Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Luares", novo álbum de Elodie Bouny, virtuose da guitarra, será editado a 24 de novembro

2 Elodie Bouny foto Alfredo Matos.jpg

Elodie Bouny presenteia os seus fãs com Luares, o primeiro disco inteiramente autoral, em que a artista combina elementos da sua formação clássica com influências da música popular, mostrando toda a sua versatilidade e criatividade.

 

“Luares é um álbum íntimo e emotivo… e, como o nome indica, é também evocativo, pois captura a essência da minha música, que assim como a lua, traz um brilho translúcido e faz referência à energia feminina. A presença de melancolia e nostalgia nas músicas equilibra-se com otimismo e esperança, criando uma experiência rica para os ouvintes”, define Elodie.


Elodie Bouny é franco-venezuelana, de mãe boliviana e de pai francês, viveu muitos anos em Paris, depois mudou-se para o Rio de Janeiro, onde permaneceu por 13 anos e onde cresceu como profissional da música. Há quatro anos Elodie escolheu Lisboa para viver. 


A premiada artista tem reconhecimento internacional, tanto como concertista de guitarra clássica, quanto pela sua obra plural enquanto compositora para as mais diversas formações (desde música de câmara até ópera, passando pelo género da canção).

 

As parcerias com outro gigante da guitarra, Yamandu Costa - de quem Elodie já produziu diversos discos - e com o importante compositor Sérgio Assad, trazem outros matizes ao álbum, já que estes músicos influenciaram muito a sua trajetória musical.

 

As participações de músicos como do cantor Pedro Iaco, do percussionista Thiago Lamattina, do baixista Francesco Valente e do multi-instrumentista André Siqueira, também enriquecem a sonoridade do álbum.


Entre os 10 temas de Luares estão dois singles que já estão disponíveis nas plataformas de streaming: “Chant d’espoir” http://tiny.cc/xzcdvz com feat. de Pedro Iaco, André Siqueira, Thiago Lamattina, composta durante a pandemia - nesta peça, o ostinato da guitarra remete para uma certa fatalidade, mas a voz angelical e a melodia lírica e terna trazem esperança. No tema “Cena Brasileira” Cena Brasileira 1 - Single by Elodie Bouny | Spotify, que foi composta originalmente para guitarra solo, a voz espetacular de Pedo Iaco aparece para surpreender quem escuta.


De destacar ainda as parcerias com Yamandu Costa, na faixa título “Luares” e com Sérgio Assad em “Le pli du temps”, duas peças compostas a quatro mãos com os citados; e também “Que lo diga la luna” escrita sob encomenda para o violonista mexicano Alan Juarez Balderas; e “Figura ímpar”, uma peça dedicada ao grande músico francês e amigo de longa data, Kevin Seddiki.  

 

Ficha Técnica (na ordem do disco) 

1- Le Pli du Temps (Sergio Assad/Elodie Bouny)Elodie Bouny: Guitarra

2- A espera (Elodie Bouny)  

feat. Francesco Valente (contrabaixo)Elodie Bouny: Guitarra

3- Que lo diga la luna (Elodie Bouny)Elodie Bouny: Guitarra

4- Luares (Yamandu Costa/Elodie Bouny)Elodie Bouny: Guitarra

5- Cena Brasileira (Elodie Bouny) Feat. Pedro Iaco (voz)Elodie Bouny : Guitarra

6- Figura ímpar (Elodie Bouny) Elodie Bouny : Guitarra

7- Conversa das flores (Elodie Bouny) Elodie Bouny : Guitarra

8- Anjo (Elodie Bouny) Elodie Bouny: Guitarra

9- Duas almas (Elodie Bouny) 

Elodie: Guitarra

10 - Chant d´espoir (Elodie Bouny) Feat.: Pedro Iaco (voz), André Siqueira (baixo fretless) e Thiago Lamattina (percussão)Elodie Bouny: Guitarra

 

Gravado em Lisboa em março de 2023 (Estúdio Bagual)

Mixado e Masterizado por Thiago Monteiro (São Paulo, Brasil)

A Faixa 10: voz e percussão gravados no Estúdio Arsis no Brasil, em São Paulo e baixo fretless gravado no Brasil, em Londrina, home studio pessoal. 

