Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Exposição “O homem que só queria ser Tóssan”: obra de artista algarvio em destaque em Loulé

Tossan - imagem exposição.jpg

 

De 30 de maio a 31 de agosto, vai estar patente ao público, na Galeria de Arte do Convento Espírito Santo, em Loulé, a exposição “O homem que só queria ser Tóssan”, que aborda a vida e obra deste importante homem das artes de origem algarvia.

Tóssan teria gostado da coincidência: o 30 de maio, dia do seu aniversário, fecha o centenário do seu nascimento e abre, em pleno feriado municipal, uma exposição da sua vida e obra, na cidade onde deixou indelével memória e talento na decoração de antigos cortejos carnavalescos.

A exposição, para além de percorrer o seu ilustre trajeto nas artes visuais portuguesas, evidencia a sua profunda admiração e relação fraternal com o poeta António Aleixo.

Tossán (António Fernando dos Santos) nasceu em Vila Real de Santo António, no ano de 1918, e faleceu em Lisboa em 1991. Foi um homem multifacetado que dedicou a sua vida à arte, como pintor, ilustrador, cenógrafo, vitralista, caricaturista, humorista, decorador, designer e gráfico. Mas o que o destacou foi o seu enorme talento e a sua maneira de ser divertida, acutilante e de contador de histórias. 

Como ilustrador, iniciou o seu percurso ilustrando a capa do livro “O Teatro dos Estudantes de Coimbra no Brasil”. Nesta arte realizou mais de meia centena de capas de livros, de onde se destacam as obras de Curvo Semedo “O Velho, O Rapaz e o Burro” (1978) e de Leonel Neves “O Elefante e a Pulga” (1976). Esteve ligado vários anos à Editora Terra Livre como responsável gráfico, foi orientador gráfico da Revista Brazil a convite do governo brasileiro, editou dois livros de desenhos, “Cão Pêndio” e “Fidelidade 1835”, e retratou várias personalidades entre as quais António Aleixo, Camilo Castelo Branco, Manuel Teixeira Gomes, Teixeira de Pascoaes, José Régio e Lins do Rego.

Pertenceu, desde 1947, ao Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra (TEUC), onde foi cenógrafo e caracterizador. A sua primeira obra como ilustrador foi a capa do livro “O Teatro dos Estudantes de Coimbra no Brasil”. Durante o período em que residiu em Coimbra foi o caricaturista de centenas de estudantes.

Entre 1961 e 1964, orientou os trabalhos gráficos da Embaixada do Brasil em Lisboa, cuja Biblioteca Sala Brasil decorou.

Na imprensa, foi um dos criadores do suplemento juvenil do Diário de Lisboa e colaborador do jornal humorístico O Bisnau.

O ator Mário Viegas, amigo de Tóssan, reuniu num documento, em 1992, poemas e textos de prosa inéditos para um espetáculo intitulado “Tótó”, que representou a solo, nesse ano.

A exposição pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 9h30 às 17h30, e aos sábados, das 9h30 às 16h00. A inauguração acontece no dia 30 de maio, às 18h00, no âmbito do Dia do Município.

 

CML/GAP /RP

Agosto com muito folclore no Concelho de Loulé

Folclore Colômbia.jpg

 

O FolkFaro está de volta ao concelho de Loulé nos dias 18, 19, 20, 22, 23 e 24 de agosto com várias propostas de músicas e danças de várias partes do mundo, sem esquecer os grupos locais.

Integrados na descentralização deste evento que constitui o maior festival de folclore do Sul do país, 300 participantes irão celebrar a união e o encontro dos povos através da expressão das suas culturas identitárias das quais se destaca o folclore. Os grupos internacionais convidados terão como anfitriões os ranchos do concelho mas é de destacar ainda a integração do 10º Festival Internacional de Folclore do Rancho Folclórico e Etnográfico de São Sebastião a este programa.

No arranque, dia 18, a Casa do Povo de Boliqueime recebe o grupo argentino Asociación “Nuestras Raíces” (Rosário – Santa Fé) que terá ao seu lado o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Boliqueime, para uma atuação conjunta que acontece no âmbito do BFF – Boliqueime Food Festival.

No dia 19, o Folkfaro junta, no palco natural da Fonte Grande de Alte, o folclore da Eslováquia com o grupo FS Rozmarija (Presov) ao melhor do corridinho representado pelo Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão.

Salir é ponto de passagem deste programa, no dia 20, com a atuação do Ballet Folclórico Nacional Jaime Orozco, de Bogotá, Colômbia, e do Rancho Folclórico “As Mondadeiras das Barrosas”, na escola primária de Salir.

No dia 22, o Rancho Folclórico Infantil de Loulé é o anfitrião de uma noite que terá como convidado o grupo turco Penfolk Sarfolk (Pendik – Istambul), na Praça do Mar, em Quarteira.

