Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Primeiras confirmações da 12ª edição do Festival Panda

fbd5c01a-fea9-41df-b930-ae3b71b4bfd0.png

“Trolls”, “Hey Duggee” e “Porquinha Peppa” são os primeiros personagens confirmados para o espetáculo principal da 12ª edição do Festival Panda, o maior evento infantil em Portugal, que este ano será dedicado à sustentabilidade ambiental e preservação da natureza, com o tema “Planeta Feliz”.
 
O mundo colorido, encantador e irreverente dos Trolls, o adorável cachorro Duggee, responsável por um centro de atividades para bebés e as divertidas façanhas de Peppa, a porquinha mais rechonchuda da televisão, são protagonistas de séries de animação de sucesso e farão as delícias dos mais pequenos nos vários dias de festival.  
 
Os primeiros espetáculos confirmados decorrem em Vila Nova de Gaia (Estádio Municipal Parque da Cidade), nos dias 29 e 30 de junho e em Oeiras (Parque dos Poetas) a 5, 6 e 7 de julho. Em breve serão revelados novos locais.
 
Depois de em 2018 ter consolidado o sucesso alcançado com um total de 75 mil visitantes, este ano esperam-se dias de pura euforia nos espetáculos de palco e através das diversas animações e atividades disponíveis no recinto, garantindo a todas as crianças e aos seus familiares um dia muito especial repleto de alegria na presença das suas personagens preferidas.
 
Os bilhetes estão à venda, na Bilheteira Online e nos locais habituais com garantia de desconto até 31 de maio, ao preço de 18 euros para uma entrada individual e de 49 e 59 euros para pacotes familiares de três e quatro bilhetes, respetivamente. Mais informações em www.canalpanda.pt.
 
O Festival Panda é uma produção conjunta do Canal Panda e da Lemon Live Entertainment, especialmente preparada para todas as famílias com crianças entre os 2 e os 10 anos de idade, disponibilizando duas sessões separadas, uma de manhã, com início às 9h00, e outra à tarde, com início às 15h30, bem como áreas de recreio e locais com sombras e espaços sentados.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS:
PREÇOS
Até 31 de Maio:
Bilhete Individual: 18 €
Pack 3 bilhetes: 49 €
Pack 4 bilhetes: 59 €
 
A partir de 1 de Junho:
Bilhete Individual: 20 €
Pack 3 bilhetes: 55 €
Pack 4 bilhetes: 68 €
 
HORÁRIOS
Sessão da Manhã
Abertura das Portas – 09h00
Início dos Espectáculos – 10h30
Fim dos Espectáculos – 12h30
Encerramento do Recinto – 13h30
 
Sessão da Tarde
Abertura das Portas – 15h30
Início dos Espectáculos – 17h00
Fim dos Espectáculos – 19h00
Encerramento do Recinto – 20h00
 
NOTA:
No dia 5 de Julho no Parque dos Poetas, em Oeiras, realiza-se apenas a Sessão da Tarde.

Alex Page apresentam "Your Disorder" por várias Fnacs

Os Alex Page apresentam o seu álbum de estreia "Your Disorder" em várias Fnac's da grande Lisboa, sendo esta uma excelente oportunidade para se privar um pouco com a banda e se ficar a conhecer melhor todo o conceito por trás desta obra lançada a 11 de Janeiro deste ano.  

Alex Page Fnac 2019.png

"Your Disorder" conta com as participações de João Peste (Pop Dell'Arte),  Sofia Lisboa (Silence 4) , Tiago Flores (Corvos)Pedro Madeira (Alcoolémia)Victor de Sousa (actor), entre outros,  e é um trabalho conceptual que conjuga fortes influências pop com a música alternativa. Mais do que apenas música, esta obra faz-nos viajar por estados emocionais de "desordem" comuns a todos nós, num ou noutro momento da nossas vidas.  

