Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

EMARP - Exposição AS MÃOS NÃO SÃO PARA BATER - Centro de acolhimento A Catraia

AS MÃOS NÃO SÃO PARA BATER

Exposição do centro de acolhimento A Catraia

9 de dezembro de 2019 a 3 de janeiro de 2020
Dias úteis das 8h30 às 17h30

729a3f95-9c34-47e5-9e6e-957a507c403d.jpg

 

Sinopse

Mão de Ampara
Mão que Segura
Mão que Afaga
Mão que Protege
Mão que Para
Mão que Brinca
Mão que Aquece
Mão que Sente
Mão que Orienta
Mão que Levanta
Mão que Cuida
Mão que Alimenta
Mão que Limpa
Mão que Fala
Mão que Abraça


No mês de Abril dedicado à prevenção dos maus tratos infantis, promovemos a nossa exposição “As Mãos Não São Para Bater”.

Esta exposição foi construída com o apoio de duas alunas do curso de Educação Social da Universidade do Algarve (Margarida Duarte e Rita Valejo), que se encontravam a cumprir estágio académico na Casa de Acolhimento A Catraia, e com a colaboração dos alunos do pré-escolar e 1º ciclo do Agrupamento de Escolas Júdice Fialho.

Esta exposição pretende sensibilizar para a problemática dos maus-tratos infantis, usando diversos suportes como pintura, fotografia e impressão têxtil.

Ao levar esta exposição a diferentes espaços pretendemos transmitir uma mensagem o mais ampla possível e promover momentos de reflexão junto da comunidade, ao mesmo tempo que procuramos dar a conhecer a nossa atividade Casa de Acolhimento para crianças e jovens em risco.

EMARP - Exposição VIDA-Vida Selvagem do Botswana e África do Sul - Exposição de fotografia de Vítor Azevedo

e60425d2-bb4a-4039-8c16-0feb1990fac9.jpg

 

VIDA - Vida Selvagem do Botswana e África do Sul

Exposição de fotografia de Vítor Azevedo

4 de novembro a 6 de dezembro de 2019
Dias úteis das 8h30 às 17h30

Vítor Manuel Nascimento de Azevedo,  é desde miúdo apaixonado pela fotografia.
41 anos de trabalho em hotelaria e aviação comercial proporcionaram-lhe a oportunidade de conviver e contactar com muita gente, viajando pelo mundo, fotografando, fazendo amigos, conhecendo outras culturas, costumes e apreciando a gastronomia local e cozinhando a nossa para os amigos.
Gosta da fotografia em geral, mas prefere fotografar ao ar livre, muito em especial vida selvagem no seu habitat.
Fotografou em vários países onde a fauna é abundante, tais como Costa Rica e Brasil , mas é sem dúvida África que mais o atrai e onde mais gosta de fotografar, aliando o prazer e a proximidade da fotografia com a força da adrenalina ao estar muito próximo e sem barreiras de animais selvagens de grande porte, respeitando os meus espaços… mas ali pertinho deles.
Esta exposição tenta mostrar um pouco da beleza da fauna africana.

VIDA - Vida Selvagem do Botswana e África do Sul
Dedicada a Sean van Wyk
Conheça as fotografias captadas no Parque Nacional de Chobe (10.000 km2) no Botswana e na Reserva Privada de Timbavati (533,92 km2) na África do Sul.
Imagens que retratam a vida, a sobrevivência e a cadeia alimentar. A morte está intimamente ligada à vida que se transforma num renascer constante e cíclico. Princípio que moveu Vítor Azevedo a fazer este conjunto de trabalhos. Foi desta mistura de beleza, brutalidade, doçura, agressividade, sobrevivência que surgiu o título para este trabalho.
Porque a vida e a morte andam de mão dada numa constante renovação gerando mais VIDA.

