Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

MUDE FORA DE PORTAS | Coleção Carlos Rocha com cerca de 6000 itens, integra o acervo do MUDE

"Prosseguindo a sua missão de investigar, apresentar, conservar e divulgar o design português, o MUDE recebe em depósito a “Coleção Carlos Rocha”, espólio de grande riqueza em termos de design gráfico em Portugal. A coleção é composta pelos núcleos “Carlos Rocha”, “José Rocha” e “Carlos Rocha Pereira” que fazem a história da publicidade no séc. XX em Portugal. O designer Carlos Rocha expressou a vontade em doar ao MUDE o acervo do seu trabalho, que integra também um núcleo de peças de seu pai, Carlos Rocha Pereira e um núcleo de peças de seu tio, José Ferrer Rocha."

 

FNAC proporciona espaço lúdico para as crianças do Centro Materno Infantil do Norte

Inauguração de espaço FNAC no CMIN

 

 

A FNAC inaugura uma área lúdica e de aprendizagem dedicada às 700 crianças e jovens que frequentam, em contexto de internamento ou visita, o Centro Materno Infantil do Norte. A inauguração está marcada para dia 12 de novembro, pelas 9h30, e contará com a presença de Nuno Pardalejo, Diretor de Exploração da FNAC Portugal, e do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Porto.

 

A FNAC, em parceria com o Centro Materno Infantil do Norte - Centro Hospitalar Universitário do Porto, criou uma sala, inspirada nos espaços FNAC KIDS das suas lojas, que se divide em duas áreas: uma zona de entretenimento, com consolas, jogos, filmes infantis e brinquedos tecnológicos, e uma zona de leitura onde se podem encontrar obras de vários géneros literários, incluindo livros infantis e de BD. Esta área destina-se a jovens até aos 18 anos de idade, e às suas famílias, e tem como missão levar cultura e momentos de descontração a estas crianças.  

 

Este é o segundo espaço FNAC criado em contexto hospitalar, o primeiro foi inaugurado em 2009 no Hospital de São João. Nuno Pardalejo, Diretor de Exploração da FNAC Portugal sublinha a importância destes projetos: “É com uma enorme satisfação que inauguramos mais um espaço FNAC em ambiente hospitalar. O nosso objetivo visa, mais uma vez, ajudar a melhorar a qualidade de vida destas crianças e das suas famílias durante este período mais delicado, fazendo-as sentir-se mais em casa.” 

 

O espaço FNAC no CMIN dispõe de luz natural e foi desenhado com uma componente polivalente, tornando possível a organização de pequenos eventos, workshops e outras iniciativas, em datas relevantes como o Natal, a Páscoa ou o Dia Mundial da Criança.

 

Para Alberto Caldas Afonso, diretor do CMIN, “Pretende-se que o hospital não seja sentido como um local de sofrimento e que simboliza um momento negativo na vida da criança, pelo que é importante criar espaços e atividades que permitam manter as atividades lúdicas e educativas da criança durante o tempo que aqui passam. E projectos como este da FNAC são importantes para melhorar as suas vidas nesta fase”. 

 

Neste dia serão celebrados os protocolos do CMIN com a FNAC; com a Irmandade dos Clérigos, envolvida no apoio às obras de requalificação da “Casa dos Pais”, espaço onde podem pernoitar os pais de crianças internadas; e com a Fundação Portuguesa Contra a Sida.

 

Sobre o Centro Materno Infantil do Norte (CMIN)

 

Centro Materno Infantil do Norte (CMIN) é a unidade hospitalar com o maior número de partos na região norte e a segunda maior a nível Nacional. O CMIN vocaciona-se para oferta de serviços com toda a diferenciação técnica e científica na área Materno-Infantil, constituindo-se como Centro de Referencia terciário na zona Norte do Pais e a nível Nacional, em áreas assistenciais identificadas como Centros de Referencia Nacional e da Rede de Referenciação Europeia. Associadamente, fruto da sua inserção num Centro Académico Universitário, tem responsabilidades, na formação pré e pós-graduada, bem como na atividade de investigação, colocando o CMIN, como uma referência Nacional e Internacional, nestas áreas.

 

H. G. Cancela recebe na próxima 2.ª feira o GRANDE PRÉMIO DE ROMANCE E NOVELA

image008.jpg

 

A Associação Portuguesa de Escritores informa que a cerimónia pública de entrega do Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLAB – 2017 terá lugar no próximo dia 12 de Novembro, pelas 18 horas, na sala 2 da Fundação Calouste Gulbenkian, ao autor galardoado, H. C. Cancela pelo seu livro As Pessoas do Drama (Relógio D’Água).