Ubuhle Be Afrika (Port Elizabeth), da África do Sul, sobe ao palco instalado no Largo da Igreja de Querença, no dia 23, ao lado do Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão.

Na noite de encerramento, dia 24, o Folkfaro associa-se ao 10º Festival Internacional de Folclore do Rancho Folclórico e Etnográfico de São Sebastião. No recinto da junta de freguesia, para além dos promotores desta iniciativa, vão atuar o Ballet Folclórico Nacional Jaime Orozco (Bogotá, Colômbia), o Grupo de Danzas Adolfo de Castro (Cádiz, Espanha), o Rancho Folclórico de Macau e o Rancho Folclórico da Ria Formosa (Olhão)

Refira-se que o FolkFaro é o único festival do sul de Portugal com a certificação internacional do CIOFF-Conselho Internacional das Organizações de Festivais de Folclore e Artes Tradicionais, uma organização não-governamental (ONG) com relações formais de consulta com a UNESCO, criada em 1970 com o objetivo de salvaguardar a promoção e difusão da cultura tradicional e do folclore.

 

CML/GAP /RP

Fins de semana de agosto dedicados ao convívio na Praça da República, em LouléFins de semana de agosto dedicados ao convívio na Praça da República, em Loulé

Praça da República.jpg

 

A Praça da República, em Loulé, irá encerrar ao trânsito automóvel durante os cinco fins de semana do mês de agosto. O fecho decorrerá entre o Largo Bernardo Lopes e o Largo Gago Coutinho (entrada para a Praça da República), de sexta-feira, às 19h00, a segunda-feira, às 6h00.

Esta ação, denominada de “A Praça é nossa”, é levada a cabo pela Câmara Municipal de Loulé (em estreita colaboração com a ACRAL e os comerciantes) e visa melhorar o espaço público, dinamizar e promover o comércio local, assim como permitir às pessoas aproveitarem em pleno a sua cidade, as suas infraestruturas e esplanadas, num espírito de convívio saudável, num passeio em família ou entre amigos.

Os concessionários e operadores do Mercado, ao sábado de manhã, serão autorizados a entrar na Praça da República pela rotunda do Largo Gago Coutinho, para cargas e descargas, nos locais devidamente identificados para o efeito. A Rua 1º de Dezembro passará a ser bidirecional durante esse período (das 19h00 de sexta-feira às 6h00 de segunda-feira), de forma a perturbar o menos possível o bom funcionamento do Mercado.

A Loulé Concelho Global também se juntou a esta iniciativa e irá, nesta zona, auxiliar na coordenação e articulação de forma a facilitar o processo para todos os intervenientes, nomeadamente em período de funcionamento do Mercado Municipal.

Desta forma, a Autarquia convida todos os louletanos a desfrutarem do verão na sua cidade, ao criar, ao fim de semana, mais uma zona pedonal de convívio, bem no centro de Loulé.  

 

CML/GAP /RP

 

III ENCONTRO DE HISTÓRIA DE LOULÉ

Programa História de Loulé 1.jpg

Programa História de Loulé 2.jpg

 

Nos dias 30 e 31 de agosto, o Encontro de História de Loulé marca presença, mais uma vez, como espaço de partilha e debate em torno de estudos sobre a História de Loulé em diferentes períodos cronológicos.

O programa desta terceira edição conta com vários painéis de comunicações apresentadas por diversos investigadores e lançamentos de livros, no Cine-Teatro Louletano, bem como visitas à Estação Arqueológica do Cerro da Vila, às Igrejas de São Francisco e Nossa Senhora da Piedade ou ao Centro Histórico de Loulé, orientadas por especialistas nas áreas da Arqueologia e da História da Arte.

A conferência inaugural será proferida este ano pela Professora Helena Catarino, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, com o tema “Leituras de Arqueologia medieval no território de Loulé e as ocupações do Castelo de Salir”. “Arquivos e memórias”, “Território e economia”, “Ensino e religião”, “Administração e poderes” e “Indivíduos e instituições” são as temáticas dos vários painéis que constituem este Encontro.

Do programa consta ainda o lançamento do Caderno do Arquivo “Loulé em 1699. Caracterização sociodemográfica”, de João Cosme e Lina Oliveira, e das Atas do II Encontro de História de Loulé.

É de sublinhar que os oradores que irão estar em Loulé são investigadores com afiliação institucional em várias unidades de investigação pertencentes a diversas universidades do país.

Este evento reveste-se de especial importância pelo contributo assinalável na compreensão da História local, ao longo de vários séculos em que se foi construindo a identidade de um dos mais importantes municípios do Sul do país, bem como no que respeita ao conhecimento de algumas figuras louletanas que se destacaram no contexto nacional e que foram determinantes também no desenrolar dos acontecimentos históricos em Portugal.

