Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

No Fórum Cultural: Exposição “Traços Reais”

foto exposição 1.jpg

 

A Galeria do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, recebe, de 11 de maio a 1 de julho, a Exposição de desenho “Traços Reais”, de Baltazar Morgado. A inauguração tem lugar no dia 11 de maio, pelas 15:00h.

 

No mundo do meu lar, a fantasia torna-se realidade a cada desenho retratado, de um rosto, de um momento, de um espaço.

Traço a traço, vou explorando as totalidades do carvão, dando corpo a uma identidade desconhecida, mas que, por momentos, passa a ser familiar e íntima...ela leva-me a um olhar mais profundo sobre uma simples fotografia.

Se o olhar de cada um de vós se juntar ao meu, terei vencido o primeiro desafio...que venham muitos outros!

Concerto Luís Pipa

 

Depois de Mário Laginha, Pedro Burmester, Fausto Neves e Artur Pizarro, é agora a vez de Luís Pipa no ciclo de piano do programa Música em Matosinhos. O recital marcado para sábado, 15 de junho, às 19 horas, no Estúdio da Orquestra Jazz de Matosinhos (Avenida Menéres, 456), contará com a interpretação de peças de Mozart, Beethoven, Piazzolla e Óscar da Silva. A entrada para o concerto é gratuita.

 

Marcada por vestígios de influência barroca, a “Fantasia em Ré menor, K. 397”, que Wolfgang Amadeus Mozart escreveu em 1782, apenas viria a ser editada após a morte do compositor, com um final que se presume ser da autoria de August Eberhardt Müller. Luís Pipa interpretará, todavia, uma versão alternativa daquela que continua a ser uma das mais populares peças de Mozart, recuperando o espírito dramático e intimista da parte inicial da obra.

 

O recital prosseguirá com a sonata “Tempestade”, composta por Ludwig van Beethoven entre 1801 e 1802. Impetuosa e dramática, a “Sonata para Piano Nº 17 em ré menor, op. 31 nº 2” é constituída por três andamentos contrastantes, todos representado o mais sublime da escrita beethoveniana.

 

Do matosinhense Óscar da Silva, falecido em Leça da Palmeira em março de 1958, escutar-se-ão as sete peças que constituem o ciclo “Images”. A obra reflete o universo romântico da escrita pianística de tradição alemã, herdeira de Clara Schumann, com quem Óscar da Silva estudou em Leipzig. A pianista, viúva de Robert Schumann, considerou, aliás, que o português era um intérprete privilegiado da obra do seu falecido marido, cuja influência é notória neste ciclo de peças.

 

Para o final do recital está reservada a “Milongda del angel”, composta em 1965 pelo mestre e reinventor do tango argentino. A série dedicada ao anjo (angel) resultou de uma encomenda para uma peça de teatro estreada em 1962, na qual um anjo desce a um bloco de apartamentos de Buenos Aires com o intuito de purificar as almas dos seus moradores.

 

Luís Pipa tem, refira-se, uma extensa carreira a solo, tendo colaborado com grandes solistas, maestros e orquestras de renome. A sua interpretação tem sido descrita como “ sedutora”, “profunda” e “comovente” por diversas publicações internacionais, que destacam também a “profundidade, poder e nobreza” e a “magnitude e delicadeza de expressão” das suas atuações.

 

O ciclo de piano do programa Música em Matosinhos vai, recorde-se, decorrer até 29 de junho, seguindo-se a Luís Pipa recitais de Marta Meneses e Vasco Dantas. A Música em Matosinhos, programa de música erudita da CMM, acontece há mais de uma década e inclui este ano, entre outros, um conjunto de recitais também gratuitos do Quarteto de Cordas de Matosinhos nas igrejas do concelho, com o objetivo de descentralizar e democratizar o acesso e a fruição da música clássica.

Senhor de Matosinhos

Primeira edição do Congresso Internacional do Senhor de Matosinhos é a grande novidade do programa das festas e incluirá o lançamento da terceira edição do livro que Joel Cleto dedicou à celebração.

