Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Visitas Públicas à Igreja de Santa Clara do Porto

Visitas à Igreja de Santa Clara do Porto

Participantes poderão apreciar os trabalhos de conservação e restauro em curso

A Direção Regional de Cultura do Norte promove visitas públicas à Intervenção de Conservação e Restauro da Igreja de Santa Clara do Porto, nos dias 18 janeiro, 15 fevereiro e 21 de março, pelas 10h00. A iniciativa está limitada aos primeiros 35 inscritos por visita.

As inscrições para a visita do dia 18 de janeiro já estão a decorrer e podem ser efetuadas neste link: https://forms.gle/K7mmUHkp57tuAXrP6

Os trabalhos de conservação e restauro do recheio artístico da Igreja implicam o tratamento, limpeza e consolidação de toda a talha pintada ou dourada, da escultura e imaginária, das pinturas sobre tela e de pintura mural, de granitos e, ainda, trabalhos de consolidação de estruturas dos retábulos.

Além dos trabalhos acima referidos, estão em curso trabalhos de conservação e restauro do espólio artístico da sacristia, incluindo revestimento azulejar, pinturas sobre telas ou retábulo e arcaz.

A curto prazo serão, igualmente, iniciados os trabalhos de beneficiação dos paramentos exteriores, dos acessos de público e das instalações elétricas e os trabalhos de conservação e restauro do órgão e dos portais em cantaria de granitos (a norte, da igreja e a nascente, da portaria).

Este conjunto de trabalhos de recuperação e valorização da Igreja de Santa Clara do Porto segue-se aos trabalhos iniciais desta campanha já realizados: trabalhos de reforços estruturais e de conservação e restauro nos dois níveis do coro do antigo convento.

A Operação Igreja de Santa Clara do Porto representa um investimento global de 2 Milhões de Euros, sendo a intervenção comparticipada em 85% pelo Programa Operacional Norte 2020 e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, com o Mecenato da Irmandade dos Clérigos e Fundação Millennium BCP. Deverá estar concluída até final do 1º semestre de 2020.

 

Artista plástica Mariana Barrote expõe "Eye-vo-re" na Galeria sala117, no Porto_ Inauguração a 25 de Janeiro, 21h30

a nova exposição da Galeria sala117, no Porto, que no próximo dia 25, às 21h30, abre portas aos trabalhos de Mariana Barrote. A artista plástica vai ali reunir uma série de pinturas e desenhos mas também pequenos desenhos tridimensionais em linóleo e objectos construídos para serem manipulados no vídeo.

 

Em Eye-vo-re surge primeiro a pintura, camuflando, iludindo e narrando o mundo como o vê J.M. Clezio, mundo esse onde “não há animais nem plantas, há apenas homens, mais ou menos mascarados.” A pintura surge como convite: com malhas multicoloridas de tinta, de natureza polypoika, dirigindo-nos ao espaço onde reina o desenho e o vídeo. Jogos miméticos incorporam gestos que se tornam ritualizados e desconstruídos, presentes na documentação do desenho. A exploração poderá acentuar o não revelado, pelo desvio da norma, por fascínios e pela hybris. O desenho formula metáforas visuais que refletem sobre o seu ato, partindo do enraizamento do gesto e do olhar. O vídeo, de forma lírica, descortina os processos inerentes à atividade de desenhar, sustentando-a como o jogo rítmico de tensões entre a sedução e a cegueira.

A exposição fica patente até 14 de Março.

Casa das Artes apresenta Recital «Três Músicos. Três Trios»

A Associação António Fragoso orgulha-se de apresentar TRÊS fabulosos Músicos interpretando TRÊS peças de TRÊS grandes Compositores portugueses. Dia 17 de janeiro, pelas 19h00, na Casa das Artes, Porto.

 

A oportunidade de juntar três músicos de exceção interpretando três trios de grandes compositores portugueses, criados em datas diferentes, mas todos eles com a excelência como característica principal.

 

Fragoso compôs o seu Trio em 1915, com apenas 18 anos de idade e é uma das suas mais belas e mais apreciadas peças.

