Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Curta “Passaporte” é o vencedor do Prémio do Público do Mobile Film Festival

A curta-metragem de 1 minuto “Passaporte” destacou-se entre os restantes 19 projetos da lista de finalistas e conquistou o público, depois de duas semanas de votação. No final de maio, o júri escolherá os vencedores das restantes categorias: Grande Prémio, Prémio de Melhor Realizador, Prémio de Melhor Argumento e Prémio de Melhor Ator/Atriz.

 

image003.jpg

 

Com um total de 9.073 visualizações, o grande vencedor da categoria Prémio do Público do Mobile Film Festival foi o filme “Passaporte”, de Natália Nodari. A partir da projeção num corpo e recorrendo a diversos elementos, “Passaporte” reflete acerca da arbitrariedade das fronteiras que separam indivíduos e sociedades, bem como acerca da forma como essas fronteiras podem influenciar vidas. A produção esteve a cargo da guionista, Natália Nodari, e de Ciro Chiareli. É possível ver o filme vencedor aqui.

 

A votação teve início no dia 2 de maio e decorreu até dia 16, em www.mobilefilmfestival.pt. A concurso estavam 20 projetos, selecionados a partir de um conjunto de mais de 70 participantes. No TOP 20, em votação, constavam filmes de ficção, comédia e até documentários, com prevalência para o género drama com 10 curtas. Todos os projetos a concurso tinham em comum a duração de 1 minuto e gravados a partir de 1 dispositivo móvel.

 

Presidido pela atriz Rita Blanco, o júri é composto por João Canijo, realizador, Bruno Manique, realizador e presidente do Centro Portugal Film Commission, Luciana Peres, diretora de Comunicação e Responsabilidade Social do BNP Paribas em Portugal, e Sílvia Balea, adida de cooperação cultural e audiovisual do Institut Français Portugal.

 

14 anos depois do seu arranque em França, o Mobile Film Festival chegou a Portugal pelas mãos do BNP Paribas, enquanto principal patrocinador. Trata-se de um concurso internacional que pretende fomentar o interesse do público em geral pelo cinema. Aliando a cultura à inovação, a organização desenhou o concurso a partir de uma regra simples: 1 filme, 1 minuto, 1 dispositivo móvel.

 

Sobre o Mobile Film Festival

O Mobile Film Festival foi criado há 14 anos em França e tem feito um caminho de crescimento na defesa da igualdade e da descoberta, através do apoio e incentivo à 7ª Arte. Procurando acrescentar valor à criatividade dos amantes do cinema, o concurso permite contar uma história num minuto. A competição é 100% digital desde a sua criação, desenvolvendo-se de forma curta, divertida e de fácil visualização em qualquer formato: telemóvel, tablet, computador, TV e cinema.

A participação é composta pela criação de 1 filme de 1 minuto, através de 1 dispositivo móvel. Em Portugal, o vencedor será premiado com o valor de 5.000€ para criação do seu próprio filme, com o apoio de uma produtora local. Para além deste prémio existem ainda 4 distinções: prémio de melhor realizador; prémio de melhor ator/atriz; prémio de melhor argumento e o prémio atribuído pelo público.

www.mobilefilmfestival.pt

 

Sobre o Patrocinador do Concurso em Portugal, BNP Paribas Portugal

Presente no setor financeiro em Portugal desde 1985, O BNP Paribas conta com mais de 4.000 colaboradores nas suas várias entidades e áreas de negócio, que disponibilizam toda a gama de soluções do Grupo. Está também presente em Portugal através de centros de competências que prestam serviços de valor acrescentado para vários países onde o Grupo BNP Paribas está presente.

www.bnpparibas.pt

REALIDADE AUMENTADA CHEGA AO TURISMO DE VIZELA

“App” inovadora em circuito turístico urbano transporta visitantes para outra dimensão

image001.jpg

 

O Município de Vizela lançou uma aplicação para smartphones, que permite fazer uma visita pela cidade totalmente guiada por Realidade Aumentada, a “App Avicella”. Com esta ferramenta digital, os visitantes marcam encontro, em realidade virtual, com figuras da história e das tradições locais nos pontos de interesse turístico do concelho.

