Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

“Palavras na Nossa Terra” encerra 2019 com sessão de poesia de Natal

Palavras na Nossa Terra.jpg

 

O projeto de poesia “Palavras na Nossa Terra” termina 2019 em festa, com uma sessão de poesia de Natal, a 20 de dezembro, às 21h00, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo. A sessão vai contar com a presença do cantor Samuel, que vai animar a noite com as suas canções.

Nascido na Malveira, em 1952, Samuel mudou-se cedo com a família para Setúbal, onde conheceu José Afonso, que o incentivou a gravar o seu primeiro disco, “O Cantigueiro”, em 1972. Para além dos vários discos a solo e das participações em álbuns coletivos, ao lado de grandes nomes da música portuguesa, destacam-se também as suas participações no Festival RTP da Canção e a autoria do tema principal da telenovela “Vila Faia”, em 1982.

Desenvolvido pela Câmara Municipal de Palmela desde 2015, este projeto, mais do que divulgar o trabalho das/os poetisas/poetas nacionais, que tanto enriqueceram a língua portuguesa, tem procurado inspirar as/os amantes da poesia do concelho, incentivando a escrita, a divulgação e a partilha de novas criações literárias, através dos encontros de poesia realizados mensalmente na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo. Ao longo deste ano, foram evocadas/os poetisas/poetas como Almeida Garrett, Antero de Quental, Manuel António Pina, Jorge de Sena, Alexandre O’Neill, Luíza Neto Jorge, Ana Hatherly e Vasco Graça Moura.

 

“Palavras na Nossa Terra” recorda poesia de Vasco Graça Moura

Biblioteca Municipal de Pinhal Novo.jpg

 

 

A próxima Sessão de Poesia “Palavras na Nossa Terra”, marcada para 29 de novembro, às 21h00, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo vai evocar o poeta Vasco Graça Moura.

Personagem polifacetada da vida cultural portuguesa, Vasco Graça Moura (1942-2014) foi poeta, romancista, ensaísta, tradutor, secretário de Estado, diretor na RTP, na Imprensa Nacional e na Comissão para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses e deputado no Parlamento Europeu.

Em 1996, a sua obra foi reunida em volume. Dos títulos do autor, destacam-se “Concerto Campestre”, os romances “Quatro Últimas Canções” (1987) e “Meu Amor Era de Noite” (2001) e os livros de poesia “Uma Carta no Inverno”, que lhe valeu o prémio da Associação Portuguesa de Escritores, e “Poemas com Pessoas” (ambos de 1997). Recebeu o Prémio Pessoa, em 1995, e a medalha de ouro da Comuna de Florença, em 1998, ambos atribuídos à sua tradução da “Divina Comédia”, de Dante.

A participação nestes encontros de poesia, que decorrem uma vez por mês, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo, é livre e aberta a todas as pessoas que gostem de ouvir, escrever, ler ou declamar poesia.

 

 

Laboratório Poético

Isaque Ferreira.jpg

 

Arrancam este sábado, 18 de maio, pelas 15 horas, os trabalhos do primeiro Laboratório Poético - Oficina de Poesia Performativa, criado no âmbito do Plano Municipal de Leitura (PML) de Matosinhos. Para além adquirirem e desenvolverem técnicas de colocação de voz e de leitura pública, os participantes poderão passar a integrar as sessões da Poesia Maldita, que, no âmbito do PLM, têm levado o assombro das palavras a lugares inusitados do concelho.

 

Dividido em três sessões, o Laboratório Poético de Matosinhos terá como casa a Biblioteca Municipal Florbela Espanca, sendo oficiado pelos declamadores Isaque Ferreira (na foto em anexo) e Rui Spranger, intérpretes habituais de eventos como as Quintas de Leitura do Teatro do Campo Alegre ou as quase míticas noites de poesia do Pinguim Café.

A participação no Laboratório Poético - Oficina de Poesia Performativa é gratuita e limitada a 20 participantes, devendo a inscrição (obrigatória) ser feita através do link https://forms.gle/UVQs4zp7aLrpWVet9.

 

Durante o curso serão propostos exercícios de dinâmica de grupo, de respiração e colocação de voz, de confiança e desinibição, sendo igualmente trabalhada a noção de espaço e a improvisação de leituras em voz alta. No final do curso, no dia 25 de maio, os participantes tomarão parte num recital no Mercado Municipal de Matosinhos, na companhia dos diseurs titulares, João Rios, Isaque Ferreira e Rui Spranger.

