Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Candidaturas de 1 a 31 de março: IX Bienal de Pintura de Pequeno Formato – Prémio Joaquim Afonso Madeira

cartaz.jpg

 

As candidaturas para a IX Bienal de Pintura de Pequeno Formato – Prémio Joaquim Afonso Madeira estão abertas de 1 a 31 de março. Os trabalhos selecionados e premiados vão estar em exposição, de 6 de julho a 4 de agosto, no Moinho de Maré, em Alhos Vedros.

 

A Bienal de Pintura de Pequeno Formato – Prémio Joaquim Afonso Madeira é uma organização conjunta da Câmara Municipal da Moita, Junta de Freguesia de Alhos Vedros e CACAV - Círculo de Animação Cultural de Alhos Vedros e pretende ser um incentivo à criação artística, no domínio da pintura, através do apoio aos artistas, na valorização do seu trabalho e no encontro deste com a comunidade.

Recorde-se que, em 2017, o júri decidiu atribuir o Prémio Joaquim Afonso Madeira a duas obras: “Hélia”, de Manuel José Rodrigues de Almeida, e “No Sofá”, de Fábio Moreira Araújo.

 

O Júri será constituído por cinco elementos: um elemento designado pela Câmara Municipal da Moita, um pela Junta de Freguesia de Alhos Vedros, um pela CACAV - Círculo de Animação Cultural de Alhos Vedros e dois elementos profissionais das Artes Plásticas ou de reconhecido mérito artístico.

De acordo com o regulamento, no processo de avaliação das obras foram definidos os seguintes critérios de apreciação: Técnica; Qualidade Conceptual; Criatividade; Originalidade da Temática; Composição e Equilíbrio.

Mais informações sobre esta iniciativa podem ser obtidas através do T: 967 747 637, página www.cacav.org ou email bienalpinturamoita@gmail.com.

 

Évora lança «candidatura ganhadora» para se tornar Capital Europeia da Cultura em 2027

 

O Workshop Internacional “Culture Capital Cities”, que se realiza até amanhã, lança o processo de candidatura da cidade alentejana a Capital Europeia da Cultura, em 2027. Após a primeira fase de estudo do processo, com início há dois anos, a cidade começa agora a fase de elaboração da candidatura oficial, que deverá ser apresentada à União Europeia no próximo ano.

 

Carlos Pinto Sá, Presidente da Câmara Municipal de Évora e António Ceia da Silva, Presidente da Entidade Regional de Turismo, reforçaram o objetivo de que Évora seja a cidade portuguesa escolhida para Capital Europeia da Cultura na sessão de abertura do evento, que contou também com a presença de Ana Paula Amendoeira, Diretora Regional da Cultura do Alentejo. A importância regional da candidatura e a abertura do processo à sociedade civil foram os aspetos destacados.

 

«O objetivo é apresentar uma candidatura ganhadora e afirmar Évora como Capital Europeia da Cultura», referiu Carlos Pinto Sá, acrescentando, no entanto, que é importante que «seja também um processo que deixe marca na cidade e na região e que possa contribuir para o desenvolvimento local, independentemente do resultado para 2027». «Existe uma estratégia cultural que inclui a candidatura. O objetivo é transformar a cidade de Évora e dar-lhe peso nacional e internacional».

 

Apresentando os vários elementos ao nível do património, ambiente e cultura que distinguem Évora como candidata a Capital Europeia da Cultura, o Presidente da Câmara sublinha como «num mundo globalizado é essencial a capacidade de reforçar a diferença e a identidade», sendo importante «manter as raízes com o passado» mas também «olhar o futuro e ter capacidade de evoluir como sociedade, algo para o qual a cultura é essencial».

 

António Ceia da Silva, Presidente da Entidade Regional de Turismo, afirma que este é um momento histórico, equiparável à classificação do centro histórico de Évora como Património da Humanidade pela UNESCO, sublinhando o potencial de «uma revolução ao nível cultural, da requalificação urbana, dos eventos e da vivência cultural, decisiva para Évora e para o Alentejo». Salientando como o turismo pode também contribuir para a candidatura, reforça ainda a importância do Património Imaterial, como o cante alentejano, que representa a identidade da região.