Alex Page - Your Disorder (artwork).jpg

 

 
Este álbum foi gravado por José Pedro no Japestúdios, com produção de Cláudio Pinto e masterizado em Nova Iorque por Andy VanDette. Edição a cabo de Nebula Records, com a chancela da Sons da Frente.  

The Mik ao vivo [ fenómeno "Supposedly In Love" ]

The Mik apresenta "Bem Melhor" ao vivo

7 fev - Má Língua, Lisboa
8 fev - FNAC Alfragide
17 fev - FNAC Colombo
27 fev - Tokyo, Lisboa
9 mar - FNAC Cascais
10 mar - FNAC Oeiras
6 abr - Ler Devagar, Lisboa

The Mik é um músico natural, sentindo cada nota como deveria ser sentida.
Assombrado por memórias de relações complicadas, como um poeta, ele é capaz de transformar a tristeza e a agonia no êxtase melódico. The Mik é capaz de criar músicas emocionalmente poderosas como Falling, bem como obras-primas musicais mais enérgicas, como Supposedly In Love.
Ele canta sobre suas memórias românticas, sobre erros do passado, sobre a ignorância ingênua da juventude e vai ainda mais longe, cruzando a fronteira para a sátira e crítica social.

Teatro Imersivo em Oeiras

“A CEIA DO MARQUÊS”

Uma experiência cénica, gastronómica e histórica

no Palácio dos Aciprestes

 

image004.jpg

 

Depois do sucesso da primeira temporada, o Palácio dos Aciprestes vai voltar a receber “A Ceia do Marquês”, um espectáculo que apela aos cinco sentidos, por proporcionar uma experiência cénica, gastronómica e histórica, onde os espectadores assistem a uma sucessão de quadros teatrais inspirados na vida do Marquês de Pombal, enquanto se sentam à sua mesa, até dia 7 de dezembro.

 

A produtora “Cenas e Quê…” regressa com a segunda temporada de A Ceia do Marquês, um espectáculo que pretende transportar o público a 1777, numa jornada histórica e gastronómica.

 

A Ceia do Marquês é, acima de tudo, uma viagem. Uma viagem no tempo, até 1777, onde o público vai acompanhar momentos da vida do Marquês de Pombal – assentes em factos históricos – mas também à infância da mentora do projecto, Fátima Morais, que traz sabores, aromas e tradições de Trás-os-Montes para a mesa desta ceia.

 

À mesa, os espectadores vão poder provar algumas iguarias caseiras, como a bôla de alheira de Mondim de Basto, Paté do Conde, Bacalhau à Marquês e, para finalizar, o Pudim Pombalino.

 

Uma viagem pelo tempo, pelos sabores e pelos sentidos para (re)descobrir uma das mais incontornáveis figuras da nossa História, A Ceia do Marquês estará em cena nos dias 2, 9, 16, 23 e 30 de Novembro e 7 de dezembro às 21h00, no Palácio dos Aciprestes, em Linda-a-Velha. O bilhete para esta Ceia tem um valor de 35€ e reserva obrigatória através do e-mail cenaseque@gmail.com

 

A Ceia do Marquês M/12 anos Ideia Original de: Fátima Morais Texto: Liberto Luso Com: Adriana Rocha, Carlos Paiva, Carolina Dominguez, José Coelho e Tâmara Paiva Direcção de Actores: Carlos Paiva Produção: Cenas e Quê… Datas: 2, 9, 16, 23 e 30 de novembro e 7 de dezembro às 21h00 Bilhetes: 35€ (opção vegetariana disponível) Bilhete com desconto para grupos de 10 ou mais elementos: 30€ Reservas: cenaseque@gmail.com

 

 

 

 

Magia invade Oeiras

Francisco Mousinho apresenta espectáculo que vai para lá do simples ilusionismo

 

ARTÍFICE – A FRAUDE COM O ÁS DE OUROS

Novo espetáculo de Francisco Mousinho

 

primage_24780.png.jpg

 

Francisco Mousinho estreia um espectáculo que vai para além do simples ilusionismo. “Artífice – A Fraude Com o Ás de Ouros” conta, à volta da mesa de jogo, histórias e mitos arquivados ao longo dos séculos, revelados e tornados realidade. Em cena no Teatro Independente de Oeiras de 1 a 29 de Novembro, às 21h30.
 

