso Literário de Edições Vieira da Silva” (setembro 2017).

A apresentação da obra está a cargo de Edite Machado.

A entrada livre.

 

Livro inédito de Luís Monteiro Pereira vai ser apresentado

 

Realiza-se esta quinta-feira, 21 de março, pelas 18h00, no Museu Municipal de Loulé, o lançamento de “Poemas de um Adulto-Criança”, um livro publicado pela Câmara Municipal de Loulé que reúne um conjunto de poemas inéditos da autoria de Luís Monteiro Pereira.

A apresentação da obra estará a cargo de José Quadros e Arménio Aleluia Martins.

Luís Alberto Monteiro Pereira nasceu em Boliqueime, Concelho de Loulé, no dia 6 de fevereiro de 1958.

Poeta, escritor e cronista desde jovem, colaborou nos jornais “O Dia”, “O Tempo”, Correio da Manhã”, “O Diabo” e o “Século”. Escrevia regularmente nos jornais regionais “A Avezinha”, “Notícias de S. Brás” e “A Voz de Loulé”, onde se iniciou no jornalismo como autodidata, sobre os mais diversos temas da atualidade, desde a política à cultura.

Publicou obras de poesia e prosa, como "Crónicas do Tempo Morto", "Lágrimas e Fel", “Refúgio Poético”, “No Pico da Melancolia”, "(In)quietações", “Poeticodependência”, “Cântico à Mãe Soberana”, “2 Dias de Vida e 3 d’lusões”, “Vagueando na Vagas do Tempo”, “Fado dos Meus Silêncios”, “Estética de Uma Dor Incomum” e “O Conservador de Utopias”, este último editado em 2015.

Profissionalmente exerceu a atividade de técnico de animação cultural na Câmara Municipal de Loulé, desde 1993, no Gabinete de Comunicação e na Divisão de Cultura, tendo uma colaboração permanente na Agenda Municipal.

Faleceu a 9 de outubro de 2015, aos 57 anos.

 

Cristina Moura Rebelo apresenta "O meu livro vermelho de poemas e outros textos"

Livro Vermelho (002).jpg

 

“O meu livro vermelho de poemas e outros textos” de Cristina Moura Rebelo

Biblioteca Municipal do Barreiro|16 de março

 

“O meu livro vermelho de poemas e outros textos” é o título da obra de Cristina Moura Rebelo, que vai ser apresentado, no próximo sábado, dia 16 de março, às 16h00 na Biblioteca Municipal do Barreiro.

Público geral |Entrada livre

 

Sinopse

Este livro de Cristina Moura Rebelo é por isso - para além da sua assumida demanda poética - um livro de uma luminosidade capaz de desconstruir e recriar o que muitas vezes parece óbvio para os seus leitores menos atentos.

É mais do que isso é um livro sobre o amor absoluto num mundo cada dia mais relativista, egocêntrico e por isso mesmo menos integral e regenerador.

Sob esta perspetiva, podemos sem dúvida ver em alguns dos seus poemas um modo

singular de interpretar a realidade como resultante da conexão entre a linguagem poética e a sua verdade percecionada.

 

Biografia

Cristina Moura Rebelo tem mais de 10 anos de experiência em gestão de projetos complexos, é uma apaixonada pela gestão e organização de projetos e eventos, especialmente através de abordagens agile como meio de otimizar tempo e recursos. Atualmente gere a equipa de desenvolvimento das funcionalidades core da TV do Meo. É licenciada em Gestão de Empresas, com uma pós-graduação pela Universidade Católica Portuguesa e duas certificações em gestão de projetos. Blogger e escritora, com vários artigos técnicos publicados bem como um livro de poemas, participa frequentemente como oradora/moderadora em eventos de interesse público e envolve-se frequentemente em ações de voluntariado de natureza diversa. É casada e tem dois filhos.

 

 

 

 

Livro Ramiro- Cervejaria lançado no El Corte Inglés de Lisboa

Cervejaria_Ramiro CAPA.jpg

 

 

Amanhã, dia 28 de Fevereiro, às 18.30 horas, o livro ‘Ramiro-Cervejaria’, de Alexandra Prado Coelho e fotografia de Paulo Barata, será apresentado por Nuno Pinto de Magalhães, no Âmbito Cultural do El Corte Inglés de Lisboa, no Piso 6.

