Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

• Mythic Sunship estreiam-se em Portugal em Novembro •

93979e6e-5485-411b-9886-cb55bc4a1b99.jpg

 

Mythic Sunship finalmente em Portugal


A banda de Copenhaga estreia-se em Portugal no próximo mês de Novembro para quatro concertos: Porto, Almada, Viseu e Guimarães, logo após ter editado, no passado dia 5 de Outubro, o seu quarto disco - "Another Shape of Psychedelic Music" - álbum gravado e produzido por Jonas Munk (Causa Sui) e lançado em duplo LP pela El Paraiso Records.

"Another Shape of Psychedelic Music" é, provavelmente, o álbum mais completo do grupo dinamarquês - mais cósmico, mais krautrock, mais doom e mais jazz do que os anteriores, agora com a notada presença de um saxofonista e com a adição de uma terceira guitarra (também gravada por Jonas Munk).

 
 
8/Novembro - PORTO - Woodstock69
9/Novembro - ALMADA - Sunburst Stoner Fest
10/Novembro - VISEU - Fora de Rebanho
11/Novembro - GUIMARÃES - Oub'lá

 

UMA NÊSPERA NO CU - O MUSICAL

Nespera_Musical_Newsletter.jpg

 

 

Uma Nêspera no Cu: O Musical

Não há nada como começar o ano com doses industriais de insanidade e Bruno Nogueira, Filipe Melo
e Nuno Markl
estão aqui para isso mesmo.
UMA NÊSPERA NO CU: O MUSICAL invade os Coliseus em Fevereiro… Preparem-se para o inesperado!

Eles disseram que iam acabar.
Juraram que não voltavam.
Eles mentiram descaradamente.
Perante a constatação de que não tinham nada melhor para fazer, Bruno Nogueira, Nuno Markl
e Filipe Melo decidem unir esforços para ressuscitar o pior pesadelo das suas vidas.
Depois da websérie e dos espectáculos ao vivo, eles estão de volta com… Uma Nêspera no Cu: O Musical.
O que é? É Uma Nêspera no Cu.
Só que musical.
Dilemas. Angústias. Azares. Amigos famosos encurralados, em situações onde nunca os imaginaram. Horror.
E bonita música.
Porque é um musical.

De e Com: Bruno Nogueira, Nuno Markl e Filipe Melo
Produção: Força de Produção.


COLISEU LISBOA
5 e 6 Fevereiro às 21h30
Preços: Entre 10€ e 22€

COLISEU PORTO AGEAS
15 e 16 Fevereiro às 21h30
Preços: Entre 10€ e 22€

Zeca Pagodinho lota Coliseu dos Recreios e prepara-se para regressar ao Porto, a 10 de outubro

 

 

O maior sambista do Brasil apresenta-se no Coliseu do Porto

na quarta-feira, dia 10

image1.jpg

 

(Crédito: Hermes de Paula)

 

Noite de casa cheia para celebrar os 35 anos de carreira de Zeca Pagodinho. Como se estivesse em casa, porque é assim que se sente em Portugal, o maior sambista do Brasil subiu ao palco do Coliseu dos Recreios, em Lisboa, acompanhado da Banda Muleke, para animar a plateia com sucessos como “Deixa a vida me levar” (verdadeiro hino do concerto), “Samba pras moças”, “Judia de mim” e “Coração em desalinho”. Também deu voz a canções de Zé Keti, “Diz que fui por aí” e “A voz do morro”.  

 

Por vezes com uma cervejinha na mão, cantou, sambou, agradeceu e interagiu com o público, que acompanhou tudo em êxtase. Logo que as cortinas abriram-se, o sambista exclamou “Nossa, está bonito!”. Em outro momento, dedicou “Ser humano” para as pessoas que fazem o bem. A devoção de Zeca Pagodinho a São Jorge apareceu no cenário assinado por Zé Carratu e em “Ogum”. A canção ainda teve a participação virtual de outro devoto, Jorge Ben Jor.

 

 

Na próxima quarta-feira, dia 10, Zeca Pagodinho volta a fazer um concerto no Porto, depois de 13 anos. Os fãs podem preparar-se para mais um reencontro emocionante. “Estou com muitas saudades do Porto. Vai ser ótimo voltar a cantar no Coliseu”, disse o cantor.

 

 

Zeca Pagodinho é um dos grandes fenômenos da música brasileira, com mais de 12 milhões de cópias de álbuns vendidos e 4 Grammys conquistados na categoria “Melhor Álbum de Samba Pagode”. A digressão na Europa ainda passa por Genebra, Zurique, Berlim e Londres.

