Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Oficina "Ler dentro e fora da Caisha" por Paulo Condessa na Biblioteca de Loulé

Paulo Condessa.jpg

 

A Biblioteca Municipal de Loulé irá receber no próximo dia 15 de junho, sábado, a Oficina “Ler dentro e fora da Caisha”, coordenada por Paulo Condessa, destinada ao público adulto, com a duração de 6 horas.

Esta oficina tem como objetivo desformatar as atitudes e os procedimentos de leitura habituais. Com base numa história sobre etiquetas, preconceitos e liberdade interior, são praticados diversos jogos-exercícios individuais e em grupo.

Escrita criativa, leitura sensorial, imaginação sensível, desprogramação operacional são conceitos transversais ao trabalho de Paulo Condessa que também sustentam esta atividade que pretende preparar o terreno para desenvolver a inteligência criativa dos participantes.

Esta iniciativa realiza-se das 10h00 às 13h00 e das14h00 às 17h00.

É necessária inscrição através do email biblioteca@cm-loule.pt ou telefone 289 400 850. As vagas são limitadas e a entrada gratuita. Confere-se diploma de participação.

 

CML/GAP /RP

De pequenino se descobre o Oriente | Sugestões para crianças até aos 12 anos, em Junho

 

conversapeças_porcelana.jpg

 

Uma viagem pelas fascinantes culturas e tradições asiáticas, com paragens obrigatórias na Índia, China e Japão, em divertidas actividades pensadas para juntar crianças e adultos em torno das peças do museu, é a sugestão do Museu do Oriente para os fins-de-semana do mês de Junho.

 

O fim-de-semana de 15 e 16 de Junho, vai deixar as famílias com as emoções “à flor da pele” nas oficinas “Contente ou Rezingão?” e “Eles andam aí!”. A primeira, dirigida a crianças entre os 3 e os 5 anos, realiza-se no sábado, às 11.30, e é um divertido exercício em família em torno da expressividade e das emoções. Já no domingo, a partir das 11.30, é durante uma visita performativa que os participantes vão ser surpreendidos, em pleno Museu, por um samurai e por São Francisco Xavier. Entre exclamações e sorrisos, sustos e surpresas, esta é a oportunidade perfeita para perguntarem tudo o que sempre quiseram às figuras que habitam o Museu do Oriente e que, neste dia, ganham vida.

 

A 22 de Junho, sábado, o Museu do Oriente celebra dois importantes momentos do calendário chinês e japonês: o Festival dos Barcos Dragão e o Festival das Estrelas.

 

Numa oficina dirigida a famílias, com início às 11.00, é dada a conhecer a história que está na origem da tradição milenar chinesa que acontece no quinto dia do quinto mês e que marca o início do Verão: o Festival dos Barcos Dragão. Para se prepararem, pais e filhos vão aprender a construir o seu próprio barco para, de seguida, o decorarem em conjunto.

 

Da parte da tarde, a partir das 15.00, é o Japão o país a visitar, com o Tanabata – o Festival das Estrelas. Diz a lenda que, no sétimo dia do sétimo mês, duas estrelas apaixonadas se voltam a encontrar, por apenas uma noite, para só no ano seguinte se poderem ver novamente. Nessa noite, no Japão, desejos e pedidos dançam ao vento em papéis coloridos, na esperança que as duas estrelas os concedam. Nesta oficina, crianças entre os 7 e os 12 anos vão aprender mais sobre estas tradições do país do Sol Nascente e dar largas à sua imaginação.

 

A última paragem deste itinerário acontece no domingo, dia 30, com a oficina “No Museu me oriento com quase todos os sentidos…”. A partir das 11.00, miúdos e graúdos são convidados a explorar um objecto através do toque, do som, do cheiro e de todas as histórias que sobre ele escutarão. Será que o conseguem compreender sem o verem?