 

Sinopse

Fundada em 7 de abril de 1956, a Cervejaria Ramiro é hoje um ícone da cidade de Lisboa e, sem dúvida, uma referência mundial da restauração, para a qual contribuíram, e continuam a contribuir, milhares de pessoas que ali vão deliciar-se com as famosas gambas a la guillo, entre muitos outros tesouros, que o Ramiro serve sem concessões e com a qualidade e a consistência de anos e anos de trabalho.

Este livro é a celebração dos mais de 60 anos de existência da casa e uma homenagem ao seu fundador, o visionário Sr. Ramiro, que ousou introduzir na cidade um conceito único e inovador. Mas também é uma homenagem a todos os que fizeram e ainda fazem parte deste caminho.

Em quatro capítulos cativantes, Alexandra Prado Coelho e Paulo Barata levam-nos numa viagem à história e às memórias dos seus protagonistas, desvendam os “segredos”, partilham a azáfama, o fascínio, a alma da mítica Cervejaria Ramiro.

Uma viagem empolgante e apaixonada, contada pela família, equipa, amigos, fornecedores e parceiros de negócios. Mas também as muitas viagens que os autores fizeram à origem de tudo o que chega à mesa: as ostras da Ilha dos Puxadoiros, em Aveiro, os percebes das Berlengas, em Peniche, as sapateiras e as lagostas do Guincho, as amêijoas da Ria Formosa, o presunto de Jabugo, Espanha…

 

A viagem única à cozinha vertiginosa e aos bastidores deste pequeno gigante, pela lente de Paulo Barata e que resultou num registo fotográfico inédito, que compõe a última parte do livro.

Com a chancela da Plátano Editora e coordenação de Pedro Gonçalves e Paulo Barata, este livro leva-nos ao universo de um dos restaurantes mais fascinantes do mundo.

 

Textos

Alexandra Prado Coelho

Trabalha como jornalista no Público desde a fundação deste diário, em 1990, primeiro na secção internacional, mais tarde na de Cultura. Nos últimos anos, especializou-se em temas ligados à gastronomia e alimentação, desde a produção de alimentos, questões de saúde e política alimentar, indústria e restaurantes.

 

Fotografia

Paulo Barata

Formado em fotografia pela Escola Superior Artística do Porto. Iniciou a sua carreira profissional como fotógrafo de concertos, cinema, teatro e televisão. Depois, como fotojornalista, ingressou na revista de viagens Volta ao Mundo, onde trabalhou como freelancer durante cindo anos, bem como noutras publicações nacionais e internacionais de referência. A gastronomia surgiu como um caso, mas foi uma paixão que se intensificou ao longo do tempo. Para além de fotógrafo, é co-criador e director do festival de gastronomia Sangue na Guelra.

A apresentação do livro estará a cargo de Nuno Pinto de Magalhães.

Novo livro da Ferrari apresentado na Lionesa | 18 fevereiro às 18h00

Ferrari.jpg

 

A celebrar a data de nascimento do criador da marca Ferrari, Enzo Ferrari, a Lionesa apresenta o livro Ferrari Art Edition, uma edição rara e de luxo que conta a história lendária da Ferrari, e que oferece o acesso irrestrito a centenas de fotografias dos arquivos da Ferrari e de colecionadores particulares, que  revelam a história completa por detrás dos protagonistas, vitórias, passado e futuro da Ferrari.

 

Um dos 1947 exemplares disponíveis no mundo estará em exposição na Lionesa para contemplação de toda a comunidade. A esta obra de arte, junta-se ainda uma imponente e exclusiva vitrine de alumínio projetada por Marc Newson, que faz parte de uma edição limitada a 250 peças.

Com edição da Taschen, esta peça de arte conta com a assinatura de John Elkann, chairman da Ferrari; de Piero Ferrari, filho do Enzo Ferrari; e do recém-falecido Sergio Marchionne, chefe da Fiat-Chrysler.