 

 

Sobre a Yellow Noises - Os espetáculos em Portugal são uma realização da Yellow Noises. A produtora comandada por Manitu Sherzman, Rodrigo da Matta e Juliano Zappia é responsável por turnês de artistas brasileiros na Europa como Maria Rita e Vanessa da Mata.

 

PORTO: 10 de Outubro de 2018 – 22h

LOCAL: Coliseu do Porto Ageas – Porto

MORADA: Rua Passos Manuel, 137

PREÇOS: de 20€ a 60€

VENDA DE BILHETES:http://bit.ly/ZecaPagodinhoPorto

 

 

Concerto solidário de António Zambujo na Casa da Música a 27 de novembro

MÚSICO UNIU-SE À VIDA NORTE PARA APOIAR GRÁVIDAS E BEBÉS EM SITUAÇÃO DE FRAGILIDADE

Imagem concerto António Zambujo.jpg

 

 

O músico António Zambujo juntou-se à Vida Norte e à Casa da Música para organizar a 27 de novembro um concerto solidário de apoio a grávidas e bebés em situação de fragilidade acompanhadas pela IPSS.

 

Os bilhetes, que podem ser adquiridos Aqui, estão disponíveis por 20€ (2ª plateia) e 25€ (1ª plateia e camarote) por pessoa. As verbas angariadas neste evento solidário revertem a favor da Vida Norte, permitindo à IPSS dar resposta aos inúmeros pedidos de apoio que recebe regularmente de grávidas em situações de grande dificuldade.

 

Atualmente a Vida Norte atua nos concelhos do Porto e de Braga, acompanhando uma média de 100 grávidas e famílias por mês. Este apoio em geral inicia-se desde da gravidez até o bebé completar 18 meses de vida, e está assente num acompanhamento de proximidade e na capacitação das mães procurando garantir que as famílias terão as condições necessárias para dar seguimento a um projeto de vida estruturado e feliz.

 

António Zambujo é um dos nomes incontornáveis da música portuguesa actual, somando salas esgotadas, dentro e fora de Portugal, e vários prémios. O seu percurso musical está traçado de forma distinta entre o Fado e o Cante Alentejano, num estilo único. A pulsação da sua música deixa perceber ainda uma frequência marcada pelo ritmo da MPB, que tem sido progressivamente assumida ao longo dos sete discos que já editou e que está particularmente presente no último, "Até Pensei Que Fosse Minha", um disco exclusivamente composto por canções de Chico Buarque.

 

Neste concerto solidário, António Zambujo apresenta-se a solo mas acompanhado pelo seu vasto repertório, oferecendo aos presentes um percurso pelos seus maiores sucessos, e não será diferente daquilo que sempre é: um cantor e músico de excelência, com uma capacidade única de cativar o público.

 

 

 

ASSOCIAÇÃO VIDA NORTE | A Vida Norte é uma IPSS que atua nos concelhos do Porto e Braga. Tem como principal missão apoiar grávidas e bebés em situação de vulnerabilidade, através de um acompanhamento de proximidade.

Atualmente a instituição acompanha uma média de 100 grávidas e famílias por mês, desde a gravidez até ao bebé completar 18 meses de vida, trabalhando ao nível da Capacitação para que findo este período a Mãe possa, de forma autónoma, dar seguimento a um projeto familiar estruturado e feliz.

A Vida Norte trabalha diariamente para que todos os bebés tenham oportunidade de nascer e crescer num ambiente protegido, com afeto e dignidade.

 

http://vidanorte.org/

 

UMA NÊSPERA NO CU: O MUSICAL nos Coliseus de Lisboa e Porto em Fevereiro

Fb_Topo_Nespera_Musical[1].png

 

Não há nada como começar o ano com doses industriais de insanidade e Bruno Nogueira, Filipe Melo e Nuno Markl  estão aqui para isso mesmo.
UMA NÊSPERA NO CU: O MUSICAL invade os Coliseus em Fevereiro… Preparem-se para o inesperado!
 
