Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

SAINT JORDY LANÇA SINGLE DE ESTREIA “CHANGE”

Um sonhador pindérico, Jorge da Fonseca assim se descreve e está de volta, desta vez, a solo.

Sob o nome Saint Jordy colocou uma alta fasquia no habitual songwriting orelhudo que levou dezenas de canções até series e filmes internacionais no passado, com projectos como League, Los Waves, Violent Shakes e Wildkin.

É com "Change" que Saint Jordy vem estrear esse equilíbrio doseado entre o idealismo ingénuo e a seriedade que a escrita pop intemporal exige. Faz assim um convite à mudança através do trabalho interno e do desenvolvimento pessoal como forma de ultrapassar a solidão e a precariedade espiritual em que todos de uma forma ou de outra vivemos. Um convite à verdadeira mudança.

 

Saint Jordy nasceu de uma ideia revivalista, não de ambiente sonoro, mas sim de um modo de pensar as coisas e a arte, fugir à desenfreada demanda por conteúdos completamente descartáveis, rapidamente biodegradáveis, fast food arte, feita para durar, por vezes, escassos segundos. Neste projecto, Jorge da Fonseca pretende marcar o presente, e perdurar para o futuro, com a mesma calma usada no passado para compor e trazer ao mundo a sua música. “Change” é apenas o início daquilo que este cantautor tem para oferecer, nesta nova senda que se iniciou em 2018, a trabalhar em conjunto com o produtor L-CAPITAN (Luís Fernandes).

 

Jorge da Fonseca inicia carreira em Londres, onde passou pelos palcos que são presença obrigatória a qualquer musico inglês (Old Blue Last , Barfly, Cargo, Shacklewell Arms). Em Portugal pisou também com Los Waves alguns dos maiores palcos e festivais nacionais (CCB, Paredes de Coura, NOS Alive, Sudoeste, Aula Magna).

 

Numa experimentação mais electrónica inicia o projecto Violent Shakes, altura em que trabalhou com a empresa de management americana Maverick lançando o primeiro single “Take Me Like a Drug” com a participação de Michaela Shiló, a cantautora responsável por alguns dos sucessos de artistas como Britney Spears, Pitbull e Janet Jackson. Marca rapidamente presença em publicações como a aclamada Billboard

(https://www.billboard.com/music/music-news/violent-shakes-take-me-like-a-drug-7872986/).

 

Dos variados temas que compôs e fez ver a luz do dia, ficam algumas dos momentos televisivos em que se fez ouvir: Warner Bros Shameless (série), VH1 Tough Love, Gossip Girl, SXSW official teaser 2001, MTV Awkward Season 1 &2, MTV Made In Jersey, MTV Geordie Shore, MTV Catfish, Under The Silverlake (filme), Fuel TV Camp Woodward, AXN Criminal Minds, MTV Married to Jonas, ESPN Sports Center, Pull & Bear Winter Collection 2011, Call of Duty Black Ops Oficial Gameplay Video, INternation Bodyboard Association World Tour Video, Veronica Mars (filme), Mentalvideos Surf Brazil, ABC Switched At Birth, Enough Said (filme), Surfer Magazine Online Film, The Lookalike (filme), BBC Animal Kingdom e UGGS online spot.

 

https://www.instagram.com/saint.jordy/

Clássica de Ana Brissos já disponível nas plataformas digitais.

descarregar (5).jpg

 

Clássica, o segundo álbum discográfico de Ana Brissos é uma viagem sensorial aos grandes clássicos da história da música, revelando a essência lírica de uma voz doce, angelical e única, com a interpretação desde temas operáticos, a musicais e clássicos do cinema, como o Avé Maria de Schubert, o Fantasma de Ópera de Andrew Lloyd Webber, ou o Cinema Paradiso de Ennio Morricone.