A esta celebração do luxo, junta-se a Farfetch que irá abrir a agenda do dia, com a exposição da peça num evento privado e exclusivo para os seus colaboradores.

O evento continua com uma “Tertúlia” às 18h, sob o tema do sector automobilístico de luxo, que será conduzida por Adelino Diniz e contará com a participação de convidados muito especiais e a exposição da peça a toda a comunidade Lionesa.

Apresentação do livro “Matter of Space. Città e architettura in Paulo Mendes da Rocha” de Carlo Gandolfi / 9 fevereiro, sábado, às 17h00, Casa da Arquitectura

matter_of_space_CA_02_2019_facebook_post.jpg

 

O livro Matter of Space. Città e architettura in Paulo Mendes da Rocha” de Carlo Gandolfi é apresentado no próximo dia 9, sábado, às 17h00, na Biblioteca da Casa da Arquitectura (CA) - Centro Português de Arquitectura, em Matosinhos.

Após a apresentação da obra, o autor estará à conversa com André Tavares e Nuno Sampaio. 

Entrada Livre sujeita à lotação da sala (50 lugares). Levantamento de bilhete 30 minutos antes na Bilheteira da CA. 

 

 

“Uma Lágrima que Cega” de Casimiro de Brito apresentado em Loulé

Casimiro de Brito.JPG

 

O poeta, romancista, contista e ensaísta algarvio Casimiro de Brito apresenta no próximo dia 9 de fevereiro, pelas 15h30, na Biblioteca Municipal Sophia de Mello Breyner Andresen, em Loulé, a obra “Uma Lágrima que Cega”.

O romance “Uma Lágrima que Cega” é uma peregrinação lúcida e erótica a todos os santuários do amor. Um amor lunático e antropófago. É a história em fragmentos de uma aventura luminosa e incandescente e depois trágica que se inicia num festival de poesia na Provence e atravessa (como se fosse um barco louco) as ilhas do Adriático, as margens do Arno em Florença (onde ele bebe esse vinho), as ruas de Paris, as cidades milenares de Byblos e Tyr no Líbano, as montanhas de neve de Faraya e os fjords da Noruega, Mozart e os blues de Billie Holiday, a cascata de Astarte e a casa de Khalil Gibran. Um amor que acaba por se matar.

Casimiro de Brito nasceu em Loulé, a 14 de janeiro de 1938. Teve  várias profissões e acabou a sua carreira fora da Literatura como diretor de um banco. Atualmente dedica-se exclusivamente à escrita.

Começou a publicar em 1957 (Poemas da Solidão Imperfeita) e, desde então, lançou mais de 40 títulos. Dirigiu várias revistas literárias, entre elas Cadernos do Meio-Dia (com António Ramos Rosa), os Cadernos Outubro/ Fevereiro/ Novembro (com Gastão Cruz) e Loreto 13 (órgão da Associação Portuguesa de Escritores).

Atualmente é responsável pela colaboração portuguesa na revista internacional “Serta”. Esteve ligado ao movimento Poesia 61, um dos mais importantes da poesia portuguesa do século XX.

Ganhou vários prémios literários, entre eles o Prémio Internacional Versilia, de Viareggio, para a "Melhor obra completa de poesia", pela sua Ode & Ceia (1985), obra em que reuniu os seus primeiros dez livros de poesia.

Colabora nas mais prestigiadas revistas de poesia e tem obras suas incluídas em mais de 238 antologias, publicadas em vários países.

Participou em inúmeros recitais, festivais de poesia, congressos de escritores, conferências, um pouco por todo o mundo.

Foi diretor de festivais internacionais de poesia de Lisboa, Porto Santo (Madeira) e Faro. Foi vice-presidente da Associação Portuguesa de Escritores, presidente da Association Européenne pour la Promotion de la Poésie, de Lovaina, e presidente do P.E.N. Clube Português.  Obras suas foram gravadas para a Library of the Congress, de Washington.

Foi agraciado pela Academia Brasileira de Filologia, do Rio de Janeiro, com a medalha Oskar Nobiling por serviços distintos no campo da literatura — entre outras distinções, nomeadamente, em Portugal, a Ordem do Infante.

