Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Museu de Lamego | Lançamento do Livro “O Magriço” de Tiago Salazar

Lançamento do livro “O Magriço - a verdadeira história de D. Álvaro Gonçalves Coutinho, um dos Doze de Inglaterra” de Tiago Salazar

MuseuLamego_Lancamento_Livro_OMagrico_Imagem.jpg

 

Tiago Salazar regressa a Lamego para apresentar o seu novo romance histórico sobre a vida do cavaleiro Álvaro Gonçalves Coutinho, “O Magriço”.

Marcado para dia 15 de outubro, no Museu de Lamego, às 18h00, a apresentação da obra estará a cargo de Alexandra Falcão.

Recorde-se que o escritor esteve no verão passado em Lamego, a convite do Museu de Lamego, onde realizou uma residência literária, destinada a concluir a escrita do romance, justamente, por ser nesta cidade que o Magriço passou grande parte da sua vida. 

Com um novo projeto literário na bagagem, o escritor irá permanecer por mais uns dias na residência do Solar da Porta dos Figos - Castelo de Lamego, para pesquisar uma das figuras mais emblemáticas de Lamego, do século XVIII, mas que é também uma das mais esquecidas.

Sinopse:

  1. Álvaro Gonçalves Coutinho – conhecido por Magriço por causa da sua figura débil – foi celebrizado numa passagem d’Os Lusíadas, que destaca a sua coragem entre os Doze de Inglaterra, cavaleiros portugueses que, no reinado de D. João I, participaram num combate que visava lavar a honra de doze damas ofendidas e do qual saíram vencedores.

Porém, mesmo tratando-se de um cavaleiro de linhagem na corte do mestre de Avis, o Magriço não aceitou que o seu monarca lhe negasse o casamento com a mulher que amava, partindo para a Borgonha onde lutou por mais de uma década entre os pares de João Sem Medo, que o considerou um dos mais destemidos guerreiros que alguma vez o haviam servido.

Aventureiro, defensor de causas justas e sempre na senda de glória para os seus amos, Álvaro Coutinho foi também um filho segundo, afastado da herança paterna, um homem amargo a quem a memória da desfeita do rei nunca abandonou, um guerreiro sem medo da morte, um ancião que resistiu à peste e se tornou numa espécie de eremita no fim da vida.

 

Tiago Salazar

Nasceu em Lisboa, em 1972

Formou-se em Relações Internacionais e estudou Guionismo e Dramaturgia em Londres.

É doutorando no Instituto de Geografia onde prepara uma tese sobre “A Volta ao Mundo” de Ferreira de Castro.

Trabalha como jornalista desde 1991, atualmente como freelancer.

Venceu o prémio Jovem Repórter do Centro Nacional de Cultura, em 1995.

É formador de Escrita e Literatura de Viagens.

Idealizou, escreveu e apresentou o programa 2Endereço Desconhecido”, da RTP2. Foi bolseiro da Fundação Luso Americana em Washington, em 2010.

Foi vencedor do prémio Literatura na XVII Gala dos Prémios da revista “Mais Alentejo”, em 2018.

Enquanto autor publicou:

Viagens Sentimentais (2007)

A Casa do Mundo (2008)

As Rotas do Sonho (2010)

Endereço Desconhecido (2011)

Crónica da Selva (2014)

Hei de Amar-te Mais (2013)

O Baú Contador de Histórias (2014)

Quo Vadis, Salazar? Escritos do Exílio (2015)

A Escada de Istambul (2016)

(representante português no Festival do Premier Romains, Chambéry, 2018)

O Moturista Acidental (2017)

A Orelha Negra (2017)

A Fala-Barata (2019)  

 

Tiago Salazar assinala em Lamego o Mês Internacional das Bibliotecas Escolares

Aproveitando a permanência em Lamego, entre os dias 9 e 18 de outubro, o escritor Tiago Salazar vai participar em algumas das atividades programadas pela Rede de Bibliotecas de Lamego, destinadas a assinalar o Mês Internacional das Bibliotecas Escolares.