 

Frederico de Freitas  nasceu em 1902 e faleceu em 1980. Foi um dos mais prolíferos compositores de Portugal. Criou peças musicais de vários géneros, desde sinfonias, ao ballet e ao musical, entre outros. Criou também música de câmara, das quais se salienta, pela sua qualidade, o seu Trio.

 

Pedro Macedo Camacho é um dos compositores contemporâneos mais criativos e a sua música é de excelente qualidade. O Trio 1 marca a sua primeira peça de câmara, mas dá-nos a sensação de já compor música de câmara há muito tempo.

 

Músicos

Luís Costa - piano

Eliseu Silva - violino

Alexander Znachonak - violoncelo

 

Entrada livre.

Super-Heróis dos Oceanos: a nova atividade do SEA LIFE Porto. Entrada grátis no dia 1 de janeiro 🌊

 

9139_blacktip-shark.jpg

 

Começar 2020 com uma aventura emocionante: descobrir o próprio superpoder subaquático! Este evento especial estreia no dia 1 de janeiro e a entrada no SEA LIFE Porto para crianças até aos 12 anos é gratuita no primeiro dia do ano.

 

O SEA LIFE Porto começa o novo ano em grande, com um evento especial, que estará disponível do dia 1 de janeiro até ao final do mês de fevereiro. Os super-heróis subaquáticos chegam ao aquário portuense para ajudar as crianças a encontrar o seu próprio superpoder. Através de cinco jogos distintos, podem descobrir os poderes de cinco criaturas marinhas: a rapidez dos tubarões, a tenacidade da estrela-do-mar, a adaptabilidade do polvo, o metabolismo do cavalo-marinho ou a força do caranguejo, através de desafios em que consigam descobrir as suas próprias capacidades extraordinárias.

 

Estes jogos exigem força, velocidade, concentração e inteligência. Ao superarem os desafios em que testam as melhores características do mundo animal, com vontade e perspicácia, vão ficar a conhecer os seus próprios superpoderes dos oceanos.

 

Os super-heróis dos oceanos são o mote perfeito para uma visita ao SEA LIFE Porto, podendo aproveitar o primeiro dia do novo ano para o fazer. Aberto das 14h às 19h (a hora da última entrada é às 18h15), a entrada é gratuita para crianças até aos 12 anos, quando acompanhadas de um adulto.

SERRALVES // 14 DEZ 17H30 // A PALAVRA DE SOPHIA E A PERFORMANCE

 

Auditório de Serralves-Museu de Arte Contemporânea 

14 DEZ

17h30

 

Performers:

Angélica Salvi

VUDUVUM (Marta Baptista)

 

Sophia de Mello Breyner Andresen revelou desde sempre uma atenção emocionada às relações entre a arte da palavra e as outras artes. Da música à dança, passando pela pintura, pela escultura ou pela arquitetura, a presença das artes é recorrente na sua obra quer no plano temático quer a nível das formas e dos ritmos. O ciclo Sophia e a Artes, que comemora o centenário do nascimento de Sophia, reuniu em cinco sessões oradores, especialistas na obra de Sophia e na arte escolhida para a respetiva sessão, que mantiveram intensos diálogos sobre a sua obra.

 

As quatro primeiras sessões dedicaram-se a fazer dialogar a obra da poeta com uma arte, ou área artística: na sessão "Sophia e a Música” dialogaram com a sua obra Pedro Eiras e Amílcar Vasques-Dias, moderados por Ana Luísa Amaral; "Sophia e a Dança” foram objeto da análise de Carlos Mendes de Sousa e Joana Providência sob a moderação de Ana Paula Coutinho; para  "Sophia e as Artes Plásticas” foram convocados Maria Filomena Molder e Nuno Faria com a moderação de Isabel Pires de Lima e "Sophia e a Forma” foram alvo dos olhares de Maria Irene Ramalho e Teresa Andresen, moderadas por Rosa Maria Martelo.

 

A última sessão deste ciclo, que se realiza este sábado, em Serralves, será preenchida pela performance das artistas ANGELICA E VUDUVUM, uma proposta inédita, concebida para esta celebração.