 

 

As autoridades policiais e de proteção civil estimam que os 200 mil metros quadrados do recinto das Festas do Senhor de Matosinhos acolham cerca de 840 mil pessoas entre a noite de sexta-feira, 7 de junho, e o fim de terça-feira, 11 de junho, dia do feriado municipal dedicado ao Bom Jesus de Matosinhos. A previsão consta do Plano de Coordenação de Segurança preparado para aquela que é uma das maiores romarias do norte do país, com mais de seis séculos de história.

 

A programação do grande fim-de-semana do Senhor de Matosinhos inclui o grande espetáculo pirotécnico de sábado à noite, a procissão solene, os concertos de Blaya e dos GNR (acompanhados pela Banda de Matosinhos-Leça), a eucaristia presidida pelo bispo do Porto e o tradicional Fogo de Bonecos, tendo como ponto alto, e principal novidade, a primeira edição do Congresso Internacional do Senhor de Matosinhos, que decorrerá nos Paços do Concelho, entre os dias 11 e 13 de junho.

 

Concebido para celebrar a dispersão do culto do Senhor de Matosinhos, o congresso contará com a participação de especialistas portugueses, espanhóis, peruanos e brasileiros, estes vindos nomeadamente do estado de Minas Gerais, onde existe um grande número de templos dedicados ao Bom Jesus de Matosinhos. O encontro tratará não só destes cultos tributários – em Congonhas do Campo o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos está mesmo classificado como Património Mundial –, mas também de lendas semelhantes à de Matosinhos, como a do Santo Cristo de Ourense.

 

No âmbito do congresso será ainda apresentada a terceira edição (revista e aumentada) do livro “Senhor de Matosinhos. Lenda. História. Património”, do historiador Joel Cleto. A obra conta agora com um texto do arquiteto Álvaro Siza Vieira, narrando a sua passagem, na década de 1950, pela comissão de festas do Senhor de Matosinhos, e com um desenho original da sua autoria, produzido para o cartaz da romaria, mas então recusado. A capa do livro contará também com um desenho original do arquiteto (em anexo)

 

“Sendo, como afirmou o historiador José Hermano Saraiva a propósito da primeira edição, “um livro que ensina tudo o que se pode saber sobre o Senhor de Matosinhos”, este volume é, porém, muito mais do que isso – é o espelho em que podemos rever-nos e que nos ajuda a compreender o que somos e o que fomos, mas também o trajeto de fé que transformou o Bom Jesus de Matosinhos em objeto de devoção em terras tão distantes (e recônditas) como Congonhas do Campo, Conceição do Mato Dentro, São Miguel do Piracicaba, São João del-Rei, Santo Antônio do Pirapetinga, Jaboatão dos Guararapes ou Terra Nova (onde o Bom Jesus de Bouças se transformou em Bom Jesus de Bolsas)”, escreveu a presidente da Câmara Municipal de Matosinhos no texto que serve de preâmbulo a esta terceira edição.

 

O Congresso Internacional do Senhor de Matosinhos deverá, refira-se, passar a realizar-se alternadamente em Portugal e no Brasil, procurando valorizar o património e a fé disseminados pela diáspora portuguesa e dar corpo a um grande movimento transatlântico de preservação da história e da devoção comum ao Bom Jesus de Bouças.

 

O programa completo das Festas do Senhor de Matosinhos poderá ser consultado em http://www.cm-matosinhos.pt/cmmatosinhos/uploads/writer_file/document/20934/programa_senhor_de_matosinhos_2019.pdf. De referir ainda que o Plano de Coordenação de Segurança da romaria determinou a instalação de um posto de assistência pré-hospitalar e de transferências de eventuais vítimas de acidentes no recinto das festas, localizado na Casa da Juventude. (Avenida D. Afonso Henriques, 487, com acesso também a partir do Parque 25 de Abril).

Festas do Senhor de Matosinhos

GNR e Blaya são cabeças de cartaz das Festas do Senhor de Matosinhos

Entre 24 de maio e 16 de junho, uma das maiores romarias do país cruza a dimensão religiosa com a cultura popular, a animação e as artes contemporâneas, reunindo este ano o primeiro Congresso Internacional Senhor de Matosinhos.