No dia 13 de outubro, vai estar no Agrupamento de Escolas Latino Coelho, com alunos do 2.º ciclo do Ensino Básico, para duas “Conversas sobre escrita criativa”, a propósito da 2.ª edição do concurso escolar promovido pelo Museu de Lamego e Rede de Bibliotecas de Lamego, Estórias [im]prováveis,  que terá lugar no ano letivo de 2020/21.

 

No dia seguinte, será a vez dos alunos do Centro Escolar de Penude conhecerem o escritor e a sua obra para crianças “A Fala-Barata”, que será apresentada por meio de um espetáculo da responsabilidade da atriz e encenadora Maia Ornelas / Teatro Tapete.

Promovidas pelo Museu de Lamego, Município de Lamego e Rede de Bibliotecas de Lamego, as iniciativas contam com o apoio da Leya, Agrupamento de Escolas de Latino Coelho – Curso Multimédia, Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (ESTGL) e a DouroTV.

 

 

Maia Ornelas

Mestre em Performance Artística e Dança pela Faculdade de Motricidade Humana.

Licenciada em Estudos Teatrais (Ramo Ensino) na Universidade de Évora, (especialização em ensino). Profissionalizada desde 2001, tem vindo a trabalhar como professora de teatro, (movimento, voz, interpretação) em várias escolas e colégios.

Pedagoga do Movimento pelo Instituto de Análise de Movimento (IAM) da Suíça, onde obtém a especialização em Análise do Movimento (terapia).

Conclui o Curso de Formação de Atores, do Instituto e Formação e Criação Teatral (IFICT).

Finaliza o Curso de Dança na Comunidade pelo Fórum Dança, onde se profissionaliza em Dança Criativa. Conclui curso de dança contemporânea na escola de dança contemporânea de Sintra e na escola de dança, Pró-Dança.

Frequenta vários workshops relacionados com movimento para o ator e dança.

Conclui o curso de Professora de Ginástica Laboral pela federação de Ginástica de Lisboa. 

Trabalha como professora da disciplina de movimento do Curso Profissional de Artes do Espetáculo - Interpretação desde 2006 em várias escolas de Lisboa.

 Docente das Unidades Movimento Contemporâneo e Corpo e Processos Criativos, na Escola Superior de Tecnologias e Artes Performativas de Lisboa (Estal) de 2017 a 2019.

Encena e coreógrafa várias peças, tendo organizado vários “Festivais de Teatro Escolar”, abertos à Comunidade em geral.

Fundadora do projeto Teatro do Tapete, onde tem vindo a representar os seus espetáculos em várias escolas, colégios e festas para crianças.

Atriz profissional desde 1998.

Participa em vários anúncios televisivos e em algumas novelas e séries: O Jogo, Rosa Fogo,

Amanhecer, Única Mulher, O Crime, Riscos.

Atualmente a frequentar o Curso de Constelações Sistémicas (2019/2020) no Porto com a psicóloga e especialista em Constelações familiares, Silvana Ferreira.

Chega hoje às livrarias novo livro de Samuel F. Pimenta

Capa_Ascensão da Água.png

 

Ascensão da Água, publicado agora pela editora Labirinto, valeu ao escritor o Prémio Literário Cidade de Almada 2019

 

Lisboa, 17 de setembro de 2020. O último livro que Samuel F. Pimenta publicou foi o romance Iluminações de Uma Mulher Livre, em 2017, sob a chancela da Marcador. Depois de três anos afastado do mercado editorial, regressa agora com o livro de poesia Ascensão da Água, depois de ter ganhado em 2019 a 31.ª edição do Prémio Literário Cidade de Almada.

 

«Este livro nasceu da observação do ciclo da água, elemento tão vital ao nosso planeta, mas também dos mitos a ela associados, com referências às imagens pagãs do inferno primordial, mundo subterrâneo e subaquático. É também uma cartografia de afectos, ou não fosse a água o seu elemento, já que muitos dos poemas são dedicados a pessoas e lugares importantes para mim e para o processo criativo do livro», diz Samuel F. Pimenta.