 

Carregada a aplicação e através de circuitos pedonais ou de automóvel previamente definidos, os utilizadores são guiados pela mascote “Avicella”, palavra que em latim significa pequena ave e que deu o nome à localidade.

 

Chegando aos pontos emblemáticos de Vizela, nomeadamente o centro histórico, a ponte romana, as termas, a capela de Nossa Senhora da Tocha, Tagilde e São Bento das Peras, os visitantes terão apenas de apontar os seus telemóveis para o local e colocar os auriculares para iniciarem a viagem ao passado. Nos seus ecrãs, serão apresentadas várias situações de Realidade Aumentada protagonizadas por personagens, como o escritor Camilo Castelo Branco, o médico hidrologista Abílio Torres, ou Joaquina Pedrosa da Silva, criadora do doce mais conhecido de Vizela, o bolinhol. Nesta experiência digital única, as personagens a três dimensões interagem com o visitante, que não ficará indiferente aos efeitos visuais e sonoros. 

 

A “App Avicella”, que pode ser descarregada gratuitamente na App Store e no Google Play, proporciona 16 experiências únicas em duas línguas, português e inglês, com um sistema misto de marcadores e orientação georreferenciada, sendo uma aplicação inovadora de circuito turístico urbano.

 

“Esta é, sem dúvida, uma solução pioneira para uma oferta turística diferente e que valoriza Vizela, potenciando o enorme património histórico e cultural que o Concelho tem no seu território”, salienta o presidente da Câmara Municipal de Vizela, Victor Hugo Salgado.

 

Vencedor da edição de 2018 do Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários

PEDRO MEXIA

VENCE O GRANDE PRÉMIO DE CRÓNICA E DISPERSOS LITERÁRIOS

 

 

Um júri constituído por Carina Infante do Carmo, Isabel Cristina Rodrigues e Liberto Cruz decidiu, por unanimidade, atribuir o Grande Prémio de Literatura Crónica e Dispersos Literários APE/C.M. de Loulé ao livro Lá Fora, de Pedro Mexia (Tinta-da-China).

 

Da acta destaca-se ter sido atribuído o Prémio: “…é um livro de crónicas de um intelectual no mundo de hoje, observando esse mesmo mundo por intermédio da arte (literatura, música, cinema) como coisa íntima e reclusa de si. A elegância da escrita da obra escolhida reverte a favor do apresso da forma aorística e da recolecção em livro dos dispersos publicados na imprensa.”

 

O Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários, instituído pela Associação Portuguesa de Escritores com o patrocínio da Câmara Municipal de Loulé, destina-se a galardoar anualmente uma obra em português, de autor português, publicada em livro e em primeira edição em Portugal, no ano de 2018. Na presente edição, o valor monetário deste galardão aumenta para o autor distinguido, € 12.000,00 (doze mil euros).

 

A cerimónia de entrega do prémio terá lugar no Dia do Municipio, 30 de Maio, pelas 9h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Loulé.

 

O Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários distinguiu já os autores José Tolentino Mendonça, Rui Cardoso Martins e Mário Cláudio.

Pedro Mexia vence Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários APE/C.M. de Loulé

Pedro Mexia.jpg

 

Um júri constituído por Carina Infante do Carmo, Isabel Cristina Rodrigues e Liberto Cruz decidiu, por unanimidade, atribuir o Grande Prémio de Literatura APE/C.M. de Loulé – Crónica e Dispersos Literários ao livro “Lá Fora”, de Pedro Mexia (Tinta-da-China).

Da ata destaca-se ter sido atribuído o Prémio: “… é um livro de crónicas de um intelectual no mundo de hoje, observando esse mesmo mundo por intermédio da arte (literatura, música, cinema) como coisa íntima e reclusa de si. A elegância da escrita da obra escolhida reverte a favor do apresso da forma aorística e da recoleção em livro dos dispersos publicados na imprensa.”

O Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários, instituído pela Associação Portuguesa de Escritores com o patrocínio da Câmara Municipal de Loulé, destina-se a galardoar anualmente uma obra em português, de autor português, publicada em livro e em primeira edição em Portugal, no ano de 2018. Na presente edição, o valor monetário deste galardão aumenta para o autor distinguido – 12 mil euros.

A cerimónia de entrega do prémio terá lugar no Dia do Município de Loulé, 30 de maio, pelas 9h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

O Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários distinguiu já os autores José Tolentino Mendonça, Rui Cardoso Martins e Mário Cláudio.

Pedro Mexia nasceu em Lisboa, em 1972. Licenciou-se em Direito pela Universidade Católica. Crítico literário e cronista nos jornais “Diário de Notícias” e “Público”, escreve atualmente no semanário “Expresso”. É um dos membros do “Governo Sombra” (TSF/TVI24), e coautor, com Inês Meneses, de “PBX”, um programa da Radar e podcast do “Expresso”. Foi subdiretor e diretor interino da Cinemateca Portuguesa.

Publicou seis livros de poesia, antologiados em “Menos por Menos” (2011), a que se seguiu “Uma Vez Que Tudo se Perdeu” (2015). Editou os volumes de diários “Fora do Mundo” (2004), “Prova de Vida” (2007), “Estado Civil” (2009) e “Lei Seca” (2014), e as coletâneas de crónicas “Primeira Pessoa” (2006), “Nada de Melancolia” (2008), “As Vidas dos Outros” (2010), “O Mundo dos Vivos” (2012), “Cinemateca” (2013) e “Biblioteca” (2015). No Brasil, saíram “Queria mais é que chovesse” (crónicas, 2015) e “Contratempo” (poesia, 2016).

Organizou um volume de ensaios de Agustina Bessa-Luís, “Contemplação Carinhosa da Angústia”; a antologia “Verbo: Deus como Interrogação na Poesia Portuguesa” (com José Tolentino Mendonça); e “O Homem Fatal”, crónicas escolhidas de Nelson Rodrigues. Traduziu Robert Bresson, Tom Stoppard, Hugo Williams e Martin Crimp. Coordena a coleção de poesia da Tinta-da-china. Em 2015 e 2016 integrou o júri do Prémio Camões.

 

CML/GAP /RP

 

POSTER REGRESSA ÀS RUAS DE MARVILA EM JUNHO

  • Candidaturas para a OPEN CALL terminam no dia 15 de maio.
  • Através da arte, as marcas podem ativar num evento que homenageia um dos meios de comunicação mais poderosos da história: o poster.

Falta uma semana para encerrarem as candidaturas da OPEN CALL, através da qual o público em geral pode conseguir acesso à 4ª edição do POSTER MOSTRA, que se vai realizar entre 22 de junho e 22 de julho. As paredes das ruas de Marvila voltam a cobrir-se com o trabalho de 20 convidados selecionados, nacionais e internacionais e dos 10 vencedores da Open Call, que está em curso até 15 de maio. O regulamento pode ser consultado no site http://www.postermostra.com e os trabalhos enviados para o mail departamento@de-partamento.com.

 

O POSTER é uma galeria pública a céu aberto, um projeto do Departamento® que serve como mostra de arte e palavra, através de fotografia, desenho, ilustração, mix media vertida em posters (150cm x 218cm) impressos e colados nas paredes das ruas de Marvila. Ao longo das últimas três edições, o POSTER contou com mais de 70 artistas convidados, nacionais e internacionais de renome, assim como milhares de visitantes.

 

Bruno Pereira, o responsável pelo Departamento®, explica que, “vamos encher de novo as ruas de Marvila com arte, design, ilustração, poesia. O poster é o meio de comunicação mais poderoso da história. Muito mais impactante que um post, mil vezes mais genuíno, livre e independente. Convidamos as pessoas a irem para a rua, vamos estar nas paredes".