LISBOAColiseu de Lisboa 5 e 6 de Fevereiro | 21h30
Bilhetes : entre 10 e 22 euros
 
PORTOColiseu do Porto Ageas 15 e 16 de Fevereiro | 21h30
 
— // — 
 
SINOPSE
Eles disseram que iam acabar. Juraram que não voltavam. Eles mentiram descaradamente. 
Perante a constatação de que não tinham nada melhor para fazer, Bruno Nogueira, Nuno Markl e Filipe Melo decidem unir esforços para ressuscitar o pior pesadelo das suas vidas.
Depois da websérie e dos espectáculos ao vivo, eles estão de volta com Uma Nêspera no Cu: O Musical.
O que é? É Uma Nêspera no Cu. Só que musical.
Dilemas. Angústias. Azares. Amigos famosos encurralados, em situações onde nunca os imaginaram. Horror.
E bonita música.
Porque é um musical.
 
De e com: Bruno Nogueira, Filipe Melo e Nuno Markl
Produção: Força de Produção
 
Classificação: M16

Música: Concerto Zeca Pagodinho, a 3 de outubro, no Coliseu

Zeca Pagodinho, a maior estrela do samba, comemora 35 anos de carreira com concertos nos Coliseus

‘Fazer show em Portugal é como se eu estivesse no Rio de Janeiro’, diz cantor brasileiro

image1.jpg

 

Um dos grandes fenómenos da música contemporânea no Brasil regressa a Portugal. Zeca Pagodinho fará concertos no Coliseu de Lisboa, a 3 de outubro, e no Coliseu do Porto, a 10 de outubro. Nesta digressão, o maior sambista brasileiro comemora o sucesso dos seus 35 anos de carreira. Ao longo desse período, o artista já vendeu mais de 12 milhões de cópias dos seus álbuns, obteve 8 nomeações e 4 Grammys conquistados, o que faz dele o principal vencedor na categoria de “Melhor Álbum de Samba Pagode”.  No repertório dos concertos estarão sambas que fizeram do artista um dos mais respeitados no seu país e fora dele. Entre os sucessos, há músicas eternizadas em bandas sonoras de telenovelas, como “Jura”, de “O cravo e a rosa” (2001) e “Judia de mim”, de “Hipertensão” (1987). Fãs brasileiros e portugueses ainda se poderão divertir com “Coração em desalinho”, “Brincadeira tem hora”, “Casal sem vergonha”, “Verdade”, “ Deixa a vida me levar”, além do mais recente êxito, “Ser humano”.



É a terceira vez que faz concertos em palcos portugueses. Como é a sua relação com o país?

 

Zeca Pagodinho: Fazer show em Portugal é como se eu estivesse no Rio de Janeiro, em São Paulo. Por mim, eu viajaria amanhã. A relação dos portugueses comigo é tão boa e calorosa. 

 

Um dos seus sítios preferidos em Lisboa é o restaurante O Pinóquio (na Praça dos Restauradores). Como é que foi parar lá? E o que mais gosta na casa?

 

Zeca Pagodinho: O cheiro do chope (imperial) me levou. Como tanta coisa na entrada que não consigo nem almoçar: camarão, lagosta, pica-pau. Tenho grandes amigos lá, o Senhor António, Barbosa, Pedro, Paulo. Eles perguntam "e para o almoço, o que mais?". E eu já levei muitos amigos brasileiros para lá, como a (cantora) Roberta Sá. 

 

Que outras lembranças tem de Portugal?

 

Zeca Pagodinho: O meu neto foi para Lisboa quando ele tinha 1 ano. Nós o levamos a uma casa de fado e ele não gritou nem chorou. Ao final do concerto, o garoto bateu palma.  Sempre que volto a Lisboa, as pessoas me perguntam pelo miúdo. Estou doido para levar o meu neto para reencontrar os amigos que fez.

 

Como é a sua relação com o fado? Tem admiração por algum artista português?

 

Zeca Pagodinho: Já cantei samba com a fadista Susana Félix. E a Carminho cantou com a gente a música "Sonho meu", que gravamos em homenagem à Dona Ivone Lara. Carminho é maravilhosa!

 

E fado, já cantou alguma vez?

 

Zeca Pagodinho: Não tenho essa bagagem, não. Eu deixo os fadistas cantarem.

 

Antes das apresentações no Brasil e na Europa, você tem algum ritual?

 

Zeca Pagodinho: Eu rezo para São Jorge.

 

Já esteve no Castelo de São Jorge, em Lisboa?

 

Zeca Pagodinho: Duas vezes. Depois tive um problema na coluna e não fui mais. Para chegar tem que subir muita ladeira (Risos). Prefiro ficar n'O Pinóquio. Ou ir de tuk tuk até lá. 

 

Há 13 anos você não faz show no Porto. Muitas saudades da cidade? 

