Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Coração nas Mãos" promove sensibilização para Suporte Básico de Vida

SBV.jpg

 

No âmbito da realização do Congresso Português de Cardiologia 2019, no qual o Município de Loulé é parceiro, irá decorrer no dia 27 de abril (sábado), entre as 18h00 e as 19h30, a iniciativa “Coração nas Mãos”, a decorrer no Centro de Congressos do Algarve, em Vilamoura (Tivoli Marinotel).

Esta iniciativa consiste num evento de sensibilização para a aprendizagem de manobras de Suporte Básico de Vida (ressuscitação cardiopulmonar), sob a forma de um mass training para 1200 pessoas.

Durante o evento, todos os participantes terão a oportunidade de aprender as manobras do SBV usando um manequim individual que, no final do evento, poderão levar consigo para, posteriormente, dar a possibilidade a que amigos, colegas ou familiares possam igualmente treinar essas manobras.

As inscrições são gratuitas, mas carecem de inscrição obrigatória.

Os interessados em participar neste evento poderão preencher o formulário de inscrição através do seguinte link:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfTyOKHLVKIZW21UZHMjv6ZZGCUctk2dZHY5qjIjz4ygxQjDQ/viewform

148 aulas gratuitas em 10 diasd numa "Páscoa Ativa" em Loulé

Páscoa Ativa2.jpg

 

 

A Câmara Municipal de Loulé continua a apostar na promoção do desporto informal e, nesse sentido, de 9 a 19 de abril, decorrerá mais uma edição da “Páscoa Ativa”.

Em estreita colaboração com diversos parceiros locais, a Autarquia desafia a população do Concelho a participar num programa de atividades gratuitas e abertas a toda a comunidade. Em 10 dias, 148 aulas das mais diversas modalidades vão estar disponíveis a todos os que quiserem fazer uma ou várias aulas, de forma totalmente livre.

Atividades aquáticas como o hidrojump ou hidrobike, surf, crossfit, yoga, ballet, danças como semba, bachata ou tango argentino, pilates, cycling, ABS glúteos, BTT, voleibol ou stretching, várias são as modalidades, das mais tradicionais às mais inovadoras, que poderão ser escolhidas pelos participantes.

O programa decorrerá em vários espaços das cidades de Loulé e Quarteira e da vila de Almancil.

Com este projeto, a Autarquia louletana pretende proporcionar uma Páscoa “fit”, repleta de movimento, boa disposição e novas experiências a todos os seus munícipes mas também a quem visita o Concelho. Esta é, pois, mais uma ação que se enquadra na aposta no desporto informal, levando atividades a toda a comunidade independentemente da faixa etária, social, género ou condição física.

Toda a programação disponível em https://www.louledesporto.com/pascoa-activa/

 

CML/GAP /RP

 

"Páscoa Ativa" arranca hoje com 148 aulas gratuitas no Concelho de Loulé

Cartaz Páscoa Ativa.jpg

 

 

A partir de hoje e até ao próximo dia 19 de abril, a Autarquia louletana mantém a aposta na promoção do desporto informal e, em estreita colaboração com diversos parceiros locais, criou um programa de atividades diversificado, que se espalhará por vários espaços de Loulé, Quarteira e Almancil, e ao qual toda a população é desafiada a aderir e participar gratuitamente.

Atividades aquáticas como o hidrojump ou hidrobike, surf, crossfit, yoga, ballet, danças como semba, bachata ou tango argentino, pilates, cycling, ABS glúteos, BTT, voleibol ou stretching, várias são as modalidades, das mais tradicionais às mais inovadoras, que poderão ser escolhidas pelos participantes. Cada pessoa poderá participar no número de atividades que desejar, de forma totalmente livre.

Com este projeto, a Autarquia louletana pretende “proporcionar uma Páscoa ‘fit’, repleta de movimento, boa disposição e novas experiências a todos os seus munícipes mas também a quem visita o Concelho”. Esta é, pois, mais uma ação que se enquadra na aposta no desporto informal, levando atividades a toda a comunidade independentemente da faixa etária, social, género ou condição física.

Programação completa disponível em: https://www.louledesporto.com/pascoa-activa/

 

CML/GAP /RP

Loulé recebe segunda edição de seminário sobre refeições vegetarianas para crianças em contexto escolar

Refeições Vegetariana  (1).jpg

 

A escola EB 2, 3 Engº Duarte Pacheco, em Loulé, é a anfitriã da segunda edição do seminário “Planeamento de refeições vegetarianas para crianças em restauração coletiva”, que irá realizar-se a 24 de abril.