 

Nas palavras do júri do Prémio Literário Cidade de Almada, composto por José Manuel Mendes, escritor e presidente da Associação Portuguesa de Escritores, Manuel Frias Martins, professor universitário e crítico literário em representação da Associação Portuguesa dos Críticos Literários, e pelo poeta Joaquim Pessoa, «Ascensão da Água apresenta um conjunto de poemas com uma arquitetura elegante e uma dicção poética conseguida, as quais geram uma relação muito cativante com o próprio potencial imaginativo do leitor. É melancólico o olhar que o poeta lança sobre o mundo. Contudo, há nos poemas um êxtase contemplativo que capta a atenção, reforçando, ao mesmo tempo, a eficácia comunicativa das imagens e das palavras».

 

Promovido pela Câmara Municipal de Almada desde 1989, o galardão é considerado uma referência nacional na área da literatura e na promoção da criação literária em língua portuguesa, já tendo agraciado autores como Domingos LoboJosé Mário SilvaCarla Pais e José Jorge Letria.

 

Ascensão da Água tem apresentação agendada para 1 de outubro, na Biblioteca Palácio Galveias, em Lisboa, pelas 18h30, e será apresentado pelo jornalista e escritor Fernando Dacosta.

 

Samuel F. Pimenta é poeta e escritor, tem 30 anos e seis livros publicados. Nasceu em Alcanhões, Santarém, começou a escrever com 10 anos e licenciou-se em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa.

 

Tem participado em diversas conferências e em encontros literários nacionais e internacionais, e colabora com publicações em Portugal, no Brasil, em Angola, em Moçambique e na Galiza. Em 2016 representou Portugal no International Young Poets Meeting, em Istambul, Turquia. A sua obra está presente em diversas antologias, em Portugal e no estrangeiro. Alguns dos seus livros deram origem a peças de teatro e teses académicas.

 

São vários os prémios que lhe têm sido atribuídos, como o Prémio Jovens Criadores 2012 (Portugal), a Comenda Luís Vaz de Camões 2014 (Brasil) e o Prémio Liberdade de Expressão 2014 (Brasil). Em 2015, foi um dos vencedores das Bolsas Jovens Criadores, do Centro Nacional de Cultura, para a realização de uma residência artística e a escrita do romance Iluminações de Uma Mulher Livre. Em 2016, com o livro Ágora, ganhou o IV Prémio Literário Glória de Sant’Anna, galardão anual destinado ao melhor livro de poesia dos países e regiões de língua portuguesa.

 

Além da literatura, dedica-se ao estudo da espiritualidade e à promoção dos direitos LGBTI+, dos direitos humanos e dos direitos da Terra.

 

Feira do Livro de Lisboa celebra 90 anos com a maior oferta editorial de sempre

image_processing20200820-4701-v4h8iv.jpg

  • Evento conta com um total de 310 pavilhões, 117 participantes e representação de 638 marcas editoriais;
  • Edição de 2020 é a 2.ª maior da história da Feira do Livro de Lisboa, contando com adesão massiva de editores e livreiros em ano de pandemia;
  • Medidas de mitigação da COVID-19 levaram à adaptação do formato e da programação para garantir a manutenção do distanciamento social.
  • segunda a quinta-feira - das 12h30 às 22h00;
  • sexta-feira - das 12h30 às 00h00;
  • sábado - das 11h00 às 00h00;
  • domingo - das 11h00 às 22h00.

“Salvadores”: um thriller histórico de António Pedro de Sá Leal, que acaba de chegar às livrarias

Em 2019, um grupo de operações especiais, criado nos tempos da rainha D. Maria I, luta para impedir um atentado terrorista em Lisboa. Conseguirá evitar a catástrofe?

Acaba de chegar às livrarias o livro “Salvadores”, um thriller histórico da autoria de António Pedro Sá Leal – empreendedor, autor de dois livros de surf e que se estreia agora no mundo da ficção.

 

image005.jpg

 

A narrativa decorre num mundo à beira de uma crise ambiental em larga escala, em que existe uma força de ação global, que luta para defender o homem e a Humanidade. Os Salvadores são uma sociedade secreta reconhecida pela maioria dos governos de todo o mundo por prestarem apoio e logística operacional para prevenir, resolver ou dar assistência em catástrofes naturais. Devido à sua origem templária possuem igualmente uma outra missão, esta secreta: espiar, extrair, capturar ou eliminar inimigos em todo o mundo.

