Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Somos Património Mundial... venha celebrar connosco!

image002.jpg

 

O Real Edifício de Mafra (Palácio, Basílica, Convento, Jardim do Cerco e Tapada) está em festa para celebrar a inscrição na lista do Património Mundial da UNESCO e todos estão convidados! No próximo dia 20 de julho, entre as 10 e as 18 horas, participe nas visitas guiadas, percursos pedestres, recriações históricas e animações musicais. Às 22 horas, assista a um concerto pela Banda Sinfónica do Exército no Terreiro D. João V, com projeção multimédia na fachada do Palácio Nacional de Mafra.

 

Com o mote “O Real Edifício de Mafra está de portas abertas”, estão programadas, no referido dia 20 de julho, diversificadas atividades: no Palácio Nacional de Mafra, visitas guiadas gratuitas e animações musicais com um trio de cordas entre as 10 e as 12 horas; na Basílica, vários momentos musicais com órgão; na Escola das Armas, visitas guiadas às 10 e às 15 horas; no Jardim do Cerco, entre as 15 e as 18 horas, uma recriação de época no reinado de D. João VI, denominada “O Recreio da Corte”, com jogos, música e dança; e, na Tapada Nacional de Mafra, percursos pedestres entre as 10 e as 18 horas.

 

À noite, a partir das 22 horas, a Banda Sinfónica do Exército e a soprano Daniela Nunes sobem ao palco para uma homenagem à portugalidade, tendo como pano de fundo a fachada do Palácio Nacional de Mafra, que ganhará vida com luz e projeção de vídeo.

 

Junte-se à festa!

 

Está de regresso o Festival do Pão de Mafra!

image003.jpg

 

Venha pôr a “mão na massa”! Este é o mote do 9.º Festival do Pão, que abre as portas a partir das 18h30 do dia 5 de julho e se prolonga até 14 de julho, decorrendo no magnífico cenário do Jardim do Cerco, contíguo ao Palácio Nacional de Mafra. Nesta edição de 2019, o evento é interativo, desafiando o público a participar em diversificadas atividades, e ambientalmente sustentável, pretendendo-se reduzir a pegada ecológica.

 

Ao longo de 10 dias, este festival homenageia o Pão de Mafra, cuja venda pelas ruas da capital era conhecida desde a Idade Média e que, ainda hoje, se distingue no quadro da produção panificadora nacional: de atividade doméstica e artesanal, transformou-se em atividade empresarial e mecanizada, mas mantendo-se fiel aos princípios de origem que lhe conferem o seu cunho próprio.

 

Assim, para além da mostra e venda de pão de Mafra e das mais variadas especialidades gastronómicas regionais, disponíveis nas tradicionais “tasquinhas” e nas bancas das pastelarias locais, a 9.ª edição tem como novidades a oficina “Mão na massa”, convidando o público a confecionar pão de Mafra sob a orientação de padeiros locais. Também o denominado “Fórum do Pão” disponibiliza showcooking e degustações, estando ainda patente a exposição “A Dieta Mediterrânea”, que dá igualmente o mote para um colóquio.

 

Evidenciando a ligação ao universo rural, o evento integra a exposição e venda de artesanato e de produtos locais, a feira saloia, a exposição de veículos e alfaias agrícolas antigos, a par de atuações de ranchos folclóricos e atividades temáticas para crianças.

 

Unindo a tradição ao lazer, foi selecionado um cartaz musical diversificado, que conta com atuações, às 22 horas, de Yura Silva (5 de julho), 4Revival (6 de julho), “Top Genius” com Nuno Markl e Vasco Palmeirim (7 de julho), Bárbara Bandeira (9 de julho), Cupcake Mafia (10 de julho), Olavo Bilac (11 de julho), Tatanka (12 julho), Katia Guerreiro (13 de julho) e OLE – Orquestra Ligeira do Exército (14 de julho). Decorre, igualmente, no dia 8 de julho, às 18 horas, um Festival de Música Jovem e, às 22 horas, a Eleição da Miss Concelho de Mafra.