O evento tem início às 13h30 e é dirigido a diretores de escola, professores, alunos, encarregados de educação, cozinheiros e pessoal auxiliar de cozinha, não apenas afetos ao Concelho de Loulé, mas de toda a região algarvia.

Para além do visionamento de um pequeno documentário e intervenções em temas que apresentam as diferentes dimensões e impacto positivo que uma alimentação vegetariana tem na saúde humana e na proteção e sustentabilidade ambiental, o evento contará ainda com um workshop de cozinha e um buffet vegetariano.

A participação no evento é gratuita, mas por ter vagas limitadas requer inscrição prévia até 15 de abril, a partir do endereço https://forms.gle/uo64FUFu5oave32i9

Recorde-se que a primeira edição deste seminário realizou-se na Escola EB1 da Fonte Santa, em Quarteira, em 2017, e resultou de um desafio que o PAN, Pessoas-Animais-Natureza, lançou à Câmara Municipal de Loulé e à Associação Vegetariana Portuguesa (AVP), com o intuito de apoiar as escolas do Concelho e seus agentes a materializar as diretivas do programa nacional para a promoção de uma alimentação saudável, nomeadamente com a disponibilização de uma opção vegetariana nas cantinas públicas.

Esta segunda edição conta novamente com a organização da Câmara e apoio da AVP, a que se junta o Agrupamento de Escolas Engº Duarte Pacheco.

 

 

PROGRAMA

 

13h30 - Check in e acolhimento

14h00 - Sessão de abertura (vereadora Ana Machado e professor Carlos Fernandes, diretor do Agrupamento)

14h15 - ShowCooking (Susana Ferreira, Chef de cozinha)

15h00 - Minidocumentário “Vegetarianos Porquê?”

15h30 - “Somos o que comemos” (Elza Cunha, Médica de Família da ARS)

16h00 - Coffee Break

16h15 - Conclusão do ShowCooking (Susana Ferreira, Chef de cozinha)

16h45 - “A educação da alimentação para a sustentabilidade” (Nuno Silva, Presidente da Associação Vegetariana Portuguesa)

17h30 - “Alimentação vegetariana em idade escolar” (Sandra Silva, nutricionista e coautora do “Manual de Alimentação Vegetariana em Idade Escolar” da Direção Geral de Saúde)

18h15 - Encerramento do encontro (Vítor Aleixo, presidente da Câmara Municipal de Loulé)

18h30 - Buffet Vegetariano

 

CML/GAP /RP

 

“Cartooning for Peace”: Liberdade de imprensa em exposição em Quarteira

Cartooning.jpg

 

A Galeria de Arte da Praça do Mar, em Quarteira, recebe de 20 de abril a 31 de maio, a Exposição “Cartooning for Peace”, integrada no programa dos 5ºs Encontros do DeVIR.

Trata-se de um conjunto de 20 ilustrações sobre liberdade de imprensa, que oferece uma visão do trabalho de cartoonistas e ilustradores, defensores pacifistas das nossas sociedades, que são regularmente alvo de ataques em todo o mundo.

Através do riso, estes corajosos criadores mostram-nos o caminho: pelas armas pacíficas do lápis, do pensamento livre e do humor, ajudam a preservar a saúde das nossas democracias quando elas estão ameaçadas. Esta exposição coletiva, realizada pela associação Cartooning for Peace, resulta da edição do livro comemorativo dos 10 anos da associação.

Foi exposta na Câmara Municipal de Paris e é apresentada pela primeira vez em Portugal. Integra-se na 5ª edição deste festival que tem como tema de(a)nunciar e recorda o nosso compromisso comum de defender o princípio fundamental da liberdade de expressão.

Cartooning for Peace é uma associação sem fins lucrativos, que junta cartoonistas de todo o mundo. Fundada por Kofi Annan e Plantu, visa promover o desenho satírico, cartoon/ilustração, como veículo de consciencialização para a Paz.

A Exposição inaugura no dia 20, às 18h00. Pode ser visitada no seguinte horário: de terça-feira a sábado, das 9h30 às 13h30, e das 15h00 às 18h00. A entrada é livre.