A sessão será presidida pela Senhora Ministro da Cultura, Dr.ª Graça Fonseca.


O Grande Prémio de Romance e Novela da APE, dotado com 15 000 euros, teve como membros do júri, Isabel Cristina Mateus, Isabel Ponce de Leão, José Carlos Seabra Pereira, José Manuel de Vasconcelos e Paula Mendes Coelho.

REVISTA PANDA COMEMORA CENTÉSIMA EDIÇÃO COM NOVIDADES

image005.png

 

A “Revista Panda” está diferente. Para celebrar a sua centésima edição, a revista infantil líder de vendas no segmento pré-escolar, com mais de 12 000 exemplares em banca por mês, está disponível com um novo grafismo, conteúdos adaptados, a nova secção “Hora do Conto” e oferta da almofada Panda neste especial de aniversário.

 

Há oito anos a acompanhar a infância de milhares de crianças, esta publicação mensal, de 32 páginas, resulta de uma parceria de sucesso entre o Canal Panda e a Zero a Oito, respondendo a uma lacuna no mercado nas publicações infanto-juvenis dirigidas ao target dos 3-7 anos.

Astrónoma Teresa Lago é a vencedora do Grande Prémio Ciência Viva Montepio 2018

 

 

A astrónoma Teresa Lago, o professor Filipe Ressurreição e o realizador Edgar Canelas são os vencedores dos Prémios Ciência Viva Montepio 2018.

O Grande Prémio Ciência Viva Montepio distingue Teresa Lago pela sua acção notável na promoção da cultura científica enquanto professora, investigadora, autora e divulgadora no campo da Astronomia. Doutorada em Astrofísica pela Universidade de Sussex, foi fundadora do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto e criou a primeira licenciatura em Astronomia do país. É actualmente secretária-geral da União Astronómica Internacional.

O Prémio Ciência Viva Montepio Educação distingue o Professor Filipe Ressurreição pela criação da "Oficina da Ciência" no Agrupamento de Escolas de Arouca, e pelos modelos inovadores de ensino e aprendizagem das ciências aí implementados, traduzindo-se num programa multidisciplinar de iniciação à investigação científica e promoção do contacto da comunidade escolar com cientistas.

O Prémio Ciência Viva Montepio Media distingue o realizador Edgar Canelas pela cobertura regular que ao longo do seu percurso profissional tem feito sobre temas científicos de actualidade, nomeadamente no magazine semanal "Os Dias do Futuro", da Rádio Antena 1. No ar há 11 anos, pelos seus microfones já passaram mais de 800 investigadores, homens e mulheres da ciência de diferentes áreas, dando a conhecer ao público inúmeros projectos de relevo nacional e internacional.



A cerimónia de entrega de prémios terá lugar a 24 de Novembro, Dia Nacional da Cultura Científica, às 15.00, no Anfiteatro do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.
Esta iniciativa integra a Semana da Ciência e da Tecnologia e contará com a presença do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.



Os Prémios Ciência Viva Montepio são atribuídos anualmente pela Ciência Viva e pelo Montepio e distinguem personalidades e instituições que se destacaram pelo seu mérito excepcional na promoção da cultura científica em Portugal. Os premiados foram seleccionados pelos representantes das instituições de investigação científica que constituem a Agência Ciência Viva (ver lista em baixo).

Nos últimos seis anos o Grande Prémio Ciência Viva Montepio distinguiu o editor Guilherme Valente, o geólogo Galopim de Carvalho, o botânico Jorge Paiva, o físico Manuel Paiva, o patologista Sobrinho Simões e o físico Carlos Fiolhais.



Saiba mais sobre os premiados:
Teresa Lago
Filipe Ressurreição
Edgar Canelas

Instituições Associadas da Ciência Viva: 

Agência Nacional de Inovação, S.A. (ANI)

Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT)

Centro de Neurociências de Coimbra e Biologia Celular (CNC) 

Centro de Estudos Sociais (CES)
Instituto de Telecomunicações (IT)
Instituto de Ciências Sociais (ICS) 

Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC)
Instituto de Patologia e Imunologia da Universidade do Porto (IPATIMUP)
Instituto de Tecnologia Química e Biológica (ITQB)
Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas (LIP)
Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC)

ADAMASTOR JÁ CHEGOU AO WEBSUMMIT (PEÇA DE ARTE EM PLÁSTICO)_CEETRUS PORTUGAL

CEETRUS desenvolve projeto de sensibilização ambiental e envolve artistas: Skeleton Sea e Kruella D’Enfer

 

CEETRUS TRAZ AO WEBSUMMIT PEÇAS DE ARTE REALIZADAS A PARTIR DE 650 KG DE PLÁSTICO USADO

 

Adamastor1.jpg

 

A Ceetrus Portugal vai marcar presença na terceira edição do WebSummit através da mostra artística “Plastic Age”, uma iniciativa que pretende alertar para uma maior consciencialização e sensibilização sobre o impacto do plástico no meio ambiente através da reutilização do mesmo de uma forma artística.  Reunindo artistas que retratam o tema, a Ceetrus Portugal tem o intuito de mudar o paradigma para uma nova era de menos plástico e mais planeta.