 

Oficina “Vou Viajar”

Primeiros Passos

8 ou 18 de Junho

Sábado | 11.30-12.00

Terça-feira | 11.00-11.30
Público-alvo: bebés dos 12 aos 36 meses, acompanhados por um adulto 
Preço: 4 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes mín. 10, máx. 20

 

Oficina “Em conversa com as peças! – Porcelana de Encomenda”

9 de Junho, domingo

Horário: 11.30-12.00

Público-alvo: 6-10 anos

Preço: 4 €/ participante

Participantes: mín. 10, máx. 12

 

Oficina “Contente ou Rezingão?”

Primeiras Descobertas

15 de Junho, sábado

Horário: 11.30-12.30

Público-alvo: 3-5 anos, acompanhadas por um adulto

Preço: 4 €/ participante

Participantes: mín. 10, máx. 20

 

Visita performativa “Eles andam aí”

16 de Junho, domingo

Horário: 11.30-12.30

Público-alvo: famílias com crianças M/5 anos

Preço: 6 €/ participante

Participantes: mín. 12, máx. 26

 

O Festival dos Barcos Dragão

Sábados em Família

22 de Junho, sábado

Horário: 11.00-12.30

Público-alvo: famílias com crianças M/ 5 anos

Preço: 4 €/ participante

Participantes: mín. 10, máx. 24

 

Tanabata – o Festival das Estrelas

Sábados em Oficina

22 de Junho, sábado

Horário: 15.00-17.00

Público-alvo: 7-12 anos

Preço: 5 €/ participantes

Participantes: mín. 8, máx. 15

 

Oficina “No Museu me oriento com quase todos os sentidos…”

30 de Junho, domingo

Horário: 11.00-12.00

Público-alvo: famílias (crianças M/ 7 anos)

Preço: 5 €/ participante

Participantes: mín. 15, máx. 20

 

 

www.museudooriente.pt

CoolWool Covilhã || Oficinas criativas

Coolwool-WorkshopFotografia.jpg

 

No dia 1 de Junho, no âmbito do CoolWool, convidam-se pais e filhos a (re)descobrirem o New Hand Lab, numa experiência imersiva no dia Mundial da Criança. Como um dos exemplos de património industrial da Covilhã, esta é uma oportunidade de contemplar o espólio material e imaterial da Fábrica António Estrela I Júlio Afonso (fábrica que acolhe o coletivo New Hand Lab), com a orientação do fotógrafo João Pedro Silva.

Presentes aromáticos num Natal a Oriente | Oficinas de férias escolares dos 7-12 anos

Orikata.jpg

 

Gengibre, canela e cravinho são os protagonistas da oficina “Presentes Aromáticos!” que, de 17 a 21 de Dezembro, ocupa as manhãs dos mais jovens, entre os 7 e os 12 anos, durante a pausa lectiva do Natal.

 

Numa viagem pelo Oriente através das especiarias, suas histórias e características, com passagem pelas colecções do Museu, os participantes são desafiados a confecionar deliciosas e aromáticas bolachas de várias formas, para oferecer a amigos e parentes.

 

Como nenhum presente fica completo sem uma embalagem à altura, partimos da tradição japonesa do orikata para criar embrulhos cheios de significado. Pondo a criatividade à prova, combinaremos papéis, dobragens e enfeites coloridos para um resultado final que vai impressionar. Finalmente, e para acompanhar o presente, é num cartão com apontamentos de origami que expressaremos os desejos de feliz Natal.

 

“Presentes Aromáticos!” – Oficina de Férias de Natal

17 a 21 de Dezembro

Horário: 10.00-12.30

(com possibilidade de receber participantes às 9.30; tolerância até às 13.00)

Público-alvo: 7-12 anos

Preço: 10 €/ manhã

Participantes: mín. 4, máx. 10

Em Novembro, os fins-de-semana são a Oriente | Oficinas para crianças até aos 12 anos

Oficinas para crianças até aos 12 anos

 

Em Novembro, os fins-de-semana são a Oriente

 

Museu do Oriente.jpg.png

 

Os fins-de-semana de Novembro são repletos de diversão no Museu do Oriente, com as oficinas do Serviço Educativo que convidam pais e filhos a descobrir outras culturas e tradições através da dramatização de histórias e lendas, a criação de origamis e furoshikis, e a descoberta de um vasto espólio dedicado à Ásia.