 

Em breve serão anunciados os convidados desta edição. 

4ª Edição do EFA Young Audience Award é já no domingo

 

A Academia Portuguesa de Cinema volta a acolher, pelo quarto ano consecutivo, o EFA Young Audience Award, uma iniciativa da European Film Academy que este ano decorre no domingo, dia 5 de maio, na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa.

Por toda a Europa, jovens dos 12 aos 14 anos, irão integrar o jurado de cinema mais jovem do mundo, para assistir a três filmes exibidos em simultâneo, em 56 cidades de 35 países, que abordam temáticas relacionadas com os problemas da sua geração. Seguir-se-á um debate onde os jovens são encorajados a partilhar as suas opiniões e pontos de vista, para de seguida votarem no seu filme favorito.

O resultado dos três filmes, que serão exibidos nos vários países, será comunicado eletronicamente à EFA, em Erfurt, na Alemanha, e o vencedor será anunciado via videoconferência, em todos os países em simultâneo.

Em Portugal os Young Audience Award contam com o apoio do ICA - Instituto do Cinema e Audiovisual e da Cinemateca Portuguesa. A sessão é conduzida pela atriz Carla Chambel, Vice-Presidente da Academia Portuguesa de Cinema, e pelo realizador Gonçalo Galvão Teles.

 

Sobre a edição de 2019:

Os filmes do EFA Young Audience Award retratam sempre temas sociais comuns aos jovens, fomentando-lhes o espírito crítico e o interesse por outras culturas. Os três filmes concorrentes deste ano já são conhecidos: “Fight Girl” de Johan Timmers (Bélgica), “Los Bando” de Christian Lo (Suécia) e “Old Boys” de Toby MacDonald (Suécia).

“Fight Girl” conta a história de Bo, uma rapariga de 12 anos que se refugia no seu talento para o kickboxing, para lidar com o difícil divórcio dos pais. Já “Los Bando” é um road movie sobre uma banda de garagem da Noruega que se aventura a atravessar o país para chegar ao Concurso de Rock Nacional, numa corrida contra três obstáculos: o tempo, a polícia e os seus pais. “Old Boys” passa-se num internato de rapazes onde o aluno mais esquisito, mas criativo, se torna um verdadeiro Cyrano de Bergerac, ao ajudar o colega mais bonito e admirado da escola a conquistar a filha do professor de francês, que chegou recentemente à escola.

Mais informação sobre os filmes nomeados em www.academiadecinema.pt/efa-young-audience-award.

 

Maré Cheia destaca feiras em maio no concelho da Moita

capa.jpg

 

 

 

A “Maré Cheia” – Agenda de Eventos no Concelho da Moita, do mês de maio, destaca, entre outros temas, o XX Concurso da Raça Holstein Frísia, que se realiza a 24, 25 e 26 de maio, no Pavilhão Municipal de Exposições, na Moita, integrado na centenária Feira Regional de Maio.

 

A Agenda de Eventos, que pode consultar em www.cm-moita.pt, em suporte digital ou nos locais habituais, em papel, sugere, no “Vai Acontecer…”, muitas outras atividades para ver, fazer ou ouvir, ao longo do mês, ao ar livre ou nos vários equipamentos culturais e desportivos do concelho. De salientar, nesta rubrica, a XXII Feira de Projetos Educativos, de 14 a 17 de maio, a 24ª edição do Festival Sementes, a 18, 25 e 30 de maio, e a VIII edição do BB Blues Fest, que tem início a 30 de maio, no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo.

Se preferir ficar em casa, opte por uma das sugestões das “Cumplicidades”: um livro, um projeto musical, um site e um filme.