 

Com o objetivo de promover a sustentabilidade ambiental, esta edição do Festival do Pão caracteriza-se pela não utilização de plásticos de uso descartável e pela realização de várias ações no recinto: intervenção de equipas especializadas de educação ambiental, com vista ao aumento da reciclagem, direcionadas tanto para o público em geral, como para os expositores e trabalhadores do festival; ações de sensibilização sobre o impacto ambiental das diferentes escolhas, motivando a modificar comportamentos antes, durante e após o evento; disponibilização de contentorização para deposição seletiva de resíduos.

Real Edifício de Mafra é Património Mundial

Somos Património Mundial - Real Edifício de Mafr

O Real Edifício de Mafra (Palácio, Basílica, Convento, Jardim do Cerco e Tapada) está, a partir de hoje, inscrito na lista do Património Mundial da UNESCO, na sequência da deliberação do Comité do Património Mundial, reunido na sua 43.ª sessão que está a decorrer em Baku (Azerbeijão).

 

Para o Presidente da Câmara Municipal de Mafra, Hélder Sousa Silva, este é “um momento histórico para os mafrenses e para os portugueses, constituindo um motivo de orgulho e um compromisso de futuro”. Traduzindo o orgulho da comunidade, declarou que “o monumento que é a síntese em ‘pedra e mármore’ da cultura Barroca europeia não só marcou para sempre a identidade do concelho, como constitui a razão pela qual Mafra se encontra incluída, desde a primeira metade do século XVIII, nos itinerários culturais, religiosos, turísticos e académicos como símbolo de arte de expressão internacional”. Fundamentando o apelo ao compromisso, explicou que “este reconhecimento constitui, mais do que um ponto de chegada, um ponto de partida, tanto para uma renovada consciencialização coletiva para a proteção acrescida do bem, no profundo respeito pela sua magnificência e pela plena fruição pública, como para a introdução de novas dinâmicas, posicionando-o como um local de (re)encontros: dos mafrenses com a sua história; dos nacionais e estrangeiros com um conjunto patrimonial diversificado na tipologia, mas único no conceito”.

 

Nas palavras do Diretor do Palácio Nacional de Mafra, Mário Pereira, “A inevitabilidade de um reconhecimento não poderia, nem deveria ser protelada. Mafra e o seu monumento há muito que mereciam esta inscrição na lista do Património Mundial”.

 

“A Escola das Armas congratula-se com este reconhecimento que muito valoriza o Concelho de Mafra e Portugal. A Escola das Armas e o Exército continuarão, em sintonia com os outros parceiros deste projeto, a trabalhar para a conservação deste valioso património nacional, agora também considerado Património Mundial”, declarou o Comandante da Escola das Armas, Brigadeiro-General Silva Rodrigues.

 

A Presidente da Direção da Tapada Nacional de Mafra, Paula Simões, sublinhou: “Feita uma aposta na requalificação deste património natural, pondo em evidência os aspetos identitários e singulares, esta atribuição projeta internacionalmente este lugar. Neste momento, conseguimos transmiti-lo às gerações futuras com um valor acrescentado, e igualmente gerar um estímulo à continuidade da sua conservação e proteção. Reserva de biodiversidade, ponto de encontro de gerações e espaço de lazer sem paralelo, a Tapada Nacional de Mafra orgulha-se deste estatuto, abrindo as suas portas aos visitantes de todo o Mundo, que passarão a conhecer melhor este espaço e a sua História. A atribuição deste estatuto pela UNESCO é importante para a projeção internacional da região e o país. A primeira pesquisa que é feita pelos turistas no Google, no Booking ou no Trip Advisor é saber aquilo que é Património Mundial. Todos beneficiaremos do crescimento turístico que virá, será uma mola de desenvolvimento da região e permitirá aos operadores turísticos criar novas rotas”.