 

Tudo vai rolar na violência do instante. Atenção ao Mundo! 

Ouvir devagar, de mãos e pulsos roucos e vermelhos,

Mergulhar de olhos abertos na noite diurna

Onde o caos recomeça.

Mais tarde será tarde e já é tarde.

Há muito.

 

ANGELICA E VUDUVUM 

 

IMAGEM: https://we.tl/t-PIIx1YNdLg

 

Ciclo integrado no centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen

 

Organização: Ana Luísa Amaral, Isabel Pires de Lima, Rosa Maria Martelo

Serralves-Museu de Arte Contemporânea e Biblioteca Municipal Almeida Garrett.

Com o apoio da Câmara Municipal do Porto, do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa e da Fundação de Serralves

 

Acesso: Entrada gratuita

A ARTE DA PALAVRA DE SOPHIA E AS OUTRAS ARTES EM SERRALVES

 

 

CICLO SOPHIA E AS ARTES - NO CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN

DE 16 NOV 2019 A 14 DEZ 2019

DATAS: 16, 23 E 30 NOV, 7 E 14 DEZ

Oradores:

Carlos Mendes de Sousa

Joana Providência 

Moderação:

Ana Paula Coutinho 

 

Sophia de Mello Breyner Andresen revelou desde sempre uma atenção emocionada às relações entre a arte da palavra e as outras artes. Da música à dança, passando pela pintura, pela escultura ou pela arquitetura, a presença das artes é recorrente na sua obra quer no plano temático quer a nível das formas e dos ritmos. O ciclo Sophia e as Artes, que comemora o centenário do nascimento de Sophia, será constituído por cinco sessões distribuídas pelos meses de Novembro e Dezembro. As quatro primeiras sessões dedicar-se-ão a fazer dialogar a obra da poeta com uma arte, ou área artística: "Sophia e a Música”; "Sophia e a Dança”; "Sophia e as Artes Plásticas”; "Sophia e a Forma”. Para esse diálogo foram convidados dois oradores, especialistas na obra de Sophia e na arte escolhida para a respetiva sessão. A última sessão deste ciclo será preenchida pela performance das artistas ANGELICA E VUDUVUM, uma proposta inédita, concebida para esta celebração.

 

Versos dança música pintura

Um mundo vivo em canto e em figura 

Que a vida inteira ficará comigo

 

PROGRAMA:

16 de Novembro, 17h30

Biblioteca Almeida Garrett

 

SOPHIA E A MÚSICA

Nem um momento só podes perder

A linha musical do encantamento

 

Pedro Eiras | Amílcar Vasques-Dias 

Moderação de Ana Luísa Amaral

 

 

23 de Novembro, 17h30

Auditório de Serralves-Museu de Arte Contemporânea 

 

SOPHIA E A DANÇA

Mar,

Metade da minha alma é feita de maresia.

 

Carlos Mendes de Sousa | Joana Providência 

Moderação de Ana Paula Coutinho 

 

30 de Novembro, às 17h30 

Auditório de Serralves-Museu de Arte Contemporânea 

 

SOPHIA E AS ARTES PLÁSTICAS

Aqui — como convém aos mortais — 

Tudo é divino

 

Maria Filomena Molder | Nuno Faria

Moderação de Isabel Pires de Lima

 

7 de Dezembro, às 17h30 

Biblioteca Almeida Garrett

 

SOPHIA E A FORMA 

Se nada adoecer a própria forma é justa

E no todo se integra como palavra em verso

 

Maria Irene Ramalho | Teresa Andresen 

Moderação de Rosa Maria Martelo 

 

14 de Dezembro, 17h30 

Auditório de Serralves-Museu de Arte Contemporânea 

 

PERFORMANCE

Altas marés no tumulto me ressoam

E paredes de silêncio me reflectem

 

ANGELICA E VUDUVUM 

 

Ciclo integrado no centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen

Organização: Ana Luísa Amaral, Isabel Pires de Lima, Rosa Maria Martelo

 

Serralves-Museu de Arte Contemporânea e Biblioteca Municipal Almeida Garrett.