—-------------------------------------------------------------------------------------

Sobre Elodie Bouny

Nasceu em Caracas (Venezuela) e cresceu em Paris, onde efetuou um percurso de estudos clássicos completo, focado no estudo da guitarra clássica no Conservatório de Boulogne-Billancourt (Paris) e em Strasbourg com Pablo Marquez (guitarra).

Elodie Bouny é Mestre em Educação Musical pela Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2012), e Doutora em Processos Criativos pela mesma instituição (2019). 

Participou de inúmeros festivais e foi premiada em vários concursos internacionais de guitarra. 

 

Em paralelo às atividades como solista, Elodie desenvolve outros projetos em duo (Duo Andrea Ernest-Dias e Elodie Bouny), e em trio (Iroko Trio).

 

Elodie atua ativamente como compositora (Les Productions d’Oz; Editions Soldano), e como arranjadora, já orquestrou diversas peças em parceria com Yamandu Costa que foram tocadas por orquestras prestigiosas em vários países.

 

Entre as peças que lhe foram encomendadas, destacam-se:  

- Meia Lágrima, para soprano e orquestra (Orquestra do Theatro Municipal de São Paulo) que estreou em maio de 2019, pela soprano Marly Montano sob a regência de Roberto Minczuk.

-  Déjà Vu, peça para quarteto de violões que foi selecionada para a XXIII Bienal de Música Brasileira Contemporânea e teve estreia brasileira em novembro de 2019 na sala Cecília Meireles.

- Eclipse para orquestra (Orquestra de Santo André- Abel Rocha) 

- Cara e coroa para duo de violões (Duo Siqueira-Lima)

- Suite Infância Brasileira para orquestra de cordas (SINOS Funarte/UFRJ), 

- Nodus para guitarra e orquestra. Festivais de Outono (Universidade de Aveiro, Portugal)

- Three wishes, para trio de guitarras (Guitar Foundation of America) 

- Um abraço pro Waldir para 5 cavaquinhos e orquestra. Oficina De Música de Curitiba, para a sua 40ª edição, entre outras diversas peças para guitarra solo. 

 

Em 2022 estreou sua ópera Homens de Papel, baseada na peça de Plínio Marcos, que foi encomendada pelo Theatro Municipal de São Paulo. 

 

A artista traz em sua discografia os álbuns Terra Adentro (guitarra solo), Trio Rama, Iroko Trio e Novas 1, Novas 2, Novas 3, Novas 4 (Produção). 

 

Elodie realizou também a direção de gravação de diversos CDs, entre eles os discos de Yamandu Costa:  Mafuá, Recanto e Toccata à Amizade (vencedor do Prêmio da Música Brasileira 2016 nas categorias Melhor CD e Melhor grupo), Calendário do (A)feto de Carlos Walter e Suites do Brasil da Camerata de Violões, Corrente de Cainã Cavalcante. 

 

Em 2024 está previsto o lançamento do álbum Helping Hands, em duo com Yamandu Costa.

Redes sociais Elodie Bouny: @elodiebouny (instagram)

www.elodiebouny.com

 

SOBRE O LUARES:

Lançamento a 24 de novembro

EXCESSO | Videoclip de “Não Sei Viver Sem Ti” já disponível

 

Já está disponível no Youtube o videoclip do tema “ Não Sei Viver Sem Ti” do EP LIVE SESSIONS (Rework 2023) dos EXCESSO.  

Este novo trabalho, lançado nas plataformas digitais no dia em que o grupo encheu a Altice Arena para um concerto épico, é composto por quatro dos maiores êxitos da banda nos anos 90. "És Loucura", "Não Sei Viver Sem Ti", "Eu Sou Aquele" e "Até Ao Fim" - que dá nome aos espetáculos de regresso dos EXCESSO, ganham assim uma nova roupagem, salientando o potencial da banda em se adaptar aos novos tempos e sonoridades. 