 

«Esta não é uma candidatura só de Évora. É uma candidatura que está associada a todo o Alentejo e isso tem um peso completamente distinto. Não se está a trabalhar numa cidade em si mesma, mas numa forma em que a elevação dessa cidade a Capital Europeia da Cultura seja importante para toda a região», refere António Ceia da Silva, acrescentando que o processo de candidatura, para a qual todas as entidades regionais são essenciais, pretende ser inclusivo e aberto a toda a sociedade civil.

 

Referindo-se à candidatura de Évora como uma «utopia realizável», a Diretora Regional da Cultura, Ana Paula Amendoeira, afirma que «a região é fundamental para este projeto» e que existe nesta cidade uma «indispensável centralidade crítica nos tempos globais, em que a cultura é cada vez mais uma periferia».

 

Ana Paula Amendoeira finaliza a sessão de abertura com uma reflexão sobre os desafios da cultura europeia e o papel das Capitais Europeias da Cultura, que devem ter a «sabedoria de convocar todas as artes e conhecimento para se construir» e destacar as diferenças, mas também criar um sentimento de pertença europeu, que coloque a cultura como base do desenvolvimento

UAU e a Contracanto lançam uma iniciativa única e oferecem os bilhetes

 

nemtudootempolevou.jpg

 

Porque vale a pena ver bom teatro sobre um tema do quotidiano de todos nós, a UAU e a Contracanto lançam uma iniciativa única e oferecem o bilhete a quem não tem disponibilidade para pagar o bilhete.

Todos devem ver "Nem Tudo O Tempo Levou". Um tema actual, do quotidiano de todos nós, com texto de excelência, encenação e interpretação comoventes. O bilhete custa 15€ e não queremos que falte. Se não tiver 15€ para ir ao teatro, o Director Geral da UAU, Paulo Dias, e o encenador e director geral da Contracanto, oferecem-lhe o bilhete. Basta enviar uma MP na página de Facebook da UAU, indicando o seu e-mail e sessão escolhida. Identifique-se. Emocione-se!

Em cena no Auditório dos Oceanos do Casino Lisboa até 3 de Março.

Bilhetes disponíveis em: https://ticketline.sapo.pt/evento/nem-tudo-o-tempo-levou-39497

Veja as imagens em "Nem Tudo o Tempo Levou" em: https://youtu.be/Q9JhJDGire4

Prémio Internacional de Composição - Órgãos do Palácio Nacional de Mafra

Cartaz-PIC2019.jpg

 

 

O Ministério da Cultura e o Município de Mafra promovem o “Prémio Internacional de Composição – Órgãos do Palácio Nacional de Mafra”, visando criar novo repertório para o magnífico conjunto instrumental. O prazo para apresentação das candidaturas termina no dia 29 de março de 2019.

Da autoria dos dois mais importantes organeiros portugueses do seu tempo – António Xavier Machado e Cerveira e Joaquim António Peres Fontanes – os seis órgãos da Basílica do Palácio Nacional de Mafra constituem um conjunto único no mundo, não pelo seu número, já de si notável, mas pelo facto de terem sido construídos ao mesmo tempo e concebidos originalmente para tocar em conjunto.

O prémio, com periodicidade bienal, visa distinguir compositores que apresentem peças destinadas ao referido conjunto instrumental, fazendo uso das suas características próprias.

Dividido em duas categorias, desdobra-se numa componente relativa à composição de uma obra original e outra referente à transcrição para os seis órgãos. O valor dos prémios é de 10 mil e 5 mil euros, respetivamente.

O júri desta terceira edição é constituído por quatro personalidades de reconhecido mérito internacional: Jean Ferrard (Bélgica), que preside, Sérgio Azevedo (Portugal), William Whitehead (Inglaterra) e João Vaz (Portugal).