EMARP - Exposição VIDA-Vida Selvagem do Botswana e África do Sul - Exposição de fotografia de Vítor Azevedo

e60425d2-bb4a-4039-8c16-0feb1990fac9.jpg

 

VIDA - Vida Selvagem do Botswana e África do Sul

Exposição de fotografia de Vítor Azevedo

4 de novembro a 6 de dezembro de 2019
Dias úteis das 8h30 às 17h30

Vítor Manuel Nascimento de Azevedo,  é desde miúdo apaixonado pela fotografia.
41 anos de trabalho em hotelaria e aviação comercial proporcionaram-lhe a oportunidade de conviver e contactar com muita gente, viajando pelo mundo, fotografando, fazendo amigos, conhecendo outras culturas, costumes e apreciando a gastronomia local e cozinhando a nossa para os amigos.
Gosta da fotografia em geral, mas prefere fotografar ao ar livre, muito em especial vida selvagem no seu habitat.
Fotografou em vários países onde a fauna é abundante, tais como Costa Rica e Brasil , mas é sem dúvida África que mais o atrai e onde mais gosta de fotografar, aliando o prazer e a proximidade da fotografia com a força da adrenalina ao estar muito próximo e sem barreiras de animais selvagens de grande porte, respeitando os meus espaços… mas ali pertinho deles.
Esta exposição tenta mostrar um pouco da beleza da fauna africana.

VIDA - Vida Selvagem do Botswana e África do Sul
Dedicada a Sean van Wyk
Conheça as fotografias captadas no Parque Nacional de Chobe (10.000 km2) no Botswana e na Reserva Privada de Timbavati (533,92 km2) na África do Sul.
Imagens que retratam a vida, a sobrevivência e a cadeia alimentar. A morte está intimamente ligada à vida que se transforma num renascer constante e cíclico. Princípio que moveu Vítor Azevedo a fazer este conjunto de trabalhos. Foi desta mistura de beleza, brutalidade, doçura, agressividade, sobrevivência que surgiu o título para este trabalho.
Porque a vida e a morte andam de mão dada numa constante renovação gerando mais VIDA.

EMARP - Atividades culturais novembro 2019

"VIDA - Vida Selvagem do Botswana e África do Sul"

Exposição de Fotografia de Vítor Azevedo

75831259-7daf-4062-a6ba-03edc50f6fbc.jpg

 


 
Até 6 de dezembro 2019
Dias úteis das 8h30 às 17h30
 
Até ao próximo dia 6 de dezembro a África está presente no Atendimento da EMARP através da exposição VIDA – Vida Selvagem do Botswana e África do Sul, do fotógrafo Vítor Azevedo.

A exposição versa sobre a vida mas também sobre a morte entendida como um elemento de constante renovação e mostra um pouco da beleza, brutalidade, doçura, agressividade e sobrevivência da fauna africana.

A preferência de Vítor Manuel Nascimento de Azevedo em fotografar África e a vida selvagem está relacionada com a vivência ao ar livre, com os seus amigos que se dedicam a fazer safaris profissionalmente e pela adrenalina de estar mesmo ali ao pé dos bichos, alguns de grande porte. Além disso, porque na natureza não existem barreiras, há que se tomar em consideração que os fotografados são animais selvagens, cujo espaço tem que ser respeitado.

Vítor Azevedo é, desde miúdo, apaixonado pela fotografia e 41 anos de trabalho em hotelaria e aviação comercial proporcionaram-lhe a oportunidade de conviver e contactar com muita gente, viajar pelo mundo, fotografar, fazer amigos, conhecer outras culturas e costumes. Sendo um bom apreciador da gastronomia local também gosta de cozinhar e dar a conhecer a nossa para os amigos, sempre com uma pitada do bom humor que o carateriza.

Em exposição estão 25 fotografias captadas no Parque Nacional de Chobe (Botswana, 10.000 km2) e na Reserva Privada de Timbavati (África do Sul, 533,92 km2), que pode apreciar na EMARP até ao próximo dia 6 de dezembro.

EMARP - Atividades culturais outubro 2019

 
"CAVALEIROS TEMPLÁRIOS - UM FASCÍNIO MEDIEVAL"

Exposição de Pintura de Kaye Miller-Dewing

 
Até 31 de outubro 2019
Dias úteis das 8h30 às 17h30

a49313f8-006d-4eef-9785-08e0d4846226.jpg

 


 
A Idade Média e os Cavaleiros Templários são o tema da exposição da pintora Kaye Miller-Dewing patente na EMARP até ao próximo dia 31 de outubro.