 

 

Pode parecer, mas a colaboração dos GNR com a Banda de Matosinhos-Leça não é um milagre do Senhor de Matosinhos. O concerto que juntará as duas formações, marcado para o dia 10 de junho, pelas 22 horas, no jardim da Biblioteca Municipal Florbela Espanca, limita-se a unir os dois projetos musicais em que Rui Reininho está atualmente envolvido.

 

Após quase quarenta anos na banda de pop-rock que mudou a música em Portugal, Reininho preside há quase um ano à associação da banda filarmónica, com 132 anos de história. Desafiado pela Câmara Municipal de Matosinhos, decidiu juntar os músicos dos GNR e da Banda de Matosinhos-Leça para um concerto único que vai, decerto, constituir um dos pontos altos da edição desde ano das Festas do Senhor de Matosinhos.

 

Para além do imperdível espetáculo pirotécnico, marcado para a meia-noite do dia 8 de junho, as festas, que arrancam esta sexta-feira, 24 de maio, ficarão ainda marcadas pela realização do primeiro Congresso Internacional Senhor de Matosinhos, que juntará outras cidades com cultos tributários do de Matosinhos, e pelo concerto da cantora e bailarina Blaya.

 

Depois do êxito do single “Faz Gostoso”, Blaya lança o novo disco, “Blaya con Dios”, no dia 27 de maio. No domingo seguinte, 9 de junho, a ex-Buraka Som Sistema, que participa também no mais recente disco de Madonna, estará em Matosinhos para o primeiro grande concerto da edição deste ano do Senhor de Matosinhos.

 

Aquela que é uma das maiores romarias do país, com seis séculos de história, e que traz a Matosinhos cerca de um milhão de visitantes, incluirá também este ano a celebração, a  31 de maio, do Dia do Pescador, que sublinhará a importância do sector das pescas para a economia do concelho de Matosinhos, homenageando o trabalho árduo dos pescadores, operários e empresários conserveiros matosinhenses, de hoje e do passado.

 

O programa incluirá a apresentação do documentário “Portugal tem lata”, com argumento e realização de Rui Pregal da Cunha, antigo vocalista da banda “Heróis do Mar”, e João Trabulo, dedicado à indústria conserveira, e com a reabertura do Núcleo Museológico do Mar, na antiga Escola do Bairro dos Pescadores, após obras de beneficiação realizada pela Câmara Municipal de Matosinhos.

 

Com as ruas de Matosinhos iluminadas a preceito, o programa das festas (disponível em http://www.cm-matosinhos.pt/cmmatosinhos/uploads/writer_file/document/20934/programa_senhor_de_matosinhos_2019.pdf) inclui, como é habitual, as feiras de artesanato e da louça, os divertimentos mecânicos e a zona de alimentação, sem esquecer a tradição do Fogo de Bonecos, única no país. No sábado, 1 de maio, destaque ainda para a inauguração da exposição “No Reino do Cavaleiro Cayo Carpo”, que ficará patente na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, contando em palavras e barro as principais lendas de Matosinhos.

 

No mesmo dia, pelas 16 horas, o Rancho Típico da Amorosa fará a encenação das antigas romarias a Matosinhos, seguindo-se, pelas 21h30, um concerto da Orquestra barroca da Casa da Música do Porto na Igreja do Bom Jesus de Matosinhos.

 

Recital de Piano

Música portuguesa no quarto concerto do ciclo de piano de Matosinhos

Sábado, 25 de maio // 19 horas // Estúdio da Orquestra de Jazz de Matosinhos, na Real Vinícola

Artur Pizarro.jpg

 

 

A música erudita portuguesa do século XX vai estar em destaque no quarto recital do ciclo de piano do programa Música em Matosinhos. Temas de Luís de Freitas Branco, Armando José Fernandes e Fernando Lopes-Graça vão compor o cardápio da atuação de Artur Pizarro, que tem início marcado para as 19 horas de sábado, 25 de maio, na sala-estúdio da Orquestra Jazz de Matosinhos (Avenida Menéres, 456). O concerto é de entrada gratuita.

 

Nascido em Lisboa em 1968, o pianista Artur Pizarro venceu os prémios Vianna de Mota (1987), Greater Palm Beach Symphony Competition (1988) e Leeds International Pianoforte Competition (1990), que marcaram o início da sua carreira internacional. Trabalhou já com nomes tão importantes como os dos maestros Simon Rattle, Philippe Entremont, Yan Pascal Tortelier, Andrew Davis, Esa-Pekka Salonen ou Yuri Temirkanov.