Todos os jogos de cartas têm uma coisa em comum, ou se tem uma boa mão, ou se tem a habilidade de levar o adversário a fazer o que nós queremos. Francisco Mousinho tem isso tudo e muito mais em Artifice – A fraude com o Ás de Ouros, o espectáculo que vai estar em cena de às quintas-feiras de 1 a 29 de Novembro, no Teatro Independente de Oeiras.

Inspirado por um quadro do Século XVII (Le Tricheur à l’as Carreau, de George de La Tour), Francisco Mousinho regressa às origens e ao que o levou a apaixonar-se pela magia, as cartas. Todo o espectáculo gira à volta de um único baralho e do que a ilusão e a criatividade podem fazer com ele.

Recuperando o imaginário obscuro das mesas de jogo, o espectáculo é um bilhete de entrada para uma viagem apenas de ida, a este mundo subterrâneo de jogadores, cúmplices, espectadores e dos papeis que escolhemos nele representar. Porque todos temos algo em jogo. Todos somos o jogo, as cartas, os dados, as suas regras e as suas fraudes.  

O espectáculo, que levou mais de um ano a ser preparado por Francisco Mousinho, com o apoio criativo e direção do também mentalista Leandro Morgado. Foi testado, num local secreto de Lisboa, para uma plateia composta unicamente por ilusionistas e mentalistas experientes. Só conseguiram descobrir o segredo por detrás de um dos truques… esse truque foi retirado do espectáculo.

 

Artífice – A Fraude com o Ás de Ouros
Teatro Independente de Oeiras
Datas: 5ªs feiras de 1 a 29 de Novembro, às 21h30
Com: Francisco Mousinho
Direcção: Leandro Morgado
Concepção Artística – Francisco Mousinho e Leandro Morgado
Bilhetes: 12€
Reservas: bilheteira@teatrodeoeiras.com ou 214 406 878

O Festival Sete Sóis Sete Luas continua a encantar Oeiras

10374894_1657545957799829_1765110400784095392_n.jp

 

O Festival Sete Sois Sete Luas continua a sua programação em Oeiras, na Pólvora de Barcarena. Este ano, o programa apresentou novos eventos em uma tentativa de explorar outras formas de arte: a gastronomia, o circo e teatro de rua, sem nunca esquecer a música do mundo mediterrâneo e lusófono, pedra angular do festival.

 

Os artistas da rede cultural do festival animaram as noites quentes de verão em Oeiras com músicos de diferentes regiões do sul da Itália (Lavinia Mancusi, Tammorra, Mimmo Epifani) de Angola (Lúcia de Carvalho), Espanha (Roman Vicenti ) e duas orquestras multi culturais produções  originais  do Festival Sete Sóis Sete Luas: a Cunfrontos 7Sóis Band e a Estrelas 7Sóis.

 

No dia 10 de Agosto a Fábrica da Pólvora de Barcarena às 22h vai hospedar oRoman Vicenti, da Andaluzia (flamenco) e no dia 17 de Agosto Mimmo Epifani & the Barbers (Salento)

 

Roman Vicenti começou a tocar guitarra aos 7 anos de idade, pela mão de seu pai. 
Passando por grupos de dança e cantaores de Cádiz faz as suas primeiras tournée acompanhando grandes figuras de canto e dança flamenca. Com o célebre bailaor Farruquito, participa em vários sucessos, espetáculos como "Raíces flamencas", "Alma vieja" ou "Puro". Atualmente, Roman Vicenti é uma das figuras-chave da guitarra andaluza, capaz de criar harmonia entre todos os elementos artísticos sobre o palco e dar vida a performances incríveis, sugestivas e tocantes.