 

O projeto “Plastic Age” integra 2 obras: “O Adamastor”, uma criação artística que ganhou forma pelas mãos de João Parrinha do coletivo Skeleton Sea com inspiração das ondas surfadas pelo surfista de renome internacional Hugo Vau e “Over Plastic Sea” da autoria de Kruella D’Enfer. A curadoria do projeto pertence a Bruno Pereira do Departamento.

 

Inspirados na importância da consciencialização sobre o impacto do plástico na biodiversidade marinha, estes artistas transformaram em arte mais de 650 quilos de plástico recolhidos nos centros comerciais Forum Sintra e Forum Montijo, geridos pela Ceetrus Portugal, e pelos serviços das Câmaras Municipais de Sintra (SMAS) e Montijo (Amarsul).

 

“Plastic Age” é o 13º projeto do “Arte em Toda a Parte”, uma iniciativa desenvolvida pela Ceetrus Portugal, desde 2013, que visa democratizar o acesso à Arte e Cultura ao promover diversas formas de exposição artística nos centros comerciais que gere.

 

Assim, depois do Web Summit, as duas obras do projeto “Plastic Age” serão colocadas nos dois centros comerciais, tornando-se acessíveis a um ainda maior número de pessoas. “O Adamastor” passará a estar patente no Forum Sintra enquanto que a obra “Over Plastic Sea” poderá ser vista no Forum Montijo.

Elsa Camacho, diretora da área de Desenvolvimento Sustentável da Ceetrus Portugal, sublinha que “a responsabilidade social e ambiental é um dos pilares da Visão Ceetrus 2030 que define a missão: To link people by creating sustainable, smart and lively places to brighten up everyday life. O projeto “Plastic Age” está totalmente alinhado com esta missão e permite-nos contribuir de forma ativa para o fortalecimento do debate e das nossas ações em torno de um dos temas prioritários na agenda internacional: a preservação dos oceanos e a redução da utilização do plástico”.

 

 

Sobre a Ceetrus:

A Ceetrus — empresa da Auchan Holding detida pela macro-cadeia económica de origem francesa Associação Familiar Mulliez (AFM) — conta com mais de 40 anos de experiência no setor imobiliário, sendo hoje uma das principais empresas de imobiliário em centros comerciais, e está presente em 12 países na Europa e Ásia. A empresa gere, em todo o mundo, cerca de 400 centros comerciais que representam mais de 4 milhões de m2 de área bruta locável (ABL) e cerca de 7.5 mil milhões de euros em ativos.

Em Portugal — A Ceetrus está presente em 13 municípios. Gere mais de 200 mil m2 de ABL, distribuídos por mais de 700 lojas e quiosques em centros comerciais. Do seu portefólio fazem parte as Galerias Comerciais Jumbo localizadas em Alverca, Canidelo, Cascais, Famalicão, Maia, Santo Tirso e Sintra; os Centros Comerciais Alegro em Alfragide, Castelo Branco e Setúbal; Forum Montijo, Forum Sintra e Sintra Retail Park.

 

 

Ana Margarida de Carvalho - Cerimónia de entrega do Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco

image004.jpg

 

Ana Margarida de Carvalho, recebe na próxima 2.ª feira, dia 5 de Novembro, pelas 18h00, no Auditório da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco pelo seu livro Pequenos Delírios Domésticos (Relógio D’Água).

 

A cerimónia conta com a presença do Presidente da Associação Portuguesa de Escritores, José Manuel Mendes, do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, da porta-voz do júri, Isabel Cristina Mateus, da premiada, Ana Margarida de Carvalho, do Director do agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco e da participação especial, do compositor e pianista, Luís Pipa.

Inscrições para a 5ª edição do Prémio Sophia Estudante estão na reta final

 

Dia 2 de novembro será o último dia de inscrições para a 5ª edição do Prémio Sophia Estudante, cuja cerimónia de entrega de prémios vai decorrer dia 13 de dezembro, no Teatro Municipal Rivoli, no Porto.