Num total de treze temas de compositores clássicos, com arranjos originais para piano e quinteto de cordas do Maestro e pianista Mário Rui Teixeira, são interpretados temas intemporais, conhecidos pela sua beleza, simplicidade e intensidade, como que numa suave e simultaneamente grandiosa declaração de amor à Música, à Arte, à nossa Cultura.
 
Projeto realizado no âmbito do Programa Garantir Cultura, tendo como Parceiro Institucional a República Portuguesa – Ministério da Cultura e o apoio da Antena 2, conta com a colaboração de talentos da música como Carolina Costa, Bruno Gomes, Ana Sanches, Kátia Santandreu, Filipa Gonçalves, Renato Andrade, Rogério Nunes e Bruno Miguel Ramos, e ainda a participação especial do Coro Laudate.
«Mais que Paixão… É Amor.» (Ana Brissos) 

 

Clássica de Ana Brissos
Há sons que remontam a momentos, períodos da nossa vida que, não nos recordando bem das circunstâncias, nos marcaram de forma tão indelével, que não mais nos abandonaram.
Os temas do álbum Clássica, na voz da Ana Brissos, repassam exactamente este sentimento de recordação, de momentos indeléveis em nós, mas simultaneamente recordações que se saboreiam a novas na nossa mente, como que imagens reflectidas num espelho – somos nós naquela imagem, mas não somos o eu que éramos da última vez que olhámos – ou até – não somos mais aquela criança que ouviu esta música, que se reviu, sentimento a sentimento, naqueles sons. Passamos também a ser outros, novos – como a música, reconhecida como a original, também já não o é – é uma nova apropriação, intimamente nossa, onde a voz e o espírito da Ana também se encontram imbuídos.
Há uma elegância sublime na Ana que não se traduz só na sua voz, como na sua própria presença, uma leveza quase etérea que lhe é transversal – na sua derradeira versão, na interpretação individualista, intimista e simultaneamente grandiosa, destes temas eternos da história da música.
A voz da Ana Brissos na sua interpretação destes clássicos, além das reminiscências óbvias que nos traz, faz igualmente, não só um contraste único (e individualista) com as versões originais, como confere uma unicidade nova aos temas, reconstruindo-os como seus – e assim também nossos, na nova apropriação que deles fazemos.
A forma cuidada e singular como a reinterpretação dos arranjos musicais também se adaptam à individualidade da versão vocal da Ana potencia toda a ambiência etérea – e eterna – do momento musical, reconstruindo a história que a sua voz nos conta, num percurso único que deve ser ouvido – apreciado e acarinhado.

Nuno de Sousa (Escritor)
InstagramInstagra

 

Casa ao Contrário | Tábua Rasa, projecto de Fernanda Paulo

descarregar (27).jpg

"Casa ao contrário" é o primeiro single do projecto “Tábua Rasa"

O tema surgiu do eterno debate inato vs adquirido que o próprio conceito de “Tábua Rasa” suscita. Se temos ou não algumas características inatas, a verdade é que a família em que nascemos nos influencia e também determina muito do que somos. Quer queiramos quer não, estejamos perto ou longe, podemos sentir que pertencemos à família certa ou, então, que crescemos numa “Casa ao contrário”. Esta canção pretende ser um testemunho doloroso mas optimista sobre a vulnerabilidade e solitude de quem se sente deslocado e desajustado, mas também sobre a beleza encontrada nos ângulos alternativos de observar e absorver o mundo.

Tábua Rasa” é o novo projecto da artista Fernanda Paulo, que inclui um trabalho discográfico e um concerto encenado. O espectáculo ao vivo tem a assinatura de Claudio Hochman e estreia no próximo dia 12 de Fevereiro no Centro Cultural e Congressos das Caldas da Rainha.