Depois do grupo ter sido recebido, no concerto de Lisboa, por uma  multidão que demonstrou que nunca esqueceu as suas músicas, os EXCESSO preparam agora o grande espetáculo na Super Bock Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota, no Porto, no dia 17 de Junho

LIVE SESSION É O NOVO EP DOS EXCESSO

descarregar.jfif

 

 

EXCESSO: "És Loucura" é o segundo single a levar uma nova roupagem!

descarregar (12).jfif

A poucos dias de subirem ao palco da Altice Arena, cujos bilhetes estão prestes a esgotar, inclusive com alguns setores já indisponíveis, Carlos, Duck, Gonzo, João Portugal e Melão lançam o rework de um dos temas de maior sucesso dos anos 90: “ És Loucura”. 

Depois de “ Eu Sou Aquele”, " És Loucura" é o segundo single a levar uma nova roupagem. A música é considerada uma das mais irreverentes e está agora a ser trabalhada como um remake da banda. A nova versão permitiu adicionar uma sonoridade atualizada a um hit dos anos 90 e, como consequência, faz com que todos os que a ouvem sintam uma necessidade imensa de dançar, alegria extrema, bem-estar e, acima de tudo, a vontade de antecipar a chegada do calor do verão. 

O grupo sentiu-se realizado ao regravar este hit, afirmando que “Sem dúvida estamos a trabalhar com uma excelente banda e uma produção que adiciona valor ao nosso trabalho.” 

Os EXCESSO preparam-se para voltar aos palcos com o espetáculo “Excesso – Até ao Fim”, prometendo músicas com novos arranjos, reunidas em breve, num novo EP que a banda vai disponibilizar em vídeo e nas plataformas digitais. Será um momento inesquecível que traz de volta todo o sentimento nostálgico dos grandes hits que marcaram a trajetória do grupo. 


Os espetáculos do grande reencontro dos EXCESSO acontecem na Altice Arena, a 19 de maio, cujo concerto já tem vários setores esgotados e a corrida aos bilhetes está cada vez mais acentuada, e na Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota, no Porto, a 17 de junho.

descarregar (13).jfif

Um ano de Discos Submarinos ao som de Benjamim e Samuel Úria - "Os Raros"

 

descarregar (8).jfif

Em dia de primeiro aniversário dos Discos Submarinos, a celebração com a publicação da primeira canção escrita e interpretada em conjunto por Benjamim e Samuel Úria – “Os Raros”.

 

Figuras de referência da música produzida em Portugal têm em “Os Raros” um momento de invulgar comunhão: canção escrita em dois passos temporais diferentes, que se encontram no engenho lírico próprio, que só o melhor letrista da sua geração – Samuel –  poderia imprimir a uma música feita pelo mais versátil músico nacional – Benjamim –  sintetizando de maneira perfeita as identidades dos dois cantautores nesta sua primeira colaboração criativa. Profundos conhecedores da arte de “fazer canções”, embarcam numa jornada sonora pelo classicismo da pop/rock executada de forma tão autêntica e exímia que o resultado coloca “Os Raros” no extremo da contemporaneidade.

 

Fez sentido que, como diz a letra, fossem “mais de mil” a carregar o refrão com Benjamim e Samuel Úria. Daí a presença de vários amigos, coincidentemente talentos inegáveis da música portuguesa, também nesta celebração. São eles: António Vasconcelos Dias, B Fachada, Beatriz Pessoa, Carolina Bernardo, Catarina Portugal, Francisca Cortesão, Joana Espadinha, Pir (Cassete Pirata), Margarida Campelo, Mariana Norton, Miguel Quelhas, Noiserv, Rita Cortesão Monteiro, Selma Uamusse, Tipo, Velhote do Carmo e Vera Vera-Cruz. À instrumentação assegurada por Benjamim, juntou-se João Correia, seu colaborador habitual e mentor de Tape Junk, na bateria.