 

No primeiro sábado do mês, 3 de Novembro, a oficina “Vou Viajar!” desperta os sentidos a partir de um Biombo Namban, transportando os participantes para terras distantes onde vão poder escutar novos sons e viver experiências mágicas com os seus bebés até aos 12 meses. A actividade repete no dia 20.

 

No domingo, dia 4, a história de “Amaterasu ou eclipse solar?” ganha vida numa oficina que conjuga lendas milenares com artes manuais, dedicada a famílias com crianças maiores de cinco anos.

 

Uma oficina táctil de exploração e invenção, para testar movimentos e a destreza das mãos e dedos é a sugestão de “Papelada”, no dia 10 de Novembro, para bebés entre os 12-36 meses que, por entre papéis coloridos, brilhantes, opacos, transparentes, macios e ásperos, vão descobrir novos sons e estímulos.

 

No dia seguinte, o Biombo Namban é o protagonista da oficina “Em conversa com as peças!”, para crianças com mais de seis anos que, através da observação e da argumentação, vão aprender como se desenvolveram as trocas culturais entre Portugal e o Japão.

 

Dedicada a famílias com crianças entre os três e os cinco anos, a oficina “Primeiras Descobertas”, no dia 17 de Novembro, ensina uma prática japonesa amiga do ambiente: o furoshiki. Os pequenos artesãos vão aprender a pintar os tecidos, para depois criarem os seus próprios exemplares destes pedaços de tecido de algodão que servem para transportar e embrulhar outros objectos

 

Uma visita performativa ao Museu do Oriente é a sugestão para domingo, 18 de Novembro. Em “Folheando o Oriente!”, figuras de escritores juntam-se aos participantes para uma visita inesquecível por meio de objectos, palavras e testemunhos.

 

O último sábado do mês, 24 de Novembro, revela “Kamon!? O que é?” a famílias com crianças a partir dos cinco anos que, assim, vão descobrir as origens de uma família japonesa e construir o seu próprio mon (ou brasão).

 

Neste mesmo dia, mas da parte da tarde, “Afinal o que é a beleza?” dá a conhecer a filosofia japonesa Wabi Sabi que crê na beleza em tudo o que é simples e imperfeito. Após uma visita às galerias do museu, os participantes entre os 7 e os 12 anos podem dar asas à imaginação e reproduzir, em trabalhos manuais, os conceitos aprendidos.

 

Oficina “Vou Viajar!”

3 ou 20 de Novembro

3 de Novembro | 11.30-12.15

20 de Novembro | 11.00-11.45

Público-alvo: bebés até aos 12 meses, acompanhados por um ou dois adultos

Preço: 4 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: mín. 10, máx. 20

 

Oficina “Amaterasu ou eclipse solar?”

Histórias com…

4 de Novembro

Horário: 11.00-12.30

Público-alvo: M/ 5 anos acompanhados por um adulto

Preço: 6 €/ participante

Participantes: mín. 12, máx. 20

 

Oficina “Papelada”

10 ou 27 de Novembro

10 de Novembro | 11.30-12.00

27 de Novembro | 11.00-11.30

Público-alvo: bebés 12-36 meses, acompanhados por um adulto

Preço: 4 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: mín. 10, máx. 20

 

Oficina “Em conversa com as peças!” – Biombo Namban

11 de Novembro

Horário: 11.30-12.00

Público-alvo: M/ 6 anos

Preço: 4 €

Participantes: mín. 10, máx. 12

 

Oficinas “Primeiras Descobertas” – Furoshiki

17 de Novembro

Horário: 11.30-12.30

Público-alvo: 3-5 anos, acompanhadas por um adulto

Preço: 4 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: mín. 10, máx. 20

 

Visitas performativas – “Folheando o Oriente!”

18 de Novembro

Horário: 11.30-12.30

Público-alvo: M/ 5 anos acompanhados por um adulto

Preço: 6 €/ participante

Participantes: mín. 20, máx. 26

 

Oficina “Kamon?! O que é?”

24 de Novembro

Horário: 11.00-12.30

Público-alvo: famílias com crianças M/ 5 anos

Preço: 4 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: mín. 10, máx. 24

 

Oficina “Afinal o que é a beleza?”