 

Zeca Pagodinho: Muita. Só fui lá uma vez. Lembro que almocei numa casa de frutos do mar maravilhosa.  Vai ser ótimo voltar a cantar no Coliseu.

 

Qual é o hino da sua turnê?

 

Zeca Pagodinho: "Deixa a vida me levar". 

 

 

--

Celebrar o Património no Mosteiro de São Bento da Vitória

image008.jpg

 

Mosteiro de São Bento da Vitória, Porto

Visitas guiadas e um concerto musical assinalam as Jornadas Europeias do Património

 

Um concerto por Jonathan Ayerst, pianista do Remix Ensemble Casa da Música, marcado para o dia 30 de setembro, pelas 17h00, encerra o programa comemorativo das Jornadas Europeias do Património no Mosteiro de São Bento da Vitória, no Porto.

A iniciativa é organizada pela Direção Regional de Cultura do Norte, Teatro Nacional de São João, Casa da Música e Ordem Beneditina que assim se associam para proporcionar acesso ao Mosteiro de São Bento da Vitória e a  vivência e fruição dos seus espaços por parte do público.

O Mosteiro de São Bento da Vitória estará aberto nos dias 28, 29 e 30 de setembro (dias em que decorrem as Jornadas Europeias do Património), e serão realizadas várias visitas guiadas com acesso gratuito.

Aos participantes desta iniciativa será ainda concedido um desconto de 50% na aquisição de bilhetes para o espetáculo Otelo, em cena no Teatro Nacional de São João, nos dias 28, 29 e 30 de Setembro (até ao limite de lotação da sala). 

 

Horário de abertura (dias 28, 29 e 30 de setembro)

10h00 às 18h00

 

Visitas guiadas (dias 28, 29 e 30 de setembro)

Visitas guiadas, às 10h30 e 12h30, à Igreja e Mosteiro de São Bento da Vitória, monumento nacional edificado nos séculos XVII e XVIII e considerado um dos edifícios religiosos mais importantes da cidade. Com tradução em inglês, francês, espanhol e videoguia em língua gestual portuguesa. O percurso será iniciado na Igreja e terminará no Mosteiro.

As visitas são gratuitas, para máximo de 30 pessoas, sem marcação prévia. Os bilhetes serão entregues na bilheteira meia hora antes.

 

Concerto (dia 30 de setembro)

17h00 - Concerto pelo Organista Jonathan Ayerst

 

Claude Balbastre (1724-1799) - Concerto, 1. Prelude, 2. Allegro.

 Improvisação de 1º Tom

 Nicholas de Grigny (1671-1703) Fugue - Duo

 Louis Marchand (1669-1732) Basse de Trompette - Recit - Dialogue

 Improvisação de V Tom

 Girolamo Frescobaldi (1583-1643) Toccata per l’elevazione

 Francisco Correa de Arauxo (c.1575-1654) Tiento de medio registro de tiple de Septimo Tono

 Improvisação de II Tom

 Pedro de Araújo (século 17) Batalha de 6º Tom

 

“La Traviata” no Coliseu Porto Ageas está quase a esgotar

coliseu.png

 

A ópera que o Coliseu e o Teatro Nacional de São Carlos apresentam no Porto, em outubro, é protagonizada por dois prémios Operalia, Marina Costa-Jackson e Luís Gomes. Os bilhetes estão quase esgotados.

 

Na noite de 20 de outubro, sábado, o Coliseu Porto Ageas e o Teatro Nacional de São Carlos (TNSC) apresentam a ópera “La Traviata”, de Giuseppe Verdi. Após cinco récitas esgotadas em Lisboa, em junho, a parceria entre o Coliseu e o único teatro lírico do país tem, assim, uma importante continuidade no Porto, depois da apresentação de “Turandot”, no final do ano passado.

 

Ópera em três atos, com libreto de Francesco Maria Piave (1810 - 1876), “La Traviata” foi composta por Giuseppe Verdi (1813 - 1901) e estreou em Veneza com fraca recepção. No dia seguinte, Verdi escreveu ao seu editor: “La traviata, ontem à noite. Fiasco. Culpa minha ou dos cantores? O tempo julgará.”

 

O julgamento do tempo fez desta trama sem herói ou vilão uma das mais aclamadas da história. Violetta Valéry, a protagonista central, desafia as convenções sociais do seu tempo, numa história que se distinguiu na época por uma nova forma de heroísmo, um heroísmo privado, cuja resignação e morte será o preço a pagar para salvar a honra de uma família que a exclui e a obriga a afastar-se.