 

Frequentemente considerado uma espécie de Fernando Pessoa da música, Luís de Freitas Branco marcou de forma indelével o repertório clássico português do século XX, antecipando, em alguns casos, aquelas que viriam a ser as principais tendências musicais da Europa. Os “10 Prelúdios”, dedicados ao compositor Vianna da Motta, que Artur Pizarro interpretará, foram escritos entre 1914 e 1918, culminando um processo de apropriação e contaminação pela estética impressionista.

 

De Armando José Fernandes será interpretada a “Sonatina” dedicada à pianista Helena Sá e Costa, composta em 1941 e estreada no ano seguinte no Teatro Ginásio, em Lisboa, pelo piano, precisamente, de Helena Sá e Costa.

 

O encerramento do recital ficará a cargo das “Glosas sobre danças tradicionais portuguesas”, que Fernando Lopes-Graça compôs em 1950. Correspondendo ao período em que o compositor estudou e trabalhou na valorização da música tradicional portuguesa, as “Glosas” foram dedicadas à pianista Maria da Graça Amado da Cunha, que estudou com José Viana da Motta e Luís de Freitas Branco, tendo sido retratada pelo pintor Abel Manta.

 

O ciclo de piano do programa Música em Matosinhos vai, recorde-se, decorrer até 29 de junho, reunindo nomes como os de Mário Laginha, Fausto Neves, Artur Pizarro, Luís Pipa, Marta Meneses ou Vasco Dantas. A Música em Matosinhos, programa de música erudita da CMM, acontece há mais de uma década e inclui este ano, entre outros, um conjunto de recitais também gratuitos do Quarteto de Cordas de Matosinhos nas igrejas do concelho, com o objetivo de descentralizar e democratizar o acesso e a fruição da música clássica.

A vez de Pedro Burmester no ciclo de piano de Matosinhos

burmester05.jpg

 

Recital na Sala-Estúdio da OJM incluirá peças de Chopin e Fernando Lopes-Graça

No inverno de 1838, para fugir ao clima húmido de Paris, Frédéric Chopin viajou para a ilha de Maiorca com a escritora George Sand, com a qual mantinha um romance. Foi durante essa estada em Valldemossa que o compositor escreveu a maior parte dos “24 Preludes, op.28”, que Pedro Burmester interpretará no sábado, 18 de maio, no terceiro recital do ciclo de piano do programa Música em Matosinhos.

 

Com início às 19 horas, na sala-estúdio da Orquestra Jazz de Matosinhos (Avenida Menéres, 456), o concerto é de entrada gratuita.

 

Considerado um dos membros da restrita elite mundial do piano, Pedro Burmester dará vida e emoção a um conjunto de pequenas peças provavelmente inspiradas pelo “Cravo Bem Temperado” de Bach, do qual Chopin levou uma cópia manuscrita para Maiorca. Consideradas por Liszt como composições de uma ordem completamente diferente, “poética”, “semelhantes às escritas pelos grandes poetas contemporâneos, que embalam a alma em sonhos dourados”, os 24 prelúdios constituíram, à época, um desafio da ordem musical vigente e ao preconceito então existente relativamente às formas musicais mais breves.

 

Antes da interpretação integral dos prelúdios (o próprio Chopin nunca tocou mais de quatro peças de uma só vez nas suas aparições públicas), a primeira parte do recital vai ser preenchida pela “Sonata nº3” de Fernando Lopes-Graça. Vencedora, em 1952, do primeiro prémio de composição do Círculo de Cultura Musical (que Lopes-Graça ganhou por quatro vezes), a “Sonata nº3” é tributária de um período que o compositor dedicou ao estudo e valorização da música tradicional portuguesa, sendo presença regular nos mais recentes concertos de Pedro Burmester.