Sábados em Oficina

Horário: 15.00-17.00

Público-alvo: 7-12 anos

Preço: 5 €/ participante

Participantes: mín. 8, máx. 15

 

Casa do Coreto - Novembro 2018

image003.jpg

 

NOVEMBRO 2018

Casa do Coreto

  1. Neves Costa, 45 Carnide 1600-532 Lisboa

Reservas: 938018777 | 966046448 

 

 

 

image013.jpg

 

CABARÉ EFÉMERO

3, 4 Novembro

Sábado 21h30

Domingo 19h00

M/12 Teatro

60’

 

Uma improvisação contínua

Após experiência de 30 anos como palhaço, Ricardo Puccetti resolveu se colocar no desafio absoluto de criar, com o público, um espetáculo totalmente baseado na livre improvisação.

O palhaço, com seu corpo brincante e sua mente ao avesso, é como uma panela de pressão cheia de pipocas. Seus impulsos vivos e pulsantes explodem para todos os lados e, junto com seus aliados da plateia, ele dá forma a seu universo lúdico no aqui e agora.

Durante três mil segundos ininterruptos, em um ambiente cheio de objetos, idéias e provocações, o palhaço Teotônio (Ricardo Puccetti) improvisa e coloca-se em risco. Com seu olhar imprevisível, ele traz o público para o seu mundo caótico e improvável. As dramaturgias vão se materializando a partir do encontro palhaço/objeto/público e das relações e situações inusitadas que nascem dessa conversa.

Cabaré Efêmero é o ofício do palhaço radicalizado à sua potência máxima: o humano que brota do diálogo vida a vida, a comunhão do riso e do estar juntos como o território a ser buscado.

Ministério da Bobagem adverte: “este não é um espetáculo convencional, e tudo pode acontecer, inclusive nada!”

 

Criação e Interpretação Ricardo Puccetti   Design Gráfico Arthur Amaral  Assessoria de Comunicação Marina Franco  Produção Lume Teatro

 

 

 

image014.jpg

 

Oficina UM PONTO QUE DANÇA

5, 6 Novembro

Seg, Ter 10h30 e 14h00 (escolas)

M/3 aos 10 anos | Dança

60’


“Lembro-me de viver numa ilha um ponto, no meio do mar.” É assim que começa a história do livro *Um Ponto que Dança*, uma história que acompanha o movimento da vida desse ponto: conta as suas danças de pequeno até adulto, os desafios para encontrar um lugar no mundo e, finalmente, a sua liberdade. Na verdade, esta história é a de uma criança que ao crescer até a idade adulta imagina-se um ponto ligado a tudo à sua volta por entre outros mil pontos.

 

Através do livro *Um Ponto que Dança*, esta oficina de Sara Anjo trabalha a imensidão do movimento, desde os mais pequenos e quase invisíveis, como o piscar de olhos ou o dobrar do dedo mindinho, até aos enormes, como o movimento das nuvens no céu, ou o trânsito rápido e veloz dos carros na rua. A oficina procura, assim, um espaço de atenção à dança, de atenção ao que acontece no corpo e no mundo à nossa volta.

Criação e orientação Sara Anjo Espaço Cénico Martina Manyà Desenho de Som Artur Pispalhas

 

 

 

image015.jpg

 

Oficina LUA EM BREVE 

Jazz em Dó

10 Novembro

Jazz em Ré

17 Novembro

Jazz em Mi

24 Novembro

Sábados 16h00

Para Todos  Oficina/Música

30’


Lua em Breve é um trabalho de oficina na área da primeira infância, com uma grande base musical e que pretende explorar os estímulos sensoriais e musicais do bebé. As aulas terão uma duração prevista de 30 minutos e o bebé terá sempre de ser acompanhado por um adulto que participará com ele na oficina. O ritmo, a melodia, a forma e a dinâmica musical, conjugados com elementos cénicos, serão a base desta Lua em Breve, onde a arte é o berço para o crescimento emocional da criança.