Refira-se que esta iniciativa conta, mais uma vez, com o apoio do Centro de Estudos em Património, Paisagem e Construção (CEPAC) da Universidade do Algarve e do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora;

A participação neste Encontro confere a entrega de certificado de presença, é gratuita e carece de inscrição. Para o efeito poderá ser utilizado o formulário online: https://tinyurl.com/ehloule

 

CML/GAP /RP

Noite Branca: Loulé prepara-se para receber festa de despedida do verão algarvio

Noite Branca Loulé (8).jpg.png

 

Passados dois anos, a Noite Branca - Algarve está de regresso a Loulé para aquela que é a festa mais aguardada do verão algarvio. No dia 31 de agosto, último sábado do mês, a cidade vai pintar-se de branco, com milhares de visitantes esperados e uma animação surpreendente e empolgante como é apanágio deste evento.

Quando os relógios marcarem as 20h03, hora do pôr-do-sol, arranca a Noite Branca - Algarve, evento que pretende proporcionar aos visitantes um programa cultural e de animação único e inesquecível, repleto de glamour mas, acima de tudo, momentos de puro prazer e descontração. O branco é obrigatório e transversal às várias manifestações que aqui terão um palco privilegiado, da música à animação de rua, da moda à pintura, do novo circo às artes plásticas, da dança ao teatro.

O centro da cidade ganha uma nova vida, vestidas de branco e com uma surpresa a cada esquina, apresentando performances em que, por vezes, os visitantes são também protagonistas.

A música Chill Out acompanha toda a filosofia do evento e por todos os cantos deste centro urbano ecoam os sons de DJs, bandas e músicos que contribuem para este brinde coletivo ao verão, ao calor e à boa disposição. Alguns nomes de referência do panorama musical nacional e internacional estarão entre os artistas deste variado programa mas só no próprio dia serão revelados. Até porque o fator surpresa é uma das chaves do sucesso da Noite Branca – Algarve pelo que todo o programa só é desvendado no próprio dia.

Pelas ruas o ritmo é imparável. Centenas de artistas de rua dão alma e cor aos milhares de visitantes.

A decoração das ruas revela-se com o espírito do branco e neste dia a imagem da cidade transforma-se por completo: a tradicional e histórica urbe do barrocal algarvio torna-se num palco mágico.

E porque este evento tem também um cunho importante em termos de dinamização do comércio, as lojas estão abertas pela noite dentro e engalanadas de branco, com montras decoradas a rigor e os assistentes vestidos a preceito.

“Vista-se de branco! Sinta o espírito da vida urbana em pleno e aproveite para se divertir com a família e amigos na festa oficial de despedida do verão algarvio!”. Este é o convite que a Autarquia de Loulé, entidade promotora da Noite Branca - Algarve, deixa a todos.

A entrada é livre.

 

CML/GAP /RP

Prémio Estação Imagem 2019: exposição de fotografia em Loulé

Prémio Estação.JPG

 

O Convento de Santo António, em Loulé, acolhe, de 9 de agosto a 14 de setembro, a exposição de fotografia “Prémio Estação Imagem 2019”.

O Prémio Estação Imagem é o principal prémio internacional de fotojornalismo que se disputa anualmente em Portugal desde 2010. Acolhe também candidaturas de fotojornalistas dos PALOP e da Galiza, e dos fotojornalistas portugueses aí residentes. O Prémio 2019, que tem como principal patrocinador o Município de Coimbra, foi disputado em diversas categorias: Notícias, Assuntos Contemporâneos, Vida Quotidiana, Arte e Espetáculos, Ambiente, Série de Retratos, Desporto e Europa. Atribuiu prémios a todas as categorias e dois prémios principais - Fotografia do Ano e Reportagem do Ano. Os resultados foram divulgados publicamente em abril e, em seguida, expostos em Coimbra.

Loulé é o segundo local onde a exposição do Prémio Estação Imagem 2019 Coimbra é publicamente apresentado.

Esta iniciativa pode ser visitada no Convento de Santo António, de terça a sexta-feira, das 10h00 às 18h00, e aos sábados, das 9h30 às 16h00. A inauguração está agendada para esta sexta-feira, dia 9, pelas 18h00. A entrada é livre.

 

CML/GAP /RP

Folclore filipino junta-se ao Folkfaro em Loulé

Folclore Filipinas.jpg

 

Por razões alheias à organização, o grupo Ubuhle Be Afrika (Port Elizabeth), da África do Sul, cancelou o espetáculo agendado para o Largo da Igreja de Querença, no dia 23 de agosto, às 21h30, no âmbito do Folkfaro, sendo substituído pelo Fiesta Filipina Dance Troupe of Canada.