 

O Pároco de Santo André de Mafra, Luís de Barros, afirmou que “Os paroquianos de Mafra têm o privilégio de poder celebrar a sua fé na Basílica do Real Edifício de Mafra, um templo que é verdadeiramente inspirador: da estatuária italiana ao conjunto instrumental dos seis órgãos e dos dois carrilhões, incluindo a magnífica paramentaria. Face à distinção atribuída pela UNESCO, a Paróquia de Santo André de Mafra manifesta a sua alegria e renova o seu empenho na preservação, valorização e divulgação deste património singular”.

 

O dossiê com a proposta para a inscrição do Real Edifício de Mafra na lista do Património Mundial da UNESCO foi desenvolvido sob a coordenação da Direção Geral do Património Cultural e da Câmara Municipal de Mafra, com a colaboração do Palácio Nacional de Mafra, Escola das Armas, Tapada Nacional de Mafra e Patriarcado de Lisboa – Paróquia de Santo André de Mafra.

 

Real Edifício de Mafra: uno, único e excecional

 

O Real Edifício de Mafra é formado pelo Palácio que cerca a Basílica, cujo frontispício axial une os Paços do Rei e da Rainha, um Convento, um Jardim e uma Tapada, sendo uma das mais magnificentes obras de D. João V que dispôs de privilegiadas condições culturais e económicas para ombrear com as restantes monarquias europeias.

 

Desde a escolha do arquiteto (Johann Friedrich Ludwig, formado em Roma) que o projeto se instituiu como uma afirmação internacional da casa reinante portuguesa. O contínuo fascínio que o monarca sentiu por Roma levou-o a contratar importantes artistas para Mafra, que, assim, se transformou num dos mais relevantes locais do Barroco italiano fora de Itália.

 

Aquando da sagração da Basílica, no dia 22 de outubro de 1730, dia de aniversário do rei, o conjunto não estava ainda concluído, nem todas as obras de arte haviam chegado, mas há muito que o plano estava delineado: um Palácio Real dotado de dois torreões que, funcionando independentemente, eram as câmaras do casal régio; uma Basílica decorada com estátuas dos melhores artistas romanos e com um conjunto inusitado de paramentaria francesa e italiana sem paralelo no país; duas torres na fachada que albergam dois carrilhões mandados construir na Flandres e que constituem um património sineiro único no mundo; uma Biblioteca constituída por obras de grande interesse científico e das poucas que previa a incorporação de “livros proibidos”, bem como um acervo bibliográfico dos séculos XV ao XIX. Das décadas seguintes são os retábulos da Basílica, da autoria de Alessandro Giusti, artista de origem italiana que, em Mafra, iniciou uma verdadeira escola de escultura. Merecem, ainda, destaque os seis órgãos da Basílica, caso único no mundo em que se registou a conceção e realização, em simultâneo, de seis órgãos “dialogantes” entre si, já previstos no plano inicial na Basílica. O projeto foi entregue aos organeiros António de Machado Cerveira e Peres Fontanes. Estes foram cuidadosamente restaurados a partir de 1994, num processo premiado pela Europa Nostra.

 

O Palácio continuou a desempenhar as funções de Paço Real até ao final da monarquia, tendo mesmo sido em Mafra que D. Manuel II, último rei de Portugal, passou a derradeira noite antes de embarcar para o exílio. O Convento foi extinto em 1834 e, desde então, albergou diversas unidades militares que constituem, por si só, outro capítulo da história deste conjunto, pois estão ligadas aos grandes confrontos militares em que Portugal participou e à própria memória do exército português.

 

O Jardim do Cerco começou por ser a cerca conventual à disposição dos frades, mas, logo em 1718, D. João V mandou ali plantar todo o género de árvores silvestres. O conjunto alberga um grande lago central, para onde confluem águas da Tapada e de um poço anexo associado a uma gigantesca nora. Também ali se conserva um curioso Jogo da Bola, mandado construir pelos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, quando estes ocuparam o Convento entre 1771 e 1792.