 

O ciclo de piano do programa Música em Matosinhos vai, recorde-se, decorrer até 29 de junho, reunindo nomes como os de Mário Laginha, Fausto Neves, Artur Pizarro, Luís Pipa, Marta Meneses ou Vasco Dantas. A Música em Matosinhos, programa de música erudita da CMM, acontece há mais de uma década e inclui este ano, entre outros, um conjunto de recitais também gratuitos do Quarteto de Cordas de Matosinhos nas igrejas do concelho, com o objetivo de descentralizar e democratizar o acesso e a fruição da música clássica.

Dia Internacional dos Museus e Noite Europeia dos Museus

Programa decorre nos dias 17 e 18 de maio e inclui a celebração da Noite Europeia dos Museus

 

IMD2019-Portugues.jpg

 

A 42ª edição do Dia Internacional dos Museus e a 15ª edição da Noite Europeia dos Museus vai ser comemorada em Matosinhos com uma programação que abrange os treze núcleos da rede MuMa (Museus de Matosinhos) e que se prolongará pelos dias 17 e 18 de maio. Vocacionadas para diferentes públicos, as atividades previstas incluem visitas especiais e temáticas, exposições, teatro, poesia, música, oficinas e workshops.

 

Sob o tema “Os Museus como Centros Culturais: o futuro da tradição”, fixado pelo ICOM – Conselho Internacional dos Museus para a celebração do 42º Dia Internacional dos Museus, as portas das instituições que preservam o património e a identidade de Matosinhos vão estar de portas abertas, participando na reflexão proposta e dando a conhecer alguns dos seus tesouros.

 

O Dia Internacional dos Museus foi, recorde-se, criado em 1977 pelo ICOM, com o objetivo de promover a reflexão sobre o papel dos museus no desenvolvimento das comunidades. A Noite Europeia dos Museus começou por ser, em 2005, uma iniciativa do Ministério da Cultura de França, mas está hoje disseminada por toda a Europa, convidando a população a usufruir de uma experiência cultural diferente, durante o período noturno.

 

A dupla celebração volta, assim, a inspirar os museus de Matosinhos a revelar a sua faceta mais festiva e interativa, reinventando-se e definindo estratégias inovadoras para atrair novos públicos, sem esquecer a missão de colecionar, conservar, comunicar, investigar e expor.

 

 

Programação dos museus da MuMa – Rede de Museus de Matosinhos

 

MUSEU DA QUINTA DE SANTIAGO

18 MAIO

10h-12h30 | CRIANÇA TRAZ ADULTO “Equilibrar uma balança” | atividades para famílias a partir 6 anos

15h | VISITA ORIENTADA à exposição “Casa de Recordações”, por César Príncipe, coleccionador

22h | Salve a língua de Camões | LEITURA ENCENADA de “Lei de Gerson”, com a presença do autor Fábio Brandi Torres

23h00: o museu escuro como breu, VISITA À LUZ DAS LANTERNAS

 

Inscrição prévia obrigatória nas atividades: casadobosque@cm-matosinhos.pt

 

CASA-MUSEU ABEL SALAZAR

18 MAIO | 09h30-17h30

- VISITAS à Casa-Museu Abel Salazar

- OFICINA de GRAVURA | Impressão de uma gravura em linóleo alusiva a Abel Salazar

- MUSEUSPAPER | A Casa-Museu Abel Salazar integra este ano a lista de participantes neste peddypaper por museus universitários e camarários, centros históricos e jardins da cidade do Porto, onde os participantes vão cumprindo desafios e concluindo rotas. Visite a CMAS, responda à pergunta: “Quem é o escritor representado por Abel Salazar numa matriz de gravura em zinco”, e ganhe lembranças.

 

MUSEU DA ESCOLA DE LAVRA

17 MAIO | A partir das 18h300

- MÚSICAS, CANTARES E BAILARES - Clube de Música / Clube de Dança

- POEMAS AO ENTARDECER – 7.º A e 7.º B

- LEITURAS ENCENADAS – Clube de Teatro

- Projeção do FILME DE ANIMAÇÃO do 6.ºA

- SONS DA MÚSICA: gaita-de-foles – Mónica Silva, 6.º D e C.ª

- Apresentação do GRUPO DE CAVAQUINHOS DO PORTO

- CEIA PARTILHADA com “multinhas” de todos

- EXPOSIÇÃO DE BARCOS de Álvaro da Silva

- Exposição ESCHEReEU – turmas do 9.º ano

 