 

No mundo pré-Covid identificam uma ameaça que os conduz numa perseguição em Espanha, Nigéria, Omã, e termina em Lisboa. A equipa destacada para liderar esta operação vê-se envolvida numa rede de informações e contra-informações, acabando por desvendar um inimigo muito mais poderoso do que poderiam imaginar e terá de evitar o pior dos cenários: um atentado terrorista que poderá destruir a cidade de Lisboa.

 

Fui empresário, sonhador, diretor de revistas, colunista, escrevi dois livros ligados ao surf, mas nenhum deles tem o peso para mim como este Salvadores que entrego aos meus leitores.” É assim que se apresenta António Pedro de Sá Leal (1971). Licenciou-se em Filosofia na Universidade Nova de Lisboa, tendo posteriormente concluído duas pós-graduações em Estudos Europeus e Marketing Management. Recentemente, graduou-se em Gestão Avançada da Economia do Mar pela AESE Business School.

 

A partir de 1998 decidiu dedicar a sua vida ao surf. Em 2001 fundou a empresa Alfarroba que contribuiu de uma forma decisiva para a afirmação desta modalidade em Portugal. Coautor do livro Portugal Surf Guide (Uzina Books), o primeiro guia completo das ondas portuguesas, é igualmente autor do livro Surfing: The Next Step (Casadas Letras), tendo ainda colaborado como cronista na revista Surf Portugal.

 

Atualmente, divide o seu tempo em vários projetos dos quais se destacam o papel de chair da Surfrider Foundation Europe em Lisboa, uma ONG global que defende o ambiente e os oceanos; o de Lifedreamer na Associação Surf Social Wave, uma associação sem fins lucrativos que utiliza o surf como forma de capacitação de jovens e adultos; e o de professor assistente convidado na Escola Superior de Desporto de Rio Maior

 

 

Escritor e filósofo A. Oliveira Cruz lança novo livro de poemas

Capa livro É a Vida... o Bem Maior!....jpg

 

O escritor e filósofo António Oliveira Cruz, presidente do Instituto Piaget, apresentou esta quinta-feira, o seu novo livro de poemas, intitulado “É a vida… O Bem Maior!...”. Integrado na obra “Haï-Cantos”, este volume XVII da sua já extensa atividade poética é editado, tal como os antecedentes, pela Edições Piaget.

 

O lançamento do livro decorreu na Feira do Livro de Lisboa, no Parque Eduardo VII, tendo a apresentação estado a cargo do ensaísta e crítico literário José Fernando Tavares, seguido do filólogo e também ensaísta Fernando Paulo Baptista.

 

Natural de Bigas, no concelho de Viseu, onde nasceu em 1945, António Oliveira Cruz é membro fundador de múltiplas instituições e centros de carácter social e educativo, nomeadamente do Instituto Piaget a que preside, bem como à Associação Piaget Internacional (AsPI).

 

Em 1988, relembrando Bartolomeu Dias e Fernando Pessoa, bem como o início das comemorações das Descobertas, começou a editar a obra poética que tem vindo a fazer desde os 13 anos.

 

Desde 1989, dirige igualmente a organização do “Cancioneiro Infanto-Juvenil para a Língua Portuguesa”, projeto de enorme alcance social e cultural, que possibilitará uma outra compreensão da criança e sua evolução criadora.

 

Para além da sua obra poética, publicou vários artigos científicos/pedagógicos e editoriais e os livros “A Teoria de Piaget e os Mecanismos de Produção da Ideologia Pedagógica” e “Lógica da Vida e da Educação” (este como coautor).

 

 

Grupo Almedina > livros editados a 3 de setembro

MINOTAURO

“Circe” – MADELINE MILLER

Circe_Capa.jpg

 

Uma releitura da mitologia clássica, num livro surpreendente. Circe terá de decidir, de uma vez por todas, se pertence ao reino dos deuses, onde nasceu, ou ao dos mortais, que ela aprendeu a amar.