Nascida no longo e frio inverno inglês de 1963 talvez tenha sido esse ambiente que levou a pintora a retratar a “idade das trevas” como ficou conhecida a Idade Média. No entanto, as suas obras sobre esta era, apesar dos tons mais escuros, não partilham este preconceito, com os guerreiros e cavaleiros a refletirem uma atmosfera vibrante, poderosa, e uma força tranquila.

Com Caravaggio e Vermeer como inspiradores, não admira que as obras de Miller-Dewing joguem com o claro/escuro que se adapta perfeitamente a um tema histórico que, nitidamente, a fascina. É interessante notar que, apesar de toda a violência inerente à época e às cruzadas, nos seus quadros não existem combates nem lutas, mas não deixa de estar presente todo um tenso dramatismo cénico.

O sol e o calor algarvio, que aproveita já há alguns anos, não são muito amigos da técnica que usa nas suas pinturas, pois o acrílico tem tendência a secar rapidamente, mas a sua experiência anterior de aguarelista contribui para tornear esta dificuldade.

A exposição “Cavaleiros Templários – Um Fascínio Medieval”, de Kaye Miller-Dewing, consta de 18 obras que farão o espetador viajar no tempo e estão disponíveis no espaço público de Atendimento da EMARP, todos os dias úteis.

EMARP - Exposição CAVALEIROS TEMPLÁRIOS - Exposição de pintura de Kaye Miller-Dewing

 

b7920b9b-5bf2-4e85-a958-3ff91bd49e42.jpg

 

CAVALEIROS TEMPLÁRIOS
Um Fascínio Medieval
Exposição de pintura de Kaye Miller-Dewing

30 de setembro a 31 de outubro de 2019
Dias úteis das 8h30 às 17h30

Kaye Miller-Dewing tem um estilo e temas únicos, amando todas as coisas medievais, que retrata nas suas pinturas históricas.
Nascida em Hampshire, Inglaterra, no longo e frio inverno de 1963, mudou-se um pouco, mas passou grande parte de sua vida a viver em Lincolnshire, antes de se mudar para o clima mais quente do Algarve.
Kaye é provavelmente mais conhecida pelas suas representações de Os Cavaleiros Templários e As Cruzadas. Um fascínio curioso atrai-a de volta a esse período particular da história, onde se esforça para criar imagens que evocam uma atmosfera significativa e poderosa. Atraída por imagens fortes, pretende incutir as suas pinturas com pinturas com uma narrativa que serve como um estímulo para a imaginação do espetador.
O acrílico é o meio escolhido para suas pinturas, e suas ideias vêm de qualquer lugar, mas geralmente começa com um ponto de referência, que ela descarta logo após o início de cada pintura. As suas pinturas assumem a sua própria forma à medida que se desenvolvem e raramente acabam como ela inicialmente imaginava. Cada parte da composição determina outra parte e esse é um processo em constante mudança que continua até que eles sejam concluídos. Ela acredita que quanto mais tempo se gasta com uma pintura (dentro da razão), melhor o resultado final.
Ela gosta que sua arte evoque uma resposta intensa e profunda nas pessoas pela sua força e intensidade, e se isso se manifestar no espetador, ela alcançou o que se pretendia.
A arte é pessoal, e isso é tão profundamente comovente para o artista quanto para o espetador.