Para mais informações:
http://www.cm-mafra.pt/pt/municipio/premio-internacional-de-composicao-orgaos-do-palacio-nacional-de-mafra

EDP Live Bands chega à 6ª edição com novos prémios

O concurso EDP Live Bands está de volta. A iniciativa, que promove o talento nacional ao dar a oportunidade a bandas amadoras de tocarem perante um júri reconhecido, acaba de abrir as inscrições em Portugal, Espanha e Brasil. Podem candidatar-se até 24 de março bandas e artistas dos mais variados estilos musicais e de todas as geografias em que o concurso está presente.

 

Além de atuar no NOS Alive’19, no Mad Cool Festival em Madrid e gravar um CD com a Sony Music, a banda vencedora será este ano premiada também com a gravação de um videoclipe. Tiago Bettencourt integra o júri e fará show case na final do concurso.

Concurso elege mascote do Mercadito Caramelo

Concurso Mascote Mercadito Caramelo.jpg

 

De 18 a 23 de fevereiro, vai decorrer, no Mercado Municipal de Pinhal Novo, o Concurso da Mascote para o Mercadito Caramelo. O público vai poder eleger o espantalho que será a mascote do Mercadito Caramelo, o espaço infantil do Mercado Caramelo, já na edição deste ano (10, 11 e 12 de maio, em Pinhal Novo). 

O Concurso é organizado pela Confraria da Sopa Caramela e pela Junta de Freguesia de Pinhal Novo, com o apoio da Câmara Municipal de Palmela. Em exposição, vão estar os trabalhos realizados pela comunidade educativa (público e privado), na sequência do desafio lançado pela cerca de uma dezena de parceiros (IPSS, colégios e associações de pais) que dinamizam o Mercadito Caramelo.

Ao longo da semana, o público vai poder apreciar e votar nos espantalhos a concurso, escolhendo o que considerar mais autêntico e criativo. A mascote eleita vai ser divulgada no dia 24. Os trabalhos expostos estarão visitáveis dentro do horário de funcionamento do edifício do Mercado (das 7h00 às 19h00). Mais informações: 961 129 125 (Confraria da Sopa Caramela).

 

Academia Portuguesa de Cinema entrega troféu a Júlia Buisel

Cerimónia de entrega do Prémio Bárbara Virgínia decorreu na Cinemateca

No passado dia 8 de fevereiro, a Cinemateca Portuguesa foi pequena para receber todos os que fizeram questão de marcar presença na cerimónia de entrega do Prémio Bárbara Virgínia a Júlia Buisel, pelos mais de cinquenta anos de carreira ao serviço do cinema português, não só como atriz mas, também, como autora, assistente de encenação, assistente de realização, anotadora, script supervisor e, mais recentemente, realizadora.

Júlia Buisel recebeu o prémio das mãos de Paulo Trancoso, Presidente da Academia Portuguesa de Cinema, e da atriz Leonor Silveira, também ela homenageada no passado com este troféu.

Após a entrega do Prémio Bárbara Virgínia a Júlia Buisel, foi exibida a curta, “Quantas Vezes Tem Sonhado Comigo”, que assinala a sua estreia como realizadora, e “Pássaros de Asas Cortadas”, filme da autoria de Artur Ramos que marcou a sua estreia como atriz, em 1963.

Sobre o Prémio Bárbara Virgínia:

Instituído pela Academia Portuguesa de Cinema em 2015, o Prémio Bárbara Virgínia pretende homenagear mulheres que se distinguem nas mais diversas áreas do cinema português. Até à data, foram distinguidas as atrizes Leonor Silveira e Laura Soveral, a colorista Teresa Ferreira e, este ano, Júlia Buisel, atriz, autora, assistente de encenação, assistente de realização, anotadora, script supervisor e realizadora.