 

CML/GAP /RP

Espetáculos, instalações e performances inovadores para crianças e famílias no Festival Som Riscado

(c) Xavi Olmos_03.jpg

 

 

O Som Riscado – Festival de Música e Imagem de Loulé, que decorre entre 11 a 14 de abril, não esquece os mais pequenos e suas famílias, e a sua programação integra várias propostas originais e surpreendentes, todas em estreia a sul do país, que pretendem proporcionar experiências transformadoras para miúdos e graúdos, colocando-os em contacto com novas abordagens que primam pela originalidade e inovação artísticas.

Desde logo com a proposta de Noiserv: uma instalação interativa que é montada no átrio do Cine-Teatro Louletano, em que o reconhecido multi-instrumentista proporciona momentos de alegria aos mais pequenos (crianças a partir dos 3 anos) estimulando o seu contacto precoce com a música. “Noiserv nas tuas mãos” – assim se chama a proposta – é uma espécie de jogo de sinergias que desencadeia os diferentes sons atribuídos a várias funcionalidades num espaço físico, com crianças e adultos a experimentar as possibilidades da música de Noiserv. A instalação pode ser visitada nesta quinta-feira e domingo das 10h00 às 18h00 e nesta sexta-feira e sábado das 10h00 às 23h00, com entrada livre.

Ainda no domínio da reinvenção do som, o festival apresenta, no dia 12 de abril (sexta-feira), pelas 21h30, no palco do Cine-Teatro, o espetáculo “Manipula#Som”, do coletivo Radar 360º (Porto) – mais uma vez uma proposta que se estreia por terras do sul. Depois do grande sucesso da apresentação em Lisboa no Centro Cultural de Belém, esta criação de inegável qualidade e apuramento artísticos ruma agora a Loulé para encantar crianças (a partir dos 5 anos) e adultos, num concerto visual que alia a magia das artes circenses à manipulação experimental de sons proporcionando uma experiência verdadeiramente imersiva e sensorial a todo o público. “Manipula#Som” acrescenta a dimensão sonora à expressão visual do malabarismo e, simultaneamente, aborda o som como matéria para esculpir e manipular. Depurado surge o gesto do manipulador, pronto para desencadear sequências, mecanismos, ritmos e outros padrões sonoros e visuais. Os objetos transformam-se e recriam-se. O espetáculo tem um custo associado por pessoa de 7 euros, com Cartão de Amigo aplicável. Este espetáculo é uma co-produção do Centro Cultural de Belém/Fábrica das Artes, Teatro Municipal do Porto – Rivoli . Campo Alegre e Radar 360º, com apoio à criação do Instituto Politécnico do Porto, Teatro Municipal do Porto e Circolando.

Mas o Som Riscado traz também a Loulé o mestre das esculturas sonoras: Lixoluxopóetico (nome artístico do criativo João Ricardo de Barros Oliveira. O prestigiado escultor plástico sonoro, que tem encantado espaços culturais de referência um pouco por todo o mundo, ruma pela primeira vez ao sul de Portugal para apresentar a performance “Há: som Directa”, que terá três apresentações dirigidas a famílias e público em geral, com entrada livre, limitada à lotação do espaço: 12 de abril (sexta-feira), pelas 14h00, 13 de abril (sábado) às 17h00 e 14 de abril (domingo) pelas 16h30. As sessões realizam-se na antiga sede do Atlético (Rua 5 de Outubro, 35 – vulgo “rua das lojas”).

Esta performance centra-se num alquimista que está a cozinhar uma estranha sopa no laboratório. A receita não contempla “ingredientes, normais como picles de Rock´n Roll, tomates Hip Hop ou batatas Tecno. Os seus ingredientes base são as combinações de instrumentos – esculturas sonoras MALcriadas, defeituosas e desafinadas, objetos, gentilmente condimentados para trazer ao de cima o seu rico aroma musicalÓsonoro.” A dimensão da obra de Lixoluxopóetico abrange desde esculturas até à conceção de novos instrumentos e objetos sonoros, construídos a partir de todo o tipo de materiais, inclusive do lixo. A criação de objetos esculturais capazes de produzir sons com identidade própria, que nunca estão prontos e evoluem sempre para novas e inusitadas sonoridades, tem sido a sua cruzada de experimentação estética plástica e sonora.