EMARP - Exposição INSPIRAÇÃO - Exposição de pintura de Sofia do Vale

5d1fd4c8-097d-4ff3-a67f-67ea52869b06.jpg

 

 

INSPIRAÇÃO
Exposição de pintura de Sofia do Vale

26 de agosto a 27 de setembro de 2019
Dias úteis das 8h30 às 17h30

Sofia do Vale é natural de Vila Nova de Milfontes e licenciou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade, tendo terminado o último ano em programa Erasmus, na Faculdad de Bellas Artes de Santa Cruz de Tenerife.
Para além do Curso de Pintura, Sofia do Vale também detém um Curso de Desenho tirado na Sociedade de Belas Artes, em Lisboa e um Curso de Teatro na Escola Chapitô, também em Lisboa.
Para além destes cursos contam do vasto curriculum de Sofia do Vale, Formação contínua: Especialização em Arte Terapia, na escola "l'Atelier: La poïetique – Expression créatrice et art-thérapie expressive", em Genève (Suiça).
– Formação de demonstradora de técnicas de material artístico Caran d'Ache, na Fábrica da Caran d'Ache, Thônex (Genève).
– Formação de curso de flores para tempos livres, com materiais Carand'Ache, Genève.
– Curso de ilustração com Evelina Oliveira, na S.N.B.A., Lisboa.
– Workshop de ilustração com Evelina Oliveira, na S.N.B.A., Lisboa. Curso de Ilustração Avançado – acompanhamento de projectos, com Evelina Oliveira, Lisboa.

- Colaboração na organização e participação no International Expressive Arts Spring Symposiom 2011, 1º encontro internacional de Arte Terapia na Gulbenkian, em Lisboa.
No âmbito do 7º Encontro Internacional de Ilustração:
- Workshop “Criar um personagem fora do normal... o diferente é belo”, com AnnaLaura Cantonne.
- Técnicas mistas na arte para crianças, com Javier Zabala: ilustrar intuitivamente.
- Imagem e reflexão, com Joanna Concejo.
- Curso de Edição Livro Ilustrado, com a ilustradora e escritora Catarina Sobral.
- Curso de Livro ilustrado, na Casa Nic e Inês.
- Curso de técnicas aplicadas de ilustração em aguarela com Ana Victoria Calderon.
- Técnicas de ilustração com aguarela digital, com Ricard Lopez Iglesias.
- Introdução à Ilustração infantil, com Adolfo Serra.
A experiência profissional de Sofia do Vale não é menos rica que a sua experiência académica tendo desempenhado funções de:
– Demonstradora dos materiais de Caran d'Ache, em diferentes Escolas e Universidades de Espanha, perto de Barcelona e em San Sebastian.
– Aulas de desenho e pintura para crianças, em Genève.
– Co-criação do projecto "Jardin Extraordinaire", em Genève – Ateliers de desenvolvimento pessoal em contexto de férias escolares.
– Dinamizadora de ateliers criativos de desenvolvimento pessoal e contato com a natureza para crianças dos 3 aos 10 anos, no projecto "Jardin Extraordinaire", em Genève, no âmbito do curso de Arte Terapia.
- Arte terapeuta no Centro de Dia de Vila Nova de Milfontes, com ateliers criativos e de desenvolvimento pessoal– estágio profissional no âmbito do curso de Arte Terapia.
E desde 2007 até atualmente, gerente e organizadora de eventos no Turismo em Espaço Rural na Herdade do Freixial, em Vila Nova de Milfontes.
No meio disto tudo Sofia ainda tem tempo para desenvolver algumas atividades extra profissionais, tais como:
– Aprendizagem com a artista e performer Mathilde Grolleau de criações com lã bruta de ovelha – feltro.
– Trabalho de pintura com pigmentos naturais.
– Benévola no "Atelier des Bricolos - Association Païdos", em Genève.
– Participação no evento “Pintar Odemira”, pintura ao ar livre na margem do Rio Mira em Odemira.
- Membro da Associação Apetite d’Saber, associação que promove eventos relacionados com a Arte Terapia e o desenvolvimento pessoal através da criatividade.
– Membro da Associação “Sopa de Artistas” - artistas Internacionais residentes no Alentejo.