 

descarregar (28).jpg

Tábua Rasa - Criar a partir de “uma folha de papel em branco” foi o mote que inspirou a composição dos 11 temas originais que compõem o disco com o mesmo nome.
A mise-en-scène dessas canções fez nascer um espectáculo cheio de pequenas histórias cantadas que levarão o público a encantar-se não só com o que ouve mas com o que vê.
Num ambiente de storytelling, onde a figura feminina assume o papel central, abordam-se vários assuntos ligados à nossa existência: a forte personalidade de uma mulher de extremos, a mãe que é sempre uma “trapezista”, as relações amorosas que começam, que acabam ou que nunca chegam a acontecer, a dificuldade em dizer não, a influência da família na nossa personalidade, entre outros.
Tábua Rasa” surge na sequência do caminho trilhado pela actriz/cantora Fernanda Paulo que tem vindo a explorar a ligação da música e do teatro nos seus espectáculos.

CONVITE de Pedro Cunha. Ouça o single "Perfeita Equação"

descarregar (2).png

 

CONVITE
 é um álbum, um espéctáculo, uma curta-metragem

 
CONVITE é o nome do álbum de Pedro Cunha que será editado neste ano de 2022 e gravado em salas de espectáculos nacionais de norte a sul.  Em cada localidade Pedro Cunha convidará um artista da região - autor, músico…, para subir ao palco e com ele colaborar numa das canções do disco.
Serão dez canções pop originais cantadas em português, onde resultará o trabalho final, o CD CONVITE.

No arranque deste projeto CONVITE, encontra-se já disponível o primeiro single "Perfeita Equação" editado em Dezembro de 2021.

Este projecto CONVITE será registado em vídeo,  que resultará numa curta-metragem dividida em dez capítulos de aproximadamente 5 minutos cada.

O disco CONVITE tem o apoio da S.P.A

 

NOVO ÁLBUM DE DULLMEA ELOGIADO PELA CRÍTICA INTERNACIONAL

image001 (1).jpg

 

O mais recente trabalho de Dullmea (Sofia Fernandes) em parceria com o músico Ricardo Pinto, “Orduak”, tem estado a surpreender a crítica internacional que o considera já um dos lançamentos recomendados dos últimos meses.

Dullmea & Ricardo Pinto manipulam contrastes, tocam com tessitura, formando melodias abstratas ora flertando com um baço móvel com trajetórias imprevisíveis, não deixando de evocar uma mistura de Dead Can Dance e Julianna Barwick, com uma abordagem minimalista e experimental. Altamente recomendado.” – Roland Torres (SilenceandSound)

“…esta dupla equilibra as camadas de som com dissonância, finalmente alcançando harmonias perfeitas, tudo baseado em algumas amostras vocais. Um lançamento surpreendente e valioso. – RSW (Vital Weekly)

“Aqui está um exemplo clássico de um disco bom e bem feito. Lembra algumas obras de Laurie Anderson dos anos 80. - Girolamo Dal Maso (Blow Up Magazine – Itália)

Dullmea é a máscara que Sofia Faria Fernandes enverga em palco, não para se esconder, mas antes para sublevar a introspeção que a sua música é capaz de gerar. Dullmea é comparada à islandesa Bjork, quando usa apenas a voz como único e derradeiro instrumento.

O novo álbum “Orduak” conta com a colaboração do músico Ricardo Pinto, mais conhecido pelas suas criações na área do teatro.

 

 

 

Há um novo single de RA-FA-EL em colaboração com João Vinagre

Fica disponível hoje no Youtube da Lovers&Lollypops, Tá no Mundo, o novo single de RA-FA-EL, projecto a solo de Rafael Ferreira (Glockenwise, Evols, Septeto Interregional, Duquesa). Com uma toada leve e relaxante, algures situada entre San Tropez e uma lareira portuguesa, Tá no mundo é uma canção simples que procura conforto nas coisas que nos são mais próximas.

Explorando e aprofundando o trabalho de Rafael Ferreira enquanto compositor, o futuro disco de estreia de RA-FA-EL assume-se como um sortido de canções e de sonoridades que vão variando de tema para tema, onde a forma final de cada canção é desenhada em conjunto entre o compositor e os músicos convidados. 