Tendo o Cine-Teatro Louletano e o Auditório do Solar da Música Nova como epicentros, o Som Riscado envolve vários espaços da cidade de Loulé nas suas atividades, bem como diversos parceiros institucionais do Concelho de Loulé e da região, nomeadamente: Universidade do Algarve (Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Centro de Investigação em Artes e Comunicação [CIAC] e Escola Superior de Educação e Comunicação), Escola Secundária de Loulé, Escola Secundária de Quarteira, Escola EB2,3/Secundária da Bemposta (Portimão) e ETIC_Algarve (Faro). São media partners do festival a Antena 1, a Antena 3 e a RUA FM (Faro).

Para mais informações, inscrições e reservas os interessados podem contactar o Cine-Teatro Louletano pelo telefone 289 414 604 (terça a sexta-feira, das 13h00 às 18h00) ou pelo email cinereservas@cm-loule.pt. Além disso, podem consultar a sua página de facebook – www.facebook.com/cineteatrolouletano ou o seu renovado website http://cineteatro.cm-loule.pt, ambos em permanente atualização, bem como a sua conta no instagram (cineteatrolouletano), existindo também a possibilidade de compra de ingressos nos locais aderentes ou on-line através da plataforma BOL, em https://cineteatrolouletano.bol.pt/

O Cine-Teatro Louletano é uma estrutura cultural no domínio das artes performativas da Câmara Municipal de Loulé e está integrado na Rede Azul – Rede de Teatros do Algarve e na Rede 5 Sentidos.

 

CML/GAP /RP

Obra de Arquiteto Manuel Laginha em conferência no Arquivo de Loulé

Manuel Laginha.jpg

 

 

No próximo sábado, 13 de abril, pelas 16h00, o Arquivo Municipal de Loulé recebe mais uma sessão de “O Documento que se segue”, desta vez com o tema “Manuel Laginha, Arquiteto e Urbanista: Obras, Projetos e Arquivos”. A apresentação estará a cargo de Ricardo Costa Agarez.

O arquiteto Manuel Laginha (1919-1985) operou, ao longo do seu percurso de quatro décadas, na charneira entre dois tempos, entre dois mundos. Por um lado, trabalhou entre o Portugal rural e o urbano, em modernização e concentração demográfica. Por outro, foi participante destacado na renovação da arquitetura portuguesa no pós-guerra, quando um novo entendimento da tradição intersectou os ensinamentos do Movimento Moderno. Num período fecundo de maturidade e transição, Laginha fundou a sua visão da contemporaneidade nas constantes históricas da relação verdadeira entre o interior e o exterior, a forma e o conteúdo, a Arquitetura e o Tempo.

Ricardo Costa Agarez é arquiteto (FAUTL 1996) e historiador da arquitetura (Mestre FCSH-UNL 2004, Ph.D. University College London, 2013, RIBA President’s Award for Research 2013). Professor auxiliar no Departamento de Arquitetura da Universidade de Évora, foi cocomissário da exposição Arte e Arquitetura entre Lisboa e Bagdade (Fundação Calouste Gulbenkian, 2018-19) e publicou, entre outros, “Habitação: Cem Anos de Políticas Públicas em Portugal, 1918-2018” (2018; edição e coautoria), “Algarve Building: Modernism, Regionalism and Architecture in the South of Portugal, 1925-1965” (2016) e “O Moderno Revisitado: Arquitectura de Habitação Multifamiliar em Lisboa nos Anos 1950” (2009).

Esta iniciativa tem entrada livre.

CML/GAP /RP

“No Princípio Era o Som”: Exposição coletiva no CECAL, em Loulé

No princípio era o som.jpg

 

O CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé recebe, de 14 de março a 13 de abril, uma exposição coletiva que convida à reflexão da importância do Som na vida quotidiana e como este pode ser peça fundamental e inicial de variados processos artísticos.

“No Princípio Era o Som” é o título deste novo encontro de diferentes formas de expressão artística, em que o audível ganha contornos de destaque. Na batuta desta experimentação está Miguel Neto que se fez rodear dos artistas por si convidados: Artur Mósca, David Albuquerque, Fernando Brazão Gonçalves, José Jesus, Patricia Chambino, Rodrigo Carvalho e Rui Cabrita.

Em conjunto, criaram uma exposição coletiva que convida à reflexão da importância do Som na vida quotidiana e como este pode ser peça fundamental e inicial de variados processos artísticos.