 

Grupo dst lança prémio para distinguir Literatura Angolana | 1ª edição dedicada à poesia | Candidaturas já se encontram abertas

Candidaturas abertas para a primeira edição dedicada à poesia

GRUPO DST  LANÇA PRÉMIO

PARA DISTINGUIR LITERATURA ANGOLANA

 

*Vencedor receberá um prémio pecuniário no valor de  15 mil euros

assinatura protocolo.jpg

 

 

O grupo dst e o Instituto Camões anunciaram o lançamento do Prémio de Literatura dstangola/Camões, um prémio literário anual no valor de 15 mil euros que visa distinguir trabalhos de poesia e prosa de escritores angolanos. O prémio foi apresentado publicamente no auditório do Camões — Instituto da Cooperação e da Língua, em Lisboa, numa sessão que contou com a presença da secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro, do presidente do Instituto Camões, Luís Faro Ramos, e do presidente do grupo dst, José Gonçalves Teixeira, e do Conselheiro Cultural da Embaixada de Angola em Lisboa, Luandino Carvalho.

 

Na sessão de apresentação do Prémio de Literatura dstangola/Camões foi ainda assinado com o Instituto Camões o protocolo Empresa Promotora da Língua Portuguesa entre o Camões, I.P. e o grupo dst,  que se destina a apoiar o Centro Cultural Português em Luanda, onde será criada a sala de leitura dstangola. No âmbito deste protocolo, o grupo dst entregará àquele equipamento milhares de livros, no valor de mais de 12500 euros, estando previsto um reforço de seis mil euros, em cada um dos três anos subsequentes.

 

Segundo José Teixeira, presidente do Conselho de Administração do grupo dst, o protocolo destina-se ao apoio bibliográfico para projetos de investigação do Centro Cultural Português em Luanda. O apoio traduz-se através de livros, porque, como adiantou aquele responsável, “as empresas vivem de uma marca e o ponto de ancoragem da nossa marca é a cultura. A determinação é no livro porque consideramos que quem lê fica muito mais poderoso. Ler é quase tudo. É a leitura que dá elasticidade e competitividade”.

 

De entre os milhares de livros encontram-se títulos de autores portugueses, autores lusófonos, livros técnicos e literatura, entre muitos outros géneros. Para José Teixeira “este protocolo reforça o ethos da empresa, ancorada num espírito de empresa culta, cosmopolita e cool.” O grupo tem há mais de 24 anos o Grande Prémio de Literatura dst, apoia companhias de teatro há mais de 35 anos, edita livros e apoia a música, a dança e todas as literacias da beleza, de uma forma geral. “A economia precisa de cultura. É a nossa natureza, a forma de construir o nosso ethos, a nossa cultura. E nós estamos permanentemente a dar consistência a  essa ideia, para não haver uma fadiga, não haver possibilidade de amolecimento. E, por isso, este prémio dstangola, além de preencher este propósito, pretende também cumprir um ponto estratégico para o grupo dst que é o deixar parte da riqueza que criámos nos sítios onde estamos, através de um investimento na área das artes e das letras”, destaca.

 

A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro, sublinhou, o sinal que é dado pelas empresas ao se associarem à iniciativa do Camões. “Muito mais importante que o apoio financeiro é o sinal de que a sociedade civil e as empresas se associam à concretização de uma política pública. As empresas reconhecem que a expansão da língua e a cultura portuguesas são importantes do ponto de vista da política, mas são igualmente essenciais para a internacionalização das empresas e para a sua presença forte nos mercados quer nacional, quer estrangeiros”, referiu.

 

Prémio de Literatura dstangola/Camões com valor de 15 mil euros

 

O Prémio de Literatura dstangola/Camões visa distinguir, anualmente e de forma alternada, os trabalhos em poesia e prosa de artistas nascidos em Angola, residentes ou não, com obras publicadas no país ou no estrangeiro, nos dois anos anteriores, desde que em língua portuguesa.

 

A primeira edição, cujo galardão será entregue a 10 de junho, Dia da Língua Portuguesa, em Luanda, distinguirá obras em poesia, editadas em 2017 e 2018. As candidaturas ao Prémio de Literatura dstangola/Camões estão abertas até ao dia 30 de março.

 

Com um valor de 15 mil euros, o prémio terá um júri de referência, presidido pela professora Irene Guerra Marques, e constituído pelo escritor José Agualusa e pelo jornalista e diretor do Novo Jornal de Angola, Carlos Ferreira, ao qual caberá a análise, escolha e fundamentação da obra premiada.