 

Virtuoso mandolinista e incrível front man, Mimmo Epifani apresenta um extraordinário repertório original ligado a instrumentos de corda como bandolim, mandola, mandoloncello e aos instrumentos étnicos utilizados nos salões de barbeiros de Salento (no sul da Itália).

Mimmo Epifani è considerado pela crítica um dos melhores artistas da música popular do sul da Itália, pelas suas improvisações com o mandolino, e pelas originais técnicas da mandola alla barbiere, técnica aprendida num salão de barbeiro da sua cidade, San Vito dei Normanni.

A musicalidade instintiva e profunda de Mimmo, ligada a raízes antigas, transformou-o num artista internacionalmente reconhecido.

A entrada è gratuita

26.º Festival Sete Sóis Sete Luas de volta à Fábrica da Pólvora, em Oeiras

MÚSICA, ARTE, GASTRONÓMIA, CIRCO  E TEATRO DE RUA

AFFICHE finale.jpeg

 

 

 

O Festival Sete Sóis Sete Luas (FSSSL) volta a animar, com muitas novidades, as noites de Verão na Fábrica da Pólvora de Barcarena, no concelho de Oeiras, entre 29 de junho e 17 de agosto.  Além de músicas do Mediterrâneo e do Mundo Lusófono, como tem sido tradição deste Festival, este ano há novidades, sendo incluídos no programa a gastronomia, a arte, o circo e o teatro de rua. continua a sua programação Sete Sóis Sete Luas com apontamentos semanais até 17 de Agosto. Cada sexta-feira está marcado um evento no sugestivo enquadramento  da Fabrica da Pólvora. Vão atuar neste surpreendente palco músicos de diferentes regiões do Sul de Itália (Lavinia Mancusi, Tammorra, Mimmo Epifani), da Angola (Lucia de Carvalho), da Espanha (Roman Vicenti) e duas orquestras multiculturais, produções originais do Festival Sete Sóis Sete Luas: a Cunfrontos 7Sóis Band (13 de Julho) e a Estrelas 7Sóis (27 de Julho).

O FSSSL arranca, no dia 29 de junho, com uma “Experiencia de sabores de Cabo verde e Marrocos”, que representa um importante momento de cooperação entre as cidades participantes no Festival, e que conta com a participação de cozinheiros representativos da diversidade cultural do Mediterrâneo. Vão participar a Chef SU, da ilha do Maio, em Cabo Verde e a chefe Nádia El Firqi, da cidade de Azemmour, em Marrocos. No mesmo dia, 29, tem lugar o “Atelier de Pintura”  para o qual foi convidado um dos mais consagrados pintores marroquinos, Abdelkarim Elazhar e que consistirá num laboratório de pintura para meninos e eventualmente também para adultos, dedicado ao tema do retrato. O artista criou a imagem para esta XXVI edição: uma pomba que cruza as ondas musicais do Mediterrâneo e do mundo lusófono ligadas por uma oliveira. Una síntese perfeita deste grande Festival que promove o dialogo de paz entre os povos.  Ainda na sexta-feira, 29 de junho, acontece “Triplette”: circo acrobático, um espetáculo totalmente novo que faz um tributo emocionante e pouco habitual ao circo dos loucos anos trinta.

No dia 30 de junho, a partir das 22:00, há “Nuite de Lumiére”- Teatro de rua com efeitos pirotécnicos, um espetáculo fascinante sobre a incrível história de iluminadores, domadores de fogo inigualáveis. O espetáculo, repleto de pirotecnia e grandes máquinas cénicas, transporta o público numa viagem mágica onde estruturas de luz, constelações, emergem em cada esquina e invade o espaço.

Os espetáculos musicais, que decorrem às sextas-feiras, às 22H00, abrem, no dia 6 de julho, com a violinista italiana Lavina Mancusi, que traz à Fábrica da Pólvora "música nômada". O seu espetáculo é uma viagem entre terras, línguas, dialetos e instrumentos que nascem das tradições do sul da Itália e se propagam por todo o Mediterrâneo.