 

Com Sandra José e Mafalda Marvão

 

 

 

image016.jpg

 

JAZZYABABUM

11, 18, 25 Novembro

Domingos 11h30

29 Novembro, Quinta às 10h30 (Escolas)

Para todos Música | Teatro

40’

 

Um projeto para a primeira infância com uma grande componente musical, onde será desenvolvido um primeiro contato com a música JAZZ.

Os bebés, através do movimento, padrões rítmicos e melódicos, cor e texturas, serão guiados por estímulos improvisados de livre interpretação. O palco é a plateia e a plateia é o palco. Viver o Jazz é viver a liberdade, onde as crianças são pautas musicais de si mesmas. Por isso num “YA” sentem a magia de ser livre, num “BA” querem cantar os mundos e num “BUM” pintam o futuro num baloiço de cores vivas. Jazzyababum é um improviso com que se nasce e um batimento irregular do que é a vida. Improvisar o que somos é construir o que seremos.

 

Criação: Sandra José  Interpretação: Mafalda Rodrigues Marvão e Sandra José  Música “YaBaBum”: Carolina Picoito Pinto  Design, Imagem: Hugo Merino Ferraz  Arranjos musicais: Pedro Güerne

 

 

 

image017.jpg

 

SUBSOLO

23, 24 Novembro

Sex, Sáb 21h30

M/16  Teatro

75’


A guerra não passa de um Aquário cheio de corpos, que estão limitados por um espaço, onde a única forma de sobreviver é também a única forma de morrer. Os que detém o poder dominam os movimentos das águas consoante o que mais lhes aprouver. E assim sendo, estes corpos não passam de meras saquetas incómodas e poluídas, que um dia pensaram ser humanos. Chamamos humanos aos que desumanizam aqueles que eram tão humanos como nós. E chamamo-nos o quê a nós que não desumanizamos nem somos humanos? Somos os vigilantes silenciosos, os assassinos escondidos, os monstros que assistem, e residem, sentados confortavelmente nos nossos lares, enquanto contribuímos para a destruição do mundo sem fazer nada. Saramago dizia, “se puderes olhar vê, se puderes ver, repara”, nós dizemos, se puderes olhar vê, se puderes ver, age.   

 

Texto, Direcção e Interpretação Carolina Figueiredo e Mafalda Mósca  Apoio Técnico André Madruga e José Santos  Cenografia Carolina Figueiredo, Júlio Almas e Mafalda Mósca  Voz: Tiago Carrasco Operação de Luz e Som: André Madruga  Edição de Vídeo Samir lx connct  Apoio à Produção Lua Cheia e Departamento de Artes Cénicas, Universidade de Évora Produção Teatro Efémero 

 

 

 

ACTIVIDADES PERMANENTES NA CASA DO CORETO

 

CLUBE ZEN

Terças 18h00às 19h00

M/6 aos 12 anos  Oficina

60’

 

O Clube Zen é um espaço onde as atividades são completamente diferentes das da escola e das AEC, um espaço de descanso, relaxamento, ponderação e reflexão. Atividades desenvolvidas: - Relaxamento - Massagem - Yoga e Pilates (exercícios simples) - Meditação - Jogos e conversas sobre vários temas, onde se incluem as emoções, os medos, entre outros - Exercícios que promovam a imaginação e a criatividade

 

Formadora: Margarida Barata

Nasceu em Lisboa há 39 anos. Licenciada em Teatro, tem vindo a trabalhar na área como atriz e encenadora de espetáculos para a infância e como professora de Expressão Dramática para crianças e jovens. O trabalho contínuo com crianças aproximou-a de outras áreas e formações como o Curso de Facilitador de Meditação Infantil com a Myogui, o Workshop Necessidades Educativas Especiais com o Espaço Pegadas, a prática de Reiki com os mestres João Timóteo e Ana Gil e aulas de Hatha Yoga e Natha Yoga.

 

 

Teatro & Comunidade

Terças 19h00 às 20h30

M/12  Oficina

90’

 

SELFIETELLING

Quartas 18h30 às 20h30

M/16  Oficina

90’


Todos temos pequenas e grandes estórias dentro de nós.

selfietelling proporciona os momentos para essa descoberta e partilha.