 

A Real Tapada de Mafra (hoje designada Tapada Nacional de Mafra) foi criada em 1747 para servir as necessidades do Convento e para cenário venatório do monarca e da corte. Nos finais do século XIX e inícios da centúria seguinte, a Tapada foi palco privilegiado das caçadas do rei D. Carlos. Hoje, é um espaço vocacionado para a gestão florestal, cinegética, ambiental e turística. No seu interior, subsistem quatro fortes das Linhas de Torres, um dos quais já restaurado (Forte do Juncal), que ligam este espaço ao conflito europeu conhecido por Guerras Napoleónicas.

Picnic Galante - 22 junho - Jardim do Cerco Mafra

PicNicMafra2019.jpg

 

A Câmara dos Ofícios e o Palácio Nacional de Mafra vão realizar no próximo dia 22 de junho, no Jardim do Cerco em Mafra, a partir das 15H00 e até às 19H00, a recriação de um Picnic Galante do Séc. XVIII.

O evento conta com um programa variado desde a azáfama dos criados da corte que chegam com arcas, pratas, candelabros, almofadas e tudo o que é necessário ao acontecimento, à chegada dos Nobres que vêm merendar. Para além da recriação de uma merenda do séc. XVIII, haverá momentos de dança, poesia e jogos do séc. XVIII.

O convite é feito à população em geral. Quem pretender participar deverá trazer a sua merenda e de preferência vir trajado a rigor, de modo a passar uma tarde de lazer com a Corte do Séc. XVIII.

Inserido no projeto europeu das Residências Reais “A place at the Royal Table/Um lugar à Mesa do Rei”, realiza-se este ano a 2ª edição.

O evento conta com o apoio da Câmara Municipal de Mafra.

 

ENTRADA LIVRE

ERP Portugal e Novo Verde apostam na 2ª edição da "Recycling Party"

evento reúne escolas dos concelhosde Mafra, Cascais, Oeiras e Sintra

no Dia Mundial do Ambiente

 

Logo Evento.png

 

A ERP Portugal e Novo Verde (entidades gestoras de resíduos) realizam a segunda edição da “Recycling Party” em parceria com a Câmara Municipal de Mafra e diversas entidades que trabalham o tema da sustentabilidade. A iniciativa decorre no Dia Mundial do Ambiente, 5 de junho, e vai contar com a presença de cerca de duas mil crianças, entre os 6 e os 11 anos, de quatro concelhos (Mafra, Cascais, Oeiras e Sintra), no Parque Desportivo Municipal de Mafra.

Durante esta Festa, e com o apoio dos Municípios de Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra, as crianças participarão em diversas atividades de sensibilização ambiental realizadas por diversas entidades que trabalham este tema e partilham esta missão. Pretende-se, desta forma, despertar a consciência dos mais jovens para a importância de comportamentos sustentáveis, nomeadamente no que respeita à reciclagem de equipamentos elétricos e eletrónicos, pilhas e embalagens em fim de vida.

Prometendo muita animação, a ERP Portugal e a Novo Verde têm ainda preparada uma atividade surpresa que levará as crianças a uma interação divertida em equipa, em torno do tema principal do dia: a reciclagem.

Antes de terminar o dia, o músico português Paulo Sousa sobe ao palco para um momento de animação que promete muitos sorrisos.

in natalis 2018 | ciclo de concertos de natal do concelho de mafra

image003.jpg

 

IN NATALIS
CICLO DE CONCERTOS DE NATAL DO CONCELHO DE MAFRA | EDIÇÃO 2018

DE 1 A 16 DEZEMBRO 2018

Reforçando a ancestral ligação do Concelho de Mafra à música, a Câmara Municipal de Mafra em co-organização com a cultur'canto associação cultural e apoio da Vigararia de Mafra, apresentam a V edição do inNatalis - Ciclo de Concertos de Natal do Concelho de Mafra - um programa que abrange todas as paróquias do município e que integra um vasto repertório alusivo à quadra do Natal, sendo já uma das grandes iniciativas anuais de referência musical no Concelho.