 

Criado em 2015, o Plano Municipal de Leitura de Matosinhos foi concebido para promover e disseminar os hábitos de leitura entre os matosinhenses de todas as faixas etárias e extratos sociais, constituindo uma estratégia integrada de promoção do livro e da leitura. Engloba um vasto conjunto de iniciativas, como encontros com autores e workshops de leitura e escrita criativa nas escolas e instituições do concelho, sessões inesperadas de poesia em espaços públicos, tertúlias poéticas e lançamentos de livros.

Encontro de poesia “Palavras na Nossa Terra” homenageia Manuel António Pina

Biblioteca Pinhal Novo.jpg

 

O próximo encontro de poesia “Palavras na Nossa Terra” realiza-se no dia 29 de março, às 21h00, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo, e vai homenagear Manuel António Pina.

 

Jornalista e escritor, Manuel António Pina nasceu em 1943, no Sabugal e faleceu em outubro de 2012, no Porto. Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, em 1971, exerceu advocacia, foi técnico de publicidade e jornalista no Jornal de Notícias, onde foi editor. A sua colaboração nos media abrangeu também a rádio e a televisão.

 

Autor de livros para a infância e juventude e de textos poéticos, a sua obra apresenta uma grande coesão estrutural e reflete uma grande criatividade. Afirmou-se como uma das mais originais vozes poéticas na expressão pós-pessoana da fragmentação do eu. Transmissora de valores, muita da sua obra infantil e juvenil é selecionada para fazer parte dos manuais escolares, sendo, também, integrada nas antologias portuguesas e espanholas.

 

Como escritor, é autor de vários títulos, entre os quais, em poesia:  Nenhum Sítio (1984), O Caminho de Casa (1988), Um Sítio Onde pousar a Cabeça (1991), Algo Parecido Com Isto da Mesma Substância (1992); Farewell Happy Fields (1993), Cuidados Intensivos (1994), Nenhuma Palavra e Nenhuma Lembrança (1999), Le Noir (2000) e Os Livros (2003).

 

A participação nestes encontros de poesia, que decorrem uma vez por mês, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo, é livre e aberta a todas as pessoas que gostem de ouvir, escrever, ler ou declamar poesia.

Dia Mundial da Poesia dedicado a Sophia de Mello Breyner Andresen

snDMP19_semlettering.jpg

 

POESIA

Dia Mundial da Poesia

23 MAR 15H  ÀS 19H CENTRO DE CONGRESSOS E REUNIÕES

Este ano, assinalando o centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen, os mais variados espaços do CCB vão ser uma vez mais invadidos por um ambiente de festa com muita cor e poesia. Neste dia terá lugar a Maratona de Leitura, na qual diferentes individualidades vão ler poemas de Sophia. Destaque ainda para a exibição da curta-metragem Sophia de Mello Breyner Andresen (1969), de João César Monteiro, e do documentário O nome das coisas (2007), de Pedro Clérigo. O jornalista e investigador António Valdemar dará uma palestra intitulada Sophia, entre dois mares, e realizar-se-ão dois painéis de debate em torno da obra da poeta, numa parceria com Maria Andresen e o Centro Nacional de Cultura.

Biblioteca Municipal do Barreiro celebra Dia Mundial da Poesia homenageando Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena em ano de centenário

cartaz_Dia_Poesia_Biblioteca_2019+.jpg

 

Biblioteca Municipal do Barreiro celebra Dia Mundial da Poesia homenageando Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena em ano de centenário

 

A Biblioteca Municipal do Barreiro celebra o Dia Mundial da Poesia, que se assinala a 21 de março, com uma vasta programação, que se estende até abril. No ano do Centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen e de Jorge de Sena, que se cumpre na primeira semana de novembro, a Biblioteca Municipal do Barreiro homenageia no “seu” Dia Mundial da Poesia estas duas figuras, das maiores da literatura portuguesa do século XX, nascidas na mesma semana, no mesmo ano, grandes amigos e que, em 2019, fariam 100 anos.