 

Violetta Valéry será interpretada pela soprano Marina Costa-Jackson, que substitui Ekaterina Bakanova na récita no Porto. Filha de pai americano e mãe italiana, Costa-Jackson foi eleita recentemente Melhor Cantora do Ano pelo Austin Critics Table, precisamente pelo papel de Violetta Valéry em “La Traviata”. Em 2016, arrecadou dois prémios no Operália, prestigiado concurso internacional de canto lírico fundado pelo tenor e maestro espanhol Plácido Domingo. Um ano antes, venceu o Metropolitan Opera National Council. “Entre os cinco vencedores, a soprano Marina Costa-Jackson pareceu a mais promissora”, escreveu o jornal The New York Times.

 

No papel de Alfredo Germont estará o tenor português Luís Gomes, que no início de setembro também conquistou dois prémios Operalia, um na categoria de zarzuela, ao qual somou o prémio do público para melhor voz masculina. O barítono italiano Sergio Vitale substitui o britânico Alan Opie no papel de Giorgio Germont.

 

Os públicos do Porto e da Região Norte pedem ópera de qualidade. É por isso que a coprodução de “La Traviata” é um momento marcante. A parceria entre o São Carlos e o Coliseu Porto Ageas teve o seu primeiro momento visível em outubro do ano passado, com o concerto encenado “Turandot”, de Giacomo Puccini. Há 33 anos que o TNSC não se apresentava no Coliseu. Dia 20 de outubro, às 20h, o Coro do São Carlos e a Orquestra Sinfónica Portuguesa regressam a um dos melhores palcos do país para récitas de ópera, acompanhados por um elenco nacional e internacional de luxo.

 

“La Traviata” mantém aqui a sua génese italiana, com direção musical do maestro milanês Michele Gamba e reposição de encenação e desenho de luz de Matteo Mazzoni. A encenação, cenografia e figurinos são da autoria de um dos mais reputados encenadores operáticos do mundo, Pier Luigi Pizzi, que trabalhou com Giorgio Strehler.

 

La Traviata

 

Direção Musical Michele Gamba
Encenação, Cenografia e Figurinos Pier Luigi Pizzi
Reposição de Encenação, Desenho de luz Matteo Mazzoni

Remontagem Coreográfica Teresa Alves da Silva

Violetta Valéry Marina Costa-Jackson

Flora Bervoix Carla Simões

Annina Carolina Figueiredo

Alfredo Germont Luís Gomes

Giorgio Germont Sergio Vitale

Gastone João Cipriano

Barão Douphol Mário Redondo

Marquês d’Obigny João Merino

Dr. Grenvil João Oliveira

Giuseppe, criado de Violetta Diocleciano Pereira

Criado de Flora Leandro Silva

Comissário João Rosa

Coro Teatro Nacional de São Carlos
Maestro Titular Giovanni Andreoli

Orquestra Sinfónica Portuguesa
Maestrina Titular Joana Carneiro  

 
 

DIAS DO PATRIMÓNIO A NORTE

 

 

IGREJA MATRIZ DE SAMBADE, ALFÂNDEGA DA FÉ

28 E 29 SETEMBRO 2018

 

Coincidindo com as Jornadas Europeias do Património, a Direção Regional de Cultura do Norte promove o evento de encerramento do Ciclo Dias do Património a Norte, nos dias 28 e 29 de setembro, na Igreja Matriz de Sambade, em Alfândega da Fé. 

Desde o passado mês de abril que o Ciclo Dias do Património tem vindo a percorrer a região Norte, tendo passado já por Arouca, Tarouca, Miranda do Douro, Vila Real, Bragança e Mogadouro, registando:

- 362 participantes locais, envolvidos nas visitas guiadas, ações de gastronomia e performances comunitárias;

- 63 criações originais, distribuídas por visitas-jogos para o público infantojuvenil, conversas sobre o património e ações de envolvimento das comunidades locais;

- 6 concertos musicais;

- 6 restaurantes locais envolvidos e 3 criações gastronómicas de autor.

Em Ano Europeu do Património Cultural, a Direção Regional de Cultura do Norte tem vindo a promover este Ciclo de eventos, apostando na descentralização e na oferta cultural disseminada pelo território, apresentando um projeto de turismo cultural inovador, agregador e atrativo, que utiliza como instrumentos fundamentais a programação cultural, o trabalho de mediação com as comunidades e a comunicação ao serviço da qualificação da experiência turística e da competitividade da economia regional.