Seguem-se em julho, no dia 13 “Cunfrontos 7Sóis” - Brasil, Cabo Verde, Espanha, França, Portugal, a 20, Lúcia de Carvalho – Angola e  dia 27, Estrelas Sete Sóis - Brasil, Grécia, e Portugal.

Em agosto, sobem ao palco Tammorra, da Sicília no  dia 3, Roman Vicenti, da Andaluzia (flamenco) no dia 10 e Mimmo Epifani & the Barbers (Salento) no dia 17 de agosto.

 

Informações:

Fábrica da Pólvora de Barcarena, Estrada das Fontainhas.

 

O programa pode ser alterado por motivos imprevistos.

 

Entrada gratuita, limitada aos lugares disponíveis.

26.º Festival Sete Sóis Sete Luas de volta à Fábrica da Pólvora, em Oeiras

d747b6c7-5d7f-47e1-915d-64cc61aeaa92.jpg

 

MÚSICA, ARTE, GASTRONÓMIA, CIRCO  E TEATRO DE RUA
26.º Festival Sete Sóis Sete Luas de volta à Fábrica da Pólvora, em Oeiras

674d3f15-6d47-47fe-82ef-00d2059d5f80.jpg

O Festival Sete Sóis Sete Luas (FSSSL) volta a animar, com muitas novidades, as noites de Verão na Fábrica da Pólvora de Barcarena, no concelho de Oeiras, entre 29 de junho e 17 de agosto.  Além de músicas do Mediterrâneo e do Mundo Lusófono, como tem sido tradição deste Festival, este ano há novidades, sendo incluídos no programa a gastronomia, a arte, o circo e o teatro de rua. continua a sua programação Sete Sóis Sete Luas com apontamentos semanais até 17 de Agosto. Cada sexta-feira está marcado um evento no sugestivo enquadramento  da Fabrica da Pólvora. Vão atuar neste surpreendente palco músicos de diferentes regiões do Sul de Itália (Lavinia Mancusi, Tammorra, Mimmo Epifani), da Angola (Lucia de Carvalho), da Espanha (Roman Vicenti) e duas orquestras multiculturais, produções originais do Festival Sete Sóis Sete Luas: a Cunfrontos 7Sóis Band (13 de Julho) e a Estrelas 7Sóis (27 de Julho).
O FSSSL arranca, no dia 29 de junho, com uma “Experiencia de sabores de Cabo verde e Marrocos”, que representa um importante momento de cooperação entre as cidades participantes no Festival, e que conta com a participação de cozinheiros representativos da diversidade cultural do Mediterrâneo. Vão participar a Chef SU, da ilha do Maio, em Cabo Verde e a chefe Nádia El Firqi, da cidade de Azemmour, em Marrocos. No mesmo dia, 29, tem lugar o “Atelier de Pintura”  para o qual foi convidado um dos mais consagrados pintores marroquinos, Abdelkarim Elazhar e que consistirá num laboratório de pintura para meninos e eventualmente também para adultos, dedicado ao tema do retrato. O artista criou a imagem para esta XXVI edição: uma pomba que cruza as ondas musicais do Mediterrâneo e do mundo lusófono ligadas por uma oliveira. Una síntese perfeita deste grande Festival que promove o dialogo de paz entre os povos.  Ainda na sexta-feira, 29 de junho, acontece “Triplette”: circo acrobático, um espetáculo totalmente novo que faz um tributo emocionante e pouco habitual ao circo dos loucos anos trinta.
No dia 30 de junho, a partir das 22:00, há “Nuite de Lumiére”- Teatro de rua com efeitos pirotécnicos, um espetáculo fascinante sobre a incrível história de iluminadores, domadores de fogo inigualáveis. O espetáculo, repleto de pirotecnia e grandes máquinas cénicas, transporta o público numa viagem mágica onde estruturas de luz, constelações, emergem em cada esquina e invade o espaço.
Os espetáculos musicais, que decorrem às sextas-feiras, às 22H00, abrem, no dia 6 de julho, com a violinista italiana Lavina Mancusi, que traz à Fábrica da Pólvora "música nômada". O seu espetáculo é uma viagem entre terras, línguas, dialetos e instrumentos que nascem das tradições do sul da Itália e se propagam por todo o Mediterrâneo.
Seguem-se em julho, no dia 13 “Cunfrontos 7Sóis” - Brasil, Cabo Verde, Espanha, França, Portugal, a 20, Lúcia de Carvalho – Angola e  dia 27, Estrelas Sete Sóis - Brasil, Grécia, e Portugal.
Em agosto, sobem ao palco Tammorra, da Sicília no  dia 3, Roman Vicenti, da Andaluzia (flamenco) no dia 10 e Mimmo Epifani & the Barbers (Salento) no dia 17 de agosto.
 