 

Programa

15 março a 15 abril | “Árvore da Poesia”

Convidamo-lo (a) a preencher os seus ramos com vida e cor, com os seus poemas favoritos e/ou escritos por si…

Público em geral

 

21 março | 15h00 às 18h30

“Poesia com Asas”

Declamação de poemas de Sophia Mello B. Andresen e Jorge de Sena

Convidados: Ana Nereu, Carla Marina Santos, Clara Decla Soares, Cristina Antunes, João Naia, Lisa Gonçalves, Manuela Félix, Margarida Chaves, Mariana Jesus, Matilde Antunes, Rosário Gil, Rosinda Dias, Rute Pio Lopes, Sousa Pereira

Salas da Biblioteca | Público em geral

 

21 a 23 março | “Livro da Poesia”

Convidamo-lo (a) a escrever uma poesia no livro exposto no balcão da Receção

Público em geral

 

22 março | 21h30 | “Sarau de Poesia”

Leitura de poemas pelo Clube de Expressão Dramática da Escola Básica Quinta Nova da Telha – Agrup. Esc. Casquilhos

Sala Multiusos | Público em geral

 

 

"Ao Vinho": Recital de poesia com Afonso Dias em Loulé

Afonso Dias.jpg

 

A Biblioteca Municipal Sophia de Mello Breyner Andresen, em Loulé, recebe esta sexta-feira, 22 de fevereiro, pelas 21h00, o recital de poesia “Ao Vinho”, por Afonso Dias.

O que se propõe é a apresentação de trovas a um bom amigo com 8000 anos que cresceu na Pérsia, na Geórgia, na Bulgária, na Turquia e mora desde sempre connosco. Foi nomeado por gregos e romanos, oínos e vinum, protegido pelos deuses Dionísio e Baco e cantado há 1000 anos por poetas, aedos e jograis, muçulmanos, judeus e cristãos. De Al-Mutamid a Omar Khayyam, de Bocage a Torga, de Rui Namorado a Amália, de Shakespeare a Lorca, de Vinicius a Ary, de Aleixo a João de Deus, companheiro fidelíssimo no convívio fraterno e civilizado. “Branco, tinto, espumante, verde, maduro, doce, brindemos na Biblioteca Municipal de Loulé, num serão mágico de poesia e música conduzido por Afonso Dias. À nossa!”, é o convite deixado pela organização.

A entrada é livre.

 

CML/GAP /RP

Maré cheia de poesia traz a Matosinhos os versos de Manuel Alegre

Décima quarta edição da Festa da Poesia acontece nos dias 6, 7 e 8 de dezembro, sob a influência de Florbela Espanca e centrada numa homenagem ao autor de “O Canto e as Armas”.

 

Festa da Poesia.jpg

 

“Não sei de que cor são os navios/quando naufragam no meio dos teus braços”. Os dois versos de “Coração Polar”, de Manuel Alegre, podiam ter sido escritos a pensar nos barcos que todos os dias chegam ao Porto de Leixões e daqui partem, levando “Portugal à flor das águas”. Se o não foram, estarão a partir de agora imortalizados em Matosinhos, que acolhe na próxima semana a décima quarta edição da Festa da Poesia.

 

Celebrada para assinalar o dia do nascimento de Florbela Espanca, a 8 de dezembro de 1894, e também a data da sua morte, em Matosinhos, no dia 8 de dezembro de 1930, a Festa da Poesia presta este ano homenagem ao autor da “Praça da Canção”. O evento decorrerá nos dias 6, 7 e 8 de dezembro, evocando Manuel Alegre e os seus poemas em várias sessões, numa placa evocativa que será descerrada da Biblioteca Municipal Florbela Espanca e também no pavimento da Rua Brito Capelo, onde os versos daquele que é um dos mais importantes poetas contemporâneos portugueses ficarão doravante inscritos, contaminando de poesia o quotidiano dos matosinhenses.

 

Recentemente galardoado com o Prémio Camões, Manuel Alegre construiu uma obra ímpar em diálogo com a história e a mitologia do país, num percurso com ligações ao romance e à música. Durante três dias, a programação da Festa da Poesia vai mostrar a amplitude de horizontes da sua poesia, que será lida, contada e cantada em vários espaços da cidade.