Conselheiro da Associação Mundial de Haiku, de Tóquio, foi nomeado “Embaixador Mundial da Paz” (Genebra, 2006).

A Académie Mondiale de Poésie (da Fundação Martin Luther King), galardoou-o, em 2002, com o primeiro Prémio Internacional de Poesia Leopold Sédar Senghor, pela sua carreira literária. Ganhou o Prémio Europeu de Poesia Aleramo-Mario Luzi, para o “Melhor Livro de Poesia Estrangeiro”, publicado em Itália, em 2004, e o “Poeteka”, na Albânia.

Tem traduzido poesia de várias línguas, sobretudo do japonês, e foi traduzido para galego, espanhol, catalão, italiano, francês, corso, inglês, alemão, flamengo, holandês, sueco, polaco, esloveno, servo-croata, macedónio, grego, romeno, búlgaro, húngaro, albanês, russo, árabe, hebreu, chinês e japonês. A sua obra é composta por mais de 45 livros 

Em 2016, recebeu a Medalha de Mérito Municipal atribuída pela Câmara Municipal de Loulé.

Esta sessão de “Livros Abertos” tem entrada livre.

 

CML/GAP /RP

O impossível resgaste dos rapazes tailandeses e a escritora italiana comparada com Elena Ferrante no primeiro trimestre da Leya

 

Chamamos a atenção para alguns dos títulos que a Leya editará no primeiro trimestre, em especial para a edição de História de Uma Família Decente, de Rosa Ventrella, considerada pela crítica "a Elena Ferrante de Bari"; para a biografia do capitão de Abril, Sanches Osório; para o relato do resgate milagrosa dos rapazes presos na gruta tailandesa e para o novro livro de José Milhazes, que conta a história real de um casal estónio que passou pelo campos de concentração nazi e pelos gulags russos.

Os Blumthal - A Histórial Real de Vidas Sacrificadas Às Piores Utopias e Tiranias do Século XX, de José Milhazes (Oficina do Livro)

 

O jornalista reconstitui a vida dos avós da mulher, Siiri Milhazes, que foram vítimas, primeiro do regime nazi e depois do comunista, acabando em campos de concentração. Um morreu de fome no Cerco de Leninegrado, o outro sobreviveu ao frio da Sibéria, mas viveu sempre atormentado pelo que vira e pelo que passara,

Um Passeio pela Europa, de Fernando d’ Oliveira Neves (Dom Quixote)

Memórias da experiência europeia de um dos mais importantes embaixadores portugueses.

5 Mudanças – Antes, Durante e Depois do Cancro, de Magda Rocha (Oficina do Livro)

A nutricionista, autora de livros como “A Dieta Anticancro”, fornece respostas muito concretas para quem está a tempo de evitar um diagnóstico oncológico e também para quem se encontra numa fase pós-doença. Com o foco no combate à doença mais mortal dos nossos tempos, identifica os 5 pilares que sustentam a verdadeira mudança para uma vida mais equilibrada, saudável e feliz.

Fevereiro

Os rapazes na gruta: nas profundezas da impossível missão de resgate na Tailândia, de Matt Gutman (Casa das Letras) 

Os Falcões do Biafra, de Fernando Cavaleiro Ângelo (Casa das Letras) A história de como Salazar apoiou secretamente os independentistas do Biafra na Guerra Civil da Nigéria (1967-70)

Falcões.jpg

 

Sanches Osório, Memórias da Revolução, de Maria João da Câmara (Oficina do Livro) Biografia do oficial católico e monárquico que aderiu ao Movimento dos Capitães e ajudou a concretizar o 25 de Abril.

Sanches OPsório.jpg

 

Março

História de Uma Família Decente, de Rosa Ventrella (Dom Quixote ) Rosa Ventrella foi comparada a Elena Ferrante pela imprensa italiana assim que o livro foi publicado em Abril de 2018. Entretanto vendido para todo o mundo, o romance passa-se na década de 80, em Bari, protagonizado por Maria, uma menina de 12 anos, que cresce apoiada por uma doce mãe e assutada pela violência do pai.

A Morte do Comendador II, de Haruki Murakami (Casa da Letras)

Segunda parte do novo romance do escritor japonês.