 

O regulamento do Prémio de Literatura dstangola está disponível em www.dstsgps.com/art-and-society-pt-pt/culture-pt-pt-2/#/#text

 

Ciência Viva lança concurso para apoiar projectos inovadores que promovam a literacia em saúde da população

comunicar_ciencia_newsletter(1).jpg

 

A Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica lança o concurso COMUNICAR SAÚDE para a promoção da literacia em saúde da população.

A importância deste tema está na ordem do dia. São frequentes as notícias sobre as dificuldades em aceder, compreender e utilizar informação sobre saúde. A "Saúde de Qualidade" é considerada uma das prioridades do desenvolvimento sustentável global para 2030, integrando a lista dos 17 Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), promovido pelas Nações Unidas.

Este concurso tem como objectivo apoiar projectos que respondam de forma efectiva e inovadora à necessidade de melhorar a comunicação da informação médica para que esta seja aplicada de forma adequada no dia-a-dia - em comportamentos protectores da saúde, prevenção da doença e autocuidados - e, com isso, evitar acções que coloquem em risco a saúde dos cidadãos.

O concurso, com dotação orçamental de 200 mil euros e limite máximo de despesa elegível total por projecto de 20 mil euros, é dirigido a instituições de ensino superior, unidades de investigação e desenvolvimento, sociedades científicas e associações com trabalho relevante nesta área.

Os projectos deverão evidenciar parcerias com instituições envolvendo profissionais da área da saúde que, directa ou indirectamente, interajam com a população, numa perspectiva de partilha de conhecimentos.
As acções de promoção da literacia em saúde, realizadas nos projectos COMUNICAR SAÚDE, deverão contribuir para a promoção da literacia em saúde dos cidadãos e para a aquisição de competências de comunicação que facilitem a interação, directa ou mediada, entre a comunidade de profissionais e o público em geral.

A apresentação de candidaturas decorre até 11 de Março de 2019 através de inscrição online.

Mais informação e candidaturas em www.cienciaviva.pt

Fundação Ageas promove iniciativa de Literacia Financeira

FundaçãoAgeas.jpg

 

A Fundação Ageas vai contribuir para a promoção da literacia financeira na sociedade portuguesa através do projeto “Ori€nta-te” em parceria com as Mentes Empreendedoras. A iniciativa materializa o desafio de sensibilizar as camadas mais jovens para a necessidade de uma gestão financeira informada, para a poupança e preparação do futuro. Sob a forma de um concurso, o Ori€nta-te é dirigido a alunos e professores de 3.º Ciclo nos Concelhos de: Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Odivelas, Oeiras, Sintra e Vila Franca de Xira.

Com o objetivo de desenvolver competências no público mais jovem e de forma prática, apelativa e consciente, os grupos participantes vão ter de responder a um desafio de forma criativa e aplicando os conhecimentos financeiros adquiridos ao longo do ano. Os 10 melhores trabalhos terão acesso a um Bootcamp Ori€nta-te e destes, os 3 vencedores verão o seu esforço recompensado com prémios.

Para Célia Inácio, Presidente da Fundação Ageas: “Esta iniciativa enquadra-se num dos eixos estratégicos da Fundação Ageas, as Parcerias para o Impacto Social Sustentável, onde nos comprometemos a contribuir para um futuro melhor nas áreas da saúde, inclusão social e educação. Este programa de literacia financeira tem como objetivo ajudar os jovens a preparar melhor o seu futuro nas questões económico-financeiras e tem como ambição contribuir para a redução da taxa de endividamento no futuro da nossa sociedade. A promoção de uma maior cultura financeira, permite-nos continuar a ter um impacto positivo junto do público jovem em geral, com ou sem fragilidades sociais”.

O evento de lançamento da iniciativa, decorreu durante esta manhã no Agrupamento de Escolas Carlos Gargaté, na Charneca de Caparica e contou com a presença do Secretário de Estado da Educação, João Costa e o do Vice-Presidente da Câmara Municipal de Almada, João Luís Couvaneiro.