O inNatalis tem como objetivo essencial levar a música de qualidade às freguesias do Concelho, através da realização de diversos concertos temáticos, mantendo viva uma das mais bonitas tradições da época - a interpretação de obras e canções de Natal de todos os tempos.

Este ciclo de concertos realiza-se de 1 a 16 de dezembro, destacando-se, em alguns casos, a utilização dos órgãos históricos do município. Um grandioso evento que integra 17 concertos, diversos grupos musicais e coros, que irão atuar, durante esse período, em 17 Igrejas do Concelho de Mafra.

Assista aos concertos e viva a magia da música de Natal perto de si...

Porque Mafra é Música!

PROGRAMA

1 de dezembro | sábado

  • 18h30 – Igreja de Nª Senhora da Conceição | Igreja Nova
    • Coro Chirstus Ensemble
  • 21h30 – Igreja de Nª Senhora do Rosário | Vila Franca do Rosário
    • Grupo Coral de Mafra

2 de dezembro | domingo

  • 16h00 – Igreja de Nª Senhora do Livramento | Livramento
    • Grupo Coral de Queluz e Célia Tavares no Órgão
  • 19h00 – Igreja de Santo Estêvão das Galés
    • Coral Encontro de Queluz

7 de dezembro | sexta-feira

  • 21h30 –Igreja de Nª Senhora da Encarnação | Encarnação
    • Coro de Câmara de Lisboa e Célia Tavares no Órgão

8 de dezembro | sábado

  • 16h00 – Igreja de Nª Senhora da Assunção | Enxara do Bispo
    • EmCANTUS - associação cultural de Odivelas
  • 19h00 – Igreja de São Paulo | Malveira
    • Choral Phydellius
  • 21h00 –Igreja de Santo António | Carvoeira
    • Trevo Ensemble

9 de dezembro | domingo

  • 16h00 – Igreja de São Miguel de Alcainça | Alcainça
    • Coro de Câmara Outros Cantos
  • 18h30 – Igreja de São Silvestre do Gradil | Gradil
    • Grupo Vocal Arsis e Célia Tavares no órgão

14 de dezembro | sexta-feira

  • 21h30 – Igreja de São Pedro | Ericeira
    • Coro Capela Nova e Célia Tavares no Órgão

15 de dezembro | sábado

  • 16h00 –Igreja de Nª Senhora da Oliveira | Sobral da Abelheira
    • Coro Ricercare
  • 18h00 – Igreja de Nª Senhora da Assunção | Cheleiros
    • Quarteto Opus 28
  • 21h30 – Igreja de Santo António | Venda do Pinheiro
    • Coro da Universidade de Lisboa

16 de dezembro | domingo

  • 16h00 – Igreja de Santo Isidoro | Santo Isidoro
    • Trevo Ensemble
  • 18h30 – Igreja de São Miguel do Milharado
    • Coro Mater Fidei
  • 21h30 – Igreja de Santo André |Mafra
    • Trio Sine qua non

 

in'musica 2018 | ciclo de concertos de música barroca do concelho de mafra

image006.jpg

 

 

 

 

IN MUSICA
CICLO DE CONCERTOS DE MUSICA BARROCA DO CONCELHO DE MAFRA | EDIÇÃO 2018

REAL EDIFÍCIO DE MAFRA

DE 12 A 14 OUTUBRO 2018

A Câmara Municipal de Mafra e a cultur'canto associação cultural coorganizam pelo quarto ano consecutivo o in’Musica - Ciclo de Concertos de Música Barroca do Concelho de Mafra com o objetivo de dar continuidade à estratégia de divulgação da música histórica de qualidade em espaços exclusivos do Real Edifício de Mafra. Um evento que conta com o apoio da Escola das Armas.