 

A celebração arranca na manhã de dia 6, com uma visita do declamador Alberto Serra ao Centro Social de Leça do Balio, para uma sessão em torno da poesia de Manuel Alegre. No dia 7 será a vez o homenageado visitar a Escola Secundária da Boa Nova, em Leça da Palmeira, para uma sessão com alunos daquela escola

 

A programação na Biblioteca Municipal Florbela Espanca arrancará às 15h30 do dia 7, com o descerramento de uma placa comemorativa do Poeta da Liberdade. Pelas 15h45 terá início a sessão “Como dizer um coração fora do peito”, uma conversa sobre a relação do poeta com a música, que contará com a presença de Joana Alegre e Maria Ana Bobone, responsáveis também por alguns apontamentos musicais.

 

Às 21h30 do dia 7 a Festa da Poesia transfere-se para o Teatro Municipal de Matosinhos-Constantino Nery, onde o ator Pedro Lamares e harpista e compositora Ana Isabel Dias apresentam o espetáculo “Um Secreto Regresso por Jacarandá”.

 

No dia 8, aniversário de Florbela Espanca, o evento regressa à biblioteca que evoca a poetisa. O programa começará às 15 horas, com a apresentação de “Todos os poemas são de amor”, o mais recente livro de Manuel Alegre, com a presença do autor e do escritor Mário Cláudio. Pelas 16 horas, a relação da poesia com a guerra colonial será tema da conversa com Maria João Reynaud e Paula Morão.

 

Manuel Alegre regressará ao palco às 17 horas, para uma conversa com João Gobern em que passará em revista a sua vida e obra. Entre sessões, o som dos versos do poeta da “Trova do Vento que Passa” ecoará na Biblioteca Municipal Florbela Espanca pelas vozes de Isaque Ferreira e Rui Spranger. A décima quarta Festa da Poesia despede-se às 18h30, no Salão Nobre da Câmara Municipal, com um concerto do Quarteto de Cordas de Matosinhos, acompanhado pela viola de Tatjana Masurenko e pelo violoncelo de Teresa Valente Pereira.

 

Para além dos marítimos “Não sei de que cor são os navios/quando naufragam no meio dos teus braços”, a Rua Brito Capelo vai acolher outros versos de Manuel Alegre, como “é tudo o que tem/quem vive na servidão”, “Os pássaros voam sobre a própria despedida”, “Quanto mais te perco mais te encontro”, “As facas ferem mais quando me faltas” e “Quero escrever um poema/Como quem escreve o momento”. Para ler bastará caminhar.

 

 

Recital de Poesia "Fado Maior" na Biblioteca de Loulé

Fado Maior.jpg

Afonso Dias apresenta esta sexta-feira, 23 de novembro, pelas 21h00, na Biblioteca Municipal Sophia de Mello Breyner Andresen, em Loulé, o recital de poesia “Fado Maior”.

Esta iniciativa pretende dar a conhecer compositores, poetas e histórias do Fado, contado e cantado, mistérios e segredos da canção de Portugal. Dos fados tradicionais aos fados de autor, dos fados castiços aos fados marialvas, Camões, Régio, Pessoa, Aleixo, Florbela, Linhares Barbosa, Artur Rego, Marceneiro, O’ Neill, Ary, Paulo de Carvalho, Amália e muitos outros, desfilarão neste serão mágico conduzido por Afonso Dias.

A entrada é livre.

 

 

CML/GAP /RP

Próximo encontro de poesia evoca Fiama Hasse Pais Brandão

“Palavras na Nossa Terra”

Cartaz - Encontro de poesia.jpg

 

 

 

Os encontros de poesia “Palavras na Nossa Terra” prosseguem já no dia 26 de outubro, às 21h00, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo. Fiama Hasse Pais Brandão será a poetisa evocada.

Dramaturga, tradutora e poetisa, formada em Filologia Germânica na Universidade de Lisboa, Fiama Hasse Pais Brandão exerceu atividade de investigação na área da literatura e da linguística. Revelou-se com "Morfismos", no âmbito da iniciativa Poesia 61. A sua criação poética impõe-se pela busca de uma expressão original, onde as palavras tentam evocar uma essência perdida. “Sob o Olhar de Medeia”, a obra que marca a primeira incursão no romance por parte desta autora, foi publicado em 1998. Faleceu em Lisboa, no dia 20 de Janeiro de 2006.

A participação nestes encontros, que decorrem uma vez por mês, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo, é livre e aberta a todas as pessoas que gostem de ouvir, escrever, ler ou declamar poesia.