Tá no Mundo conta com composição original de RA-FA-EL e voz e letra de José Vinagre. Lançado estava já o single, No Need que conta com a colaboração de Tiago Ferreira (Cavalheiro) e vídeo de André Guiomar e MINHO, que conta com a participação de Éme.  Ao longo dos próximos meses serão reveladas as restantes colaborações deste disco.

 

Ramón Galarza's Band apresenta novo álbum

image002 (4).jpg

 

Ramón Galarza’s Band fecha o ano de 2021 em grande com o novo disco “Qu’est-qui se Passe”: o culminar de um trabalho feito durante a pandemia, do qual foram lançados já 3 singles: “Reflexions”, “Dr. Spencer” e “Inspiration”.

O novo disco da banda do músico e produtor Ramón Galarza apresenta uma sonoridade inspirada no Jazz/Fusão, com uma abordagem à World Music.

 

A Ramón Galarza's Band é constituída por músicos de renome: Bernardo Fesch no baixo e coros, António Mão de Ferro na guitarra e voz, Diogo Santos no piano, sintetizadores e acordeão, Moisés Fernandes no trompete, flugel e coros, e a japonesa Ryoko Imai nas Marimbas e percussão. Ramón Galarza fica responsável pela bateria, percussão, programações e coros.

 

Ramón Galarza conta com uma uma carreira de mais de 40 anos no panorama musical português: o músico estudou piano, percussão, solfejo e harmonia e iniciou a sua carreira musical em 1976, como baterista em diversos grupos musicais, e como músico de estúdio, tendo colaborado com diversos nomes da música nacional.

 

Em 1980 foi um dos elementos de Banda Sonora, tocou com Rui Veloso, tendo participado nos discos "Ar de Rock", "Um café e um bagaço" e "Fora de Moda", entre outros.

 

A partir de 1983 dedicou-se à produção musical e, como orquestrador, participou em vários festivais, como o RTP da Canção, com as Doce, e também em certames na Bulgária, Malta, Espanha, Estados Unidos, Turquia, Paraguai e Brasil.

 

Em 1986 fundou os estúdios de gravação Tchatchatcha, onde já gravaram vários nomes da música nacional como Jorge Palma, Xutos, Fausto, Sérgio Godinho,Ena Pé 2000 , UHF, entre muitos outros.

 

Ramón Galarza trabalhou com Herman José como diretor musical e baterista noTal Canal/Hermanias.

Como produtor da RTP participou em vários festivais da Eurovisão e foi produtor e diretor musical das séries televisivas "Rua Sésamo”, “Em Português nos entendemos”, “Jardim da Celeste”, entre outros.

"Clássicos Disney" e "Uma História por dia", foram outras das suas produções, neste caso para a Disney.

 

Em 1988, trabalhou com os Xutos e Pontapés, de quem coproduziu os álbuns "88", "Gritos Mudos" e os ‘singles’ "Submissão" e "Tu aí", tendo tocado como teclista da banda durante dois anos.

 

Ramón Galarza trabalhou, entre outros, com Rão Kyao, Rui Veloso, Banda do Casaco, Doce, Afonsinhos do Condado, Carlos Paião, Dulce Pontes, Rita Guerra, Beto, Marco Paulo, Blind Zero, António Pinto Basto e Adelaide Ferreira, Gato Fedorento e Berg.

 

Galarza assina as bandas sonoras incidentais das telenovelas "Último Beijo", "Jóia de África", "Saber Amar", "Amanhecer", "Coração Malandro", "Morangos com Açúcar" e "Queridas Feras".

 

Em 2009 editou o primeiro álbum a solo, "Herr G - 51.11", ao qual deu continuidade, em 2018, com o disco "GALARZA", assinado pelo seu grupo Ramón Galarza´s Band.