 

MUSEU DA MISERICÓRDIA DE MATOSINHOS

17 MAIO

16h-18h | VISITAS GUIADAS ao Museu. Mínimo 8 pessoas

18 MAIO

10h-12h30 | VISITAS GUIADAS ao Museu. Mínimo 8 pessoas

 

NÚCLEO MUSEOLÓGICO DO MAR

18 MAIO

15h00-17h30 | VISITAS GUIADAS ao Museu

 

MUSEU DOS BOMBEIROS

18 MAIO | 10h00-12h00/14h00-17h00 | VISITAS GUIADAS ao Museu e às viaturas da corporação

 

FAROL DE LEÇA DA PALMEIRA

18 MAIO | 14h00-17h00 – VISITAS GUIADAS ao Farol

 

MUSEU DA HISTÓRIA DA ESCOLA GONÇALVES ZARCO

17 MAIO | 10h00-12h30/14h30-17h30 | VISITAS GUIADAS ao Museu *

 

CASA DO MAR E TANQUES ROMANOS

17 MAIO | 15h00-18h00 – VISITAS GUIADAS ao Museu e réplicas dos Tanques Romanos *

 

MUSEU DO LINHO E DO MILHO

18 MAIO | 15h00-17h00 | VISITAS GUIADAS ao Museu

 

MUSEU DE JAZIGOS MINERAIS

17 MAIO | 09h30-12h30/14h30-17h30 | VISITAS GUIADAS ao Museu *

 

MUSEU PADRE SILVA LOPES

17 MAIO | 14h30-17h00 | VISITAS GUIADAS ao Museu *

 

SALA-MUSEU GUILHERME FERREIRA THEDIM

17 MAIO | 14h30-17h30 | VISITAS GUIADAS ao Museu *

 

 

* MEDIANTE MARCAÇÃO PRÉVIA | muma@cm-matosinhos.pt

 

PROGRAMAÇÃO SUJEITA A ALTERAÇÕES.

ENTRADAS GRATUITAS.

Laboratório Poético

Isaque Ferreira.jpg

 

Arrancam este sábado, 18 de maio, pelas 15 horas, os trabalhos do primeiro Laboratório Poético - Oficina de Poesia Performativa, criado no âmbito do Plano Municipal de Leitura (PML) de Matosinhos. Para além adquirirem e desenvolverem técnicas de colocação de voz e de leitura pública, os participantes poderão passar a integrar as sessões da Poesia Maldita, que, no âmbito do PLM, têm levado o assombro das palavras a lugares inusitados do concelho.

 

Dividido em três sessões, o Laboratório Poético de Matosinhos terá como casa a Biblioteca Municipal Florbela Espanca, sendo oficiado pelos declamadores Isaque Ferreira (na foto em anexo) e Rui Spranger, intérpretes habituais de eventos como as Quintas de Leitura do Teatro do Campo Alegre ou as quase míticas noites de poesia do Pinguim Café.

A participação no Laboratório Poético - Oficina de Poesia Performativa é gratuita e limitada a 20 participantes, devendo a inscrição (obrigatória) ser feita através do link https://forms.gle/UVQs4zp7aLrpWVet9.

 

Durante o curso serão propostos exercícios de dinâmica de grupo, de respiração e colocação de voz, de confiança e desinibição, sendo igualmente trabalhada a noção de espaço e a improvisação de leituras em voz alta. No final do curso, no dia 25 de maio, os participantes tomarão parte num recital no Mercado Municipal de Matosinhos, na companhia dos diseurs titulares, João Rios, Isaque Ferreira e Rui Spranger.

 

Criado em 2015, o Plano Municipal de Leitura de Matosinhos foi concebido para promover e disseminar os hábitos de leitura entre os matosinhenses de todas as faixas etárias e extratos sociais, constituindo uma estratégia integrada de promoção do livro e da leitura. Engloba um vasto conjunto de iniciativas, como encontros com autores e workshops de leitura e escrita criativa nas escolas e instituições do concelho, sessões inesperadas de poesia em espaços públicos, tertúlias poéticas e lançamentos de livros.