INSPIRAÇÃO
Desde há muito tempo me sinto inspirada pelas formas abstratas, linhas e manchas que suscitam a imaginação de quem as observa.
“Inspiração” surgiu inicialmente com manchas de café que deram origem a personagens desenhadas e pintadas.
Posteriormente criei manchas de cores que me inspiravam e deram origem a novas personagens oníricas e seus mundos de fantasia, ambientes de sonho.
O gosto por pormenores, por personagens femininas, personagens de circo e pela natureza habita as ilustrações que crio.
Durantes estes últimos anos tenho combinado bastante a técnica de aguarela com desenho e colagens. Sinto-me bastante atraída por cores quentes e por elementos da Natureza. A minha pintura é essencialmente intuitiva, habitualmente não faço projetos, pelo que o resultado final de cada obra é sempre uma surpresa, o que me dá ainda mais prazer no processo de criação, pois sinto-me maravilhada em cada etapa.

EXPOSIÇÕES
2019 - Exposição coletiva na Igreja da Misericórdia em Odemira, com os membros da Sopa dos Artistas.
2018 - Exposição coletiva na Igreja da Misericórdia em Odemira, com os membros da Sopa dos Artistas.
2017 - Exposição coletiva na Igreja da Misericórdia em Odemira, com os membros da Sopa dos Artistas.
2016 - Exposição em Pontedera, Itália (27 de janeiro a 2 de Março de 2016).
2015 – Exposição coletiva Igreja da Misericórdia, Odemira, com os membros da Sopa dos Artistas.
- Exposição coletiva no Museu Municipal da Vidigueira, com os membros da Sopa dos Artistas.
2014 (20-26 Outubro)– Exposição coletiva no 7º Encontro Internacional de S. João da Madeira, com ilustrações selecionadas pelos júris.
2013 – Exposição individual de ilustração “Era uma outra vez…”, no restaurante Ritual, em Vila Nova de Milfontes
2012 - Exposição colectiva em homenagem aos Irmãos Grimm, na Galeria Espaço Entre Artes, em Ovar.
2011-12 – Exposição colectiva com a “Sopa de Artistas” no Turismo Rural Herdade do Freixial, em V. N. de Milfontes.
2011 (12 Novembro a 30 de Dezembro) – Exposição na Galeria dos Escudeiros – Galeria Aberta, Beja.
2010 – Organização e participação na exposição colectiva de ilustração e fotografia, na sala de exposições da Herdade do Freixial – Turismo em Espaço Rural.
- Exposição colectiva com a “Sopa de Artistas”, na Biblioteca Municipal de Odemira.
- Exposição colectiva de Ilustração na S.N.B.A., Lisboa
2008 - Participação na Mostra Internacional de Arte Terapia “Espelho, espelho meu”, em Portugal e no Brasil.
2007 – Renovação da exposição no Bar Azul, em Vila Nova de Milfontes.
2006 (30 de Setembro) – Exposição durante o cocktail de um casamento, Genève.
2005 (5-23 de Dezembro) – Exposição na Galeria do Espace Diamono, em Genève (Suiça).
2005 (20 Janeiro a 6 de Março) – Exposição de Finalistas 2003-04, Galeria Municipal da Mitra, Lisboa.
2004 – Exposição individual de Pintura no Bar Cores e Vitaminas, Vila Nova de Milfontes.
2001-03 – Exposição individual de Pintura no Bar Turco, Vila Nova de Milfontes.
– Exposição colectiva de Pintura no Bar Azul (permanente), Vila Nova de Milfontes.
2002 –Performance (1º dia) durante um concerto e exposição de Pintura (de 24 de Outubro a 21 de Novembro) « Ser criança » no Café Puro (Rua do Arsenal, nº23, junto à praça do
município), Lisboa.
2001 – Exposição colectiva na sala de exposições do Centro Comercial dos Olivais.
1999 – Exposição colectiva na Câmara Municipal de Odemira.
1992 – 1ª exposição colectiva de aguarela, na Galeria Green Ville, Vila Nova de Milfontes.