 

Ainda que uma estreia em termos criativos, esta não é a primeira vez que Benjamim e Samuel Úria se cruzam artisticamente: a par de uma amizade longa e da admiração mútua, alguns encontros já foram concretizados em palco, o último dos quais em Janeiro passado no Teatro Maria Matos, aquando do “Conta-me Uma Canção”. Aliás, terá sido a partir deste “concerto/conversa” que o desejo de uma colaboração mais ampla se terá solidificado, agora concretizado com “Os Raros”.

Prémio de Composição “2ª Escola de Évora|Eborae Mvsica”

Prémio de Composição

“2ª Escola de Évora|Eborae Mvsica”

 

A “Eborae Mvsica” - Associação Musical de Évora promove a 4ª edição do Prémio de Composição “2ª Escola de Évora| Eborae Mvsica”, podendo os concorrentes entregar as suas obras até ao dia 31 de Agosto de 2023.

 

Pretende-se homenagear o legado da Escola de Évora do Renascimento e estimular a criação musical contemporânea portuguesa, na vertente da música vocal a cappella.

 

O júri é constituído por Eurico Carrapatoso, João Nascimento e Pedro Faria Gomes.

 

Haverá apenas um prémio no valor de 2.500,00€ e não é necessário efetuar a inscrição.

As obras musicais concorrentes deverão ser composições inéditas, para coro misto “a cappella” e deverão durar entre sete e quinze minutos. O prémio da obra vencedora será entregue durante o concerto de apresentação da obra.

 

O Regulamento pode ser consultado em eboraemusica.pt

Cartaz_PremioComposicao_Web.jpg

As obras deverão ser enviadas, até 31 de agosto de 2023, para: EBORÆ MVSICA, Apartado 2126, 7001-901 Évora, de acordo com as instruções do Regulamento; Informações: telefone: 266 746 750; telemóvel: 965 740 270       

E-mail: eboraemusica@gmail.com; eboraemusica.pt

 

Este Concurso é organizado pela Associação Eborae Mvsica, estrutura financiada pelo Ministério da Cultura - DGArtes, com o apoio de Câmara Municipal de Évora, Antena 2 Diário do Sul, Rádio Diana, A Defesa, O Registo.

5 Seconds of Summer lançam single "Take My Hand"

Tour TAKE MY HAND teve início este fim-de-semana

com concerto esgotado em Dublin

5 Seconds of Summer, a banda de pop-rock premiada com multi-platina, surpreendeu os fãs com o lançamento da faixa que dá nome ao álbum Take My Hand. O lançamento antecipa a tour que teve início este fim-de-semana com o concerto esgotado, no domingo, 3 de abril, em Dublin, Irlanda no 3Arena. Take My Hand foi escrita por Luke Hemmings e produzida por Michael Clifford, sendo esta a segunda faixa que antecipa o anunciado quinto álbum em estúdio, que será lançado de forma independente e em parceria com a BMG.

Salvador Sobral e Agir lançam VERTIGEM

A primeira colaboração de Salvador Sobral e Agir está já disponível. O vídeo, da autoria de Arlindo Camacho e Daniela Gandra, pode ser visto no Youtube.

A vontade de Salvador Sobral de experimentar todas as músicas do mundo e o impulso criativo de Agir foram o ponto de partida para uma parceria musical que começou na Mesa de Frades e rapidamente saltou para o estúdio. 
 
Conheci o Salvador na Mesa de Frades, numa noite de amigos em comum. Falámos da fase musical que cada um de nós estava a passar e foi quando ele me disse que gostava de experimentar algo mais electrónico. Combinámos e fomos para estúdio. Começámos a fazer um som sem compromisso, só com melodias por cima de um instrumental. Na segunda sessão, o Salvador trouxe a letra feita e quando a começou a gravar, disse: “giro era tu entrares” e daí, ao imaginar um vídeo, foi um instante. Gosto desta atitude de verdadeira liberdade do Salvador, de fazer o que lhe apetece e arriscar coisas mais “fora”. Se for para repetir eternamente a mesma canção, não estamos cá a fazer nada.
AGIR