Atelier centrado na técnica de storytelling aplicada a estórias pessoais e verídicas, é um convite para resgatar e escutar as "estórias que mais nos contam".

O processo  culminará com uma apresentação pública e a gravação das estórias trabalhadas no atelier. 

 

Trabalho acompanhado e dirigido por Fátima Freitas (formadora/escritora) e Pedro Górgia (actor). 

 

AULAS DE TEATRO

Sábados 11h00 ao 12h30

M/6 aos 10 anos  Oficina

90’

 

Teatro para gente pequena

 

Professor Vicente Morais

Leciona Expressão Dramática Curricular no Externato Marista de Lisboa desde 2004; tem lecionado em diversos espaços de Lisboa (Sociedade Guilherme Cossoul, Akidsmia, Colégio Oriente, etc).

 

Casa da Memória de Guimarães celebra 2º aniversário a 25 de abril

2º aniversário da Casa da Memória de Guimarães assinala-se a 25 de abril com programação com entrada livre ao longo de todo o dia

 

97D81332-BD49-49A4-958A-ED197BBC7E79.png

 

 

 

No simbólico mês da liberdade, a Casa da Memória de Guimarães (CDMG) celebra o seu 2º aniversário de portas abertas a todos quantos queiram conhecer os cantos da Casa. No próximo dia 25 celebra-se para lembrar que a Casa da Memória está aberta ao mundo há dois anos e prossegue o seu caminho como espaço de lembrança, de inclusão e tolerância, de conhecimento e partilha, de pluralidade e diversidade. É desta forma que a CDMG se posiciona no território a que pertence e na comunidade que serve. É assim desde a sua abertura, assim promete continuar no ano que há de vir.

 

Neste dia comemorativo, a Casa da Memória propõe ao público uma série de atividades com entrada livre que promovem a experimentação, a visita, o intercâmbio e, claro, a memória. Com atividades em modo contínuo, durante a manhã e a tarde, a Casa oferece um vasto programa de visitas e oficinas (10h00-13h00 e 14h00-18h00) que estimula a descoberta, a pertença e a participação. Dos bordados à expressão plástica, da olaria ao movimento, da cozinha à música, da fotografia à narração. A entrada é livre e para todas as idades. O programa de visitas e oficinas disponíveis ao longo deste dia pode ser consultado em www.casadamemoria.pt.

 

Às 15h00 terá lugar uma conversa que tem como mote a pergunta “Onde estava no 25 de abril de 1974?”, juntando o público às convidadas Ana Maria Lopes, Joaquina Campos, Manuela Juncal, Milice Ribeiro dos Santos e Rosa Guimarães, numa conversa participada pela assistência e moderada por Matilde Seabra. A pergunta ficou célebre na caricatura de Herman José a Baptista Bastos. Agora, é tempo de lhe dar resposta na Casa, derivando do plano do humor para o vasto campo da memória. Onde estávamos a 25 de abril de 1974? O que fazíamos? O que lembramos? Pelo segundo ano consecutivo na CDMG, este encontro coletivo na sala do Repositório recebe memórias de um dia inesquecível.

 

As atividades deste dia incluem também a projeção do filme “Toute La Mémoire du Monde” (Alain Resnais, 1956, 21 min.). Apresentado por Eduardo Brito, o filme “Toda a Memória do Mundo” é tanto um olhar sobre o funcionamento interno da Bibliothèque Nationale de France em Paris como uma peça meditativa sobre a fragilidade da memória humana e as formas pelas quais tentamos fortalecê-la.

 

Volvidos dois anos desde a sua inauguração, a Casa da Memória projeta o futuro assegurando continuar, na sua exposição permanente, a receber interpretações do indivíduo ao grupo, da oficina à visita guiada; continuar com as suas atividades de mediação destinadas a todas as idades, continuar com o seu Repositório não só como espaço de reflexão e de lembrança (seja pelo acolhimento de debates, conferências e conversas, seja pela disponibilização em intranet e internet de acervos), mas também como lugar de onde saem projetos de investigação que unem a memória, nas suas múltiplas formas a Guimarães. O terceiro ano da CDMG promete acolher edições em torno da fotografia de e em Guimarães, bem como investigações sobre árvores-memória e à volta de uma certa marginália do Concelho.