Na rubrica “Sabores & Saberes”, a “Maré Cheia” dá a conhecer a receita de

Húmus, a propósito da realização da 15ª BIOFESTA – Mostra de Projetos e Produtos Biológicos, que se realiza a 26 de maio, no Largo Conde Ferreira, na Moita, e que, este ano, terá como tema a Dieta Mediterrânica.

A modalidade de Remo, promovida, na Moita, pela ARTejo – Associação Remadores do Tejo é o tema abordado, este mês, no que respeita à atividade do Movimento Associativo.

Se pretende receber a Maré Cheia em sua casa, todos os meses, contacte o Gabinete de Informação e Relações Públicas da Câmara Municipal da Moita, através do e-mail: informacao-rpublicas@mail.cm-moita.pt.

 

Metropolitano de Lisboa associa-se ao Ano Internacional da Tabela Periódica


Celebrações dos 150 anos da tabela periódica | 30.Abril: Dia do Fósforo

No âmbito do Ano Internacional da Tabela Periódica, assim designado pela UNESCO, o Metropolitano de Lisboa iniciou, no passado mês de março, um ciclo de várias iniciativas, que se irão estender ao longo do ano de 2019, em parceria com o Departamento de Engenharia Química e do Núcleo de Estudantes de Engenharia Química, do Instituto Superior Técnico. Estas dinâmicas visam promover a tabela periódica junto dos clientes do Metropolitano de Lisboa e do público em geral.

 

Neste contexto, o Metropolitano de Lisboa associa-se à iniciativas acima descritas, comemorando, no âmbito  dos 150 de existência da Tabela Periódica, o “Dia do Fósforo” (símbolo químico “P”), que se celebra amanhã, dia 30 de abril.

 

Quem passar amanhã pela estação Alameda da linha Vermelha, a partir das 17 horas, poderá, através de várias atividades, conhecer as propriedades deste não-metal, quais as suas possíveis aplicações e de que forma o mesmo se encontra presente no corpo humano, nos seres vivos, no meio envolvente e nos fertilizantes, entre outros.

 

Nestas atividades serão, ainda, esclarecidas questões como “Sabia que o Fósforo foi o primeiro elemento a ser descoberto, em 1669, na procura da pedra filosofal?” E ainda que “Fósforo significa luz brilhante e que se encontra na natureza combinado, formando fosfatos inorgânicos?” E que “o Fósforo é tão reativo que oxida espontaneamente em contacto com o oxigênio do ar atmosférico, emitindo luz, a que chamamos o fenômeno da fosforescência?”

 

Estará, igualmente, disponível na estação Alameda um Photobooth, para quem quiser tirar uma foto e partilhar nas redes sociais.

 

Os clientes serão, ainda, incentivados a participar noutras “atividades surpresa” interativas , estando prevista a oferta  aos clientes que participarem nas atividades no Metro de amostras de água micelar.

No âmbito das comemorações doa 150 anos da Tabela Periódica, estão previstas outras atividades nas estações de metro, a ter lugar nos seguintes dias:

  • 24 de maio “Mês dos elementos representativos (bloco p)”
  • 25 de junho “Adota um elemento”
  • 11 de julho “Os radioativos (a instabilidade dos elementos)”
  • 16 de setembro “Dia dos novos elementos”
  • 3 de outubro “Dia dos “metais” (bloco d)”
  • 17 de outubro “O dia do nitrogénio”
  • 31 de outubro “Os luminescentes”
  • 20 de novembro “O último elemento”

 

O Metropolitano de Lisboa reafirma o seu esforço no sentido de continuar a promover a mobilidade sustentável numa ótica de plena acessibilidade, seguindo os melhores padrões de qualidade, através da aposta em novas formas de fidelização e de captação de clientes.

 

Companhia CEGADA recebe MEDALHA DE MÉRITO CULTURAL DOURADA

COMPANHIA CEGADA é distinguida com MEDALHA DE MÉRITO CULTURAL DOURADA pelo Município de Vila Franca de Xira.