 

 

EMARP - Atividades culturais setembro 2019

 
"INSPIRAÇÃO"
Exposição de Pintura de Sofia do Vale

 Até 27 de setembro 2019
Dias úteis das 8h30 às 17h30

d6f50511-ec46-4d61-955e-8766e3c1ad23.jpg

 


 
“Inspiração” é o título da exposição da pintora e ilustradora Sofia do Vale, patente no espaço público de Atendimento da EMARP até ao próximo dia 27.
Delicadeza, pormenor e alegria são as palavras que definem as 13 obras em exposição, combinando a técnica da aguarela com o desenho e as colagens. As manchas de café entre duas folhas que abertas dão origem a figuras abstratas e simétricas, que Sofia do Vale enriquece com as cores transformando-as em figuras de sonho, em ambientes e mundos de fantasia, mas que necessitam que o observador se detenha em cada pormenor, em cada linha e em cada mancha de acordo com sua imaginação.
Intuitiva e inspirada pela natureza e pelas suas cores quentes, a artista vai elaborando as suas obras, etapa por etapa, sem nada planeado, mas descobrindo o prazer da criação que muitas vezes termina em personagens femininas ou ligadas ao circo.
Natural de Vila Nova de Milfontes, Sofia do Vale realizou a sua primeira exposição quando tinha doze anos e licenciou-se em Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade, tendo terminado o último ano em programa Erasmus, na Faculdad de Bellas Artes de Santa Cruz de Tenerife.
Além do Curso de Pintura também detém um Curso de Desenho tirado na Sociedade de Belas Artes, em Lisboa e um Curso de Teatro na Escola Chapitô, também em Lisboa, Sofia do Vale tem uma vasta formação em pintura e ilustração, ligada a crianças e a associações artísticas, e uma considerável participação em exposições, em Portugal e no estrangeiro.

SUMOL SURF SCHOOL - OPEN DAYS JÁ ARRANCARAM EM VÁRIAS PRAIAS DO PAÍS

As Sumol Surf School – Open Days já arrancaram e qualquer pessoa pode ter acesso a uma aula se ajudar a limpar o areal da praia. Esta ação está a decorrer de 5 a 30 de agosto, em 9 praias do país, incluindo, Costa da Caparica, Carcavelos, Ericeira, Nazaré, Matosinhos, Aveiro, São Torpes e Portimão.

 

Para participar, as pessoas só têm de dirigir-se ao spot Sumol, entregarem resíduos apanhados no areal da praia, seja lixo de plástico, metal, papel ou vidro e fazerem a devida reciclagem no local. Esta participação dá acesso a vários brindes da marca, assim como uma inscrição numa aula de surf na respetiva Sumol Surf School, mediante as vagas diárias disponíveis. 

EMARP - Exposição VESTIDAS DE COR - Exposição de fotografia de Dina Salvador

 

 

3d122cb8-0a7e-4063-ab96-0b9283b7fdf7.jpg

 

VESTIDAS DE COR
Exposição de fotografia de Dina Salvador

22 de julho a 23 de agosto de 2019
Dias úteis das 8h30 às 17h30

Nasceu em Lagos e formou-se em Biologia Marinha. Trabalhou em várias entidades públicas e privadas e desde 2004, está envolvida num projeto de recuperação da Mata Atlântica, no Recôncavo Baiano. Há 15 anos que reparte a sua vida entre Portugal e o Brasil.
A ciência e a arte sempre a acompanharam. Desde cedo e como hobby, iniciou-se na fotografia de natureza, arquitetura tradicional, embarcações e artes de pesca, entre vários outros temas.
O gosto pelas artes plásticas levou-a a iniciar uma coleção multifacetada que inclui pintura, escultura, gravura, desenho e fotografia, possuindo cerca de 800 obras de 158 autores, de várias nacionalidades.
Comissariou três exposições de fotografia (duas na Fortaleza de Sagres e uma na Expo 98).  Participou na organização de quatro eventos relacionados com fotografia e lançamento de livros (em Lisboa e na Fortaleza de Sagres).
Atualmente, para além da fotografia, dedica-se à escultura, usando como matéria prima, madeira abandonada na natureza ou colhida em áreas ardidas. Em Portugal, trabalha com algumas espécies do Bosque Mediterrânico e  no Brasil, com algumas espécies da Mata Atlântica, dos Manguezais e da Restinga. 
A partir de 2015 iniciou uma série de exposições, tendo já realizado onze individuais (seis de fotografia e cinco de escultura). Participou também em cinco coletivas (três em Portugal, uma no Brasil e outra na Alemanha).