Informações:
Fábrica da Pólvora de Barcarena, Estrada das Fontainhas.
 
O programa pode ser alterado por motivos imprevistos.
 
Entrada gratuita, limitada aos lugares disponíveis.

AFFICHE finale.jpeg

 

FESTIVAL PANDA MAIS ECOLÓGICO

A dois dias do arranque em Viseu, Festival Panda apresenta novidades ecosustentáveis, lança app, divulga alinhamento e Meet&Greet com algumas estrelas do canal

image004.jpg

 

Cinco ecoconselhos divulgados nas várias plataformas digitais e projetados nos ecrãs do recinto; a realização de “Think Tanks”, pequenas palestras sobre ideias ecológicas para pôr em prática no Festival; a implementação do ecocopo; a separação de lixos e reciclagem no recinto, bem como a existência de água potável, são algumas das novidades que o canal anuncia, a dois dias do arranque da nova edição, que têm como objetivo transformá-la num evento ecossustentável e didático, fazendo desta grande festa um momento único de diversão e aprendizagem.

 

 

Encontro com Élmano Ricarte | Marchas Populares de Lisboa

image.png

 

No próximo dia 21 de Junho, em pleno solstício de Verão, venha assistir e participar numa conversa com ÉLMANO RICARTE sobre as Marchas Populares de Lisboa na Biblioteca Operária Oeirense (R. Cândido dos Reis, 119 – Oeiras).

Élmano Ricarte, nascido no município de Natal (Brasil), considera-se um cidadão iniversal. Vive, actualmente e de novo, em Lisboa. É investigador no CECC (Centro de Estudos de Comunicação e Cultura). Doutorando em Ciências da Comunicação na Faculdade de Ciências Humanas-Universidade Católica Portuguesa. Graduado em Comunicação Social habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN, com graduação sanduíche na Universidade Católica Portuguesa em Lisboa. Mestrado na linha de Pesquisa de Produção de Sentido do Programa de Pós-graduação de Estudos da Média da UFRN. Investigador do Grupo de Pesquisa - Imagem, Comunicação, Cultura e Sociedade, IMACCUS, e do Grupo de Pesquisa - Pragmática da Comunicação e da Média, PRAGMA, ambos da UFRN. Integrante do Grupo de Estudos BOAVENTURA - CCHLA/UFRN, em convênio com a Universidade de Coimbra-Portugal. Membro da Rede de Pesquisadores em Folk comunicação - Rede FOLKCOM. Tem experiência na área de Comunicação Social em Assessoria de Comunicação. Foi repórter correspondente em Portugal para a Revista Deguste.

As pesquisas no âmbito do seu doutoramento incidem sobre os estudos da mediatização, em particular o relacionamento dos vários sectores socioculturais com os Media.

No quadro dessas pesquisas insere-se a que tem vindo a desenvolver sobre as Marchas populares de Lisboa - modos de vida dos bairros, etc.  - com os novos Media e as novas tecnologias.

 

Marcamos já encontro para o próximo mês exactamente um mês depois, a 21 de Julho à mesma hora com Raquel Varela, historiadora, Investigadora e professora universitária