A edição de 2018 propõe um encontro com os génios composicionais mais fascinantes deste período, percorrendo as paisagens da música barroca alemã, inglesa, francesa e italiana. Serão interpretadas obras de Rameau, Bach, Haendel, Telemann e Purcell, quer em música instrumental quer vocal, destacando-se os dois principais géneros da altura: a Ópera e a Oratória.

Através de múltiplas formas de expressão musical, o in’Musica pretende proporcionar uma experiência musical dirigida a toda a comunidade. O alinhamento dos concertos prevê um quadro relevante de músicos e ensambles musicais, num formato pensado em exclusivo para as salas do Real Edifico de Mafra.

Os bilhetes podem ser adquiridos nos postos de turismo de Mafra e Ericeira, e têm um custo de 5€ para o público em geral ou o custo de 3€ para munícipes ou menores de 23 anos. Os ingressos podem igualmente ser adquiridos em www.ticketline.pt

A entrada é efetuada pelo Claustro Sul.

São motivos de sobra para não perder este fantástico evento e assistir aos vários concertos que irão realizar-se durante os dias 12, 13 e 14 de outubro.

Esperamos por si.

PROGRAMA

12 de outubro | sexta-feira | 21h30

Salão Ala Sul do Real Edifício de Mafra

 

·         A Música de tradição Luterana em Telemann e Bach

 

TRIO SACRUM CONVIVIUM

o   Susana Duarte | Soprano

o   Reyes Gallardo | Violino Barroco

o   Daniel Oliveira | Cravo e Baixo -Continuo

 

13 de outubro | sábado | 21h30

Sala dos Actos Literários

·         Viagem por Sonoridades Barrocas: 4 Géneros, 4 línguas

QUARTETO OPUS 28 / TRIO VENTOS D'ARCO

o   Maria João Sousa | Soprano

o   Bruno Gomes | Violino

o   Saul Falcão | Violino

o   Ana Sanches | Violeta

o   Filipa Gonçalves | Violoncelo

o    Pedro F. Sousa | Contrabaixo

 

14 de outubro | domingo | 18h00

Sala Elíptica

 

·         Idade de Ouro do Barroco Italiano

 

QUARTETO ENSEMBLE FIORITURA

o   Joana Fonseca | Mezzo

o   Ana Leonor Pereira | Soprano

o   Daniel Bolito | Violino

o   Ana Ceiro | Violino

o   Gabriela Barros | Viola

o    César Gonçalves | Violoncelo

A animada música cabo-verdiana da ilha de Santo Antão e a chegada dos dinossauros para a segunda edição do Festival Sete Sóis Sete Luas em Mafra

A animada música cabo-verdiana da ilha de Santo Antão e a chegada dos dinossauros para a segunda edição do Festival Sete Sóis Sete Luas em Mafra

 

Schermata-2017-07-13-alle-17.17.13-910x600.png

 

Com o apoio do Município de Mafra, nos dias 7 e 8 de Setembro regressa em Mafra o Festival Sete Sóis Sete Luas com duas noites ricas de divertimento, música, dança e suspense. A intenção é evocar as relações entre o grande escritor José Saramago e a cidade de Mafra, tendo em conta que o histórico convento de Mafra foi protagonista do famoso romance "Memorial do convento", e ao mesmo tempo o Saramago foi Presidente Honorário durante 18 anos do Festival Sete Sóis.

A primeira noite do festival terá lugar no Terreiro D. João V, em frente ao majestoso Convento de Mafra com a realização do espetáculo Dinomaquia da trupe catalã de teatro de rua L’Avalot.

O Avalot apresenta um espetáculo fascinante e cheio de espanto que reconta o retorno dos dinossauros através de efeitos pirotécnicos e grandes maquinas. Um show que conseguem envolver o público, tornando-se protagonista indiscutível de uma experiencia única.

Na segunda noite, o festival se realiza no Jardim do Cerco com o animado concerto de Santo Antão 7Sois Band (Cabo Verde). O repertório desta produção original do Festival Sete Sóis Sete Luas repercorre a música tradicional inspirada no trabalho dos pescadores e agricultores ligando assim o passado e o presente.