Gosto de todas as músicas do mundo. Quero experimentar todos os géneros. Tive a oportunidade de partilhar esta vontade com o Agir no nosso encontro na Mesa de Frades e ele desafiou-me a passar pelo estúdio dele. Mostrou-me algumas das coisas que andava a fazer com outras artistas e o do seu projecto a solo. Adorei a produção, tudo soava GRANDE. Nesse mesmo dia ele disse-me: “Bora fazer um som?” Começámos a tocar uns acordes ao piano e numa tarde a música estava feita, assim, aos primeiros takes e sem auto-boicote – um método bastante diferente do que uso habitualmente para compor. Aprendi muito com o Agir, não só na esfera musical de não pensar demasiado e deixar sempre correr o fluxo criativo, mas também na esfera pessoal. Ele é um artista que sabe perfeitamente o que quer, dos mais focados que conheço, sem pudor de dizer que não a algo que não lhe apraz. Sem pudor de pensar gigante para depois fazer grande. Acho que já ganhei o direito de lhe chamar Bernardo, o que significa claramente que somos amigos. Certo, Bernardo?
SALVADOR SOBRAL
 

Marta Dias | Novo álbum de originais "Um Beijo para Amanhã"

view (2).jpg

"Um Beijo para Amanhã" é o novo álbum de originais que a cantora e compositora Marta Dias edita a 31 de março.
O disco é composto por dez canções de inspiração luso-africana e brasileira, unidas pela língua portuguesa, que constituem um resumo dos cruzamentos musicais feitos por Marta Dias ao longo de uma carreira que se estende por mais de duas décadas, construída sobre a sua identidade africana e lusa, que, neste novo álbum, faz a síntese perfeita com a tradição brasileira.
"Um Beijo para Amanhã" apresenta diversos convidados especiais, tais como Ana Laíns, Ana Vieira, Francisca Silva e Margarida Silva (estas últimas sobrinhas de Marta Dias) nas vozes e João Frade no acordeão. Edu Miranda, juntamente com Tuniko Goulart, foi responsável pelos arranjos e pela execução da maioria dos instrumentos deste disco.

Antecipando o lançamento deste novo registo, Marta Dias editou já três singles: o primeiro foi “À Janela”, um chorinho - paixão antiga da cantora – pontuado pelo bandolim de Edu Miranda, e que desafia e incentiva o ouvinte a espreitar para o Mundo e para os seus outros habitantes. O segundo single, “Dantes”, conta com a participação da cantora e amiga Ana Vieira e, de acordo com as palavras de Marta Dias, “pode ser uma alusão aos tempos que vivemos, ou pode ser o relato de um relacionamento que findou, ficando a decisão a cargo do ouvinte.” O terceiro single foi “Quero Ouvir Cantar”, resultante do feliz cruzamento do universo tradicional português com o ritmo do baião brasileiro. Este tema conta com a participação especial da cantora Ana Laíns, cujo trajeto na música tradicional portuguesa, para além dos laços de amizade, fez dela a escolha natural para este dueto.
 
Marta Dias possui um percurso musical que se estende por mais de duas décadas. Nascida em Lisboa, com ascendência santomense, goesa e portuguesa, Marta Dias tem vindo a cruzar, ao longo da sua carreira musical, as diversas influências culturais que lhe correm no sangue. Colaborou com nomes tão díspares como os Ithaka e General D ou Mestre António Chainho, com quem atuou aliás em digressões nacionais e internacionais que culminaram, em jeito de síntese destes anos deconcertos e viagens, num álbum em parceria com o Mestre, “Ao Vivo no CCB”.
 
Singles:
À JANELA
DANTES
QUERO OUVIR CANTAR

Behind the REDGIANT | "Somewhere, somehow..." single/videoclipe retirado de "How far is far away?"

"How far is far away?" é inspirado na misteriosa beleza do cosmos. Tem na astrofísica, matemática e nas ciências em geral as suas principais referências criativas. O álbum de estreia dos Behind the REDGIANT já está disponível nas plataformas digitais e "Somewhere, somehow..." é o primeiro single/videoclip retirado do disco.