Os estudantes podem inscrever-se através do site da Academia Portuguesa de Cinema (www.academiadecinema.pt/sophia-estudante/8252-2/), enviando duas obras, com a duração máxima de 20 minutos, para cada uma das seguintes categorias: Ficção, Documentário, Animação e Experimental. Este ano, pela primeira vez, será também entregue o Prémio Sophia Estudante para Melhor Cartaz.

No dia 13 de dezembro serão conhecidos os três primeiros classificados para cada uma das categorias identificadas, que receberão um certificado. O primeiro lugar de cada categoria também recebe um troféu Sophia Estudante.

Todos os premiados de dia 13 de dezembro, exceto na categoria Melhor Cartaz, ficam ainda apurados para a primeira triagem do Júri dos Prémios Sophia e quatro deles serão escolhidos como nomeados na Cerimónia dos Prémios Sophia, a acontecer em Março de 2019.

A curta-metragem vencedora do primeiro lugar é premiada com cinco mil euros pela NOS, com material de iluminação pela Cinemate e com material de imagem pela PLANAR, para a produção de uma nova curta-metragem. Os Prémios Sophia Estudante contam ainda apoio do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) que, no âmbito da promoção do cinema estudantil, distingue curtas-metragens realizadas por alunos de estabelecimentos do ensino superior e técnico em Portugal.

Para mais informações, consulte o regulamento em www.academiadecinema.pt/sophia-estudante/regulamento-sophia-estudante/

 

Braga será Capital da Cultura do Eixo Atlântico em 2020

reuniao Eixo_29.10.18.jpg

 

A Cidade de Braga vai ser a Capital da Cultura do Eixo Atlântico em 2020. A decisão foi tomada esta Segunda-feira, 29 de Outubro, numa reunião da Comissão Executiva do Eixo Atlântico para a Educação e Cultura, que decorreu em Guimarães.

Braga sucede assim a Santa Maria da Feira que este ano ostenta este título. A decisão obteve unanimidade dos municípios presentes, que foram desafiados a enviar contributos para a programação dando assim a oportunidade a novas dinâmicas culturais com os municípios do Norte de Portugal e da Galiza. Além de Santa Maria da Feira, também Vila Nova de Gaia em 2009, Viana do Castelo em 2011, Ourense em 2014 e Matosinhos e Vila Real em 2016 acolheram a Capital da Cultura do Eixo Atlântico.

“Braga, pela importância histórica e cultural que detém no seio do Noroeste Peninsular, justifica plenamente o acolhimento deste importante certame ibérico”, sublinhou Lídia Dias, que representou o Município de Braga neste encontro, acrescentando que “poderá potenciar dinâmicas que funcionarão como ensaio para uma organização maior como é a Capital Europeia da Cultura 2027”.

A vereadora da Cultura reforçou a ideia de que o Município de Braga pretende afirmar a Cultura como “prioridade no âmbito da acção municipal”, opção confirmada pela “declaração de Braga como Cidade Media Arts da UNESCO” e pela “ambição de ser Capital Europeia da Cultura em 2027”.

“O acolhimento da Capital da Cultura do Eixo Atlântico torna-se um passo determinante no processo de envolvimento da comunidade numa crescente dinâmica de criação e fruição cultural”, acrescentou Lídia Dias.

A programação, que será publicamente apresentada em Junho do próximo ano, decorrerá entre 8 de Fevereiro e 28 de Novembro de 2020. Certo será o regresso do jazz a Braga, numa das iniciativas propostas, além de um evento centrado exclusivamente na arte urbana, que tem como pretensão levar a Cultura às periferias. Entre as propostas apresentadas está também o programa “Braga no Eixo”, que tem como objectivo levar os projectos culturais Bracarenses em itinerância pelos municípios que integram o Eixo Atlântico.

O Município tem ainda como propósito criar um legado permanente desta “capitalidade” através da criação de um Jardim devotado ao Eixo Atlântico, além de uma galeria onde estarão expostas todas as obras premiadas das sucessivas edições da Bienal de Pintura do Eixo Atlântico.

Recorde-se que o Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular constitui uma Associação transfronteiriça de Municípios, de direito privado, sem fins lucrativos que configuram o sistema urbano da euro-região Galiza-Norte de Portugal. Esta associação baseou-se no Convénio-Marco sobre cooperação transfronteiriça entre comunidades ou autoridades territoriais de 1990. Neste momento, o Presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, preside à Assembleia Geral do Eixo Atlântico.