Todos os eventos são gratuitos.

Mafra

Entrada livre

Sexta-feira 7 de Setembro – 21h30
Terreiro D. João V
L’AVALOT (Catalunha): teatro de rua  com efeitos pirotécnicos

 

Sabado 8 de Setembro – 21h30
Jardim do Cerco
SANTO ANTAO SETE SÓIS BAND (Cabo Verde): concerto

  

Prémio Internacional de Composição - Órgãos do Palácio Nacional de Mafra

 

Cartaz-PIC2019.jpg

 

 

O Ministério da Cultura e o Município de Mafra promovem o “Prémio Internacional de Composição – Órgãos do Palácio Nacional de Mafra”, visando criar novo repertório para o magnífico conjunto instrumental. As candidaturas estão abertas até 29 de março de 2019.

Da autoria dos dois mais importantes organeiros portugueses do seu tempo – António Xavier Machado e Cerveira e Joaquim António Peres Fontanes – os seis órgãos da Basílica do Palácio Nacional de Mafra constituem um conjunto único no mundo, não pelo seu número, já de si notável, mas pelo facto de terem sido construídos ao mesmo tempo e concebidos originalmente para tocar em conjunto.

O prémio, com periodicidade bienal, visa distinguir compositores que apresentem peças destinadas ao referido conjunto instrumental, fazendo uso das suas características próprias.

Dividido em duas categorias, desdobra-se numa componente relativa à composição de uma obra original e outra referente à transcrição para os seis órgãos. O valor dos prémios é de 10 mil e 5 mil euros, respetivamente.

O júri desta terceira edição é constituído por quatro personalidades de reconhecido mérito internacional: Jean Ferrard (Bélgica), que preside, Sérgio Azevedo (Portugal), William Whitehead (Inglaterra) e João Vaz (Portugal).

Para mais informações:
http://www.cm-mafra.pt/pt/municipio/premio-internacional-de-composicao-orgaos-do-palacio-nacional-de-mafra

 

FESTIVAL DO PÃO 2018

image003.jpg

 

 

 

De 6 a 15 de julho, o Pão de Mafra é rei. Está de volta mais uma edição do Festival do Pão que visa divulgar e promover este alimento de excelência, bem como os produtos e tradições locais. Unindo lazer, tradição e divulgação cultural, o festival tem como cenário o belo Jardim do Cerco, com vista para o Real Edifício de Mafra. A entrada é gratuita.

 

Para a 8.ª edição deste festival foi selecionado um cartaz musical de elevada qualidade que conta com atuações, às 22h00, da Orquestra Ligeira do Exército (6 de julho), João Pedro Pais (7 de julho), Mia Rose (8 de julho), 4 revival (11 de julho), JAM (12 de julho), Big Gang (13 de julho), The Lucky Duckies (14 de julho) e Carminho (15 de julho). Decorre, igualmente, às 22h00, um Festival de Música Jovem (9 de julho) e a eleição da Miss Concelho de Mafra (10 de julho).

Durante o festival realizam-se, também, atuações de ranchos folclóricos e atividades para crianças.

O Festival do Pão constitui uma oportunidade para saborear o Pão de Mafra, mas também as mais variadas especialidades gastronómicas regionais, disponíveis nas tradicionais “tasquinhas” e nas bancas das pastelarias locais. Evidenciando a ligação ao universo rural, aliando tradição e modernidade, o evento integra a exposição e venda de artesanato e de produtos locais, a feira saloia, assim como uma exposição de veículos e alfaias agrícolas antigos.

O programa integra, igualmente, o Campeonato Nacional Universitário de Equitação, que decorre nos dias 7 e 8 de julho, terminando com a atuação da Reprise da Escola de Mafra, no Campo dos Plátanos (Escola das Armas), no dia 8 de julho às 18h00.

Consulte o programa:
https://www.cm-mafra.pt/…/defau…/files/festival_pao_2018.pdf