Deslocada entre deuses e os seus pares, Circe procura companhia no mundo dos homens, onde descobre que possui o poder da feitiçaria, capaz de transformar os rivais em monstros e de aterrorizar os deuses. Sentindo-se ameaçado, Zeus decide desterrá-la para uma ilha deserta, onde Circe aprimora as suas habilidades de feiticeira, domando perigosas feras e cruzando-se com as mais famosas figuras de toda a mitologia grega: o engenhoso Dédalo e Ícaro, seu filho, a sanguinária Medeia, o terrível Minotauro e, claro, Ulisses.

 

 

EDIÇÕES 70

“Uma História Radical do Mundo” – NEIL FAULKNER

UmaHistóriaRadicalDoMundo_Capa.jpg

 

Uma obra abrangente, que relaciona a história global com as revoltas sociais, porque só podemos aspirar a mudar o futuro se compreendermos como é que o passado foi forjado.

Esta é uma história de lutas, de revoluções e de transformações sociais: de homininis, de caçadores e de pastores; de imperadores e de escravos; de patriarcas e de mulheres; de ricos e de pobres; de ditadores e de revolucionários. Dos antigos impérios da Pérsia e de Roma até à Revolução Russa, à Guerra do Vietname e à crise financeira de 2008, esta é uma história de ganância e de violência, mas também de solidariedade e de resistência.

 

 

ALMEDINA

“Ética e Integridade na Vida Pública” – ANTÓNIO JOÃO MAIA, JORGE FONSECA DE ALMEIDA, MÁRIO TAVARES DA SILVA, RUTE SERRA

ÉticaIntegridadeNaVidaPública_Capa (1).jpg

 

Depois do livro “Fraude em Portugal”, o OBEGEF (Observatório de Economia e Gestão de Fraude) publica agora o livro “Ética e Integridade na Vida Pública”, que analisa a corrupção em cargos públicos ou políticos, o enriquecimento ilícito no Estado e nas empresas, e apresenta ferramentas para manter a integridade e defender a ética na vida pública. Casos mediáticos como o Swissleaks, Panamá Papers ou Operação Marquês também são discutidos pelos autores que, além de apresentarem situações de fraude/potencial fraude, também avançam com medidas para a sua prevenção.

 

 

NOVIDADES EDITORAIS - LIVROS DE AGOSTO E SETEMBRO

Contágios – 2500 anos de Pestes, de Jaime Nogueira Pinto (Dom Quixote).

contagiosjpg.jpg

 

Dilúvio sem Deus, As Grandes Cheias do Tejo de 1967, de Joana Amaral Dias (Oficina do Livro).

diluvio_sem_deus.jpg

 

Deus e o Mercado, de João César das Neves, Padre Vítor Milícias e Nicolau Santos (Dom Quixote)

Deus e o Mercado.jpg

 

Alcora, de Vicente Paiva Brandão (Casa das Letras).

Alcora.jpg

 

A Vida na Sombra, de Amaryllis Fox (Casa das Letras)

A_vida_na_sombra (1).jpg

 

Os Nove Braços do Hanukiah, de Rita Mayer Jardim (Casa das Letras)

os_nove_bracos_do_hanukiah.jpg

 

Vegetarianos todos os dias com os mais pequenos, de David Frenkel e Luise Vindahl (Casa das Letras)

Vegetariano Todos os Dias com os Mais Pequenos.jpg

 

Os Que Desapareceram em Auschwitz – A História Real da Minha Família Durante a II Guerra Mundial, de Michael Rosen (Oficina do Livro)

os_que_desapareceram.jpg

 

A Sorte do Diabo, de Ian Kershaw (Dom Quixote)

Sorte do Diabo (1).jpg

 

Pátria, de Fernando Aramburu (Dom Quixote)

BLX nos 90 anos da Feira do Livro de Lisboa

banner-FB_FLL2020.png

 

Marcamos regularmente presença na Feira do Livro, onde temos representado o município de Lisboa, mas em tempos de pandemia, as BLX reinventaram-se e a sua participação na 90ª Feira do Livro de Lisboa adaptou-se também a esta nova era.

Este ano, os visitantes serão recebidos no Stand BLX, uma tenda com cerca de 60 mts2 devidamente adaptada a estes novos tempos, em que haverá gel desifetante e cerca de 30 lugares sentados, com as devidas distâncias de segurança, para assistirem comodamente às nossas atividades.
Temos também a Loja BLX, com duplo stand, onde poderão ser encontradas as publicações municipais e uma secção de produtos que divulgam as coleções, serviços e projetos culturais das BLX.