 

O novo disco “Qu’est-qui se Passe” é o mais recente trabalho daquele que já conquistou um lugar na História da música nacional.

 

Acordeões do Mundo e Novas Invasões nomeados para os Iberian Festival Awards

 

descarregar (1).jpg

 

O Acordeões do Mundo - Festival Internacional de Acordeão de Torres Vedras e o festival Novas Invasões estão nomeados para várias categorias da sexta edição dos Iberian Festival Awards.

Os nomeados foram anunciados esta quinta-feira, com o Acordeões do Mundo a integrar a lista de nomeados para Melhor Festival e para Melhor Festival em Espaço Fechado.

Já o Novas Invasões está nomeado para a categoria de Melhor Festival Não Musical. O Parque do Choupal, que acolheu o espetáculo Dreamworld, valeu, ainda, a nomeação para Melhor Recinto (que será decidida pelo júri).

As votações nas categorias decididas pelo público decorrem até ao dia 31 de janeiro nesta página.

Os vencedores serão conhecidos a 26 de março, por ocasião da sexta edição dos Iberian Festival Awards. Os prémios são organizados pela Aporfest - Associação Portuguesa de Festivais de Música com o objetivo de distinguir eventos realizados ao longo de 2021.

The Allstar Project | Novo single "Momentum"

Há 20 anos, um grupo de amigos iniciou uma revolução quando pensavam estar apenas a formar uma banda.
Os The Allstar Project estão de regresso com “Momentum”

Vinham de várias formações musicais e queriam juntar-se num projeto paralelo, sem expectativas, mas profundamente ambicioso, estética e conceptualmente inspirado no universo das bandas sonoras e do movimento musical independente mais épico.
Como quem faz uma paisagem sonora e apenas instrumental para a forma como olha o mundo. Em pouco tempo estavam a ser associados à introdução do movimento pós-rock em Portugal, a criar concertos inesquecíveis com projeções sincronizadas e a conseguir um estatuto de banda de culto no nosso país e com muitos seguidores internacionais. 
Na cidade de Leiria começaram a programar uma sala de concertos, inspiraram uma nova geração de jovens músicos a fazerem bandas e criaram um estúdio onde gravaram os primeiros discos de nomes como First Breath After Coma ou Nice Weather For Ducks. 
 

Rei Marte lança "Girassol", uma poética contemplação de pop-rock nacional.

descarregar (5).png

Um dos mais únicos e promissores projetos indie portugueses apresenta novo single “Girassol”, uma gentil balada de pop-rock lusitano

instagram spotify youtube

 

O Girassol é uma balada Indie pop rock onde assumo o papel de um girassol e conto o meu amor pelo Sol, que me faz andar às voltas atrás deleÉ uma canção sobre amor. Simão Reis sobre “Girassol”

 

Girassol” é uma terna balada pop-rock onde o protagonista se assume como um girassol apaixonado pelo sol enquanto nos conta como esse amor o faz girar. É uma faixa metafórica com a marca distintiva do espírito poético português de Rei Marte. As guitarras e os teclados levam a canção para a sua vertente mais sonhadora e apaixonada mas é à volta do poema e da voz que a canção gira, trazendo-a à terra. Melancólica, melódica e crua nas emoções que nos transmite, o sexto avanço de Rei Marte é uma contemplação mais lenta da natureza humana que inspira o projeto.

Encarnando mais uma vez a mística única da poesia e composição bem como da melosa guitarra elétrica de Simão Reis, a canção conta com bateria por JAntónio Silva e tem produção habitual por André Isidro no Duck Tape Studios.

Contando com um apoio avassalador do Spotify Portugal onde se aproxima das 50 000 reproduções, bem como a atenção de grande parte dos medias nacionais, Rei Marte lança “Girassol” mostrando aquele que é um lado mais contemplativo do projeto, enquanto se prepara para divulgar em 2022 o que será o seu EP de estreia intitulado “Reino Maravilhoso”.

descarregar (15).jpg