Companhia Cegada Grupo de Teatro, residente no TEIV – Teatro Estúdio Ildefonso Valério em Alverca do Ribatejo, recebe Medalha de Mérito Cultural Dourada do Município de Vila Franca de Xira.
A cerimónia de entrega irá acontecer, em momento solene, no próximo dia 30 de Abril na Sociedade Euterpe Alhandrense, no âmbito das celebrações do quadragésimo quinto aniversário da revolução de Abril.

Depois do galardão de Mérito Cultural  da Cidade de Alverca (1998); do reconhecimento como Entidade de Utilidade Públicapela Assembleia Municipal de Vila Franca de Xira (2005), certificado de Entidade de Interesse Cultural da Secretária de Estado da Cultura (2016) e ser eleita Personalidade Cultural do Ano pela redação do Jornal O MIRANTE (2016), a Medalha de Valor Cultural Dourada, atribuída pelo Município de Vila Franca de Xira (2019), será o maior galardão concedido a este agente cultural com função ininterrupta há mais de três décadas (33 anos, 1986 - 2019).

Mais informação em:
www.facebook.com/cegadateatro

image006.jpg

CEGADA GRUPO DE TEATRO (1986-2019)
- Companhia de Teatro -

Em 1986 um curso de Iniciação ao Teatro na Casa da Juventude de Alverca junta o primeiro elenco dirigido por Ildefonso Valério. Todos os anos novas criações são apresentadas e ainda no tempo da televisão a dois canais nasce, no Município de Vila Franca de Xira, um agente cultural que marcará a criação e fruição artística da zona Norte da Área Metropolitana de Lisboa nas décadas seguintes.

Em 1998 recebe o galardão de Mérito Cultural da Cidade e dois anos depois formaliza-se como associação cultural sem fins lucrativos. Em 2004 organiza a Amostra de Teatro de Alverca, o primeiro festival de teatro da região, e acolhe 26 criações de todo o país. Em 2005 é reconhecida como Entidade de Utilidade Pública pela Assembleia Municipal e transferida para um equipamento cultural público, posteriormente baptizado de TEIV - Teatro Estúdio Ildefonso Valério em póstuma homenagem.

Em constante crescimento de actividade e público profissionaliza-se com direcção artística de Rui Dionísio em 2012, assume a programação anual do TEIV, programa o festival Noites no Largo do Pelourinho e edita a revista cultural Proscénio. Em 2013 concorre com admissibilidade aos apoios do Governo de Portugal e em 2014 recebe o certificado de Entidade de Interesse Cultural pela Secretaria de Estado da Cultura. Em 2016 é eleita Personalidade Cultural do Ano pela redação do Jornal O MIRANTE.

Em 2018, com o apoio da República Portuguesa e da Câmara Municipal, concretiza 77 sessões artísticas públicas para 7.957 participantes: instituições sociais, escolas, teatros, bibliotecas, público geral, com autores e criadores de referência nacional como: Maria João Luís, João Lagarto, Jorge Silva Melo ou Luis Miguel Cintra. Parcerias que, para lá das fronteiras do Município, desenvolvem um projeto artístico de serviço público nacional, democratizador da oferta cultural e da formação de públicos.

Um percurso de três décadas que Câmara Municipal de Vila Franca de Xira reconhece publicamente atribuindo a Medalha de Valor Cultural Municipal Dourada.

Museu de Lamego - Nos 500 anos da circum-navegação seguimos viagem à boleia de galeões

Marinhas_1.jpg

 

Surgem timidamente nas iluminuras que ilustram os livros de horas... Ganham espaço e conteúdo na pintura ao longo do século XVI. Autonomizam-se da «paisagem», ganham identidade própria nos séculos XVII e XVIII. Partilham com os homens da ciência, geógrafos, cartógrafos, matemáticos, físicos, percursos e saberes. São as “Marinhas” e estão em destaque, em abril, na rubrica 12 Meses 12 Peças, no âmbito do projeto do Museu de Lamego que assinala os 500 anos da viagem da circum-navegação.