 

Recordamos que a Casa da Memória se encontra aberta de terça a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita. A programação pode ser consultada em www.casadamemoria.pt.

Cinema e actividades para crianças no Palácio Pimenta - Museu de Lisboa

lnr17-ecards-email-cinevisita.jpg

 

Cinema e actividades para crianças no Palácio Pimenta - Museu de Lisboa
 
As próximas sessões da mostra Cinecidade são dedicadas às famílias, incluindo uma visita à exposição Do Carnaval à Luta Livre. Máscaras e Devoções Mexicanas. Os pais e acompanhantes poderão ver os filmes ao mesmo tempo que as crianças descobrem a cultura popular mexicana e participam também numa oficina na qual poderão criar a sua própria máscara.
 
A exposição  Do Carnaval à Luta Livre. Máscaras e Devoções Mexicanas dá a conhecer cerca de 250 máscaras, feitas nos séculos XX e XXI, além de revistas de banda desenhada, vídeos, pósteres e fotografias de lucha libre, oferecendo uma extraordinária visão do imaginário mexicano, muito apelativa para o público mais jovem. Marcação através do email servicoeducativo@museudelisboa.pt
 
Estas visitas e oficinas acontecem durante as seguintes sessões:
16 de Setembro ~ O Quinto Elemento, de Luc Besson (das 21h30 às 23h30)
30 de Setembro ~ Dark City, de Alex Proyas (das 21h30 às 23h10)
 
Integrado na mostra Cinecidade, programada pela IndieLisboa, será ainda apresentado o filme Akira, de Katsuhiro Otomo no dia 23 de Setembro, às 21h30.
 

AbrilhArte

Abrilharte2.png

 

A Sala de Estudo da Biblioteca Municipal recebe, no dia 8 de abril, pelas 11h00, a Oficina Musical “AbrilhArte”, pelo músico Hugo Botelho e o animador Sociocultural Marco Gomes.

Trata-se deuma atividade direcionada para o público infantil, que tem como principais ferramentas de trabalho a Representação, a Música e a Poesia, estas são utilizadas de forma lúdica e pedagógica.Sendo esta uma atividade a realizar no mês de abril, queremos também que seja uma experiência informativa e vivencial - Abril o mês da Revolução. É importante que as crianças saibam o que foi a vida do nosso Povo antes da Revolução do Cravos.


Faixa etária: a partir dos 5 anos

Duração: cerca de 1 hora

Limite de inscrições: 15 crianças e um adulto

Inscrições: 212068659

OFICINA DE MÁSCARAS “CARNAVAL DE CARNAVALES” NA CAL

image.png

 

A Casa da América Latina organiza o “Carnaval de Carnavales”, no próximo dia 18 de fevereiro, entre as 15h00 e as 18h00. O objetivo é dar a conhecer as diferentes celebrações de Carnaval que existem na América Latina, valorizando a sua riqueza e a diversidade das suas tradições e expressões culturais. Em destaque vão estar o Carnaval de Barranquilla (Colômbia) e o Teatro Danzante de Cocolo do Carnaval de San Pedro de Macorís (República Dominicana).

A iniciativa, orientada para famílias, será dinamizada pela colombiana Débora González de Merali com o apoio de Filipa Guerra (que estará presente com uma bancada de face-painting para crianças) e conta com a participação da Embaixada da Colômbia e da Embaixada da República Dominicana, a propósito das comemorações do “Mês da Pátria”.

Ao longo da tarde, serão apresentados documentários sobre carnavais latino-americanos, bem como alguma música tradicional desta época. Paralelamente, irá decorrer uma oficina de máscaras de Carnaval destinada a famílias e crianças a partir dos 6 anos.

O custo de inscrição nesta oficina é de 5€ por família (independentemente do número de membros) e servirá para a aquisição de materiais necessários ao desenvolvimento da atividade.

As inscrições devem ser feitas através do email asilva@casamericalatina.pt e o pagamento deverá ser efetuado no dia da atividade.