Nova composição de Mário Laginha abre ciclo de piano em Matosinhos

Sábado, 4 de maio // 19 horas // Real Vinícola – Estúdio da Orquestra Jazz de Matosinhos

 

 

Arranca no próximo sábado, 4 de maio, às 19 horas, no novo espaço da Orquestra Jazz de Matosinhos no quarteirão cultural da Real Vinícola, o ciclo de piano do programa Música em Matosinhos 2019. A abertura estará a cargo de Mário Laginha, um dos mais conceituados pianistas e compositores nacionais, que escreveu a peça “Quinteto para estes tempos” propositadamente para ser interpretada com o Quarteto de Cordas de Matosinhos, que em 2014 conquistou o prémio Rising Star da Organização Europeia de Salas de Concerto.

 

Para além desta composição, estreada há dias no âmbito do III Festival Internacional de Piano do Algarve, e que terá agora a sua primeira audição no Norte do país, o recital de Mário Laginha incluirá ainda o “Quarteto de cordas op.20, nº1”, de Alberto Ginastera, para além de quatro das peças mais conhecidas do pianista: “Fuga em Ré Maior”, “Fado”, “Berenice” e “Um choro feliz”.

 

O ciclo de piano do programa Música em Matosinhos vai decorrer até 29 de junho, com concertos no espaço da OJM na Real Vinícola, e reunirá nomes como os de Pedro Burmester, Fausto Neves, Artur Pizarro, Luís Pipa, Marta Meneses ou Vasco Dantas, este último um jovem matosinhense já com um notável percurso internacional. A entrada nos concertos é gratuita.

 

A Música em Matosinhos, programa de música erudita da Câmara Municipal de Matosinhos, acontece há mais de uma década e inclui este ano, entre outros concertos, um conjunto de recitais do Quarteto de Cordas de Matosinhos nas igrejas do concelho, com o objetivo de descentralizar e democratizar o acesso e a fruição da música clássica.

 

Amar quem mais precisa também passa por dar sangue: cada gota conta!

Instituto Português do Sangue já lançou alguns apelos este ano, sobretudo a dadores com tipo de sangue O-

 

AMAR QUEM MAIS PRECISA TAMBÉM PASSA POR DAR SANGUE: CADA GOTA CONTA!

 

  • MAR Shopping e IPST renovam parceria pelo oitavo ano consecutivo, contando com perto de 700 dadores inscritos

 

imagem recolha sangue abril_MSM_IPST.jpg

 

Há oito anos consecutivos que o MAR Shopping Matosinhos e o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) se unem no apelo às dádivas de sangue. Ao longo destes anos, são já perto de 700 os dadores inscritos na sequência desta iniciativa que integra a política de responsabilidade social do centro comercial “AMAR quem mais precisa”. Logo a seguir à Páscoa, e porque os períodos festivos são sempre críticos pelo elevado número de pessoas em circulação nas estradas, o IPST marcará presença no dia 24 de abril, no parque exterior do MAR Shopping Matosinhos, junto à entrada MAR, a desenvolver mais uma ação de recolha de sangue.

 

Em média, Portugal precisa de 1000 unidades de sangue diárias para poder tratar dos doentes. E, como este bem não se produz, só através da generosidade dos dadores se pode manter um banco de sangue autossuficiente. Por outro lado, doar sangue é apenas um gesto que pode alcançar um fim sem preço – salvar uma vida!  A ação de recolha vai decorrer entre as 14h00 e as 19h00.

 

Além de dadores com o tipo de sangue O-, o MAR Shopping Matosinhos e o IPST apelam às dádivas dos mais jovens. Num país com uma população tão envelhecida como a nossa “é urgente fomentar este gesto junto das gerações futuras”, como explica Ofélia Alves, responsável de programação e colheitas do Centro de Sangue e Transplantação do Porto. “O sangue humano continua a não ter substituto, pelo que ser dador pode fazer toda a diferença na vida de alguém. E é tão simples. Basta ser uma pessoa saudável, ter mais de 18 anos e pesar mais de 50Kg”, acrescenta.

 

Para este ano, estão já agendadas novas ações de recolha no MAR Shopping Matosinhos em períodos considerados críticos, como verão e Natal, mais concretamente nos dias 1 de agosto e 12 de dezembro.