Como referido, o Ciclo Dias do Património a Norte encerra na Igreja Matriz de Sambade, em Alfândega da Fé, no próximo dia 29 de setembro (o dia 28 de setembro está reservado à participação das escolas).

Ao iniciar o dia, pelas 10h30, acolhem-se as famílias numa visita-jogo, desafiando-as a conhecer a história deste monumento de mapa na mão e de ouvido atento às pistas que se desvendam. Solucionados os enigmas, o convite é para assistir, e participar, numa peça de teatro que nos faz refletir acerca do valor da água e da preservação dos recursos naturais.

Inicia-se a tarde com uma visita orientada por quem aqui reside e relembra as memórias das gerações que vivenciaram este monumento. E é com este conhecimento do património vivido que nos sentamos para uma conversa sobre como se decide, e se vive, a cultura de um lugar. Abrem-se as portas e o Chef Marco Gomes dá a provar iguarias inspiradas nos sabores das terras de pastorícia. Ao findar da tarde, são as gentes de Sambade e de Alfândega da Fé que reclamam o palco e erguem as vozes num concerto do qual são cocriadoras.

A comemoração última da riqueza patrimonial da região norte, agendada para as 21h30, é dirigida pela mão de Rui Massena, num concerto de piano a solo que se tornará ímpar para a plateia privilegiada que se reúna na intimidade da Igreja.

Entrada livre.

Arranca hoje a 5ª edição do projeto VIArtes

Candidaturas abertas até 25 de novembro!

 

ViaCatarina Shopping lança 5ª edição de VIArtes

image008.jpg

 

Arranca hoje a 5ª edição do projeto VIArtes, o concurso do ViaCatarina Shopping que desafia artistas a criarem uma obra de Arte Pública na emblemática fachada do Centro, antigo edifício da sede do jornal O Primeiro de Janeiro, situado na Rua de Santa Catarina, no Porto.

 

A abertura das candidaturas marca o lançamento de mais uma edição em que o ViaCatarina Shopping reforça o seu apoio à criação artística e o seu papel de promotor da arte pública, enquanto veículo de comunicação e envolvimento com a comunidade residente e visitante da cidade do Porto.

 

Para Tomás Furtado, diretor do ViaCatarina Shopping, “Esta 5ª edição do VIArtes pretende, mais uma vez, dar a oportunidade aos artistas de estimularem a sua criação artística através da Arte Pública. A fachada do ViaCatarina Shopping apresenta todas as condições para o desenvolvimento de instalações artísticas, quer pela sua localização, quer pela excelente receção que tem tido pelos transeuntes e visitantes, razão pela qual este Concurso de Arte Pública é um projeto que já chegou à sua 5ª edição.”

 

A proposta vencedora deverá ser concretizada com o valor de 20 mil euros, o que incluí a remuneração do artista e de todos os recursos necessários à conceptualização, produção e implementação da obra, que realce a fachada do ViaCatarina Shopping, conferindo maior valor estético e envolvendo o público em geral.

 

Tomé Capa, autor da Fábrica de Sonhos, projeto vencedor da 4ª edição de VIArtes, diz da experiência: “É muito interessante participar em projetos como o VIArtes que dão a oportunidade a jovens artistas de expor a sua arte num edifício tão emblemático como é o caso do ViaCatarina Shopping. Ao desenvolver a minha proposta, A Fábrica de Sonhos, quis criar algo que destacasse a fachada do Centro e que fizesse as pessoas, parar, admirar e entrar, no fundo, que interagisse com as suas sensações e imaginação."

 

Podem participar no VIArtes 2018 os artistas Plásticos e/ou Digitais, Designers, Escultores e Arquitetos portugueses e/ou estrangeiros, que entreguem as suas candidaturas até à data limite de participação, dia 25 de novembro de 2018.

 

Sónia da Rocha, Diretora do Programa de Arte Pública da Sonae Sierra, refere que “Apesar de tocar em dois mundos aparentemente distintos, foi possível, perceber ao longo das anteriores quatro edições do VIARTES, que a Arte Pública e os Centros Comerciais se potenciam quando se cruzam, através de um elo de ligação muito forte: a comunidade a quem se dirigem, e que usufrui do resultado final. Basta observar como a maioria das pessoas que circulam na Rua de Santa Catarina se deixam interpelar pelas instalações artísticas que temos implementado para sentir o sucesso da iniciativa.”

 

As informações sobre o júri e o regulamento do Concurso estão disponíveis em www.viacatarina.pt.