Haverá uma intervenção no CECAL com “estações de escuta” indissociáveis de outras áreas artísticas como a ilustração digital, pintura, vídeo, artes plásticas, serigrafia e a palavra/performance.

“No Princípio Era o Som” é o mote para que o público volte a marcar a sua presença no CECAL e se deixe voltar a envolver.

A exposição inaugura às 18h00 do dia 14 de março (quinta-feira). Pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h00 às 13h30 e das 14h30 às 18h00, e aos sábados, das 10h00 às 16h30. A entrada é livre.

 

CML/GAP /RP

Loulé recebe Bienal Ibérica de Património Cultural em outubro: Abertas inscrições para participação de expositores

Bienal JPEG.JPG

 

Já estão abertas as inscrições para entidades que queiram participar com um expositor na AR&PA - Bienal Ibérica de Património Cultural, iniciativa que decorrerá de 11 a 13 de outubro, em Loulé, dedicada ao tema da Sustentabilidade.

Numa edição inédita, já que esta será a primeira vez que o evento se desloca para Sul, e que terá Marrocos como país convidado, o mote lançado será transversal a todas as dimensões da Bienal desde a dimensão expositiva, passando pelo trabalho de educação patrimonial, programação, o International Heritage Talks, entre tantas outras.

Poderão participar com expositores na Bienal instituições públicas do Estado central ou fundações, entidades privadas, equipamentos culturais, instituições de ensino, organizações não-governamentais, associações sem fins lucrativos ou projetos académicos.

Todas as entidades participantes como expositoras nesta Bienal e com capacidade de internacionalização dos seus produtos e/ou serviços serão candidatas a receber o Prémio do Público. Serão premiadas as três entidades que demonstrem maior interatividade com o público visitante da Bienal AR&PA.

Refira-se que a Bienal Ibérica é o único certame europeu da área de património cultural que resulta de uma fusão entre dois eventos de dois países distintos, criando um certame à escala ibérica e com projeção europeia. Desde final de 2018 que a Bienal está integrada na HERIFAIRS - rede europeia de feiras do património que conta também com a participação de Itália, Áustria e Espanha.

A edição de 2019 é um projeto da Spira – agência de revitalização patrimonial e tem a Câmara Municipal de Loulé como entidade promotora.

Inscrições e toda a informação sobre o evento em www.bienalarpa.pt  

CML/GAP /RP

Ana Cristina Pereira apresenta "Vitória" na Biblioteca de Loulé

Vitória.png

 

Na próxima sexta-feira, 22 de março, pelas 18h30, na Biblioteca Municipal de Mello Breyner Andresen, Ana Cristina Pereira apresenta o seu livro “Vitória”, no âmbito de mais uma sessão de “Livros Abertos”.

“Vitória” é o seu terceiro livro. Resulta de um apanhado de textos decorrente de algumas conversas, onde a partilha de sentimentos e emoções vividas foi uma constante. São retalhos de momentos que preenchem quotidianos, são lições de vida que reforçam a ideia de que uma existência vazia de amor em nós e para os outros, não tem significado. Temos sempre a necessidade de pertencer a algum lugar, de pertencer ao mundo de alguém. Não é importante o que damos, fazemos ou como somos. O que tem importância são os valores que transmitimos e a marca que deixamos naqueles que se cruzam no nosso caminho. Essa é a obra que faz parte da nossa história e será a forma como seremos recordados.

Numa abordagem diferente dos livros anteriormente publicados, retrata pensamentos mais profundos sobre as diversas maneiras de viver e sentir a realidade que faz parte da vida de cada um de nós. Realidade que é abordada de forma crua e sem filtros.

Ana Cristina Pereira nasceu em Lisboa, em setembro de 1967, e reside no Algarve desde os seis anos. Licenciada em Ciências Socias, desde julho 2011, exerce funções de Assistente Técnica na Função Pública desde 1990. Sempre cultivou o gosto pela escrita e leitura e é autora dos livros “Almanaque da Diversão” (outubro 2015) e “Tratado da Loucura” (outubro 2016), e coautora de dois contos nos livros coletivos “Palavras [Con] Sentidas”, Edições Vieira da Silva (maio 2016) e «”1º Concurso Literário de Edições Vieira da Silva” (setembro 2017).

A apresentação da obra está a cargo de Edite Machado.

A entrada livre.