Fundado em 1966, é o primeiro grupo de dança tradicional filipina da América do Norte, tornando-se um embaixador tanto do Canadá como das Filipinas devido, sobretudo, às muitas participações em eventos realizados em todo o mundo. Os Fiesta Filipina Dance Troupe of Canada encantam as audiências com um repertório excecional do folclore filipino e já pisaram palcos em Portugal, França, Itália, Grécia, Áustria, Espanha, Polónia, Brasil, México, Estados Unidos e, naturalmente, nas Filipinas.

Em Querença, irão partilhar o palco com o Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão.

A entrada é livre.

 

CML/GAP /RP

 

Lenine Cunha em Loulé para participar no evento "Conversas com..."

Lenine Cunha.jpg

 

 

Lenine Cunha, atleta paralímpico com mais de 200 medalhas conquistadas em Campeonatos da Europa, Campeonatos do Mundo e Jogos Paralímpicos, é o próximo convidado do evento “Conversas com…”, dia 9 de agosto, sexta-feira, pelas 21h30, no Café Calcinha.

“Conversas com…” é um projeto que o Município de Loulé tem levado a efeito desde 2015. Em julho e agosto, o histórico Café Calcinha, ex-líbris patrimonial da cidade de Loulé, recebe este importante ciclo de conversas, onde convidados da área do desporto partilham com o público as suas memórias, histórias e estórias tão caricatas, como autênticas lições de vida.

Lenine Cunha, o português que mais vezes fez soar “A Portuguesa”, é também o atleta com mais medalhas no mundo. Ainda criança, foi atingido por uma meningite que lhe deixou muitas sequelas. Na sua luta para um crescimento mais saudável, o desporto surgiu como uma forma de melhorar o seu desenvolvimento, não só cognitivo como motor. E assim começou a praticar atletismo, conquistando ao longo dos anos um palmarés verdadeiramente surpreendente. Nesta sessão da rubrica “Conversas com…”, Lenine Cunha irá abordar o percurso que o levou à ribalta do desporto mundial.

A entrada é livre e a apresentação e moderação vão estar a cargo do jornalista Neto Gomes.

Recorde-se que, no passado dia 13 de julho, o treinador Manuel Cajuda foi o primeiro convidado deste ciclo.

CML/GAP /RP

Exposição “TÁBUA RAzA” no CECAL

Tábua.jpg

 

Élsio Menau e João Mouro apresentam, de 13 de junho a 24 de agosto, no CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, a Exposição “TÁBUA RAzA”.

A TÁBUA como elemento primordial da criação, como elemento de união entre os dois artistas e com vácuo do espaço.

A mente inicia RAzA, mas adquire conhecimento à medida que o mundo exterior a impressiona. É inicialmente, como uma folha em branco e todo o processo do conhecer, do saber e do agir é aprendido através da experiência.

Não havendo ideias inatas, todos nós somos iguais, todas as opiniões são válidas.

A Exposição pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 11h00 às 14h00 e das 15h00 às 19h00, e aos sábados, das 11h00 às 17h30. A inauguração acontece esta quinta-feira, pelas 18h00.

A entrada é livre.

CML/GAP /RP

Exposição itinerante “Padre Manuel Antunes, Sj: Pedagogo da Democracia (1918-1985)” para visitar em Loulé

Padre Manuel Antunes.jpg

 

Entre os dias 1 e 30 de agosto, vai estar patente ao público, na Biblioteca Municipal de Loulé, a exposição "Padre Manuel Antunes, sj: Pedagogo da Democracia".

De natureza aberta, inclusiva e criativa, esta é uma exposição itinerante, composta por doze painéis de grande interesse pedagógico, e concebida a pensar principalmente num público jovem. É uma exposição dividida em dez temas que acompanha o percurso biográfico do Padre Manuel Antunes e que dá a conhecer alguns passos da sua obra.

Senhor de uma grande cultura e de uma capacidade de ligar e analisar os grandes assuntos do passado em articulação com os momentos e as questões do presente, deixou uma obra escrita considerável.

Nascido há cem anos (1918-1985), formou-se na Companhia de Jesus, tornou-se padre jesuíta, foi professor de mais de 15 mil alunos na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Ensinou jovens que se tornaram grandes líderes, professores, poetas, escritores de Portugal, ajudou muitos com sabedoria e paciência revolucionária, aquando da perseguição política e da censura, de que também foi alvo.

Muitos dos seus alunos tornaram-se figuras conhecidas como Marcelo Rebelo de Sousa, Maria do Céu Guerra, Jaime Gama, Lídia Jorge ou Sophia de Mello Breyner Andresen, entre tantos outros. 

É, pois, o percurso e a obra desta figura fascinante, o Padre e Professor Manuel Antunes, sj, considerado um dos mais notáveis pensadores e pedagogos portugueses, que é dado a conhecer ao público nesta exposição.

A entrada é livre.

 

CML/GAP /RP