 

No Stand BLX, vamos ter uma vasta programação para todos os públicos, onde destacamos as horas de conto que muitas famílias acompanharam na altura do confinamento, todos os dias no Facebook das BLX e desta vez, podem ouvir ao vivo as nossas mediadoras de leitura, todos os dias às 17h no Stand BLX.

Vamos ter também leituras encenadas, apresentações de livros, debates, histórias e muita música.

O programa completo está disponível no site BLX: ​http://blx.cm-lisboa.pt/noticias/detalhes.php?id=1564

Grupo Almedina > novidades Setembro 2020

EDIÇÕES 70

“Uma História Radical do Mundo” – NEIL FAULKNER

UmaHistóriaRadicalDoMundo_Capa.jpg

 

Uma obra abrangente, que relaciona a história global com as revoltas sociais, porque só podemos aspirar a mudar o futuro se compreendermos como é que o passado foi forjado.

 

MINOTAURO

“Circe” – MADELINE MILLER

Circe_Capa.jpg

 

Uma releitura da mitologia clássica, num livro surpreendente. Circe terá de decidir, de uma vez por todas, se pertence ao reino dos deuses, onde nasceu, ou ao dos mortais, que ela aprendeu a amar.

Câmara Municipal de Grândola reedita a publicação Tabernas, percursos na memória do concelho de Grândola, após grande sucesso da 1.ª edição.

IMG_0711.JPG

 

A Casa Mostra de Produtos Endógenos recebeu ontem, dia 18, num final de tarde morno e pleno de memórias, o lançamento da 2.ª edição do livro Tabernas, percursos na memória do concelho de Grândola, da autoria de José Manuel Rodrigues e textos do Professor Alfredo Saramago e do Historiador Paulino Mota Tavares, com edição da Câmara Municipal de Grândola.

Embalada pelo vento e a vista extasiante do sol a pôr-se no horizonte, com a vinha e a serra como pano de fundo, a apresentação do livro fez-se com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Grândola, António Figueira Mendes, a Diretora Regional de Cultura do Alentejo, Dr.ª Ana Paula Amendoeira, o autor e fotógrafo da obra, José Manuel Rodrigues e com a presença de antigos e atuais proprietários das Tabernas de Grândola, (personagens principais desta obra).

 

“As tabernas escolhidas para este roteiro foram aquelas que ainda mantém uma traça tradicional, para que não se perca esta memória, como já aconteceu com outras e fique o registo. A sua localização da zona litoral à serra e aos aglomerados urbanos, permite ao visitante desfrutar da diversidade geográfica do concelho e aperceber-se da ruralidade desta entidade administrativa e cultural deitada em 45 quilómetros contínuos de areal.” (nota de apresentação, p.4)

 

Passados 22 anos da 1.ª edição, há muito esgotada e de grande sucesso, a intenção de manter na memória de todos a existência das tabernas, traduziu-se nesta 2.ª Edição, a partir essencialmente de um trabalho fotográfico distinto que dignifica os tempos vividos nestes locais.

Considerando o notório Desenvolvimento Turístico que se tem vindo a verificar no Concelho de Grândola, derivado de grandes investimentos públicos e privados, e a importância de garantir a manutenção da ação sobre a realidade local, de forma a preservar as suas expressões culturais, hábitos e atitudes e a criar algumas “resistências” que permitam acolher com cordialidade os visitantes, sem fazer perigar a identidade cultural e a coesão social dos núcleos rurais e urbanos, importa valorizar a existência destas obras.

 

“Muita coisa mudou no nosso Concelho desde 1998, mas a linha condutora continua a ser a mesma – implementar um modelo de desenvolvimento sustentável, integrado e harmonioso, que valorize e preserve a nossa cultura, a nossa história e os nossos hábitos, costumes e tradições.” (Presidente)

O livro Tabernas, percursos na memória do concelho de Grândola estará brevemente disponível para aquisição no Posto de Turismo de Grândola. Para mais informações contactar os serviços.