Com o apoio da Câmara Municipal do Porto, do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa e da Fundação de Serralves

 

Acesso: Entrada gratuita

Concerto com o vencedor do EMSCAN 2019 Na Casa das Artes Bissaya Barreto

Clara Saleiro_IIC2019_2.png

 

O vencedor da primeira categoria da Competição Internacional de Interpretação da EMSCAN apresenta a obra de Jaime Reis na Casa das Artes Bissaya Barreto. 

O concurso resulta da ligação entre o Electroacoustic Sound Courses Alumni Network (EMSCAN) e o Lisboa Incomum. Esta edição parte do desafio lançado pelo compositor português Jaime Reis para a interpretação a sua obra FluxusDimensionless Sound, inspirada em elementos da física, mesclando a eletrónica das aeronaves e técnicas de síntese musical com o sopro da flauta.

  

Numa prova dividida em duas partes, a primeira categoria cede o palco aos músicos profissionais e a segunda aos talentos mais jovens. O júri, composto por Clara Saleiro, Jaime Reis e Monika Streitová, escolhe o vencedor da primeira categoria da etapa final que decorre em Lisboa no Espaço Incomum. Um dia depois, o vencedor apresenta-se em concerto na Casa das Artes Bissaya Barreto, em Coimbra. 

 

Sexta-feira, 8 de Dezembro 

18H00 

Entrada Livre 

Residência Artística de Tiago Sarafado Na Casa das Artes

Outlook-Tiago Sara (1).png

 

O músico Tiago Sarafado foi incluído no programa de Residências Artísticas da Casa das Artes Bissaya Barreto para preparar um concerto inéditocom entrada gratuita, já no dia 23 de Novembro. 

Tiago Sarafado é o nome de um músico tão prolixo quanto indecifrável. A sua múltipla identidade agora reunida com um nome mais do que familiar esteve dispersa ao longo dos últimos anos entre heterónimos como Distances, Delicate, Phrase Infinitiva, Tear Souvenir, ou simplesmente JCCG; para dar alguns exemplos mais notáveis. As muitas músicas e discos publicados online neste período oferecem um desafio de criptografia para decifrar o puzzle, tal o cuidado posto em cada nova identidade digital e sobretudo as estratégias de criação que parecem ir empurrando para o absurdo os limites de um velho computador portátil como bem se percebe pelo nome que escolheu para um dos seus mais antigos alter egos, SpinningBeachBallofDeath, a lembrar aquela assustadora bola colorida que os computadores apple nos mostram quando fomos longe demais no que lhes pedimos.   

 

A apresentação ao vivo servirá para mostrar o trabalho de compilação realizado em residência na Casa das Artes neste mês de Novembro.  

 

Exposição da fotógrafa Pauliana Valente Pimentel sobre os Emirates inaugura amanhã, dia 23, 18h00, na Galeria sala117, no Porto

 

Inaugura amanhã, dia 23, às 18h00, na Galeria sala117, no Porto, “Empty Quarter #2 (Rub Al’Khali)”, a primeira exposição da fotógrafa Pauliana Valente Pimentel numa galeria do Porto. 



 


Esta série fotográfica (mais um vídeo) retrata os Emiratis, os locais dos Emirados Árabes Unidos, os seus usos e costumes, a sua riqueza, a sua maneira excêntrica de viver, recriando no meio do Deserto tudo o que não têm. Pauliana Valente Pimentel visitou o Dubai pela primeira vez em 2015, incursão essa que resultou numa exposição no projecto o - apartamento, em Lisboa. Voltou em 2017 e agora, em 2019, mostra na sala117 o resultado do seu trabalho - apesar de ter vivido em locais de difícil acesso e da dificuldade acrescida para entrar no mundo Árabe pelo facto de ser mulher, retratou-os "da forma mais fiel possível".

 

O objectivo final é ter uma mostra no Dubai durante a Expo 2020. A mostra fica patente até 18 de Janeiro de 2020.